Rotina de Contabilização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rotina de Contabilização"

Transcrição

1 Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação - SFH. Esta Rotina visa padronizar os procedimentos de registro no sistema SIAFEM/RJ dos créditos decorrentes dos Financiamentos Concedidos a mutuários do Sistema Financeiro de Habitação - SFH. Considerando, as normas do Sistema Financeiro de habitação a qual a Companhia Estadual de Habitação do Rio de janeiro CEHAB se subordina; Considerando, as providências quanto à emissão das prestações dos financiamentos concedidos a mutuário do SFH; Considerando, que compete a Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro CEHAB repassar à seguradora e ao Fundo de Compensado das Variações Salariais FCVS os valores pagos pelos mutuários; e Considerando ainda, o disposto na Lei Estadual nº 4.572, de 11 de junho de 2005 que autoriza a CEHAB a quitar os financiamentos para aquisição de unidades habitacionais do Sistema Financeiro de Habitação e dá outras providências. Apresentamos a rotina a seguir para contabilização dos financiamentos concedidos a mutuários com fulcro nas normas vigentes e reguladas pelo Sistema Financeiro de Habitação SFH. Rotina de Contabilização 1) Pela concessão do Financiamento Imobiliário Longo Prazo DATA EMISSAO : NNMMM2009 NUMERO : 2009NL GESTAO : ECONOMIA MISTA CGC/CPF/UG FAVORECIDA : GESTAO FAVORECIDA : EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICAO FONTE PF YY NULO DÉBITO : YY Financiamentos Imobiliários CRÉDITO: Créditos a Receber Financiamentos Imobiliários 2) Pela Baixa do Financiamento Imobiliário Longo Prazo DATA EMISSAO : NNMMM2009 NUMERO : 2009NL GESTAO : ECONOMIA MISTA CGC/CPF/UG FAVORECIDA : GESTAO FAVORECIDA : EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICAO FONTE PF YY NULO DÉBITO : Créditos a Receber Financiamento Imobiliários CRÉDITO : YY Financiamentos Imobiliários

2 3) Emissão das Prestações Imobiliárias Curto Prazo PF (1) NULO PF (1) NULO PF (1) NULO CNPJ SEGURADORA(2) NULO CNPJ FCVS(2) NULO DÉBITO : Créditos a Receber Financiamentos(1) DÉBITO : Seguros a Faturar - Financiamentos (2) DÉBITO : FCVS a Faturar Financiamentos(2) CRÉDITO : TCA(1) CRÉDITO: Amortização(1) CRÉDITO: Juros Contratuais(1) CRÉDITO : * Prestações Emitidas ( SEGURO e FCVS)(2) NOTA: A Taxa de Cobrança de Administração - TCA pelo pagamento da prestação a cargo do mutuário será contabilizada como receita orçamentária da empresa. 4) Pela Emissão da Fatura SEGURO e FCVS CNPJ SEGURADORA NULO CNPJ FCVS NULO DÉBITO : * Prestações Emitidas CRÉDITO: Seguros a Pagar CRÉDITO: FCVS a Pagar 5) Pela Diferença do SEGURO e FCVS a Pagar CNPJ SEGURADORA NULO CNPJ FCVS NULO DÉBITO : Controle de Obrigações - Patrimoniais CRÉDITO: Seguros a Pagar CRÉDITO: FCVS a Pagar

3 6) Encargos e Juros de Mora pelo Atraso SEGURO e FCVS CNPJ SEGURADORA NULO CNPJ FCVS NULO DÉBITO : Juros e Encargos CRÉDITO: Seguros a Pagar CRÉDITO: FCVS a Pagar NOTA: O pagamento das parcelas do SEGURO e FCVS a pagar se dará mediante a execução do orçamento, culminando com o empenhamento, liquidação e pagamento das referidas parcelas, conforme decisão da própria empresa. Após o referido pagamento o órgão deverá providenciar a baixa do Passivo Patrimonial conforme item 7 desta rotina. 7) Pela Baixa do SEGURO e FCVS a Pagar CNPJ SEGURADORA NULO CNPJ FCVS NULO DÉBITO: Seguros a Pagar DÉBITO: FCVS a Pagar CRÉDITO: Controle de Obrigações Patrimoniais 8) Pelo Recebimento da Prestação paga pelo Mutuário ANO + CNPJ CEHAB NULO 0XX XX DÉBITO : Depósito a Disposição no Tesouro Estadual CRÉDITO : Outras Receitas Imobiliárias NOTA: O recebimento da prestação emitida compreenderá o valor total pago pelo mutuário, compreendendo todas as parcelas englobadas na referida cobrança.

4 9) Pelo recebimento dos Juros de Mora ANO + CNPJ CEHAB NULO 0XX NULO XX DÉBITO : Depósito a Disposição no Tesouro Estadual CRÉDITO : Multas/Juros Mora de Outras Receitas NOTA: As parcelas referentes aos juros de mora pelo atraso na quitação das prestações de curto prazo serão contabilizadas a conta de Receita Orçamentária em contrapartida a conta de depósito a disposição no Tesouro Estadual. 10) Pela Baixa do Crédito a Receber Curto Prazo PF NULO CNPJ/SEGURADORA NULO CNPJ/FCVS NULO DÉBITO : Empréstimos e Financiamentos CRÉDITO : Financiamentos Concedidos CRÉDITO : Seguros a Faturar - Financiamentos CRÉDITO : FCVS a Faturar Financiamentos 11) Pela Atualização Monetária do Financiamento PF YY NULO DÉBITO : YY Financiamentos Imobiliários CRÉDITO : Atualização Monetária Financ. Imobiliários

5 12) Pelo Perdão da Dívida Lei Estadual nº 4.572/ PF NULO NULO DÉBITO : Prestações Quitadas Lei 4.572/2005 CRÉDITO : Créditos a Receber Financiamentos NOTA: O lançamento acima compreende as prestações emitidas em atraso que deverão ser quitadas na forma do art. 3º da Lei Estadual nº 4.572, de 11 de julho de ) Para Habilitação ao FCVS Lei Estadual 4.572/ CNPJ FCVS NULO DÉBITO : Devedores p/ Financiamentos - FCVS CRÉDITO : Créditos a receber Longo Prazo NOTA: O lançamento acima compreende o saldo devedor a ser ressarcido pelo Fundo de Compensação de Variações Salariais FCVS conforme dispõe o artigo 3º da Lei Estadual nº 4.572/2005, para tanto o órgão deverá baixar o saldo da Financiamentos Imobiliários, na forma disposta no item 2 desta rotina. 14) Pela Atualização Monetária dos Devedores p/ Financiamento - FCVS PF NULO DÉBITO : Devedores p/ Financiamentos - FCVS CRÉDITO : Atualização Monetária Financiamento - FCVS

6 15) Pela Indenização a Receber da Seguradora por Morte ou Invalidez Permanente do Mutuário CNPJ SEGURADORA NULO DÉBITO : Indenizações a receber CRÉDITO : Crédito a Receber - Curto Prazo NOTA: O lançamento acima compreende o saldo devedor a ser indenizado ao órgão no caso de morte ou invalidez permanente do mutuário, para tanto o órgão deverá proceder à baixa da conta Financiamentos Imobiliários, de que trata o item 2 desta rotina. 16) Pela Correção da Indenização a Receber da Seguradora por Morte ou Invalidez Permanente do Mutuário CNPJ SEGURADORA NULO DÉBITO : Indenizações a receber CRÉDITO : Juros e Encargos 17) Pela Atualização Monetária da Indenização a Receber da Seguradora por Morte ou Invalidez Permanente do Mutuário CNPJ SEGURADORA NULO DÉBITO : Indenizações a Receber CRÉDITO : Atualização Monetária 18) Pela Baixa da Indenização a Receber da Seguradora por Morte ou Invalidez Permanente do Mutuário CNPJ SEGURADORA NULO NULO

7 DÉBITO : Indenizações a Receber - Financiamentos CRÉDITO : Indenização a Receber NOTA: A Indenização a Receber pelo pagamento feito pela seguradora será contabilizada como receita orçamentária da empresa. 19) Pela Constituição de Provisão p/ Perdas Lei 4.572/ PF NULO NULO DÉBITO : Provisão para Financiamentos Concedidos CRÉDITO : Provisão p/ Perdas - Financiamentos 20) Pela Baixa de Financiamento por Perda / Incobrável Lei 4.572/ PF NULO NULO DÉBITO : * Provisão p/ Perdas - Financiamentos CRÉDITO : Créditos a Receber - Financiamentos Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2010 LUIZ ANTÔNIO DA CRUZ PINHEIRO Coordenador de Normas e Rotinas Contábeis - CNRC Mat.: CRC/RJ /0-7 De acordo: FRANCISCO PEREIRA IGLESIAS Superintendente de Normas Técnicas

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores -

1.1 - Foram criadas, as contas abaixo, representativas dos recursos. extraorçamentários classificados em Depósitos de Diversas Origens e Credores - Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis de registro no Sistema SIAFEM/RJ, dos recursos extraorçamentários, provenientes de Depósitos de Diversas Origens e Credores - Entidades e Agentes em

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação SFH, em substituição a Rotina CNRC/SUNOT/CGE nº 009/2009. Considerando,

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

PARECER Nº : 010/2009. Exmo. Sr. Conselheiro:

PARECER Nº : 010/2009. Exmo. Sr. Conselheiro: PARECER Nº : 010/2009-1 - Exmo. Sr. Conselheiro: Retorna a esta unidade os presentes autos, que versam sobre consulta formulada pela gestor da Prefeitura de Água Boa solicitando orientação sobre como proceder

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

CONDIÇÕES CONTRATUAIS PARA EMPRÉSTIMO VIGÊNCIA: 05/09/2016

CONDIÇÕES CONTRATUAIS PARA EMPRÉSTIMO VIGÊNCIA: 05/09/2016 CONDIÇÕES CONTRATUAIS PARA EMPRÉSTIMO VIGÊNCIA: 05/09/2016 CAIXA BENEFICENTE DOS EMPREGADOS DA COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL CBS, entidade fechada de previdência complementar, com sede à Avenida Doutor

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Contrato de Seguro Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL - CNPJ: 28.196.889/0001-43 Serviço de Atendimento aos Clientes (SAC): 0800 729

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 133/2013 ESTABELECE NOVA REGULAMENTAÇÃO AO PAGAMENTO DE DÉBITOS DE ANUIDADES JUNTO AO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL - COREN-RS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Conselho

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Serviço Autônomo de Água e Esgoto 1.0.0.0.0.00.00 Ativo 47.847.241,97 2.918.524,45 2.359.963,02 48.442.859,64 1.1.0.0.0.00.00 Ativo Circulante 4.019.462,20 917.703,39 820.794,61 4.116.370,98 1.1.1.0.0.00.00 Disponível 3.018.543,61 497.836,30

Leia mais

CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE

CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE CONTA ÚNICA DO TESOURO ESTADUAL CUTE D CUTE D Decreto nº 44.899 de 05 de agosto de 2014 Altera o decreto nº 22.939, de 30 de janeiro de 1997, que implanta o Sistema Integrado de Administração Financeira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 2682 Dispõe sobre critérios de classificação das operações de crédito e regras para constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis quanto ao bloqueio bancário ou seqüestro de recursos disponíveis em conta bancária por decisão judicial para garantia de ações contra o Estado do Rio

Leia mais

Taxa de comissão de permanência

Taxa de comissão de permanência Taxa de comissão de permanência Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 03 de setembro de 2008 Última Atualização 30 de outubro de 2008 Taxa de comissão de permanência Diante dos vários encargos financeiros,

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2012 COPEL - COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA S.A.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2012 COPEL - COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA S.A. CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2012 COPEL - COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA S.A. Ementa: Obter subsídios para o aprimoramento do Contrato de Cotas de Garantia Física de Energia e de

Leia mais

Rotina CNRC/SUNOT/CGE nº 013/2011

Rotina CNRC/SUNOT/CGE nº 013/2011 Trata a presente rotina contábil da despesa e receita com ressarcimento de pessoal cedido com base na Lei nº 5.632, de 04 de janeiro de 2010, no Decreto nº 41.687, de 11 de fevereiro de 2009 e na Resolução

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2665. II - os créditos destinam-se à reestruturação e capitalização das cooperativas enquadradas no Programa;

RESOLUÇÃO Nº 2665. II - os créditos destinam-se à reestruturação e capitalização das cooperativas enquadradas no Programa; RESOLUÇÃO Nº 2665 Dispõe sobre o Programa de Revitalização de Cooperativas de Produção Agropecuária - RECOOP, de que tratam a Medida Provisória nº 1.898-15, de 1999, e o Decreto nº 2.936, de 1999. O BANCO

Leia mais

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Orientações sobre o recolhimento dos valores devidos em face dos Contratos de Transição 1. Do Valor Devido 2. Do Recolhimento 2.1. Recolhimento por GRU Simples 2.2. Recolhimento

Leia mais

Crédito Imobiliário. Diretoria Executiva de Habitação - DEHAB. SN Habitação de Mercado SUHAM. GEMPJ - GN Habitação de Mercado Pessoa Juridica SET 2012

Crédito Imobiliário. Diretoria Executiva de Habitação - DEHAB. SN Habitação de Mercado SUHAM. GEMPJ - GN Habitação de Mercado Pessoa Juridica SET 2012 1 Crédito Imobiliário Diretoria Executiva de Habitação - DEHAB SN Habitação de Mercado SUHAM GEMPJ - GN Habitação de Mercado Pessoa Juridica SET 2012 2 HABITAÇÃO DE MERCADO - PJ Produtos Programa Imóvel

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Parcelamento Lei nº 11.941/2009 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Informações Gerais Origem: conversão da MP 449, de 04.12.2008. Publicação: 28.05.2009. Vedação:

Leia mais

RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014.

RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014. RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e registro das decisões que resultem em sanção a ser aplicada pelo Tribunal de Contas do Estado

Leia mais

Consórcio Imobiliário. Utilização do FGTS

Consórcio Imobiliário. Utilização do FGTS REGRAS GERAIS Nº 6565.047.002 Versão 2 Consórcio Imobiliário Utilização do FGTS (amortização extraordinária / liquidação do saldo devedor e pagamento de parte das parcelas) Elaborado em: 01/11/2013 REQUISITOS

Leia mais

A SECERTÁRIA MUNICIPAL DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CAICÓ/ RN, no uso de suas atribuições,

A SECERTÁRIA MUNICIPAL DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CAICÓ/ RN, no uso de suas atribuições, INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 Dispõe sobre procedimentos para recebimento, devolução e atualização monetária dos valores exigidos como garantia na participação de licitações e nas contratações de obras,

Leia mais

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011 Folha: 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 1.906.387,90D 1.675.420,32 1.499.489,71 2.082.318,51D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 2.510.142,26D 661.967,14 609.867,96 2.562.241,44D 2.1.1 DISPONÍVEL 2.505.864,48D 659.552,76 609.805,77

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise )

Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise ) Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise ) 1 Débitos abrangidos Débitos de qualquer natureza junto à PGFN ou à RFB, vencidos

Leia mais

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA EXERCÍCIO DO ESTADO 2016 ORÇA PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA 5.2 ORÇA APROVADO 5.892.000,00 5.2.1 PREVISÃO DA RECEITA 5.892.000,00 5.2.1.1 PREVISÃO INICIAL DA RECEITA 5.892.000,00

Leia mais

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares Exercício 9 Número de períodos - Nper 6 Preço à vista - VP 1.800,00 Parcela - PGTO 332,28 Tipo 0 Taxa 3% Exercício 10 Preço à vista - VP 15.000,00 Número de períodos - Nper 24,00 Parcela - PGTO 750,00

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE

CARTA CIRCULAR Nº 1.648. DEPARTAMENTO DE NORMAS DO MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Jorge Laboissière Loyola CHEFE CARTA CIRCULAR Nº 1.648 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.234, de 19/11/1991. Comunicamos às instituições vinculadas à Área do Mercado de Capitais que, tendo em vista o disposto na alínea

Leia mais

CIRCULAR Nº 350. Aos Estabelecimentos Bancários Autorizados a Operar em Câmbio.

CIRCULAR Nº 350. Aos Estabelecimentos Bancários Autorizados a Operar em Câmbio. CIRCULAR Nº 350 Aos Estabelecimentos Bancários Autorizados a Operar em Câmbio. Comunicamos que o Banco Central do Brasil, tendo em vista as disposições da Resolução nº 432 e da Circular nº 349, desta data,

Leia mais

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA AMPLA DTA-054/2016 R-00

DECISÃO TÉCNICA AMPLA DTA-054/2016 R-00 INFRAESTRUTURA E REDES BRASIL OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BRASIL /2016 DECISÃO TÉCNICA /2016 R- FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA I APRESENTAÇÃO Esta Decisão Técnica Cobrança de Danos Causados por Terceiros

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

Cessão de Direitos Creditórios. 21ª GTCON Maio/2016

Cessão de Direitos Creditórios. 21ª GTCON Maio/2016 Cessão de Direitos Creditórios 21ª GTCON Maio/2016 Cessão de Direitos Creditórios Operações de Cessão de Direitos Creditórios estruturam-se das mais diversas formas. Para os fins desta contabilização foram

Leia mais

Securitização de Recebíveis

Securitização de Recebíveis Securitização de Recebíveis Março/2016 Mês/Ano Normatização As NBCASP não contemplam o tema Instrumentos Financeiros Portaria STN nº 548/15 - será oportunamente regulamentado Referência técnica adotada

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos processos administrativos relativos à baixa de inscrição. O SECRETÁRIO MUNICIPAL ADJUNTO DA

Leia mais

LEI Nº 002/2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, FAZ SABER,

LEI Nº 002/2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, FAZ SABER, LEI Nº 002/2006 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO FUMDUR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município,

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

Art. 3º. As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta das dotações próprias do orçamento vigente.

Art. 3º. As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta das dotações próprias do orçamento vigente. LEI Nº 656, DE 28 DE MARÇO DE 1994. Publicado no Diário Oficial nº 329 Modifica a Lei nº 308, de 17 de outubro de 1991, e dá outras providências. Faço saber que o Governador do Estado do Tocantins adotou

Leia mais

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS 1 de 5 31/01/2015 15:34 REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Até 31.12.2007, a Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8º, admitia a possibilidade de

Leia mais

UNIDADE 3. Módulo 3 57

UNIDADE 3. Módulo 3 57 UNIDADE 3 Módulo 3 57 v Outras operações são Assim como qualquer ente, os órgãos públicos são capazes de adquirir direitos e de assumir obrigações e ainda compram, vendem, produzem, constroem etc. Eles

Leia mais

repasse e os termos de cooperação celebrados pelos órgãos e entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos para a execução de programas,

repasse e os termos de cooperação celebrados pelos órgãos e entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos para a execução de programas, PORTARIA Nº 127, DE 29 DE MAIO DE 2008 Estabelece normas para execução do disposto no Decreto no 6.170, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre as normas relativasàs transferências de recursos da União

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e s conexos Crédito Habitação Euros (Mín/Máx) Valor Anual Contratos de crédito para aquisição, construção e realização de obras de habitação própria permanente, secundária ou para

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás 1 FINALIDADE 1.1 Esta Norma estabelece as condições e os procedimentos para a concessão de ao participante ativo, ao participante assistido ou beneficiário (pensionista), ao participante autopatrocinador

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2012.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Novembro / 2012. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 16.611.913,16 1.144.680,78 1.255.841,25 16.500.752,69 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 6.840.495,36 666.073,17 734.945,16 6.771.623,37 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.134.620,90 384.925,39

Leia mais

2 - As classes de risco a que se refere o número precedente são as seguintes:

2 - As classes de risco a que se refere o número precedente são as seguintes: Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/95 Os arts. 76.º e 195.º do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras obrigam os responsáveis pelas entidades por eles abrangidas a proceder

Leia mais

DECRETO Nº 26.624, de 26 de outubro de 2015

DECRETO Nº 26.624, de 26 de outubro de 2015 DOM DE 27/10/2015 DECRETO Nº 26.624, de 26 de outubro de 2015 Regulamenta a Lei nº 8.927, de 22 de outubro de 2015, que institui o Programa de Parcelamento Incentivado PPI no Município de Salvador, na

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de método de custo e de valor justo 1 BALANÇO

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza CONTROLE EXEC PLANEJAM E ORÇAM Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 6.0.0.0.0.00.00.00 CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO 6.1.0.0.0.00.00.00 EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

II - ao Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens e Direitos - ITCMD;

II - ao Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens e Direitos - ITCMD; DECRETO Nº 61.696, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015 Regulamenta a Lei nº 16.029, de 3 de dezembro de 2015, que institui o Programa de Parcelamento de Débitos - PPD no Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2541. I - o desdobramento de subgrupo com os respectivos atributos:

CARTA-CIRCULAR Nº 2541. I - o desdobramento de subgrupo com os respectivos atributos: CARTA-CIRCULAR Nº 2541 Tendo em vista o disposto no item 4 da Circular n. 1.540, de 06.10.89, ficam criados no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional - COSIF: I - o desdobramento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM

CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM CONTRIBUIÇÃO À SP-PREVCOM ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIAS E OUTROS PODERES Parte Servidor As retenções das contribuições para SP-PREVCOM, na interligação da folha, serão efetuadas utilizando-se eventos

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

CIRCULAR Nº 2957. c) desconto de notas promissórias; i) adiantamentos sobre contratos de câmbio;

CIRCULAR Nº 2957. c) desconto de notas promissórias; i) adiantamentos sobre contratos de câmbio; CIRCULAR Nº 2957 Dispõe sobre a prestação de informações relativas a operações de crédito praticadas no mercado financeiro. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 28 de

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções

2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções OUTUBRO/2014 RETENÇÕES CONTEXTO E AGENDA

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O Governo do Tocantins, nos termos do inciso VII, do artigo 40 da Constituição Estadual, por intermédio do Excelentíssimo

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

São beneficiários da pensão temporária:

São beneficiários da pensão temporária: A pensão pela morte do servidor público, inclusive aposentado, pode ser vitalícia ou temporária. As pensões vitalícias somente se extinguem, ou se revestem para outro pensionista, com a morte do beneficiário.

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N 6.902, DE 2010 Dispõe sobre a autorização para desconto de prestações em folha de pagamento dos servidores estatutários e funcionários públicos da administração

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.975/2011 (Publicada no D.O.U. de 29 de julho de 2011, Seção I, p. 336-337) Revogada pela Resolução CFM nº 1979/2011 Fixa os valores das anuidades e taxas

Leia mais

DECRETO N 2.738/2011, DE 07 DE ABRIL DE 2011.

DECRETO N 2.738/2011, DE 07 DE ABRIL DE 2011. DECRETO N 2.738/2011, DE 07 DE ABRIL DE 2011. DISPÕE SOBRE: A CONCESSÃO DE INCENTIVO/DESCONTO E ANISTIA, EM CARÁTER GERAL PARA O PAGAMENTO DE TAXAS DO PÁTIO DE VEÍCULOS DO MUNICÍPIO POR CONTA DE INFRAÇÕES

Leia mais

CARTILHA DE PARCELAMENTOS FEDERAIS. REFIS DA COPA AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS COLIGADAS e CONTROLADAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

CARTILHA DE PARCELAMENTOS FEDERAIS. REFIS DA COPA AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS COLIGADAS e CONTROLADAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS CARTILHA DE PARCELAMENTOS FEDERAIS REFIS DA COPA AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS COLIGADAS e CONTROLADAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Setembro de 2014 INTRODUÇÃO O presente trabalho traz um panorama

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DA ABRANGÊNCIA, ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DA ABRANGÊNCIA, ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL (*) RESOLUÇÃO N o 247, DE 13 DE AGOSTO DE 1999. Altera as condições gerais da prestação de serviços de transmissão e contratação do acesso, compreendendo os

Leia mais

0 GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 65, inciso V, da Constituição Estadual e,

0 GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 65, inciso V, da Constituição Estadual e, DECRETO N 15654, DE 27 DE JANEIRO DE 2011. Dispõe sobre consignações em folha de pagamento de servidores públicos civis e militares ativos, aposentados e pensionistas da Administração Direta e Indireta

Leia mais

ESTADO DE SÃO P A U L O

ESTADO DE SÃO P A U L O RESOLUÇÃO SC N.º 110, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a aplicação das sanções administrativas previstas na Lei Federal 8.666, de 21.06.1993 e na Lei Estadual 6.544, de 22.11.1989, no âmbito dos

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA

INSTRUMENTO PARTICULAR DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA INSTRUMENTO PARTICULAR DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA Por este instrumento particular de confissão de dívida e RENEGOCIAÇÃO, as partes abaixo qualificadas têm, entre si, justas e contratadas, a negociação da(s)

Leia mais

Primeira Aula A CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

Primeira Aula A CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Primeira Aula A CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Prof. Antônio Osório Gonçalves 01.01. PROBLEMA Como conceituar Contabilidade Pública após a substituição do Código de Contabilidade da União elaborado em

Leia mais

Processo 2637/UERJ/2006

Processo 2637/UERJ/2006 5 - BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é composto pelos grupos de contas integrantes dos Ativos e Passivos Financeiro, Permanente e Compensado, e apresenta de forma sintética a composição do patrimônio

Leia mais

Mix Legal Express. Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP

Mix Legal Express. Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP Mix Legal Express Data 03/01/2013 Tipo Informativo Jurídico N 3/14 Este documento faz parte do Sistema de Gestão da Qualidade da FecomercioSP Caso não consiga visualizar este e-mail, acesse o link: http://www.fecomercio.com.br/mail/mixlegal.php?edicao=639

Leia mais

TERMO DE ACORDO DE PARCELAMENTO JUDICIAL

TERMO DE ACORDO DE PARCELAMENTO JUDICIAL TERMO DE ACORDO DE PARCELAMENTO JUDICIAL IDENTIFICAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO: Nome: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Aos...dias do mês de... de 20..., compareceu à Procuradoria-Geral do Estado o representante

Leia mais

Estágios da Despesa Pública

Estágios da Despesa Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Estágios da Despesa Pública lac.consultoria@gmail.com CONCEITO: A despesa pública consiste na realização de gastos, isto é, na aplicação de recursos financeiros de forma

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000. Dispõe sobre o Seguro Rural e o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural FESR, de sua fiscalização e controle pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e dá outras providências.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PORTARIA CNMP-PRESI Nº 131, DE 13 DE OUTUBRO DE 2015. Regulamenta as consignações, a favor de terceiros, na folha de pagamento do Conselho Nacional do Ministério Público e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados

DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados DLPA Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados A Lei 6.404/76 Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações

Leia mais

MANUAL Folha de Pagamento

MANUAL Folha de Pagamento MANUAL Folha de Pagamento ÍNDICE CRIAÇÃO DA CONTA SALÁRIOS A PAGAR (PROVISÃO DA FOLHA)...3 ANÁLISE DO RESUMO DA FOLHA DE PGTO. (IDENTIFICAÇÃO DAS CONTAS ENVOLVIDAS)...3 IDENTIFICAÇÃO DAS CONTAS DE DESP.

Leia mais

Oficina 66 ABOP. Slide 1

Oficina 66 ABOP. Slide 1 O Siafi como Instrumento da Contabilidade Oficina 66 Slide 1 Ementa Oficina Nº 66 / Área: Fundamentos da Execução Orçamentária e Financeira O SIAFI COMO INSTRUMENTO DA CONTABILIDADE Carga Horária: 4 horas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 308, DE 6 DE AGOSTO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 308, DE 6 DE AGOSTO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 308, DE 6 DE AGOSTO DE 2007 Dispõe sobre os procedimentos para arrecadação das receitas oriundas da cobrança pelo uso de recursos hídricos em corpos d água de domínio da União. O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

NORMA INTERNA 014/2015 PRIMEIRA EDIÇÃO

NORMA INTERNA 014/2015 PRIMEIRA EDIÇÃO NORMA INTERNA 014/2015 PRIMEIRA EDIÇÃO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES INÍCIO DA VIGENCIA 01/11/2015 ORDEM CRONOLÓGICA Fundamento na Resolução Nº 1.033/2015 do TCE/RS e Lei 8.666/93 SETORES ENVOLVIDOS: Todas

Leia mais

RESOLUÇÃO CRA-ES Nº 009/2012. ASSUNTO: Dispõe sobre o Programa de Conciliação de Recebíveis do CRA-ES, e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CRA-ES Nº 009/2012. ASSUNTO: Dispõe sobre o Programa de Conciliação de Recebíveis do CRA-ES, e dá outras providências. RESOLUÇÃO CRA-ES Nº 009/2012. ASSUNTO: Dispõe sobre o Programa de Conciliação de Recebíveis do CRA-ES, e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da competência

Leia mais