EMBALAGENS COMO FORMA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO NO PONTO-DE-VENDA DE AUTO-SERVIÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMBALAGENS COMO FORMA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO NO PONTO-DE-VENDA DE AUTO-SERVIÇO"

Transcrição

1 EMBALAGENS COMO FORMA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO NO PONTO-DE-VENDA DE AUTO-SERVIÇO Nathália Umbelino Borges RESUMO A presente pesquisa tem como objetivo estabelecer que a embalagem possui a função de proteger, transportar e conter produtos, além de transmitir a imagem empresarial do produto ao consumidor. A embalagem, além de ser responsável pela potencialização de vendas, é capaz de construir e reconhecer marcas fazendo com que o consumidor não distingua o produto de sua própria embalagem, favorecendo na atração do produto e em sua compra através de seu destaque no ponto-de-venda. Considerando que a embalagem passou a ser um elemento indispensável para a diferenciação dos produtos, diante da situação em que se encontra o mercado atual, altamente competitivo, pretende-se com o presente estudo entender o papel da embalagem enquanto ferramenta de marketing, comunicação, posicionamento e promoção dos produtos e analisá-la ainda como canal de comunicação direta com o consumidor, abrangendo os aspectos de design e mercadológicos que transformam a embalagem em um conjunto de estímulos, incentivos e necessidades acarretando o consumo do produto. PALAVRAS-CHAVE: Design, Marketing, Merchandising. INTRODUÇÃO A disputa pelo consumidor está cada vez mais acirrada, devido ao surgimento de novas marcas e à renovação de produtos que já pertencem ao mercado. Recentemente, verificou-se a importância de se observar e estudar os critérios nos quais o consumidor se fundamenta para escolher e comprar determinado produto. O comportamento do consumidor é baseado em necessidades fisiológicas, psicológicas e sociológicas que determinam as reações aos apelos mercadológicos. Entendese como necessidades fisiológicas as necessidades vitais relacionadas com a sobrevivência do indivíduo, as necessidades psicológicas como ligadas à satisfação sendo adquiridas no decorrer da vida e as necessidades sociológicas como relacionadas às atividades sociais. Devemos analisar e identificar o processo decisório do consumidor, ou seja, explicar as razões do seu comportamento de compra, analisando motivações conscientes e inconscientes que geram a escolha deste ou daquele produto no ponto-de-venda. Essas motivações conscientes e inconscientes estão ligadas, em grande parte, à análise da

2 2 embalagem e seus componentes. A embalagem é uma forma de comunicação direta com o consumidor e tem grande participação nessa disputa de mercado, uma vez que ela representa o primeiro contato do consumidor com o produto, sendo objeto primordial para a definição da escolha e da compra. Partindo do pressuposto de que a embalagem, enquanto canal de comunicação, carrega elementos essenciais para a sua função persuasiva, sendo esses elementos estéticos e funcionais, é capaz de criar uma situação de vínculo da empresa com o consumidor. Esta monografia é construída a partir de um aparato teórico e visa analisar esses elementos essenciais para a construção persuasiva de uma embalagem, ressaltando a importância de um planejamento da mesma durante a produção de um produto. Pretende-se, também, entender o papel da embalagem sendo uma ferramenta de marketing enquanto comunicação, posicionamento e promoção dos produtos. O capítulo 1 relata toda a história e evolução sofrida pelas embalagens desde o seu surgimento até os dias atuais, mostrando as modificações ocorridas nela tanto em suas utilizações como canal de comunicação, quanto em relação ao design. O capítulo 2 percorre a criação e o desenvolvimento de uma embalagem analisando o comportamento dos consumidores dentro de ponto-de-venda e conhecendo os estímulos, incentivos e necessidades que são criados através do design dela, ou seja, seus elementos como: cor, formato, tamanho, imagem, informações complementares, a fim de influenciar o consumo do produto. Já no capítulo 3, estuda-se o papel da embalagem enquanto ferramenta de marketing analisando os aspectos mercadológicos que podem ser trabalhados estrategicamente para se obter uma vantagem competitiva no ponto-de-venda. Vale ressaltar que ao final deste estudo teórico, os resultados adquiridos são aplicados de forma prática na análise da embalagem do novo produto da Nestlé, o Nescau 2.0, porém, não será a empresa, nem o seu produto, o objeto de estudo deste trabalho. Esta é somente uma exemplificação dos resultados adquiridos através do estudo e das análises da embalagem de um produto quando da sua reformulação para ser reintroduzida no mercado. A EVOLUÇÃO DA EMBALAGEM

3 3 O objetivo deste capítulo é relatar a história da embalagem desde o seu surgimento até os dias atuais, mostrando toda a sua evolução, tanto como canal de comunicação com o consumidor, quanto em relação aos materiais, ao design, que foram sendo modificados ao longo dos anos por influência de acontecimentos históricos. A embalagem acompanha a humanidade desde os primórdios da civilização quando surgiu a necessidade de agrupar e conter alimentos, possibilitando assim que eles fossem transportados e armazenados. Por volta do ano 1000 a.c; os médicos egípcios embalavam remédios em recipientes de bambu rotulados e jarros de barros gravados eram comuns na Grécia antiga, assim como também no Brasil pré-colonial os índios utilizavam conchas, folhas, chifres, cascas de frutos e de árvores e outros elementos derivados da natureza para acondicionar, armazenar e transportar, principalmente, alimentos. Com a evolução do mercado e a maior competição entre os produtos, houve a necessidade de se buscar novos recursos para o transporte das mercadorias. O progresso da indústria gráfica e das indústrias em geral levou as embalagens a incorporarem cada vez mais recursos. A maneira de como a embalagem foi incorporando funções, e estas foram sendo traduzidas em objetos, constituiu ao longo dos tempos um repertório iconográfico, uma espécie de vocabulário visual com características próprias: a linguagem visual da embalagem. A revolução da linguagem visual das embalagens dependeu sempre dos recursos gráficos e de produção existentes a cada época. A linguagem visual da embalagem constitui um vocabulário que os designers precisam conhecer para poder se comunicar com os consumidores. Esse é o principal diferencial do design de embalagem em relação às outras linguagens do design; existe um repertório exclusivo, construído ao longo dos séculos com a evolução do comércio e o desenvolvimento da sociedade de consumo, que dotou os produtos de uma roupagem que permite a identificação de seu conteúdo e facilita o processo de compra. (MESTRINER, 2001, p.10) Em 1798 duas invenções levaram à popularização dos rótulos: a máquina de fazer papel, inventada na França por Nicolas-Lois Robert, e o princípio da litografia, descoberto por Alois Senefeldern, na Bavária. A litografia é um processo de gravura em plano, executada sobre uma pedra calcária ou sobre uma placa de metal (em geral zinco ou alumínio), granidas, e baseado no fenômeno de repulsão entre as substâncias graxas e a água, usadas na tiragem, o qual impede que a tinta de impressão adira às partes que absorveram a umidade, por não terem sido inicialmente cobertas pelo desenho, feito também a tinta oleosa.

4 4 Em 1830 os rótulos já eram utilizados na maioria das formas de embalagem e para variados tipos de produtos, mas somente em 1850, quando George Baxter patenteou seu método de cromolitografia, que se permitiu a satisfatória impressão em cores nas embalagens. A cromolitografia é um método de impressão de imagens em cores superpostas por processos litográficos. A nova técnica possibilitou a inclusão de imagens que chamassem a atenção e cenas que ilustrassem situações em que o produto poderia ser utilizado. Os novos rótulos coloridos tornavam os produtos mais atraentes e logo os fabricantes perceberam que, decorados dessa forma, vendiam mais. Fonte: acesso em 08/03/2010 às 11h. Figura 1 Rótulos impressos em cromolitografia (Itália 1890). A economia mundial sofreu modificações profundas a partir da segunda metade do século XVIII, quando se iniciou a Revolução Industrial. Estreitamente relacionada ao desenvolvimento do sistema capitalista, a industrialização se estendeu por todo o mundo e determinou o surgimento de novas formas de sociedade, de estado e de pensamento. Em sentido restrito, a expressão Revolução Industrial aplica-se às transformações econômicas e técnicas ocorridas na Grã- Bretanha com o surgimento da grande indústria moderna. Com a Revolução Industrial o volume de produção aumentou extraordinariamente. A produção de bens deixou de ser artesanal e passou a ser máquino faturada, houve a aglomeração de pessoas em centros urbanos, causada, principalmente pela migração da população rural e somada à decrescente auto-suficiência das pessoas, cada vez mais carente de produtos, bens e serviços. Criou-se uma necessidade ainda maior de aumentar a produção para satisfazer a

5 5 essa demanda sempre crescente. Com o interesse de se produzir cada vez mais, com custos menores, iniciou-se a fabricação em série. [...] a produção em série, em grande escala, para um consumidor indeterminado. Enquanto antes se produzia para certo mercado, constituído por pessoas conhecidas, agora se produz para um mercado anônimo; enquanto antes o artigo era feito por um artesão, uma pessoa, agora o é pela máquina ou por várias pessoas, que dividem as tarefas, de modo a tornar o labor mais racional e rentável. A produtividade da máquina é evidentemente muito superior à do trabalho antigo. (IGLÉSIAS, 1990, p.48 e 49) Percebe-se que os elementos visuais básicos que constituíram as embalagens do século passado continuam presentes ainda que de forma modificada nas embalagens atuais. Faixas, filetes, bordas, selos, logotipos desenhados, splashes e imagens sugestivas do uso do produto continuam compondo o visual das embalagens que encontramos no mercado. Em contrapartida, Tambini (1999, p.232) descreve que o design e as formas evoluem a cada nova era: [...] em 1900, a compra de alimentos do dia-a-dia estava deixando de basearse na tradicional confiança em determinado comerciante e passando a depender do poder de influência da publicidade e embalagens encomendadas pelas fábricas. O design das embalagens ainda refletia as preferências do século XIX, com exceção das perfumarias e de outros ramos, que se valiam do estilo orgânico e sinuoso do momento, o art nouveau. Fonte: CAVALCANTI; CHAGAS (2006, p.42) Figura 2 Rótulo litográfico da Imperial Fábrica de Chocolate a Vapor, do Rio de Janeiro, desenvolvida com traços de Art Nouveau. A abertura dos portos com a vinda de D. João VI para o Brasil em 1808 modificou tão profundamente a economia, a cultura e a política brasileira, quanto também influenciou o destino das embalagens. A produção de embalagens em grandes quantidades foi surgir a partir da exportação dos produtos agrícolas. E essa produção transformou-se realmente em indústria, acompanhando o grande processo de industrialização, no final do século XIX. Assim surgiram a sacaria de

6 6 algodão para os moinhos de trigo, o metal para a lataria dos frigoríficos, os vidros para os remédios e perfumes, as garrafarias para cerveja, o papel para os cigarros e os embrulhos, o papelão para todos os tipos de caixa. (CAVALCANTI; CHAGAS, 2006, p.19) Nessa época, a produção no Brasil era primária suprindo somente as necessidades do país. A embalagem mal tinha a função de proteção, era utilizada somente como um recipiente onde os produtos eram colocados para serem transportados. Fonte: CAVALCANTI; CHAGAS (2006, p.157) Figura 3 As embalagens de madeira estão entre as mais antigas do mundo, eram utilizadas para transportar a maioria dos produtos. A primeira guerra mundial acelerou a tendência de produtos embalados individualmente, de forma avulsa, pois era muito mais fácil de distribuir e fornecer rações às tropas em pequenos pacotes. Muitos rótulos foram atualizados e as novas técnicas de embalagem melhoraram o acesso aos processos de lacramento dos produtos, possibilitando conservá-los frescos por um prazo maior. As tampas com furos, como as para talcos foram um dos grandes avanços nas formas de uso das embalagens nesta época. Fonte: acesso em 08/03/2010 às 12h. Figura 4 Embalagem de talco. A publicidade ganhou destaque à medida que os fabricantes brigavam pela atenção

7 7 do consumidor. Os anos de mudança após a primeira guerra continuavam, devido à diminuição do número de empregados domésticos e das famílias, ocasionando a redução no tamanho dos produtos. As embalagens passaram a ter um design mais limpo e claro, influenciados por cores mais vivas e linhas angulares do movimento art déco, caracterizado por padrões geométricos simples. Com o passar dos anos, as folhas de alumínio foram reconhecidas pela suas propriedades de barreira funcional, onde foi utilizado para fabricar embalagens de balas, durante os anos 20. Fonte: acesso em 08/03/2010 às 13h. Figura 5 Embalagem de cigarro feminino da década de 20. Elegantes e exóticos em design Art Déco. Na década de 30 os rótulos apresentavam extravagantes detalhes gráficos, com formas fortes e geométricas e as cores fortes. A arte gráfica se tornou mais ousada e simples, atraindo a atenção de modo imediato. As ilustrações realísticas nas embalagens estavam se tornando cada vez mais comuns, dando uma melhor impressão a respeito do real conteúdo do produto. A tecnologia da embalagem também estava se aperfeiçoando, nesta década, o celofane era mais higiênico para embalar produtos, e os plásticos e o alumínio, embora ainda caros, eram substituídos para os pesados potes de vidro. Foram desenvolvidos revestimentos de viscose para os tecidos, seguido pela introdução do celofane, que permitiu o desenvolvimento de embalagens à prova de umidade. Durante os anos 40 houve outra guerra, que afetou todos os aspectos da sociedade. As embalagens precisaram ser adaptadas em muitos países devido à escassez de tinta de impressão e materiais, tornando-a cada vez mais funcional. Os rótulos foram diminuídos a fim de economizar papel, e foi por esse motivo que as embalagens receberam um novo elemento em sua comunicação visual: o splash. Segundo Mestriner (2001, p.16)

8 8 originário das onomatopéias popularizadas pelas histórias em quadrinhos (...) os splashes eram elementos visuais chamativos que alertavam os atributos mais proeminentes dos produtos. Fonte: acesso em 08/03/2010 às 12h. Figura 6 Rótulos simples, embalagens simplificadas. O papel e o papelão eram racionados no período da guerra. Com o fim da segunda guerra mundial, vários países europeus industrializados foram atingidos pelas consequências do pós-guerra, particularmente aqueles que tiveram seus territórios afetados pelos conflitos e estavam em processo de reconstrução das suas economias. Durante este período de reconstrução, liderado aos poucos pelos EUA, as empresas norte-americanas puderam expandir suas atuações para aqueles países, conforme foi previsto no Plano Marshall, idealizado como legitimador e regulador dessa expansão. O pós-guerra não teve somente o crescimento dessas empresas, como consequência houve o surgimento de um novo tipo de consumidor. Este consumidor era mais exigente, imediatista e com disposição de aproveitar melhor a vida através do consumo de produtos e serviços. Relata Yanaze: [...] esse consumidor, podemos dizer, emerge das transformações do mundo provocadas pelo reconhecimento do poder destrutivo da guerra [...] essa nova consciência, levou às mobilizações da sociedade civil de corrida nuclear, sendo determinantes dos movimentos contraculturais emergente nos anos 50/60, de outro alterou os padrões de vida e de consumo vigentes no decorrer do século XIX e início do século XX, que privilegiavam projeto de vida de longo prazo e

9 9 valorização da poupança, com vistas à acumulação de bens a serem transmitidos aos descendentes. O novo homem pós-guerra passa a valorizar mais o conforto e o gozo imediato de vida, e encontra no progresso tecnológico e nos produtos dele decorrentes os suportes para a sua realização. (n. 5, p.88-92) Este consumismo exacerbado é atribuído a vários motivos como: o aprimoramento da tecnologia, as campanha publicitárias maçantes, o surgimento da televisão, a inovação de materiais, formas e cores, a demanda exigente de mercado e a variedade de produtos. As empresas passaram a se preocupar em conhecer melhor este novo consumidor, investigando suas motivações de compra. O desenvolvimento do comércio causou uma grande revolução no mundo das embalagens, que até então era dominado por bazares, armarinhos, quitandas e empórios em que os produtos, incluindo os perecíveis, eram pesados no balcão e vendidos a granel, porém devido à industrialização crescente dos alimentos e à nova maneira de acondicioná-los fizeram com que os produtos já viessem embalados de fábrica. Surgindo os supermercados como nova forma de comércio, como ressalta Cavalcanti; Chagas: Do arroz aos queijos, da farinha de mandioca aos dropes, dos xampus aos sorvetes, uma nova linha de montagem se disseminava, e os produtos empacotados na fábrica se tornavam uma realidade, cercados naturalmente pelos cuidados que cada um exigia. Assim se chegava à grande novidade comercial da época: os supermercados. (2006, p.129) Fonte: CAVALCANTI; CHAGAS (2006, p.124) Figura 7 Até a entrada dos supermercados, o domínio das vendas de secos e molhados era dos empórios ou armazéns. Os produtos eram vendidos a granel e pesados no caixa. Em se tratando da relação supermercados e embalagens, talvez seja impossível definir com precisão quem influenciou mais quem, pois não se sabe se o êxito do autoserviço no Brasil dependeu da embalagem ou se, pelo contrário, a evolução da indústria de

10 10 embalar mercadorias só foi possível por causa da profunda mudança ocorrida nos usos e costumes de atender o cliente no comércio brasileiro. O supermercado foi lançado em Nova York, nos EUA, em 1930, quando Michael Cullen, com uma ideia diferente em relação aos padrões da época, lançou uma estratégia simples: comprou um galpão industrial, adaptou o lugar para vender comida e deixou que as pessoas se servissem sozinhas apresentando características que prevalecem até hoje. Além da diferença no modo de atendimento aos consumidores também possuía preços mais baixos que os demais comércios. Posteriormente essa nova forma de comércio foi se expandindo para os demais países. As dificuldades enfrentadas para a implantação desta nova forma de comércio foram muitas. No Brasil, quando tudo começou, não havia fabricantes de gôndolas, nem de carrinhos de supermercados, balcões de frigoríficos abertos, muito menos de embalagens. Era relativamente fácil importar gôndolas, carrinhos e balcões, porém, o problema com as embalagens mostrou-se muito mais complicado e os supermercados se viam obrigados a improvisar máquinas de embalagens com caixotes e funis. A entrada dos supermercados veio mudar o enfoque da embalagem, pois atendem pelo sistema de auto-serviço, uma forma de vender pela qual o comprador tem a liberdade de fazer a escolha dos produtos que deseja, apanhá-los e levá-los até as caixas registradoras para pagá-los, sem que para isso haja qualquer interferência ou serviço pessoal na loja, surgindo assim a necessidade de produtos instantaneamente identificáveis, que vendem por si só nas gôndolas. Fonte: CAVALCANTI; CHAGAS (2006, p.138) Figura 7 Até a entrada dos supermercados, o domínio das vendas de secos e molhados era dos empórios ou armazéns. Os produtos eram vendidos a granel e pesados no caixa.

11 11 A embalagem começou a funcionar como um elemento indutor da venda como afirma Tambini (1999, p.234) (...) as embalagens foram capazes de substituir o vendedor com seu design e conteúdo informativo, viabilizando o auto-serviço. O próprio consumidor passava por um aprendizado, outra dificuldade encontrada, pois sentia falta do atendimento pessoal, do bate-papo com o balconista, da atenção do próprio dono, que às vezes o ajudava a escolher, a comparar os preços. No auto- serviço, as pessoas precisavam decidir sozinhas, como bem apresenta Mestriner (2001, p.16) (...) a venda dos produtos no sistema de auto-serviço obrigou uma completa reformulação na função das embalagens (...) a embalagem deveria fazer tudo isso sozinha. O supermercado também influenciou no grafismo e na forma de expor as embalagens, colocadas em pé, expostas para o consumidor como um incentivo à venda e economizando espaço expositivo na gôndola, e não mais deitada, na pilha que o vendedor tirava da prateleira às suas costas. Trouxe também o conceito da multiplicação, onde um produto que antes se perpetuava no mercado, se multiplica agora em mix de produtos, para melhor ocupar espaço na gôndola. As versões diet e light, assim como os variados sabores deste produto, ajudam a diminuir o espaço dos concorrentes. Trata-se de uma estratégia de fragmentação, que as empresas criaram e praticam para melhorar a divulgação de suas marcas diante dos concorrentes. Conforme essas mudanças, ela foi ganhando novas funções e maior importância. A embalagem deixou de ser apenas um invólucro protetor do produto, ou apenas o elemento que facilita sua distribuição. A todas essas funções foram acrescidas outras que tem exigido atenção e cuidados por parte de técnicos que se preocupam com seus elementos e seu design. (BLESSA, 2009, p.19) Outra novidade é que as gôndolas, além de colocarem o consumidor diretamente com o produto, também o colocam diante de produtos semelhantes, concorrentes. Em consequência, a proliferação de marcas e a quantidade de produtos no mercado, que possuem funções e embalagens similares, a embalagem transformou em um elemento fundamental na comunicação das mercadorias, onde exige do designer e do fabricante estratégias mercadológicas para vencer a competição acirrada. Lincoln Seragini (apud CANDELORO, 1997) ressalta a importância da embalagem em uma visita rápida a lugares cheios de prateleiras (por exemplo, um supermercado), onde o comprador só consegue avistar 10% dos itens expostos. A

12 12 velocidade média com a qual os olhos correm pelas prateleiras é de 100 quilômetros por hora, necessitando assim de um estudo adequado para indicar a melhor maneira de utilizar cores, formas e outras ferramentas para chamar a atenção do consumidor para o produto desejado. A embalagem passou a ser vista, a partir dos anos 80, como uma oportunidade de comunicação direta com o consumidor, pois muitas vezes é o seu primeiro contato com o produto sendo um veículo ainda mais poderoso de venda de produtos. Os designers perceberam que a embalagem poderia ser integrada a toda concepção de marca, e se for bem planejada irá atrair o seu target 1 e poderá levar ao consumo, se não, passará despercebida em meio à concorrência. A tecnologia de corte e dobra de materiais e moldagem de plásticos foi se tornando mais barata, propiciando ideias cada vez mais inovadoras. Figura 9 Embalagem do Ponche Havaiano e Água Mineral Vittel, nos anos 80, utilizando a tecnologia de corte e moldagem de materiais. Fonte: acesso em 08/03/2010 às 13h. O Novo Cenário para a Indústria de Embalagens Assim, a embalagem foi se tornando um instrumento de publicidade, e vem se transformando em um setor competitivo, essencial para o sucesso dos negócios. De acordo com Mestriner (2001, p.11) a embalagem é uma ferramenta de marketing sendo que nos produtos de consumo são também um instrumento de comunicação e venda. A embalagem atual continua sendo altamente bem sucedida e inovadora, incorporando elementos de linguagens de outras áreas, acompanhando a moda e as tendências 1 Target: público-alvo

13 13 culturais e sociais e responde às premissas de marketing do produto. Campanhas de fidelização de clientes, divulgação da linha de produtos, construção da imagem da marca, ações promocionais, entre outras são desenvolvidas a partir de embalagens, que passaram a funcionar como uma mídia dirigida aos consumidores efetivos do produto. Tudo indica que a inovação é um fator decisivo no novo cenário competitivo. A indústria brasileira de embalagens tem conseguido algumas conquistas que indicam que esta atividade no país vem seguindo tendências internacionais de buscar novos desenvolvimentos e inovações para competir num mercado cada vez mais exigente. A tecnologia de materiais e pigmentos vem oferecendo um amplo leque de oportunidades que devem ser exploradas no futuro. Tintas luminosas, extrabrilhantes tem dado um novo realce aos produtos, constituindo a tendência de cores não usuais. De acordo com Haberfeld 2, em uma entrevista a revista About (junho, 2001): Podemos vislumbrar que o design de embalagem vai dar um grande salto qualitativo nos próximos anos, pois cada vez mais as empresas verão nas embalagens a solução para conquistar e manter posições num ambiente competitivo e que se move em grande velocidade. Existem dois grandes desafios impostos ao setor de embalagem de acordo com Gracioso (2000). O primeiro desafio é a embalagem que está cada vez mais integrada com o produto, sendo capaz de mesmo vazia, representá-lo. O segundo é que a indústria de embalagem precisa pensar na etapa do pós-consumo e adotar medidas para a solução deste problema. Conforme Manzini; Vezzoli (2002), o desenvolvimento de produtos deve ser sustentável, ou seja, o projeto deve ser desenvolvido com base no seu ciclo de vida. O desenvolvimento do produto deve prever sua maior durabilidade, sua reutilização, remanufatura, ou ainda, a reciclagem dos materiais que o compõem. O desenvolvimento de produtos sustentáveis tem grande importância para a humanidade, pois existe uma grande preocupação com o consumo de recursos naturais, uma grande ameaça ao futuro da espécie humana. Muitas abordagens e conceitos tem sido desenvolvidos nas últimas décadas para tratar de problemas ambientais, tais como a produção mais limpa, tecnologias mais limpas, minimização de resíduos e abordagens que visam à reciclagem, ecodesign e 2 Haberfeld: Entrevista concedida por Haberfeld, então presidente da ABRE, Associação Brasileira de Embalagem,à Revista About de Junho de 2001.

14 14 design para a sustentabilidade. Para atingir a sustentabilidade ambiental não basta mudar o que antes existia, mas sim pensar em novas mudanças em serviços e produtos diferentes dos atuais. Em uma entrevista para a Revista EmbalagemMarca (nº 15, setembro, 2000), Sinkevisque 3 relata o futuro das embalagens: A internet com o e-commerce, o meio-ambiente, a reciclagem ou a reutilização e a globalização são algumas das questões que afetam o futuro das embalagens, exigindo novas atitudes de todos os envolvidos com este tema, pois cada vez mais as embalagens devem possuir imagens que sejam integradas ao produto e que, consequentemente, mesmo depois de vazia, o represente. A preocupação com a preservação ambiental é a condição limitadora mais forte no setor das embalagens. Os pesquisadores não podem ignorar, em nenhum caso, o destino da embalagem pós-consumo. O aumento da preocupação mundial com o meio ambiente e a ecologia tem pressionado os fabricantes a fornecerem produtos em embalagens recicláveis e/ou biodegradável. Toda a embalagem será reciclável num futuro próximo, mas existem sérias críticas dos especialistas aos produtos biodegradáveis. Eles não a consideram uma vantagem porque, em última instância, modificam a qualidade de água e do ar e desrespeitam o princípio de que tudo que é retirado da natureza deve ser aproveitado ao extremo. Os produtos biodegradáveis não podem ser reaproveitados. Os materiais renováveis são tidos como a grande solução ambiental. Embalagens responsáveis, que não vendem somente o seu conteúdo, mas sim toda uma preocupação com as leis ambientais e preservação da natureza. Fica evidente, ainda, o alto custo na produção de embalagens ecológicas, o que dificulta a adequação das empresas, podendo também provocar aumento nos preços do produto final. Entretanto, uma estrutura de design bem desenvolvida, com economia de materiais e tempo de produção, abordando preocupações como logística e peso, pode ajudar a empresa a fazer seu papel e conquistar sua fatia no mercado de consumidores fiéis. Tendo como grande desafio mundial a diminuição do impacto ambiental, uma solução apresentada, entre outras soluções renováveis, são as embalagens de reposição. As embalagens de reposição, que podem ser chamadas de embalagens refiláveis ou produtos pelados, são embalagens que podem ser recarregáveis, ou seja, a embalagem é utilizada 3 Sinkevisque: Entrevista concedida por Sinkevisque, um dos maiores especialistas em embalagem no Brasil, já trabalhou nas empresas Gessy Leser, Avon, Gillette, Johnson&Johnson e Nestlé e atualmente possui uma empresa de consultoria onde atende algumas empresas de expressão.

15 15 novamente comprando somente o conteúdo interno do produto que são chamados de refis, com isso, reduz embalagem no pós- consumo proporcionando vantagens econômicas para o consumidor e para o meio- ambiente. Grandes empresas de produtos de limpeza, de cosméticos, produtos de maquiagem e produtos de higiene, com suas embalagens plásticas passam a aderir ao movimento em busca de soluções de menor impacto ao meio ambiente. O britânico Andrew Eyles, diretor da Blue Marlin, uma das mais requisitadas consultorias internacionais de design e gestão de marcas, para a revista Embalagem Marca (2009, p.16) destaca: Além de estimular recompras, que é o seu objetivo principal, embalagens de reposição podem também gerar diversificação das vendas e um engajamento efetivo na sustentabilidade. Desde o surgimento do computador, a Internet tem se sobressaído pelo impacto na condução de negócios, viabilizando o ambiente digital, que permite a realização eletrônica de negócios, como o comércio eletrônico (e-commerce). O e- commerce promove a venda de forma virtual. Geralmente os produtos virtuais são baseados em informações e descrições do produto para que o consumidor possa saber suas funções e características. A embalagem dos produtos também é utilizada para auxiliar as vendas neste comércio, porém não é mais uma forma de comunicação direta com o consumidor, nem o seu primeiro contato com o produto no processo de compra. Segundo algumas teorias e especulações, a embalagem que é vista na tela dos computadores terá de ter outro tratamento de cores, de brilho, de design. O caminho será a suavização no uso das cores e de grafismos voltados ao impacto. Como não há sentido no uso de tais recursos numa mídia eletrônica que ainda é de baixa resolução e captação lenta de imagens, tudo favorece um conceito estético minimalista, baseado no uso de uma cor determinante para a embalagem, ligada estritamente à comunicação visual do produto ou marca. A logotípia também ganhará força, não bastará uma tipologia ou um elemento gráfico que transmita sensações e percepções, mais que informe de que o produto se trata ou qual é o benefício, o atributo, aplicação deste produto. A embalagem passa a ser uma forma de identificar o produto, porém o que influencia nas compras são as descrições e informações adicionadas a ela. Recentemente, novas tecnologias e fatores surgiram para ajudar o papel do design na exposição no monitor. Entre elas as comunicações de alta velocidade e sistemas avançados de definição de cores na web. Essas novas tecnologias podem facilitar a venda de produtos cujas embalagens não poderão decepcionar o consumidor. Com o e-commerce, os produtos são enviados em uma caixa

16 16 podendo conter várias embalagens, ou apenas uma única, porém esta deverá resistir devidamente até sua chegada ao consumidor. Tampas flip-top, que permitem que o produto seja aberto e fechado facilmente, plásticos transparentes possibilitando a visualização do produto, latas com fechamentos a vácuo e lacre de látex, que ao ser retirado deixa o ar entrar liberando a abertura da tampa dispensado a necessidade de abridor de latas são alguns exemplos dos formatos e dos acessórios que deram às embalagens mais praticidade, diferenciação, sofisticação e segurança. Fonte: CAVALCANTI; CHAGAS (2006, p.138) Figura 10 Latas com fechamento a vácuo e lacre de látex, quando retirado deixa o ar entrar liberando a abertura da tampa dispensando a necessidade do abridor de latas. A criação de uma embalagem de sucesso, além de contar com logotipo e layout que a valorize, também deve envolver o estudo constante de novos materiais e novos avanços tecnológicos, levando-se em conta não só a sua função informativa como também a estratégia de posicionamento, a sustentabilidade e a tecnoeconomia desse setor, ou seja, a embalagem é sempre o resultado de um compromisso entre a sua função específica (proteção, manuseio), as vantagens competitivas que se pretende obter (comunicação, posicionamento) e o seu custo. O seu custo ainda é um problema para as empresas, principalmente para as de pequeno porte, porém, há um reconhecimento quanto ao seu papel fundamental no posicionamento dos produtos e na comunicação com o mercado. O setor de embalagens compreende uma cadeia industrial que vai da matéria- prima

17 17 aos fabricantes das mesmas, passando pela indústria de máquinas e equipamentos e pelos escritórios de design e comunicação. Envolve tanto quem pensa na criação, como quem as fábricas e os que envasam os produtos nas embalagens. Ao criar uma embalagem, o designer precisa integrar elementos de identificação como formas, cores, dimensões, entre outros, capazes de determinar a escolha e a compra do produto. Estes elementos serão analisados de maneira aprofundada no capítulo seguinte. A CONSTRUÇÃO DA EMBALAGEM A utilização da imagem se generaliza e todos os dias acabamos sendo levados a utilizá-la e, por conseqüência, decifrá-la e interpretá-la. Por um lado, lemos as imagens de uma maneira que nos parece totalmente natural, por outro, temos a impressão de estarmos sendo manipulados inconscientemente com códigos. As imagens provocam significações, isto é, interpretações. Um signo exprime ideias e provoca na mente uma atitude interpretativa de acordo com o repertório cultural de quem o decodifica. Como afirma Joly: Instrumento de comunicação, divindade, a imagem assemelha-se ou confunde-se com o que representa. Visualmente imitadora, pode enganar ou educar. Reflexo, pode levar ao conhecimento. A Sobrevivência, o Sagrado, a Morte, o Saber, a Verdade, a Arte, se tivermos um mínimo de memória, são os campos a que o simples termo 'imagem' nos vincula. Consciente ou não, essa história nos constituiu e nos convida a abordar a imagem de uma maneira complexa, a atribuir-lhe espontaneamente poderes mágicos, vinculada a todos os nossos grandes mitos. (1996, p.19) Um dos principais campos de atuação da semiótica é o da imagem, sendo a imagem concebida como representação plástica, material, virtual ou aquilo que evoca uma determinada coisa por ter com ela uma relação simbólica. De acordo com Perez (2004, p.147) a imagem pode ser produto da imaginação, consciente ou inconsciente, ou ser uma simples visão. Já Peirce (1977) fala de semiologia como ciência geral dos signos e abre a noção de significante/significado para demonstrar a natureza do signo, sendo forma e também substância. O signo carrega substâncias que são as reais portadoras dos significados que os sujeitos enunciatários vão ter do signo apelando para os diversos sentidos, além de ser também ideológico. Sendo assim, a imagem possui dois lados: de um lado a tangibilidade, de fácil percepção (significado) e, de outro, uma imagem mental mais abstrata, que pode

18 18 ser tão somente imaginada, pensada, intangível (significante). Todas essas variáveis resultarão numa percepção do produto, que irá gerar atitudes positivas ou negativas, e terá impactos sobre suas preferências. Perceber é tomar conhecimento de um objeto. Para isso, é preciso focalizar a atenção sobre ele. A atenção é uma condição essencial para que haja percepção (KARSAKLIAN, 2000, p.43). A embalagem traz essa percepção. A visão é o primeiro sentido humano responsável pelo processo de compra, um primeiro estímulo que faz com que o cérebro reaja em direção ao produto. Portanto, os investimentos em embalagens, assim como também em marca, nome fácil, displays e materiais de apoio são cativadores de percepções e impulsionadores de vendas, dentre os diversos aspectos que influenciam a visualização de objetos. Uma embalagem deve chamar a atenção, fazendo-se visível no ponto-de-venda, além de facilitar a memorização e comunicar o produto, também deve inspirar confiança e atrair visualmente criando associações positivas. Semiótica Aplicada nas Embalagens Em termos de efeito da criação publicitária e na relação da embalagem com o consumidor, é pertinente relatar que todo produto tem sua cultura, sendo assim cada mercado a que a embalagem se destina deverá ter um visual que possua ligação com a cultura local. Na cultura contemporânea são os meios de comunicação de massa que atribuem intensivamente significados aos objetos, classificando a produção e socializando o consumo. Para se estabelecer uma comunicação eficiente com o consumidor é preciso que o sistema de códigos (signos, sinais, símbolos) seja difundido através de um canal capaz de permitir a recepção da mensagem pelo consumidor e a sua compreensão podendo levar a uma ação, a compra. A embalagem é o principal elo de ligação, em termos de comunicação, entre o consumidor, o produto e a marca. São objetos semióticos de caráter expressivo e portadores de informações, portanto, podem ser vistas como mídias, veículos de comunicação carregadas de significado. Conforme Perez: A embalagem constitui em um limiar semiótico entre o objeto e o sujeito ao qual se destina. Consiste em uma fronteira que, como tal, se revela como primeiro ponto de contato. É um importante elemento da expressividade marcária, especialmente para os produtos de consumo em auto-serviço. (2004, p.66)

19 19 A semiótica de Peirce (1977), como foi estudada acima, é a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Sendo a imagem como um dos principais campos de atuação da semiótica, uma embalagem se torna uma imagem com propriedades expressivas quando agrada seu consumidor e oferece-lhe sensações específicas. Os elementos gráficos como forma, cor, imagens, tipografia, entre outros, são os que dão força de atração visual em uma embalagem, consistindo na capacidade de promover uma intersemiose, isto é, a comunicação na qual estão envolvidos os signos, como a tipografia e as imagens, para compor uma só mensagem. Esta combinação de signos como os textos, as ilustrações e a forma tornam a embalagem em composto semiótico. As embalagens, como objetos semióticos, são portadores de informação, e, portanto, mídias, veículos de mensagens carregadas de significação. Nas embalagens, os planos, os espaçamentos e os materiais constituem-se como espaços privilegiados de significação e devem ser planejados e executados com essa perspectiva sígnica. (PEREZ, 2004, p.66) Sem dúvida, a embalagem, como canal de comunicação, apresenta um novo leque de associações simbólicas na mente do consumidor, como deixa claro Cheskin (1964, p.44): A embalagem (...) representa o produto. A embalagem é uma imagem visual do produto. O seu símbolo. O consumidor faz suas escolhas no ponto-de-venda com base no efeito visual, ou seja, inconscientemente transfere o efeito do exterior da embalagem para o seu conteúdo. A imagem de uma embalagem acaba identificada com o produto por associação e assim a embalagem se torna um ícone. A grande força dela está no fato de que no ponto-de-venda ocorre uma batalha de percepção e atenção e não de produtos. Neste sentido, a embalagem tem poder de fazer com que o produto seja percebido de maneira simbólica, agregando a ele novos valores e significados. O Aspecto Físico das Marcas Dentro do contexto histórico e mercadológico, as marcas ganham relevância na gestão das organizações, chegando a serem consideradas como patrimônio para boa parte delas. Uma marca é um nome, termo, símbolo, desenho ou até uma combinação desses elementos que deve identificar os bens ou serviços de um fornecedor ou grupo de fornecedores e diferenciá-los dos da concorrência. Segundo Kotler (2000), marca é a tradução de conceitos e valores, tem

20 20 personalidade e gera identificação. Pode estar relacionada ao estilo de vida dos consumidores e precisa criar experiências relevantes e memoráveis, para ficar registrada na lembrança dos mesmos. As marcas se expressam e se mostram de diversas maneiras com o objetivo de aplicar seus efeitos e sentidos ao produto a fim de impactar o consumidor. No caso da criação de embalagens, os elementos de expressividade marcária são: as cores de fundo da embalagem, a tipologia empregada no nome do produto, formas, materiais, grafismos, ilustrações, fotos, texturas e os movimentos que o conjunto visual transmitem para o consumidor. Esses elementos são levados até a embalagem com a intenção de adentrar os sentidos e causar sensações agradáveis e efetivas que levam a uma decisão de consumo. Segundo Perez (2004), uma marca não é somente um produto, mas é também uma entidade perceptual que existe num espaço psicológico, na mente do consumidor. O que vemos na prateleira do supermercado (ou em outro comércio) não é a marca, mas seu aspecto físico: o produto e a embalagem. A publicidade é o meio que temos para acessar a mente dos consumidores e criar um espaço perceptual de imagens, símbolos e sensações que definem a entidade perceptual que chamamos de marca. As marcas se expressam por meio do nome que apresentam, do logotipo, da forma e do design dos produtos que encarnam da embalagem e do rótulo, da cor, do slogan, do jingle, da personalidade, do personagem que representa de um mascote, além de outros recursos e do contexto organizacional. [...] Dentro desse espaço perceptual da marca podemos criar mundos imaginários sedutores, fábulas, sonhos e personagens míticos que, graças às ferramentas publicitárias, ficam associados ao produto e que finalmente passam a definir a marca. (PEREZ, 2004, p.47-48) As empresas utilizam de várias maneiras para expressarem e mostrarem as suas marcas, tendo como objetivo a aplicação de efeitos e sentidos. Os elementos de expressão marcária são levados nas embalagens com a intenção de adentrar os sentidos dos consumidores e causar sensações agradáveis levando a uma decisão de consumo e estabelecendo uma conexão com o consumidor. Como já vimos, a imagem possui dois lados, sendo então, de um lado, a embalagem como algo tangível, de fácil percepção (significado) e, de outro, a marca como uma imagem mental mais abstrata (significante). O Consumo e o Comportamento do Consumidor A atividade do consumo atualmente é influenciada pelo movimento de seus

Introdução ao Mundo da Embalagem

Introdução ao Mundo da Embalagem Introdução ao Mundo da Embalagem Desenhar embalagens que realmente contribuam para o sucesso do produto na competição de mercado não é uma tarefa fácil. A embalagem é hoje um importante componente da atividade

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers ASSUNTO em pauta As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers As lojas de shopping não estão explorando todo o potencial desta poderosa ferramenta de marketing. P o r Fábio Mestriner

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL

PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL SEMINÁRIO - SIAC 23174 (PI) ÉVORA 30-04-2014 PORTUGAL ANGOLA CABO CABO VERDE VERDE MACAU MOÇAMBIQUE SÃO SÃO TOMÉE PRÍNCIPE TIMOR PROTEGER MARCAS NA ECONOMIA GLOBAL Economia

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity Desenvolvimento de Marcas Fortes Criação de Brand Equity 1. O que é brand equity? Equity significa valor/patrimônio. Brand equity = valor da marca/patrimônio de marca. A American Marketing Association

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais