UMA ANÁLISE DA GEOMETRIA OFERECIDA PELA CONSTELAÇÃO FINAL GPS, PARA POSICIONAMENTOS POR PONTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE DA GEOMETRIA OFERECIDA PELA CONSTELAÇÃO FINAL GPS, PARA POSICIONAMENTOS POR PONTO."

Transcrição

1 DALTO DOMINGOS RODRIGUES UMA ANÁLISE DA GEOMETRIA OFERECIDA PELA CONSTELAÇÃO FINAL 1 DO SISTEMA GPS, PARA POSICIONAMENTOS POR PONTO. Dissertação apresentada ao curso de Pós- Graduação em Ciências Geodésicas da Universidade Federal do Paraná, para obtenção do grau de Mestre em Ciências. CURITIBA

2 UMA ANÁLISE DA GEOMETRIA OFERECIDA PELA CONSTELAÇÃO FINAL DO SISTEMA GPS, PARA POSICIONAMENTOS POR PONTO Dissertação apresentada ao curso de Pós-GraduaçSo em Ciências Geodésicas para obtenção do grau de Mestre em Ciências pela Universidade Federal do Paraná.. Por DALTO DOMINGOS RODRIGUES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ BANCA EXAMINADORA:

3 AGRADECIMENTOS Por tudo, agradeço a Deus. Agradeço ao professor pela orien tação, incen tivo e apoio; José Bittencourt de Andrade, Ao professor João Bosco Lugnani, pelos conhecimentos transm itidos com entusiasmo e de forma transparente; desenhos; A S érgio Kiyoshi Domeu, pela elaboração dos Ao Núcleo de Processamento de Dados CNPDJ da Universidade Estadual de Maringá, pela grande colaboração; Aos p rofessores e colegas da UFPr e UEM que de alguma forma colaboraram na elaboração deste trabalho. i i i

4 D E D I C A Ç Ã O Dedico A meus Pai s ; A mi nha esposa A meus filh o s : Maira, Renan e Iara. iv

5 SUMARIO Pági na T itu lo... i i Agradecimentos... D e d ic a ç S o... S u m á rio... i i i iv v L is t a de fig u ra s... v i i i L is t a de tab e las... ix L is t a de sím bolos... x Resumo... A b strac t... x i i i x i i i 1 - INTRODUÇÃO 1.1. P rin c íp io do posicionamento por s a t é lit e s GPS Esboço do t r a b a l h o O SEGMENTO CO ESPAÇO 2.1. O s a t é lit e e a d istrib u iç S o o rb ita l Os s in a is transm itidos C álculo das coordenadas dos s a t é lit e s GPS, u tiliz a n d o as efemérides transm itidas C álculo do e fe it o da refraçs o atm osférica RefraçSo io n o sfé ric a RefraçSo t ro p o s fé ric a RefraçSo atm osférica v

6 3 - RECEPTORES GPS 3.1. Os d iferen tes tip o s de receptores G P S RealizaçSo das medidas Pseudo-tempo de propagação Fase da p o r t a d o r a EXPLICITAÇÃO DAS INCÓGNITAS DE INTERESSE NAS OBSERVAÇÕES REALIZADAS 4.1. Pseudo-dist&ncia Fase da portadora Simples d iferen ça de f a s e Dupla d iferen ça de f a s e T rip la diferen ça de f a s e PROCESSAMENTO DAS EQUAÇÕES DE OBSERVAÇÃO 5.1. Posicionamento instantâneo por ponto Posiciopamento por ponto com pós-processamento UM PLANO DE RASTREIO, PARA POSICIONAMENTOS POR PONTO 6.1. Dados necessários para o p lan ejam en to Sequência de operaçoes CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS vi

7 APÊNDICE A : Subrotina XYZSAT Subrotina SEMANA Subrotina FLHXY Subrotina ESC3ST Subrotina FADOPS Subrotina PMTM Subrotina VERSOL v i i

8 LISTA DE FIGURAS Sistema de re fe rê n c ia para o ponto P e os s a t é l i t e s... Consteiação fin a l do "Global P osítion in g System"... D is trib u iç ã o o rb ita l dos s a t é lit e s GPS, em 21 >"10/86 às 0^ na e scala de tempo GPS, adotada nas simulaç&es fe it a s neste trabalh o... S in a is transm itidos, no instante t, pelo s a t é lit e i do sistema GPS... Variação da re fra ç ã o tro p o sfé ric a com a eleveção... Fase da portadora, geometricamente... Situação geométrica na obtenção simultânea de duas fa se s da portadora, por dois d iferen tes recep to res... Variação na precisão de um posicionamento instantâneo por ponto... Variação na p recisão de um posicionamento por ponto com p6s-processamento, u tilizan d o d ife re n te s in te rv a lo s DT.. Vetor u n itá rio de uma estação a um s a t é lit e, no sistema topocêntrico... TeLraedro determinado pelas posiçses de quatro s a t é lit e s GRÁFICO PDOP. DT = 30 minutos... GRÁFICO PDOP. DT = 5 minutos... GRÁFICO DE DISPONIBILIDADE... GRÁFICO POLAR v i i i

9 LISTA DE TABELAS Subquadro 1 da mensagem G P S Subquadros 2 e 3 da mensagem G P S Subquadro 5 da mensagem G P S Pseudo-tempos de propagaçso observados CDados : TR e t? Pseudo-tempos de propagaçso observados CDados : TR, Z-Count, Códigos X e P PrecisSo de um posicionamento por ponto alcançada com 400 observaçses DTN = O tempo de observaçso n ecessário para a tin g ir uma precisso de 0,54 metros i x

10 LISTA DE SÍMBOLOS We = A velocidade de rotação da te rra ; C = A velocidade da luz no vácuo; f s = A freqüência da portadora transm itida pelo s a t é lit e ; f r = A frequência da portadora recebida pelo receptor; f g - A freqüência gerada pelo receptor; As = O comprimento de onda da portadora transm itida; t t = O instante de transm issão do sin al na escala de tempo GPS; tr - O instan te de recepção do sin al na escala de tempo GPS; TS = O instante de transm issão do sin al s a t é li te; no re ló g io do TR = O instan te de re a liz a ç ã o de uma medida, pelo re ló g io do receptor; registrad o ATS = TS - t t = O estado do re ló g io do s a t é lit e em relação a escala de tempo GPS; ATR = TR - tr = O estado do re ló g io do receptor em relação a escala de tempo GPS; ATA = O atraso na propagação do sin al atmosf é rica; devido a refração TP = tr - t t = O tempo de propagação real do s in a l; t = TR - TS = O pseudo-tempo de propagação do s in a l; DGCtt,tr3 = A d istân cia geométrica entre a posição do s a t é l i t e no instan te t t e a posição do receptor no in stan te t r ; x

11 PD = C. T = A pseudo-distancia s a t é l1te -re c e p to r; f>s = A fa se transm itida pelo s a t é lit e ; f>r = A fa se recebida pelo receptor; = A fa s e gerada pelo receptor ; Ngr= O número in t e ir o de comprimentos de ondas; *wn = A fa se da portadora,, medida pelo receptor, em c ic lo s ; SM = Xs. f>m = A fa se da portadora, em unidade de comprimento; x, y e z = As coordenadas cartesianas geocêntricas aproxlmadas da estação rastreadora; x, y e z = As coordenadas cartesianas geocêntricas da estação rastreadora; XS, YS e 2S EL e AZ UERE = As coordenadas cartesianas te rre stre s geocêntricas do s a t é lit e, em um sistema t e rre s tre médio CWGS-845; = As coordenadas polares do s a t é lit e no sistema topocêntrico. Elevação e azimute, respecti vãmente. = "User Equivalent Range E rror". Representa a precisão com que as pseudo-distanciãs, observadas e c o rrig id as das in flu ên cias sistem áticas, são obtidas. GDÛP * / TRC ATA3 ~1 ' = -/ ni 1 + n22 + n3? + n4.4. ' = "The Géométrie D ilution of P récisio n ", ou se ja, o fa to r geométrico de d ilu iç ã o da precisão de um posicionamento instantâneo por ponto, ao observar simultaneamente quatro s a t é lit e s. x i

12 PDOP = y n ll n22 + n33 HDOP = /nll + n22 VDOP = / n33 <xp4 = / «y2x + o2y + z + o2cc. ATR 5 = UERE. GDOP = Uma medida da precisso de um posicionamento i nsiani&neo por ponto, envolvendo as três coordenadas do receptor e o tempo. / ' o 'x + o 'y + o 'z = UERE. PDOP = Uma medida da precisso de um posicionamento instantâneo por ponto, envolvendo as trê s coordenadas do recep to r. / 2 2 o1x + y - UERE. HDOP = Uma medida da precisso de um posicionamento instantâneo por ponto, envolvendo as coordenadas h orizontais do recep to r. = /«y2z '= UERE. VDOP = Uma medida da precisso de um posicionamento instantâneo por ponto, envolvendo a coordenada v e rtic a l. xii

13 RESUMO O o b je tiv o deste trabalho é fazer uma a n álise da geometria o ferecid a pela constelação fin a l do Global Positioning System - GPS. Inicialm ente é v e rific a d a a in flu ê n c ia de um fator geométrico na d ilu iç ã o da precisão de um posicionamento instantâneo por ponto. A seguir 6ão analisados diferen tes in te rv a lo s para a coleta de observaçses, em um posicionamento por ponto com pós-processamento. Também é apresentada a seqüência de operaç&es necessária à construção dos g rá fic o s de d ilu iç ã o da precisão. Finalizando, um g r á fic o PDOP é construído e discutido. ABSTRACT The purpose of th is d isse rta tio n i s to analyze the geometry o ffe re d by the fin a l co n stella tio n o f the Global P o sitio n in g System - GPS. F ir s t ly i s v e r ifie d the influen ce o f a geometric factor in the d ilu t io n o f precision of an instantaneous point p osition in g. D iferent in te rv a ls for data c o lle c tio n are analyzed fo r a point p o sitio n in g with post-processing. The necessary sequence o f operation for p lo ttin g of the graphics of d ilu tio n o f precision are shouwed. Finaly, a PDOP grafh ic is developed and discussed. x i i i

14 1 - INTRODUÇXO O "NAVSTAR GLOBAL POSITIONING SYSTEM - GPS", é um sistema de navegação por s a t é lit e s, que vem sendo desenvolvido pelos Estados Unidos e que perm itirá um rápido, econômico e p reciso posicionamento em qualquer lu gar do globo t e rr e s tre, independentemente da hora do d ia e das condições atm osféricas PRINCÍPIO DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITES GPS Sendo dado um sistem a de re fe rê n c ia cartesiano fix o, qualquer ponto P do espaço é determinado de maneira única por suas coordenadas x, y e z. Seja a seguinte fig u r a, Figura Sistema de re fe rê n c ia para o ponto P e os s a t é li tes 1

15 onde : X, Y e Z, sso os eixos de um sistema de refe rê n c ia fix o, P, um ponto a ser determinado, SI, S2 e S3, sso trê s posiçses, nso coplanares, de s a t é lit e s, r l, r 2 e r3, sso as dista ncias GEOMÉTRICAS do P a Sl, S2 é S3, respectivamente. ponto A id é ia básica do posicionamento por s a t é lit e s GPS, con siste em: - Medir as trê s dista ncias r l, r2 e r3; - Determinar as trê s posiçses Sl, S2 e S3 e - C alcular as trê s coordenadas, x, y e z do Ponto P. Os s a t é lit e s do sistema GPS transmitem sin a is de rádio. Para medir, por exemplo a d istân cia r l, um receptor posicionado em P recebe o sin a l transm itido da posiçso Sl e mede o tempo gasto pelo sin al para percorrer a d istân cia Sl-P. M ultiplicando este tempo pela velocidade de propagação do s in a l, obtem-se r l Os s in a is de rád io transm itidos, trazem consigo os elementos o r b it a is. As posiçses dos s a t é lit e s podem ser determinadas u tiliz a n d o estes elementos. Montando trê s equaç&es linearmente independentes, que relacionem as dista ncias medidas com posiç3es dos s a t é lit e s e do re c e p to r, pode-se c alcu lar as trê s coordenadas x, y e z. 2

16 1.2- ESBOÇO DO TRABALHO Um estudo completo do sistema GPS pode ser d iv id id o, naturalmente, nos seguintes temas: - O s a t é lit e GPS Chardware e software!) com suas c a ra c te rís tic a s e sp e c ific a s, - Os s in a is transm itidos pelos s a t é lit e s, - A configuração o r b it a l, - O segmento de con trole, que v e r ific a as ó rb ita s, controla a escala de tempo e in je ta dados nas memórias dos s a t é lit e s, - O e fe it o da atmosfera Cionosfera e troposferaj sobre os s in a is transnú ti dos pelos s a t é lit e s, - Os receptores GPS Chardware e eoftware!>, com suas c a ra c te rís tic a s e sp e c ific a s e as medidas por eles rea liza d a s e - O tratamento e as aplicaçóes destas medidas Não obstante o posicionamento com o "Global p osition in g System" -GPS- ser extremamente fa c ilit a d o, o sistema apresenta c a ra c te rís tic a s próprias que requerem um bom PLANEJAMENTO dos trabalhos de campo Neste trabalh o, no cap ítu lo 2, é apresentada uma descrição geral e sücinta do s a t é lit e GPS, da configuração o rb ita l e dos s in a is transm itidos pelo s a t é lit e. Ainda no cap itu lo 2, são apresentadas duas rotin as: uma para o cá lcu lo das posiçóes dos s a t é lit e s, u tiliza n d o as efemérides transm itidas, e outra para o 3

17 c á lc u lo do» f o i t o da refraçb atm osférica. No cap itu lo 3, foram abordados, resumidamente, os d ife re n te s tip os de receptores GPS e, as duas p rin c ip a is medidas por e le s realizad as Cpseudo-tempo de propagaçs e fa s e da portadora^, foram expressas matematicamente. A p a rtir destas express&es matemáticas foram montadas, no cap itu lo 4, as equaçóes de observaçso para pseudo-dist&ncia, fa s e da portadora, sim ples, dupla e t r i p l a d iferen ça de fase. U tilizan do as equaçses de observaçso para pseudo-dist&ncia foram realizad o s, no c a p itu lo 5, posicionamentos instant&neos por ponto -onde se v e rific o u um fa to r geométrico de d ilu iç S o da precisão CGDOP5- e posicionamentos por ponto com pós-processamento -onde foram an alisados d ife re n te s in te rv a lo s de tempo para a coleta de observaçóes. No cap itu lo 6, sso apresentados os dados necessários á fa se de planejamento e a seguir é apresentada a seqüência de oporaçses necessária à construçso dos g rá fic o s dos fa to re s de d ilu iç S o da precisso. Um g rá fic o PDOP é construído, discu tido e a sua imp>ortância analisada. Finalmente, no cap itu lo 7, sso apresentadas as conclusóes e recomendaçóes. 4

18 2-0 SEGMENTO DO ESPAÇO Neste c a p itu lo é apresentada uma descrição sucinta do s a t é l i t e GPS, da d is t rib u iç ã o o r b it a l e dos s in a is transm itidos pelo s a t é lit e. Ainda neste c a p itu lo, são apresentadas duas rotin as: uma para o c á lc u lo das coordenadas dos s a t é lit e s GPS, u tiliz a n d o a mensagem de dados, e outra para o cá lc u lo do e fe it o da refra çs o atm osférica. Para um melhor conhecimento teó rico do assunto aqui apresentado, o le it o r pode recorrer às referên cias 11 I. 121, 101, 112 e SATÉLITE E A DISTRIBUIÇÃO ORBITAL Â parte p rin cip al do s a t é lit e GPS, que abriga todo o sistema e le trô n ic o, estão fixad os dois pain éis so lares que permitem a manutenção das b a te ria s a bordo. Além disso, o s a t é lit e possui outros importantes elementos como: uma memória para armazenar as informações transm itidas pelo segmento de con trole; um microprocessador para uma lim itada interpolação dos elementos o r b it a is ; um sistem a propulsor para manutenção da ó rb ita ; quatro o scilad o res altamente estáveis - 2 osciladores de -13 césio e 2 de ru bíd io, com e s ta b ilid a d e na ordem de 10 -,que controlam a emissão dos s in a is ; e o s a t é lit e possui ainda, c irc u ito s m ultiplicadores e m isturadores de freqüência. A constelação completa do sistema GPS - fig c o n s is tir á de 18 s a t é lit e s d is trib u íd o s em 6 planos o r b ita is com C*0 Após a rea liz a çã o de todas as simulações deste trabalho, fin a l de 1088, soube-se que serão u tiliz a d o s 24 s a t é lit e s em vez de 18. S

19 uma In c lin a ç ã o de aproximadamente 55 graus. As ó rb it a s terão uma a lt it u d e por v o lta de 20 OOO Km, uma pequena excentricidade Cna -3 ordem de IO D e um período o rb ita l próximo de 12 horas. Serão colocados em ó rb ita trôs s a t é lit e s de reserva. A d is trib u iç ã o o r b ita l dos s a t é lit e s operacionais será f e i t a de forma que, quando um s a t é lit e cruzar o plano do equador do sul para o norte, um outro s a t é lit e no próximo plano o rb ita l a le s t e estará 40 acima do equador. Esta d is trib u iç ã o garante, em média, 4 s a t é lit e s sempre v is ív e is em qualquer lugar do globo te rre s tre. A d is t rib u iç ã o o rb ita l que será adotada nas simulaçses fe it a s neste trab alh o é ilu stra d a na fig u ra Figu ra Constelação fin a l do Global Position in g System" 0. 6

20 ARGUMENTO A a tun, lo 65, fi. -7»KJ* roda e cyx>4» u o IO*, An 0,126 -KJ* roda SATÉLITE OC RESERNM j 1 Cic C/l Cuc Cu. CIc C ll-0 Figura D is trib u iç ã o o rb ita l dos s a t é lit e s GPS, m 21/10/86 às O*1 na scala d tempo GPS, adotada nas simulaç6es fe it a s neste trabalho OS SINAIS TRANSMITIDOS Os s a t é lit e s GPS transmitem dois s in a is, SL1 e SL2, com diversos componentes, todos baseados numa freqüência fundamental f de 10,23 MHz - fig u ra Duas ondas portadoras são geradas : LI Com freqü ên cia W1 = 154 x 10,23 MHz = 1575,42 MHz 7

21 e L2 Com freqüência W2 = 120 x MHz «= MHz o que corresponde aos seguintes comprimentos de onda : Al» = 19, 05 Cm e Xl2 = 24,45 Cm. L2 *l_t Sl_2 = Bp- BiC t ). Dj(t). Cos(Cj02.t-» 0 ) onde SL1 - A p.r,.ct>. Dj(t). CosCcO,.t + 0 )+ Ac.C;(t). Dj(t). Sen(00. + füf) Bp = A amplitude do sin al SL2; CosCW2. t+^>5 = A portadora L2; Ap ~ A ampli tude do códi go P ; Ac = A amplitude do código C/A e CosCWl.t+#> = A portadora L I. Figura S in a is transm itidos, no instan te t, pelo s a t é li te i do si stema GPS

22 A portadora LI é modulada em fa s e por dois códigos conhecidos como código Preciso CP5 e código de f á c il acesso - "Coarse Access" - CC/AJ, e por uma mensagem de dados ou código D. Já a portadora L2 nso é modulada pelo código C/A. O código C/A é uma seqüência b in á ria FALSAMENTE a le a tó ria de 1023 b it s, gerada p>or um algoritm o que se repete a cada mi lisegundo. A cada s a t é lit e é a trib u íd o um d iferen te código C/A. O código P também é uma seqüência b in á ria FALSAMENTE a le a tó ria de OOO b it s 12, transm itida em aproximadamente 38 semanas. A cada s a t é lit e é atribu íd o um d ife re n te segmento de 7 dias. Ê através dos códigos P, e/ou C/A, que se obtem o in stan te de transm issão do sin al pelo s a t é lit e, conseqüentemente o tempo de propagação do sin al desde o s a t é lit e até o receptor e daí a d istân cia re c e p to r -s a té lite. Esta distância obtida com o código P é dez vezes mais p recisa que quando obtida com o código C/A }1S. O acesso d ireto ao código P só é possível por receptores muito precisamente sincronizados com a escala de tempo GPS. Normalmente este acesso é re a liz a d o v ia código C/A, u tiliz a n d o a "Hand Over Word"- HOW. Esta palavra contém o chamado contador-z C"Z-Count"3. Se e ste contador for conhecido, pode-se correlacio n ar os códigos P do s a t é lit e e o gerado pelo r ecep to r. A mensagem de dados C ou código D 3, é uma seqüência b in á ria NXO a le a tó ria de 1500 b it s, transm itida em 30 segundos. O conjunto de 1500 b it s compse um quadro de dados. Este quadro é 9

23 su b d iv id id o em 5 subquadros de 300 b it s e dez palavras de 30 b its compsem cada subquadro. O conteúdo de cada subquadro é apresentado nas tab e las que se seguem. SUBQUADRO 1: O subquadro 1 contém os parâmetros para correçso do r e lb g io do s a t é lit e, o número da semana GPS etc. Veja tab ela SÍMBOLO SIGNIFICADO UNIDADE NWECi Número da semana GPS. IDSV Número do s a t é lit e. - ISVA Exatidão do s a t é lit e l. - ISVH Saúde do s a t é lit e. - AODC ^. < *> toc Idade dos parâmetros sobre o r e ló g io. Instante de refe rên c ia dos parâmetros para correção do r e ló g io do s a t é lit e. a2 al Parâmetros para c o r r ig ir o re ló g io s/s ao do s a t é lit e. s S S Tabela Subquadro 1 da mensagem GPS. C*0 O tempo GPS é dado ^através do número de semanas CNWEO decorridas desde as O TUC em 06/01/1980 e do número de segundo decorridos na semana Ctoc, toe, to a ). 10

24 SUBQUADROS 2 e 3 : Estes subquadros contém as efemérides do s a t é lit e e os parâmetros de atu alização destas efemérides. A tabela mostra e s te s dados. SÍMBOLO SIGNIFICADO UNIDADE AODE Idade das efemérides. S Crs Amplitude do termo harmônico seno de correção do ra io vetor m An Correção do movimento médio. sem i-ci rcunf 'S Mo Anomalia média a toe. semi -cu rcunf. Cue Ampl. do termo harm. cosseno de correçso do argumento da la t it u d e. rad e Excentricidade. - Cus Ampl. do termo harm. seno de V A correçso do argumento da la titu d e rad 1X2 Raiz quadrada do sem i-eixo maior. m toe In stan te de refe rên c ia das efemérides. S Cic Ampl. do termo harm. cosseno de correçso da inclinaçso da ó rb ita. rad Do Longitude do nodo ascendente a toe 1. semi ci rcu n f. Ci s Àmpl. do termo harm. seno de correçso da inclinaçso da ó rb ita. rad Io InclinaçSo da ó rb ita a toe. semi-ci rcu n f. Crc Ampl. do termo harm. cosseno de correçso do ra io vetor. m Wo Argumento do perigeu a toe. semi -ci rcunf. P VariaçSo temporal de fi sem i-ci r cunf/s I VariaçSo temporal de I. semi -c i rcunf''s Tabela Subquadros 2 e 3 da mensagem GPS. SUBQUADRO 4 : Contém mensagem alfanum érica e os parâmetros a0, «1, 0(2, 0(3, (20, (21, (22. e (23 para & correçso da refraçso io n o sfé ric a. 11

25 SUBQUADRO 5 : Contém o ALMANAQUE GPS. Enquanto os subquadros 1, 2 3 s r p t m nos quadros seguintes, até qu os dados sejam r novad'os; os subquadros 4 5 mostram dados d ife re n te s em cada quadro, voltando a r e p e t ir -s e depois de cada conjunto de 25 quadros. Como cada quadro tem a duração de 30 segundos, tem que se esperar 30 x 25 = 750 segundos, o que é igu al a aproximadamente 13 minutos, para obter o conteúdo completo dos subquadros 4 e 5. O Almanaque GPS traz informações sobre os outros s a t é lit e s do sistema. O o b je tiv o deste almanaque é fornecer ao usuário dados para o fim de planejamento e para agil.izar a busca de s a t é lit e s pelo receptor. A tabela , traz o conteúdo deste subquadro. SÍMBOLO SIGNIFICADO UNIDADE IDSV Número do s a t é lit e. e Excentricidade. - toa Instante d re fe rê n c ia do almanaque. S Ai Correção a in clin ação. semi -ci rcunf ISVH Saúde do s a t é lit e. - n Variação temporal de Q. semi -ci rcu n f.' /S -/ A Raiz quadrada do sem i-eixo 1/2 m mai or. n Longitude do nodo ascend. semi -ci ncur f. w Argumento de perigeu. semi -circu n f. Mo Anomalia a toa. semi -c ir c u n f. ao. Parâmetros para c o r r ig ir S o r e lé g io do s a t é lit e. S/S Io Inclinação aproximada da órb ita = 54 graus Tabela Subquadro 5 da mensagem GPS. C*0 Não é enviado. 12

26 2. 3. CALCULO DAS COORDENADAS DOS SATÉLITES GPS UTILIZANDO AS EFEMÉRIDES TRANSMITIDAS. Este tópico será apresentado em forma de rotina. Os dados n ecessários para o cá lc u lo das posiç&es dos s a t é lit e s sso aqueles apresentados no tópico an terio r. Após le r de algum arquivo e ste s dados, deve-se: 15 Uniform izar as unidades : A SS i T f r Qo = Do. n D = D. n Io = Io. n I I. n n = 3, Mo = Mo. n Wo = Wo. n e An An. n 25 Obter o número da semana GPS de toc CNWtoc5 : NWE é o número da semana GPS corrente, ou se ja, o número da semana em que os dados foram enviados pelo s a t é lit e. Se os dados sso coletados, por exemplo numa segun d a-feira, NWtoc poderá ser igual a NWE - 1; por outro lado, se sso coletados num sábado, NWtoc poderá ser igu al a NWE + 1, dependendo de toc e do in te rv a lo de tempo máximo em que os dados sso mantidos constantes. De acordo com Andrade C19885, 1, este in tervalo máximo se rá de uma semana; 3,5 d ia s antes do instante de re fe rê n c ia e 3,5 dias C S5 depois, portanto se 13

27 Tkl * TS - toc, C2, 3.1 ) onde TS = O in stan te de transm issão do sin al no r e ló g io do s a t é lit e. C Veja como obter TS no c a p itu lo 3, seção 3.2 ), fo r MENOR que S NWtoc = NWE - 1 ; C2.3. 2) por outro la d o, se Tkl fo r MAIOR que S NWtoc = NWE + 1 C ) 3) C alcu lar a correção a ser f e i t a no r e ló g io do s a t é lit e CATS): ATS = ao + ai. ATC + az. ATC2 C ) onde <*> ATC = t t - toc + CNWE - NWtoc) C2.3. 5) t t = O instante de transmissão do sin al na escala de tempo GPS Cainda não conhecido). 4) C alcu lar o in stan te de transmissão do sin al na escala de tempo GPS C tt) : t t = TS - ATS C ) 5) Obter o número da semana GPS de toe ou toa CNWR) : Se a mensagem GPS trouxesse NWtoc e NWR, este passo e o 2 -, não seriam necessários. Valem aqui as mesmas observaç&es C»0 Nesta equação, t t poderá ser su b stitu íd o por TS 14

28 fe it a s no segundo passo, portanto se Tk2 = t t - toe C ) fo r MENOR que S, NWR = NWE - 1 ; por outro lad o, se Tk2 for MAIOR que S NWR = NWE + 1 C ? 63 C alcular o in te rv a lo de tempo entre o instan te de transmissão do sin al e o instan te de refe rên c ia das efemérides -to e ou to a - CTK3 : TK = t t - toe + CNWE - NWR C C alcular e c o r r ig ir o movimento médio o rb ita l do s a t é lit e Cn3: GM no = C onde n = no + An C GM = A constante gravitacion al GM = 3, x 1014 m^/s2, para o sistema WGS C alcular a anomalia média CM3: M = Mo + n.tk C

29 05 C alcu lar a anomalia excêntrica CE5: Uma vez que a excentricidade das ó rb ita s GPS é pequena, o c á lc u lo da anomalia excêntrica pode ser f e i t o de forma i t e r a t iv a, u tiliz a n d o a equaçso de Kepler, Q. Eo = M + e. SenCM5 C E^ = M + e.sencei _15; i = 1, 2, 3,... até que JE^ - s e ja menor que um e rro 8 p ré-estabelecid o. 105 C alcu lar a anomalia verdadeira CV15, o argumento da la titu d e CU15, o r a io vetor CRI5 e a inclin açso do plano o rb ita l CI15: COSCV13 = _ ÇosCE? -,, C «1 - e. CosCE5 /1 - e. SenCE5 C SenC VI5 = e. CosCE5' UI = VI + Wo C RI = A. Cl - e. CosCE55 C I I = Io + í. TK C C alcu lar as correçbes a UI, R l, I I, devido às perturbações do segundo harmônico e c o r r ig i-lo s : VU = Cuc. CosC2U15 + Cus. SenC2U15 VR = Crc. CosC2U15 + Crs.SenC2U15 C VI = Ci c. CosC 2U15 + Ci s. SenC 2U15 16

30 U = UI + vu R = RI + VR C ) I = I I + VI 12) C alcu lar as coordenadas planas o r b it a is do s a t é lit e CXO e YO): XO = R. CosCU) YO = R.SenCU) C ) 13) C alcu lar as coordenadas cartesianas te rre s tre s geocêntricas do s a t é lit e, CXS, YS, e Z S ), em um sistema te rrestre médio CWGS-84), co rrigin d o -as da rotação da te rra durante o tempo de propagação do sin al: Este c á lcu lo pode ser f e it o, iterativam ente, através da seguinte seqüência: ZS = YO. SenCI) C ) Í*L = Oo + Ò. TK C ) TP o = 0 C ) a) TR. i = tt + TP.. a -1 b) m - We.TR. i C ) c) XS = XO. CosCO.) - YO. SenCO. ). CosCI) a a d) YS = XO. SenCO.) + YO. CosC O. ). CosC I ) a i i e) TP Ẋ = v xs. - Xo) 2 + CYS. - y ) 2 + CZS 1 x J C**) 2 - Z ) / Com i = 1,2,3... até que jtp.^ - TPi _1 se ja menor que um e rro <8 p ré estabelecido. <*> Desprezando o atraso, na propagação do sin al, devido à re fra ç ã o atm osférica. 17

31 Nestas fórm ulas, TP = O tempo de propagaçso do s in a l, TR = O instante de recepçso do s in a l, x? y e z = As coordenadas cartesianas geocêntricas aproximadas da estaçso rastreadora, We = A velocidade de rotaçso da te rra, We 7, ra d / s, para o sistema WGS e C = A velocidade da luz no vácuo C = ,0 m/s, CÁLCULO DO EFEITO DA REFRAÇXO ATMOSFÊRICA. Também este tópico será apresentado em forma de rotin a. Em Andrade C1Q885, l, o le it o r encontrará o desenvolvimento te ó ric o do assunto e a demonstração das fórmulas que serão aqui apresentadas REFRAÇXO IONOSFERICA A camada ionizada da atmosfera causa variação na velocidade de propagaçso das ondas eletrom agnéticas. Tal variação depende da densidade de ions e da espessura da ionosfera. Esses parâmetros, por sua vez, dependem da la titu d e, da estação do ano, da hora do d ia e da atividade so lar. A variaçso na velocidade de propagaçso, na io n o sfera, é d ife re n te para as d ife re n te s freqüências do espectro eletrom agnético, ou s e ja, a refra çs o io n o sfé rlc a depende da freqüência da onda que atravessa a ion osfera. 18

32 O e fe it o da ion osfera sobre o sin al SL1, pode ser calcu lado u tiliz a n d o a seguinte fórmula : 2 ATion,, = W2. CtL2 - t L I } C2.4.1} W1 * - W2* onde : W1 e W2, sso as freqüências das portadoras LI e L2, respecti vãmente, t LI e t L2, s S o o s tempos de propagaçso medidos. pelos receptores. u tilizan d o os sin a is SL1 e SL2, respectivamente REFRAÇXO TROPOSFÉRICA A refraçs o tro p o sfé ric a depende da temperatura, da pressso, do comprimento do caminho tro p o sfé ric o C da elevaçso do s a t é l i t e } e da quantidade de vapor d*água existen te na troposfera. Por is s o, ao c alcu lar Índices de refraçso para a troposfera costuma-se separar duas componentes: uma seca e outra úmida. Vale observar que a quantidade de vapor d água, a pressão e a temperatura dependem da la titu d e, longitu de, a ltitu d e, da estaçso do ano e da hora do dia. O atraso devido à refraçs o tro p o sférica pode ser calculado, u tiliz a n d o a seguinte ro tin a : 1} C álcu lo do caminho tro p o sfé ric o, de uma atmosfera sim plificad a com um único Ín dice de refraçs o np Cindice de refraçso no lo cal de rastream en to), percorrido pelas ondas eletromagnéticas CCMD, 1

33 I11! CM = X.-/ 1 + tg*el C2. 4.2? onde : EL = O Angulo de elevaçso do s a t é lit e. Pode ser calculado a p a r tir das coordenadas topocéntricas do s a t é l i t e - Eq. C6.2. 2?, -2. R.tgEL + / C2. R. tgel?* + 4. Cl+tg*EL?. CMO. C2. R + CMO?* X = Cl + tg*el? onde : C ? CMO = A a ltu ra do centro de massas da coluna atm osférica de base unitaria. CMO = 8 458m 2, R = Rm + H = A soma do r a io médio da te rra com a a lt it u d e do lo c a l de rastreamento, em metros. 2? C álcu lo do ín d ic e de r e fr a tiv id a d e para o ar seco, no lo cal de r a str eamento CNd? : Nd = 77,6. Pa C ? Ts onde : Pa = A pressso atm osférica em mb, Ts = A temperatura seca em K. 20

34 3} C álcu lo do Índice de re fr a tiv id a d e para o ar úmido, no local de rastream ento CNvO: B Nw = 3, ep Ts* onde ep = A pressso p arcial de vapor d água em mb. 4} C álcu lo do ín d ice de re fra tiv id a d e no lo c a l de rastreamento CN}: N = Nd + Nw C } C álcu lo do atraso tro p o sfé ric o CATtrop} onde r M C S ATtrop =. N. 10 CS. 4.7} C = A velocidade da luz no vácuo em m/s. A fig u r a mostra a variaçso da refraçso tro p o s fé ric a com o ângulo de elevaçso l. Figura VariaçSo da refraçs o tro p o sfé ric a com a elevaçso l. SI

35 REFRAÇXO ATMOSFÉRICA O fe ito da refraçs o atm osférica CATA? é obtido somando os e fe it o s da refraçs o io n o sfé ric a e tro p o sfé ric a, ou seja ATA = ATion + ATtrop. C ? 22

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Profa. Regiane Dalazoana 4 Métodos baseados em Geodésia Espacial 4.1 Métodos Celestes da Geodésia

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

Normas e especificações para levantamentos GPS

Normas e especificações para levantamentos GPS Normas e especificações para levantamentos GPS IBGE- DGC - Coordenação de Geodésia IBGE- UE/SC Gerência de Geodésia e Cartografia IV CONFEGE - 21/08/06 a 25/08/06 - Rio de Janeiro/RJ Conteúdo Introdução:

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Técnicas de Geodésia Espacial: Princípios e Aplicações. Antonio Macilio Pereira de Lucena

Técnicas de Geodésia Espacial: Princípios e Aplicações. Antonio Macilio Pereira de Lucena Técnicas de Geodésia Espacial: Princípios e Aplicações Antonio Macilio Pereira de Lucena VLBI Very Long Baseline Interferometry; GNSS- Global Navegation Satellite System; SLR- Satellite Laser Range; DORIS-

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Sistema de Posicionamento por Satélite

Sistema de Posicionamento por Satélite Implantação de Faixa de Dutos Sistema de Posicionamento por Satélite Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso dos Sistemas de s e seus equipamentos. 1 Introdução Os sistemas de posicionamento

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS)

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) 2.1 Introdução A utilização de ondas de rádio e satélites artificiais em navegação teve início na década de 60 com o desenvolvimento do Navy Navigational

Leia mais

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB - 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB Emitido em 15/6/2012 R. 01 Este manual é parte integrante e essencial do produto. Leia atentamente as instruções contidas nele,

Leia mais

GPS Global positioning system

GPS Global positioning system GPS Global positioning system O Sistema de Posicionamento Global GPS-NAVSTAR (Navigation Satellite Time And Ranging) foi concebido inicialmente para substituir o sistema NNNS/TRANSIT que apresentava várias

Leia mais

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini Métodos de Posicionamento GNSS Prof. Pedro Donizete Parzzanini GNSS Global Navigattion Satellite System Termo utilizado para a denominação de um conjunto de Sistemas de Navegação por Satélites que permitem

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA. Antônio Carlos Campos. META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia.

Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA. Antônio Carlos Campos. META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia. Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: determinar o GPS de navegação relacionando

Leia mais

Sistema de Posicionamento Global

Sistema de Posicionamento Global GP Global Positioning ystem O istema de Posicionamento Global (NAVTAR GP NAVigation ystem with Time And Ranging Global Positioning ystem) foi criado e desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Preparado Por Preparado Para ICF Consultoria do Brasil Ltda. Av. das Américas, nº 700, Bloco 6, sala 251 Barra da Tijuca Rio de Janeiro, RJ CEP

Leia mais

GPS. Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais. Sumário. O que é o GPS? Sumário

GPS. Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais. Sumário. O que é o GPS? Sumário Sumário GPS Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t

Leia mais

Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção do Efeito do Multicaminho em. Resultados e Análises 1

Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção do Efeito do Multicaminho em. Resultados e Análises 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 9, No. 1 (2008), 133-142. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

O QUE É GPS? do GPS. 3 Classificação. dos receptores. 4 Divisão do sistema GPS. de funcionamento. 6 Tipos de posicionamento. 8 Prática/Conhecendo

O QUE É GPS? do GPS. 3 Classificação. dos receptores. 4 Divisão do sistema GPS. de funcionamento. 6 Tipos de posicionamento. 8 Prática/Conhecendo Metodologia de Pesquisa Cientí Científica CONCEITOS BÁSICOS SOBRE POSICIONAMENTO POR SATÉLITES ARTIFICIAIS XIV CURSO DE USO ESCOLAR DE SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Julio Cesar de Oliveira

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

PPP PÓS PROCESSADO E EM TEMPO REAL. Prof. Dr. Haroldo Antonio Marques - UFPE Prof. Dr. João Francisco Galera Monico - UNESP

PPP PÓS PROCESSADO E EM TEMPO REAL. Prof. Dr. Haroldo Antonio Marques - UFPE Prof. Dr. João Francisco Galera Monico - UNESP PPP PÓS PROCESSADO E EM TEMPO REAL Prof. Dr. Haroldo Antonio Marques - UFPE Prof. Dr. João Francisco Galera Monico - UNESP Introdução Posicionamento GNSS em tempo real (ex.: RTK e DGPS): RTPPP (Real Time

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA

ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA 1 Metodologia A metodologia utilizada para a determinação dos pontos de divisa, seguiu a metodologia para georreferenciamento de imóveis rurais do emitido pelo INCRA

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

4 Navegação Inercial (INS)

4 Navegação Inercial (INS) 4 Navegação Inercial (INS) A fusão de sensores só pode ser realizada quando os mesmos medem a mesma variável, logo primeiramente é necessário a escolha do modelo sobre o qual irá se representar as medidas

Leia mais

b) A distância X, em km, entre o receptor R, no avião, e o ponto O.

b) A distância X, em km, entre o receptor R, no avião, e o ponto O. 1. (Fuvest 94) Dois carros, A e B, movem-se no mesmo sentido, em uma estrada reta, com velocidades constantes Va = 100 km/h e Vb = 80 km/h, respectivamente. a) Qual é, em módulo, a velocidade do carro

Leia mais

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS Unesp Física 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNIDADE DIFERENCIADA - SOROCABA/IPERÓ Veja também os sites: www.fis.puc-rio.br/fis-intr/gps.htm www.gpsglobal.com.br/artigos/ita12ahtml PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Ondas - 2EE 2003 / 04

Ondas - 2EE 2003 / 04 Ondas - EE 3 / 4 Propagação atmosférica Aspectos preliminares. Introdução A comunicação rádio é devida à propagação de ondas electromagnéticas no espaço. No vazio, estas ondas deslocam-se à velocidade

Leia mais

4.2 A lei da conservação do momento angular

4.2 A lei da conservação do momento angular 4.2-1 4.2 A lei da conservação do momento angular 4.2.1 O momento angular e o torque Até agora, não fizemos uso da segunda parte das experiências de Mach, ver capítulo 2, Eq. (2.3). Heis aqui outra vez

Leia mais

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Medidas Lineares Diretas e Indiretas: Leitura e Formulação Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Definição de levantamento topográfico NBR13.133/1994

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais LOGO FQA Unidade 1 de FQA Nível 2 GPS e MCU Satélites e Movimento Circular Uniforme Marília Peres e Rosa Pais Índice 1 GPS - Sistema de Posicionamento Global 2 3 Coordenadas e Relógios Satélites Geoestacionários

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA REVISÃO ª FASE BAHIANA 1 Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL HISTÓRIA 23/08/1499 - navegador italiano Américo Vespúcio acreditava estar navegando pelas costas das Índias (Cristóvão Colombo). Almanaque livro que lista as posições

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

O QUE É GPS? FUNCIONAMENTO DO GPS DIFERENTES SISTEMAS SISTEMA GNSS SISTEMA GPS SISTEMA GLONASS SISTEMA GALILEO PERTURBAÇÕES DO SINAL

O QUE É GPS? FUNCIONAMENTO DO GPS DIFERENTES SISTEMAS SISTEMA GNSS SISTEMA GPS SISTEMA GLONASS SISTEMA GALILEO PERTURBAÇÕES DO SINAL GPS Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Tópicos em Engenharia Tópicos em Telecomunicações

Tópicos em Engenharia Tópicos em Telecomunicações Tópicos em ngenharia Tópicos em Telecomunicações Aulas e 3 Conceitos Gerais (cont.) Desafios atuais e futuros das comunicações sem fio 1 Características gerais de comunicações segundo as faias de frequências

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL GONÇALO PRATES Engenheiro Geógrafo ABRIL 2004 1 Sistema de Posicionamento Global Em 1973, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos iniciou

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Mecânica Geral Básica

Mecânica Geral Básica Mecânica Geral Básica Conceitos Básicos Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Unidades - o sistema métrico O sistema internacional de unidades (SI) o sistema MKS Baseado em potências de 10 de unidades de base

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Carlos ANTUNES. cmantunes@fc.ul.pt

Carlos ANTUNES. cmantunes@fc.ul.pt Sistema de Posicionamento Global Carlos ANTUNES cmantunes@fc.ul.t Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa htt://www.fc.ul.t Engenharia Geográfica htt://enggeografica.fc.ul.t /36 Sistema de Posicionamento

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Aplicada à Engenharia Civil AULA 12. Sensoriamento Remoto. Fundamentos Teóricos. Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior

Aplicada à Engenharia Civil AULA 12. Sensoriamento Remoto. Fundamentos Teóricos. Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 12 Sensoriamento Remoto Fundamentos Teóricos e Práticos Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES Definição ão:

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Sincronização de Relógios Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Definições Clock Físico Cristian Berkeley Clock Lógico Lamport 2 Definições Clock Físico Dia Solar

Leia mais

A Geometria no Globo Terrestre.

A Geometria no Globo Terrestre. A Geometria no Globo Terrestre. 1. Introdução. Neste trabalho pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. O estudo da posição relativa de

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 8 C U RVA S 8.1 parametrização de curvas No Capítulo 3 estudamos as equações de uma reta no espaço e vimos que tal entidade geométrica pode ser representada pelas equações paramétricas: x r : z = a+v 1

Leia mais