Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa ss tt rr uc tt ur e EE ss ss en tt ii aa ll s s (( PP NN II E E )) PP er gg un tt aa s s // SS ug es tt õõ es

3 Quem é é é a a a PPP aaa nnn ddd ui t t t??? Empresa S ó l i d a: Fundada e m e m T i n l e y P a r k (p e r t o d e C h i c a g o ), E U A I n i c i a l m e n t e a t u a v a n a á r e a e l é t r i c a (o n d e a t u a f o r t e m e n t e a t é h o j e ) E m p r e s a d e C ap i t al Fe c h ado = R e t o r n o d o i n v e s t i m e n t o a u m p r a z o m a i o r P i o n e i r a, d e s e n v o l v e u d i v e r s o s p r o d u t o s e n t r e e l e s o s d u t o s d e p a i n e l P andui t = P ane l C o n dui t e a s a b r a ç a d e i r a s p l á s t i c a s

4 Quem é é é a a a PPP aaa nnn ddd ui t t t??? Empresa G l o c al ( G l o b al & L o c al ) : P r e s e n ç a e m mais d e p aí se s F o r t e p r e s e n ç a n a A mé r ic a L at in a = L í d e r d e M e r c ad o S e d e R e g i o n a l : M é x i c o E s c r i t ó r i o s n o B r a s i l, A r g e n t i n a, C h i l e, P e r u, C o l ô m b i a, V e n e z u e l a, C o s t a R i c a e P o r t o R i c o M a i s d e f u n c i o n á r i o s G l o b a l m e n t e a m e s m a P a n d u i t! M e s m a q u a l i d a d e e d e s e m p e n h o d e P r o d u t o M e s m o S e r v i ç o M e s m o s V a l o r e s M e s m a s A p t i d õ e s T é c n i c a s

5 Quem é é é a a a PPP aaa nnn ddd ui t t t??? Empresa G l o c al ( G l o b al & L o c al ) : No BRASI L L :: 8 a n o s d e B r a s i l 1 5 F u n c i o n á r i o s G e r e nt e s de C o nt a V e ndas I nt e r nas M ar k e t i ng L o g í s t i c a F a b r i c a ç ã o l o c a l d e P a t c h C o r d s C a r t. 5 e E s t o q u e L o c a l E s t o q u e n o s D i s t r i b u i d o r e s R e d e d e I n s t a l a d o r e s T r e i n a d o s e m t o d o o B r a s i l

6 Quem é é é a a a PPP aaa nnn ddd ui t t t??? F á b ri c a d e T ec n o l o g i a + d e d e p é s q u a d r a d o s d e á r e a d e m a n u f a t u r a A l t o i n v e s t i m e n t o e m P & D ( 8 a 9 % d a s v e n d a s ) S o f i s t i c a d o s m é t o d o s d e f a b r i c a ç ã o = Q u a l i d a d e A s s e g u r a d a P r e o c u p a ç ã o c o n s t a n t e c o m q u a l i d a d e, o q u e r e s u l t o u e m : QS9000

7 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o em C o b re

8 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o P a r a r e d e s U T P e B l i n d a d a s em C o b re C o n e c t o r e s R e -u t i l i z á v e i s B l i n d a d o s e n ã o B l i n d a d o s C a t. 5 e e 6

9 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o em C o b re C o n e c t o r e s e P l u g s S e l a d o s p a r a u s o I n d u s t r i a l O u t r o s C o n e c t o r e s M o d u l a r e s (C o a x i a i s, T i p o F, S V H S, p a r a á u d i o, e t c. ) P a t c h P a n e l s M o d u l a r e s e T r a d i c i o n a i s C a t. 5 e e C a t. 6 P a t c h C o r d s C a t. 5 e e C a t. 6 B l o c o s d e C o n e x ã o C a t. 5 e e C a t. 6

10 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o em F i b ra Ó pt i c a

11 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o em F i b ra Ó pt i c a C o n e c t o r d e a l t a d e n s i d a d e m o d u l a r O p t i -J a c k e p l u g C o n e c t o r e s d e f i b r a ó p t i c a S T, S C e L C M u l t i m o d o e M o n o m o d o e A c o p l a d o r e s S C e L C D i v e r s o s T i p o s d e P a t c h C o r d s d e F i b r a Ó p t i c a B a n d e j a s, G a b i n e t e s, a d a p t a d o r e s e p a i n é i s p r é - t e r m i n a d o s

12 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S o l u ç õ es para C ab eamen t o po r Z o n a P a r a P a r e d e P a r a T e t o P a r a P i s o E n t r e o u t r a s... E s p e l h o s e C a i x a s d e S u p e r f í c i e d e V á r i o s M o d e l o s

13 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S i st emas para g eren c i amen t o d e C ab o s R ac k s e A c essó ri o s S i st emas d e A t erramen t o

14 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt S i st ema d e C an al et as para u so A paren t e e para ro t eamen t o d e F i b ra Ó pt i c a

15 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt A marraç ã o e F i x aç ã o d e C ab o s

16 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt C an al et as para D i st ri b u i ç ã o em P ai n é i s T ermi n ai s El é t ri c o s C o n ec t o res d e P o t ê n c i a P ro d u t o s para B l o q u ei o e S eg u ran ç a I n d u st ri al P ro d u t o s para P ro t eç ã o c o n t ra A b rasã o

17 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt P ro d u t o s para I d en t i f i c aç ã o Viper LS6 PP aa nn AA cc ea LS7 S o f t w ar e s P anm ar k e E as y M ar k PTR2E Fo l h as S o l t as de E t i q ue t as

18 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt P a n V i e w - S i s t e m a d e G e r e n c i a m e n t o d a C a m a d a F í s i c a Monitoramento em T emp o R eal

19 PPP rrr ooo ddd ut ooo sss PPP aaa nnn ddd ui ttt D P o E P a t c h P a n e l E n e r g i z a d o

20 Algumas BB oo as RR az õõ ee s pp ar a II nn vv ee st ii rr ee m um CC ab ee ame nn tt oo EE st rr ut ur ad oo dd e e Alt a QQ uali dd ad ee e e PP ee rr ff oo rr man cc ee

21 #1 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo A p p licat io n Modelo O S I O C a b e a m e n t o é o A l i c e r c e d a R e d e! Pr e se n t at io n S e ssio n T r an sp o r t N e t w o r k D at alin k Physical Infra-estrutura de cabeamento

22 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo Você a ch a q u e v a l e a p e n a e con om i z a r n o A l i ce r ce?

23 #2 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo S o m e e 2 % i e s t i m e o e m r e s c o r r e s p o c e e o nt do nv nt de nde ao ab am nt Fonte: D a ta p r o 5 0 % do s p r o b l e m as da r e de s ã o r e l at i v o s ao c ab e am e nt o Fonte: R ea l D ec i s i ons

24 o a m #3 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo A vv ii dd aa úú tt ii ll dd o o cc aa bb ee aa mm ee nn tt oo é é dd e e m aa ii ss dd e e aa nn oo ss o qq uu ee ee xx cc ee dd ee ee m m mm uu ii tt oo a ll oo nn gg ee vv ii dd aa dd ee dd oo s s oo uu tt rr oo ss ee ll ee mm ee nn tt oo ss dd a a rr ee dd e e. S T V Ú T H E q u i p A v C E s APLICAÇÃO CU O ID A IL Software ard ware am en to ti o ab eam en to tru tu rad o

25 #4 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo P or q u e a N e ce s s i d a d e p or L a r g u r a d e B a n d a é C r e s ce n t e 10 G i g a bi t Ethernet & B ey o nd 1000 Mbp G i g a bi t Ethernet 100 Mbp F a s t Ethernet 16 Mbp T o k en R i ng 10 Mbp Ethernet

26 #5 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo A rede cc aa ii pp el o o mm en oo s s vv ez es pp oo r aa nn o o dev ii do a a pp ro bb ll em aa s s nn o o cc aa bb ea mm en tt o o Fonte: Datapro

27 #6 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo Porque a C on v erg ê n c i a é um a R ea l i d a d e!

28 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo 73% das 2000 m ai o r e s e m p r e sas g l o b ai s j á e st ã o m i g r an do p ar a u m a r e de c o n v e r g e n t e o u e st ã o p l an e j an do f az ê -l o n o s p r ó x i m o s u m o u do i s an o s Fonte: META G r ou p

29 PPP ooo rrr qqq ue III nnn vvv es ttt iii rrr em CCC aaa bbb ea men ttt ooo Infra-e s t ru t u ras C o nv e rg e nt e s Content Hosting Net Commerce Training Para implementar IP-Services Para usuários e clientes... Firewall Services Central /HQ Applications Network Other IP Networks DNS/DHCP Internet Regional Sites Voice Branches SoHo...a Rede deve facilmente ter a habilidade de sustentar e disponibilizar serviços e a Infra-estrutura da Rede deve ser eficientemente estável para assegurar acesso confiável

30 Por quê Pa nn dd ui t t??

31 PPP ooo rrr qqq ue PPP aaa nnn ddd ui t t t - DDD iii fff er en ccc iii aaa iii sss A M s C o m p l e t e e g L i d e P d u t o s ai a Int rad a nh a ro M a i s A m p l a L i n h a d e p r o d u t o s d o M e r c a d o, o f e r e c e u m a s o l u ç ã o c o m p l e t a, d e s d e a s c a n a l e t a s a t é a s e t i q u e t a s p a r a i d e n t i f i c a ç ã o M a i s d e i t e n s F l e x í v e l p a r a p r o v e r s e m p r e a m e l h o r s o l u ç ã o p a r a o c l i e n t e

32 PPP ooo rrr qqq ue PPP aaa nnn ddd ui t t t - DDD iii fff er en ccc iii aaa iii sss ddd e PPP rrr ooo ddd ut ooo C o ne c t i v i d ad e M o d u l ar P re s e rv and o o Inv e s t i m e nt o d o C l i e nt e T o d o s o s e l e m e n t o s d o s i s t e m a d e c a b e a m e n t o s ã o m o d u l a r e s e i n t e g r a d o s O c l i e n t e p o s s u i m a i s f l e x i b i l i d a d e, e c o n o m i a e p r e s e r v a s e u i n v e s t i m e n t o

33 PPP ooo rrr qqq ue PPP aaa nnn ddd ui t t t - DDD iii fff er en ccc iii aaa iii sss ddd e PPP rrr ooo ddd ut ooo P e rfo rm anc e al é m d as N o rm as T é c no l o g i a à P ro v a d e F u t u ro O f e r e c e l a r g u r a d e b a n d a b a s t a n t e s u p e r i o r a e x i g i d a p e l a s n o r m a s ( E I A / T I A ) t a n t o p a r a C a t. 5 e q u a n d o p a r a C a t. 6 A p r e s e n t a t a m b é m p e r f o r m a n c e s u p e r i o r e m t o d o s o s d e m a i s t e s t e s, c o m o : A C R, E L F E X T e R e t u r n L o s s... e a í v e m o s p r o d u t o s 10 G i g a!

34 PPP ooo rrr qqq ue PPP aaa nnn ddd ui t t t - DDD iii fff er en ccc iii aaa iii sss ddd e PPP rrr ooo ddd ut ooo E s p aç o é D i nh e i ro! M ai o r D e ns i d ad e d e P o nt o s c o m a P and u i t C o ne c t o re s R e u t i l i z á v e i s

35 Panduit NN ee tw oo rr kk II nf rr as tr uc tur ee EE ss ss ee ntial s s (( PN II E E ))

36 Panduit NN ee tw oo rr kk II nf rr as tr uc tur ee EE ss ss ee ntial s s (( PN II E E )) PP aa nn dd ui tt NN et ww oo rr kk II nn ff rr aa ss tt rr uc tt ur e EE ss ss en tt ii aa ll s s (( PP NN II E E )) é é aa NN oo vv a a DD es ii gg nn aa çç ãã o o dd o o FF VV DD C C FF un dd aa men tt aa ll s s oo ff VV oo ii cc e aa nn dd DD aa tt a a CC aa bb ll ii nn gg CC ur ss o o SS pp oo nn ss oo rr ed pp el a a PP aa nn dd ui tt CC oo nn tt eú dd o o AA tt ua ll ii zz aa dd o o ii nn cc ll ui nn dd o o CC aa t t.. 66

37 Panduit NN ee tw oo rr k k II nf rr as tr uc tur e e EE ss ss ee ntial s s (( PN II E E )) AA cc aa dd emi aa s s RR eg ii oo nn aa ii s s qq ue aa dd er ii rr aa m aa o o cc ur ss o o :: cc oo mo es tt á á o o ss tt aa tt us?? FF v v.. rr et oo rr nn aa r r a a pp es qq ui ss a a en vv ii aa dd a a pp oo r r e-e ma ii ll CC oo nn tt aa r r cc oo m o o aa pp oo ii o o dd a a PP aa nn dd ui t t // CC ii ss cc o o!! DD ii vv ul gg aa çç ãã o o,, MM oo nn tt aa gg em LL aa b b,, et c c......

38 Panduit NN ee tw oo rr kk II nf rr as tr uc tur ee EE ss ss ee ntial s s (( PN II E E )) NOVIDADES! 1 Vaga Gratuita no Curso de Certificação pp ara 1 instrutor com o RR econh ecim ento DD isp onib il iz ação pp el a PP anduit do trab al hh o desenv ol vv ido pp el a AA II NN EE T T // CI EE E E.. PP ow erp oint em pp ortuguê s pp ara acom pp anh am ento do curso pp el os al unos em 1 mm êê s e mm eio.

39 Mensagem Final: Vamos Fazer acontecer!! CC oo nt e cc oo no sc o o!! Maria Cecilia Mark et in g m p an d u it. co m. b r R en at o d e A n d rad e A cco u n t Man ag er - p an d u it. co m. b r

40 Perguntas / Sugestões

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O LEI COMPLEMENTAR Nº 273, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera o art. 59 da Lei nº 386, de 17 de fevereiro de 1993, e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS Faço saber que a Câmara Municipal de Palmas

Leia mais

Melhores P rát i c as p ara S eg u ran ça d e R ed es Andrey Lee E ng enh ei ro de S i s t em S erv i c e Pro v i ders a s G T S - 0 9 3 0 / M a i o / 2 0 0 7 2 0 0 7 C i s c o S y s t e m s, I n c. A

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª ESTABELECE QUE A TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM PASSA A SER PAGA DIRETAMENTE PELAS OPERADORAS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS E PREVÊ SANÇÕES PARA O

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Procede à 7.ª alteração da Lei n.º 5/2004, de 10 de Fevereiro, que estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações eletrónicas e aos recursos e

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

A Rede de Autodefesa da Cisco Fevereiro de 2005 Enio Alves, Gerente de Soluçõ es enio. alves@ c isc o. c om C isc o Sy stem s CISCO CONFIDENCIAL NÃ O R EP R ODU Z IR OU COP IAR G OO MM A R e d e c o m

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO MANUAL 1ASSINATURA ESCALA DE CORES TIPOGRAFIA DE APOIO 2APLICAÇÃO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL PEÇAS GRAFICAS 2.1 Arejamento/Proteção 2.2 Redução

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL ESPANHA Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 313/XII Exposição de Motivos O XIX Governo Constitucional implementou, ao longo da presente legislatura, importantes e significativas reformas no setor da administração local, em que

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Distúrbios Relativos à QE 1,5 Tensão [PU] 1 0,5 0-0,5-1 -1,5 Tempo CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA DIRIGIDO

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CLASSIFICAÇÃO-N.º/VERSÃO:PGR-27/01 ENTRADA EM VIGOR: 17-10-2008 DATA DE APROVAÇÃO: 23-10-2008 Âmbito: PRODER E PRORURAL 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada...

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada... M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l Manual de Identidade Visual Índice Apresentação................................... 02 Introdução.....................................

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 2013 Introdução A MARCA A identidade Visual Corporativa da Cral foi elaborada com a finalidade de promover a padronização da aplicação da Marca, do padrão de pintura Cral em

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 25 Página 2 de 26 Apresentação Este

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE DO AMBIENTE PARA CURITIBA: UMA AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS BAIRROS

INDICADORES DE QUALIDADE DO AMBIENTE PARA CURITIBA: UMA AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS BAIRROS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& INDICADORES DE QUALIDADE DO AMBIENTE PARA CURITIBA:

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1. PLANO DIRETOR Com o intuito de gerenciar, planejar, avaliar e recompensar, criando e mantendo um ambiente profissional e positivo na organização, passamos a seguinte análise e plano de ação. *Obs.:

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

1. MAPA De ReLACIONAMeNtO DO SISteMA AQUISIÇÕeS

1. MAPA De ReLACIONAMeNtO DO SISteMA AQUISIÇÕeS DE AQUIIÇÕE GOVERAMET AI D ef in ir e p ad ro ni za r p ro ce d im en to d e aq ui si çã o e co nt ra ta çã o O ri en ta r e ca p ac it ar ó rg ão s e en ti d ad es G er en ci ar o is te m a In fo rm at

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo a Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa o Consumior Câmara os Deputaos Praça Poeres Consultoria Legislativa Anexo

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO Sumário Introdução 02 Símbolo 03 Definição cromática Alfabeto padrão Variante de uso 04 05 06 Dominante horizontal Dominante central Diagramas de construção Usos preferenciais de cores Reduções Exemplo

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

Contatos auxiliares retardados/adiantados adicionais garantem dupla segurança em caso de necessidade de chaveamento extrema.

Contatos auxiliares retardados/adiantados adicionais garantem dupla segurança em caso de necessidade de chaveamento extrema. h aol C t eê n Ss Ei em P de r iae be a D ue f, S ul m es V R ne bleitg I G eai no M O vreer S A o Sn U s toe T ck b i nddeu nfgo zr um m t ia ev r een?? Re GA À ipglue n NA (statd t Ah CeOi N sd s IaÇrÃbOeSi

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 5324 Diário da República, 1.ª série N.º 167 30 de agosto de 2013 respetiva nota discriminativa e justificativa, nos termos e prazos previstos no artigo 25.º do RCP. 2 [Revogado.] Artigo 46.º [ ] Até à

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: Como aumentar o desempenho das suas campanhas

White Paper. E-mail Marketing: Como aumentar o desempenho das suas campanhas White Paper E-mail Marketing: Como aumentar o desempenho das suas campanhas Dicas de como desfrutar ao máximo da sua ferramenta de Email Marketing Para garantir a qualidade do seu mix de comunicação, é

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Junho 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Os textos agora propostos para consulta pública carecem ainda de aperfeiçoamentos

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO)

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO) (MATUTINO) 2º ANO GRAMÁTICA: Estudar os assuntos: Grau do substantivo/ Adjetivo/ Sinônimo e Antônimo/ Pronome. Assim eu aprendo, págs: 94 a 98 / 107 a 109 / 111 a 113/ 116 a 118/ 137 a 139. Descobrindo

Leia mais

EDITAL N.º 139/2009. a) Director de Departamento de Administração Geral, com faculdade de subdelegação nos respectivos Chefes de Divisão

EDITAL N.º 139/2009. a) Director de Departamento de Administração Geral, com faculdade de subdelegação nos respectivos Chefes de Divisão EDITAL N.º 139/2009 João Gonçalves Martins Batista, Presidente da Câmara Municipal de Chaves, faz público que, por seu Despacho n.º 29/GAPV/09, datado do pretérito dia 09.11.2009, foram delegadas nos Dirigentes

Leia mais

Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto Estatuto do Medicamento

Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto Estatuto do Medicamento Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto Estatuto do Medicamento 1 - O presente decreto-lei marca uma profunda mudança no sector do medicamento, designadamente nas áreas do fabrico, controlo da qualidade,

Leia mais

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8 Documento Atualizado em: 23/11/2011 - Versão: 1.1 Prezados Clientes: Abaixo, estão os Novos Recursos da versão 2.0.6 BUILD: 5.8.8.1 em relação ao Build 5.8.7.2. Dividimos as alterações por Menus, sendo

Leia mais

-./ 0123 345./ 0123 36'- *"$** - / <0 #. . / : <0 :( G ::: -

-./ 0123 345./ 0123 36'- *$** - / <0 #. <?9: < : >. / : <0 :( G ::: - !""#$%&'()*+, -./ 0123 345./ 0123 36'- 789 :$/;0+=8 >, *"$** -. '/0 / 0 #.?9: :. +,#78+37;,9@ 7;,9@ : >.?%A:--:+8#+:$ :"". 4."" 48."")/$A0 B" C:5::" :: :.A$)44 8:**-8$5C:: :::-7:AD$ &':3&&&-'-$EF(: :3-9$:(-:7$

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

Usuários 1.024 Logs: 3.000 Cartão de proximidade e/ou senha Padrão RFID EM 125kHz Distância de leitura:

Usuários 1.024 Logs: 3.000 Cartão de proximidade e/ou senha Padrão RFID EM 125kHz Distância de leitura: fåíêççì ç fåíêççì ç fåíêççì ç fåíêççì ç `çåíêçäaççêéë= `çåíêçäaççêéë= `çåíêçäaççêéë= `çåíêçäaççêéë= fåçéééåçéåíé=çç=éçêíé=çé=ëìa=éãéêéëai=êéëáçæååáa= çì=åçåççã åáçi=çë=åçåíêçäaççêéë=çé=aåéëëç=ça= aíéåçéã=åa=ãéçáça=åéêíak

Leia mais

018/2016 DOMINGUEIRA DE 26/06/2016

018/2016 DOMINGUEIRA DE 26/06/2016 ANEXOS: LEGISLAÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PÚBLICA SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE VERSÃO 14.6.2016 1. NORMAS PRINCIPAIS a) Saúde na CF/88: arts. 6º e 5º, 1º; 7º, IV; 24, XII, 1º ao 4º; 23, II; 30, VII; 37, II, V,

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45)

Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45) Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45) portaria, um sistema inteligente, tendo em conta o cumprimento das obrigações europeias e respetivos prazos de cumprimento. 5 A portaria

Leia mais

Des pacho Normativo n.º 37/2003

Des pacho Normativo n.º 37/2003 Des pacho Normativo n.º 37/2003 Cons i der ando que o Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, regulou a f or m a de emis s ão de bi lhetes de ingr esso nos recintos de es pectácul os de nat ur ez

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016 CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO Orgão Técnico e Consultivo do Governo Federal - Decreto n o 41.082 de 02-03-1957

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos

RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores. Manual de Procedimentos RENAVAM Registro Nacional de Veículos Automotores Manual de Procedimentos!" ESTRUTURA DESTE MANUAL &'( ) *+,-./0-1 *+,2 % *+,3-445-"-4 6 *+,"-47.2-4 8 *+,4349!.4 : ; 4';

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo

Artigo Inicial: 4 Artigo I (A Semente é a Palavra de Deus): 9 Artigo II (Alvo de Contradição): 20 Artigo III (Novo Adão e Nova Eva): 26 Artigo 1 !" #!#!$" %&''() 2 Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo IV ("São José"): 37 Artigo V ("Corpo

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL PRECONCEITO CONTRA INDÍGENAS

INDÍGENAS NO BRASIL PRECONCEITO CONTRA INDÍGENAS Capítulo 3 PRECONCEITO CONTRA INDÍGENAS Concordância com afirmações sobre indígenas Os í nd io s vivem mais d e aco rd o co m a nat ureza d o q ue o s b ranco s 75 15 3 432 Os í nd io s p ro t eg em mais

Leia mais

! " #! $! %! " & ' ( )!! " * + " *, %

!  #! $! %!  & ' ( )!!  * +  *, % ! " #! $! % "! &' ( )!! " * + " *, % ! " # $ %!"#$%#&'()%#*&+ *', #%!-").%",')/&%001 #2% '.32"!'.)%#%2'%%4"'&)'#.)* *.'*#' 2)%#&"'&)' *'!&%5'/65*#'& &*#78% 2*5#%#2)'29:* #;!')*

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Jornal da República LEI N.º 3 / 2012. de 13 de Janeiro. Autorização Legislativa em Matéria Ambiental

Jornal da República LEI N.º 3 / 2012. de 13 de Janeiro. Autorização Legislativa em Matéria Ambiental LEI N.º 3 / 2012 de 13 de Janeiro Autorização Legislativa em Matéria Ambiental Os desafios que o país enfrenta ao nível da proteção e conservação ambientais, exigem a definição urgente das bases de uma

Leia mais

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA Histórico do Programa 1975 a 1996 100% convencional 1996 a 2005 convencional e RR1 2005 a 2008 RR1, convencional e cultivance 2008 a 2014 RR1, Intacta,

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

½ x. ½ x. Manual de identidade visual

½ x. ½ x. Manual de identidade visual Manual de identidade visual SUMÁRIO. Introdução... 02 Primeira Marca Fase Sport... 03 Nova Marca Fase Sport... 04 Evolução da Marca... 05 Composição da Marca... 06 Formação da Marca... 07 Construção da

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico; Metas Curriculares de Português- 1º Ciclo 1º

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais