CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65"

Transcrição

1 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

2

3 ÍNDICE Introdução Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas Condições de apoio Armaduras Indicações complementares Perfil Alaço AL Lajes mistas com chapa perfilada de espessura e = 0.75 mm Lajes mistas com chapa perfilada de espessura e = 1.00 mm Lajes mistas com chapa perfilada de espessura e = 1.20 mm Selecção das armaduras Escoramento das chapas perfiladas Fixações das chapas perfiladas aos apoios

4 2 INTRODUÇÃO Os sistemas mistos aço betão têm sido largamente utilizados na construção civil e vêm motivando o desenvolvimento de sistemas de lajes denominadas mistas, que são o resultado da associação de uma chapa de aço, a uma camada de betão que lhe é sobreposta. Do estudo levado a cabo pela ALAÇO resultou o perfil colaborante AL65 galvanizado, que, de acordo com o Eurocódigo 4, foi posteriormente ensaiado pelo LABEST Laboratório do Betão Estrutural da FEUP (Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Porto) acontecendo daí toda a informação necessária ao projecto de lajes mistas com a utilização deste perfil. Campo de aplicação As lajes mistas aço-betão com chapa perfilada AL65 apresentam diversas vantagens relativamente a soluções tradicionais, tais como : Mais leves do que as cofragens tradicionais; Manuseamentos em obra mais fáceis e mais rápidos; Sem descofragem; Redução ou mesmo anulação de escoramentos; Redução do volume de betão; Rapidez na montagem; Poder-se utilizar como acabamento final; Menor custo. Dimensionamento Para um correcto dimensionamento de lajes mistas, utilizando o perfil AL65, far-se-á uso das respectivas tabelas de dimensionamento, entrando directamente com a sobrecarga admissível, pois elas contemplam tanto o peso próprio, coeficientes de segurança, como os estados limites de deformação. Aconselha-se especial atenção ao cálculo quando as solicitações são altamente dinâmicas.

5 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS DOS DIFERENTES MATERIAIS DAS LAJES MISTAS Chapa galvanizada A chapa de aço/carbono de qualidade estrutural é revestida por um banho quente contínuo de zinco Norma de fabrico: EN Classe de resistência mínima: S320GD+Z Valor característico mínimo da tensão de cedência do aço da chapa: f yb = f yp = 320 MPa Valor característico mínimo da tensão de rotura do aço da chapa: f u = 390 MPa Módulo de elasticidade do aço da chapa: E a = 210 GPa Massa do revestimento de zinco: g/m 2 Espessura do revestimento de zinco: µm/face Coeficiente parcial de segurança para estados limites últimos: g a = g m0 = g m1 = 1.00 Betão Classe de resistência mínima C20/25 Valor característico mínimo da tensão de rotura do betão à compressão em cilindros aos 28 dias de idade f CK = 20 MPa Peso volúmico do betão armado kn/m 3 Peso volúmico do betão armado fresco kn/m 3 Coeficiente parcial de segurança para estados limites últimos: g C = 1.50 Aço em varão ou rede electrossoldada para armaduras Classe de resistência mínima A500 (B500B, segundo a norma EN ) Valor característico mínimo da tensão de cedência à tracção do aço das armaduras: f yk = 500 MPa Coeficiente parcial de segurança para estados limites últimos g S = 1.15

6 4 CONDIÇÕES DE APOIO Ao nível das condições de apoio da chapa perfilada são definidas as seguintes distâncias mínimas: Apoios em estrutura metálica a) Apoio extremo b) Apoio intermédio largo c) Apoio intermédio estreito Apoios em estrutura de betão a) Apoio extremo b) Apoio intermédio largo c) Apoio intermédio estreito Outro tipo de apoio a) Apoio extremo b) Apoio intermédio largo c) Apoio intermédio estreito

7 5 ARMADURAS No reforço do betão são necessárias armaduras com diversas finalidades: Armadura de distribuição É requerida uma armadura para atender à retracção do betão e à distribuição de cargas pontuais que deve ser colocada a 25 mm da superfície superior de betão [ver Fig.1]. 25 Fig. 1 Armadura de distribuição. Armadura de continuidade Podem existir ainda armaduras para garantir a continuidade e limitar a fendilhação sobre os apoios intermédios (momentos flectores negativos). Para vãos consecutivos não muito distintos a armadura de continuidade deve ser prolongada para além do eixo do apoio de cerca de 30% do vão, e colocada a uma profundidade de 25 mm, como especificado na Fig.2 0.3x(L 1 +L 2 ) 25 L 1 L 2 Fig. 2 Prolongamento da armadura de continuidade sobre os apoios intermédios para vãos aproximadamente iguais. Armadura adicional no vão A meio vão para um aumento de resistência aos momentos flectores positivos. Neste caso as armaduras podem ainda ser necessárias para satisfazer o estado limite relativo à resistência ao fogo. Caso existam, devem ser colocadas centradas nas respectivas nervuras e elvadas 30mm em relação à chapa perfilada [ver Fig. 3], podendo ser interrompidas na zona dos apoios. Fig. 3 Disposição da armadura adicional para momentos positivos. 30

8 6 INDICAÇÕES COMPLEMENTARES Aumento da resistência ao corte longitudinal Em lajes mistas com mais de 2m de vão a carga que pode ser aplicada à laje é frequentemente limitada pela resistência ao esforço de corte longitudinal mobilizável na interface chapa-betão. Esta limitação pode, no entanto, ser ultrapassada mediante a colocação de conectores tipo perno com cabeça nas extremidades do vão, soldados através da chapa às vigas metálicas de apoio [ver Fig. 4]. Soluções recorrendo a outro tipo de conectores são também viáveis. V Sd L S F Sd d p Fig. 4 Conector tipo perno na extremidade. No Subcapítulo do EC4 Parte 1.1 é exposto que os referidos conectores devem ser dimensionados para uma força de corte igual à força instalada na chapa perfilada em estado limite último. A resistência ao corte de um conector tipo perno é determinada a partir do valor mínimo estabelecido pelas seguintes três expressões: P pb,rd = k j d do t f yp,d (Expressão 9.10 do EC4 Parte 1.1); 0.8 f P Rd = u p d 2 k t (Expressão 6.18 do EC4 Parte 1.1); 4 g V 0.29 a d P Rd = 2 Vf ck E cm k t (Expressão 6.19 do EC4 Parte 1.1); g V sendo: a k j = (Expressão 9.11 do EC4 Parte 1.1); d do a h h 0.2 sc k h + 1, se 3 < sc 4 d j d m d a = b d h c1, se sc > 4 d (Expressões 6.20 e 6.21 do EC4 Parte 1.1); 0.7 b k t = o h h sc k j - 1 m (Expressão 6.23 do EC4 Parte 1.1). Vn r h p h p Os parâmetros presentes nas expressões anteriores são os habituais no cálculo de ligações metálicas, sendo definidos no EC4 Parte 1.1.

9 7 Conectores de fixação mecânica Sendo uma alternativa aos conectores termo-soldados, fixam-se ao perfil estrutural através de pregagem por disparo. Devem seguir-se as seguintes especificações para o posicionamento destes conectores. hc Wb 40 mm 4 hc ou 600 mm ou 100 mm hc 50mm 4 hc ou 600 mm ou 100 mm Conectores termo-soldados Depois de garantidas as uniões dos conectores com os elementos estruturais, estes devem estar de acordo com min. 2 d1 d2 p o Eurocódigo 4 ( Parte 1.1 ). d1 Para este tipo de conectores podem ser hc seguidas as especificações ao lado h definidas. h 3 d 1 d 2 1,5 d 1 p 0,4 d 1

10 8 PERFIL ALAÇO AL65 A geometria da chapa perfilada AL65 está ilustrada na Fig. 5. A chapa apresenta 4.55 nervuras/m (9.1 almas/m). Na Tabela 1 especificam-se as espessuras para cálculo e os pesos próprios desta chapa por unidade de área. Fig. 5 Geometria [mm] de uma unidade de chapa perfilada ALAÇO65. PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS DA SECÇÃO TRANSVERSAL DA CHAPA VERIFICAÇÕES Espessura do perfil (mm) y G [cm] I P [cm 4 /m] W P [cm 3 /m] A P (ou A SI ) [cm 2 /m] b w [cm/m] Verificar a resistência do perfil aos momentos flectores positivos de cálculo em fase de cofragem e determinação da flecha em fase definitiva. 0,75 2,60 37,8 10 1,00 2,81 55,3 15 1,20 2,98 70,6 20 Verificar a resistência do perfil a momentos flectores negativos de cálculos em fase de cofragem. 0,75 4,34 44,9 10 1,00 4,17 66,7 16 1,20 4,07 85,1 21 Verificar a resistência do perfil ao esforço transverso de cálculo na fase de cofragem, os momentos flectores positivos de cálculo em fase mista e a flecha de serviço na fase mista. Verificar a resistência ao esforço transverso de cálculo em fase mista. Verificar a resistência ao esforço de corte longitudinal de cálculo em fase mista. 0,75 3,84 57,4 6,60 1,00 3,85 77,5 8,89 1,20 3,87 93,2 10,73 0,75 1,59 3,42 36,8 1,00 1,58 4,59 1,20 1,60 5,53 0,75 3,63 9,67 1,00 3,65 13,04 1,20 3,66 15,74 Legenda: y G Posição do eixo neutro da secção transversal do perfil I P Momento de inércia da secção transversal do perfil por metro de largura W P Módulo de flexão da secção transversal do perfil por metro de largura A P Área da secção transversal do perfil por metro de largura b W Somatório das larguras das nervuras ao nível do centro da gravidade por metro de largura Peso do próprio perfil Espessura comercial Espessura para cálculo [mm] Peso próprio [kn/m 2 ] e = 0,75 mm e = 1,00 mm e = 1,20 mm Legenda: e espessura comercial do perfil

11 9 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 0.75 mm Lajes simplesmente apoiadas com chapa de espessura e = 0,75 mm e betão C20/25 C20/25 L [m] H [cm] ,4 20,9 20,9 20,9 20,9 20,9 20,9 20,9 1,6 18,1 19,1 20,1 21,1 22,0 23,8 25,5 1,8 14,7 16,4 17,6 18,5 19,3 20,8 22,3 2,0 11,8 13,2 14,6 16,0 17,1 18,4 19,7 2,2 9,6 10,8 11,9 13,1 14,2 16,4 17,6 2,4 7,9 8,9 9,9 10,8 11,8 13,7 15,6 2,6 6,6 7,4 8,2 9,0 9,8 11,4 13,0 2,8 5,6 6,3 6,9 7,6 8,3 9,6 11,0 3,0 4,7 5,3 5,9 6,5 7,0 8,2 9,3 3,2 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 7,0 7,9 3,4 3,4 3,9 4,3 4,7 5,1 6,0 6,8 3,6 2,5 3,3 3,7 4,0 4,4 5,1 5,8 3,8 2,5 3,1 3,4 3,8 4,4 5,0 4,0 2,4 2,9 3,2 3,7 4,3 4,2 2,3 2,7 3,2 3,6 4,4 2,2 2,7 3,1 4,6 2,3 2,6 4,8 2,2 5,0 L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

12 10 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 0.75 mm Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 0,75 mm e betão C20/25 Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 0,75 mm e betão C30/37 C20/25 C30/37 L [m] H [cm] L [m] H [cm] ,4 14,5 15,9 17,2 18,6 19,9 22,6 25,3 1,6 12,2 13,4 14,5 15,6 16,8 19,1 21,3 1,8 10,5 11,5 12,4 13,4 14,4 16,3 18,3 2,0 9,9 10,0 10,8 11,6 12,5 14,1 15,8 2,2 9,4 9,5 9,5 10,2 10,9 12,4 13,8 2,4 9,0 9,0 9,0 9,1 9,6 10,9 12,2 2,6 8,4 8,6 8,6 8,7 8,7 9,7 10,8 2,8 7,2 8,0 8,3 8,3 8,3 8,7 9,7 3,0 6,1 6,9 7,6 8,0 7,9 7,9 8,7 3,2 5,3 5,9 6,6 7,2 7,6 7,6 7,8 3,4 4,6 5,2 5,7 6,3 6,8 7,3 7,3 3,6 4,0 4,5 5,0 5,5 5,9 6,9 7,0 3,8 3,5 3,9 4,3 4,8 5,2 6,0 6,7 4,0 3,0 3,4 3,8 4,2 4,5 5,3 6,0 4,2 2,5 3,0 3,3 3,7 4,0 4,6 5,3 4,4 2,1 2,6 2,9 3,2 3,5 4,1 4,6 4,6 2,3 2,5 2,8 3,0 3,6 4,1 4,8 2,2 2,4 2,7 3,1 3,5 5,0 2,1 2,3 2,7 3,1 1,4 18,2 19,9 21,6 23,3 25,0 28,4 31,9 1,6 15,4 16,9 18,3 19,8 21,2 24,1 27,0 1,8 13,3 14,5 15,8 17,0 18,2 20,7 23,2 2,0 12,4 12,7 13,8 14,8 15,9 18,1 20,2 2,2 11,7 11,9 12,1 13,1 14,0 15,9 17,8 2,4 10,0 11,2 11,4 11,6 12,4 14,1 15,8 2,6 8,4 9,4 10,5 11,0 11,1 12,6 14,1 2,8 7,2 8,0 8,9 9,8 10,6 11,4 12,7 3,0 6,1 6,9 7,6 8,4 9,1 10,3 11,5 3,2 5,3 5,9 6,6 7,2 7,9 9,1 10,4 3,4 4,6 5,2 5,7 6,3 6,8 7,9 9,0 3,6 4,0 4,5 5,0 5,5 5,9 6,9 7,9 3,8 3,5 3,9 4,3 4,8 5,2 6,0 6,9 4,0 3,1 3,4 3,8 4,2 4,5 5,3 6,0 4,2 2,7 3,0 3,3 3,7 4,0 4,6 5,3 4,4 2,2 2,6 2,9 3,2 3,5 4,1 4,6 4,6 2,3 2,5 2,8 3,0 3,6 4,1 4,8 2,2 2,4 2,7 3,1 3,5 5,0 2,1 2,3 2,7 3,1 L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

13 11 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 1.00 mm Lajes simplesmente apoiadas com chapa de espessura e = 1.00 mm e betão C20/25 C20/25 L [m] H [cm] ,4 23,3 24,7 26,0 27,3 28,5 30,9 33,2 1,6 20,1 21,3 22,4 23,5 24,6 26,6 28,6 1,8 17,7 18,7 19,7 20,6 21,5 23,3 25,0 2,0 15,5 16,6 17,5 18,3 19,1 20,6 22,1 2,2 12,6 14,2 15,7 16,4 17,1 18,5 19,7 2,4 10,5 11,7 13,0 14,3 15,4 16,6 17,8 2,6 8,8 9,8 10,9 11,9 13,0 15,1 16,1 2,8 7,4 8,3 9,2 10,1 11,0 12,8 14,5 3,0 6,3 7,0 7,8 8,6 9,3 10,8 12,4 3,2 5,4 6,0 6,7 7,3 8,0 9,3 10,6 3,4 4,6 5,2 5,7 6,3 6,8 8,0 9,1 3,6 4,0 4,4 4,9 5,4 5,9 6,9 7,8 3,8 3,2 3,8 4,3 4,7 5,1 5,9 6,8 4,0 2,4 3,2 3,7 4,0 4,4 5,1 5,8 4,2 2,4 3,2 3,5 3,8 4,4 5,0 4,4 2,4 3,0 3,3 3,8 4,3 4,6 2,4 2,8 3,3 3,7 4,8 2,3 2,8 3,2 5,0 2,4 2,7 L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

14 12 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 1.00 mm Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 1,00 mm e betão C20/25 Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 1,00 mm e betão C30/37 C20/25 C30/37 L [m] H [cm] L [m] H [cm] ,4 14,5 15,8 17,2 18,6 19,9 22,6 25,3 1,6 12,2 13,4 14,5 15,6 16,8 19,1 21,3 1,8 10,5 11,5 12,4 13,4 14,4 16,3 18,2 2,0 9,9 10,0 10,8 11,6 12,5 14,1 15,8 2,2 9,4 9,5 9,5 10,2 10,9 12,4 13,8 2,4 9,0 9,0 9,0 9,1 9,6 10,9 12,2 2,6 8,7 8,6 8,6 8,6 8,7 9,7 10,8 2,8 8,6 8,4 8,3 8,3 8,3 8,7 9,7 3,0 7,1 8,2 8,0 7,9 7,9 7,9 8,7 3,2 6,0 7,6 7,8 7,7 7,6 7,6 7,8 3,4 5,0 6,4 7,5 7,5 7,4 7,3 7,2 3,6 4,0 4,5 6,6 7,2 7,2 7,0 7,0 3,8 3,5 4,6 5,7 6,3 6,9 6,8 6,7 4,0 3,0 3,9 4,9 5,5 6,0 6,6 6,5 4,2 2,5 3,3 4,2 4,9 5,3 6,2 6,3 4,4 2,1 2,8 3,6 4,3 4,7 5,5 6,1 4,6 2,3 3,1 3,8 4,1 4,8 5,5 4,8 2,6 3,3 3,6 4,2 4,8 5,0 2,2 2,9 3,2 3,7 4,3 1,4 18,2 19,9 21,6 23,3 25,0 28,4 31,9 1,6 15,4 16,9 18,3 19,8 21,2 24,1 27,0 1,8 13,3 14,5 15,8 17,0 18,2 20,7 23,2 2,0 12,4 12,7 13,7 14,8 15,9 18,0 20,2 2,2 11,7 11,9 12,1 13,1 14,0 15,9 17,8 2,4 11,2 11,3 11,4 11,6 12,4 14,1 15,8 2,6 10,7 10,8 10,9 11,0 11,1 12,6 14,1 2,8 9,4 10,4 10,4 10,5 10,6 11,3 12,7 3,0 8,1 9,0 10,0 10,1 10,1 10,3 11,5 3,2 7,0 7,8 8,7 9,5 9,8 9,9 10,4 3,4 6,0 6,8 7,5 8,3 9,0 9,5, 9,6 3,6 5,3 5,9 6,6 7,2 7,8 9,1 9,2 3,8 4,6 5,2 5,7 6,3 6,9 8,0 8,9 4,0 4,1 4,5 5,0 5,5 6,0 7,0 8,0 4,2 3,6 4,0 4,4 4,9 5,3 6,2 7,1 4,4 3,1 3,5 3,9 4,3 4,7 5,5 6,2 4,6 2,8 3,1 3,4 3,8 4,1 4,8 5,5 4,8 2,3 2,7 3,0 3,3 3,6 4,2 4,8 5,0 2,4 2,7 2,9 3,2 3,7 4,3 L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

15 13 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 1.20 mm Lajes simplesmente apoiadas com chapa de espessura e = 1,20 mm e betão C20/25 C20/25 L [m] H [cm] ,4 24,9 26,3 27,8 29,1 30,5 33,0 35,5 1,6 21,5 22,8 24,0 25,2 26,3 28,5 30,6 1,8 18,9 20,0 21,1 22,1 23,1 25,0 26,8 2,0 16,8 17,8 18,7 19,6 20,5 22,1 23,7 2,2 15,1 16,0 16,8 17,6 18,3 19,8 21,2 2,4 12,8 14,4 15,2 15,9 16,6 17,9 19,1 2,6 10,8 12,1 13,4 14,5 15,1 16,3 17,4 2,8 9,2 10,3 11,4 12,5 13,6 14,9 15,9 3,0 7,9 8,8 9,8 10,7 11,7 13,6 14,5 3,2 6,8 7,6 8,4 9,3 10,1 11,7 13,4 3,4 5,9 6,6 7,3 8,0 8,7 10,2 11,6 3,6 5,1 5,7 6,4 7,0 7,6 8,9 10,1 3,8 3,9 5,0 5,6 6,1 6,6 7,7 8,8 4,0 3,0 4,1 4,9 5,3 5,8 6,8 7,7 4,2 2,2 3,2 4,3 4,7 5,1 5,9 6,8 4,4 2,4 3,3 4,1 4,5 5,2 6,0 4,6 2,5 3,4 3,9 4,6 5,2 4,8 2,6 3,4 4,0 4,6 5,0 2,6 3,5 4,0 L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

16 14 LAJES MISTAS COM CHAPA PERFILADA DE ESPESSURA e = 1,20 mm Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 1.20 mm e betão C20/25 Lajes de vários tramos com chapa de espessura e = 1.20 mm e betão C30/37 C20/25 C30/37 L [m] H [cm] L [m] H [cm] ,4 14,4 15,8 17,2 18,5 19,9 22,6 25,3 1,6 12,2 13,3 14,5 15,6 16,7 19,0 21,3 1,8 10,5 11,4 12,4 13,4 14,3 16,3 18,2 2,0 9,9 10,0 10,7 11,6 12,4 14,1 15,8 2,2 9,4 9,4 9,5 10,1 10,9 12,3 13,8 2,4 9,0 9,0 9,0 9,1 9,6 10,9 12,2 2,6 8,7 8,6 8,6 8,6 8,7 9,7 10,8 2,8 8,6 8,3 8,2 8,2 8,2 8,6 9,6 3,0 7,1 8,1 8,0 7,9 7,9 7,9 8,6 3,2 5,9 7,6 7,8 7,6 7,6 7,6 7,8 3,4 5,0 6,4 7,6 7,4 7,3 7,3 7,2 3,6 4,2 5,4 6,8 7,3 7,1 7,0 6,9 3,8 3,5 4,6 5,8 7,1 7,0 6,8 6,7 4,0 2,9 3,9 4,9 6,1 6,9 6,6 6,4 4,2 2,5 3,3 4,2 5,2 6,4 6,4 6,2 4,4 2,8 3,6 4,5 5,5 6,3 6,1 4,6 2,3 3,1 3,9 4,8 6,2 5,9 4,8 2,6 3,3 4,1 5,7 5,8 5,0 2,2 2,9 3,6 5,1 5,7 1,4 18,1 19,8 21,6 23,3 25,0 28,4 31,8 1,6 15,4 16,8 18,3 19,7 21,1 24,0 26,9 1, , , , , , , , , , , , , , , , , L Distância entre apoios [m] H Espessura total da laje [cm] Os valores presentes na tabela (em kn/m 2 ) representam o valor característico da totalidade das acções adicionais (G rev + Q k ) a aplicar na laje mista para além do seu peso próprio (G k ), ou seja, revestimentos, paredes divisórias, sobrecargas e outras acções variáveis. Factores que condicionam o dimensionamento: Necessidade de escoramento: (de acordo com a cor do valor da carga na tabela) Esforço transverso vertical (V Rdc ) Esforço de corte longitudinal (V L,Rd ) Flecha em serviço (l/d) Momento negativo de continuidade (M Rd ) Necessidade de escoramento: Não necessita de escoramento Necessidade de uma linha de escoramento Necessidade de duas linhas de escoramento Necessidade de três linhas de escoramento

17 15 SELECÇÃO DAS ARMADURAS Peso próprio das lajes mistas e área das lajetas H [cm] G [kn/m 2 ] A ct [cm 2 ] Legenda: H Altura total da laje. G Peso próprio da laje mista. A ct Área da lajeta de betão acima das nervuras. Armadura de distribuição a dispor em cada direcção (A500) H [cm] A S dist [cm 2 /m] Armadura de fendilhação a dispor para absorver os momentos flectores negativos nos apoios de continuidade (Ø10, A500) H [cm] e = 0.75 mm A S fend [cm 2 /m] e = 1.00 mm e = 1.20 mm Inércia das lajes mistas considerando para o betão uma secção não fissurada e outra fissurada (homogeneização em aço) e [mm] H [cm] X u [cm] 5,02 5,47 5,93 6,40 6,88 7,84 8,81 0,75 I cu [cm 4 /m] Inércia não fissurada X u [cm] 5,12 5,58 6,05 6,52 7,00 7,97 8,94 1,00 I cu [cm 4 /m] X u [cm] 5,20 5,66 6,14 6,61 7,10 8,07 9,05 1,20 I cu [cm 4 /m] X c [cm] 3,02 3,25 3,47 3,68 3,89 4,27 4,64 0,75 I cc [cm 4 /m] Inércia fissurada X c [cm] 3,38 3,64 3,89 4,14 4,37 4,82 5,24 1,00 I cc [cm 4 /m] X c [cm] 3,61 3,90 4,18 4,44 4,70 5,19 5,65 1,20 I cc [cm 4 /m] Legenda: X u, X c Profundidade do eixo neutro I cu Inércia das lajes mistas considerando para o betão uma secção não fissurada I cc Inércia das lajes mistas considerando para o betão uma secção fissurada Valores obtidos com n = Ea / Ec = 14, sendo Ea o módulo de elasticidade do aço da chapa e Ec o módulo de elasticidade do betão

18 16 ESCORAMENTO DAS CHAPAS PERFILADAS A Fig. 6 ilustra a largura mínima de apoio das chapas perfiladas em escoramentos provisórios (80 mm). 80 L/2 L/2 Fig. 6 Apoio das chapas perfiladas em escoramentos provisórios (uma linha de escoramento representada). Na fase de betonagem é necessário garantir que as extremidades da laje sejam preparadas, para evitar a fuga do betão durante as operações de betonagem e garantir uma correcta vibração deste. É corrente o uso de remates de chapa metálica adequados à geometria específica das chapas perfiladas. Na Fig. 7 representam-se esquematicamente as três armaduras mencionadas. Fig. 7 Disposição esquemática das armaduras a dispor em lajes mistas.

19 17 FIXAÇÕES DAS CHAPAS PERFILADAS AOS APOIOS As chapas perfiladas devem ser fixadas em todos os apoios definitivos. No mínimo, deve existir uma fixação por cada duas nervuras de chapa perfilada (ver Fig. 8). Contudo, fica ao critério do projectista a definição destas fixações, tendo em conta as cargas de construção previstas, e essencialmente a acção do vento. No caso de apoio em vigas metálicas é corrente o uso de conectores e de parafusos auto-roscantes para a execução destas fixações. Para apoio em vigas de betão executadas em fase prévia, também é corrente o uso de parafusos auto-roscantes; caso a betonagem das vigas e das lajes mistas seja conjunta a chapa perfilada terá de ser fixada à cofragem das vigas através de elementos removíveis após a betonagem, que não deverão danificar a laje mista. Fig. 8 Fixação das chapas perfiladas aos apoios (usando conectores soldados).

20 Alaço Revestimentos Metálicos, S.A. Casal dos Crespos Apartado Ourém Portugal Telefs: Fax Telefs: Fax

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40 Ficha Técnica Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65 Perfil Colaborante PC65 : Espessura [mm] Massa [kg/m2] 0,75* 8,40 *Material standard, disponível em galvanizado. Outros materiais sob consulta. Dimensões:

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65 ESPESSURAS: 0,75 1,00 1,20 comercial para cálculo Peso próprio (kn/m 2 ) e=0,75 mm 0,71 0,08 e= 1,00 mm 0,96 0,1 e= 1,20 mm 1,16 0,12 Peso Comercial Massa (Kg/m 2 ) 0,75 8,52 1 11,36 1,2 13,64 total Volume

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Outras Soluções Fichas de Aplicação

Outras Soluções Fichas de Aplicação Outras Soluções Fichas de Aplicação Cofragem Perdida Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções

Leia mais

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado HUS-H Fixação por Versão da ancoragem HUS-H Parafuso para betão em aço carbono Vantagens - Instalação rápida e fácil - Baixas forças de expansão no material base - Instalação através do material a fixar

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO

CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO CHAPA PERFILADA ENFORMADOS A FRIO MAIO2014 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 CHAPA PERFILADA 10 TABELAS DE CÁLCULO 11 12 14 16 18 20 22 24 26 27 EXEMPLO P1-272-30 P3-205-60 P4-76-20

Leia mais

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos

Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos Projecto de estruturas metalicas e mistas de acordo com os Eurocodigos TIAGO ANTÓNIO CARNEIRO CABRAL DE OLIVEIRA Outubro de 2013 Resumo Este trabalho pretende ilustrar o dimensionamento dos vários elementos

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites

Estruturas de Betão Armado II 5 Lajes Vigadas Estados Limites Estruturas de Betão Armado II 1 ESTADO LIMITE ÚLTIMO DE RESISTÊNCIA À FLEXÃO Nas lajes vigadas, em geral, os momentos são baixos, pelo que se pode utilizar expressões aproximadas para o dimensionamento

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO 2

ESTRUTURAS DE BETÃO 2 LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE BETÃO 2 Ano Lectivo 2002/03 VERIFICAÇÃO AOS ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Joaquim A. Figueiras Faculdade de Engenharia da U.P. DECivil Junho 1997 Verificação

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Pavimento Fichas de Aplicação

Pavimento Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Virocfloor Virodal Viroc Bruto Revestimento de Técnico Sons de Percussão Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias

Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Home Comprovação ao Fogo Tricalc 7.2 realiza a comprovação completa ao fogo das estruturas de betão, aço, madeira e alvenarias Introdução A versão Tricalc 7.2 oferece, entre outras novidades, uma apresentação

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por para aplicação pré-esforçadas pré-fabricadas Versão da ancoragem HUS-P 6 Parafuso para betão em aço carbono HUS-I 6 Parafuso para betão em aço carbono com rosca interna M8

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE Isabel Valente 1 *, Paulo J. S. Cruz 2 1,2: Departamento de Engenharia

Leia mais

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto

EN1990. Período de vida útil das construções a considerar no projecto EN1990 Período de vida útil das construções a considerar no projecto Categorias para o período de vida 1 Valores indicativos do período de vida (anos) 10 Exemplos Estruturas temporárias (1) 2 3 4 5 10

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 3 MATERIAIS Válter Lúcio Mar.2006 1 PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais 1. Betão 2. Aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

SISTEMA MONOLITE. O sistema Monolite tem homologação italiana (Certificato d`idoneita Técnica) emitida em 1985 pelo Instituto Giordianos.

SISTEMA MONOLITE. O sistema Monolite tem homologação italiana (Certificato d`idoneita Técnica) emitida em 1985 pelo Instituto Giordianos. SISTEMA MONOLITE 1. INTRODUÇÃO O sistema Monolite é um sistema de construção com elevado grau de pré-fabricação baseado na utilização de painéis de laje, parede e escada que incluem uma alma de poliestireno

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras aplicações.

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

built build to LAJES LITEFORM

built build to LAJES LITEFORM uilt build to LAJES LAJES LITEFORM Lajes_LITEFORM 338 LITEFORM é o novo sistema de escoramento para lajes tradicionais de concreto moldado in loco. Apresenta as vantagens de incrementar a produtividade,

Leia mais

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo

MUROS EM CONSOLA DE B.A. Memória de Cálculo Memória de cálculo Muros em consola de B.A. Muros em consola de B.A. Memória de cálculo Software para Engenharia e Construção 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação

Leia mais

Ganzglasgeländer. Guardas em vidro sem prumos. Sistema de perfis para montagem frontal e superior

Ganzglasgeländer. Guardas em vidro sem prumos. Sistema de perfis para montagem frontal e superior Ganzglasgeländer Guardas em vidro sem prumos Sistema de perfis para montagem frontal e superior Índice Conjuntos, aplicações, ajudas de montagem 1402... 08 1400... 12 1404... 16 Componentes Perfis... 21

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

DE TRABALHO E SEGURANÇA

DE TRABALHO E SEGURANÇA PT ÍNDICE PG PG 02 TORRES DE ESCORAMENTO 12 ANDAIMES MULTIDIRECIONAL 04 ESTRUTURAS ESPECIAIS DE ENGENHARIA CONTRAFORTES DE COFRAGEM 13 EUROPEU DE FACHADA 05 COFRAGEM TREPANTE 14 SISTEMAS DE COFRAGEM VERTICAL

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES

CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES CÁLCULO DE LAJES - RESTRIÇÕES ÀS FLECHAS DAS LAJES No item 4.2.3. 1.C da NB-1 alerta-se que nas lajes (e vigas) deve-se limitar as flechas das estruturas. No caso das lajes maciças, (nosso caso), será

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Hugo Daniel Pereira Fernandes Relatório n.º 5 FLAT Comportamento de Lajes Fungiformes

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

- LAJES PRÉ-FABRICADAS

- LAJES PRÉ-FABRICADAS - LAJES PRÉ-FABRICADAS Originam-se das lajes nervuradas e das lajes nervuradas mistas, onde, em geral, as peças pré-fabricadas são empregadas para a formação das nervuras. Entre elas, colocam-se elementos

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma 685. 68 João Eduardo Di Pietro é engenheiro civil (1980), mestre (1993) e doutor (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais