Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009"

Transcrição

1 Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC 23 de Outubro 2009

2 INDÍCE Apresentação geral do projecto ProNIC Objectivos, conteúdos, funcionalidades Contributos do ProNIC para a correcta especificação dos materiais de construção

3 ProNIC - ENQUADRAMENTO OBJECTIVO: Desenvolver um conjunto sistematizado e integrado de conteúdos técnicos de referência e de utilização generalizada para o Sector da Construção Promoção: Desenvolvimento: Protocolo para a Normalização da Informação Técnica na Construção

4 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS APLICAÇÃO INFORMÁTICA ÂMBITO Obra Nova Edifícios Reabilitação Infra estruturas Rodoviárias Base de Dados (conteúdos técnicos) Estrutura de desagregação de trabalhos Especificações de trabalhos de construção Especificações de materiais Custos e Recursos Informação sobre manutenção e segurança Módulos de interface com o Utilizador FUNCIONALIDADES Donos de Obra Projectistas Construtores Fiscalização Outros Produzidos tipos de trabalhos, que originam artigos. Produziram se aproximadamente 5000 FET e FMAT (80% dos trabalhos)

5 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS Edifícios Articulado de trabalhos 26 capítulos Trabalhos de construção em geral Reabilitação, consolidação e reforço Desagregação dos trabalhos por especialidades - artigo ao nível dos elementos ou sistemas construtivos; Desagregação dos trabalhos por processos/técnicas de reabilitação; Aplicável apenas aos capítulos relevantes; Estradas Articulado de trabalhos 10 capítulos Trabalhos de construção em geral Desagregação feita segundo os critérios das Estradas de Portugal;

6 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS ProNIC - EDIFÍCIOS 1 - Estaleiro 2 Trab. Preparatórios 3 Demolições 4 Movimentos de Terras 5 Arranjos Exteriores 6 Fundações e Obras de Contenção 7 Estrut. de Betão Armado e Pré-esforçado 8 Estrut. Metálicas 9 Estrut. de Madeira 10 Estrut. de Alvenaria e Cantaria 11 Estrut. Mistas 12 - Paredes 13 El. de Cantaria 14 El. de Carpintaria 15 El. de Serralharia 16 El. de Mat. Plásticos 17 Isolamentos e Impermeabilizações 18 Revestimentos e Acabamentos 19 Vidros e Preenchimentos 20 Pinturas e Envernizamentos 21 Inst. e Eq. de Águas 22 Inst. e Eq. Mecânicos 23 Inst. e Eq. Eléctricos 24 Ascensores, Monta- Cargas, Escadas e Tapetes Rolantes 25 Eq. Fixo e Móvel DIVERSOS

7 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS ProNIC - ESTRADAS 1 - Terraplenagem 6 Obras de Arte 8 Obras de Arte Integradas 2 Drenagem Especiais Passagens Superiores e 3 Pavimentação Obras de Arte nos Nós 9 Túneis 4 Obras Acessórias 5 Equipamento de Sinalização e Segurança 7 Obras de Arte Integradas Passagens Inferiores, Agrícolas e Hidráulicas DIVERSOS

8 ProNIC ELEMENTOS DE INFORMAÇÃO ProNIC Possibilidade de Anexar Capítulo n Artigos Peças desenhadas Opt 1 Descrição do Trabalho Opt 2 Opt n Ficha de Trabalho Folha de Medições Cenário 1 Ficha de Rendimentos Cenário 2 Cenário N Informação Complementar Ficha de Material 1 Ficha de Material n

9 ProNIC ALGUMAS FUNCIONALIDADES Agregação de elementos externos Elaboração de medições Desagregação da informação Comparação de propostas Retroinformação Classificação de materiais/produtos Classif. EPIC

10 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS FET Fichas de Execução dos Trabalhos FMAT Fichas de Materiais Geradas automaticamente; Estrutura Comum; Integração de exigências e requisitos normativos; Inclusão de referências a boas práticas de execução/ aplicação; Compilação de normas, especificações e outros documentos técnicos.

11 ProNIC ESTRUTURA E CONTEÚDOS Ficha de Execução de Trabalhos Definição do Trabalho Materiais Trabalhos Preparatórios Processo/ Modo de Execução Controlo e Aceitação Ensaios Referências Técnicas e Normativas Critérios de Medição Riscos Associados Outras Disposições Utilização e Manutenção Definição do Material Domínio de Aplicação Composição Características e Propriedades Aplicação Referências Técnicas e Normativas Marcas de Qualidade e Certificações Processo de Fabrico Embalagem, Recepção, Armazenamento e Conservação Riscos e Segurança Ensaios Ficha de Materiais Restrições e Condições de não-aplicação Outras Disposições

12 ProNIC MARCAÇÃO CE ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS CASO CONCRETO APLICAÇÃO ProNIC Especificação de um betão para aplicação num elemento estrutural NP EN 206-1

13

14 Limitação de opções de preenchimento

15 Textos de ajuda para as variáveis e diferentes opções

16

17

18

19

20

21 NP EN Sistema 1+ NP EN Sistema 1+ NP EN Sistema 2+ NP EN Sistema 2+

22 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Definição do Material Breve descrição do material podendo referir-se características fundamentais FMAT - BETÃO

23 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Domínio de Aplicação Situações possíveis para utilização do produto. FMAT - CINZAS

24 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Composição - Partes ou Componentes - Materiais Constituintes - FMAT - CINZAS

25 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Características e Propriedades - Dimensões; Aspecto; Físicas e Químicas; Mecânicas, Eléctricas e Electromagnéticas; Higrotérmicas e Acústicas; Ópticas; Desempenho ao fogo; Desempenho face aos agentes biológicos e atmosféricos; Durabilidade FMAT - BETÃO

26 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Aplicação FMAT - ADJUVANTES

27 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Ref. Técnicas e Normativas Referência a normas ou documentos técnicos existentes (nacionais e estrangeiras), que sejam aplicáveis ao elemento em questão e ao trabalho que está a ser executado. FMAT - CIMENTO

28 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Marcas de Qualidade e Certificações Referência a documentos que aprovam/atestam o produto. FMAT - CIMENTO

29 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Processo de Fabrico Descrição do processo de fabrico utilizado. FMAT - BETÃO

30 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Embalagem, Recepção, Armazenamento e Conservação FMAT - ADJUVANTES

31 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Riscos e Segurança - Prescrições relativos a cuidados especiais a ter no manuseamento do Material. FMAT - CIMENTO

32 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Ensaios FMAT - AGREGADOS

33 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Restrições e Condições de não-aplicação FMAT - BETÃO

34 ProNIC FICHAS DE MATERIAIS Outras disposições -Disposições importantes que não possam ser integrados nos campos anteriores. - Imagens genéricas do material ou produto, se aplicável FMAT - ADJUVANTES

35 MAIS VALIAS DO ProNIC - Melhoria na qualidade da informação técnica de apoio à obra melhoria do produto final; - Limitação dos problemas de contratação menos indefinições e erros de interpretação; - Contributo para uma correcta e completa especificação dos materiais de acordo com os requisitos normativos e legais: - Especificação dos materiais através das suas características e propriedades (de definição obrigatória e em alguns casos complementada por outros elementos) efectuada na criação do articulado; - Disponibilização de textos de ajuda enquadrando os requisitos com as normas e explicando os conceitos essenciais; - Restrições à adopção de opções tecnicamente incompatíveis entre si; - Indicação do referencial normativo aplicável às diferentes situações;

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS Grupo I PROJETO, FISCALIZAÇÃO E CONSULTORIA Categoria I.1. Conservação e Restauro

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Ficha de Unidade Curricular (FUC) Curso LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Opcional Área Científica ENGENHARIA CIVIL Classificação

Leia mais

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013)

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1 Lista de Controlo de Legislação Aplicável Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1. LEGISLAÇÃO 1.1. Código do Trabalho Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho - Regulamenta a Lei n.º

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra O presente trabalho refere-se à reabilitação de um aglomerado de habitações em adiantado estado de degradação numa herdade do Alentejo

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc.

TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc. Hipólito de Sousa, 2004 1 TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc. Instalações e equipamentos

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg OBJETIVO O objectivo do curso consiste na atribuição de uma especialização de natureza profissional, decorrente da continuação dos

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de Engenharia, bem como Assistência Técnica e Fiscalização

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Temas a apresentar. Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção. Enquadramento

Temas a apresentar. Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção. Enquadramento Marcação Centro Cultural de Macieira de Cambra, Vale de Cambra 25 de Março 2011 Temas a apresentar Marcação CE na generalidade Directiva de Produtos de Construção Legislação aplicável Enquadramento SGS

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

TABELA II - TAXAS GENÉRICAS

TABELA II - TAXAS GENÉRICAS TABELA II - TAXAS GENÉRICAS ACTIVO CORPÓREO GRUPO 1 - IMÓVEIS 2005 Edificações ligeiras (fibrocimento, madeira, zinco, etc.) 10 Edifícios (a): 2010 Habitacionais 2 2015 Comerciais e administrativos 2 2020

Leia mais

DAR FUTURO ÀS CASAS DO PASSADO

DAR FUTURO ÀS CASAS DO PASSADO Celestino Flórido Quaresma Engenheiro Civil. INOVADOMUS-UNIVERSIDADE DE AVEIRO - 25 de Maio de 2011 1 De Architectura(dez livros sobre a arquitectura de Vitruvio) foi um tratado latino sobre a arquitectura

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3. Redes de segurança

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE]

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE] 02 02 2010 2 [MARCAÇÃO CE] Neste documento está um resumo do processo de marcação CE para o mercado da caixilharia. Esperamos que possa servir de ajuda a todos os interessados, para que a transição seja

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais, Concreta, Porto, 2015.11.19 1 Sistema ETICS Manual de Aplicação

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE CERÂMICA CIC Feito em Angola FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE +244 933 055 981 CERÂMICA CIC MARCA DE QUALIDADE FEITO EM ANGOLA DESCRIÇÃO A Unidade Industrial

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

DEBATE DEBATE. Desafios do Ensino e Formação em Segurança a e Saúde do Trabalho

DEBATE DEBATE. Desafios do Ensino e Formação em Segurança a e Saúde do Trabalho Desafios do Ensino e Formação em Segurança a e Saúde do Trabalho Porto, 23 de Janeiro de 2010 Caso do Túnel do Curral das Freiras O caso remota a Março de 2003 quando, durante as obras de construção do

Leia mais

W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s

W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s W o o d t e c h n o l o g y s o l u t i o n s 1 I N T R O D U Ç Ã O 3 D E S E N H O S T É C N I C O S 10 O B R A S R E A L I Z A D A S 25 C O N T A C T O S 37 J A N E L A S 2 O nosso objectivo é prestar

Leia mais

Chicago Pneumatic Construction Tools

Chicago Pneumatic Construction Tools Chicago Pneumatic Construction Tools Martelos Demolidores Pneumáticos Built to last Martelos Demolidores Normalizados Características Essenciais Os martelos demolidores CP pertencem à gama de ferramentas

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ

Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ Lista de Documentos Normativos de janeiro a distribuir aos Correspondentes IPQ DNP CEN ISO/TS 15875-7:2014 Sistemas de tubagens de plástico para instalações de água quente e fria Polietileno reticulado

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT 1. INTRODUÇÃO Inspecções e ensaios na manutenção/conservação Boa oferta formativa, comparativamente

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção Especificações, medições e regras de medição 2006/2007 PEÇAS DE PROJECTO PEÇAS ESCRITAS Na prática corrente, os elementos de um projecto classificam-se da seguinte forma: Peças escritas; Peças desenhadas.

Leia mais

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 13 de Dezembro 2011 Sabóia Estoril Hotel Adquira os conhecimentos fundamentais para uma construção mais sustentável Este curso permite a obtenção de

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Projeto de Execução Designação da empreitada CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO DA E.M. 242-1 E ESTRADA ATLÂNTICA Julho de 2015 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A interrogação a negrito no final do título deste artigo representa o que pensarão os nossos leitores da afirmação que ele, título, comporta.

A interrogação a negrito no final do título deste artigo representa o que pensarão os nossos leitores da afirmação que ele, título, comporta. TÍTULO: A aplicação da nova legislação dos alvarás e estaleiros no âmbito da indústria metalomecânica AUTORIA: Paulo Moreira PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 151 (Março/Abril de 2004) A interrogação a negrito

Leia mais

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2.

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2. DNIT NORMA DNIT 013/2004 - PRO Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES Autor: Diretoria

Leia mais

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO A preencher pelos Serviços da Empresa: A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO NIF Nome Nacionalidade Documento N.º (ver Tabela A) Morada (rua, avenida, etc., n.º e andar) Postal - Localidade Telefone

Leia mais

sistema de construção

sistema de construção sistema de construção o que é o ICF ICF é a sigla inglesa de Insulated Concrete Forms usada para designar o sistema de construção constituído por blocos isolantes em poliestireno expandido (EPS), que após

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora

Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1 de Abril 2009 Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora Francelina Pinto 1 Apresentação da associação ANIET Associação Nacional da Indústria

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. ENGENHARIA CIVIL ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1 Projeto 1.1 Edificações 1.1.1 Estabilidade e contenção periférica Contenção periférica Plano de escavação Fundações superficiais Fundações profundas Muros

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Endurecedor metálico de superfície

Endurecedor metálico de superfície Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 08.206 Versão nº 1 Sikafloor -Armortop Endurecedor metálico de superfície Descrição do produto Sikafloor -Armortop é um endurecedor de superfície

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO 18EQ.11.-- TÍTULO18EQ EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO CAPÍTULO.1-. EQUIPAMENTO SANITÁRIO SUB.CAPº.11. APARELHOS SANITÁRIOS I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade assente e a funcionar,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES P.88.03 de 8 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014

PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014 PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014 00. APRESENTAÇÃO Tendo em consideração a importância crescente da reabilitação urbana no sector da construção, considera-se pertinente a realização

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 2008 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais