Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza"

Transcrição

1 CONTROLE EXEC PLANEJAM E ORÇAM Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO EXECUÇÃO DO PPA PPA A ALOCAR NO PLOA PPA ALOCADO NA LOA PPA EXECUTADO EXECUÇÃO DO PLOA PROCESSAMENTO DO PLOA - RECEITA PLOA COM INDICADOR DE RESULTADO - RECEITA Compreende as contas com função de Registra os atos e fatos ligados a execução orçamentária. Compreende o somatório dos valores monetários relativos à execução dos programas e ações (projetos, atividades e operações especiais) estabelecidos no plano plurianual e projeto de lei orçamentária anual. Compreende o somatório dos valores monetários relativos à execução dos programas e ações (projetos, atividades e operações especiais) estabelecidos no plano plurianual. Registra o somatorio dos valores monetarios do plano plurianual durante o seu periodo de vigencia detalhado por programas de trabalho a serem selecionados na elaboração do LOA. Registra o somatorio dos valores monetarios do plano plurianual aprovado, detalhado por programa de trabalho alocado na LOA. Registra o somatorio dos valores monetarios do plano plurianual executado no seu periodo de vigencia, detalhado por programa de trabalho autorizado nas leis orcamentarias. Compreende o somatório dos valores monetários de receitas e despesas previstos no projeto de lei orçamentária durante as suas fases de tramitação. Compreende o somatorio dos valores monetarios das receitas previstas no projeto de lei orcamentaria durante as suas fases de tramitação. Compreende o somatorio dos valores monetarios da receita previstos no projeto de lei orcamentaria com indicador de resultado.

2 PROJ.INICIAL DA LEI ORCAMENT.C/ INDIC.RESULT. PROJ.FINAL DA LEI ORCAMENT.C/ INDIC.RESULT. PLOA SEM INDICADOR DE RESULTADO - RECEITA PROJ.INICIAL DA LEI ORCAMENT.S/ INDIC.RESULT. PROJ.FINAL DA LEI ORCAMENT.S/ INDIC.RESULT. PROCESSAMENTO DO PLOA - DESPESA PLOA COM INDICADOR DE RESULTADO - DESPESA PROJ.INICIAL DA LEI ORCAMENT.C/ INDIC.RESULT. PROJ.FINAL DA LEI ORCAMENT.C/ INDIC.RESULT PLOA SEM INDICADOR DE RESULTADO - DESPESA PROJ.INICIAL DA LEI ORCAMENT.S/ INDIC.RESULT. PROJ.FINAL DA LEI ORCAMENT.S/ INDIC.RESULT EXECUÇÃO DO ORCAMENTO EXECUÇÃO DA RECEITA RECEITA A REALIZAR Registra os valores monetarios da receita previstos no projeto inicial de lei orcamentaria com indicador de resultado. Registra os valores monetarios da receita previstos no projeto final da lei orcamentaria com indicador de resultado. Compreende o somatorio dos valores monetarios previstos no projeto de lei orcamentaria sem indicador de resultado - receita. Registra os valores monetarios da receita previstos no projeto inicial da lei orcamentaria sem indicador de resultado. Registra os valores monetarios previstos no projeto final da lei orcamentaria sem indicador de resultado. Compreende o somatorio dos valores monetarios fixados para as despesas no projeto de lei orcamentaria durante as suas fases de tramitação. Compreende o somatorio dos valores monetarios fixados para a despesa no projeto de lei orcamentaria com indicador de resultado. Registra os valores pertinentes aos creditos do projeto inicial da lei orcamentaria com indicador de resultado. Registra os valores pertinentes aos creditos do projeto final da lei orcamentaria com indicador de resultado. Compreende o somatorio dos valores monetarios fixados para a despesa no projeto de lei orcamentaria sem indicador de resultado. Registra os valores pertinentes aos creditos do projeto inicial da lei orcamentaria sem indicador de resultado. Registra os valores pertinentes aos creditos do projeto final da lei orcamentaria sem indicador de resultado. Compreende o somatório dos valores relativos à realização da receita, execução da despesa e suas alterações no orçamento geral da União durante o exercício financeiro. Compreende o somatório dos valores relativos à realização da receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações. Registra o somatório dos valores relativos à receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações, detalhada por natureza da receita

3 RECEITA REALIZADA (-) DEDUÇÕES DA RECEITA ORCAMENTARIA Registra o somatório dos valores relativos às receitas realizadas, detalhada por natureza de receita Registra o somatório dos valores relativos às deduções de receitas realizadas (devoluções, restituições, e outras), detalhada por natureza de receita EXECUÇÃO DA DESPESA Compreende o somatório da disponibilidade de credito orçamentário e da execução da despesa em suas diversas etapas Compreende o somatório da disponibilidade de credito orçamentário DISPONIBILIDADES DE CREDITO e suas alterações CREDITO DISPONIVEL CREDITO INDISPONIVEL CRÉDITO CONTINGENCIADO CREDITO BLOQUEADO PARA REMANEJAMENTO CRÉDITO BLOQUEADO Reserva de Empenho a Empenhar RESERVA DE EMPENHO A EMPENHAR POR DOTAÇÃO RESERVA DE EMPENHO A EMPENHAR POR PED RESERVA DE EMPENHO EMPENHADO - POR PED CONTRAPARTIDA DA RESERVA DE EMPENHO A EMPENHAR CREDITO UTILIZADO Registra o valor da disponibilidade de credito referente à dotação inicial e adicional aprovada no orçamento geral da União na loa ou lei especifica ou antecipada pela lei de diretrizes orçamentárias - LDO Compreende o valor da indisponibilidade de credito orçamentário pelo seu contingenciamento ou liberação pendentes de autorização legislativa. Registra o valor da indisponibilidade de creditos por contingenciamentossetoriais de orcamento para remanejamento de fonte ou grupo de despesa Registra os valores de creditos indisponibilizados para futuro remanejamentos. Registra os valores de creditos indisponibilizados por bloqueios feito pelo planejamento. Compreende os valores referentes a reserva de empenho - PED para controle por número. Compreende os valores disponíveis bloqueados por pedido de empenho para controle por dotação. Compreende o somatório dos valores disponíveis bloqueados por pedido de empenhos para controle por número de PED Compreende o somatório dos valores reservados por PED e empenhados. Compreende os valores referentes a contrapartida para valores de empenho a empenhar. Compreende o somatório dos valores referentes aos créditos orçamentários empenhados

4 CREDITO EMPENHADO A LIQUIDAR CREDITO EMPENHADO EM LIQUIDAÇÃO CREDITO EMPENHADO LIQUIDADO A PAGAR CREDITO EMPENHADO - PAGO EMPENHOS A LIQUIDAR INSCRITOS EM RESTOS A PAGAR NAO PROCESSADOS EMPENHOS EM LIQUIDACAO INSCRITOS EM RESTOS A PAGAR NAO PROCESSADOS EMPENHOS LIQUIDADOS INSCRITOS EM RESTOS A PAGAR PROCESSADOS CONSIGNAÇÕES LIQUIDADAS A PAGAR OUTROS CONTROLES DE CRÉDITOS UTILIZADOS CRÉDITOS UTILIZADOS POR FUNÇÃO Registra o valor da despesa empenhada a liquidar. Registra o valor da despesa cujo fato gerador já ocorreu, mas que ainda não foram conferidos o objeto, e o valor, ou seja, não houve a liquidação Registra o valor da apropriação das despesas empenhadas com posterior verificação de sua regularidade por constituição do direto do credor. Registra o somatório dos valores das despesas empenhadas e pagas. Registra o montante dos valores a liquidar inscritos em restos a pagar não processados. Registra o montante dos valores em liquidação inscritos em restos a pagar nao processados. Registra o montante dos valores liquidados inscritos em restos a pagar processados. Registra os valores das consignações liquidadas a pagar.. Compreende o registro de outros controles dos créditos orçamentários utilizados pela execução do orçamento. Comprende o controle dos valores dos créditos orçamentários utilizados por função. CONTROLE CREDITO EMPENHADO A LIQUIDAR POR Registra os valores das despesas empenhadas a pagar segregadas FUNÇÃO por função. CRÉDITOS LIQUIDADOS A PAGAR Registra os valores das despesas liquidadas a pagar segregadas por POR FUNÇÃO função. CRÉDITOS LIQUIDADOS PAGOS POR FUNÇÃO Registra os valores das despesas liquidadas e pagas, por função. CONTRAPARTIDA DE CRÉDITOS Registra a contrapartida dos valores das despesas liquidadas a UTILIZADOS POR FUNÇÃO pagar e pagas segregadas por função CRÉDITOS UTILIZADOS POR SUBELEMENTO Compreende os controles dos valores das despesas liquidadas a pagar por subelemento

5 CRÉDITOS LIQUIDADOS A PAGAR POR NÚMERO LIQUIDAÇÃO, NATUREZA DA DESPESA E SUBELEMENTO CRÉDITOS LIQUIDADOS A PAGAR POR DOTAÇÃO E SUBELEMENTO CONTRAPARTIDA DOS CRÉDITOS UTILIZADOS POR SUBELEMENTO (-) OUTROS CRÉDITOS UTILIZADOS MOVIMENTAÇÃO DE CREDITOS CONCEDIDOS Registra os valores das despesas liquidadas a pagar por subelemento, segregadas por número da liquidação e pela natureza da despesa. Registra os valores das despesas liquidadas a pagar por subelemento, segregadas por dotação. Registra o somatório dos valores das contrapartidas dos controles das despesas liquidadas a pagar e pagas por subelemento. Registra a contrapartida de despesas realizadas pelas entidades ou órgão da administração direta/indireta que utilizam o FIPLAN. Registra a contrapartida de despesas liquidadas na rotina de suprimento de fundos para evitar a emissão de lista de item (LI) para reclassificação da despesa Registra o somatório dos valores dos créditos orçamentários concedidos através de destaque, provisão ou por fusão, cisão ou extinção de unidades DESCENTRALIZAÇÃO INTERNA DE CREDITOS - PROVISÃO Compreende os valores dos creditos descentralizados das unidades orcamentarias para as unidades administrativas sob sua jurisdição ou entre estas, ou entre UO/UG do mesmo órgão, no ambito de cada órgão, concedidos ao longo do exercício PROVISÃO CONCEDIDA NA MESMA UO PROVISÃO CONCEDIDA- CORRENTES-MESMA UO PROVISÃO CONCEDIDA-CAPITAL- MESMA UO PROVISÃO CONCEDIDA- CORRENTES-UO DISTINTAS- MESMO ÓRGÃO Compreende os valores dos créditos descentralizados das unidades orçamentárias para as unidades administrativas sob sua jurisdição ou entre estas, ou entre UO/UG do mesmo órgão, no ambito de cada órgão, concedidos ao longo do exercício. Compreende os valores dos creditos descentralizados entre UG pertencentes a uma mesma UO do mesmo órgão, concedidos ao longo do exercício, referentes às despesas correntes. Compreende os valores dos creditos descentralizados entre UG pertencentes a uma mesma UO do mesmo órgão, concedidos ao longo do exercício, referentes às despesas de capital. Compreende os valores dos creditos descentralizados entre UG distintas pertencentes a uma mesma UO do mesmo órgão, concedidos ao longo do exercício.

6 PROVISÃO CONCEDIDA CORRENTES-UO DISTINTAS- MESMO ÓRGÃO PROVISÃO CONCEDIDA-CAPITAL- UO DISTINTAS-MESMO ÓRGÃO DESCENTRALIZAÇÃO EXTERNA DE CREDITOS - DESTAQUE DESTAQUE CONCEDIDO - CORRENTES DESTAQUE CONCEDIDO - CAPITAL DESTAQUE CONCEDIDO POR NÚMERO DE DOCUMENTO CONTRAPARTIDA DE DESTAQUE CONCEDIDO POR Nº DE DOC OUTRAS DESCENTRALIZAÇÕES DE CRÉDITOS CRÉDITOS CONCEDIDOS POR FUSÃO, CISÃO OU EXTINÇÃO - INTERNOS CRÉDITOS CONCEDIDOS POR FUSÃO, CISÃO OU EXTINÇÃO - EXTERNOS DETALHAMENTO DE CREDITO CREDITOS DETALHADOS Compreende os valores dos creditos descentralizados entre UG distintas pertencentes a uma mesma UO do mesmo órgão, concedidos ao longo do exercício, referentes às despesas correntes. Compreende os valores dos creditos descentralizados entre UG distintas pertencentes a uma mesma UO do mesmo órgão, concedidos ao longo do exercício, referentes às despesas de capital.. Compreende a descentralização do credito inicial ou adicional concedido de unidades ou órgãos pertencentes a ministérios, secretarias e órgãos equivalentes distintos ou entre estes e entidades da administração indireta. Compreende o valor referente a movimentação de creditos decorrentes de transferencias concedidas entre unidades de órgãos diferentes, referente às despesas correntes. Compreende o valor referente a movimentação de creditos decorrentes de transferencias concedidas entre unidades de órgãos diferentes, referente às despesas de capital. Compreende o somatório dos valores referentes a destaque concedidos controlados por número de documento. Compreende o somatório dos valores referentes a destaque concedido por número de NDD. Compreende as movimentações de créditos concedidos por cisão, fusão, extinção, compensação e outras transações. Registra o valor dos creditos concedidos por descentralizacao interna decorrentes de fusao, cisao ou extincao de orgaos, entidades ou UG's durante o exercício. Registra o valor dos creditos concedidos por descentralizacao interna decorrentes de fusao, cisao ou extincao de orgaos, entidades ou UG's durante o exercício. Registra o detalhamento das dotações orçamentárias relativas a cada programa de trabalho. Registra o valor dos creditos detalhados por plano interno, fonte de recursos, ug responsavel e natureza de despesa (elemento de despesa e / ou modalidade de aplicacao).

7 OUTROS CONTROLES DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA DISPONIBILIDADES DE CRÉDITO PARA RESERVA DE DOTAÇÃO - CDD CRÉDITOS DISPONÍVEIS PARA RESERVA DE DOTAÇÃO- CDD CRÉDITOS DISPONÍVEIS PARA RESERVA DE DOTAÇÃO- CDD CRÉDITO RESERVADO Compreende o somatório dos valores executados das despesas préempenhadas e empenhadas por detalhamento específico. Compreende o somatorio dos valores das dotações orçamentárias para efeito do controle das reservas de dotações Compreende o somatório dos valores das dotações orçamentárias para efeito do controle das reservas de dotações, referente aos créditos disponíveis para reserva de dotação. Compreende o somatório dos valores das dotações orçamentárias para efeito do controle das reservas de dotações, referentes aos créditos disponíveis para reserva de dotações. Compreende o somatorio dos valores das dotações orçamentárias para efeito do controle das reservas de dotações, referente aos créditos reservados CRÉDITO RESERVADO POR PED - Compreende o somatorio dos valores das dotações orçamentárias CDD para efeito do controle das reservas de dotações, referente aos créditos reservados por ped sem vinculação a contratos. CRÉDITO CONTINGENCIADO - CDD CRÉDITO BLOQUEADO PARA REMANEJAMENTO - CDD CRÉDITO BLOQUEADO - CDD Registra o valor da indisponibilidade de creditos por contingenciamentossetoriais de orcamento para remanejamento de fonte ou grupo de despesa. Registra os valores de creditos indisponibilizados para futuro remanejamentos. Registra os valores de creditos indisponibilizados por bloqueios feito pelo planejamento CRÉDITO RESERVADO POR SRD Compreende o somatório dos valores das dotações orçamentárias, utilizadas por SRD para efeito de controle das reservas de dotações Compreende o somatório dos valores das dotações orçamentárias, CRÉDITO RESERVADO POR SRD utilizadas por SRD homologada para efeito de controle das reservas HOMOLOGADA de dotações CRÉDITO RESERVADO POR SRD HOMOLOGADA E CONTRATADA- CDD Compreende o somatório dos valores das dotações orçamentárias para efeito do controle das reservas de dotações, referente aos créditos reservados por SRD por solicitação homologada econtratada.

8 CRÉDITO RESERVADO POR SRD PARA CONVÊNIO DE DESPESA FIRMADO - CDD CRÉDITO RESERVADO DE CONV DESP FIRMADO - PARCELAS CRÉDITO UTILIZADO POR PED PARA INSTRUMENTOS -CDD CRÉDITO RESERVADO POR SRD PARA CONVÊNIO FIRMADO - PARCELAS UTILIZADO CONTRAPARTIDA PARA CONVÊNIOS FIRMADOS CONTROLE POR PARCELAS. CONTRAPARTIDA PARA ALTERAÇÃO DE CNPJ - CONTRATOS MOVIMENTAÇÃO DE CREDITOS CONCEDIDOS-CDD Compreende o somatório dos valores reservados para convênios firmados Compreende o somatório dos valores reservados para convênios de despesa firmados para controle das parcelas. Compreende o somatório dos valores utilizados por PED para instrumentos CDD Compreeende o somatório dos valores utilizados referente a convênio firmado controle de parcelas pela liquidação da despesa Contrapartida para registro dos somatório dos valores dos convênios de despesa firmados para controle das parcelas.. firma Registra o somatório dos valores para mudança de CNPJ nos contratos firmados, por meio de termo aditivo. Compreende o somatorio dos valores dos recebimentos de creditos orcamentarios atraves de destaque, provisão ou por fusão, cisão ou extinção de unidades DESCENTRALIZAÇÃO INTERNA DE CRÉDITOS - PROVISÃO-CDD DESCENTRALIZAÇÃO EXTERNA DE CRÉDITOS - DESTAQUE-CDD CONTROLE DA EXECUÇÃO DA DESPESA DETALHADA CONTROLE DA DESPESA LIQUIDADA Compreende os valores dos creditos descentralizados das unidades orcamentarias para as unidades administrativas sob sua jurisdição ou entre estas, no ambito do proprio ministerio, secretaria ou órgão equivalente, concedidos ao longo do exercício. Compreende a descentralização do credito inicial ou adicional recebido de unidades ou órgãos pertencentes a ministerios, secretarias e órgãos equivalentes distintos ou entre estes e entidades da administração indireta. Compreende o valor das despesas executadas no exercício, detalhadas até o nível de subelemento. Compreende o valor das despesas executadas no exercício detalhadas até o nível de subelemento - Controle da Despesa Liquidada.

9 DESPESA LIQUIDADA A PAGAR EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR EXECUÇÃO DE RP NAO PROCESSADOS RP NAO PROCESSADOS A LÍQUIDAR RP NAO PROCESSADOS EM LIQUIDAÇÃO RP NAO PROCESSADOS LIQUIDADOS A PAGAR RP NAO PROCESSADOS LIQUIDADOS A PAGAR RP NAO PROCESSADOS LIQUIDADOS A PAGAR CONSIGNAÇÕES DE RP NAO PROCESSADOS RP NAO PROCESSADOS PAGOS RP NAO PROCESSADOS PAGOS RP NAO PROCESSADOS PAGOS CONSIGNAÇÕES DE RP NAO PROCESSADOS - PAGAS RP NAO PROCESSADOS A LIQUIDAR BLOQUEADOS RP NAO PROCESSADOS TRANSFERIDOS Compreende o valor das despesas executadas no exercício detalhadas até o nível de subelemento - Despesas Liquidadas a Pagar. Compreende o somatório dos valores relativos à transferência, liquidação e pagamento das despesas empenhadas e não pagas. Registra o valor dos RP não processados ainda não liquidados Registra o valor dos RP não processados ainda não liquidados Registra o valor dos RP não processados ainda não liquidados cujo fato gerador já ocorreu. Registra o valor dos RP não processados e suas Consignações, liquidados após sua inscrição e ainda não pagos Registra o valor dos RP não processados e Consignações associadas, liquidados após sua inscrição e ainda não pagos. Registra o valor dos RP não processados, liquidados após sua inscrição e ainda não pagos.. Registra o valor das consignações de RP não processados, liquidadas após sua inscrição e ainda não pagas. Registra o valor dos RP não processados e Consignações destes RP, liquidados após sua inscrição e pagos. Registra o valor dos RP não processados e suas consignações, liquidados após sua inscrição e pagos. Registra o valor dos RP não processados, liquidados após sua inscrição e pagos. Registra o valor das Consignações de RP não processados, liquidados após sua inscrição e pagos. Registra o valor de restos a pagar não processados a liquidar, bloqueado por decreto. Registra o valor da transferência de restos a pagar não processados pela desincorporação de saldos decorrentes de transformação, cisão, fusão e extinção de órgãos ou UG s RP NAO PROCESSADOS - INSCRIÇÃO NO EXERCICIO Registra o valor das despesas empenhadas inscritas no exercício como restos a pagar não processados, a ser transferido no exercício seguinte para a conta e

10 RP NAO PROCESSADOS CANCELADOS POR INSUFICIENCIA DE RECURSOS OUTROS CANCELAMENTOS DE RP EXECUÇÃO DE RP PROCESSADOS Compreende o cancelamento de restos a pagar não processados por insuficiência de recursos, pela inscrição indevida ou para atender dispositivo legal. Registra o valor dos restos a pagar nao processados cancelados nos exercícios subsequentes ao da sua inscrição por insuficiencia de recursos financeiros. Registra o valor dos restos a pagar nao processados cancelados nos exercícios subsequentes ao da sua inscrição, exceto os cancelados por insuficiencia de recursos financeiros. Compreende o somatório dos valores relativos à transferência, liquidação e pagamento das despesas empenhadas, liquidadas no exercício financeiro de sua inscrição e não pagas RP PROCESSADOS A PAGAR Registra o valor dos RP processados e não pagos RP PROCESSADOS A PAGAR Registra o somatório dos valores dos RP processados e não pagos. CONSIGNAÇÕES DE RP PROCESSADOS A PAGAR Registra o valor das consignações de RP processados e não pagos RP PROCESSADOS PAGOS Registra o valor dos RP processados pagos RP PROCESSADOS PAGOS Registra o valor dos RP processados já pagos. CONSIGNAÇÕES DE RP PROCESSADOS PAGAS Registra o valor das consignações de RP processados pagos RP PROCESSADOS TRANSFERIDOS RP PROCESSADOS - INSCRIÇÃO NO EXERCÍCIO Registra o valor da transferência de restos a pagar pela desincorporação de saldos decorrente de transformação, cisão, fusão e extinção de órgãos ou UG s. Registra o valor das despesas empenhadas inscritas no exercício como restos a pagar processados, a ser transferido no exercício seguinte para a conta RP PROCESSADOS CANCELADOS RP PROCESSADOS CANCELADOS CONSIGNAÇÕES DE RP PROCESSADOS CANCELADAS Compreende o cancelamento de Consignações de restos a pagar e de restos a pagar processados por insuficiência de recursos, pela inscrição indevida ou para atender dispositivo legal. Compreende o cancelamento de restos a pagar processados por insuficiência de recursos, pela inscrição indevida ou para atender dispositivo legalxx. Compreende o cancelamento de consignações de restos a pagar processados por insuficiência de recursos, pela inscrição indevida ou para atender dispositivo legal.

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX 2013/2014 PROJETO UNIDADES PILOTO OBJETO: Testar o envio de informações encaminhadas

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

Objetivo da apresentação

Objetivo da apresentação Objetivo da apresentação Apresentar o processo geral da execução da despesa. Apresentar as funcionalidades dos documentos hábeis: 1. Registro do Passivo por Competência (RPC) 2. Registro de Documento Hábil

Leia mais

FIP Balancete Mensal de Verificação

FIP Balancete Mensal de Verificação 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.005.472,68 D 1.160.936,76 1.191.738,90 974.670,54 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 325.323,28 D 1.160.936,76 1.191.738,90 294.521,14 D 1.1.1.0.0.00.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Serviço Autônomo de Água e Esgoto 1.0.0.0.0.00.00 Ativo 47.847.241,97 2.918.524,45 2.359.963,02 48.442.859,64 1.1.0.0.0.00.00 Ativo Circulante 4.019.462,20 917.703,39 820.794,61 4.116.370,98 1.1.1.0.0.00.00 Disponível 3.018.543,61 497.836,30

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores -

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores - Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis de registro no Sistema SIAFEM/RJ, dos recursos extraorçamentários, provenientes de Depósitos de Diversas Origens e Credores - Entidades e Agentes em

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS REFERÊNCIA: IPC 10 STN (MINUTA) 1 INFORMAÇÕES GERAIS O reconhecimento do ativo patrimonial no consórcio público e do passivo patrimonial no ente consorciado ocorre

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

1. INFORMAÇÕES SOBRE TRANSFERÊNCIAS MEDIANTE CONVÊNIO, CONTRATO DE REPASSE E OUTROS

1. INFORMAÇÕES SOBRE TRANSFERÊNCIAS MEDIANTE CONVÊNIO, CONTRATO DE REPASSE E OUTROS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO 1. INFORMAÇÕES SOBRE TRANSFERÊNCIAS MEDIANTE CONVÊNIO, CONTRATO DE

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

DISP. DO PERÍODO ANTERIOR 290.698 303.483 DISP. PARA PERÍODO SEGUINTE 445.845 290.698

DISP. DO PERÍODO ANTERIOR 290.698 303.483 DISP. PARA PERÍODO SEGUINTE 445.845 290.698 6.2.2. Balanço Financeiro O Anexo 13 da Lei nº 4.320/64, define a estrutura do Balanço Financeiro, onde a Receita Orçamentária é desdobrada segundo as Categorias Econômicas e a Despesa Orçamentária segundo

Leia mais

Estágios da Despesa Pública

Estágios da Despesa Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Estágios da Despesa Pública lac.consultoria@gmail.com CONCEITO: A despesa pública consiste na realização de gastos, isto é, na aplicação de recursos financeiros de forma

Leia mais

Secretaria De Estado Da Fazenda

Secretaria De Estado Da Fazenda Secretaria De Estado Da Fazenda COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO - CAFE - Coordenação da Administração Financeira do Estado ORÇAMENTO PÚBLICO Definições de Orçamento Um ato contendo a

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 188.517,84D 249.103,95 163.587,81 274.033,98D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 22.816,55D

Leia mais

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CÒDIGO SISTEMA DE CONTA ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CONTA 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00 DISPONÍVEL

Leia mais

Base para estudo do Direito Financeiro

Base para estudo do Direito Financeiro Base para estudo do Direito Financeiro Constituição da República Federativa do Brasil de 1988; Lei n 4.320, de 17 de março de 1964; Lei complementar nacional n 101, de 4 de maio de 2000; Decreto n 93.872,

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Dezembro/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

Gestão Orçamentária do SUS. Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema.

Gestão Orçamentária do SUS. Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema. Gestão Orçamentária do SUS Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema. PLANO PLURIANUAL PPA Apresenta diretrizes, objetivos e metas PPA Plano Plurianual LOA Lei Orçamentária Anual LDO Lei de Diretrizes

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL DCOG Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Novembro/2012 Fones: (48) 36652773, 36652633 e 36652727 DIRETORIA

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Paulo Henrique Feijó Jorge Pinto de Carvalho Júnior Carlos Eduardo Ribeiro Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Brasília - 2015 Editora ~estão Pública SUMÁRIO Prefácio Apresentação

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

Arquivo atualizado dia 21/10/2013. Coordenação-Geral de Finanças. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento/SE. Coordenação de Contabilidade

Arquivo atualizado dia 21/10/2013. Coordenação-Geral de Finanças. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento/SE. Coordenação de Contabilidade 1 Arquivo atualizado dia 21/10/2013. 2 Sumário Equação 004: GRU classificar x limite saque 0190 988... 3 Equação 005: GRU- valores em trânsito x limite saque 0190 987... 4 Equação 017 OB S Canceladas...

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 274.420,11D 306.106,05 284.589,88 295.936,28D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 108.718,82D

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 750.299.71 750.299.71 125.810.827,93 125.810.827,93 16,77 1.1- Receita

Leia mais

Orçamento e Finanças 2016

Orçamento e Finanças 2016 Orçamento e Finanças 2016 Orçamento O orçamento total do Grupo Hospitalar Conceição é dividido em duas unidades orçamentárias. Na primeira estão os créditos consignados no Orçamento Geral da União - OGU,

Leia mais

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a..

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a.. Contabilidade Aplicada ao Setor Público Minicurso TCE/PA Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Paulo Henrique Feijó paulo.feijo@financaspublicas.pro.br Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1-

Leia mais

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37 MUNICÍPIO DE COLOMBO RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 4º BIMESTRE/2011

Leia mais

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016.

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016. Questões de concursos públicos 2016 Processo de Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira Prezado(a) estudante, concursando(a)! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno alcance

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE PORTARIA N o 52 TSE O PRESIDENTE DO, com base nos artigos 54, inciso III e parágrafo único, e 55, 2º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e conforme o Procedimento Administrativo nº 7.432/2013,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. Versão: 01 Aprovação em: 11 de dezembro de 2012 Ato de aprovação: Resolução n. 82/2012. Unidade Responsável: Secretaria Geral Administrativa

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

TJ-SC Analista Administrativo

TJ-SC Analista Administrativo TJ-SC Analista Administrativo Pessoal, vou comentar as questões da prova. Texto I: No orçamento de um ente da federação, a previsão total de receitas para um exercício foi de R$ 240 milhões. As receitas

Leia mais

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF GT ontábil utubro/2012 oordenação Geral de Normas de ontabilidade Aplicadas à Federação STN/NF Última Atualização: outubro/2012 2 NVÊNIS NVÊNIS ISAS 23 -Receita de Transação sem ontraprestação (Tributos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Senhores usuários o objetivo deste manual é tornar acessível para o público em geral as informações disponibilizadas no Portal

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

No presente caso, em que desejamos apurar o índice do planejamento, consideramos os seguintes indicadores, detalhados com a sua apuração:

No presente caso, em que desejamos apurar o índice do planejamento, consideramos os seguintes indicadores, detalhados com a sua apuração: Questionário IEGM: i-planejamento Índice Municipal do Planejamento O índice do planejamento permite ordenar os municípios quanto ao que foi planejado e realizado em matéria de programas e ações, possibilitando

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas 1 O Ministério da Previdência Social - MPS tem competência para editar normas contábeis para os Regimes Próprios de Previdência Social,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro.

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro. GESTÃO FINANCEIRA A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO CCDRCentro 2011 Matriz da acção de formação O MODELO FINANCEIRO DAS FREGUESIAS

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira

Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira Nº 347 - ANO XI Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015 Autorizado pela Lei Municipal nº 0246/2006 Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira Os candidatos que foram aprovados nos

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 SUPRIMENTO DE FUNDOS RESTOSS A PAGAR E DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 SUPRIMENTO DE FUNDOS RESTOSS A PAGAR E DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS 2016 SUPRIMENTO DE FUNDOS RESTOSS A PAGAR E DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES Prezado estudante, concursando! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Balancete Unidade Gestora

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Balancete Unidade Gestora Balancete 1 ATIVO 12.779.116,51 D 96.339.184,48 D 89.099.911,87 C 49.339.893,30 D 49.924.653,41 C 145.679.077,78 D 139.024.565,28 C 19.433.629,01 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.645.992,11 D 96.309.100,61 D 89.099.911,87

Leia mais

Manual de Encerramento do Exercício - 7a EDIÇÃO - Versão 2.0

Manual de Encerramento do Exercício - 7a EDIÇÃO - Versão 2.0 FIPLAN Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças Manual de Encerramento do Exercício Manual de Encerramento do Exercício - 7a EDIÇÃO - Versão 2.0 Governo do Estado da Bahia Página 1 Governo

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. Prof. Giovanni Pacelli 1 de 5

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. Prof. Giovanni Pacelli 1 de 5 1. Ativo 2. Passivo 1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante Bancos/Caixa (F) Créditos a receber (P) Dívida Ativa Estoques (P) almoxarifado Adiantamentos concedidos a pessoal e terceiros (P) Suprimento

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2015 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº XX/2016 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PORTO ALEGRE, 29 DE JUNHO DE 2015 1 MAPEAMENTO DE OPORTUNIDADES NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DAS OPORTUNIDADES O Orçamento Geral da União

Leia mais

Nota Técnica: Restos a Pagar e Artifícios Contábeis.

Nota Técnica: Restos a Pagar e Artifícios Contábeis. 1 Nota Técnica: Restos a Pagar e Artifícios Contábeis. Mansueto Almeida (24 de fevereiro de 2011) 1 1. No início do governo Lula, em 2003, o mercado financeiro e analistas econômicos foram surpreendidos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR CADERNO DE PROVA CONTADOR Nº. DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 03 de junho de 2012. N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28

Leia mais

DECRETO Nº 10.628 DE 04 DE SETEMBRO DE 2001.

DECRETO Nº 10.628 DE 04 DE SETEMBRO DE 2001. DECRETO Nº 10.628 DE 04 DE SETEMBRO DE 2001. Altera dispositivos do Decreto nº 9.513, de 14 de junho de 1996, que dispõe sobre a utilização de equipamento Emissor de Cupom Fiscal-ECF, por contribuinte

Leia mais

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental É a definição de objetivos e o estabelecimento

Leia mais

XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas. SIAFI Básico ABOP. Slide 1

XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas. SIAFI Básico ABOP. Slide 1 SIAFI Básico Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA CURSOS SETORIAIS PARA GESTORES PÚBLICOS P MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA Profa. Nirleide Saraiva Coelho PPA 2010/2013 O Plano Plurianual de um Município é o instrumento de planejamento

Leia mais

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue:

Os precatórios que estão registrados no curto prazo devem ser transferidos para Longo Prazo conforme segue: CONTABILIZAÇÃO DE PRECATÓRIOS - EC62/2009 CONTABILIZAÇÃO DOS PRECATÓRIOS NOS MUNICÍPIOS 1 Reclassificação para contas contábeis específicas dos valores transferidos para o exercício, relativos ao Regime

Leia mais

CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006

CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006 CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006 Ementa: Aprova o Orçamento da UFPE para exercício de 2006, e dá outras providências. Os CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Orientação Técnica: Consultas construídas recomendadas para o preenchimento de quadros do Relatório de Gestão do exercício de 2013

Orientação Técnica: Consultas construídas recomendadas para o preenchimento de quadros do Relatório de Gestão do exercício de 2013 SUBSECRETARIA DE Contabilidade PÚBLICA Gerência de Informações Contábeis Orientação Técnica: Consultas construídas recomendadas para o preenchimento de quadros do Relatório de Gestão do exercício de 2013

Leia mais

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO Missão: Evitar a descontinuidade Administrativa. Objetivo: Garantir o funcionamento contínuo das ações e serviços prestados à coletividade. Permitir a instituição de

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS SUP10 - PAGAR FORNECE- DOR

MANUAL DE PROCESSOS SUP10 - PAGAR FORNECE- DOR MANUAL DE PROCESSOS SUP10 - PAGAR FORNECE- DOR SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL...

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação - SFH. Esta Rotina visa padronizar os procedimentos de registro no

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020300 - MACROFUNÇÕES ASSUNTO 020317 - RESTOS A PAGAR 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020300 - MACROFUNÇÕES ASSUNTO 020317 - RESTOS A PAGAR 1 - REFERÊNCIAS: 11 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

Orientações para elaboração do conteúdo do item Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de responsabilidade da unidade

Orientações para elaboração do conteúdo do item Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de responsabilidade da unidade Orientações para elaboração do conteúdo do item Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de responsabilidade da unidade 1. Este item deve ser elaborado dentro da Seção PLANEJAMENTO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM

CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIAS E OUTROS PODERES Parte Servidor As retenções das contribuições para SP-PREVCOM, na interligação da folha, serão efetuadas utilizando-se eventos

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Orçamento Público Atividade financeira do Estado 1.2. Aspectos gerais do Orçamento Público 1.3. Conceitos 1.4. Tipos/Técnicas orçamentárias 1.4.1. Orçamento Tradicional/Clássico 1.4.2.

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 157.123.471,49 757.532.824,27 212.013.058,18 702.643.237,58 D 110000000 - Ativo Circulante 37.605.161,54 60.284.824,22 49.434.231,84 48.455.753,92 D 111000000 - Disponivel 37.237.502,93

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1.1 - Subsistema da Receita 1.1.1 - RECEITA ORÇADA Demonstra a receita estimada pela Lei de Meios. É creditada pela inscrição da receita prevista

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 2682 Dispõe sobre critérios de classificação das operações de crédito e regras para constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2011 A ABRIL/2012 RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESA COM PESSOAL DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) LIQUIDADAS INSCRITAS EM NÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 31 DE MARÇO DE 2014 INSTRUÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 31 DE MARÇO DE 2014 INSTRUÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 31 DE MARÇO DE 2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual sobre operacionalização de modificações orçamentárias no exercício de 2014, e dá outras

Leia mais

Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)

Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) Sumário Capítulo 1 Orçamento Público 1.1. Atividade financeira do estado 1.2. Aspectos gerais do orçamento público 1.3. Conceitos 1.4. Tipos/Técnicas orçamentárias 1.4.1. Orçamento tradicional/clássico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE IPUBI PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016. O PREFEITO

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

CONTRATO N.º 0037/2014 Dispensa 002/2014 PRC n.º 1817/2013

CONTRATO N.º 0037/2014 Dispensa 002/2014 PRC n.º 1817/2013 CONTRATO N.º 0037/2014 Dispensa 002/2014 PRC n.º 1817/2013 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE PAGAMENTO A FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS, QUE ENTRE SI CELEBRAM MUNICÍPIO DE PARÁ DE MINAS E O BANCO DO

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL Coordenação-Geral de Contabilidade Paulo Henrique Feijó Legislação: Exigência de apuração de custos Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais,

Leia mais