Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do desempenho estrutural de pontes"

Transcrição

1 Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

2 Avaliação do desempenho estrutural de pontes Vida de uma obra Desempenho Projecto Regulamentação Construção Serviço Reparação/Reforço Observação na construção Inspecções Ensaios de carga Observação em serviço

3 Tópicos Regulamentação Observação do comportamento estrutural Ensaios de carga Inspecção de obras de arte Considerações finais

4 Regulamentação Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

5 Eurocódigos Estruturais Norma Europeia EN 1990 EN 1991 EN 1992 EN 1993 EN 1994 EN 1995 EN 1996 EN 1997 EN 1998 EN 1999 Designação EUROCÓDIGO relativo às bases para o projecto de Estruturas EUROCÓDIGO 1 relativo às acções em estruturas EUROCÓDIGO 2 relativo ao projecto de estruturas de betão EUROCÓDIGO 3 relativo ao projecto de estruturas de aço EUROCÓDIGO 4 relativo ao projecto de estruturas mistas aço-betão EUROCÓDIGO 5 relativo ao projecto de estruturas de madeira EUROCÓDIGO 6 relativo ao projecto de estruturas de alvenaria EUROCÓDIGO 7 relativo ao projecto geotécnico EUROCÓDIGO 8 relativo ao projecto de estruturas para resistência aos sismos EUROCÓDIGO 9 relativo ao projecto de estruturas de alumínio Partes

6 Eurocódigos Estruturais. Publicação como NP das partes específicas de Pontes Norma Portuguesa NP EN 1990/A1 NP EN NP EN NP EN NP EN NP EN NP EN Designação Eurocódigo: Bases para o projecto de estruturas. Anexo A2: Pontes Eurocódigo 1: Acções em estruturas. Parte 2: Acções de tráfego em pontes Eurocódigo 2: Projecto de estruturas de betão. Parte 2: Pontes de betão Projecto e disposições construtivas Eurocódigo 3: Projecto de estruturas de aço.parte 2: Pontes metálicas Eurocódigo 4: Projecto de estruturas mistas aço-betão. Parte 2: Pontes Eurocódigo 5: Projecto de estruturas de madeira. Parte 2: Pontes Eurocódigo 8: Projecto de estruturas para resistência aos sismos. Parte 2: Pontes Previsto o envio ao IPQ para publicação durante o ano de 2009

7 Observação do comportamento estrutural de pontes Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

8 Observação de estruturas Actividades analíticas e experimentais visando: O estudo do comportamento real das construções A aferição do desempenho das obras Envolvendo: Medição de um conjunto de grandezas físicas, aquisição, transmissão, processamento, tratamento e armazenamento da informação Análise dessa informação

9 Objectivos da observação de estruturas Verificação das teorias de comportamento Detecção precoce de eventuais deficiências estruturais Obtenção de estados de referência Quantificação das acções

10 Utilidade do modelo de cálculo Antes das observações Dimensionamento das cargas de ensaio Escolha dos pontos a medir Escolha do equipamento a utilizar Durante as observações Validação dos valores medidos Após as observações Interpretação dos valores medidos

11 Técnicas e equipamentos Condições de trabalho difíceis e fortemente perturbadas na realização de medições in situ Desenvolvimento de técnicas e equipamento adequado Emprego simultâneo de diferentes técnicas e aparelhos para controlo e aferição dos mais sofisticados

12 Principais tipos de equipamentos Mecânicos Térmicos Acústicos ou de cordas vibrantes Indutivos Piezoeléctricos Eléctricos de resistência Ópticos/ Geodésicos Fibras ópticas GPS

13 Principais grandezas observadas Caracterização do betão Tensão de rotura Módulo de elasticidade Retracção Fluência Condições ambientais Humidade relativa Precipitação Temperatura do ar Temperatura da estrutura Comportamento estrutural Deslocamentos verticais Deslocamentos horizontais Rotações Extensões Aberturas de juntas Forças em tirantes

14 Centralização automática das medições Dispensa operador Aquisição contínua Aquisição simultânea Ligação remota a centro de estudos

15 Pontes em serviço observadas pelo LNEC 12

16 Ensaio de pontes Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

17 Ensaios de carga Estruturas observadas a longo prazo Equipamento destinado à observação a longo prazo Equipamento complementar Pontes apenas ensaiadas no final da construção Pontes ensaiadas no processo de reparação/reforço

18 Viaduto de Vila Pouca de Aguiar Comprimento m Vão central x 130 m Largura do tabuleiro... 2 x 130 m Utilização ão.rodoviária Projectista.... Armando Rito Dono de obra......norscut Construtor......Spie-Batignoles Entrada em serviço

19 Ensaios realizados Ensaios estáticos Ensaios com carga concentrada Posições de carga Carga rolante Ensaios com sobrecarga distribuídas Ensaios dinâmicos Ensaios ambiente

20 Ensaios estáticos Plano geral de observação

21 Ensaios com carga concentrada Linhas de influência do deslocamento vertical (P8-P9) Nivelamento hidrostático -8 Dz (mm) P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 12 Posições de carga Carga rolante Calculado 3 Camiões (889 kn;vel =1,7 km/h)

22 Ensaios com carga concentrada Linhas de influência da rotação no topo do pilar P9 Clinómetros eléctricos Rotação ("sex) P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 Posições de carga Carga rolante Calculado 3 Camiões (889 kn;vel =1,7 km/h)

23 Ensaios com carga concentrada 10 Linhas de influência das extensões Extensómetros de fibras ópticas ε (10-6 ) 15 Laje superior - E3 P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 Posições de carga Carga rolante Calculado 3 Camiões (889 kn;vel =1,7 km/h)

24 Ensaios com carga distribuída 12 Camiões (4068 kn)

25 Ensaios com carga distribuída Deformadas do tabuleiro -25 Dz (mm) Posição de carga P6 P7 P8 P9 P10 P Dz (mm) Posição de carga P6 P7 P8 P9 P10 P Camiões (4068 kn)

26 Ensaios dinâmicos Pontos instrumentados 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32,5 32, DAQ DAQ 21 Secções do tabuleiro 6 ensaios (30 mn de registo; 1000Hz)

27 Ensaios dinâmicos Equipamento utilizado Acelerómetros e unidade de alimentação e condicionamento de sinal Computador portátil e sistema de aquisição de dados

28 Ensaios dinâmicos 1º modo de vibração transversal f exp =0,338 Hz ξ=1,29% f calc =0,323 Hz

29 Ensaios dinâmicos 2º modo de vibração transversal f exp =0,386 Hz ξ=1,17% f calc =0,367 Hz

30 Ensaios dinâmicos 1º modo de vibração vertical f exp =0,933 Hz ξ=0,57% f calc =0,931 Hz

31 Ensaios dinâmicos 2º modo de vibração vertical f exp =1,086 Hz ξ=0,70% f calc =1,095 Hz

32 Inspecção de pontes Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

33 Inspecção de pontes Sistematização rigorosa Planeamento adequado Estudo prévio do processo da obra Escolha do equipamento Meios de acesso Execução cuidada

34 Tipo de inspecções Classificação de acordo com os objectivos Inventário Rotina Principais Especiais Subaquáticas Periodicidade Meios de acesso Equipamento Qualificação dos inspectores

35 Considerações finais Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

36 Observação de pontes Permite avaliação do desempenho estrutural de pontes Em obras novas Detecção precoce de eventuais deficiências estruturais Fornece indicações para sua resolução Em obras com deficiências Permite fundamentar as decisões a tomar sobre a necessidade ou possibilidade de reparação ou reforço Após a reparação ou reforço permite verificar a eficiência das soluções implementadas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009 Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC 23 de Outubro 2009 INDÍCE Apresentação geral do projecto ProNIC Objectivos, conteúdos, funcionalidades Contributos do ProNIC para a correcta

Leia mais

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO INFORMAÇÕES OBJECTIVOS Detalhar e analisar a inspeção de edifícios, avaliando os fatores que a influenciam e as ferramentas disponíveis. Dar a conhecer os diferentes tipos de ensaios experimentais em edifícios,

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL SEMINÁRIO: A ENGENHARIA MECÂNICA E OS DESAFIOS DA MEDIÇÃO METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL PEDRO GOMES RESPONSÁVEL DO DEPARTAMENTO DE METROLOGIA FÍSICA TECNOLÓGICA

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE

ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE ANÁLISE ESTRUTURAL ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTE 1/ 33 Sumário A Análise Estrutural Como descrever o comportamento de uma estrutura A AE no contexto do Projecto de Estruturas Classificação de estruturas

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT 1. INTRODUÇÃO Inspecções e ensaios na manutenção/conservação Boa oferta formativa, comparativamente

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

Renaude Santos Carneiro. Ana Paula Camargo Larocca. Paulo César Lima Segantine. Gabriel do Nascimento Guimarães. João Olympio de Araújo Neto

Renaude Santos Carneiro. Ana Paula Camargo Larocca. Paulo César Lima Segantine. Gabriel do Nascimento Guimarães. João Olympio de Araújo Neto USO DE TÉCNICA TOPOGRÁFICA-GEODÉSICA NO APOIO AO MONITORAMENTO DE INCLINAÇÃO DE TABULEIRO DE OBRAS DE ARTE RODOVIÁRIAS ESTUDO DE CASO SOBRE A PONTE DO RIO JAGUARI Renaude Santos Carneiro Ana Paula Camargo

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Caracterização e Reabilitação de Pavimentos Aeroportuários APVP EDUARDO FUNG Coordenador de Projectos da COBA e Director Técnico

Leia mais

OBSERVAÇÃO ESTRUTURAL DAS PONTES 17 DE SETEMBRO E 4 DE ABRIL

OBSERVAÇÃO ESTRUTURAL DAS PONTES 17 DE SETEMBRO E 4 DE ABRIL REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO OBSERVAÇÃO ESTRUTURAL DAS PONTES 17 DE SETEMBRO E 4 DE ABRIL AUTORIA Júlio Fonseca 5.º ENCONTRO TÉCNICO-CIENTIFICO DOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA DA CPLP Luanda

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Outras Soluções Fichas de Aplicação

Outras Soluções Fichas de Aplicação Outras Soluções Fichas de Aplicação Cofragem Perdida Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU

SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU Seminário - Reabilitação Sísmica dos Edifícios Lisboa, 3 de Junho de 2011 SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU Carlos Mesquita, Engº. /

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico 1 A Metrologia no ISQ ISQ Breve Apresentação 1965: Instituto de Soldadura (IS) 1985: Transformação

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA 9 AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA Maximiliano Malite Toshiaki

Leia mais

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS P. Marques Eng. Mecânico Univ. Aveiro Aveiro, Portugal F. Teixeira-Dias Prof. Auxiliar Univ. Aveiro Aveiro, Portugal H. Varum

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Ficha de Unidade Curricular (FUC) Curso LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Opcional Área Científica ENGENHARIA CIVIL Classificação

Leia mais

... 3... 14... 8... 9... 10

... 3... 14... 8... 9... 10 1 ... 3... 3... 3... 4... 4... 5... 5... 6... 6... 6... 7... 7... 8... 8... 9... 10... 14 2 3 4 5 6 7 8 ALUNO CANDIDATO Nome Email Morada Instituição Ensino Curso Telemóvel C. Postal Ano Data Assinatura

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Pavimento Fichas de Aplicação

Pavimento Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Virocfloor Virodal Viroc Bruto Revestimento de Técnico Sons de Percussão Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40

Ficha Técnica. Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65. Características dos materiais: Perfil Colaborante PC65 : Dimensões: Chapa: Betão: 0,75* 8,40 Ficha Técnica Lajes Mistas com Perfil Colaborante PC 65 Perfil Colaborante PC65 : Espessura [mm] Massa [kg/m2] 0,75* 8,40 *Material standard, disponível em galvanizado. Outros materiais sob consulta. Dimensões:

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg OBJETIVO O objectivo do curso consiste na atribuição de uma especialização de natureza profissional, decorrente da continuação dos

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Actuadores Inteligentes SAI2012

Actuadores Inteligentes SAI2012 Sensores e Actuadores Inteligentes SAI2012 1 Francisco Alegria 1990 2012 2 22anos LICENCIATURA Electrotecnia Teórica Instrumentação e Medidas Algorítmos e Estruturas de Dados 3 MESTRADO Sistemas de Medida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões

www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões TECNARIA SISTEMAS MODERNOS DE REFORÇO A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA Os velhos soalhos de madeira frequentemente necessitam de intervenções

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Sistema A.045 - Caracterização

Sistema A.045 - Caracterização Sistema A.045 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir com uma ou mais folhas móveis,

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS Seminário de Apresentação, 18 de junho 2014 Tópicos Introdução Saídas profissionais Funcionamento Plano de Estudos Calendário Escolar Datas candidaturas Ingresso

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

Planos de Observação em Barragens Agrícolas. O Papel do LNEC

Planos de Observação em Barragens Agrícolas. O Papel do LNEC Planos de Observação em Barragens Agrícolas O Papel do LNEC Sumário >Introdução >Observação de barragens de aterro Planeamento Inspecções visuais Sistemas de Observação Distribuição dos equipamentos Frequências

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 21/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

ESPECIALIDADES ENVOLVIDAS

ESPECIALIDADES ENVOLVIDAS DESENVOLVIMENTO E CONSTRUÇÃO DE UM PARQUE EÓLICO ESPECIALIDADES ENVOLVIDAS Visita Técnica da Ordem dos Engenheiros ao Parque Eólico do Pinhal Interior HELDER SERRANHO Administrador COO 30 de Outubro de

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Observações de incêndios reais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Observações de incêndios reais Comportamento ao lajes mistas aço-betão Conteúdos da apresentação Ensaio a viga com queimadores Ensaio à estrutura com queimadores Ensaios de canto com paletes de madeira Ensaios de demonstração com equipamentos

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície A.080 Sistema A.080 Conceito Fachada cortina ligeira, versátil, com atenuação térmica e acústica. Estrutura composta por montantes e travessas, ambos com envergadura de 50mm, sendo os montantes os elementos

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação José Miguel Santos, Miguel Serrano Ana Maria Nunes Missão Promover o processo de inovação, transformando o conhecimento em vantagens

Leia mais

Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria

Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Topografia I Equipamentos e Acessórios na Planimetria Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Grandezas

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

CALIBRAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO DA PONTE FERROVIÁRIA DE SÃO LOURENÇO

CALIBRAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO DA PONTE FERROVIÁRIA DE SÃO LOURENÇO CALIBRAÇÃO EXPERIMENTAL DE UM MODELO NUMÉRICO DA PONTE FERROVIÁRIA DE SÃO LOURENÇO Diogo Ribeiro a, Rui Calçada a e Raimundo Delgado a a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Resumo. No presente

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

Monitoramento e ensaio de pontes

Monitoramento e ensaio de pontes Resumo Monitoramento e ensaio de pontes Luís Oliveira Santos 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Departamento de Estruturas, luis.osantos@lnec.pt O monitoramento e ensaio de pontes é uma atividade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES DETERMINAÇÃO DE ESFORÇOS OS HORIZONTAIS ESFORÇOS ATUANTES NOS PILARES Os pilares estão submetidos a esforços verticais e horizontais. Os esforços verticais

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h - 4 h por semana

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h - 4 h por semana UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II Ano: 2010 Período: 2º semestre Professor: Jorge Luiz Ceccon Carga horária da disciplina = 120 h -

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT SOLUÇÕES EFICIENTES PARA A ARQUITECTURA E CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT PORTO, JUNHO 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PARCERIA

Leia mais