DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO Álvaro Maurício Cabral Pizarro Orientador: Prof. Eurycibiades Barra Rosa Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Departamento de Produção Cx. P Itajubá, MG, Brasil Resumo. Em meio ao crescimento do número de empresas que delegam atividades que não são consideradas a razão de sua existência a terceiros, a manutenção industrial como uma dessas atividades deve ter pela organização seu desempenho constantemente avaliado a fim de garantir a satisfação de suas necessidades, este trabalho em um estudo de caso estabelece uma análise dos indicadores de avaliação de desempenho para com as contratadas que efetivamente estejam orientados para a satisfação das necessidades do contratante. Palavras-chave: Terceirização, Manutenção, Indicadores, Avaliação de Desempenho 1. INTRODUÇÃO O uso de indicadores de performance tem sido uma valiosa ferramenta para gerentes avaliarem o desempenho de suas áreas e no planejamento estratégico a fim de se alcançar metas. Dada a crescente importância da função manutenção dentro das indústrias em manter todos os equipamentos disponíveis para produzir pelo menor custo possível, medir o desempenho para tomar decisões corretas passa a ser uma tarefa de extrema importância para o gerente. Só devemos tomar decisões baseados em fatos e dados (DEMING, 1986). De acordo com a Abordagem Centrada no Usuário, de (GARVIN, 1992), a qualidade de um produto ou serviço está condicionada ao grau de satisfação e conveniências do consumidor final. De acordo com (SLACK, 1993), os indicadores de desempenho devem estar orientados para avaliar os elementos de competitividade. Tais indicadores devem refletir os aspectos do desempenho que garantam a satisfação das necessidades do cliente.

2 2. MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO EM SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL As modalidades de contratação de serviços de manutenção industrial utilizadas atualmente no mercado está dividida em quatro modalidades distintas (CANHADA & LIMA, 2000). 2.1 Terceirização Global da Manutenção A contratante nesta modalidade repassa integralmente as atividades de manutenção ao contratado sendo este então responsável pelo gerenciamento total da manutenção na planta industrial. Esta modalidade é o estágio mais avançado da terceirização da manutenção industrial. As principais vantagens desta modalidade são: - Facilidade de gerenciamento da prestadora de serviços através do uso de indicadores de desempenho; - Avaliação da capacidade técnica do prestador de serviços; - Facilidade no controle do custo de manutenção. Como desvantagens: - Grande dependência da prestadora de serviços; - Necessidade de acompanhamento constante da prestadora de serviços; - Perda do histórico de manutenção das plantas industriais. 2.2 Terceirização Global da Manutenção, com Gerenciamento Técnico Operacional do Contratante A prestadora de serviços é responsável diretamente pela manutenção, seja em algumas áreas da empresa ou em sua totalidade, mas a gestão da manutenção (planejamento de médio e longo prazo e adoção de novas tecnologias) permanece com a contratante. As principais vantagens são: - Baixo turn-over do pessoal; - Possibilidades do uso de indicadores para avaliação de desempenho; - Menor risco de ações trabalhistas para a contratante visto a contratada dever gerenciar os seus recursos humanos. A desvantagem principal desta modalidade de terceirização da manutenção é o custo fixo da equipe responsável pelo gerenciamento da contratada.

3 2.3 Terceirização da Manutenção através dos Serviços Unitários Pacotes A contratante define um escopo de atividades específicas a serem realizadas pela contratada, a um custo unitário por atividade previamente acordado entre as partes. Como vantagens desta modalidade tem-se a minimização de ações trabalhistas, pois há a contratação de um serviço coordenado por um responsável da contratada. As desvantagens residem na prorrogação do tempo levado para conclusão das atividades, retrabalho e qualidade do serviço prestado. 2.4 Intermediação de Contratados para a Manutenção Industrial Por esta modalidade o prestador de serviços tem a responsabilidade de selecionar e contratar o profissional conforme o perfil desejado pela contratante. Este profissional é integrado a equipe da contratante e o seu salário é pago pela prestadora de serviços. As vantagens desta modalidade de terceirização são: - Despesas de seleção e contratação por conta da prestadora de serviços; - Reposição da mão de obra conforme a necessidade de demanda de trabalho por conta da prestadora de serviços. As desvantagens apresentadas nesta modalidade são: - Difícil avaliação de desempenho da prestadora de serviços; - Alto índice de turn-over do pessoal; - Desmotivação do profissional por conflitos salariais; - Risco de ações trabalhistas, pois o profissional da contratada trabalha similarmente ao da contratante sem os mesmo benefícios e recebendo salários inferiores. 3. CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA DO ESTUDO DE CASO O estudo de caso foi desenvolvido no Departamento de Gestão de Contratos de Manutenção da Rhodia S/A em sua planta industrial localizada na cidade de Paulínia /SP, onde os gastos mensais de manutenção são da ordem de aproximadamente R$ ,00. A Rhodia é uma das líderes mundiais de química de especialidades e está presente nos quatro continentes com 147 unidades de produção. Seu faturamento anual é da ordem de 7,5 bilhões de dólares. No Brasil, a Rhodia está presente desde 1919 e conta com oito unidades de produção, empregando 4500 funcionários e com faturamento anual de 1,5 bilhões de reais. Dentro do mercado em que atua a Rhodia é líder com os respectivos produtos: sílicas, fios têxteis, resinas PET, ácido salicílico e plásticos para engenharia. A área responsável pelo controle e monitoramento da empresas terceirizadas de manutenção é o Departamento de Gestão de Contratos que tem por objetivo selecionar, contratar e monitorar o desempenho das empresas terceirizadas de manutenção para a Usina Química de Paulínia.

4 4. CARACTERIZAÇÃO DOS INDICADORES DE DESEMPENHO ADOTADOS 4.1 Considerações Iniciais O desenvolvimento de indicadores de desempenho na terceirização da manutenção foi desenvolvido na modalidade de Terceirização Global da Manutenção com Gerenciamento Técnico Operacional do Contratante. Tais indicadores buscam mostrar o desempenho da contratada e evidenciar aspectos a serem corrigidos em um processo de melhoria contínua. 4.2 Indicadores para Monitoramento das Empresas Terceirizadas de Manutenção Em função de limitações impostas pelo programa de gestão empresarial, os indicadores adotados pelo Departamento de Gestão e Contratos estão centrados na sua facilidade de obtenção e com o objetivo de abranger os aspectos de desempenho desejados pela contratante. A figura a seguir explicita os indicadores adotados baseados no modelo gerencial de avaliação de (SLACK, 1993). Número de acidentes Índice de absenteísmo Número do efetivo por especialidade Porcentagem do realizado de ações de SSMA (Segurança, Saúde e Meio Ambiente) Entrega confiável Número de horas-extras Faturamento da sub-contratada Baixo Preço, alta margem ou ambos Custo Índice do turn-over Baixo tempo de entrega Confiabilidade Alta produtividade total Velocidade Operação confiável Fluxo rápido Contratada Processos livres de erros Habilidade de mudar Qualidade Flexibilidade Produtos livres de erro, de acordo com as especificações Satisfação com a contratada Novos produtos freqüentes Larga faixa de produtos Ajustes de volume e entrega Variação da cesta básica de atividades Contratante Figura 1: Elementos Competitivos Internos e Externos Fonte: Slack (1993)

5 4.2.1 Indicadores de Confiabilidade 1) Número de acidentes Este indicador trata do número de acidentes ocorridos com a contratada dentro das áreas industriais de prestação de serviços durante o mês. É um indicador do tipo quanto menor melhor. Leva-se em conta o acidente com afastamento total do trabalho (Categoria 1) e sem afastamento (Categoria 2). Taxa de acidentes categoria 1 (TxAc1): TxAc 6 Cat = (1) HHT Cat 1 : acidentes categoria 1 HHT: homens horas trabalhadas A TxAc 1 relaciona a quantidade de acidentes com afastamento (Categoria 1) por milhão de horas, dividido pelo número de homens horas trabalhadas. Taxa de acidentes categoria 2 (TxAc2): TxAc 2 6 Cat 2 10 = (2) HHT Cat 2: acidentes categoria 2 HHT: homens -horas trabalhadas A TxAc 2 relaciona a quantidade de acidentes sem afastamento (Categoria 2) por milhão de horas, dividido pelo número de homens horas trabalhadas. O objetivo deste indicador é mostrar os cuidados e precauções que a contratada mantém com seus funcionários nas áreas de trabalho assim como o comportamento dos funcionários em relação os procedimentos de segurança afetando a confiabilidades das operações 2) Índice de absenteísmo Este tem por objetivo verificar o número de faltas de funcionários, situação essa que evidencia problemas internos e que pode levar ao prorrogamento de trabalhos e horas-extras (confiabilidade). É um indicador do tipo quanto menor melhor. A = Número de homens que faltou Dias de trabalho equivalente (3) A : Absenteísmo

6 3) Número do efetivo por especialidade Este indicador trata do número de funcionários da contratada por especialidade (Encanamento, Elétrica, Civil, Instrumentação) nas áreas de trabalho durante o mês. O número de funcionários por especialidade faz parte do fechamento do orçamento, devendo assim ser cumprido. Este indicador tem por objetivo verificar o cumprimento do contrato no que se refere ao número de funcionários por especialidade, pois um déficit de funcionários pode gerar acumulo de trabalho e um prorrogamento das atividades estipuladas, principalmente em paradas, afetando a confiabilidade da operação. A oscilação do número da mão de obra também pode ser analisada por este indicador. É um indicador do tipo quanto maior melhor. EE = Ti ni Efetivo Total (4) EE: efetivo por especialidade Ti : total de efetivos da especialidade ni : número de efetivos apurados da especialidade na área de trabalho 4) Porcentagem do realizado de ações SSMA (Segurança, Saúde e Meio Ambiente) Este indicador mostra a atuação da contratada com questões de segurança, saúde do trabalhador e meio ambiente que podem comprometer a confiabilidade das operações. A contratante gera o plano de ações referente a tais questões que a contratada deve atender dentro de um prazo estipulado. É um indicador do tipo quanto maior melhor. Ações realizadas PRA = (5) Ações previstas PRA: porcentagem do realizado de ações SSMA Indicadores de Custo 1) Número de horas-extras Através deste indicador é possível se verificar a porcentagem de horas extras dentro do total de horas disponíveis e verificar uma possível falta de mão de obra durante o expediente normal ou a existência de problemas de baixa produtividade com a contratada. Ao obter a informação do número de horas extras é possível avaliar o provável aumento de custo e a freqüência de atividades fora do cotidiano em emergências. É um indicador do tipo quanto menor melhor. Número de horas extras do período HE = (1) Total de horas disponíveis HE : número de horas-extras

7 2) Faturamento por horas trabalhadas da contratada Este indicador trata do faturamento total de cada contratada pelo número de horas trabalhadas no mês. O objetivo deste indicador é detectar oscilações no faturamento que podem evidenciar inúmeros problemas. Um possível aumento demasiado de horas-extras, grande gasto com determinada atividade, gasto abusivo com determinado tipo de material ou outra causa qualquer que fuja dos padrões normais e implique em maiores custos para a contratante. É um indicador do tipo quanto menor melhor. Faturamento da contratada no mês FH = (2) Horas trabalhadas no mês FH: faturamento das horas contratadas por horas trabalhadas Indicador de Velocidade Índice de turn-over Este indicador mostra a rotatividade de mão de obra por especialidade. Número de novos funcionários TO = (1) Número do efetivo total da especialidade TO: turn-over Tem como objetivo detectar a oscilação da mão de obra nas especialidades, o que acarreta uma perda de velocidade na conclusão das operações. É um indicador do tipo quanto menor melhor Indicador de Flexibilidade Variação da cesta básica de atividades Este indicador mostra a oscilação dos preços das atividades básicas de cada especialidade dentro de um período de três meses. O levantamento deste indicador consiste no acompanhamento do preço fechado em contrato e de sua flexibilidade em eventuais modificações nos preços devido a pressão de sindicatos ou reajustes governamentais. O objetivo deste indicador é monitorar os incrementos nos preços das atividades básicas que são as bases de firmamento dos contratos. Assim é possível manter um acompanhamento dos preços estipulados para futuras negociações com as contratadas. É um indicador do tipo quanto menor melhor. VC = Valor da cesta básica de atividades do período + Dissídios Descontos no período (1) VC: variação da cesta básica de atividades

8 4.2.5 Indicador de Qualidade Satisfação com a contratada Este indicador tem por objetivo medir o grau de satisfação com os serviços prestados pela contratada. É um indicador que visa o aspecto da qualidade nos serviços prestados, sendo levantado com os responsáveis das áreas produtivas. A satisfação com a contratada é levantada através de um questionário com dez quesitos (Prazo, Qualidade, Segurança, Capacidade Técnica, Prontidão, Flexibilidade, Produtividade, Preços Praticados, 5 S e Relacionamento). Com este indicador é possível acompanhar o nível de satisfação global da contratada pela área cliente dos serviços prestados, ao mesmo tempo identificar o quesito a ser melhorado e ter uma visão sobre o desempenho durante o semestre ou ano. É um indicador do tipo quanto maior melhor. 10 ( Ni Ii) SC = (1) i= 1 SC: satisfação da contratada Ni : nota dada para o quesito pela área avaliadora Ii : importância dada para o quesito pela área avaliadora 4.3 Considerações Especiais O indicador de produtividade não foi incluído neste trabalho pelo fato de não ter sido concluído o seu levantamento e consequentemente não haver dados para uma exemplificação gráfica. Outro indicador não inserido neste trabalho é o indicador básico de confiabilidade: Número de entregas dentro do prazo estipulado. A sua ausência neste trabalho se deve a limitação no levantamento desta informação no momento.

9 5) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Apresentamos os resultados do uso dos indicadores de desempenho escolhidos de maneira gráfica. 1) Número de acidentes Taxa de acidentes Figura 2 Taxa de acidentes Categoria 1 Este gráfico mostra a taxa de acidentes da Categoria 1 com afastamento para os meses acima. 2) Índice de absenteísmo Homens-horas , Comportamento Figura 4 Homens-horas perdidas de trabalho devido a faltas Neste gráfico tem-se o índice de absenteísmo em número de homens-horas nos meses mostrados acima.

10 3) Número do efetivo por especialidade 100% 95% 100% 90% 93% 85% 80% 75% 80% Comportamento Figura 1 Controle da presença do efetivo das especialidades A porcentagem indica a presença do efetivo das especialidades nas áreas, percebe-se que com o controle houve uma melhoria mês a mês uma vez a contratada compartilha estas informações e é conscientizada da necessidade em atuar para atingir e manter 100% de presença entre as especialidades. 4) Porcentagem do realizado de ações SSMA (Segurança, Saúde e Meio Ambiente) 45% 40% 40% Porcentagem 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 30% 10% 0% Comportamento Figura 6 Porcentagem de ações SSMA realizadas Neste gráfico se visualiza a porcentagem de ações de Segurança, Saúde e Meio Ambiente realizadas dentro do numero ações previstas de serem realizadas.

11 5) Número de horas-extras 100% 90% 80% Porcentagem 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Horas-extras Horas diponíveis Figura 3 Porcentagem de horas-extras sobre as horas disponíveis Pelo gráfico a percepção do volume de horas-extras em relação às horas disponíveis é ressaltada facilitando a análise. 6) Faturamento por horas trabalhadas da contratada 14,00 12,00 13, x R$/HT 10,00 8,00 6,00 4,00 8,02 9,24 2,00 0,00 Nortec Figura 7 Faturamento por hora trabalhada da contratadas Ao se analisar mês a mês o faturamento de cada contratada com as demais se deve saber o número de horas trabalhadas naquele mês a fim de identificar eventualidades como paradas ou montagens de projetos.

12 7) Índice de turn-over 35% 30% 33% Porcentagem 25% 20% 15% 10% 11% 5% 0% 0 Comportamento Figura 5- Porcentagem do turn-over de cada mês A porcentagem de novos funcionários entre os efetivos é salientada mês a mês neste gráfico. 8) Variação da cesta básica de atividades Valor em R$ , , º Trim 2º Trim 3º Trim 4º Trim Nortec Figura 8 Variação da cesta básica de atividade O variação do valor da cesta básica de atividades é mostrada entre trimestres pois o acúmulo de inflação e acréscimo de dissídios se dá entre períodos maiores que um mês.

13 9) Faturamento por horas trabalhadas da contratada 14,00 12,00 13, x R$/HT 10,00 8,00 6,00 4,00 8,02 9,24 2,00 0,00 Nortec Figura 7 Faturamento por hora trabalhada da contratadas Ao se analisar mês a mês o faturamento de cada contratada com as demais se deve saber o número de horas trabalhadas naquele mês a fim de identificar eventualidades como paradas ou montagens de projetos. 10) Satisfação com a contratada Pontos Nortec Figura 9 Pontuação total da contratada A pontuação total de cada contratada elaborada apartir da pontuação de cada área cliente em cada quesito mencionado no questionário de avaliação de satisfação possibilita o acompanhamento da oscilação da satisfação com a contratada mês a mês.

14 6. CONCLUSÕES Os indicadores adotados para avaliar o desempenho da manutenção terceirizada podem sofrer limitações devido ao sistema de informatização utilizado pela empresa. Assim deve-se buscar indicadores similares que estejam a disposição e orientados para a satisfação das necessidades do contratante. As prioridades competitivas para as quais os indicadores foram desenvolvidos devem servir para um aperfeiçoamento constante nos processos de manutenção industrial, levando a um estreitamento na parceria estabelecida e melhoria nos resultados operacionais. 7. REFERÊNCIAS CANHADA, Marcos A.; LIMA, Carlos R.C.; Indicadores de Avaliação de Desempenho da Manutenção Industrial Terceirizada; ENEGEP, São Paulo, 2000 GARVIN, David A., Gerenciando a Qualidade A Visão Estratégica e Competitiva., Rio de Janeiro, Qualitymark, 1992 SIQUEIRA, Márcio.Indicadores de Desempenho O Perfil Competitivo das Indústrias de Malhas do Pólo Industrial de Monte Sião. Dissertação de Mestrado, EFEI, Itajubá, 1999.

15 ANEXO 1 QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO COM A CONTRATADA Avaliação de Satisfação com a Contratada Empresa: Coordenador de manutenção: Empreiteira a ser analisada: Mês em análise: Este questionário ter por objetivo levantar a satisfação das áreas Rhodia com relação as contratadas operantes dentro do site de Paulínia. Em função de cada fator mencionado abaixo, favor dar uma nota (1-5) com relação a satisfação obtida da contratada, e colocar a importância deste fator (1-5) para sua área ou empresa. O total acumulado servirá como referência para o Departamento de Gestão de Contratos avaliar a contratada com base na importância dada por cada área ou empresa, a cada um dos fatores abaixo expostos. Fator 1 Prazo 2 Qualidade 3 Segurança 4 Capacidade Técnica 5 Prontidão 6 Flexibilidade 7 Proatividade 8 Preços praticados 9 5 S 10 Relacionamento Nota ( 1-5) Importância do Fator (1-5) Total Acumulado N x IF Escala a ser utilizada IMPORTÂNCIA NOTA SATISFAÇÃO NOTA Fundamental 5 Ótimo 5 Alta 4 Bom 4 Indiferente 3 Aceitável 3 Baixa 2 Ruim 2 Nula 1 Péssimo 1

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula I - 11/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula I - 11/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula I - 11/08/2011 Gerenciamento de Serviços TI 1.Introdução; 2. Panorama Atual; 3. Necessidade do alinhamento de TI a estratégia

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA?

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? João Luiz Kovaleski (2) Rui Francisco Martins Marçal (3) Luiz Alexandre Barbosa Pinto (1) Resumo A área de manutenção de

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

Cases de sucesso 21/3/2012. Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores

Cases de sucesso 21/3/2012. Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores Cases de sucesso Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores Academia Boa Forma As Unidades Campo Belo e Itapevi possuem um espaço gratuito para atividades físicas dentro

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 30 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade V: O Plano de Marketing Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM Planejamento é tudo... Link: http://www.youtube.com/watch?v=dwt9ufbxluk

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT Governança de TI Governança de TI 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT TI precisa de Governança? 3 Dia-a-dia da

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Preparando a força de trabalho para o futuro Planejamento de recursos humanos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Outsourcing. Terceirização. Ambiente de Negócios e Marketing. Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina- FACAPE

Outsourcing. Terceirização. Ambiente de Negócios e Marketing. Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina- FACAPE Outsourcing Terceirização Profa Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br DEFINIÇÃO: Processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros com os quais se estabelece uma relação

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA. Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA. Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr SLA O que é entregar um bom serviço? 2 1 Um bom Serviço Considerando

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO André Peixoto Graduação Engenharia Mecânica - UFMG Especialização Condicionamento de Ambientes

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Gerência de Projetos Oferece uma visão integrada de todos

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

Terceirização de RH e o líder financeiro SUMÁRIO EXECUTIVO. Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM

Terceirização de RH e o líder financeiro SUMÁRIO EXECUTIVO. Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM SUMÁRIO EXECUTIVO Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM Os serviços de terceirização de RH economizam tempo e dinheiro para as empresas. Investimentos em engajamento dos funcionários

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL DADOS DA EMPRESA Tipo Capital Sede TIGER SCREWS 1 Funcionários 800 Produção Mix de Produtos Faturamento (último ano) Ranking Principais

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Agora que você já conheceu algumas características dos Sistemas de Informação, nesta aula você vai aprender um pouco sobre tipos de sistemas. Você conhecerá a integração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

CONSULTORIA FINANCEIRA

CONSULTORIA FINANCEIRA CONSULTORIA FINANCEIRA OBJETIVO DOS TRABALHOS Objetivo principal de nossos serviços é apoiar a administração da Empresa na execução da estrutura do fluxo de caixa, analisar contas a pagar e contas a receber,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio

EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio CASO PRÁTICO 3: ORÇAMENTO EMPRESARIAL EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio 1.1 Complete o número-índice correspondente à variação mensal do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais