ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA"

Transcrição

1 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência à tracção e à compressão 6.Estado limite último de resistência à flexão simples 7.Estado limite último de resistência ao esforço transverso 8.Disposições construtivas relativas a vigas 9.Estados limite de fendilhação 10.Estados limite de deformação 11.Estados limite últimos de resistência à flexão composta com esforço normal e à flexão desviada 12.Estados limite últimos devido a deformação estrutural 13.Disposições construtivas relativas a pilares e paredes 14.Estado limite último de resistência à torção Válter Lúcio Abril ASPECTOS GERAIS 1. Introdução 2. Distância entre varões 3. Diâmetros admissíveis para a dobragem de varões 4. Aderência aço-betão 5. Amarração 6. Emenda de varões 7. Agrupamentos de varões 1. Introdução Produção de armaduras para betão armado: a. desenhos do projecto - as peças de betão armado são pormenorizadas à escala 1:10 ou 1:20; b. preparação de obra - cada uma das armaduras é desenhada pelo preparador de obra à escala 1:10; MATERIAIS: BETÃO C30/37 AÇO A500NR Rec.: c=30mm Escala 1:10 Válter Lúcio Abril

2 c. no armador de ferro, as armaduras são cortadas com o comprimento especificado; MÁQUINA DE CORTE DE ARMADURAS d. e dobradas com a forma definida nos desenhos; MÁQUINA DE DOBRAGEM DE ARMADURAS MANDRIL DE DOBRAGEM DE ARMADURAS Válter Lúcio Abril e. as armaduras são montadas e atadas, utilizando arame de atar ; ESTALEIRO DE MONTAGEM DE ARMADURAS Válter Lúcio Abril

3 f. e posteriormente colocadas na cofragem, com espaçadores que garantem o recobrimento especificado. MONTAGEM DAS ARMADURAS DE UMA PAREDE MONTAGEM DAS ARMADURAS DE UM MURO DE SUPORTE DE TERRAS ESPAÇADORES ARMADURAS DE UMA CONSOLA CURTA ARMADURAS DE UM PILAR PRÉ-FABRICADO Válter Lúcio Abril Distância entre varões A distância entre varões deve permitir a betonagem e a compactação do betão. A distância livre entre varões paralelos s não deve ser inferior a: s máximo { φ ; d g + 5mm; 20mm} onde d g é a dimensão máxima do agregado. s φ Válter Lúcio Abril

4 3. Diâmetros admissíveis para a dobragem de varões O diâmetro mínimo de dobragem dos varões (diâmetro do mandril usado na máquina de dobragem) deve ser tal que: não provoque fendas no varão; MANDRIL DE DOBRAGEM DE ARMADURAS 150º 5φ gancho 5φ φ m cotovelo laço Para evitar danos no varão Diâmetro Diâmetro mínimo do do varão φ mandril - cotovelos, 16mm >16mm ganchos e laços φ m Válter Lúcio Abril φ 7φ O diâmetro mínimo de dobragem dos varões (diâmetro do mandril usado na máquina de dobragem) deve ser tal que: não provoque rotura do betão situado no interior da dobra. MANDRIL DE DOBRAGEM DE ARMADURAS F bt σ c a b 2φ 3φ 4φ 5φ φ m F bt a b a b a b F bt é a força resistente de um varão e a b é metade da distância entre eixos de varões adjacentes, ou o recobrimento adicionado de metade do diâmetro do varão, caso este esteja junto a um paramento. φ m / φ para evitar a rotura do betão, para A500 C20/25 C25/30 C30/37 C35/45 C40/50 C45/55 C50/60 C55/ φ m F bt [1/a b +1/(2φ)] / f cd Não é necessário verificar o diâmetro do mandril para a rotura do betão, se: a amarração necessária não ultrapassar 5φ para além da extremidade curva; o varão não esteja junto a um bordo e exista um varão transversal com diâmetro φ no interior da curva; Válter Lúcio Abril

5 4. Aderência entre os varões e o betão f bd = 2.25 η 1 η 2 f ctd f bd é o valor de cálculo da tensão de rotura da aderência entre o varão e o betão f ctd é o valor de cálculo da resistência do betão à tracção f ctd =f ctk,0.05 / (γ c =1.5) η 1 = 1.0 para condições de boa aderência = 0.7 para outros casos (MPa) C20/ η 2 = 1.0 para φ 32mm 1.0 = (132- φ)/100 para φ > 32mm 2.3 Direcção da betonagem Classes de resistência do betão C25/30 C30/37 C35/45 C40/50 C45/55 C50/60 f ctk, 0, f ctd f bd (Valores de f bd para η 1 = η 2 = 1.0) f b 45º α 90º α 250 mm h> 250mm Condições de boa aderência h 250mm 300 mm h > 600mm Condições de fraca aderência Válter Lúcio Abril Amarração dos varões ao betão COMPRIMENTO DE AMARRAÇÃO Comprimento de amarração necessário (required) TIPOS DE AMARRAÇÕES 150º 5φ gancho l bd φm 5φ cotovelo f bd φ l bd l b,req laço σ sd (πφ 2 /4) = l b,req (π φ) f bd força no varão força transmitida por aderência na superfície de contacto do varão com o betão l b,req = φ /4 (σ sd / f bd ) φ t 0.6φ l bd l bd 5φ com varão transversal soldado podemos considerar σ sd A s,prov = A s,req f yd A s,req área de armadura necessária pelo cálculo A s,prov ( A s,req ) área de armadura colocada l bd F bt Válter Lúcio Abril

6 COMPRIMENTO DE AMARRAÇÃO DE CÁLCULO c c 1 a Factor de influência α 1 - Forma dos varões α 2 - Recobrimento das armaduras α 3 - Cintagem com armaduras transv. não soldadas à armadura principal α 4 - Cintagem com armaduras transversais soldadas α 5 - Cintagem por compressão transversal varões rectos: c d = min ( a/2, c 1, c) cotovelos ou ganchos: c d = min ( a/2, c 1 ) laços: c d = c Varões traccionados: Varões comprimidos: Tipo de amarração Recta Outra, não recta Recta Outra, não recta Todos os tipos Todos os tipos, Todos os tipos l bd = α l b,req α 2 α 3 α α = α 1 α 2 α 3 α 4 α 5 α 1 = 1,0 α 1 = 0,7 se c d >3φ caso contrário α 1 = 1,0 α 2 = 1 0,15 (c d φ)/φ 0,7 1,0 α 2 = 1 0,15 (c d 3φ)/φ 0,7 1,0 α 3 = 1 Kλ 0,7 1,0 α 4 = 0,7 α 5 = 1 0,04p 0,7 1,0 l bd,min = max {0.3 l b,req ; 10φ; 100mm} l bd,min = max {0.6 l b,req ; 10φ; 100mm} Armadura para betão armado Traccionada Comprimida p - pressão transversal [MPa] no estado limite último ao longo de l bd α 1 = 1,0 α 1 = 1,0 α 2 = 1,0 α 2 = 1,0 α 3 = 1,0 α 4 = 0,7 Válter Lúcio Abril COMPRIMENTO DE AMARRAÇÃO DE CÁLCULO 150º 5φ l bd =l b,req 5φ l bd = 0.7 l b,req A400 A500 Comprimento de amarração de cálculo C20/25 C25/30 C30/37 C35/45 C40/50 C45/ (27) 48 (34) se c d >3φ (23) 40 (28) recto gancho (tracção) cotovelo (tracção) (20) 36 (25) (α = 0.7) com varão l bd = 0.7 l b,req F transversal se c Válter Lúcio Abril 2006 d >3φ l s bd = 0.7 l b,req soldado 12 (18) 33 (23) φ t 0.6φ (16) 29 (20) l bd = 0.7 l b,req l bd =l b,req lbd =l b,req 5φ l bd (15) 27 (19) C50/60 20 (14) 25 (17) laço (tracção) gancho (compressão) cotovelo (compressão)

7 AMARRAÇÃO DE ARMADURAS DE ESFORÇO TRANSVERSO E DE CINTAS 5φ 50mm 5φ 70mm φ t φ t estribo ou cinta gancho cotovelo Amarração de cinta com cotovelo em pilar 10mm 2φ com varões 20mm transversais 50mm soldados (rec. (3φ;50mm) φ t 0.7φ 10mm φ t 1.4φ Válter Lúcio Abril ROTURA POR FALHA DA AMARRAÇÃO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS Rotura por aderência - fenda longitudinal - M + F S = V 0.5 cotgθ V + - l bd SOLUÇÃO CORRECTA Válter Lúcio Abril

8 6. Emenda de varões A transmissão de forças de um varão para outro dentro do betão, pode ser efectuada por: soldadura; dispositivos mecânicos; sobreposição de varões, com ou sem cotovelos ou ganchos. Emenda por sobreposição Válter Lúcio Abril EMENDA POR SOLDADURA 5φ 5φ 5φ 1.4φ φ 5φ 5φ 0.85φ φ 5φ 5φ φ 20mm Soldadura de topo Válter Lúcio Abril

9 EMENDA COM DISPOSITIVOS MECÂNICOS Porca e rosca no varão sistema BBR Swift Porca e varão com nervuras em forma de rosca (com contra porca) Sistema GEWI da Dywidag Válter Lúcio Abril EMENDA COM DISPOSITIVOS MECÂNICOS Sistema Halfen Estes sistemas têm que ser testados experimentalmente e a rotura deve ocorrer pelo varão e não ser condicionada pela emenda. Válter Lúcio Abril

10 EMENDA POR SOBREPOSIÇÃO DE VARÕES As emendas de varões por sobreposição devem ser afastadas entre si, e afastadas de zonas de esforços elevados: não devem ser feitas emendas nas zonas de ligação das vigas aos pilares por aí surgirem os máximos esf. transversos e momentos negativos, e elevados esforços sísmicos (acções cíclicas) nem nas zonas de meio vão onde os momentos positivos são máximos. não devem ser efectuadas emendas nos pilares nas zonas dos nós de ligação às vigas, por ser nas extremidades dos pilares que se situam os máximos momentos e surgem forças cíclicas elevadas durante a acção dos sismos. Comprimento de sobreposição l 0 l 0 = α l b,req l 0,min l 0 Zonas onde não devem ser efectuadas emendas α = α 1 α 2 α 3 α 5 α 6 Válter Lúcio Abril COMPRIMENTO DE SOBREPOSIÇÃO l 0 α = α 1 α 2 α 3 α 5 α 6 l 0 = α l b,req l 0,min α 1 α 2 α 3 e α 5 podem ser obtidos do quadro de cálculo de l bd α 6 = (ρ 1 /25) α 6 1.5, ρ 1 é a percentagem de varões emendados a uma distância inferior a 0.65 l 0 da secção média da sobreposição ρ 1 25% 33% 50% >50% α varões dentro de 0.65 l 0, logo ρ 1 =50% l l l 0 l 0,min = max {0.3 α 6 l b,req ; 15φ; 200mm} Válter Lúcio Abril

11 A distância livre entre varões emendados não deve exceder 4φ nem 50mm l 0 4φ; 50mm Caso tal aconteça, o comprimento de emenda deve ser acrescido dessa distância l 0 + a a Sobreposições adjacentes: a distância longitudinal entre duas emendas deve ser superior a 0.3 l 0 ; 0.3 l 0 l 0 a distância livre entre duas sobreposições adjacentes não deve ser menor que 2φ nem 20mm. 2φ; 20mm Válter Lúcio Abril Os varões comprimidos podem ser emendados todos na mesma secção; Os varões traccionados: podem ser emendados todos na mesma secção se se encontrarem numa única camada; caso contrário apenas podem se emendados 50% dos varões na mesma secção. uma camada emendas de todos os varões duas camadas emendas de 50% dos varões Válter Lúcio Abril

12 ARMADURA TRANSVERSAL NA ZONA DA SOBREPOSIÇÃO Nas emendas por sobreposição, é necessário uma armadura transversal para resistir às forças de tracção que se desenvolvem devido ao mecanismo de transferência da força de um varão para o outro, através do betão. Quando φ < 20mm, ou se emenda menos de 25% dos varões duma secção, considera-se que as armaduras transversais existentes por outros motivos são suficientes para equilibrar as forças de tracção resultantes da emenda. Nos outros casos: t ou seja: A st A s Se mais de 50% dos varões forem emendados numa secção e a distância transversal entre emendas for a 10φ, as armaduras transversais devem constituir cintas. Varões traccionados l 0 Varões comprimidos l 0 t 150mm 150mm A st /2 A st /2 A st /2 A st /2 l 0 / 3 l 0 / 3 l 0 / 3 l 0 / 3 Válter Lúcio Abril φ 4φ 7. AGRUPAMENTOS DE VARÕES Podem-se agrupar varões com diferentes diâmetros desde que a razão entre os diâmetros não exceda 1,7. φ n = φ n b 55mm diâmetro equivalente do agrupamento Em que n b é o número de varões do agrupamento. n b 4 no caso de varões verticais comprimidos e de varões numa emenda por sobreposição; n b 3 nos restantes casos. Distância entre agrupamentos de varões s máximo { φ n ; d g + 5mm; 25mm} O recobrimento de agrupamentos de varões não deve ser inferior a φ n. Para a determinação do comprimento de sobreposição l 0 deve ser usado φ n. s Válter Lúcio Abril

13 BETÃO TRANSLÚCIDO (com fibras ópticas) Válter Lúcio Abril REGRAS PARTICULARES RELATIVAS A VIGAS 1. Regras gerais para zonas sísmicas 2. Armaduras longitudinais A. Armaduras longitudinais nas zonas críticas B. Armadura mínima de tracção C. Armaduras máximas D. Armadura nos apoios E. Dispensas de armaduras 3. Armaduras transversais A. Armadura mínima B. Espaçamentos máximos 4. Redistribuição de momentos Válter Lúcio Abril

14 1. Regras gerais para zonas sísmicas Definem-se com elementos estruturais primários para os sismos os elementos da estrutura responsáveis pela sua resistência e rigidez face à acção dos sismos. Em geral, os elementos estruturais primários para os sismos são as vigas, os pilares e as paredes principais da estrutura. As lajes, os lintéis e os pilaretes,, não são, em geral, considerados elementos estruturais primários para os sismos. Nos elementos estruturais primários para os sismos apenas se podem usar aços das classes de ductilidade B e C. σ MPa f tk = k f yk f yk Classe de ductilidade A B C k = (f t /f y ) k 1,05 1,08 1,15 < 1,35 ε uk (%) 2,5 5,0 7, ε uk ε % Válter Lúcio Abril No EC8 (EN1998), para efeitos da análise e pormenorização das estruturas para responderem às acções sísmicas, definem-se três classes estruturais: classe de ductilidade baixa DCL (low ductility class) classe de ductilidade média DCM (medium ductility class) classe de ductilidade alta DCH (high ductility class) Quanto mais elevada é a classe de ductilidade da estrutura, maiores são as exigências de ductilidade e menores as de resistência. Assim, para a classe de ductilidade média DCM exige-se que a estrutura seja mais resistente que na classe de ductilidade alta DCH, em contrapartida pode possuir menor capacidade de deformação plástica. No que se segue, considera-se se que a estrutura é da classe de ductilidade média DCM (medium ductility class). (para a classe de ductilidade baixa DCL ver EN1992 e para a classe de ductilidade alta DCH ver EN1998). Para a classe de ductilidade média (DCM) não devem ser usados betões b de classe de resistência inferior a C16/20 nos elementos estruturais primários. Válter Lúcio Abril

15 E 2 δ E E 1 - δ δ -E Estrutura mais dúctil, garantindo maiores deslocamentos horizontais, podendo ser menos resistente. δ E - δ δ As duas estruturas são igualmente eficientes se possuírem a mesma energia de deformação. Válter Lúcio Abril E ZONAS CRÍTICAS EM VIGAS Forças estáticas equivalentes à acção sísmica Momentos devidos à acção sísmica Comprimento da zona crítica da viga l cr h h Os maiores momentos flectores surgem nas extremidades dos pilares e das vigas. Zonas críticas zonas onde se podem formar rótulas plásticas devido à acção sísmica Válter Lúcio Abril

16 Para uma estrutura possuir maior ductilidade, terá que respeitar maiores exigências de pormenorização nas zonas críticas, designadamente: Estribos e cintas mais apertados para: confinar o betão, garantindo que este resiste a maiores deformações e ciclos de compressão-tracção; controlar a encurvadura das armaduras, as quais estão também sujeitas a maiores ciclos de compressão-tracção. Menores quantidades de armadura traccionada e maiores quantidades de armadura comprimida, garantindo, assim, que as armaduras plastificam devido à flexão das vigas. Válter Lúcio Abril Armaduras longitudinais A. ARMADURA LONGITUDINAL NAS ZONAS CRÍTICAS (DCM) Nas zonas críticas deve ser colocada na zona comprimida da secção uma quantidade de armadura pelo menos igual a metade da armadura traccionada, para além da necessária para efeitos de resistência aos Est. Lim. Últimos de flexão x10 f Nas zonas críticas, a taxa de armadura cd traccionada não deve exceder ρ max : onde: f cd é o valor de cálculo da resistência do betão à compressão f yd é o valor de cálculo da tensão de cedência do aço ε yd = f yd /E s é o valor de cálculo da extensão de cedência do aço ρ e ρ são as taxas de armadura traccionada e comprimida, respectivamente, sendo b a largura do banzo comprimido e d a altura útil da secção μ φ é o coeficiente de ductilidade á rotação da secção (ver EN para estruturas porticadas correntes e estruturas pórtico-parede, podemos considerar μ φ 5.0) A expressão anterior pode ser 3 1.8x10 apresentada em termos de ωmax = ω ' + percentagem mecânica de armadura: μ ε Válter Lúcio Abril ρ max = ρ ' + φ yd μ φ ρ = d ε yd A s bd A s A s f yd A s ρ' = bd b ω max, - ω A A

17 B. ARMADURA MÍNIMA DE TRACÇÃO (DCM) A taxa de armadura traccionada ρ é dada por: onde: ρ min f = 0.5 f ctm yk A s ρ = b d A t s é a a área da armadura traccionada b t é a largura média da zona de betão traccionado, e d é a altura útil da secção A s b t onde: f ctm é o valor médio da resistência à tracção do betão f yk é o valor característico da tensão de cedência do aço d Ou seja: f A = 0.5 s,min btd f ctm yk Classes de resistência do betão f ctm (MPa) ρ min,a400 (%) ρ min,a500 (%) C16/ C20/ C25/ C30/ C35/ C40/ C45/ C50/ C. ARMADURAS MÁXIMAS A s 0.04 A c A s 0.04 A c Onde A c é a área total da secção de betão, e A s e A s são as áreas de armadura de tracção e de compressão, respectivamente, excluindo as zonas de emenda por sobreposição. Válter Lúcio Abril D. ARMADURA NOS APOIOS Nos apoios extremos de vigas com continuidade com pilares, a armadura superior deve ser dimensionada para um momento não inferior a 15% do máximo momento no vão. A - s,apoio A s (15% M+ max ) 15% A+ s,vão A s,min Nos apoios extremos e intermédios de vigas, com ou sem continuidade com pilares, a armadura inferior não deve ser inferior a 25% da armadura máxima no vão. A + s,apoio 25% A+ s,vão A s,min Nos apoios extremos de vigas, o comprimento de amarração l bd da armadura inferior deve ser medido a partir da linha de contacto entre a viga e o apoio. Nos apoios intermédios de vigas, o comprimento de amarração l bd da armadura inferior deve ser medido a partir da linha de contacto entre a viga e o apoio e não deve ser inferior a 10φ em amarrações rectas, ou ao diâmetro do mandril em amarrações em gancho ou em cotovelo para φ 16mm, ou ao dobro do diâmetro do mandril para φ < 16mm. Válter Lúcio Abril

18 E. DISPENSA DA ARMADURA LONGITUDINAL O esforço transverso introduz um incremento de força na armadura traccionada, podendo esta ser dimensionada pela seguinte expressão: =M Ed / z V Ed cotgθ Este efeito pode, no entanto, ser tido em conta efectuando uma translação do diagrama de momentos flectores de: a l = 0.5 z cotgθ Os varões da armadura longitudinal, devem ser prolongados de um comprimento de amarração l bd para além da secção onde podem ser dispensados de acordo com a translação do diagrama de momentos. l bd al Nos apoios simples (M Ed = 0) as armaduras longitudinais devem ser dimensionadas para o efeito do esforço transverso: Δ = 0.5 V Ed (x=0) cotg θ al Válter Lúcio Abril al M' M' x M M ΔM 3. Armaduras transversais A. ARMADURA MÍNIMA O diâmetro das armaduras de esf. transverso não deve ser inferior a 6mm Taxa mínima de armadura de esf. transverso é dada por: sendo: A s sw = ρ b senα B. ESPAÇAMENTOS MÁXIMOS O espaçamento longitudinal em estribos verticais não deve exceder: s max = min {0.75d; 300mm} w w w,min 0.08 f Para armaduras verticais: (A sw /s) min 0.1% b w ρ = yk f ck O espaçamento longitudinal em estribos inclinados não deve exceder: s max = min {0.75d; 300mm} (1 + cotgα) O espaçamento longitudinal em varões inclinados não deve exceder: s max = 0.6d (1 + cotgα) Válter Lúcio Abril

19 A armadura longitudinal comprimida deve ser envolvida por armaduras transversais com espaçamento longitudinal máximo: s max =15φ. O espaçamento transversal não deve exceder: s max = min {0.75d; 600mm} NAS ZONAS CRÍTICAS: o espaçamento longitudinal de estribos verticais não deve exceder: s max = min {0.25h; 24φ t ; 225mm; 8φ} Onde h é a altura da secção da viga φ t é o diâmetro da armadura transversal e φ é o diâmetro da armadura longitudinal. O primeiro estribo não deve distar mais de 50mm da extremidade da viga. Válter Lúcio Abril PROGRAMA 1. Introdução ao betão armado 2. Bases de Projecto e Acções 3. Propriedades dos materiais: betão e aço 4. Durabilidade 5. Estados limite últimos de resistência à tracção e à compressão 6. Estado limite último de resistência à flexão simples 7. Estado limite último de resistência ao esforço transverso 8. Disposições construtivas relativas a vigas 9. Estados limite de fendilhação 10.Estados limite de deformação 11.Estados limite últimos de resistência à flexão composta com esforço normal e à flexão desviada 12. Estados limite últimos devido a deformação estrutural 13. Disposições construtivas relativas a pilares e paredes 14. Estado limite último de resistência à torção Válter Lúcio Abril

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes

Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes Estruturas de Betão Armado II 12 Método das Escores e Tirantes 1 INTRODUÇÃO Método de análise de zonas de descontinuidade, baseado no Teorema Estático da Teoria da Plasticidade. Este método permite obter

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO

PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO PROJECTO DE EDIFÍCIOS EM ZONAS SÍSMICAS - ELEMENTOS DE BETÃO SUBMETIDOS A ACÇÕES CÍCLICAS - EDIFÍCIOS DE BETÃO João F. Almeida António Costa MEE, EDIFÍCIOS DE BETÃO, MARÇO 2012 Introdução ÍNDICE (1/2)

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 3 MATERIAIS Válter Lúcio Mar.2006 1 PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais 1. Betão 2. Aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

Construção em Betão Pré-Fabricado Um desafio para o futuro

Construção em Betão Pré-Fabricado Um desafio para o futuro Construção em Betão Pré-Fabricado Um desafio para o futuro A Flexão e o Corte no Eurocódigo 2 Alguns resultados de investigação no IST José Noronha da Camara Ordem dos Engenheiros 10 de Fevereiro de 2006

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA TABELAS E FÓRMULAS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO DE VIGAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES E CISALHAMENTO APLIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 1 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenharia Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 3 HIPÓTESES DE CÁLCULO) Prof. Estela

Leia mais

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS Travamentos e Contraventamentos Estruturas de Coberturas Elementos Principais vencem o vão Elementos Secundários Exemplo: Planta geral da cobertura Planta da cobertura

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES

DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES DIMENSIONAMENTO DE LAJES ARMADAS EM DUAS DIRECÇÕES EXEMPLO DE APLICAÇÃO Carlos Moutinho FEUP, Maio de 2002 1. Dados Gerais - Laje destinada a zona comercial (Q = 4 kn/m 2 ) - Peso de revestimentos e paredes

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ESTABILIDADE E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Requerente: Local da obra: 1 - MEMÓRIA DESCRITIVA Dadas as características desta obra, considerou-se o emprego do betão da classe

Leia mais

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura.

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. Consolos Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. São balanços muito curtos e merecem tratamento a parte pois não valem as hipóteses

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Coimbra, Portugal, 2012 CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Paula R. C. Lamego 1,2 *, Paulo B. Lourenço 2 1: GuITTS, Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de

Leia mais

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1 Prof. Eduardo C. S. Thomaz 1 / 13 CONSOLOS CURTOS 1-SUMÁRIO Um consolo curto geralmente é definido geometricamente como sendo uma viga em balanço na qual a relação entre o comprimento ( a ) e a altura

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo.

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Figura 1 Modelo de cálculo. MEMÓRIA DE CÁLCULO Análise e dimensionamento O estudo do comportamento global da estrutura consistiu numa análise não linear efectuada com o programa Robot Millenium v.17. Nesta análise, a estrutura de

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 2323 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II NOTAS DE AULA ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

Leia mais

0,2. Propriedades do pilar. Contribuição do aço δ obtêm-se através da expressão: N pl,rd. é a resistência plástica à compressão da secção.

0,2. Propriedades do pilar. Contribuição do aço δ obtêm-se através da expressão: N pl,rd. é a resistência plástica à compressão da secção. Propriedades do pilar Contribuição do aço δ obtêm-se através da expressão: δ A a f yd pl,rd 0,2 δ 0,9 pl,rd é a resistência plástica à compressão da secção. Esbelteza relativa λ obtêm-se através da expressão:

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais 02/06/2014 Pré--Dimensionamento Pré Estacas: elementos utilizados quando o solo tem boa capacidade de suporte apenas a grandes profundidades e precisa suportar cargas pequenas a médias; Prof. Dr. Rafael

Leia mais

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO CONCRETO Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. Também é frequente o emprego de aditivos e adições. AGLOMERANTES Os aglomerantes

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SSede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 220-1762/220-6436

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se:

O primeiro passo para o projeto das vigas consiste em identificar os dados iniciais. Entre eles incluem-se: VIGAS CAPÍTULO 15 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 30 setembro 003 VIGAS são eementos ineares em que a fexão é preponderante (NBR 6118: 003, item 14.4.1.1). Portanto, os esforços

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE UMA PONTE FERROVIÁRIA SOBRE O RIO DOURO COM TABULEIRO MISTO AÇO-BETÃO

ESTUDO PRÉVIO DE UMA PONTE FERROVIÁRIA SOBRE O RIO DOURO COM TABULEIRO MISTO AÇO-BETÃO ESTUDO PRÉVIO DE UMA PONTE FERROVIÁRIA SOBRE O RIO DOURO COM TABULEIRO MISTO AÇO-BETÃO Catarina Mata da Nazaré Osório Ferreira Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNESP(Bauru/SP) 1309 - Estruturas de Concreto II - Torção em Vigas de Concreto rmado 1 TORÇÃO EM VIGS DE CONCRETO RMDO 1. INTRODUÇÃO Um conjugado que tende a torcer uma peça fazendo-a girar sobre o seu

Leia mais

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - "STRAIN GAGES" Exemplo: extensômetro Huggenberger

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - STRAIN GAGES Exemplo: extensômetro Huggenberger CAP. 3 - EXTENSÔMETOS - "STAIN GAGES" 3. - Extensômetros Mecânicos Exemplo: extensômetro Huggenberger Baseia-se na multiplicação do deslocamento através de mecanismos de alavancas. Da figura: l' = (w /

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL DE UMA UNIDADE MULTIFAMILIAR FABÍOLA SILVEIRA CAMPOS NÁJLA DE OLIVEIRA VICENTE

PROJETO ESTRUTURAL DE UMA UNIDADE MULTIFAMILIAR FABÍOLA SILVEIRA CAMPOS NÁJLA DE OLIVEIRA VICENTE PROJETO ESTRUTURL DE UM UNIDDE MULTIFMILIR FBÍOL SILVEIR CMPOS NÁJL DE OLIVEIR VICENTE UNIVERSIDDE ESTDUL DO NORTE FLUMINENSE DRCY RIBEIRO UENF CMPOS DOS GOYTCZES RJ MRÇO - 06 PROJETO ESTRUTURL DE UM UNIDDE

Leia mais

Projecto de um pavilhão industrial

Projecto de um pavilhão industrial Projecto de um pavilhão industrial Osmano Manuel Fins Morais Dissertação do MIEM Orientador: Prof. Carlos Manuel Balboa Reis Gomes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55]

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Adução / Dimensionamento Hidráulico

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas Novos Métodos para Dimensionamento Sísmico de Estruturas Rita Bento Instituto Superior Técnico Junho 2003 Ciclo de Palestras em Engenharia Civil 2003 Universidade Nova de Lisboa Centro de Investigação

Leia mais

Pré-esforço em lajes de edifícios

Pré-esforço em lajes de edifícios Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Pré-esforço em lajes de edifícios Paulo Oliveira 1 João Vinagre 2 Bernardo Lôbo 3 RESUMO O principal objetivo do presente trabalho

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Aderência e Ancoragens 2. DEFINIÇÕES Aderência (bond, em inglês) é a propriedade que impede que haja escorregamento de uma barra em relação ao concreto que a envolve. É, portanto, responsável

Leia mais

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 19 2 Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 2.1 Definições (conforme a Norma NBR6118:2003 - Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento). 2.1.1. Elementos de concreto protendido. Aqueles nos

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO AMÉRICO CAMPOS FILHO 04 SUMÁRIO Introdução... Escadas com vãos paralelos...

Leia mais

Vigas mistas pré-fabricadas VFT

Vigas mistas pré-fabricadas VFT Vigas mistas pré-fabricadas VFT Generalidades / Preâmbulo A construção de estruturas mistas de aço e betão caracteriza-se pela aplicação correta dessas duas matérias-primas de acordo com as caraterísticas

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

essa resistência através de ensaios realizados com modelos de cisternas comparáveis, não é necessário proceder aos ensaios.

essa resistência através de ensaios realizados com modelos de cisternas comparáveis, não é necessário proceder aos ensaios. CAPÍTULO 6.9 PRESCRIÇÕES RELATIVAS À CONCEPÇÃO, AO FABRICO, AOS EQUIPAMENTOS, À APROVAÇÃO DE TIPO, AOS ENSAIOS E À MARCAÇÃO DAS CISTERNAS FIXAS (VEÍCULOS-CISTERNAS), CISTERNAS DESMONTÁVEIS, CONTENTORES-CISTERNAS

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO

PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO PUNÇÃO EM LAJES DE CONCRETO ARMADO Prof. Eduardo Giugliani Colaboração Engº Fabrício Zuchetti ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO III FENG / PUCRS V.02 Panorama da Fissuração. Perspectiva e Corte 1 De acordo

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TABULEIROS

DIMENSIONAMENTO DE TABULEIROS DIMENSIONAMENTO DE TABULEIROS DE PONTES COM VIGAS DE BETÃO PRÉ-FABRICADO FREDERICO NUNES MIRANDA DA CUNHA Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

Manual de Detalhes Estruturais

Manual de Detalhes Estruturais Manual de Detalhes Estruturais Cálculo Espacial de Estruturas Tridimensionais Copyright 1987-2014,, S.. Reservados todos os direitos. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual, ainda que citando

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto

Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto Parâmetros de projeto de alvenaria estrutural com blocos de concreto reitor vice-reitor diretor da edufscar Targino de Araújo Filho Pedro Manoel Galetti Junior Oswaldo Mário Serra Truzzi EdUFSCar - Editora

Leia mais

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais.

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. 1. Introdução. Nas aulas anteriores foram fornecidas as bases teóricas para verificação analítica da segurança de estruturas de concreto.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Engenharia de Estruturas CONCRETO ARMADO: ESCADAS José Luiz Pinheiro Melges Libânio Miranda Pinheiro José Samuel Giongo Março

Leia mais

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL

11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL 11 - PROJETO ESTRUTURAL DO EDIFÍCIO DA ENGENHARIA CIVIL Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br Estruturas de Concreto Armado 216 11.1 - ARQUITETURA DO EDIFÍCIO Fernando Musso Junior musso@npd.ufes.br

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GG 50 GERDAU Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o vergalhão GG 50. Produzido rigorosamente

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

5 Caixas D água em Concreto Armado

5 Caixas D água em Concreto Armado 5 Caias D água em Concreto Armado 5.1 Introdução Na maioria dos edifícios e residências as formas usuais das paredes das caias d água são retangulares. Nos reservatórios elevados isolados são utilizadas

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 1/73 2/73 Tipos e Patologias Técnicas de Reforço Métodos Construtivos Disposições Construtivas Casos Práticos Tipos e Patologias 3/73 Tipos de Fundações tradicionais em terrenos brandos 4/73 Solução de

Leia mais