OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1"

Transcrição

1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 1 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa

2 EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA PORTICADA PLANTA Laje maciça: 0,17 m Vigas: 0,3 m x 0,5 m Pilares centrais: 0,5 m x 0,5 m Pilares de canto: 0,35 m x 0,5 m Pilares de bordo: 0,35 m x 0,8 m Materiais: C30/37 A 500 NR SD

3 ESTRUTURA ALÇADO

4 ACÇÕES Acções gravíticas Peso próprio da estrutura Lajes: rcp = 4,0 kn/m 2 ; sc = 2,0 kn/m 2 Vigas de bordo: rcp (paredes no contorno do edifício) = 7,0 kn/m Cargas gravíticas actuantes nas vigas para a situação de projecto sísmica e situações de projecto persistentes: (g + 2 q): vigas de bordo (pisos 1 a 3) 20,5 kn/m vigas de bordo (cobertura) 13,5 kn/m vigas interiores direcção X 36,2 kn/m vigas interiores direcção Y 32,9 kn/m ( g g + q q): vigas de bordo (pisos 1 a 3) 30,4 kn/m vigas de bordo (cobertura) vigas interiores direcção X vigas interiores direcção Y 21,0 kn/m 58,1 kn/m 52,8 kn/m

5 ACÇÕES Acção sísmica O edifício está localizado em Portugal Continental nas zonas sísmicas 1.2 (a gr = 2,0 m/s 2 ) e 2.3 (a gr = 1,7 m/s 2 ). O solo de fundação é constituído por uma areia muito compacta classificável como um terreno do tipo B de acordo com o EC8-1. O edifício é classificado como pertencendo à classe de importância II, à qual está associado um coeficiente de importância I = 1,0: a g = a gr A estrutura será dimensionada como estrutura de ductilidade média DCM Coeficiente de comportamento: q = 3,9

6 S d [m 2 /s] ACÇÕES Espectros de resposta elástica Sismo1 Sismo2 1.2 Espectros de resposta de cálculo T [s]

7 ANÁLISE ESTRUTURAL Método de referência do EC8 - análise modal por espectro de resposta considerando um modelo elástico linear da estrutura e o espectro de resposta de projecto A estrutura foi analisada recorrendo a um modelo tridimensional constituído por barras que simulam os pilares e as vigas A rigidez de flexão e de corte destes elementos estruturais foi considerada igual a metade da rigidez elástica Para definição das características geométricas das vigas consideraram-se secções em T de modo a simular a contribuição das lajes para a rigidez destes elementos estruturais Consideraram-se as seguintes larguras efectivas médias: Vigas interiores: b eff = 2,0 m Vigas de bordo: b eff = 1,0 m b eff

8 ANÁLISE ESTRUTURAL modelo estrutural

9 ANÁLISE ESTRUTURAL REGULARIDADE ESTRUTURAL Regularidade em altura: estrutura regular Regularidade em planta: Uma vez que a estrutura será analisada recorrendo a um modelo espacial e a uma análise modal esta classificação pode ser efectuada através dos modos de vibração. Em alternativa pode verificar-se a condição do raio de torção ser superior ao raio de giração da massa: r x l s ; r y l s l s = [(l x 2 + l y2 )/12] 0,5 (para pisos que apresentam uma forma rectangular) l s = [( )/12] 0,5 = 6,24 m r x = (K /K y ) 0,5 ; r y = (K /K x ) 0,5 K = (x 2 I x + y 2 I y ) K x = I y ; K y = I x

10 ANÁLISE ESTRUTURAL K x = 0,0829 m 4 ; K y = 0,0661 m 4 K = 6,18 m 6 r x = 9,67 m ; r y = 8,63 m r x > l s ; r y > l s a estrutura não é classificada como torsionalmente flexível Valores do período fundamental de vibração nas direcções principais: T Y = 0,86 s. T X = 0,81 s Modo de vibração de torção: T RZ = 0,67 s. T RZ < T X ; T Y conclusão idêntica

11 ANÁLISE ESTRUTURAL COEFICIENTE DE COMPORTAMENTO Sendo o edifício regular em altura e em planta o valor máximo do coeficiente de comportamento é dado por: q = q o K w em que K w =1,0 e q o = 3,0 α u /α 1 com α u /α 1 =1,3 por se tratar de uma estrutura porticada com vários pisos e vários tramos. q = q o = 3 x 1,3 = 3,9 Aos períodos fundamentais de vibração nas duas direcções principais correspondem as seguintes acelerações espectrais de cálculo: T C < T < T D S dx = a g.s.2,5/q.(t C /T X ) = 2 x 1,23 x 2,5/3,9 x (0,6/0,81) = 1,17 m/s 2 S dy = a g.s.2,5/q.(t C /T Y ) = 1,10 m/s 2

12 ANÁLISE ESTRUTURAL TORÇÃO ACIDENTAL Os efeitos acidentais da torção são determinados considerando ao nível dos pisos a actuação de momentos torsores M ai obtidos pela seguinte expressão: M ai = e ai F i em que: e ai = 0,05 L i e aix = 0,05 x 12 = 0,60 m ; e aiy = 0,05 x 18 = 0,90 m F i - força horizontal actuante ao nível do piso i F i = F b. z i. m i z j. m j Força de corte basal F b : F b = S d (T 1 ) m m = 1122 t ; = 0,85 (a massa modal efectiva do 1º modo é menor que a massa total do edifício) F bx = 1,17 x 1122 x 0,85 = 1116 kn ; F by = 1,10 x 1122 x 0,85 = 1049 kn

13 ANÁLISE ESTRUTURAL Massas dos pisos: Pisos 1 a 3: m 1 = m 2 = m 3 = 291 t Cobertura: m 4 = 249 t Forças horizontais F i : Momentos torsores M ai : E X E Y E X E Y F 1X = 129 kn ; F 1Y = 122 kn M a1x = 77,4 knm; M a1y = 109,8 knm F 2X = 240 kn ; F 2Y = 226 kn M a2x = 144,0 knm; M a2y = 206,1 knm F 3X = 351 kn ; F 3Y = 330 kn M a3x = 210,6 knm; M a3y = 297,0 knm F 4X = 395 kn ; F 4Y = 372 kn M a4x = 237,0 knm; M a4y = 334,8 knm

14 VERIFICAÇÃO DA DEFORMAÇÃO REQUISITO DE LIMITAÇÃO DE DANOS Dado que o edifício incorpora paredes de alvenaria é necessário limitar o deslocamento relativo entre pisos a 0,005 h: d r / h 0,005 d r deslocamento relativo entre pisos (d r = d s,i d s,i-1, com d s = q d d e ) = 0,40 (acção sísmica tipo 1) coeficiente de redução que tem em conta o mais baixo período de retorno da acção sísmica Verificação na direcção Y Piso d e [mm] d s [mm] d r [mm] d r / h 0-1 8,0 31,2 31,2 0, ,3 63,6 32,4 0, ,7 88,5 24,9 0, ,3 102,6 14,1 0,0019

15 VERIFICAÇÃO DA DEFORMAÇÃO EFEITOS DE 2ª ORDEM Verificação da necessidade de se considerar os efeitos de 2ª ordem no dimensionamento dos elementos estruturais calculando o coeficiente de sensibilidade = P tot d r / V tot h Piso P tot V totx V toty d rx [mm] d ry [mm] X Y ,5 31,2 0,080 0, ,9 32,4 0,085 0, ,0 24,9 0,057 0, ,0 14,1 0,029 0,031 Coeficientes de sensibilidade 0,10 não é necessário considerar os efeitos de 2ª ordem no dimensionamento da estrutura

16 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS E PILARES Elementos analisados: Viga VA piso 1 Pilares P1A; P2A piso 0 Viga de travamento ali. A

17 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS E PILARES Esforços nas vigas e pilares obtidos na análise estrutural devidos à acção sísmica incluindo os efeitos da torção acidental e devidos à carga gravítica quase permanente (g + 2 q): Viga Secção E X E Y g + 2 q M [knm] M [knm] M [knm] VA 1 11,9 180,9-46,9 2 12,8 193,3-68,0 V ,1 9,2-38,0 V ,1 0-77,7 Pilar Piso Secção E X N [kn] M x [knm] M y [knm] N [kn] M x [knm] M y [knm] E Y P1A 0 P2A 0 base 9,7 77,7 158,0 5,3 133,6 160,6 topo 5,2 56,8 88,7 3,9 base 34,0 110,1 557, ,6 0 topo 11,6 69,6 212,7 0

18 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS E PILARES Pilar Piso Secção g + 2 q N [kn] M x [knm] M y [knm] P1A 0 P2A 0 base -8,7-7,1-458,7 topo 18,3 14,5 base 0-14,4-946,8 topo 0 29,4 A combinação direccional usada para contemplar a actuação simultânea das componentes horizontais do sismo nas duas direcções nos pilares e nas vigas foi a combinação linear: E = ± (E X + 0,3 E Y ); E = ± (0,3 E X + E Y ). Os esforços de dimensionamento são obtidos para a seguinte combinação de acções: g + 2 q + max (E X + 0,3 E Y ; 0,3 E X + E Y )

19 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS g + 2 q + max (E X + 0,3 E Y ; 0,3 E X + E Y ) Viga VA: Secção 1: M - Ed = - 46,9 (180,9 + 0,3 x 11,9) = - 231,4 knm M + Ed = - 46,9 + (180,9 + 0,3 x 11,9) = 137,6 knm Secção 2: M - Ed = - 68,0 (193,3 + 0,3 x 12,8) = - 265,1 knm M + Ed = - 68,0 + (193,3 + 0,3 x 12,8) = 129,1 knm Viga V1: Secção 1: M - Ed = - 38,0 (130,1 + 0,3 x 9,2) = - 170,9 knm M + Ed = - 38,0 + (130,1 + 0,3 x 9,2) = 94,9 knm Viga V2: Secção 1: M - Ed = - 77,7 153,1 = - 230,8 knm M + Ed = - 77, ,1 = 75,4 knm

20 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS No dimensionamento é conveniente tirar partido da armadura da laje na resistência das vigas a momentos negativos de modo a não penalizar o dimensionamento dos pilares quando este é realizado por capacidade real O dimensionamento das lajes conduziu às seguintes armaduras: - face superior na zona dos apoios de continuidade : 10//0,15 - face superior na zona dos apoios de contorno : 10//0,30 - face inferior: malha 10//0,20 Largura eficaz do banzo V1 secção1 VA secção 1 VA secção2 V2 secção1 Largura eficaz do banzo Pilar exterior Pilar interior Pilar exterior

21 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS Z 0,9 d M Rd = A s1,laje. f yd. z 1 + A s2, laje. f yd. z 2 + A s1,viga. f yd. z 1 A s1,laje = 0,89 cm 2 ; A s2,laje = 1,34 cm 2 para VA secção 1 e V1 secção 1 A s1,laje = 3,56 cm 2 ; A s2,laje = 2,67 cm 2 para VA secção 2 A s1,laje = 1,78 cm 2 ; A s2,laje = 2,67 cm 2 para V2 secção 1 z 1 = 0,9 x 0,455 = 0,41 m z 2 = 0,9 x 0,37 = 0,33 m

22 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS Armaduras superiores das vigas: Armaduras a colocar na largura da alma na face superior da viga (para além da armadura da laje) Viga VA: Secção 1: A s = 11,0 cm 2 (4 20); Secção 2: A s = 9,2 cm 2 (3 20) Viga V1, secção 1: Viga V2, secção 1: A s = 7,6 cm 2 (4 16) A s = 9,0 cm 2 (3 20) Armaduras inferiores das vigas: Viga VA: Secção 1: A s = 7,7 cm 2 (4 16); Secção 2: A s = 7,2 cm 2 (4 16) Viga V1, secção 1: A s = 5,3 cm 2 (3 16) Viga V2, secção 1: A s = 4,2 cm 2 (4 16) armadura condicionada por 0,5 (A s,superior = 1,78 + 2, x 3,14 = 13,87 cm 2 A s,inferior 13,87 / 2 = 6,94 cm 2 )

23 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS Verificação da ductilidade local Verificação da armadura superior máxima de tracção: max = ' + 0,0018 sy, d. f cd f yd = 2 q 0 1 = 2 x 3,9-1 = 6,8 Viga VA: Secção 1: = ; max = ; A s,max = 15,6 cm 2 ; A s,adoptada = 14,6 cm 2 Secção 2: = ; max = ; A s,max = 15,6 cm 2 ; A s,adoptada = 15,6 cm 2 Viga V1, secção 1: = ; max = ; A s,max = 13,9 cm 2 ; A s,adoptada = 10,3 cm 2 Viga V2, secção 1: = ; max = ; A s,max = 15,6 cm 2 ; A s,adoptada = 13,9 cm 2 Armadura mínima: min = 0,5 f ctm f yk A s,min = 0,5 x 2,9 / 500 x 30 x 45,5 = 4,0 cm 2

24 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS Verificação da amarração das armaduras nos nós Nó VA-P1A (nó viga-pilar exterior): Rd = 1,0 (DCM) h c = 0,50 m d bl h c 7,5. f ctm Rd. f yd. (1 + 0,8 d ) d = N Ed /A c f cd N Ed = min ( ,6 + 0,3 x 133,6; ,7 + 0,3 x 87,1) = 203,2 kn d = 0,058 d bl 26,2 mm piso 0 piso 1 Nó VA-P2A (nó viga-pilar interior): k D = 2/3 (DCM) d bl h c 7,5. f ctm Rd. f yd ,8 d 1 + 0,75 k D. '/ max N Ed = min (-946, ,6; ,9) = 599,1 kn d = 0,107 h c d bl 34,6 mm

25 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS Dimensionamento ao esforço transverso g + ψq - dimensionamento por capacidade real - V 1 V 2 V 1,Ed = V g+ 2q,1 + Rd (M - Rb,1 + M + Rb,2)/l cl _ M Rb,1 _ + + M Rb,2 l cl V 2,Ed = V g+ 2q,2 + Rd (M + Rb,1 + M - Rb,2)/l cl Rd = 1,0 (DCM) + M Rb,1 + l cl M Rb,2 Os momentos resistentes negativos nas extremidades da viga VA devem ser calculados considerando todas as armaduras superiores na largura eficaz do banzo: M - Rd = A s1,laje. f yd. z 1 + A s2, laje. f yd. z 2 + A s,viga. f yd. z 1 Secção 1: M - Rb,1 = 259,1 knm ; M + Rb,1 = 143,4 knm Secção 2: M - Rb,2 = 269,8 knm ; M + Rb,2 = 143,4 knm

26 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS O esforço transverso devido à carga quase permanente V g+ 2q é determinado num modelo de viga simplesmente apoiada. g + 2 q = 20,5 kn l cl = 6,0 (0,5 + 0,8) /2 = 5,35 m V g+ 2q = 20,5 x 5,35 / 2 = 54,8 kn V 1,Ed = 54,8 + (259, ,4) / 5,35 = 130,0 kn V 2,Ed = 54,8 + (143, ,8) / 5,35 = 135,6 kn Para efeitos da verificação da segurança na zona das rótulas plásticas toma-se, por prudência, um ângulo = 45º. O esforço transverso a (zcotg ) do apoio no pilar P2A é: V Ed = 135, x 0,41 = 127,2 kn A sw /s = V Ed / (z cotg f yd ) =127,2 / (0,41 x 43,5) = 7,1 cm 2 /m

27 DIMENSIONAMENTO DAS VIGAS O espaçamento dos estribos nas zonas críticas juntos aos apoios, l cr = h w, deve satisfazer a seguinte condição: s min {h w /4 ; 24d bw ; 225 ; 8d bl } = 125 mm Adoptam-se Est 2R 8//0,125 Na zona central da viga toma-se cotg = 2,0 adoptando-se Est 2R 8//0,25, armadura que cumpre os requisitos da armadura mínima do EC2. Relativamente às compressões nas bielas da alma, a viga apresenta-se muito folgada: c = V Ed / (b z sen cos ) = 127,2 / (0,3 x 0,41 x sen 45 cos 45) = 2068 kn/m 2 << max

28 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Dimensionamento à flexão Momentos flectores máximos e esforços axiais mínimos e máximos obtidos na análise estrutural g + 2 q + (E X + 0,3 E Y ; 0,3 E X + E Y ) Pilar Piso Secção g + 2 q + E X + 0,3 E Y g + 2 q + 0,3 E X + E Y N [kn] M x [knm] M y [knm] N [kn] M x [knm] M y [knm] P1A 0 P2A 0 base ,8 86, ,6 35,7 topo ,1 72, ,6 35,4 base ,2 124, ,7 47,4 topo ,4 99, ,2 50,3 Nos nós de ligação das vigas com os pilares deve ser garantida a condição M Rc 1,3 M Rb de modo a forçar as rótulas plásticas nas vigas. Esta condição deve ser satisfeita em cada um dos dois planos ortogonais de flexão, i.e., com a capacidade resistente dos pilares calculada em flexão composta uniaxial.

29 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Momentos resistentes das vigas: VA - Secção 1: M - Rb,1 = 259,1 knm ; M + Rb,1 = 143,4 knm VA - Secção 2: M - Rb,2 = 269,8 knm ; M + Rb,2 = 143,4 knm V1: M - Rb,1 = 178,5 knm ; V2: M - Rb,1 = 238,1 knm Nó do topo do pilar P1A: M Rc,x 1,3 x 259,1 = 336,8 knm M Rc,y 1,3 x 178,5 = 232,1 knm Nó do topo do pilar P2A: M Rc,x 1,3 x (269, ,4) = 537,2 knm M Rc,y 1,3 x 238,1 = 309,5 knm Estes momentos devem ser distribuídos pelos pilares que concorrem no nó.

30 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES No presente caso ponderando o efeito da rigidez dos pilares e do esforço axial o momento total no nó foi distribuído 55% para o pilar inferior e 45 % para o pilar superior. Topo do pilar P1A: M Rc,x 0,55 x 336,8 = 185,2 knm M Rc,y 0,55 x 232,1 = 127,7 knm N Ed = kn (esforço axial mínimo) Topo do pilar P2A: 0.45 M Rc,x M Rc,x 0,55 x 537,2 = 295,5 knm M Rc,y 0,55 x 309,5 = 170,2 knm N Ed = kn (esforço axial mínimo) 0.55 M Rc,x

31 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES O dimensionamento da armadura é realizado em flexão composta uniaxial para o momento condicionante. Os momentos resistentes calculados por esta via devem ser superiores aos momentos actuantes obtidos na análise estrutural. O EC8 impõe uma taxa mínima de armadura de 0,01 para os pilares sísmicos primários correspondente às seguintes armaduras mínimas: P1A: A s,min = 0.01 x 35 x 50 = 17,5 cm 2 P2A: A s,min = 0.01 x 35 x 80 = 28,0 cm 2

32 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES P1A A s = 20,1 cm 2 = 1,1% P2A A s = 30,9 cm 2 = 1,1% P1A: M Rc,x = 228 knm; P2A: M Rc,x = 680 knm; M Rc,y = 153 knm M Rc,y = 283 knm (N = N min ) Na base dos pilares é necessário verificar que as resistências são superiores aos esforços obtidos na análise estrutural. O dimensionamento é realizado em flexão composta biaxial.

33 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Critério simplificado do EC2 (M Ed,x / M Rd,x ) a + (M Ed,y / M Rd,y ) a 1,0 com a = 1,0 dado o reduzido nível de esforço axial P1A: 169,6 / ,7 / 153 = 0,98 < 1,0 P2A: 567,7 / ,4 / 283 = 1,0 1,0 Dimensionamento ao esforço transverso O esforço transverso actuante é calculado por equilíbrio considerando os momentos resistentes máximos (associados ao máximo esforço axial) nas extremidades relativos à formação de rótulas plásticas. - dimensionamento por capacidade real - M Rc,2. M Rb / M Rc l cl V Ed = Rd (M Rc,1 + M Rc,2. M Rb / M Rc )/l cl Rd = 1,1 (DCM) l cl = 3,5-0,5 = 3,0 m. M Rc,1

34 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES piso 1 Cálculo do coeficiente de redução M Rb / M Rc Momento resistente máximo no topo dos pilares do piso 0 piso 0 P1A: M Rc,x = 278 knm; M Rc,y = 195 knm (N Ed = -659 kn) P2A: M Rc,x = 735 knm; M Rc,y = 308 knm (N Ed = kn) (Esforço axial máximo) Momento resistente máximo na base dos pilares do piso 1 P1A: M Rc,x = 256 knm; M Rc,y = 176 knm (N Ed = -461 kn) P2A: M Rc,x = 676 knm; M Rc,y = 280 knm (N Ed = -789 kn)

35 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Obtêm-se no nó de topo dos pilares do piso 0 os seguintes valores do coeficiente de redução: P1A: M Rb,x / M Rc,x = 259,1 / ( ) = 0,49 M Rb,y / M Rc,y = 178,5 / ( ) = 0,48 P2A: M Rb,x / M Rc,x = (269, ,4) / ( ) = 0,29 M Rb,y / M Rc,y = 238,1 / ( ) = 0,41 Esforço transverso actuante: P1A: V Ed,x = 1,1 ( x 0,48) /3 = 106 kn V Ed,y = 1,1 ( x 0,49) /3 = 152 kn P2A: V Ed,x = 1,1 ( x 0,41) /3 = 159 kn V Ed,y = 1,1 ( x 0,29) /3 = 348 kn

36 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Na zona crítica na base dos pilares irão formar-se as rótulas plásticas pelo que no dimensionamento ao esforço transverso toma-se por prudência um ângulo = 45º P1A: l cr = max {h c ; l cl /6 ; 0,45} = 0,5 m ; P2A: l cr = 0,8 m P1A: zona crítica na base (A sw /s) x = V Ed /(z cotg f yd ) = 106 / (0,27 x 43,5) = 9,0 cm 2 /m (A sw /s) y = 152 / (0,41 x 43,5) = 8,5 cm 2 /m P2A: zona crítica na base (A sw /s) x = 159 / (0,27 x 43,5) = 13,5 cm 2 /m (A sw /s) y = 348 / (0,68 x 43,5) = 11,8 cm 2 /m O espaçamento máximo das cintas na direcção longitudinal nas zonas criticas do pilar (zona inferior e superior adjacentes aos nós) deve ser limitado a: s = min {b 0 /2 ; 175 ; 8d bl } = min {290/2; 175; 8x16} = 128 mm

37 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Verificação da ductilidade local Armadura de confinamento na base dos pilares: wd 30 μ d sy,d b/b 0-0,035 = 2 q 0 1 = 2 x 3,9-1 = 6,8 wd = w f yd /f cd ; w = 2 min( w,x ; w,y ) w,x = A sw,x / h 0 s ; w,y = A sw,y / b 0 s Pilares pertencentes ao piso térreo do edifício com paredes de enchimento em alvenaria Toda a altura dos pilares deve ser considerada como zona crítica e ser devidamente confinada tal como a base dos pilares pelo que se deverá adoptar uma armadura transversal constante em toda a altura.

38 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Pilar P1A N = 659 kn; d = 0,188 h 0 = 44 cm; b 0 = 29 cm; s = 10 cm wd 30 x 6,8 x 0,188 x 2,175 x 10-3 x 35/29 0,035 = 0,066 w,x = (2 x 0,5 + 2 x 0,28) / (44 x 10) = 0,0035 w,y = (2 x 0,5) / (29 x 10) = 0,0034 w = 2 x 0,0034 = 0,0068 w = 0,0068 x 435 / 20 = 0,148 n = (1 b 2 i / 6h 0 b 0 ) = 1 (4 x 12, x 13,3 2 )/ (6 x 29 x 44) = 0,88 s = (1 - s / 2b 0 ) (1 - s / 2h 0 ) = (1 10 / (2 x 29)) x (1 10 / (2 x 44)) = 0,73 = 0,88 x 0,73 = 0,64 wd = 0,64 x 0,148 = 0,095 > 0,066

39 DIMENSIONAMENTO DOS PILARES Pilar P2A N = 990 kn; d = 0,177 h 0 = 74 cm; b 0 = 29 cm; s = 12,5 cm wd 30 x 6,8 x 0,177 x 2,175 x 10-3 x 35/29 0,035 = 0,060 w,x = (2 x 0, x 0,28) / (74 x 12,5) = 0,0026 w,y = (2 x 0,79) / (29 x 12,5) = 0,0044 w = 2 x 0,0026 = 0,0052 w = 0,0052 x 435 / 20 = 0,113 n = (1 b 2 i / 6h 0 b 0 ) = 1 (4 x 12, x 17,5 2 )/ (6 x 74 x 29) = 0,76 s = (1 - s / 2b 0 ) (1 - s / 2h 0 ) = (1 12,5 / (2 x 29)) x (1 12,5 / (2 x 74)) = 0,72 = 0,76 x 0,72 = 0,55 wd = 0,55 x 0,113 = 0,062 > 0,060

40 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Fundações sapatas ligadas por vigas de travamento

41 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Esforços de dimensionamento - Cálculo pela capacidade real - E Fd = E F,G + Rd E F,E E F,G são os esforços relativos às cargas quase permanentes (g+ 2 q) E F,E são os esforços relativos à acção sísmica (E X + 0,3 E Y ; 0,3 E X + E Y ) Rd = 1,2 (q > 3,0) Rd q Fundações de pilares de pórticos: = min {(M Rd /M Ed ) x ; (M Rd /M Ed ) y } M Rd /M Ed relação calculada na secção mais baixa na qual se pode formar uma rótula plástica no elemento vertical base do pilar

42 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Esforços obtidos na análise estrutural - M Ed Pilar Piso Secção g + 2 q + E X + 0,3 E Y g + 2 q + 0,3 E X + E Y N [kn] M x [knm] M y [knm] N [kn] M x [knm] M y [knm] P1A 0 base ,8 86, ,6 35,7 P2A 0 base ,2 124, ,7 47,4 Esforços resistentes máximos - M Rd P1A: M Rd,x = 278 knm; M Rd,y = 195 knm (N Ed = -659 kn) P2A: M Rd,x = 735 knm; M Rd,y = 308 knm (N Ed = kn) (Esforço axial máximo) Esforços obtidos na análise estrutural relativos à acção sísmica Pilar Piso Secção E X + 0,3 E Y 0,3 E X + E Y N [kn] M x [knm] M y [knm] N [kn] M x [knm] M y [knm] P1A 0 base 181,8 57,1 79,3 200,7 160,9 28,6 P2A 0 base 144,6 201,2 110,1 43,4 567,7 33,0

43 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Fundação do pilar P1A: E Fd = E F,G + Rd E F,E Direcção X = min {278 / 65,8 ; 195 / 86,4} = 2,26 Esforços transmitidos pelo pilar M Fd,y = 7,1 + 1,2 x 2,26 x 79,3 = 222,2 knm V Fd,x = 6,2 + 1,2 x 2,26 x 39,2 = 112,5 kn M Fd,x = 8,7 + 1,2 x 2,26 x 57,1 = 163,6 knm V Fd,y = 7,7 + 1,2 x 2,26 x 25,4 = 76,6 kn N Fd = -458,7-1,2 x 2,26 x 181,8 = -952 kn Direcção Y = min {278 / 169,6 ; 195 / 35,7} = 1,64 Esforços transmitidos pelo pilar M Fd,y = 7,1 + 1,2 x 1,64 x 28,6 = 63,4 knm V Fd,x = 6,2 + 1,2 x 1,64 x 14,1 = 33,9 kn M Fd,x = 8,7 + 1,2 x 1,64 x 160,9 = 325,4 knm V Fd,y = 7,7 + 1,2 x 1,64 x 71,7 = 148,8 kn N Fd = -458,7-1,2 x 1,64 x 200,7 = -854 kn

44 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Fundação do pilar P2A: E Fd = E F,G + Rd E F,E Direcção X = min {735 / 201,2 ; 308 / 124,4} = 2,48 Esforços transmitidos pelo pilar M Fd,y = 14,4 + 1,2 x 2,48 x 110,1 = 342,1 knm V Fd,x = 12,5 + 1,2 x 2,48 x 51,3 = 165,2 kn M Fd,x = 1,2 x 2,48 x 201,2 = 598,8 knm V Fd,y = 1,2 x 2,48 x 78,9 = 234,8 kn N Fd = -946,8-1,2 x 2,48 x 144,6 = kn Direcção Y = min {735 / 567,7 ; 308 / 33,0} = 1,29 Esforços transmitidos pelo pilar M Fd,y = 14,4 + 1,2 x 1,29 x 33,0 = 65,5 knm V Fd,x = 12,5 + 1,2 x 1,29 x 15,4 = 36,3 kn M Fd,x = 1,2 x 1,29 x 567,7 = 878,8 knm V Fd,y = 1,2 x 1,29 x 223,7 = 346,3 kn N Fd = -946,8-1,2 x 1,29 x 43,4 = kn

45 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Dimensionamento da viga de travamento - alinhamento A entre os pilares P1A e P2A - Esforços máximos: Junto ao pilar P1A: M - Ed = 325,4 knm ; M+ Ed = 308,0 knm Junto ao pilar P2A: M - Ed = M+ Ed = 878,8 / 2 = 439,4 knm (o momento na base do pilar distribui-se igualmente pelas duas vigas de travamento que ligam os pilares de canto ao pilar P2A dado apresentarem a mesma rigidez). V Ed = (325, ,4) / 6,0 = 127,5 kn

46 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO É necessário considerar a actuação de esforços axiais de tracção ou compressão, conforme mais desfavorável, determinados de acordo com o EC8-5 em simultâneo com os esforços acima calculados. Esses esforços são uma parcela do esforço axial médio de cálculo dos elementos verticais ligados à viga de fundação para a situação de projecto sísmica. Esta parcela para o caso do presente exemplo onde o solo é do tipo B é dada por: 0,3 (a g /g) S = 0,3 x (2,0/9,81) x 1,23 = 0,075 Obtendo-se o seguinte esforço axial na viga de travamento: N Ed = 0,075 x ( ) / 2 = 70 kn

47 DIMENSIONAMENTO DA FUNDAÇÃO Secção da viga de travamento: 0,35 m x 0,70 m. Armadura de flexão na face superior e na face inferior: Junto ao pilar P1A: A - s = A+ s = (M Ed /z + N Ed /2) f yd = (325,4 / 0, / 2) / 43,5 = 13,8 cm2 Junto ao pilar P2A: A - s = A+ s = (439,4 / 0, / 2) / 43,5 = 18,4 cm2 Armadura mínima superior e inferior: A s,min = 0,004 bd = 0,004 x 35 x 64 = 8,4 cm 2 Armadura transversal (adopta-se cotg = 2,0): A sw /s = 127,5 / (0,575 x 2 x 43,5) = 2,5 cm 2 /m Valor inferior à armadura transversal mínima (3,1 cm 2 /m) pelo que é necessário adoptar esta armadura.

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO

PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO João F. Almeida António Costa MEE, EDIFÍCIOS DE BETÃO, MARÇO 2012 Introdução ÍNDICE (1/2)

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES

COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS COM PAREDES RESISTENTES M.T. BRAZ CÉSAR Assistente Instituto Politécnico de Bragança Bragança DANIEL V.

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

DIMENSIONAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS HOSPITALARES SEGUNDO O EUROCÓDIGO 8

DIMENSIONAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS HOSPITALARES SEGUNDO O EUROCÓDIGO 8 DIMENSIONAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS HOSPITALARES SEGUNDO O EUROCÓDIGO 8 JOSÉ MÁRIO MOREIRA ANDRADE GOMES Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto EN1990 Período de vida útil das construções a considerar no projecto Categorias para o período de vida 1 Valores indicativos do período de vida (anos) 10 Exemplos Estruturas temporárias (1) 2 3 4 5 10

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

PROJECTO DE ESTRUTURAS DE UM EDIFÍCIO DIMENSIONADO DE ACORDO COM OS EUROCÓDIGOS EC1, EC2 E EC8

PROJECTO DE ESTRUTURAS DE UM EDIFÍCIO DIMENSIONADO DE ACORDO COM OS EUROCÓDIGOS EC1, EC2 E EC8 PROJECTO DE ESTRUTURAS DE UM EDIFÍCIO DIMENSIONADO DE ACORDO COM OS EUROCÓDIGOS EC1, EC2 E EC8 Pedro Miguel Sousa Santos Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri: Presidente:

Leia mais

DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DE DESCARGA E COMANDO

DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DE DESCARGA E COMANDO DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DE DESCARGA E COMANDO DA CENTRAL HIDROELÉCTRICA DE FOZ TUA NELSON MANUEL DE JESUS TEIXEIRA Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de

Leia mais

Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios. Concepção, análise estrutural e verificação de segurança

Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios. Concepção, análise estrutural e verificação de segurança Ordem dos Engenheiros Novembro de 2011 Aplicação do EUROCÓDIGO 8 à concepção e projecto de edifícios Concepção, análise estrutural e verificação de segurança E CANSADO CARVALHO, GAPRES SA Chairman do CEN/TC250/SC8

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO Prof. Eduardo Giugliani Colaboração Engº Fabrício Zuchetti ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO III FENG / PUCRS V.02 Panorama da Fissuração. Perspectiva e Corte 1 De acordo

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra António Costa 1 Nuno Travassos 2 Júlio Appleton 3

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS P. Marques Eng. Mecânico Univ. Aveiro Aveiro, Portugal F. Teixeira-Dias Prof. Auxiliar Univ. Aveiro Aveiro, Portugal H. Varum

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Dimensionamento Sísmico De Edifício

Dimensionamento Sísmico De Edifício José Maria Gonçalves Pereira Dimensionamento Sísmico De Edifício Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

MODELAÇÃO NÃO LINEAR DE EDIFÍCIOS

MODELAÇÃO NÃO LINEAR DE EDIFÍCIOS MODELAÇÃO NÃO LINEAR DE EDIFÍCIOS Exemplo de modelação e análise estática não linear de uma Parede de Alvenaria em SAP2000 Ana Simões, Rita Bento Modelação Não Linear de Edifícios Objectivos: 1. Modelação

Leia mais

Estruturas Planas. Prof. António Ressano Garcia Lamas

Estruturas Planas. Prof. António Ressano Garcia Lamas Estruturas Planas Prof. António Ressano Garcia Lamas Estruturas planas são estruturas formadas por barras de eixo plano ligadas entre si de modo a os eixos serem complanares (geometria plana) e actuadas

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ESTABILIDADE E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Requerente: Local da obra: 1 - MEMÓRIA DESCRITIVA Dadas as características desta obra, considerou-se o emprego do betão da classe

Leia mais

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado Escadas Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@gmail.com 1 Terminologia e dimensões

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

Exemplo de projeto estrutural

Exemplo de projeto estrutural Planta de formas do pavimento tipo Exemplo de projeto estrutural P1-30x30 P2-20x50 P3-30x30 V1 L1 L2 P4-20x50 P5-40x40 P-20x50 V2 Estruturas de Concreto Armado Prof. José Milton de Araújo L3 480 cm 480

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1

CAPÍTULO 3 PROBLEMA 3.1 PÍTULO 3 PROLM 3.1 onsidere a placa em forma de L, que faz parte da fundação em ensoleiramento geral de um edifício, e que está sujeita às cargas indicadas. etermine o módulo, a direcção, o sentido e o

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS Travamentos e Contraventamentos Estruturas de Coberturas Elementos Principais vencem o vão Elementos Secundários Exemplo: Planta geral da cobertura Planta da cobertura

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Mecânica dos Materiais. Flexão de Vigas. Tradução e adaptação: Victor Franco

Mecânica dos Materiais. Flexão de Vigas. Tradução e adaptação: Victor Franco Mecânica dos Materiais Flexão de Vigas 5 Tradução e adaptação: Victor Franco Ref.: Mechanics of Materials, Beer, Johnston & DeWolf McGraw-Hill. Mechanics of Materials, R. Hibbeler, Pearsons Education.

Leia mais

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos TIAGO ANTÓNIO CARNEIRO CABRAL DE OLIVEIRA Outubro de 2013 Resumo Este trabalho pretende ilustrar o dimensionamento dos vários elementos

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Software para Engenharia e Construção. Memória de Cálculo. Cypecad. Cypecad. Memória de Cálculo

Software para Engenharia e Construção. Memória de Cálculo. Cypecad. Cypecad. Memória de Cálculo Software para Engenharia e Construção Cypecad Cypecad CAD 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES

COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES COMPARAÇÃO ENTRE O MÉTODO APROXIMADO E O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA DE EDIFÍCIO VICTOR LOUZADA DE MORAES Projeto Final de Curso apresentado ao corpo docente do Departamento

Leia mais

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo Memória de cálculo Muros em consola de B.A. Muros em consola de B.A. Memória de cálculo Software para Engenharia e Construção 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ANÁISE DE ESTRUTURAS APONTAMENTOS DE INHAS DE INFUÊNCIA Eduardo Pereira 1994 NOTA INTRODUTÓRIA Pretende-se com estes apontamentos fornecer aos alunos da disciplina de Análise

Leia mais

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado BE28 Encontro Nacional de Betão Estrutural 28 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 28 Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado Paulo B. Lourenço 1 João Pereira 2 Joaquim

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Cálculo Automático de Estruturas. Análise Estrutural e Dimensionamento de um Edifício.

Cálculo Automático de Estruturas. Análise Estrutural e Dimensionamento de um Edifício. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Departamento de Engenharia Civil ISEL Cálculo Automático de Estruturas. Análise Estrutural e Dimensionamento de um Edifício. ANTÓNIO JOSÉ LOPES PIRRALHA (Licenciado

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

Pré-esforço em lajes de edifícios

Pré-esforço em lajes de edifícios Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Pré-esforço em lajes de edifícios Paulo Oliveira 1 João Vinagre 2 Bernardo Lôbo 3 RESUMO O principal objetivo do presente trabalho

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES (OUTRA APRESENTAÇÃO) Prof. Almir Schäffer PORTO ALEGRE

Leia mais

Software para Engenharia e Construção. Memória de Cálculo. Elementos estruturais. Memória de Cálculo

Software para Engenharia e Construção. Memória de Cálculo. Elementos estruturais. Memória de Cálculo Software para Engenharia e Construção Elementos estruturais Elementos estruturais IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros,

Leia mais

Dimensionamento sísmico de edifícios de betão segundo o EC8-1

Dimensionamento sísmico de edifícios de betão segundo o EC8-1 Dimensionamento sísmico de edifícios de betão segundo o EC8-1 Luciano Jacinto Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia Civil Junho 2014 Índice 1 Introdução... 3 1.1 A

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural Estruturas de Betão Arado II 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural A. P. Raos Out. 006 1 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural Breve Introdução Histórica pbl 1907 Turner & Eddy M (???) 50 1914 Nichols

Leia mais

NOVOS Webinários Arktec

NOVOS Webinários Arktec NOVOS Webinários Arktec Webinários Arktec Sugestões para os seus projetos Information Technology Solutions NOVOS Webinários U M Ú N I C O P R O G R A M A Arktec Tricalc é um único programa que calcula

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO AMÉRICO CAMPOS FILHO 04 SUMÁRIO Introdução... Escadas com vãos paralelos...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes 1 INTRODUÇÃO Método de análise de zonas de descontinuidade, baseado no Teorema Estático da Teoria da Plasticidade. Este método permite obter

Leia mais

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4

Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Análise de estruturas 3D com o programa SAP2000 V11.0.4 Hugo Rodrigues 2008 1. Introdução Este documento tem por finalidade auxiliar a modelação tridimensional de estruturas de betão armado utilizando

Leia mais

Alvenaria Estrutural. Distribuição de Cargas Verticais

Alvenaria Estrutural. Distribuição de Cargas Verticais Alvenaria Estrutural Distribuição de Cargas Verticais Interação entre Paredes NBR 10837 : espalhamento de cargas à 45 Forças de interação Em cantos Em aberturas Importância da Uniformização O Problema

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL

PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PONTE INFANTE D. HENRIQUE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL ANTÓNIO ADÃO DA FONSECA Professor Catedrático FEUP PEDRO FRADIQUE MORUJÃO AFA Consultores de Engenharia, SA - PORTO RENATO OLIVEIRA BASTOS FRANCISCO

Leia mais