INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS"

Transcrição

1 PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura em polietileno e cobre, de acordo com as normas, regulamentos de segurança. SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)- Instalador(a)/Soldador de redes de gás ACTIVIDADES 1. Ler e interpretar instruções técnicas e especificações do projecto, nomeadamente, traçado das tubagens e materiais a utilizar a fim executar ou reparar redes de distribuição e instalações de 2. Programar e organizar os trabalhos a realizar, analisando as condições físicas do local da rede de distribuição ou da instalação de gás, a fim de cumprir as distâncias regulamentares e outras normas de execução. 3. Seleccionar os equipamentos, as ferramentas, os dispositivos e os acessórios a utilizar, de acordo com o tipo de soldadura a efectuar. 4. Executar as redes de distribuição e instalações de gás, assegurando o cumprimento das 4.1 Instalar a rede de distribuição e instalações de gás, montando tubagens, válvulas de corte e ligações dos equipamentos, utilizando os procedimentos e os equipamentos adequados, cumprindo as normas, os regulamentos de segurança e regras de boa prática aplicáveis; 4.2. Testar a resistência mecânica e a estanquidade da instalação efectuada, ensaiando a rede de distribuição e as instalações de gás e utilizando os equipamentos de medida e ensaio, de acordo com a legislação em vigor; 4.3. Efectuar a colocação em serviço da rede de distribuição e das instalações de gás a fim de garantir o seu correcto funcionamento. 5. Executar trabalhos de soldadura em redes de distribuição, assegurando o cumprimento das 5.1 Executar trabalhos de soldadura em polietileno, de acordo com os métodos de soldadura topo a topo e de electrofusão, respeitando a temperatura e a pressão de soldadura e utilizando as técnicas e os equipamentos adequados;

2 5.2. Assegurar a qualidade do trabalho efectuado, verificando a inexistência de fissuras e outras deformações. 6. Executar trabalhos de soldadura em instalações de gás, assegurando o cumprimento das 6.1. Executar trabalhos de soldadura em cobre, de acordo com o método de soldadura a oxigás, respeitando o alinhamento de tubagens, a temperatura e a regulação da chama e utilizando as técnicas e os equipamentos adequados; 6.2. Assegurar a qualidade do trabalho efectuado, verificando a inexistência de fissuras e outras deformações. 7. Reparar as redes de distribuição e instalações de gás, assegurando o cumprimento das 7.1. Diagnosticar incidentes e avarias na rede de distribuição e em instalações de gás, de acordo com instruções técnicas e utilizando os procedimentos e equipamentos adequados; 7.2. Corrigir as anomalias detectadas na rede de distribuição e em instalações de gás, substituindo componentes danificados, nomeadamente, tubagens, válvulas de corte e ligações dos equipamentos a fim de garantir o correcto funcionamento dos mesmos. 8. Efectuar medições de pressões e temperaturas das redes de distribuição e das instalações de gás, utilizando os equipamentos adequados a fim de assegurar o correcto funcionamento dos mesmos. 9. Efectuar a manutenção e conservação dos equipamentos e ferramentas utilizados na execução, na reparação e/ou na soldadura em redes de distribuição e em instalações de gás, tendo em conta a optimização do seu funcionamento. 10. Registar informações de carácter técnico relativas à execução, reparação e soldadura em redes de distribuição e de instalações de COMPETÊNCIAS SABERES Noções de: 1. Química (temperaturas, gases combustíveis). 2. Física (resistência dos materiais, mecânica). 3. Electricidade. 4. Termodinâmica (pressões, trabalhos em carga na rede). 5. Projecto de redes de distribuição e instalações de gás (traçado das tubagens, materiais, acessórios e dispositivos de corte). 6. Saúde e segurança no trabalho.

3 7. Protecção ambiental. 8. Qualidade. 9. Informática na óptica do utilizador. 10. Comunicação e relações interpessoais. Conhecimentos de: 11. Tecnologia dos materiais (características mecânicas, ligas metálicas e materiais plásticos). 12. Equipamentos de medida e ensaio - características e aplicações. 13. Processos de ensaios das redes de distribuição e das instalações de gás, de acordo com a legislação em vigor. 14. Tecnologia das redes de distribuição e de instalações de 15. Dispositivos e acessórios de soldadura em Polietileno e Cobre, de redes de distribuição e de instalações de 16. Equipamentos e ferramentas de soldadura em Polietileno e Cobre, de redes de distribuição e de instalações de Conhecimentos Aprofundados de: 17. Execução de redes de distribuição e de instalações de 18. Reparação de redes de distribuição e de instalações de 19. Normas e procedimentos aplicáveis na execução de redes de distribuição e de instalações de 20. Técnicas de soldadura em Polietileno e Cobre, em redes de distribuição e em instalações de 21. Normas e procedimentos aplicáveis à soldadura em redes de distribuição e de instalações de SABERES-FAZER 1. Interpretar instruções técnicas e especificações do projecto de redes e instalações de 2. Aplicar as normas e procedimentos de saúde e segurança respeitantes à actividade profissional. 3. Identificar as características e princípios de funcionamento de redes de distribuição e de instalações de 4. Utilizar as técnicas de instalação e reparação de redes de distribuição e de instalações de 5. Identificar as condições físicas adequadas à instalação e à execução de trabalhos de soldadura de redes de distribuição e de instalações de 6. Utilizar as técnicas de ensaio de redes de distribuição e de instalações de 7. Utilizar os equipamentos de medida e ensaio adequados à execução e reparação de redes de distribuição e de instalações de

4 8. Identificar e utilizar os equipamentos e as ferramentas adequadas à execução de trabalhos de soldadura em polietileno e cobre, em redes de distribuição e em instalações de 9. Utilizar os dispositivos e os acessórios adequados na execução de trabalhos de soldadura em polietileno e cobre, em redes de distribuição e em instalações de 10. Utilizar as técnicas de execução de trabalhos de soldadura em polietileno e cobre, em redes de distribuição e em instalações de 11. Identificar imperfeições em soldaduras realizadas em redes de distribuição e em instalações de 12. Identificar as anomalias na rede de distribuição e em instalações de 13. Utilizar técnicas e produtos adequados à manutenção e conservação dos equipamentos utilizados na execução, reparação e/ou trabalhos de soldadura em redes de distribuição e de instalações de 14. Utilizar a documentação técnica respeitante ao registo dos trabalhos executados. SABERES-SER 1. Organizar as actividades de forma a responder às solicitações do serviço. 2. Facilitar o relacionamento interpessoal com os diversos elementos da equipa de trabalho. 3. Integrar as normas e procedimentos de saúde e segurança no exercício da sua actividade profissional. 4. Assumir atitudes de responsabilidade no desempenho das suas actividades. 5. Adaptar-se a novas tecnologias. Instalador de Redes de Gás Actividades 1,2,4,7,8,9, e 10 Saberes 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,17,18 e 19 Saberes fazer 1,2,3,4,5,6,7,12,13, e 14 Saberes ser - 1,2,3,4 e 5 Soldador de Polietileno e Cobre Actividades 2,3,5,6,9 e 10 Saber 1,2,4,6,7,8,9,10,11,14,15,16,20 e 21 Saberes fazeres 2,5,8,9,10,11,13 e 14 Saberes ser - 1,2,3,4 e 5

5 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ÁREAS TEMÁTICAS DOMÍNIO SÓCIO-CULTURAL Desenvolvimento pessoal, profissional e social Saúde e segurança no trabalho Ambiente Legislação laboral e da actividade profissional Informática na óptica do utilizador DOMÍNIO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO Química Física Termodinâmica Qualidade Tecnologia dos materiais Tecnologia das redes de distribuição e das instalações de gás Legislação e normas técnicas aplicadas às redes de distribuição e às instalações de gás ÁREA ESPECIFICA - Instalador de Redes de Gás Electricidade Projecto de redes de distribuição e instalações de gás Tecnologia dos equipamentos de medida e ensaio Ensaio de redes de distribuição e de instalações de gás Técnicas de execução e reparação de redes de distribuição e de instalações de gás ÁREA ESPECIFICA - Soldador Polietileno e Cobre Tipos de dispositivos e acessórios Tecnologia dos equipamentos de medida e ensaio Técnicas de execução de soldaduras em redes de distribuição e em instalações de gás Normas técnicas aplicadas à soldadura Obs. Os cursos de formação profissional nesta área devem integrar uma componente teórica e uma componente prática a desenvolver em contexto de formação e em contexto real de trabalho. NÍVEL DE QUALIFICAÇÃO - 2

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DESENHADOR(A) DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

PERFIL PROFISSIONAL DESENHADOR(A) DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DESENHADOR(A) DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL Desenhador/a de Sistemas de Refrigeração e Climatização Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Informática Instalação e Gestão de Redes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA

Leia mais

Técnico/a Especialista de Automação, Robótica e Controlo Industrial Nível 4

Técnico/a Especialista de Automação, Robótica e Controlo Industrial Nível 4 TÉCNICO/A ESPECIALISTA DE AUTOMAÇÃO, ROBÓTICA E CONTROLO INDUSTRIAL CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL Conceber, programar, planear e coordenar

Leia mais

PASTELEIRO(A)-PADEIRO(A)

PASTELEIRO(A)-PADEIRO(A) PERFIL PROFISSIONAL PASTELEIRO(A)-PADEIRO(A) ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) - - Confeccionar bolos, pão e outros produtos alimentares de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) - HOTELARIA,

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A)/DESBASTADOR(A) DE EQUINOS PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a/Desbastador de Equinos Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

VÁLVULA DE CORTE GERAL A EDIFÍCIOS

VÁLVULA DE CORTE GERAL A EDIFÍCIOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 402 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 402 20 de Outubro de 2010 Página 2 de 6 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Requisitos da válvula

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Agências de Viagens e Transportes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE

Leia mais

CHEFE DE COZINHA (M/F)

CHEFE DE COZINHA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL CHEFE DE COZINHA (M/F) ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Organizar, coordenar e controlar o funcionamento do serviço de cozinha em estabelecimentos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL AGENTE EM GERIATRIA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Agente em Geriatria Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL AGENTE EM GERIATRIA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Agente em Geriatria Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL AGENTE EM GERIATRIA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Agente em Geriatria Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - SERVIÇOS DOMÉSTICOS OBJECTIVO GLOBAL - Prestar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SECRETARIADO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Secretariado Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SECRETARIADO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Secretariado Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SECRETARIADO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Secretariado Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL - Assegurar

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE FUNDIÇÃO. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Fundição Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE FUNDIÇÃO. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Fundição Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE FUNDIÇÃO PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Fundição Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - METALURGIA E METALOMECÂNICA OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, ÁUDIO, VÍDEO E TV PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, ÁUDIO, VÍDEO E TV PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, ÁUDIO, VÍDEO E TV PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área de Integração

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares. Guia para Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares ET 02/2006 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos Especificações

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 12 de Junho de 2007 Página 1 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico 1 A Metrologia no ISQ ISQ Breve Apresentação 1965: Instituto de Soldadura (IS) 1985: Transformação

Leia mais

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica

ACTOS PROFISSIONAIS GIPE. Gabinete de Inovação Pedagógica ACTOS PROFISSIONAIS GIPE Gabinete de Inovação Pedagógica Cooptécnica Gustave Eiffel, CRL Venda Nova, Amadora 214 996 440 910 532 379 Março, 2010 GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 1 GIPE - Gabinete de

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T P o r t u g u ê s Manual de Instruções 810769-01 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção...

Leia mais

PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS

PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS TÉCNICO DE CONTABILIDADE Componentes de Economia 200 Contabilidade Geral e Analítica 600 Direito das Organizações 240 Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

OFERTA FORMATIVA- CFPM. Anualmente o CFPM desenvolve os seguintes cursos de formação:

OFERTA FORMATIVA- CFPM. Anualmente o CFPM desenvolve os seguintes cursos de formação: OFERTA FORMATIVA- CFPM Anualmente o CFPM desenvolve os seguintes cursos de formação: FORMAÇÃO INICIAL: AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO ELECTROMECÂNICA Duração: 1200 Horas É o profissional que está apto a desenvolver

Leia mais

Jornada Técnica Engenharia Segurança Contra Incêndios em Edifícios Ordem dos Engenheiros - Lisboa, 26 de Março de 2015

Jornada Técnica Engenharia Segurança Contra Incêndios em Edifícios Ordem dos Engenheiros - Lisboa, 26 de Março de 2015 Jornada Técnica Engenharia Segurança Contra Incêndios em Edifícios Ordem dos Engenheiros - Lisboa, 26 de Março de 2015 sistemas de alimentação a GPL nos veículos Sumário - Colocação de veículos a GPL no

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área de

Leia mais

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos OPTIPROBE Ficha de dados técnicos O indicador de caudal de baixo custo Instalação fácil Medidas exatas e estáveis Qualidade KROHNE KROHNE ÍNDICE DE OPTIPROBE 1 Características do Produto 3 1.1 O indicador

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Guia de introdução NOKIA OBSERVATION CAMERA

Guia de introdução NOKIA OBSERVATION CAMERA Guia de introdução NOKIA OBSERVATION CAMERA UTILIZAR A CÂMARA CAPTURAR UMA IMAGEM UTILIZAR A DETECÇÃO DE MOVIMENTO UTILIZAR A CAPTAÇÃO DE IMAGENS TEMPORIZADA VERIFICAR A TEMPERATURA Edição 1 PT 9311301

Leia mais

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1 Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS Motor de correr Página 1 Na instalação e utilização deve ter muita Atenção 1) Cuidado! Para sua segurança, é importante seguir todas as indicações

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A COMERCIAL. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a Comercial Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A COMERCIAL. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a Comercial Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A COMERCIAL PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a Comercial Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - COMÉRCIO - Executar tarefas relacionadas

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

MOTOR PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE XNODO

MOTOR PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE XNODO MOTOR PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE XNODO ATENÇÃO!! Antes de efectuar a instalação, leia atentamente este manual que é parte integrante deste equipamento Nossos produtos se instalado por pessoal qualificado,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro

EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro DATA: Terça feira, 23 de Outubro de 2007 NÚMERO: SÉRIE II - 204 EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro DIPLOMA/ACTO: Despacho n.º 24 260/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7 Página Referência do modelo 3 Especificações 4 Antes de usar 5, 6 Peças e acessórios 7 Instalação 8, 9 Modo de operação para modelos mecânicos Modo de operação para modelos electrónicos 10, 11 12, 13 Drenagem

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

Protecção Ocular e Facial

Protecção Ocular e Facial Protecção Ocular e Facial INFORMAÇÃO TÉCNICA OCULAR E FACIAL NORMAS E CARACTERISTICAS OS EPI DE PROTECÇÃO FACIAL PODEM-SE CLASSIFICAR EM: 1. Protecção dos olhos óculos 2. Soldadura (ecrãs, óculos e vidros)

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004 «Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa Grupo Michelin setembro 2004 Introdução Os pneus constituem os únicos pontos de contacto entre o veículo e o solo.

Leia mais

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador no Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento e objectivos 2. Descrição dos trabalhos do auditor 3. Conclusões do trabalho do auditor 4. Recomendações

Leia mais

Juventude: O nosso compromisso!

Juventude: O nosso compromisso! Juventude: O nosso compromisso! QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS E DE TELECOMUNICAÇÕES TIC 003_3 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL

Leia mais

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização!

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização! Manual de instalação e utilização Esquentadores a gás minimaxx WRD 11-2 KME... WRD 14-2 KME... WRD 17-2 KME... Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho

Leia mais

2670 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 141 20 de Junho de 2000

2670 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 141 20 de Junho de 2000 2670 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 141 20 de Junho de 2000 de comércio e indústria pela Portaria n. o 58/96, de 22 de Fevereiro, a emitir certificados de origem. O Ministro da Economia, Joaquim Augusto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL FÉRIAS DIVERTIDAS Página 1 de 13 ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS..4 CAPÍTULO II PROGRAMA..5 CAPÍTULO III INSCRIÇÕES...5 CAPÍTULO IV ENTIDADE PROMOTORA..

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

CATALOGO DE GAS GLP NATURAL GAS SERVIÇO & QUALIDADE ECALIDAD

CATALOGO DE GAS GLP NATURAL GAS SERVIÇO & QUALIDADE ECALIDAD CATALOGO DE GAS GLP GAS NATURAL SERVIÇO & QUALIDADE ECALIDAD 2 Com 100 anos de experiência Gurtner proporciona produtos adaptados ao mercado Português e as diferentes condições de uso. A nossa gama vai

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

PISTÃO ELECTROMECÂNICO PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE PARA COLOCAÇÃO EXTERNA

PISTÃO ELECTROMECÂNICO PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE PARA COLOCAÇÃO EXTERNA PISTÃO ELECTROMECÂNICO PARA PORTÕES E PORTAS DE BATENTE PARA COLOCAÇÃO EXTERNA PM/PM1 ATENÇÃO!! Antes de efectuar a instalação, leia atentamente este manual que é parte integrante deste equipamento Nossos

Leia mais

Disponíveis para qualquer informação complementar, apresentamos a seguir os cursos disponíveis e formas de realização da inscrição nos mesmos.

Disponíveis para qualquer informação complementar, apresentamos a seguir os cursos disponíveis e formas de realização da inscrição nos mesmos. Monte da Caparica, 20 de Outubro de 2008 ASSUNTO: Nova Oportunidades para a Qualificação s Recursos Humanos Exmo.(a) Sr.(a), No âmbito das actividades da EPED, em 2008, criou-se um novo ciclo de projectos

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

Capítulo 3. Legislação e regulamentos para o projecto de redes de gás

Capítulo 3. Legislação e regulamentos para o projecto de redes de gás Capítulo 3 Legislação e regulamentos para o projecto de redes de gás Índice 1 Legislação para o dimensionamento de redes de gás... 1 2 Decreto-Lei n. o 521/99 de 10 de Dezembro - Normas relativas aos projectos

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 436 30 de Novembro de 2009 Página 2 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Classificação...

Leia mais

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 A POR FAVOR LER O MANUAL COM ATENÇÃO ANTES DE PROCED- ER A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO AUTOMATISMO VER.:1.02 REV.:11/2012 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático Ano lectivo 2009/2010 Áreas de trabalho individualizadas A utilização dos computadores

Leia mais

TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM

TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM TAQUÍMETRO ÓPTICO E DE CONTACTO MODELO MULTIMETRIX RPM 82 MANUAL DE UTILIZAÇÃO J. ROMA, Lda. INSTRUÇÕES GERAIS Introdução Felicitações por adquirir este taquímetro. Este taquímetro é muito fácil de usar,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização Manual de instalação e utilização CELSIUSNEXT 6720608913-00.1AL WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31 Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Marcação CE Estruturas Metálicas Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Objectivos Apresentação da EN ISO 9606-1:2013; Definição das variáveis essenciais na certificação dos

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Instalações Eléctricas PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Desenho Esquemático Escolas Proponentes / Autores E P de Vouzela E P de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 189/08 de 9 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições sobre os princípios a que devem obedecer a construção do sistema de infra-estruturas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. N. o 158 10 de Julho de 2001 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4151

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. N. o 158 10 de Julho de 2001 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4151 N. o 158 10 de Julho de 2001 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4151 vamento de embarcações ou de pessoas em perigo; d) Ajam sob a influência do álcool, estupefacientes, produtos tóxicos ou de outras drogas

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS EM FUNCIONAMENTO 2014 2015 CURSOS PROFISSIONAIS. Curso de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos

CURSOS PROFISSIONAIS EM FUNCIONAMENTO 2014 2015 CURSOS PROFISSIONAIS. Curso de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos EM FUNCIONAMENTO 2014 2015 Curso de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Curso de Técnico de Gestão Curso de Técnico Auxiliar de Saúde Curso de Animador Sociocultural Curso de Técnico

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área de Integração

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 196/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as entidades exploradoras dos armazéns e das redes e ramais

Leia mais

Tecnologias Aplicadas

Tecnologias Aplicadas CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Electrónica, Automação e Computadores PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Tecnologias Aplicadas Escolas Proponentes / Autores E P de

Leia mais

Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S

Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S AMBIENTE LICENCIAMENTO INDUSTRIAL E LICENÇA AMBIENTAL Conhecimentos sobre o processo de licenciamento industrial e respectiva metodologia associada; - Informação

Leia mais