2. A C l a s s i f i c a ção M S C 01 H i s t o r y a n d b i o g r a p h y 03 M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s 05 C o m

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. A C l a s s i f i c a ção M S C 01 H i s t o r y a n d b i o g r a p h y 03 M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s 05 C o m"

Transcrição

1 Áreas Científicas do Departamento de Matemática Docu mento de trab al h o 1. Introdução O D e p a r t a m e n t o d e M a t e m á t i c a e st á or g a n i z a d o e m q u a t r o S e c ç õ e s: S 8 1 S e c ç ã o d e Á lg e b r a e A n á li se S 8 2 S e c ç ã o d e E st a t í st i c a e A p li c a ç õ e s S 8 3 S e c ç ã o d e M a t e m á t i c a A p li c a d a e A n á li se N u m é r i c a S 8 4 S e c ç ã o d e L ó g i c a e C om p u t a ç ã o E st a d i v i sã o t e v e c om o m ot o h i st ó r i c o a p r e st a ç ã o d e se r v i ç o h or i z on t a l n a s E n g e n h a r i a s, e m p a r t i c u la r a t r a v é s d a s se g u i n t e s d i sc i p li n a s S 8 1 Á lg e b r a L i n e a r, A n á li se M a t e m á t i c a I, I I, I I I, e I V S 8 2 P r ob a b i li d a d e s e E st a t í st i c a S 8 3 A n á li se N u m é r i c a ( ou si m i la r e s); M a t e m á t i c a A p li c a d a ( L E E C ) S 8 4 P r og r a m a ç ã o ( ou si m i la r e s); D i sc i p li n a s n a L E I C ( e g. M a t e m á t i c a D i sc r e t a, T e or i a d a C om p u t a ç ã o) N o D e p a r t a m e n t o d e M a t e m á t i c a, a d i v i sã o e m se c ç õ e s e a u t on om i z a ç ã o d a s n e c e ssi d a d e s d e se r v i ç o d oc e n t e p or c a d a se c ç ã o, p e r m i t i u d i f e r e n c i a r q u a t r o á r e a s d e c on c u r so: S 8 1 A n á li se M a t e m á t i c a ou G e om e t r i a ou T op olog i a S 8 2 P r ob a b i li d a d e s e E st a t í st i c a S 8 3 M a t e m á t i c a A p li c a d a e A n á li se N u m é r i c a S 8 4 L ó g i c a e C om p u t a ç ã o q u e, n o e n t a n t o, n ã o se e n c on t r a m of i c i a li z a d a s. N a d i v i sã o d e á r e a s c i e n t í f i c a s, a g or a e m d i sc u ssã o, d e v e e st a r p r e se n t e u m e q u i lí b r i o n a s p ossi b i li d a d e s d e se g m e n t a ç ã o, a n a li sa n d o q u a i s a s v a n t a g e n s e d e sv a n t a g e n s. E m p a r t i c u la r, h á t r ê s f a c t or e s d i st i n t os q u e se m i st u r a m : ( i ) d i v i sã o t r a d i c i on a l p or se c ç õ e s; ( i i ) a c t i v i d a d e c i e n t í f i c a d os d oc e n t e s; ( i i i ) se r v i ç o d oc e n t e d i sc i p li n a s a le c c i on a r. O p r e se n t e d oc u m e n t o f oi b a se a d o n a se g m e n t a ç ã o d a s á r e a s d a M a t e m á t i c a u t i li z a d a p e la American Mathematical S o ciety, a c la ssi f i c a ç ã o M S C, m a s t a m b é m t e v e e m a t e n ç ã o os d i v e r sos f a c t or e s j á m e n c i on a d os, e o e st u d os a p r e se n t a d os e m r e u n i õ e s a n t e r i or e s d a C C D M. A d i v i sã o e m á r e a s c i e n t í f i c a s a q u i p r op ost a n ã o p r e t e n d e a lt e r a r a s á r e a s d e c on c u r so t r a d i c i on a i s, t e n d o c om o ob j e c t i v o p r i m á r i o a p r e se n t a r u m a i n f or m a ç ã o c on si st e n t e n a or g a n i z a ç ã o c i e n t í f i c a d o D M, e sp e c i a lm e n t e n o e n si n o e m M a t e m á t i c a, a t r a v é s d a s li c e n c i a t u r a s, m e st r a d os e d ou t or a m e n t o.

2 2. A C l a s s i f i c a ção M S C 01 H i s t o r y a n d b i o g r a p h y 03 M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s 05 C o m b i n a t o r i c s 06 O r d e r, l a t t i c e s, o r d e r e d a l g e b r a i c s t r u c t u r e s 11 N u m b e r t h e o r y 13 C o m m u t a t i v e r i n g s a n d a l g e b r a s 14 A l g e b r a i c G e o m e t r y 15 L i n e a r a n d M u l t i l i n e a r A l g e b r a 16 A s s o c i a t i v e r i n g s a n d a l g e b r a s 17 N o n a s s o c i a t i v e r i n g s a n d a l g e b r a s 18 C a t e g o r y t h e o r y ; h o m o l o g i c a l a l g e b r a 19 K t h e o r y 2 0 G r o u p t h e o r y a n d g e n e r a l i z a t i o n s 2 2 T o p o l o g i c a l g r o u p s, L i e g r o u p s 2 6 R e a l F u n c t i o n s 2 8 M e a s u r e a n d I n t e g r a t i o n 3 0 F u n c t i o n s o f a c o m p l e x v a r i a b l e 3 1 P o t e n t i a l T h e o r y 3 2 S e v e r a l c o m p l e x v a r i a b l e s a n d a n a l y t i c s p a c e s 3 3 S p e c i a l f u n c t i o n s 3 4 O D E s 3 5 P D E s 3 7 D y n a m i c a l S y s t e m s a n d e r g o d i c t h e o r y 3 9 D i f f e r e n c e a n d f u n c t i o n a l e q u a t i o n s 4 1 A p p r o x i m a t i o n s a n d e x p a n s i o n s 4 2 F o u r i e r A n a l y s i s 4 3 A b s t r a c t h a r m o n i c a n a l y s i s 4 4 I n t e g r a l T r a n s f o r m s, O p e r a t i o n a l C a l c u l u s 4 5 I n t e g r a l e q u a t i o n s 4 F u n c t i o n a l A n a l y s i s 4 7 O p e r a t o r T h e o r y 4 9 C a l c u l u s o f v a r i a t i o n s a n d o p t i m a l c o n t r o l ; o p t i m i z a t i o n 5 G e o m e t r y 5 2 C o n v e x a n d d i s c r e t e g e o m e t r y 5 3 D i f f e r e n t i a l G e o m e t r y 5 4 G e n e r a l T o p o l o g y 5 5 A l g e b r a i c T o p o l o g y 5 7 M a n i f o l d s a n d c e l l c o m p l e x e s 5 8 G l o b a l a n a l y s i s, a n a l y s i s o n m a n i f o l d s P r o b a b i l i t y t h e o r y a n d s t o c h a s t i c p r o c e s s e s S t a t i s t i c s N u m e r i c a l A n a l y s i s C o m p u t e r s c i e n c e 7 M e c h a n i c s o f p a r t i c l e s a n d s y s t e m s 7 4 M e c h a n i c s o f d e f o r m a b l e s o l i d s 7 F l u i d m e c h a n i c s 7 8 O p t i c s, e l e c t r o m a g n e t i c t h e o r y 8 C l a s s i c a l t h e r m o d y n a m i c s, h e a t t r a n s f e r 8 Q u a n t u m t h e o r y 8 2 S t a t i s t i c a l m e c h a n i c s, s t r u c t u r e o f m a t t e r 8 3 R e l a t i v i t y a n d g r a v i t a t i o n a l t h e o r y 9 O p e r a t i o n s r e s e a r c h, m a t h p r o g r a m m i n g 9 3 S y s t e m s t h e o r y ; c o n t r o l 9 4 I n f o r m a t i o n a n d c o m m u n i c a t i o n, c i r c u i t s E a d i v i e á g e d e r u n i f m e, h a v e n d t ó p i c e m q u e n a u m a g r a n d e c c e n t r a ç ã d e ç d a i n v e i g a ç ã i n t e r n a c i a c p e x e m p # 3 5, d a n d g a r a g r a n d e n ú m e r d e b d i v i e e t r t ó p i c d e a i n v e i g a ç ã é q u a n t i t a t i v a m e n t e m e n g n i f i c a t i v a D e e n t r e t ó p i c a d e e m t e r m d a a c t i v i d a d e c i e n t í f i c a d D M, p e m r c d e r a d a b á r e a d e p u b c a ç ã c i e n t í f i c a n ã n e g g e n c i á v e ( p e r i a q u a t r a r t i g g u i n t e 2 2 t ó p i c ( à d a t a d e J u e g u n d M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s C o m b i n a t o r i c s A l g e b r a i c G e o m e t r y 3 4 O D E s 3 5 P D E s 3 7 D y n a m i c a l S y s t e m s a n d e r g o d i c t h e o r y 4 5 I n t e g r a l e q u a t i o n s 4 F u n c t i o n a l A n a l y s i s 4 7 O p e r a t o r T h e o r y 4 9 C a l c u l u s o f v a r i a t i o n s a n d o p t i m a l c o n t r o l ; o p t i m i z a t i o n 5 2 C o n v e x a n d d i s c r e t e g e o m e t r y 5 3 D i f f e r e n t i a l G e o m e t r y 5 7 M a n i f o l d s a n d c e l l c o m p l e x e s 5 8 G l o b a l a n a l y s i s, a n a l y s i s o n m a n i f o l d s P r o b a b i l i t y t h e o r y a n d s t o c h a s t i c p r o c e s s e s S t a t i s t i c s N u m e r i c a l A n a l y s i s C o m p u t e r s c i e n c e 7 4 M e c h a n i c s o f d e f o r m a b l e s o l i d s 7 F l u i d m e c h a n i c s 8 Q u a n t u m t h e o r y 8 3 R e l a t i v i t y a n d g r a v i t a t i o n a l t h e o r y st sã o st lon se or o os se ot on o o sf or o st o on l, om o or lo o lu o su sõ s, ou os os on st o os si. os os li st os os o od se on si s su s li o o li l su or o os) os se s os lh o, se o o MathS cin et):

3 3. D i v i s ão a p re s e nta da na C C do D M A p ó s a lg u m a d i sc u ssã o n a C om i ssã o C oor d e n a d or a d o D M, t e n d o e m a t e n ç ã o n ã o a p e n a s o r e t r a t o a c t u a l, m a s t a m b é m a p ot e n c i a li d a d e d e d e se n v olv i m e n t o d a s á r e a s, c om b a se n o n ú m e r o d e d oc e n t e s, f oi c on si d e r a d o t om a r c om o b a se a se g u i n t e d i v i sã o, e m q u e os a g r u p a m e n t os sã o e n t e n d i d os a p rio ri c om o a t ó m i c os: A0 L ó g i c a e C i ê n c i a d a C o m p u t a ç ã o ( 03, 6 8 ) A1 Á l g e b r a e T o p o l o g i a ( , 54 55) A2 An á l i s e R e a l e C o m p l e x a ( , 40 44) A3 a E D O s e S i s t e m a s D i n â m i c o s ( 3 4, 3 7, 3 9 ) A3 b E D P s e C á l c u l o d e V a r i a ç õ e s ( 3 5, 49 ) A4 An á l i s e F u n c i o n a l e T e o r i a d e O p e r a d o r e s ( ) A5 G e o m e t r i a e T o p o l o g i a ( ) A6 P r o b a b i l i d a d e e E s t a t í s t i c a ( 6 0, 6 2 ) A7 An á l i s e N u m é r i c a e M e c â n i c a R a c i o n a l ( 6 5, ) A8 F í s i c a M a t e m á t i c a ( ) A j u st i f i c a ç ã o, c om os n ú m e r os d oc e n t e s/ p u b li c a ç õ e s q u e le v a r a m a e st a d i v i sã o, p od e se r e n c on t r a d a n os d oc u m e n t os d a C C D M d e 6 d e J u lh o d e E st a d i v i sã o, q u e se b a se ou e sse n c i a lm e n t e n a r e p r e se n t a t i v i d a d e d a a c t i v i d a d e c i e n t í f i c a d o d e p a r t a m e n t o, a t r a v é s d o n ú m e r o d e a r t i g os e d o n ú m e r o d e d oc e n t e s, f oi a lv o d e e x e r c í c i o p ost e r i or e m t e r m os d e a g r u p a m e n t o d e d i sc i p li n a s. O r e su lt a d o é a p r e se n t a d o n o p a r á g r a f o se g u i n t e, n ã o é t ot a lm e n t e e x a u st i v o, e p od e r á se r a lv o d e c or r e c ç ã o p ost e r i or, e m p a r t i c u la r a p r e se n t a m se a lg u m a s d ú v i d a s j á su r g i d a s c om ( * ).

4 4. D i v i s ão p or di s c i p l i na s p u t ã [ A 0 : # 0 3 p u t p l I [ A 0 : # 0 3 D p u t p l I I [ A 0 : # 6 8 Q 1 5 p u t [ A 0 : # 6 8 5, # 0 3 F u n t A l b E n h P ã [ A 0 : # 6 8 Q 6 5 E s p ã V ã S t R [ A 0 : # 6 8 Q 6 0 P s t [ A 0 : # 6 8 Q 1 0 E l t t [ A 0 : # 6 8 P 2 5 M á t 4 º [ A 0 : # 0 3 N P p u t ã [ A 0 : # 6 8 Q 0 5 E l t P ã [ A 0 : # 6 8 W P ã F u n [ A 0 : # 0 3 B 4 0 E s t t u D A l m [ A 0 : # 6 8 Q 2 5 p u t ( M ) [ A 1 : # 0 3 p l t M ( D ) p u t ã I n f ã Q u â n t ( D ) p u t ã ( I M á t D ( I [A0 Lógica e Computação (03, 68) Lógica e Teoria da Com aç o Com ab il idade e Com ex idade Com ab il idade e Com ex idade Lógica Com acion al T1 dam en os gé ricos da gen aria da rogram aç o ecif icaç o e erif icaç o de is em as eact iv os Teoria dos roces os Con corren es em en os de Crip ograf ia Lógica at em ica an o ov os aradigm as da Com aç o em en os de rogram aç o rogram aç o cion al ru ras de ados e gorit os Teoria da Com ab il idade Com em en os de Lógica odal Com aç o, orm aç o e Lógica icas Teoria da Com aç o LE C) at em ica is cret a LE C) [A1 Á l geb r a e T opol ogia (05 22, 5 4, 5 5 ) Á l geb ra Lin ear [ A 1 : # 1 5 I n t rodu ç ã o à Á l geb ra [ A 1 : # 1 5, # 1 6 Á l geb ra [ A 1 : # 1 5, # 1 6 Com b in at ória e Teoria de Códigos [ A 1 : # 0 5 ( * ) G ru p os de Lie e Á l geb ras de Lie ( M ) [ A 1 : # 1 7 Á l geb ra Com u t at iv a ( M ) [ A 1 : # 1 3 Top ol ogia A l gé b rica ( M ) [ A 1, A 5 : # 5 5 Top ol ogia G eral e I n t rodu ç ã o à A n á l is e F u n cion al [ A 1, A 5 : # 5 4 ; A 4 : # 4 6 ( * ) P rogram aç ã o M at em á t ica [ A 1 : # 0 5 # 9 0 Teoria das Cat egorias ( M ) 5 º an o [ A 1 : # 1 8 ( * ) Teoria da H om ot op ia ( D ) á l R 4 4 A n á l M á t I [ A 2 : # 2 6 A n á l M á t I I [ A 2 : # 2 6 A n á l M á t I I I [ A 2 : # 2 6 A n á l M á t I V [ A 2 : # 3 0 ; A 3 # 3 4 M I n t ã [ A 2 : # 2 8 A n á l p l [ A 2 : # 3 0 A n á l H ( M ) [ A 2 : # 4 3 [A2 An is e eal e Compl ex a (2633, 04 ) is e at em ica is e at em ica is e at em ica is e at em ica a: edida e egraç o is e Com ex a is e arm ón ica E D O s S D â E q u õ D O á [ A 3 # 3 4 E D â m H ( M ) [ A 3 # 3 7 D 2 5 M n G é t ( M ) [ A 3 # 3 7 J B u ã E q u õ D [ A 5 : # 5 8 E 0 7 S t D â m D ( D ) E D P s l d V 4 9 F u n t E q u õ D P [ A 3 b : # 3 5 l l V õ E q u õ D P ( M ) [ A 3 b : # 4 9 S t D â m D s ã I n f ( D ) E q u õ D P E v u ç ã ( D ) [A3a e is temas in micos (34, 37, 39 ) aç es if eren ciais rdin rias a: Teoria rgódica e in ica ip erb ól ica a: ecâ ica eom rica a:.. Teoria de if rcaç o em aç es if eren ciais is em as in icos is cret os [A3b e Cá cul o e ar iaçõ es (35, ) dam en os de aç es if eren ciais arciais Cá cu o de ariaç es e aç es if eren ciais arciais is em as in icos de im en o in it a aç es if eren ciais arciais de ol o [A4 An á l is e F un cion al e T eor ia d e O per ad or es (4 5, 4 6, 4 7 ) Tran s f orm aç õ es I n t egrais e D is t rib u iç õ es [ A 4 : # 4 6 A n á l is e F u n cion al ( M ) 4 º an o [ A 4 : # 4 6 Á l geb ras de O p eradores ( M ) [ A 4 : # 4 7 I n t rod. à K Teoria p ara Á l geb ras de O p eradores ( M ) O p eradores P s eu dodif eren ciais ( D ) Tóp icos de O p eradores I n t egrais S in gu l ares ( M ) A n á l is e R eal ( M ) G T 1 G I [ A 5 : # 5 1 G R n [ A 5 : # 5 8 G D ( M ) [ A 5 : # 5 3 G A l b ( D ) G S p l é t ( D ) [A5 eometr ia e opol ogia (5 5 8) eom et ria eom et ria iem an ian a eom et ria if eren cial eom et ria gé rica eom et ria im ica [A6 P r ob ab il id ad es e E s tatí s tica (60, 62) P rob ab il idades e E s t at í s t ica I [ A 6 : # 6 0, # 6 2 P rob ab il idades e E s t at í s t ica I I [ A 6 : # 6 0, # 6 2 F iab il idade e Con t rol o de Q u al idade [ A 6 : # 6 2 N 0 5 I n f erê n cia e D ecis ã o I, I I [ A 6 : # 6 2 C; # 6 2 F A n á l is e M u l t iv ariada [ A 6 : # 6 2 H P roces s os E s t ocá s t icos [ A 6 : # 6 0 J, # 6 0 K A n á l is e de D ados Cat egoriz ados [ A 6 : # 6 2 H P roces s os E s t ocá s t icos A p l icados [ A 6 : # 6 0 K E s t at í s t ica Com p u t acion al ( M ) [ A 6 : # 6 2 F E s t at í s t ica B iom é dica ( M ) [ A 6 : # 6 2 N 0 5 E s t at í s t ica I n du s t rial e A m b ien t al ( M ) [ A 6 : # 6 2 N 0 5, # 6 2 M 3 0 I n f erê n cia E s t at í s t ica ( M E ), P rob ab il idades ( M E ) P roces s os E s t ocá s t icos e A p l icaç õ es ( M E ) A n á l is e de D ados M u l t iv ariados á l N r M n R 7 M á t E x p t [ A 7 : # 6 5 ; A 0 : # 6 8 A n á l N u m é I [ A 7 : # 6 5 A n á l N u m é I I [ A 7 : # 6 5 D ç F A p l õ [ A 7 : # 6 5 M 0 6 M é t N u m é p P l E l í p t [ A 7 : # 6 5, # 3 5 A 3 5 M é t N u m é p E q E v u ç ã [ A 7 : # 6 5 M E l t F t A p l ( M ) [ A 7 : # 6 5 N 3 8 A n á l N u m é E q I n t ( M ) [ A 7 : # 6 5 R 2 0 M é t N u m é p E q u õ D O á ( M ) [ A 7 : # 6 5 P l I n v E q u õ D P ( M ) [ A 3 b : # 3 5 R 3 0 M á t O n ( M ) [ A 7 : # 7 6 B 1 5 M é t M á t N u m é M n F l u I I I ( D ) M é t M á t H â m ( D ) M é t N u m é ( E n, M á t p u t ( E n, A n á l S u l ã N u m é ( E n, A n á l N u m é ( F [A7 An is e umé ica e ecâ ica acion al (65, 080) at em ica erim en al is e rica is e rica if eren as in it as e icaç es. ricos ara rob. icos. ricos ara. de ol o em en os de ron eira e ic. is e rica de. egrais odos ricos ara aç es if eren ciais rdin rias L rob em as ers os em aç es com eriv adas arciais Teoria at em ica das das odos at em icos e ricos em ecâ ica de idos e odos at em icos em em odin ica odos ricos g.) at em ica Com acion al g.) is e e im aç o rica g.) is e rica LE T) [A8 F í s icam atemá tica (81, 83) I n t egraç ã o F u n cion al e A p l icaç õ es à M ecâ n ica Q u â n t ica ( M ) [ A 6 : # 6 0 ; A 8 : # 8 1

5 O 5. P rop os ta s p a ra Á re a s C i e ntí f i c a s A p r e se n t a m se d u a s a lt e r n a t i v a s, q u e se r ã o le v a d a s a v ot a ç ã o n o C on se lh o d e D e p a r t a m e n t o p a r a a d i v i sã o e m á r e a s c i e n t í f i c a s. E st a s p r op ost a s p a ssa r ã o a se r u t i li z a d a s c om o d e si g n a ç õ e s of i c i a i s d a s á r e a s c i e n t í f i c a s d o D e p a r t a m e n t o. S e r ã o u t i li z a d a s p a r a e f e i t os le c t i v os ( li c e n c i a t u r a s, m e st r a d os e d ou t or a m e n t o) e t a m b é m c om o á r e a s d e c on c u r so. 5.1 P r op ost a A C a d a u m a d a s á r e a s A 0 a A 8 se r á c on si d e r a d a á r e a c i e n t í f i c a, n u m t ot a l d e 1 0 á r e a s. s c on c u r sos p od e r ã o se r a b e r t os n a s á r e a s A 0, A 6, A 7 se p a r a d a m e n t e n o c on j u n t o d e á r e a s A 1 a A 5 c om a d e si g n a ç ã o a b r e v i a d a Á l g eb ra o u T o p o l o g ia o u Aná l is e Matemá tica o u G eo metria ( * * ) A a b e r t u r a d e c on c u r sos n ou t r os a g r u p a m e n t os d e á r e a s c i e n t í f i c a s p od e se r c on si d e r a d a a p e n a s se h ou v e r d e c i sã o u n â n i m e d a C om i ssã o C oor d e n a d or a d o D M, ou a lt e r a ç ã o p e lo C on se lh o d o D M. 5.2 P r op ost a B C on si d e r a m se c om o á r e a s c i e n t í f i c a s: 1. A n á li se M a t e m á t i c a ou G e om e t r i a ou T op olog i a c or r e sp on d e n d o a os g r u p os d e d i sc i p li n a s A 1 a A 5 2. P r ob a b i li d a d e s e E st a t í st i c a c or r e sp on d e n d o a o g r u p o d e d i sc i p li n a s A 6 3. M a t e m á t i c a A p li c a d a e A n á li se N u m é r i c a c or r e sp on d e n d o a o g r u p o d e d i sc i p li n a s A 7 4. L ó g i c a e C i ê n c i a d a C om p u t a ç ã o c or r e sp on d e n d o a o g r u p o d e d i sc i p li n a s A 0 (**) o n o m e é m e r a m e n t e i n d i c a t i v o, p o d e r á s e r a l v o d e c o r r e c ç ã o p o s t e r i o r, n o e n t a n t o, s e r á c o n v e n i e n t e a p a r e c e r u m a d e s i g n a ç ã o a b r e v i a d a p a r a t o d o o c o n j u n t o.

6 Proposta de Resolução da Comissão Coordenadora do DM A C o m i s s ã o C o o r d e n a d o r a d o D M a d o p t a o d o c u m e n t o a n t e r i o r c o m o p r o p o s t a i n i c i a l, d e v e n d o s e r a l v o d e p a r e c e r d o s P r o f e s s o r e s C a t e d r á t i c o s d o D M, a t é a o f i n a l d o m ê s d e N o v e m b r o d e A t é e s s a d a t a p o d e r ã o s e r r e c e b i d a s n o v a s p r o p o s t a s, a t r a v é s d a p r e s i d ê n c i a d o d e p a r t a m e n t o. E m r e u n i ã o n o m ê s d e D e z e m b r o, a C o m i s s ã o C o o r d e n a d o r a c o n s i d e r a r á a s p r o p o s t a s q u e s e g u e m p a r a v o t a ç ã o n o C o n s e l h o C i e n t í f i c o d o D M. S e r á a d o p t a d a a p r o p o s t a q u e r e ú n a a m a i o r i a a b s o l u t a d o s v o t o s n a p r i m e i r a v o l t a o u, e m c a s o d e n e c e s s i d a d e d e s e g u n d a v o l t a, a m a i s v o t a d a s u b s e q u e n t e m e n t e.

P ET A g r o n o m i a & U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R E S U M O 2 I N T R O D U Ç Ã O

P ET A g r o n o m i a & U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R E S U M O 2 I N T R O D U Ç Ã O P RO G R A M A P ARA REDUÇÃ O D O I M P A C T O A M B I E N T A L C A U SA D O P ELA REVERS Ã O S E X U AL E M T I L Á P I A S ( O r e o c h r o m i s n i l o t i c u s ). P ET A g r o n o m i a & P ET

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 1 Í N D I C E A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 A P R E S E N T A Ç Ã O : A L G U M AS N O T A S E P A L A V R A S 2

Leia mais

1 I D E N T I F I C A Ç Ã O

1 I D E N T I F I C A Ç Ã O CONTRIBUIÇÃO DE MINI MUSEUS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO RELATIVO A FENOMENOS FÍSICO QUÍMICOS A ESTUDANTES DE ENSINO BÁSICO E FUNDAMENTAL NO CONTEXTO AMBIENTAL. [MEC / SESU / UFLA] 1 I D E N T I F I C

Leia mais

ÍNDICE EPI. Por departamento / Seção. Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção e e 197.

ÍNDICE EPI. Por departamento / Seção. Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção e e 197. Ferramentas Elétricas Ferramentas Ferragem EPI Agronegócio Hidráulica Elétrica Químicos e Impermeabilzantes Pintura ÍNDICE Por departamento / Seção EPI Botas e Calçados Luvas Óculos Segurança e Proteção

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u

S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u OPERATING SYSTEM S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u U m s is t e m a o p e r a c io n a l v o l t a d o a o u s u á r io Bruno Albuquerque XXX Congresso da SBC - Workshop de Sistemas Operacionais

Leia mais

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 A MA R R IB O A MA R R IB O w w w.a m a r r ib o.or g.b r f u n d a çã o: 1 4 d e n ov em b r o d e 1 9 9 9 loca liza çã o A MA R R IB O- A m igos A s s ocia d os d e R

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

S e s s ã o e x t r a o r d i n á r i a 1 3 d e m a r ç o d e A T A N º 1 /

S e s s ã o e x t r a o r d i n á r i a 1 3 d e m a r ç o d e A T A N º 1 / A T A N º 1 / 2 0 1 4 A o s t r e z e d i a s d o m ê s d e m a r ç o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e e u m a h o r a s e d e z m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

Á Ç ó á ç

Á Ç ó á ç Á Ç ó á ç É í é çã ô ã â ã á ç õ é á õ é ê ã ê çã õ ê ú õ ê ó ó ó ó ã é à çã ê é ê í é ã ó ã á ç í á é ã ó é á ó ó á ó á ã ó ã ã çã ó ê ó ê á ô ô ã ã çã ô çã ô í ê ó á ó ê çõ ê é á ê á á ç ó í çã ó ã é

Leia mais

A C T A N. º I V /

A C T A N. º I V / 1 A C T A N. º I V / 2 0 0 9 - - - - - - A o s d e z a s s e t e d i a s d o m ê s d e F e v e r e i r o d o a n o d e d o i s m i l e n o v e, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena 2010 Introdução Inicialmente: realizada de forma subjetiva e empírica como referência o desenvolvimento da vegetação. Atualmente:

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s P PÓ P P r r P P Ú P P r ó s P r r P P Ú P P ss rt çã s t à rs r t t r rt s r q s t s r t çã r str ê t çã r t r r P r r Pr r r ó s Ficha de identificação da obra elaborada pelo autor, através do Programa

Leia mais

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G M E T O D O L O G I A U T I L I Z A D A P E L O P E T C O M P U T A Ç Ã O D A U F C G P A R A M I N I S T R A R C U R S O S DE I N F O R M À T I C A B À S I C A G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o C u

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S CAP II DESIGN D E E M B A L A G E N S LINGUAGEM V I S U A L E S T E M O M E N T O P R I M O R D I A L, O N D E A I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O D U T O E R A F E I T A P E L A F O R M A D E S E U

Leia mais

EBI DA BOA ÁGUA EB1 N.º 2 DA QUINTA DO CONDE EB1/JI DO PINHAL DO GENERAL JI DO PINHAL DO GENERAL

EBI DA BOA ÁGUA EB1 N.º 2 DA QUINTA DO CONDE EB1/JI DO PINHAL DO GENERAL JI DO PINHAL DO GENERAL L I S T A D E C A N D I D A T U R A S A O C O N C U R S O D E A S S I S T E N T E O P E R A C I O N A L P U B L I C A D O N O D I Á R I O D A R E P Ú B L I C A N º 1 5 8 D E 1 4 / 8 / 2 0 1 5 A V I S O

Leia mais

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e.

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e. A V A R I E D A D E L I N G U Í S T I C A D E N T R O D A S O C I E D A D E C A M P O - G R A N D E N S E N O Â M B I T O D O M E R C A D Ã O M U N I C I P A L E F E I R A C E N T R A L D E C A M P O G

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

O processo eleitoral brasileiro. A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o

O processo eleitoral brasileiro. A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o O processo eleitoral brasileiro A n tonio Paim I n s t i t u t o d e H u m a n i d a d e s, S ã o P a u l o A p a i m 0 9 @ u o l. c o m. b r A j u l g a r p e l o s s i n a i s e x t e r i o r e s, o

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z ÇÃ ódigo escrição nid. ódigo escrição nid. Ç 1001.01 Ç 13 16 (1/4 5/16) Ç 1001.02 Ç 19 25 (1/2 3/4) Ç 1001.03 Ç 1/2 / Ç 1001.04 Ç Ã 1/2 / Ç Á 1002.01 Á Ç 1002.02 Á Ç 1002.03 Á Ç 1003.01 / Ê Ç 1003.02 /

Leia mais

A T A N º 4 /2014. S e s s ã o o r d i n á r i a 30 d e j u n h o d e M a r g a r i d a M a s s e n a 1 d e 50

A T A N º 4 /2014. S e s s ã o o r d i n á r i a 30 d e j u n h o d e M a r g a r i d a M a s s e n a 1 d e 50 A T A N º 4 /2014 A o s t r i n t a d i a s d o m ê s d e j u n h o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e h o r a s e t r i n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o o

Leia mais

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res T í t u l o I I D o P ro v i m e n t o, Va c â n c i a, R e m o

Leia mais

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s D ia b e te s M e llitu s e H ip e r te n s ã o A r te r ia l Dra Fernanda Pavarini Diabetes M ellitus P o r q u e g e r e n c ia r D ia b e te

Leia mais

T A B E L A D E P R E Ç O S A B R I L

T A B E L A D E P R E Ç O S A B R I L T A B E L A D E S A B R I L 1 7 P U L S E 1 4 9, 9 9 1 2 1, 9 4 8 U M P A R D E P U L S E - L E D ( 1 X P U L S E M A S T E R + 1 X P U L S E S A T E L L I T E ) C O M 6 0 0 L Ú M E N, 2 7 0 0 K ( B R

Leia mais

O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as

O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as 8 de novembro, 2015 O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as capacidades e necessidades dos nossos jovens,

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Os grupos escolares no contexto da política educacional mato-grossense: o grupo escolar Joaquim Murtinho, em Campo Grande, sul do Estado ( )

Os grupos escolares no contexto da política educacional mato-grossense: o grupo escolar Joaquim Murtinho, em Campo Grande, sul do Estado ( ) Os grupos escolares no contexto da política educacional mato-grossense: o grupo escolar Joaquim Murtinho, em Campo Grande, sul do Estado (1910-1950) Group schools in the context of the Mato Grosso educational

Leia mais

A S S E M B L E I A D E F R E G U E S I A D A U N I Ã O D E F R E G U E S I A S D O C A C É M E S Ã O M A R C O S R

A S S E M B L E I A D E F R E G U E S I A D A U N I Ã O D E F R E G U E S I A S D O C A C É M E S Ã O M A R C O S R A T A N º 2 /2013 A o s t r i n t a d i a s d o m ê s d e d e z e m b r o d o a n o d e d o i s m i l e t r e z e, p e l a s v i n t e e u m a h o r a s e q u i n z e m i n u t o s r e u n i u e m s e

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

A u t o r : G r u p o P E T G e o g r a f i a, Universidade Federal de Pernambuco

A u t o r : G r u p o P E T G e o g r a f i a, Universidade Federal de Pernambuco A NÁ L I S E D A A C E S S I B I L I D A D E U R B A N A N A C I D A D E D O R E C I F E : U M O L H A R S O B R E O S P R I N C I P A I S E I X O S V I Á R I O S D E P E N E T R A Ç Ã O A u t o r : G

Leia mais

Estruturas de Suporte de Terras Executadas com. Pneus - Modelo à Escala Reduzida

Estruturas de Suporte de Terras Executadas com. Pneus - Modelo à Escala Reduzida I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d o P o r t o I n s t i t u t o S u p e r i o r d e E n g e n h a r i a d o P o r t o Estruturas de Suporte de Terras Executadas com Pneus - Modelo à Escala Reduzida

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO*

GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO* GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO* Jean-Claude Javillier** S U M Á R IO : 1 P ro b lem ática; 2 F inalidades; 3 M odalidades.

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

HOTRICIDADE HUMANA E ESPORTE CONVENCIONAL1- QUESTÕES PARA UNA ANTROPOLOGIA DA CULTURA FÍSICA2

HOTRICIDADE HUMANA E ESPORTE CONVENCIONAL1- QUESTÕES PARA UNA ANTROPOLOGIA DA CULTURA FÍSICA2 K in e s is, 2 (2 ): 161 17 ^4/ j u l - d e z / 1 9 8 6. 161 HOTRICIDADE HUMANA E ESPORTE CONVENCIONAL1- QUESTÕES PARA UNA ANTROPOLOGIA DA CULTURA FÍSICA2 * ÜBIRAJARA ORO 1. IMTRQDUÇÃQ A b o r d a g e

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

RESIDENCIAL. Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS

RESIDENCIAL. Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS RESIDENCIAL Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS O B l u e P e n c e é u m do s sel o s mais raros da h i s tó r ia p o st a l. A p o sse de ste p e qu eno tes ouro, emit i do n a s I l h a

Leia mais

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a:

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: FONOLOGIA / ACENTUAÇÃO GRÁFICA O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: encontros vocálicos encontros consonantais

Leia mais

SUMÁRIO: 1 - Enquadramento legal, Metodologia e modelo organizativo 2 - Análise de resultados

SUMÁRIO: 1 - Enquadramento legal, Metodologia e modelo organizativo 2 - Análise de resultados SUMÁRIO: 1 - Enquadramento legal, Metodologia e modelo organizativo 2 - Análise de resultados « 1 - Enquadramento legal, Metodologia e modelo organizativo « Porquê? Recomendações da FAO Legislação Europeia

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00017 Sexta-Feira Quit-Feira 0825 de de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RELATÓRIO

Leia mais

2.º Ciclo 85% 3% 5% 5% 2% 3.º Ciclo 85% 3% 5% 5% 2%

2.º Ciclo 85% 3% 5% 5% 2% 3.º Ciclo 85% 3% 5% 5% 2% ANEXO 2 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO POR DISCIPLINA ESTUDOS LINGUISTICOS [PORTUGUÊS], CIÊNCIAS SOCIAIS E H UMANAS, MATEMÁTICA E CIÊNCIAS NATURAIS E EXPERIMENTAIS S A B E R S A B E R S E R S A B E R S E R P A

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O J o s é A ju r ic a b a d a C o s t a e S ilv a ( * ) I. C R I S E E C O N Ô M I C A S e g u n d o o s e c o n o m is t a s, c a ra c t e riz a

Leia mais

ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA.

ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA. ESTE É UM TRABALHO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL, COMO TAMBÉM TREINAMENTO NESTA ÁREA. ] ORÇAMENTO MÃO-DE-OBRA DIRETA QUANTIDADE HORA MÃO-DE-OBRA. QT D E H OR A S 1º P ER IOD O 2º P ER IOD O 3º P ER IOD

Leia mais

Práticas de Contabilidade Gerencial Adotadas Por Subsidiárias Brasileiras de Empresas Multinacionais

Práticas de Contabilidade Gerencial Adotadas Por Subsidiárias Brasileiras de Empresas Multinacionais Práticas de Contabilidade Gerencial Adotadas Por Subsidiárias Brasileiras de Empresas Multinacionais Marcos Antônio De Souza Resumo: Este trabalho tem como objeto de estudo as práticas de Contabilidade

Leia mais

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a A T A Nº 6 /2014 A o s v i n t e e o i t o dias d o m ê s d e n o v e m b r o do ano de dois mil e catorze, pelas v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o e x t

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Câmara Municipal de Retirolândia-BA

Câmara Municipal de Retirolândia-BA Edição Nº 030/2012 007/2012 Terça-Feira Quinta-Feira 3108 de de Julho Março de 2012 de 2012 A CASA DA DEMOCRACIA Rua Joana Angélica, n.º 537 Centro CEP 48.750-000 Retirolândia/BA CNPJ 63.103.808/0001-14

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

A T A N º 7 /

A T A N º 7 / A T A N º 7 / 2 0 1 4 A o s d e z a s s e i s dias d o m ê s d e d e z e m b r o d o a n o d e d o i s m i l e c a t o r z e, p e l a s v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano, 4 º ano Онлайн ресурсы: P ara o s pássaro s

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano, 4 º ano Онлайн ресурсы: P ara o s pássaro s 1 План урока Id entificação d e Frações Como uma Forma d e Quantificar Partes d e Um Conjunto Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano, 4 º ano Онлайн ресурсы: P ara o s pássaro s Abert ura Professor apresent

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

C o n c u r s o d e L e i t u r a S a b e r l e r c o m e m o ç ã o. A l i c e V i e i r a E x c e r t o d o l i v r o : C h o c o l a t e à c h u v a

C o n c u r s o d e L e i t u r a S a b e r l e r c o m e m o ç ã o. A l i c e V i e i r a E x c e r t o d o l i v r o : C h o c o l a t e à c h u v a B i b l i o t e c a E s c o l a r C o n c u r s o d e L e i t u r a S a b e r l e r c o m e m o ç ã o 2 0 1 2 A l i c e V i e i r a E x c e r t o d o l i v r o : C h o c o l a t e à c h u v a A n a M a

Leia mais

K e y w o r d s : A r t, e x p e r i e n c e s, m u s e u m, p r o j e c t s

K e y w o r d s : A r t, e x p e r i e n c e s, m u s e u m, p r o j e c t s Arte e Vivências: Trajetória dos Alunos nos Espaços Culturais Arts and Experiences: the Story of Students in the Cu l- ture Spaces D i o n e B a p t i s t a d o A m a r a l S a r d i n h a 1 R e s u m

Leia mais

A C A D E M I A G PA

A C A D E M I A G PA ACADEMIA GPA ABRIL 2017 » ENQUADRAMENTO A A c a d e m i a G r e e n P r o j e c t A w a r d s ( G PA ) v i s a c r i a r u m a o p o r t u n i d a d e de v a l o r i z a ç ã o p r o f i s s i o n a l j

Leia mais

Melhores P rát i c as p ara S eg u ran ça d e R ed es Andrey Lee E ng enh ei ro de S i s t em S erv i c e Pro v i ders a s G T S - 0 9 3 0 / M a i o / 2 0 0 7 2 0 0 7 C i s c o S y s t e m s, I n c. A

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA INDAP INSTITUTO ASSOCIACAO NACIONAL DE DESENVOLVI:1450517700015 4 Digitally signed by INDAP INSTITUTO ASSOCIACAO NACIONAL DE DESENVOLVI:14505177000154 DN: c=br, st=ba, l=feira DE SANTANA, o=icp-brasil,

Leia mais

PARÂMETROS ECONÔMICOS NAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS M A R Ç O /

PARÂMETROS ECONÔMICOS NAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS M A R Ç O / PARÂMETROS ECONÔMICOS NAS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS M A R Ç O / 2 0 1 5 N EGOCIAÇ ÃO C O L E T I VA : "... u m pro c e s s o dinâmico de busca do ponto d e e q u i l í b r i o e ntre i nte r e s s e s d i

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016 CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO Orgão Técnico e Consultivo do Governo Federal - Decreto n o 41.082 de 02-03-1957

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

Recuperação de Ácido Láctico por Filtração Tangencial

Recuperação de Ácido Láctico por Filtração Tangencial Recuperação de Ácido Láctico por Filtração Tangencial Júlio Mendes Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Química Júri P re sid ente: Prof. João Ca r los Moura Bordado O rientador:

Leia mais

9 JUNHO. Rua Cândido dos Reis, Vila Nova de Gaia Tel.: Fax:

9 JUNHO. Rua Cândido dos Reis, Vila Nova de Gaia Tel.: Fax: ÇÃÀ 9JUNHO í çõ úãá ÕÚ õ ú ã é çã é õéá é à Rua Cândido dos Reis, 545 4400-075 Vila Nova de Gaia Tel.: 22 374 67 20 - Fax: 22 374 67 29 www.jf-santamarinha.pt 1 õ á õ à çã çõ õ á çã áí é àí àçãçã ã Á à

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE INICIAÇÃO FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE INICIAÇÃO FOTOGRAFIA DIGITAL ENTIDADE FORMADORA ENTIDADE CERTIFICADA PELO IAPMEI STUDIO8A RUA LUCIANO FREIRE, Nº 8-A, 1600-143 LISBOA TELF. 217960007 STUDIO8A@GMAIL.COM FORMADORES PAULO ROBERTO

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano L e i M u n i c i pa l n. º 2 1 0 7, d e 0 5 d e J u l h o d e 1 9 9 9. Dispõe s o b r e a d i v i s ã o d o ter r i t

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade Um efeit o c oligat ivo é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um solut o não-volát il, o qual só depende do núm ero de part íc ulas (m oléc ulas ou íons)

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s.

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s. . ---,,,",jihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba ".',.;. " f.,..~~' D is c u r s o p r e f e it o M a r c e lo D é d a S O L E N I D A D E D E L A N Ç A M E N T O D A S P U B L I C A Ç Õ E S D O P L A N

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U. A n t o n i o P a i m

O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U. A n t o n i o P a i m 1 O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U S U M Á R I O A n t o n i o P a i m I n t r o d u ç ã o 1. S i s t e m a p ro p o r c i o n a l n a E u r

Leia mais

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: I nt e i ro s e part e s

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: I nt e i ro s e part e s 1 План урока Multiplicação d e Fração por Inteiro Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: I nt e i ro s e part e s Abert ura Professor apresent a Alunos prat icam Discussão com a Classe Planilhas

Leia mais

. F U N D A M E N T A Ç Ã O T E Ó R I C A. R E F R I G E R A Ç Ã O M E C Â N I C A P O R M E I O D E VA P O R E S.. C i c l o s T e r m o d i n â m i c o s d e R e f r i g e r a ç ã o O ciclo termodinâmico

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

Técnicas Expandidas no Repertório de Percussão

Técnicas Expandidas no Repertório de Percussão D e p a r t a m e n t o d e M ú s i c a M e s t r a d o e m M ú s i c a - I n t e r p r e t a ç ã o A r t í s t i c a Saulo Giovannini Musique Concrète In stru mentale Técnicas Expandidas no Repertório

Leia mais