Principais dis tribu içõe s Gnu /Linu x ação, Configu ração e Adm inis tração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais dis tribu içõe s Gnu /Linu x ação, Configu ração e Adm inis tração"

Transcrição

1 GNU/Linu x para Ne w bie s Principais dis tribu içõe s Gnu /Linu x Ins tal ação, Configu ração e Adm inis tração Gru be l o Apre s e nta, h ttp://gru be l

2 GNU/Linu x para Ne w bie s Por Ju l iano R am os de O l ive ira

3 Pre fácio De acordo com a e ncicl opédia l ivre w ik ipe dia, Ne w bie é u m a pal avra ingl esa para "novato". Em bora al gu m as pe s s oas ach e m q u e o te rm o varie do ingl ês "ne w boy" (garoto novo), o ce rto é q u e a orige m de ne w bie ve m de Ne w (novo) + Bio (vida). Se ria al go com o "re cém nas cido", ou, por conte xtu al ização, "re cém ch e gado". R e cém ch e gado, é ju s tam e nte o foco para q u e m e s te l ivro foi de s e nvol vido, na inte rne t e xis te m dive rs os e -book s s obre o s is te m a ope racionalgnu/linu x, m as s ão pou cos os l ivros atu al izados e q u e te m foco ao u s u ário ne w bie. O GNU/Linu x para Ne w bie s, apre s e nta a você l e itor as principais dis tribu içõe s GNU/Linu x para com pu tadore s pe s s oais (de s k tops ), al ém de fe rram e ntas práticas de configu ração. A l ingu age m abordada ne s te l ivro é s im pl e s e dire ta, s e m te rm os técnicos e com andos e nigm áticos, al ém de o l ivro não s e pre nde r a ne nh u m a dis tribu ição. Es te l ivro pre te nde de s m is tificar a idéia de q u e o s is te m a ope racionalgnu/linu x é fe ito para ne rds de ócu l os fu ndo de garrafa e cara ch e ia de e s pinh as, q u e pas s am h oras a fre nte do com pu tador. 3

4 Es q u e rdos Au torais Es q u e rdos au torais, ou s im pl e s m e nte copyl e ft é u m a m ane ira de pe rm itir q u e q u al q u e r pe s s oa pos s a com part h ar, m odificar e ape rfe içoar e s te l ivro. O de s e nvol vim e nto de s te l ivro s om e nte foi pos s ive la u m a grande m as s a de inform ação dis poníve lna inte rne t e m dom ínio públ ico, por e s te m otivo nada m ais ju s to do q u e tornar e s te l ivro públ ico. Em u m m u ndo capital is ta com o o nos s o, onde os grande s de te ntore s de pode r s ão aq u e l e s q u e de têm inform ação, corre r na dire ção opos ta pode pare ce r l ou cu ra; no e ntanto, q u e m s e gu e a f os ofia GNU te m u m a ou tra vis ão do m u ndo, u m a vis ão l ivre, u m a vis ão onde q u al q u e r pe s s oa pos s a com part h ar, m el h orar e dis tribu ir inform ação, u m a vis ão de u m m u ndo ope ns ou rce. Um a ve z u m a grande s ábio dis s e : "Se você pe ns a e m dias, pl ante fl ore s. Se pe ns a e m anos, pl ante árvore s. Se pe ns a e m e te rnidade, pl ante idéias. Sobre copyl e ft: h ttp://w w w.gnu.org/copyl e ft/copyl e ft.pt.h tm l 4

5 Introdu ção ao Gnu /l inu x Qu is cu s todit ips os cu s todis? Qu e m gu ardará os gu ardiõe s?

6 O rige m do Linu x O nom e Linu x, s u rgiu da m is tu ra de Linu s + Unix. Linu s é o nom e do criador do Linu x, Linu s Torval ds e Unix, é o nom e de u m s is te m a ope racionalde grande porte, no q u alcontare m os s u a h is tória agora, para q u e você e nte nda m e l h or a do Linu x: A orige m do Unix te m l igação com o s is te m a ope racionalm u l tics, proje tado na década de Es s e proje to e ra re al izado pe l o M as s ach u s e ts Ins titu te of Te ch nol ogy (conh e cido com o M IT), pe l a Ge ne ralel e tric (GE) e pe l os l aboratórios Be l l(be l llabs ) e Am e ricante l e ph one na Te l e graph (AT& T). A inte nção e ra de q u e o M ul tics tive s s e caracte rís ticas de te m po com part h ado (vários u s u ários com part h ando os re cu rs os de u m único com pu tador), s e ndo as s im, o s is te m a m ais arrojado da época. Em 19 69, já e xis ita u m a ve rs ão do M u l tics rodando nu m com pu tador GE645. Ke n Th om ps om, e ra u m pe s q u is ador do M u l tics e trabal h ava na Be l llabs. No e ntanto, a e m pre s a s e re tirou do proje to te m pos de pois, m as e l e continu ou s e u s e s tu dos no s is te m a. M as, de s de e ntão, s u a idéia não e ra continu ar no M u l tics originale s im criar al go m e nor, m as q u e cons e rvas s e as idéias bás icas do s is te m a. A partir daí, com e çou a s aga do s is te m a Unix. Brian Ke rnigh an, tam bém pe s q u is ador da Be l llabs, foi q u e m de u e s s e nom e. Em 19 73, ou tro pe s q u is ador da Be l llabs, De nnis R itch ie, re s cre ve u todo o s is te m a Unix nu m a l ingu age m de al to níve l, ch am ada C, de s e nvol vida por e l e m e s m o, por cau s a dis s o, o s is te m a pas s ou a te r grande ace itação por u s u ários e xte rnos a Be l llabs. Entre e 19 81, a AT& T, al te rou o Unix, faze ndo al gu m as m u danças particu l are s e l ançou o Sys te m III.. Em 19 83, após m ais u m a s érie de m odificaçõe s, foi l ançado o conh e cido Unix Sys te m IV, q u e pas s ou a s e r ve ndido. Até h oje e s s e s is te m a é u s ado no m e rcado, tornando-s e o padrão inte rnacionaldo Unix. Es s e s is te m a é com e rcial izado por e m pre s as com o IBM, H P e Su n. O Unix, é u m s is te m a ope racionalm u ito caro e é u s ado e m com pu tadore s pode ros os por dive rs as m u l tinacionais. M as, q u ala re l ação e ntre o Unix e o Linu x, ou m e l h or, e ntre o Unix e Linu s Torval ds? Para re s ponde r e s s a pe rgu nta, é ne ce s s ário fal ar de ou tro s is te m a ope racional, o M inix. O M inix é u m a ve rs ão do Unix,porém, gratu ita e com o código fonte dis poníve l. Is s o s ignifica q u e q u al q u e r program ador e xpe rie nte pode faze r al te raçõe s ne l e. El e foi criado original m e nte para u s o e du cacional, para q u e m q u is e s s e e s tu dar o Unix e m cas a. No e ntanto, val e citar q u e e l e foi e s crito do "ze ro" e ape s ar de s e r u m a ve rs ão do Unix, não contém ne nh u m código da AT& T e por is s o pode s e r dis tribu ído gratu itam e nte. A partir daí, "e ntra e m ce na", Linu s Torval ds. El e e ra u m e s tu dante de Ciências da Com pu tação da Unive rs idade de H e l s ink i, na F ândia e e m , por h obby, Linu s de cide de s e nvol ve r u m s is te m a m ais pode ros o q u e o M inix. No m e s m o ano, e l e dis ponib izou a ve rs ão do k e rne l(núcl e o dos s is te m as pe racionais )0.02 e continu ou trabal h ando até q u e e m , dis ponib izou a ve rs ão 1.0. Até o m om e nto e m q u e e s te artigo e s tava s e ndo e s crito, a ve rs ão atu ale ra a

7 M as porq u e o Linu x é gratu ito? Linu s Torval ds, q u ando de s e nvol ve u o Linu x, não tinh a a inte nção de ganh ar dinh e iro e s im faze r u m s is te m a para s e u u s o pe s s oal, q u e ate nde s s e s u as ne ce s s idade s. O e s t o de de s e nvol vim e nto q u e foi adotado, foi o de aju da col e tiva. O u s e ja, e l e coorde na os e s forços col e tivos de u m gru po para a m e l h oria do s is te m a q u e criou. M h are s de pe s s oas contribu e m gratu itam e nte com o de s e nvol vim e nto do Linu x, s im pl e s m e nte pe l o praze r de faze r u m s is te m a ope racionalm e l h or. Lice nça GPL O Linu x e s tá s ob a l ice nça GPL. Es s a l ice nça, pe rm ite q u e q u al q u e r u m pos s a u s ar inde te rm inadam e nte os program as q u e e s tão s obre e l a, com o com prom is s o de não tornar os program as fe ch ados e com e rcial izados. O u s e ja, você pode al te rar q u al q u e r parte do Linu x, m odificá-l o e até com e rcial izá-l o, m as você não pode fe ch á-l o (não pe rm itir q u e ou tros u s u ários o m odifiq u e m ) e ve ndê-l o., GNU M as a h is tória do Linu x não te rm ina por aq u i. É ne ce s s ário tam bém s abe r o q u e é GNU. GNU é u m proje to q u e com e çou e m com o obje tivo de de s e nvol ve r u m s is te m a ope racionalcom patíve lcom os de padrão Unix. O Linu x e m s i, é s ó u m k e rne l. Linu s Torval ds, na m e s m a época q u e e s cre via o código-fonte do k e rne l, com e çou a u s ar program as da GNU para faze r s e u s is te m a. gos tando da idéia, re s ol ve u de ixar s e u k e rne lde ntro da m e s m a l ice nça. M as, o k e rne lpor s i s ó, não é u s u s áve l. O k e rne lé a parte m ais im portante, pois é o núcl e o, e s e rve de com u nicador e ntre o u s u ário e o com pu tador. Por is s o, com o u s o de variante s dos s is te m as GNU ju nto com o k e rne l, o Linu x s e tornou u m s is te m a ope racional. Você pode te r ficado confu s o agora. O q u e é o Linu x? E e ntão? O q u e é GNU? Sim pl e s m e nte, várias pe s s oas u s am u m a ve rs ão m odificadas dos s is te m as GNU, pe ns ando q u e é o Linu x e m s i. O s program adore s q u e trabal h am com e l e, s abe m q u e o Linu x, é bas icam e nte o k e rne l, conform e já foi dito, m as todos, ch am am e s s e conju nto de Linu x (h á q u e m de fe nda o u s o de GNU/Linu x). Final izando, o proje to GNU, é u m dos re s pons áve is pe l o s u ce s s o do Linu x, pois graças á "m is tu ra" de s e u s program as com o k e rne lde s e nvol vido por Linu s Torval ds, o Linu x ve m m os trando porq u e é u m s is te m a ope racionaldigno de h ab idade s ins u pe ráve is por q u al q u e r ou tro s is te m a. M ais s obre o GNU h ttp://w w w.gnu.org/h om e.pt.h tm l 7

8 Linu s Torval ds De s e nvol ve dor do Linu x R ich ard M atth e w Stal l m an De s e nvol ve dor do proje to GNU 8

9 Fre e Softw are O te rm o "Fre e Softw are " é u t izado para program as de com pu tador cu jo código-fonte é dis poníve lao u s u ário. Código-Fonte é u m conju nto de re gras q u e faze m o program a s e r e xe cu tado. Im aginam os agora u m s is te m a ope racionalproprie tário com m h are s de l inh as de código, s e rá m e s m o q u e não e xis te "back doors ", "s pyw are s " ou q u al q u e r ou tro tipo de s is te m a e s pião col e tando inform açõe s pre cios as s obre s e u pe rfde u s u ário? Você de ve e s tar s e pe rgu ntando, para q u e al gu êm gos taria de te r inform açõe s s obre m inh a u t ização? no e ntanto, im agine você s abe ndo a pre fe rência de bu s ca na inte rne t de m h õe s de u s u ários, q u alo form ato de áu dio e víde o m ais u t izado, q u ais apl icativos m ais u t izados, e ntre ou tras inform açõe s... Se m dúvida, você de s e nvol ve ria al go bas e ando-s e ne s tas inform açõe s e ganh aria m u ito dinh e iro com is to, não é? Pois be m, é is to q u e os grande s m onopól ios de s oftw are faze m a todo ins tante! agora im agine, s e e s tas inform açõe s s ão ainda piore s do q u e s im pl e s m e nte dados e s tatis ticos, digam os q u e e s te s is te m a col e ta dados pe s s oais, com o nom e de u s u ário e s e nh a de e -m a, s e nh as de bancos, e ntre ou tras cois as ; você de ve ach ar q u e e s tou s e ndo paranóico, m as com o confiar q u e is to não aconte ce, s e não pode m os vis u al izar o código fonte? Avançando ainda m ais ne s ta m inh a l inh a paranóica de racíocinio, im agine q u e você é o M inis tro da De fe s a do Bras, você confiaria q u e todo s e u s is te m a q u e arm aze na dados m itare s de al ta s e gu rança, fos s e de s e nvol vido por u m ou tro país, com o por e xe m pl o, os Es tados Unidos e q u e o código de s te s is te m a não fos s e pos s ive lde s e vis u al izar e al te rar? Fe l izm e nte nos s os s ábios m itare s a te m po te m adotado o u s o de "fre e s oftw are s "! no e ntanto, al gu m as parte s gove rnam e ntais argu m e ntam pe l a u t ização do s oftw are proprie tário, o q u e ge ra m á u t ização dos re cu rs os públ icos, al ém de forne ce r ins e gu rança a áre a de TI. Is to aconte ce, de vido a favore cim e ntos q u e e s tas e m pre s as ofe re ce m a tais pol iticos. Um s is te m a ope racionalproprie tário cu s ta h oje e m torno de 400 R e ais, u m pacote de e s critório q u e contém e ditor de te xto, pl an h a el e trônica, apre s e ntação de s l ide s e banco de dados cu s ta e m torno de 350 R e ais. O pre ço de s te s s oftw are s ch e ga a s e r s im ar ao pre ço de u m com pu tador (h ardw are ) para u m u s u ário com u m ; pode m os até afirm ar, q u e cas o fos s e m os u t izar: GNU/Linu x + O pe no ffice.org, dois "fre e s oftw are s " pode riam os m ontar dois com pu tadore s ao invés de u m s ó com s oftw are proprie tário, obte ndo os m e s m os re cu rs os e ainda por cim a te ndo a m áxim a s e gu rança e confiab idade. Te nh o ce rte za, q u e você pe ns ará u m pou co m ais ne s ta próxim a e l e ição, afinalq u ando nos s o gove rno com pra com pu tadore s para as e s col as ou program as de incl u s ão digital, faze m is to com nos s o dinh e iro! E s ince ram e nte, não m e agrada e m nada, s abe r q u e m e u dinh e iro e s ta s e ndo u s ado para com pra de s oftw are s proprie tários de e m pre s as e xtrange iras q u e e m nada aju dam no de s e nvol vim e nto da nos s a nação. 9

10 Para continu ar a e xpl icação do te rm o "fre e s oftw are ", de ixo abaixo u m tre ch o da f os ofia do s oftw are l ivre, e s crita por R ich ard Stal l m an: Softw are Livre é u m a q u e s tão de l ibe rdade, não de pre ço. Para e nte nde r o conce ito, você de ve pe ns ar e m l ibe rdade de e xpre s s ão não e m ce rve ja grátis. - R ich ard Ste l l m an. Softw are l ivre s e re fe re a l ibe rdade dos u s u ários e xe cu tare m, copiare m, dis tribu íre m, e s tu dare m, m odificare m e ape rfe içoare m o s oftw are. M ais pre cis am e nte, e l a s e re fe re a 4 tipos de l ibe rdade : A l ibe rdade de e xe cu tar o program a, para q u al q u e r propós ito (l ibe rdade no. 0) A l ibe rdade de e s tu dar com o o program a fu nciona, e adaptá-l o para as s u as ne ce s s idade s (l ibe rdade no. 1). Ace s o ao código-fonte é u m pré-re q u is ito para e s ta l ibe rdade. A l ibe rdade de re dis tribu ir cópias de m odo q u e você pos s a aju dar ao s e u próxim o (l ibe rdade no. 2). A l ibe rdade de ape rfe içoar o program a, e l ibe rar os s e u s ape rfe içoam e ntos, de m odo q u e toda a com u nidade s e be ne ficie (l ibe rdade no. 3). Ace s s o ao código-fonte é u m pré-re q u is ito para e s ta l ibe rdade. Um program a é Softw are Livre s e os u s u ários te m todas e s tas l ibe rdade s, re s u m indo, você pode faze r cópias de s te program a, ve nde r ou dis tribu ir gratu itam e nte, s e m pre cis ar pe dir pe rm is s ão para ningu ém. Es tu de m ais s obre e s te as s u nto ne s te s ite : h ttp://w w w.gnu.org/ph os oph y/fre e -s w.pt.h tm l Gl os s ário: De acordo com o W ik ipédia, Back door: Back door (Porta dos fu ndos ) é u m tre ch o de código m al -inte ncionado q u e cria u m a ou m ais fal h as de s e gu rança para dar ace s s o ao s is te m a ope racionalà pe s s oas não au torizadas. Es ta fal h a de s e gu rança criada é anál oga a u m a porta dos fu ndos por onde a pe s s oa m al -inte ncionada pode e ntrar (invadir) o s is te m a. Back doors pode m s e r ins e ridos propos ital m e nte pe l os criadore s do s is te m a ou pode m s e r obra de te rce iros, u s ando para is s o u m víru s, ve rm e ou caval o de tróia. De acordo com o w ik ipédia, s pyw are : Spyw are cons is te nu m program a au tom ático de com pu tador, q u e re col h e inform açõe s s obre o u s u ário, s obre os s e u s cos tu m e s na Inte rne t e trans m ite e s s a inform ação a u m a e ntidade e xte rna na Inte rne t, s e m o s e u conh e cim e nto ne m o s e u cons e ntim e nto. 10

11 Dis tribu içõe s GNU/Linu x "O rio atinge s e u s obje tivos, porq u e apre nde u a contornar obs tácu l os "

12 Dis tribu içõe s de Gnu /Linu x Dis tribu içõe s Linu x M u itas Corporaçõe s, O ngs, e indivídu os de s e nvol ve m u m a dis tribu ição Linu x, nota-s e : Um a dis tribu ição Linu x não é u m a ve rs ão do l inu x! Com o dito ante riorm e nte o Linu x é o k e rne ldo s is te m a, e atu al m e nte o k e rne le s tá na ve rs ão: 2.6 (Você pode acom panh ar o l ançam e nto do k e rne lno s ite : h ttp://w w w.k e rne l.org/) Se ndo as s im, o q u e é u m a dis tribu ição Linu x? Nada m ais é q u e o e m pacotam e nto de dive rs os s oftw are s l ivre s (ou proprie tários ), e u m de s te s s oftw are s é o Ke rne l(l inu x). Você m e s m o pode de s e nvol ve r u m a dis tribu ição Linu x! Dis tribu ição Linu x: Apl icativo Y Apl icativo X Apl icativo Z Sis te m a O pe rcionallinu x Núcl eo l inu x (Ke rne l ) Program as de Sis te m a GNU Diagram a de u m a dis tribu ição Linu x 12

13 Exe m pl os de Dis tribu içõe s Linu x O pe nsu s e : O O pe nsu s e é m antido pe l a e m pre s a Nove le s e u de s e nvol vim e nto é com u nitário, el e é indicado para s e rvidore s e u s o dom és tico. h ttp://w w w.ope ns u s e.org De bian : O De bian é cons ide rada a dis tribu ição m ais Pu ra do l inu x, por s e r inte iram e nte de s e nvol vido vol u ntariam e nte. h ttp://w w w.de bian.org M andriva : O M andriva foi u m a das prim e iras dis tribu içõe s a pos s u ir u m ins tal ador gráficos, s im pl es e fu ncional. El a é u m a ótim a pe dida para o u s o dom és tico. h ttp://w w w.m andriva.com.br 13

14 Lis ta das principais dis tribu içõe s de Gnu /Linu x Dis tribu içõe s de propós ito ge ral Al ine x (bas e ada e m De bian) Arch Linu x Big Linu x (bas e ada no Ku ru m in) Caixa M ágica Ce nto S (bas e ada no R e dh at Linu x) Dam n Sm al llinu x (bas e ada e m De bian) De bian De bian-br -CDD (Bas e ada no De bian) Dre am Linu x (Bas e ada no De bian, Knoppix, e M orph ix) Ek aaty Fe dora Core (bas e ada no R e dh at Linu x) Fore s igh t Linu x Fox Linu x Fl u xbu ntu (Ubu ntu com am bie nte gráfico Fl u xbox) Fre e dow s Gu aranix (bas e ada no Ge ntoo) Ge ntoo Linu x gne w Se ns e (bas e ada no Ubu ntu ) GoboLinu x Goobu ntu (bas e ada no Ubu ntu ) Ins igne GNU Linu x (Bas e ada no De bian, Fe dora) Libe rtas Line x (bas e ada e m De bian) Lins pire Linu x From Scratch Lycoris _ De s k top/lx Ku bu ntu (Ubu ntu com am bie nte gráfico KDE) Ku ru m in M andriva (Fu s ão do M andrak e l inu x com Cone ctiva) M u riq u i_ Linu x R e dh at Linu x R xart Satu x Sl ack w are Linu x Sorce re r GNU/Linu x Spinix Su SE Sabayon Linu x SLS Linu x Te ch Linu x Tu too-linu x (dis tribu ição bras e ira bas e ada no Ge ntoo) Ubu ntu Linu x (Bas e ada no De bian) 14

15 Dis tribu içõe s Live CD As dis tribu içõe s e m Live CD rodam dire to do cdrom. Arco-De bian Linu x Big_ Linu x Caixa M ágica Live CD CLive (bas e ada e m Cone ctiva Linu x) Dizinh a Linu x (bas e ada no Ku ru m in) Fam e l ix (Bas e ada e m De bian e Knoppix) Am bie nte s im ar ao W indow s XP Gobl inx Gnoppix (bas e ada e m Knoppix) Ins igne GNU Linu x (bas e ada e m De bian/fe dora) Litrix_ Linu x Kya Linu x (bas e ada e m Sl ack w are Linu x) Kal ango Linu x (bas e ada no Ku ru m in) Kanotix (bas e ada e m Knoppix) Knoppix (bas e ada e m De bian Linu x) Ku ru m in (bas e ada e m Knoppix) Ku ru m in Gam e s (Bas e ada no Ku ru m in) NUbu ntu PH LAK (Bas e ado no M orph ix) Pu ppy Linu x Pos e idon Linu x (bas e ada no Ku ru m in) Paipix Qu antix Tatu i x Resul inu x Satu x (Bas e ada e m De bian ) Sacix Sl ax (bas e ada e m Sl ack w are Linu x) Ubu ntu Linu x (bas e ada e m De bian Linu x) Vixta (proje to bas e ado no Fe dora com apare ncia do W indow s Vis ta)[1] Dre am Linu x (Bas e ada e m De bian, M orph ix e Knoppix) Dis tribu içõe s de propós ito e s pe cial Back Track (Fu s ão do W h ax com Au ditor_ Se cu rity_ Col l e ction) Bootabl e Bu s ine s s Card Cytru n Linu x Edu bu ntu Em be dde d De bian Endian Fire w al l Ubu ntu Stu dio 15

16 O Gnu /Linu x Ubu ntu "A vida e s tá ch e ia de de s afios q u e, s e aprove itados de form a criativa, trans form am -s e e m oportu nidade s." ( M axw e l lm al tz)

17 O Ubu ntu Linu x "Ubu ntu " é u m a antiga pal avra Africana, cu jo s ignificado é "h u m anidade para todos ". Ubu ntu tam bém q u e r dize r "E s ou o q u e s ou de vido ao q u e todos nós s om os ". A dis tribu ição Ubu ntu Linu x traz o e s pírito do Ubu ntu ao m u ndo do s oftw are. O Ubu ntu é u m s is te m a ope rativo com pl e to bas e ado e m Linu x, l ivre m e nte dis poníve l, com s u porte tanto da com u nidade q u anto profis s ional. É de s e nvol vido por u m a vas ta com u nidade e nós convidam o-l o a participar tam bém! A com u nidade Ubu ntu e s tá fu ndada nos ide ais cons agrados no m anife s to Ubu ntu s e gu ndo o q u al : as apl icaçõe s inform áticas de ve m s e r dis ponib izadas de form a gratu ita, q u e as apl icaçõe s de ve rão s e r u s adas por q u al q u e r pe s s oa inde pe nde nte m e nte da s u a l ingu age m m ate rna e todas as pe s s oas de ve m te r a l ibe rdade de al te rar e pe rs onal izar q u al q u e r apl icação de m odo a obte re m o q u e el as ne ce s s itam. Por e s te s m otivos : O Ubu ntu s e rá s e m pre gratu ito e não e xis te cu s to e xtra para a "e dição e m pre s arial " nós dis ponib izam os o nos s o m e l h or produ to s ob os m e s m os te rm os de Libe rdade. O Ubu ntu ve m com s u porte profis s ionale m te rm os com e rciais de ce nte nas de com panh ias e m todo o m u ndo, s e pre cis ar de s s e s s e rviços. Cada ve rs ão do Ubu ntu re ce be actu al izaçõe s de s e gu rança du rante 18 m e s e s de pois de cada l ançam e nto, al gu m as ve rs õe s s ão s u portadas por m ais te m po. O Ubu ntu incl ui a m el h or infra-e s tru tu ra de s u porte a tradu çõe s e ace s s ib idade q u e a com u nidade de apl icaçõe s inform áticas l ivre s ("Fre e Softw are ") te m para ofe re ce r, de m odo a tornar o Ubu ntu u t izáve lpe l o m aior núm e ro pos s íve lde pe s s oas. O Ubu ntu é l ançado de m odo re gu l ar e pre vis íve l ; todos os s e is m e s e s é l ançada u m a nova ve rs ão. Pode u t izar a ve rs ão e s táve lcorre nte ou a ve rs ão q u e e s tá actu al m e nte e m de s e nvol vim e nto. Cada ve rs ão é s u portada, pe l o m e nos, du rante 18 m e s e s. Te xto re tirado da com u nidade u bu ntu bras : h ttp://w w w.u bu ntu -pt.org/w e b/ 17

18 Com o obte r o Ubu ntu Linu x? Com o obte r o Ubu ntu? Você pode obte r o cd do Ubu ntu Linu x, pe dindo no s ite : h ttps ://s h ipit.u bu ntu.com / após o pe dido, o u bu ntu é e nviado por carta para a s u a re s idência, s e m ne nh u m cu s to. Com o o pacote ve m de fora do Bras, pode -s e de m orar até três s e m anas. O u tra opção, é baixando a im age m do cd (s ão 700m bs de dow nl oad), o portaloficialde dow nl oad é: h ttp://w w w.u bu ntu.com /ge tu bu ntu /dow nl oad Gravando u m a im age m do Ubu ntu l inu x pe l o Ne ro A m aioria das pe s s oas q u e q u e re m conh e ce r o Linu x, e s tão m igrando do M icros oft W indow s, por e s te m otivo, vou de m ons trar com o gravar corre tam e nte pe l o ne ro, o cd do Ubu ntu. Faça o Dow nl oad do Ubu ntu, no s ite indicado acim a e abra o ne ro. Cl iq u e na opção "Dis k Im age or s ave Proje ct" ol h e a im age m abaixo: De pois de s te pas s o na opção "Arq u ivo do tipo" de ixe s e l e cionado com o : Todos os arq u ivos. Es col h a a im age m a s e r gravada (arq u ivo.is o) Bas ta cl icar e m "Abrir" e Qu e im ar a im age m : 18

19 Ut izando o l ive -Cd do Ubu ntu Ins ira o Cd-R om do Ubu ntu no drive de CD, e s e l e cione no Se tu p do s e u com pu tador, a opção: "Iniciar por Cdrom ", e m al gu ns s e tu ps, bas ta m u dar a opção de boot para: cdrom, H ard Dis k, Ne tw ork Ne s ta Prim e ira te l a, ape rte F2 e sel e cione o idiom a Portu gu ês Bras Após o s is te m a carre gar, você já pode u t izar o Ubu ntu Linu x via Cd-rom, no e ntanto, q u al q u e r al te ração re al izada no s is te m a é pe rdida após a re inicial ização do com pu tador. Para u t izar todos os re cu rs os do Ubu ntu Linu x, é ne ce s s ário R e al izar s u a ins tal ação. Vam os e ntrar ne s te tópico daq u i a pou q u inh o, por e nq u anto aprove ite para ir conh e ce ndo o s is te m a. R odando o Sis te m a Pe l o Cd-R om, o De s e m pe nh o fica m e io l im itado 19

20 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Exis tiu u m te m po q u e ins tal ar o Gnu /Linu x e m u m com pu tador, e ra u m a tare fa com pl icada; e ra ne ce s s ário u m prévio conh e cim e nto de h ardw are, e tam bém dos pacote s a s e re m ins tal ados. No e ntanto, com o avanço dos ins tal adore s gráficos, com o o do u bu ntu, bas ta ape nas s abe r u t izar o m ou s e. De pois de iniciado o CD do Ubu ntu Linu x, cl iq u e no ícone do de s k top ch am ado: Ins tal ar o s is te m a no com pu tador Es col h a o Idiom a na col u na a e s q u e rda e cl iq u e na opção avançar 20

21 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Se l e cione o fu s o h orário, você pode cl icar no M apa M u ndial, ou e s col h e r pe l o m e nu l ogo abaixo. No m e u cas o o fu s o h orário é São Pau l o, fe ito is to cl iq u e e m avançar Se l e cione na col u na a e s q u e rda a orige m do s e u te cl ado, no nos s o cas o: Bras, e na col u na a dire ita, s e l e cione o m ode l o. Em baixo e xis te u m a áre a de te s te, ve rifiq u e s e o ce d h a (ç) e s tá fu ncionando, e cl iq u e e m avançar. 21

22 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Ne s te ponto, te m os q u e particionar o Dis co R igido (H D), o Ubu ntu ofe re ce no prim e iro cam po, a opção de faze r is to au tom aticam e nte, no e ntanto, vam os faze r de m ane ira m anu al ; ju s tam e nte para ve r a s im pl icidade de u m particionam e nto. Es col h a a opção "M anu al " e cl iq u e e m avançar. No m e u cas o e u pos s u o u m H D de 4GB, s e m ne nh u m a partição, e ntão, bas tou cl icar na opção /de v/h da com o botão dire ito do m ou s e e e s col h e r a opção "Ne w Partition Tabl e ". Cas o você te nh a partiçõe s, para re m ove l as, cl iq u e com o botão dire ito do m ou s e s obre e l as e e s col h a "R e m ove partitions ". 22

23 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Qu ando você cria u m a tabe l a de partiçõe s, l ogo e m baixo apare ce a prim e ira partição: "Fre e s pace " com o tam anh o totaldo H D, q u e no m e u cas o m os tra (4GB). No e ntanto, q u e ro dividir e s te H D. O Linu x u t iza u m a partição ch am ada "Sw ap", q u e é u m a m e m oria virtu al, u t izada q u ando s u a m e m ória R AM e s tá total m e nte u t izada, e vitando as s im travam e nto do s is te m a. O tam anh o da partição Sw ap de ve s e r criado de acordo com s u a ne ce s s idade, s e ndo q u e e m u m com pu tador dom és tico com 512M B de R am, u m a s w ap de 200M B é m ais q u e o s u ficie nte, pois raram e nte você irá ul trapas s ar a u t ização de s u a M e m oria R AM. Qu ando inicie i no Linu x, via al gu m as te orias s obre a criação de m e m ória s w ap, ch e gu e i a de ixar m ais de 800M B para a m inh a; no e ntanto de pois com o te m po, ch e cando o s is te m a, pe rce bi q u e o m áxim o de s w ap q u e e u já tinh a u s ado na vida, foi 100M B. Cl iq u e com o botão dire ito no "Fre e s pace " e e s col h a a opção "ne w partitions " Com o m os tra na figu ra ao l ado, você pode sel e cionar partição "prim ary" (prim ária), ou l ogical(l ógica), de ixe com o prim aria, abaixo você e s col h e o tam anh o da partição, no m e u cas o e u digite i 4000 (Es tá e m M B). De pois você e s col h e o s is te m a de particionam e nto, a m e l h or opção é o EXT3, e m ais abaixo você e s col h e o ponto de m ontage m, onde vai s e r ins tal ado o s is te m a, de ixe com u m a barra: / Faça o m e s m o proce s s o com a s u a partição Sw ap, com dife re nça q u e ne l a você não pre cis a e s pe cificar u m ponto de m ontage m. A barra "/" no l inu x, s ignifica "R oot" ou raíz do s is te m a, é o prim e iro dire tório de u m s is te m a UNIX, com parado ao s is te m a da m icros oft, s e ria o C:\ 23

24 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Criada as partiçõe s cl iq u e e m avançar O u bu ntu Linu x 7.04, pos s u i u m as s is te nte, para trans fe rir arq u ivos de s u a partição W indow s, e l e copia w al l pape rs, vide os, m u s icas, e im age ns, no e ntanto, com o e s tam os ins tal ando ape nas o l inu x, e não pos s u im os ne nh u m a partição com o W indow s, bas ta ignorar e s ta opção cl icando e m avançar. 24

25 Ins tal ando o Ubu ntu Linu x Es ta é a pe nu l tim a e tapa, bas ta digitar s e u nom e com pl e to no prim e iro cam po, no s e gu ndo digite s e u nom e de u s u ário, col oq u e a s e nh a, e s col h a u m nom e para o com pu tador, e cl iq u e e m avançar. O u bu ntu Linu x m os tra-l h e u m re s u m o de toda a configu ração re al izada até o m om e nto, bas ta cl icar na opção "Ins tal l " e e s pe rar a cópia dos arq u ivos. Em u m ce rto ponto, e l e irá q u e re r baixar pacote s adicionais na inte rne t, você pode ignorar e s te proce s s o, e concl u ir a ins tal ação. Após concl u ir, e re iniciar o com pu tador, tire o cd de de de ntro do drive de cd-rom, e rode o s is te m a já ins tal ado no s e u H D. Qu al q u e r dúvida, não de ixe de e ntrar e m contato com igo, no finaldo l ivro te m m e u s dados para contato. 25

26 Prim e iros pas s os... Ne m todas as pe s s oas, gos tam do vis u alpadrão do Ubu ntu Linu x, e u particu l arm e nte nu nca cons e gu i u t izar u m s is te m a, com a barra de tare fas na parte s u pe rior da te l a. Por is to, vam os faze r u m as m u danças bás icas e iniciais no s is te m a. A prim e ira m u dança, é re m ove r a barra de tare fas q u e e s tá no canto infe rior da te l a, e s ta barra de tare fas arm aze na, os program as m inim izados. Cl iq u e com o botão dire ito s obre e l a e e s col h a a opção e xcl u ir e s te paine l. De pois de fe ito is to, cl iq u e na barra s u pe rior, e q u ando virar u m a m ãozinh a, arras te até o canto infe rior, traze ndo as s im a barra para baixo. Agora, cl iq u e com o botão dire ito do m ou s e, e sel e cione a opção "Adicionar ao paine l ", você de ve s e l e cionar as opçõe s : Lis ta de jane l as (Para vis u al izar jane l as m inim izadas ), l ixe ira, e al te rnador de áre a de trabal h o. Fe ito is to, bas ta cl icar nos ícone s da barra de tare fa com o botão dire ito, e s col h e r a opção m ove r, e de ixar dis pe rs o na s u a barra de tare fas com o você q u is e r. M u dando a re s ol u ção da te l a O u bu ntu Linu x de fine por padrão, a m e l h or re s ol u ção para o s e u m onitor, no e ntanto ne m s e m pre o q u e é bom para e l e, é agradáve lpara nós u s u ários. Para m u dar a re s ol u ção, cl iq u e e m Sis te m a Pre fe rências - R e s ol u ção da te l a, m u de a re s ol u ção e cl iq u e e m "Apl icar". 26

27 Configu rando o ADSL H oje e m dia é dificu t izarm os u m com pu tador s e m ace s s o a inte rne t, por e s te m otivo, vam os ve r agora com o é s im pl e s criar u m a cone xão Ads lno u bu ntu Linu x. Cl iq u e no m e nu iniciar - Ace s s órios - Te rm inal O te rm inalé u m prom pt de com ando, onde daq u i para fre nte s e rá m u ito u t izado, para fac itar a configu ração do s is te m a. Todo com ando para a adm inis tração do s is te m a (Configu ração, ins tal ação de apl icativos, e dição de arq u ivos de s is te m a, e e tc...) No u bu ntu de ve s e r digitado ante s do com ando, o com ando: s u do. Ne s te l ivro, q u ando for digitado al gu m com ando, vou de ixar com a cor Azu l. Digite no prom pt o s e gu inte com ando: s u do ppppoe conf Se rá ne ce s s ário col ocar u m a s e nh a, q u e é a s e nh a do s e u u s u ário; a q u alvocê col ocou na ins tal ação do s is te m a. Qu ando o apl icativo "pppoe conf" inicia, e l e m os tra os dis pos itivos de re de de te ctados, bas ta ape rtar e nte r. E agu ardar q u e e l e pe s q u is e. Es col h a s im nas próxim as opçõe s, e q u ando e l e pe dir u m nom e de u s u ário, col oq u e s e u l ogin de au te nticação do ads l. Fe ito is to, bas ta ape rtar a te cl a <tab> e s e l e cionar a opção <ok >, col oq u e s u a s e nh a, e ate nção: a s e nh a s e rá m os trada na te l a, ou s e ja, não apare ce com os, por is to s e e s tive r e m am bie nte públ ico, s e ja rápido :-). Bas ta de ixar e m s im, e m todas as próxim as opçõe s ; fe ito is to, a inte rne t já e s tá fu ncionando. 27

28 Após a inte rne t e s tar fu ncionando... Atu al izando o Sis te m a De pois de configu rar a inte rne t, cl iq u e no m e nu s is te m a - Adm inis tração - Canais de Softw are (Se rá ne ce s s ário col ocar s u a s e nh a). Es col h a a opção Baixar de : "Se rve r for Braz ", cl iq u e na gu ia "Atu al izaçõe s ", e sel e cione ve rificar atu al izaçõe s : Se m anal m e nte. O u bu ntu s e m pre l ança novas e ntanto, s ão pe q u e nos patch s, ve z por s e m ana e s tá m ais q u e Fe ito is to cl iq u e e m fe ch ar, o com e çar a atu al izar a l is ta de atu al izaçõe s, no atu al izar u m a ótim o. s is te m a pode re pos itórios. R e pos itórios : São l ocais na inte rne t, q u e gu ardam apl icativos, para q u e o s is te m a baixe au tom aticam e nte, com al gu ns s im pl es com andos, com o ve re m os a s e gu ir. Nota-s e q u e na barra de tare fas e xis te u m a e s tre l a l aranja, q u e é o avis o de atu al izaçõe s, com o você acaba de ins tal ar o s is te m a, é im portante q u e você faça todas as atu al izaçõe s. Bas ta s e l e cionar o q u e de s e ja atu al izar, e cl icar na opção "Ins tal ar atu al izaçõe s " 28

29 Ins tal ando s u porte a M u l tim idia O u bu ntu te m u m a f os ofia ope ns ou rce, por e s te m otivo, e l e não dá s u porte nativo a arq u ivos M P3, ou q u al quer ou tro form ato proprie tário. Se i m u ito be m q u e u m u s u ário dom és tico, s e m s u porte m u l tim idia, não ficaria ne m u m dia u t izando o s is te m a, por e s te m otivo, ve ja com o é fácadicionar s u porte a q u as e todos os tipos de arq u ivos m u l tim idias e xis te nte s. Is to incl u i, M P3, W M V, Divx, m pg, avi e ou tros. De pois de atu al izado o s is te m a, cl iq u e no m e nu iniciar, ace s s órios, e abra o e ditor de te xto. Fe ito is to você de ve digitar u m s cript de configu ração(abaixo e m azu l ), copie e l e e s al ve com o : m u l tim idia.s h no s e u dire tório de u s u ário. Qu ando você for no "Sal var com o", au tom aticam e nte já e s tará s al vando no s e u dire tório de u s u ário. #!/bin/bas h # s cript by gru be l o #h ttp://gru be l /2007/06/code cs -m u l tim idia-para-u bu ntu -704.h tm l s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-ffm pe g s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-gl s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -bas e s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -good s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -bad s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -bad-m u l tive rs e s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -u gl y s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lgs tre am e r0.10-pl u gins -u gl y-m u l tive rs e s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal ll ibxine -e xtracode cs s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lffm pe g s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal ll am e s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lfaad s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal ls ox s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal lm jpe gtool s s u do apt-ge t -y --force -ye s ins tal ll ibxine -m ain1 De pois de fe ito o s cript acim a, e você te r s al vo com o nom e M u l tim idia.s h, é ne ce s s ário rodar u m com ando de pe rm is s ão de e xe cu ção para e s te s cript. Para q u e is to s e ja fe ito, abra u m te rm inale digite o com ando: s u do ch m od + x m u l tim idia.s h E de pois dis to, e xe cu te o com ando: s u do./m u l tim idia.s h O BS: s e rá pe dida a s u a s e nh a, agu arde e s te proce s s o l e va al gu m te m po, de pe nde ndo da ve l ocidade da s u a cone xão com a inte rne t, todos os pl u gins e s tão s e ndo baixados. 29

30 Ins tal ando o Au tom atix2 O Au tom atix2 é u m apl icativo m u ito út, pois e l e pe rm ite ins tal ar ou tros program as e pl u gins com m u ita fac idade. Prim e iro, baixe o pacote.de b do au tom atix : h ttp://w w w.ge tau tom atix.com /apt/dis ts /fe is ty/m ain/binary-i386/au tom atix2_ fe is ty_ i386.de b O pacote acim a é para u m com pu tador x86, e para o u bu ntu 7.04, cas o você e s te ja e m u m com pu tador am d64, ou u t izando ou tra ve rs ão do u bu ntu, pe s q u is e ne s te l ink s u a ve rs ão: h ttp://ge tau tom atix.com /w ik i/inde x.ph p?titl e =Ins tal l ation De pois de baixar o pacote, bas ta cl icar du as ve ze s s obre e l e, e e s col h e r a opção "Ins tal ar pacote ". De pois de ins tal ado, cl iq u e no m e nu iniciar - Fe rram e ntas de s is te m a Au tom atix2. Ace ite os te rm os, e agu arde o program a iniciar. No canto dire ito e l e m os tra o tipo do apl icativo, para com e çar a conh e ce r, cl iq u e s obre a opção "W e b Brow s e r", cl iq u e na caixinh a do ope ra, e e m s e gu ida na opção, "s tart". De pois de concl u ida a ins tal ação, cl iq u e no m e nu iniciar - inte rne t ope ra. O O pe ra é u m brow s e r, tão bom q u anto o fire fox, m as ape s ar de s e r gratu ito s e u código fonte é fe ch ado. Ape s ar da l is ta de apl icativos do au tom atix2 não s e r grande, os program as da l is ta s ão m u ito úte is. 30

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios Es col h a a form a com o pre te nde l igar o s e u com putador ao Spe e dtouch 580. Cabo USB Cabo de re de RJ45 Se m fios A ins tal ação e o us o da cone xão USB do Spe e dtouch s ão s uportados pe l

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

G U I A B Á S I C O D O 11.0 linux

G U I A B Á S I C O D O 11.0 linux G U IA BÁ S IC O D O linux 11.0 A PRES ENTA Ç ÃO O Sl ack w are é a dis tribuição Linux m ais antiga e m atividade, por is s o, ne s s e te xto vam os apre s e ntar ao caro l e itor o bás ico de s s a

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR

COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR Proje to Cas a Bras il COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR Série M anuais Cas a Bras il Vol um e I Bras íl ia, s e te m bro de 2008. 1ª e dição M ate rialdis ponibil iz ado e m l ice nça copyl e

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Procedimento Preparatório n. º 1.26.000.002835/2013-65 Promoção de Arquivamento nº 617-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata- se de proc edimento pre paratório instaurado nesta Procuradoria da Repúb lic a, com

Leia mais

Extracção e Conve rs ão

Extracção e Conve rs ão Jogos : Tre m u ous, Eve O n ine Book R e vie w : K e rne in a Nuts h e Abri/M aio 07 :: Núm e ro 3 Áu d io & Víd e o: Extracção e Conve rs ão Extracção de áudio e conve rs ão para M P3. Gravação de DVDs

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E GESTÃO DEPARTAM ENTO DE GESTÃO

UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E GESTÃO DEPARTAM ENTO DE GESTÃO UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E ESTÃO DEPARTAM ENTO DE ESTÃO M ESTRADO EM FINANÇAS Porq uê e s col h e r o M e s trado e m Finanças da UM? Re curs os Actual m e nte a áre a de Finanças e

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

Núm e ro # 16-29 de Jane iro de 2007. A M agia do init 8. de Carga e m Linux 11

Núm e ro # 16-29 de Jane iro de 2007. A M agia do init 8. de Carga e m Linux 11 Núm e ro 16-29 de Jane iro de 2007 Us ando D NS Exte rno/inte rno Se m Vie w 3 D ive rtindo-s e com Aw k 4 Livro: O ptim izing Linux Pe rform ance 7 A M agia do init 8 C us te rs de Ba ance am e nto de

Leia mais

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas 1 de 7 Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Publicação On- Line de Acto Societário e de outras entidades Imprimir Ajuda Fechar Publicação NIF/NIPC 500065268 Entidade Clube de

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

TUTORIAL DA INTERFACE DO ALUNO

TUTORIAL DA INTERFACE DO ALUNO TUTORIAL DA INTERFACE DO ALUNO APRESENTAÇÃO O LMS (Learning Management System) Classe 21 é formado por s oluções integradas de gerenciamento de aprendizagem, conhecimento e conteúdos on-line. Neste ambiente

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento O processo de d e l e v e r ag

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO Objetivo Permitir ao cliente consultar as informações referentes aos registros de débitos (comprador / avalista), títulos protestados, consultas anteriores (SCPC), central

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Melhores P rát i c as p ara S eg u ran ça d e R ed es Andrey Lee E ng enh ei ro de S i s t em S erv i c e Pro v i ders a s G T S - 0 9 3 0 / M a i o / 2 0 0 7 2 0 0 7 C i s c o S y s t e m s, I n c. A

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o de Capane m a

PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o de Capane m a Re vis ta Bras i e ira Agroe co ogia ISSN: 19 80-9 735 PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o Capane m a Th e Agro-e nvironm e ntape rce ption ofth e fam

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL Termo de Apreensão de mercadorias e outros bens (Artigo 859, 8º - RICMS/RO) (NR dada pelo Dec. 18976, de 30.06.14 efeitos a partir de 30.06.14) GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA D.R.F. AR/PF TERMO DE APREENSÃO

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas

Análise e Concepção de Sistemas Análise e Concepção de Sistemas de Informação Caso de Estudo Versão 1.0 HouseWorks 2004-2005,QWURGXomR O pres en te docu m en to tem com o objectivo a pres en ta r o en u n cia do do projecto de s u porte

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Rosana Heringer Resumo O ar ti go apre sen ta as prin ci pa is con clu sões da pes qui sa Ma pe a - men to de Ações e Dis cur

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Má rio Antônio LOBATO DE PAIVA Resumen Má rio Antônio Loba to De Pai va ini cia su ar tícu

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV Luiz Lustosa Vieira, Dr Ministério do Planejamento O Ministério do Planejamento visando facilitar o acesso aos recursos disponibilizados pelo Orçamento

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais