A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho"

Transcrição

1 A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho

2 DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL

3 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 Disponível Restos a Pagar ,00 Caixa (Tesouraria) ,00 Depósitos Div. Origens ,00 Banco c/ Movimento ,00 Aplicação Financeira ,00 Realizável ,00 ATIVO PERMANENTE ,00 PASSIVO PERMANENTE ,00 Dívida Ativa ,00 Bens Móveis ,00 Dívida Fundada Interna ,00 SOMA DO ATIVO ,00 SOMA DO PASSIVO ,00 Saldo Patrimonial Saldo Patrimonial ,00 3

4 ONDE PRETENDEMOS CHEGAR??? DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL

5 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 ATIVO FINANCEIRO ,00 PASSIVO FINANCEIRO ,00 Disponível Restos a Pagar ,00 Caixa (Tesouraria) ,00 Depósitos Div. Origens ,00 Banco c/ Movimento ,00 Aplicação Financeira ,00 Realizável ,00 ATIVO PERMANENTE ,00 PASSIVO PERMANENTE ,00 Impostos a Receber Dívida Ativa????? ,00 Provisões 13º/Férias????? (-)Ajustes Dev. Duvidosos????? Dívida Fundada Interna ,00 Bens Móveis (-) Depreciação ,00????? Bens Imóveis????? (-) Depreciação????? Almoxarifado????? Intangíveis????? (-) Amortização????? Bens de Uso Comum????? (-) Depreciação????? Desembolso Antecipado????? Obrigações incorridas e não Emp.????? Dívida Judicial????? SOMA DO ATIVO ,00 SOMA DO PASSIVO ,00 Saldo Patrimonial Saldo Patrimonial ,00 5

6 DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO EVIDENCIAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA SOCIEDADE!!

7 ACESSO EM

8 30 Material de Consumo ,63

9 MINISTÉRIO DA SAÚDE ,43

10 ONDE PRETENDEMOS CHEGAR??? DIMENSÃO EVIDENCIAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA SOCIEDADE

11 CUSTOS PÚBLICOS X RESULTADOS??? CUSTO EDUCAÇÃO PÚBLICA CUSTO SAÚDE PÚBLICA CUSTO SEGURANÇA PÚBLICA CUSTO LAZER CUSTO TRÂNSITO/MOBILIDADE CUSTO ASSISTÊNCIA SOCIAL Outros.. x R E S U L T A D O S 11 FONTE: JOÃO EUDES

12 ROTINA OPERACIONAL PARA COLETA E PROCESSAMENTO DOS DADOS INFORMAÇÃO DO GESTOR DE PESSOAL DESPESA COM PESSOAL DO MÊS, POR COMPETÊNCIA PARA SUBSISTEMA PATRIMONIAL 1. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FOLHA BRUTA ,00 ENCARGOS ,00 13º DO MÊS ,00 FÉRIAS DO MÊS ,00 TOTAL ,00 PARA SUBSISTEMA DE CUSTOS 1. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO: CUSTO DIRETO , ENSINO FUNDAMENTAL , ENSINO MÉDIO , CUSTO INDIRETO* ,00 TOTAL , ENSINO FUNDAMENTAL - SIC POR OBJETOS DE CUSTOS ENSINO URBANO , ENSINO RURAL , CUSTO INDIRETO* ,00 TOTAL , ENSINO URBANO - SIC POR OBJETOS DE CUSTOS LANÇAMENTO: D 3. VPD (despesa com pessoal) C 2..Pessoal a Pagar (F ou P) Pela despesa de pessoal do mês , ESCOLA X , ESCOLA Y , CUSTO INDIRETO* ,00 TOTAL ,00 * Obs. o custo indireto não será rateado para fins dos propósitos deste trabalho. FIG. 14, FONTE: O AUTOR

13 BANCO DE VARIÁVEIS PARA ANÁLISES: Nº DE ALUNOS: 400 Nº DE PROFESSORES EFETIVOS: 15 Nº DE PROFESSORES CONTRATADOS: 7 Nº DE PROFESSORES À DISPOSIÇÃO: 0 Nº DE SERVIDORES ADM EFETIVOS: 12 Nº DE SERVIDORES ADM CONTRATADOS: 8 Nº DE SERVIDORES ADM À DISPOSIÇÃO: Nº DIRETO + COORDENADORES + PEDAGOGOS: 3 Nº MERENDEIRAS: 3 ÍNDICE DESISTÊNCIA 20% INDICE APROVAÇÃO 85% NOTA INEB: 3 CUSTO DE OPORTUNIDADE /aluno R$ 4.800/ANO/ALUNO ANÁLISES CUSTO DA ESCOLA EM ,00 CUSTO ALUNO/ANO 3.435,00 CUSTO ALUNO/MÊS 286,25 CUSTO ALUNO DESISTENTE/ANO 687,00 RELAÇÃO CUSTO ALUNO / INEB / ANO 1.145,00 RESULTADO ECONÔMICO / ANO 1.365,00 RESULTADO ECONÔMICO / MÊS 113,75 ETC. VARIÁVEL CUSTOS POSSIBILITA ANÁLISE MÚLTIPLAS

14 DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO PARECER PRÉVIO E JULGAMENTO DA CONTAS PÚBLICAS PELOS ÓRGÃOS DE CONTROLES!!

15 JULGAMENTO DE CONTAS: CENÁRIO ATUAL EVIDENCIAÇÃO DE GASTOS CONSIDERANDO que o GASTO com recursos aplicados na EDUCAÇÃO do município foi de 27,2% da receita de impostos e transferências; CONSIDERANDO que o GASTO com recursos aplicados na SAÚDE do município foi de 16,2% da receitas de impostos e transferências. CONSIDERANDO que o GASTO com recursos aplicados na DESPESA DE PESSOAL do Poder Executivo foi de 51,1% da receita corrente líquida do município. 15 FONTE: JOÃO EUDES

16 ONDE PRETENDEMOS CHEGAR??? DIMENSÃO PARECER E JULGAMENTO DAS CONTAS PELOS ÓRGÃOS DE CONTROLES!!

17 JULGAMENTO DE CONTAS: CENÁRIO ATUAL EVIDENCIAÇÃO DE GASTOS, CUSTOS E INDICADORES DE QUALIDADE CONSIDERANDO que os GASTOS com EDUCAÇÃO, SAÚDE e PESSOAL estão compatíveis com os limites constitucionais e legais; CONSIDERANDO que o CUSTO EDUCAÇÃO do município NÃO ESTÁ COMPATÍVEL com os parâmetros mínimos de eficiência e qualidade estabelecidos Ministério da Educação; CONSIDERANDO que o CUSTO SAÚDE do município NÃO ESTÁ COMPATÍVEL com os parâmetros mínimos de eficiência e qualidade estabelecidos Ministério da Educação; 17 FONTE: JOÃO EUDES

18 O AMBIENTE NORMATIVO PARA A MUDANÇA!!!

19 Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Estrutura das NBCT SP: Resolução CFC nº 1.111/07 Princípios Contábeis / SP NBC T 16.1 Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação NBC T 16.2 Patrimônio e Sistemas Contábeis NBC T 16.3 Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil NBC T 16.4 Transações no Setor Público NBC T 16.5 Registro Contábil NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis NBC T 16.7 Consolidação das Demonstrações Contábeis NBC T 16.8 Controle Interno NBC T 16.9 Depreciação, Amortização e Exaustão NBC T Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público NBCT Sistema de Informação de Custos no Setor Público

20 LIVRO DAS IPSAS TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO - IFAC EDIÇÃO publicações

21 EDIÇÃO DO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE I: Procedimentos Contábeis Orçamentários PARTE II: Procedimentos Contábeis Patrimoniais PARTE III: Procedimentos Contábeis Específicos PARTE IV: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PARTE V: Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

22 OS PRINCIPAIS AVANÇOS ATÉ ENTÃO!!!

23 Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL ORÇAMENTÁRIO PATRIMONIAL COMPENSAÇÃO CUSTOS BO BF DFC DVP DMPL BP EVIDENCIAÇÃO DE CUSTOS 23 Fonte: o autor

24 PATRIMÔNIO PÚBLICO VISÃO DINÂMICA VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS VISÃO ESTÁTICA BALANÇO PATRIMONIAL V P A - V P D ATIVOS - PASSIVOS FENÔMENOS QUE AUMENTAM O PL = FENÔMENOS QUE DIMINUEM O PL BENS, DIREITOS E INTANGÍVEIS = OBRIGAÇÕES A PAGAR RESULTADO PATRIMONIAL(RP) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) PL ANT. + RP ATUAL + Ajustes PL = PL ATUAL FONTE: O AUTOR

25 NOVO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO - PCASP 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários Outras Variações Patrimoniais Passivas 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante 2.3 Patrimônio Líquido 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Tributárias e Contribuições Patrimônio... Líquido Outras Variações Patrimoniais Ativas 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar Contas Subsistema Orçamentário 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais Custos 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos Contas Subisitema de Controle 25

26 CLASSIFICAÇÃO DE ATIVOS: RELAÇÃO LEI 4.320/64 X MCAPS - (através dos atributos F e P) Exemplo Lei 4.320/64: Exemplo NBC T: ATIVO FINANCEIRO (AF) Caixa ATIVO CIRCULANTE (AC) Caixa ( F ) ( F ) Banco Aplicações Financeiras ( F ) Banco ( F ) ( F ) Aplicações Financeiras ( F ) ATIVO PERMANENTE (AP) Créditos de Curto Prazo Estoques de Curto Prazo Desp. Pg. Antecip. ( P ) Créditos de Curto Prazo ( P ) ( P ) Estoques de Curto Prazo ( P ) ( P ) Desp. Pg. Antecip. ( P ) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) Créditos de LP Estoques de LP Ações Bens Móveis e Imóveis Softwares ( P ) Créditos de LP ( P ) ( P ) Estoques de LP ( P ) ( P ) Ações ( P ) ( P ) Bens Móveis e Imóveis ( P ) ( P ) Softwares ( P ) Fonte: autor 26

27 CLASSIFICAÇÃO DE PASSIVOS: RELAÇÃO LEI 4.320/64 X MCAPS - (através dos atributos F e P) Exemplo Lei 4.320/64: Exemplo NBC T: PASSIVO FINANCEIRO (PF) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Pessoal a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Pessoal a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Enc. Sociais a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Enc. Sociais a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Fornecedor a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Fornecedor a Pg. de CP (empenhado) ( F ) Depósitos de Terceiros a Rec. CP ( F ) Depósitos de Terceiros a Rec. CP ( F ) Operação de Créd. por Antec. da Receita ( F ) Operação de Créd. por Antec. Receita ( F ) PASSIVO PERMANENTE (PP) Pessoal a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Pessoal a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Enc. Sociais a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Enc. Sociais a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Fornecedor a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Fornecedor a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Operações de Crédito de CP (sem empenho) ( P ) Operações de Crédito de CP (sem empenho) ( P ) Precatório a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) Precatório a Pg. de CP (sem empenho) ( P ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) Operações de Crédito de LP ( P ) Operações de Crédito de LP ( P ) Precatório a Pg. de LP ( P ) Precatório a Pg. de LP ( P ) Fonte: o autor 27

28 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA VPA Ex. Lançamento do Crédito Tributário ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) IMPOSTO A RECEBER: (Aumento do AC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) V P A: (Aumento PL) FONTE: O AUTOR

29 VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA VPD Ex. Reconhecimento da Despesa de Pessoal do Mês ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) PESSOAL A PAGAR: (Aumento do PC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) V P D: (Diminuição do PL) FONTE: O AUTOR

30 VARIAÇÃO PATRIMONIAL QUALITATIVA Ex. Aquisição de bem móvel ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Fornecedor a Pagar: (Aumento do PC ) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) Bem Móvel: (Aumento do ANC) FONTE: O AUTOR

31 VARIAÇÃO PATRIMONIAL QUALITATIVA / QUANTITATIVA (mista) Ex. Alienação de Bem Móvel com Ganho de 20% ATIVO PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE (AC) PASSIVO CIRCULANTE (PC) Caixa: 0,00 (T1) (T2) PASSIVO NÃO CIRCULANTE (PNC) ATIVO NÃO CIRCULANTE (ANC) PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PL) Bem Móvel: (T!) (T2) PL: (T1) VPA 200 (T2) TOTAL DO PL: (T2) FONTE: O AUTOR

32 OS NOVOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO - CASP Decreto nº 6.976/2009, Art. 7º, XXIV, deu poderes à STN; Portaria 700/2014 (Parte V do MCASP/STN), trouxe alterações na estrutura do Balanço Patrimonial (BP), Balanço Orçamentário (BO), Financeiro (BF) e Demonstração das Variações Patrimoniais (DVP), bem como introduziu os novos demonstrativos estabelecidos na NBC T 16.6: Demonstrativo dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL). 32

33 NOVAS DEMONSTRAÇOES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO DEMONSTRAÇÕES OBRIGATÓRIAS Balanço Patrimonial Demonstração das Variações Patrimoniais Balanço Orçamentário Balanço Financeiro Demonstração do Fluxo de Caixa (obrigatória a partir de 2015, Portaria 713/2014) DEMONSTRAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA OS ENTES QUE TÊM ESTATAIS DEPENDENTES Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (obrigatória a partir de 2015, Portaria 713/2014) NOTAS EXPLICATIVAS SÃO OBRIGATÓRIAS Fonte: o autor

34 EXEMPLO DE UMA PREFEITURA MUNICIPAL BALANÇO PATRIMONIAL PUBLICADO EM

35 AF = AF = ,43 PF = PF = ,58 V. PL = ,95

36 ?? ATIVO CIRCULANTE (F) ,43?? PASSIVO CIRCULANTE (F) ,58 Restos a PG não Proc. (BO) , ,58?????? Cálculo do SF AF PF SF ou DF , , ,85??

37 EXEMPLO DE UMA PREFEITURA MUNICIPAL DVP PUBLICADA EM

38 ACRÉSCIMO NOMINAL: 7%

39 REDUÇÃO: 4% REDUÇÃO: 23% V. PL = ,95 A partir do BP DIFERENÇA DEVERIA FOI AJUSTE DE EXERCÍCIOS ANTERIORES???

40 SÓ APRENDEMOS QUANDO APLICAMOS O CONHECIMENTO EM SITUAÇÕES CONCRETAS DAVID PERKINS (PROF. DE HARVARD) Prof. Ms. JOÃO EUDES BEZERRA FILHO Grupo FACEBOOK: Orçamento e a Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP Estrutura da Lei 4.320/1964 TítuloI DaLeidoOrçamento(Artigo2ºao21) TítuloII DaPropostaOrçamentária(Artigo22ao31) TítuloIII DaElaboraçãodaLeidoOrçamento(Artigo32ao33) TítuloIV

Leia mais

A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc

A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc A NORMA DE CUSTOS DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE João Eudes Bezerra Filho MembroAssessor das NBC TSP juntoaocfc PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DA NOVA CASP NO BRASIL 1º. PASSO: EDIÇÃO

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência 1 Professor João Eudes Bezerra Filho ATIVO FINANCEIRO 305.000,00 PASSIVO FINANCEIRO 115.000,00 ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

CUSTOS NO SETOR PÚBLICO. Professores: Mestre Elisangela Fernandes e Mestre João Eudes Bezerra Filho

CUSTOS NO SETOR PÚBLICO. Professores: Mestre Elisangela Fernandes e Mestre João Eudes Bezerra Filho CUSTOS NO SETOR PÚBLICO Professores: Mestre Elisangela Fernandes e Mestre João Eudes Bezerra Filho AUTORES: Elisangela Santos Fernandes (Fucape Business School) Profa. Mestre em Ciências Contábeis João

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012.

DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012. DECRETO Nº 044, DE 26 DE JUNHO DE 2012. Determina ao Poder Executivo Municipal de Alto Garças a adoção obrigatória do Plano de Contas, das Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público e dos Procedimentos

Leia mais

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP

Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Impactos Atuais e Futuros das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor PúblicoP Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade Paulo Henrique Feijó 2009 Principais Pontos Orientações

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO I - Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos créditos, tributários

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a..

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a.. Contabilidade Aplicada ao Setor Público Minicurso TCE/PA Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Paulo Henrique Feijó paulo.feijo@financaspublicas.pro.br Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1-

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 Altera, inclui e exclui itens das NBCs T 16.1, 16.2, 16.4, 16.5, 16.6, 16.10 e 16.11 que tratam das Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas aplicadas ao Setor Público. O

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Executiva da Educação 1 Motivação do Plano de Contas Único Nacional Executiva

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

A Nova Contabilidade. Novas Normas. A Velha Contabilidade

A Nova Contabilidade. Novas Normas. A Velha Contabilidade A Nova Contabilidade Novas Normas A Velha Contabilidade Patrimonial Orçamentário Financeiro Controle 4 Orçamentário Execução: - Quali/Quant Interação e conflitos Custos Patrimonial Financeiro Controle

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Programa do Módulo Módulo VIII Plano de Contas Aplicado

Leia mais

Desafios na implantação da Nova Contabilidade Pública

Desafios na implantação da Nova Contabilidade Pública Desafios na implantação da Nova Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação (CCONF/STN) Subsecretaria de Contabilidade Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

ESTRUTURA DO DEBATE PRINCIPAIS MUDANÇAS DESSE PROCESSO. Introdução. Visão do controle acerca dos novos conceitos e procedimentos contábeis

ESTRUTURA DO DEBATE PRINCIPAIS MUDANÇAS DESSE PROCESSO. Introdução. Visão do controle acerca dos novos conceitos e procedimentos contábeis PATRIMÔNIO, CONTABILIDADE, FUNÇÃO E RESPONSABILIDADE DE CONTADOR JORNADA TÉCNICA Ronaldo Ribeiro de Oliveira Auditor Público Externo Secretário-Chefe da Consultoria Técnica ESTRUTURA DO DEBATE Introdução

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL: AS BASES E BENEFÍCIOS DA APURAÇÃO DE CUSTOS Conselho Federal de Grupo de Estudo da Área Pública do CFC Coordenadora:

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF A Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao

Leia mais

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27

Sumário PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 Sumário Prefácio à décima primeira edição, 15 Prefácio à décima edição, 17 Prefácio à nona edição, 19 Prefácio à primeira edição, 21 Sugestões ao professor, 23 PARTE I RELATÓRIOS CONTÁBEIS, 27 1 CONTABILIDADE,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha

Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha Simulado de questões Cespe Múltipla Escolha Prova 1 (Cespe/Auditor/TCE-PR/2016) 1. Com relação aos balanços públicos, que representam a situação econômico-financeira dos entes públicos e entre os quais

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Contabilidade-Geral de Contabilidade e Custos da União CCONT Demonstrações Contábeis Encontro sobre Normas de Encerramento do Exercício de 2015 e Abertura do

Leia mais

TCM-SP Agente de Fiscalização Ciências Contábeis

TCM-SP Agente de Fiscalização Ciências Contábeis TCM-SP Agente de Fiscalização Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova. 80 Os atos e fatos são registrados pela Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CASP) com o objetivo de gerar

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Capacitação em Contabilidade Aplicada ao Setor Público e Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Capacitação em Contabilidade Aplicada ao Setor Público e Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Capacitação em Contabilidade Aplicada ao Setor Público e Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF FORTALEZA/CE 1. OBJETIVO Aperfeiçoar e gerar conhecimentos em Lei de Responsabilidade Fiscal e contabilidade

Leia mais

Securitização de Recebíveis

Securitização de Recebíveis Securitização de Recebíveis Março/2016 Mês/Ano Normatização As NBCASP não contemplam o tema Instrumentos Financeiros Portaria STN nº 548/15 - será oportunamente regulamentado Referência técnica adotada

Leia mais

[CONTAS.CNT] Contabilidade Pública MÓDULO I. Renato Santos Chaves. Teresina, 13 de junho de 2011. 16 de fevereiro de 2012

[CONTAS.CNT] Contabilidade Pública MÓDULO I. Renato Santos Chaves. Teresina, 13 de junho de 2011. 16 de fevereiro de 2012 Contabilidade Pública Renato Santos Chaves MÓDULO I [CONTAS.CNT] Na aula 1 deste módulo, além da introdução ao curso, serão abordados aspectos históricos que culminaram na implementação da denominada Nova

Leia mais

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 8º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020600 - PLANO DE CONTAS 1 - REFERÊNCIAS 11 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral de Contabilidade e Custos

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP /2015

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público

Subsecretaria de Contabilidade Pública. O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público Subsecretaria de Contabilidade Pública O contexto atual do processo de convergência da contabilidade aplicada ao setor público Nova Contabilidade Pública = Registro Integral do Patrimônio Público (Contabilidade

Leia mais

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE ARIQUEMES ESTADO DE RONDÔNIA

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE ARIQUEMES ESTADO DE RONDÔNIA PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE ARIQUEMES ESTADO DE RONDÔNIA OFICIO Nº 58/GAB PRES/CMA Ariquemes, 30 de outubro de 2012. Ao Ilustríssimo Senhor Edson Espírito Santo Sena Secretario Regional de Controle

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Contabilidade Conceito Para Ribeiro (2005), a contabilidade é uma ciência social que tem por objeto o patrimônio das entidades econômico-administrativas.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

AULA 17: Prova Comentada

AULA 17: Prova Comentada AULA 17: Prova Comentada Contabilidade Pública p/ INMETRO 26 Em relação à contabilidade pública, analise as afirmativas. I. A contabilidade aplicada ao setor público é um ramo da ciência contábil que tem

Leia mais

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92

CRESS/RJ - 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 33.673.237/0001-92 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Exercício Atual 1.566.424,19

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP

Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Contabilidade-Geral de Contabilidade e Custos da União CCONT Experiência da União na Implantação dos PCP, PCASP e DCASP GRUPO TÉCNICO DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

Leia mais

Contabilidade aplicada ao Setor Público: Panorama, Encerramento e outras Oportunidades JOÃO EUDES BEZERRA FILHO

Contabilidade aplicada ao Setor Público: Panorama, Encerramento e outras Oportunidades JOÃO EUDES BEZERRA FILHO Contabilidade aplicada ao Setor Público: Panorama, Encerramento e outras Oportunidades JOÃO EUDES BEZERRA FILHO ROTEIRO: 1) DIAGNÓSTICOS 2) PRINCIPAIS AVANÇOS 3) ONDE PRETENDEMOS CHEGAR?? 4) RESPONSABILIDADES

Leia mais

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas 1 O Ministério da Previdência Social - MPS tem competência para editar normas contábeis para os Regimes Próprios de Previdência Social,

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Programa do Módulo Módulo X Demonstrações

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA PODER EXECUTIVO Anexo Único - Cronograma Consolidado das Adotadas e a Adotar para a Convergência Contábil do Governo do Estado de Santa Catarina (conforme Portaria STN nº 753/12) s Específicos Adotados

Leia mais

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores Referências econômico-financeiras Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores 1 Índice: I. Objetivos 3 II. Lastro e Vinculação 4 III. Saldo de Ativos Garantidores para Provisão de Risco

Leia mais

3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012

3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012 3º QUADRIMESTRE 2011 28/02/2012 Metas assumidas para 2011 Alcançar o equilíbrio das contas. Atender às recomendações dos órgãos de controle. 29/2/2012 2 Cenário em 2010 2010 Resultado Primário Resultado

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Serviço Autônomo de Água e Esgoto 1.0.0.0.0.00.00 Ativo 47.847.241,97 2.918.524,45 2.359.963,02 48.442.859,64 1.1.0.0.0.00.00 Ativo Circulante 4.019.462,20 917.703,39 820.794,61 4.116.370,98 1.1.1.0.0.00.00 Disponível 3.018.543,61 497.836,30

Leia mais

MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP.

MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP. MINUTA DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT SP. 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO NA DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas.

PROVOU 2016. 5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, você deverá entregar o cartão de respostas. UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2016 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: 1. PROVAS: Este caderno contém a prova

Leia mais

Decreto Municipal n 5.585/2012, de 30 de março de 2012.

Decreto Municipal n 5.585/2012, de 30 de março de 2012. Decreto Municipal n 5.585/2012, de 30 de março de 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade

Leia mais

A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade

A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade A Convergência das Normas Internacionais de Contabilidade Benefícios e Desafios da Implantação no Brasil na ótica dos Profissionais de Investimentos Luiz Guilherme Dias, MSc. lg.dias@sabe.com.br Rio de

Leia mais

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo. O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.com LIVRO GBRSP O livro oferece uma abordagem didática para auxiliar na

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.132/08 Aprova a NBC T 16.5 Registro Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das normas

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 188.517,84D 249.103,95 163.587,81 274.033,98D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 22.816,55D

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL

PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL Página 1 de 59 PORTAL DO ENSINO PROFISSIONAL Cursos de Desenvolvimento Profissional CURSO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLCO www.portaldoensinoprofissional.com Página 2 de 59 Curso: Contabilidade

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 1 Presentation of Financial Statements dispõe sobre

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 ENCERRAMENTO DO MANDATO EXERCÍCIO DE 2016 RESTRIÇÕES DA LRF LC 101/2000 CRISE FINANCEIRA RESTRIÇÕES ELEITORAIS Lei 9504/97

Leia mais

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX

INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC. Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX INFORMES CONTÁBEIS - SISTEMA APLIC Maria Felícia Santos da Silva Auditor Público Externo Assessor Técnico da ADECEX 2013/2014 PROJETO UNIDADES PILOTO OBJETO: Testar o envio de informações encaminhadas

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - CASP

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - CASP ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO - CASP E D I T A L - J u l h o / 2 0 1 4 A Secretaria do Tesouro Nacional (STN), por meio da Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O Governo do Tocantins, nos termos do inciso VII, do artigo 40 da Constituição Estadual, por intermédio do Excelentíssimo

Leia mais

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 Resultados do 1º Trimestre de 2006 Rio de Janeiro, 18 de maio de 2006 Globex Utilidades S.A. (BOVESPA: GLOB4, GLOB3; OTC: GBXPY),

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ

Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 Camara Municipal de Tangua. Unidade Gestora: CÂMARA MUNICIPAL DE TANGUÁ Estado do Rio de Janeiro Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 274.420,11D 306.106,05 284.589,88 295.936,28D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 108.718,82D

Leia mais

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11

Telefone: 067 3248 1040 Página 1 de 11 Página 1 de 11 Criado pela Lei nº 047 de 10 de Setembro de 2013. ED. Nº 482/2015 ANO I I I PARAÍSO DAS ÁGUAS MS, QUARTA-FEIRA, 02 DE DEZEMBRO DE 2015 PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Prefeito Municipal Ivan da

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO - FECAP UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Andre Felipe de Carvalho Sanchez Mestrando em Ciências Contábeis

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.128/08 Aprova a NBC T 16.1 Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização

Leia mais

Tribunal de Contas do Mato Grosso

Tribunal de Contas do Mato Grosso Tribunal de Contas do Mato Grosso Procedimentos Contábeis Patrimoniais: Ativo Imobilizado e de Infraestrutura Antonio Firmino Neto MSc. Professor/Contador Atualização: 16/03/2014 Introdução e Base Normativa

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 A escrituração contábil e a emissão de relatórios,

Leia mais

Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA

Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA Adoção do Sistema Orçamentário O objetivo será a apuração de valores que irão refletir a atividade

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Contabilidade Aplicada ao Direito ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Comentários à Prova de Noções de Contabilidade Técnico do Ministério Público/SC

Comentários à Prova de Noções de Contabilidade Técnico do Ministério Público/SC Comentários à Prova de Noções de Contabilidade 22. O conceito de Custo das mercadorias vendidas é: a. ( ) Também interpretado como o Custo do Giro dos Estoques. b. ( ) O custo que um conjunto de produtos

Leia mais