06 Demand Management: Lessons Learned, de Colleen Crum e George Palmatier, da OW, 2ª e última parte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "06 Demand Management: Lessons Learned, de Colleen Crum e George Palmatier, da OW, 2ª e última parte"

Transcrição

1 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :41 Page 24

2 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 25 Sumário 06 Demand Management: Lessons Learned, de Colleen Crum e George Palmatier, da OW, 2ª e última parte 10 Matéria de Capa: Rota invertida, leia sobre o caminho de volta dos produtos EXPEDIENTE Thelma Almeida Santos - Diretora Executiva Cecília Borges - Editora - Mtb SP Eduardo Fiora - Coordenador Editorial Antonio Carvalho - Editor de Arte Anna Cláudia Oliveira - Assistente de Redação Wilson Manzaro - Publicidade Tradutores: Luiz Macedo - inglês Conselho Editorial - Cristiano Cecatto - Laurent Frédéric Bernard - Nelson Rosário - CPIM, CSCP - Rubens E. Brambilla - CPIM, CIRM, CSCP, P. Eng. Contatos: R. Fernandes Moreira, 1166 cep São Paulo - Brasil Tel: 55 (11) Foto capa : TNT Express 14 TI na logística, indispensável 20 Express As novidades dos segmentos de logística e supply chain management 22 Agenda Sumário TODAY Logistics & Supply Chain - 03 vó teresa

3 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 4 Editorial Dois mil e sete começou bem Editorial Para ser duradoura, a relação entre seres humanos precisa ter harmonia, confiança e transparência. Se a arte imita a vida, o trabalho não foge à norma e para que os leitores mantenham-se conectados à TODAY Logistics & Supply Chain reafirmamos o compromisso de informar bem e sempre. Mais do que isso: garantimos um modus vivendi constantemente inovador. Não há como fugir, está no DNA da revista. Assim, prazerosamente comunicamos o lançamento de mais um produto: o Dossiê TODAY. Tão grandioso quanto o projeto Benchmarking, que já tem seu prosseguimento garantido para o final do primeiro semestre de 2007, os Dossiês vão levantar informações fundamentais para a elaboração de documentos completos sobre determinado assunto, eleito pelos leitores. Serão três Dossiês TODAY por ano, um a cada quatro meses e o conteúdo será parcialmente publicado na revista impressa, entretanto, conservando grande parte com acesso exclusivo aos assinantes. Destacamos a importância do pronunciamento dos leitores pelo a respeito dos assuntos que gostariam de maior detalhamento. O Dossiê de estréia é o TODAY MES, de Manufacturing Execution System, cujo tema foi abordado em agosto de 2006, na edição nº7 da revista TODAY Logistics & Supply Chain e chamou muito a atenção de nossos leitores. Com a condução de Marcelo Offner, CPIM, consultor industrial e logístico, além de instrutor dos cursos da APICS, o projeto conta com a colaboração de todos. Na edição deste mês, a TODAY traz a segunda parte do artigo internacional, da Oliver Wight, Demand Management: Lessons Learned, da autoria de Colleen Crum e George E. Palmatier; Tecnologia da informação aplicada à logística é outro artigo, dessa vez de dois graduandos em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Marina Bouzon e Kleber Costa Corrêa; Rota invertida é o título da matéria de capa, com a costumeira colaboração de Eduardo Fiora, que trata do processo pós-natal que seguem as trocas e reclamações. Além disso, as informações de mercado e a agenda de cursos para os interessados em crescer e aparecer. Lembramos que a partir deste ano a TODAY Logistics & Supply Chain, depois de um ano de distribuição gratuita, será oferecida em assinatura anual. Pedimos sua colaboração, leitor, pois com seu apoio podemos consolidar nosso projeto e ir muito mais longe. Leiam, critiquem, contribuam, a revista é sua! Boa leitura! Cecília Borges Editora TODAY Logistics & Supply Chain - 04

4 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 6 Artigo internacional Demand Management: Lessons Learned Effective Communications with the Supply Organization When a full-time demand manager is employed, communications with the supply organization improves. The supply organization has a go-to person on the demand side of the business. They can work as a team to balance demand and supply day to day, which is a best practice of master scheduling. The sales team also has a go- panies have the following expectations of their sales force: Sales is responsible for direct contact with the customer. The sales force s primary job is to match the company s products to the customers needs (and vice versa) and to book the business (sell). Sales is not only responsible to represent the company to the customer, but also the sales organization in how they support demand planning varies by company, depending on the types and volume of products sold. Following are the most common requirements: Companies that serve primarily customers who provide repeat business: The sales force is expected to provide visibility of anticipated purchases that each individual customer is expected to make. This visibility to person when demand does not materia- to represent the customer to the company. is usually accomplished through monthly lize as planned or when an unplanned updates of the forecasts for each individual opportunity emerges. For both the paper The sales force is the live, real-time customer. Often the customer can be per- manufacturer and the wireless telephone eyes and ears of the company in the mar- suaded to provide this input directly without By Colleen Crum and George E. Palmatier The Oliver Wight Company producer, improved communications between the demand and supply organizations increased the companies responsive- ketplace. As such, the sales force is expected to communicate problems and market opportunities. This communication serves additional administrative activities by the salesperson. The level of detail provided by the customers will vary, depending on the ness to changes in the marketplace. It also as key input for developing company tactics type of product being sold, product availabi- resulted in improved customer service and and strategies. lity and delivery strategy. Timely Decision Making advantage of emerging opportunities. reduced unplanned inventory. Both of the companies came to realize To achieve this level of responsive- The sales force is expected to provide Companies with a broad range of pro- One executive at the paper manufacturer observed that the sales and operations planning and demand management pro- that documentation of the assumptions and identifications of risks, vulnerabilities, and opportunities required the ability to perform what if or scenario planning. This type of planning could not be accom- ness requires time and attention. It also requires that the demand manager have an understanding of the supply side of the business, and vice versa. Which brings us back to senior management commitment. some level of activity reporting as part of its administrative responsibilities. Management prefers to have its sales force selling rather than doing administra- ducts and large number of customers: The sales force is usually expected to provide input every month on the anticipated product family or category demand in each territory. This information includes specific cesses enabled the executive team to make plished with a part-time demand planner, a In both of these organizations, senior tive tasks. Therefore the administrative sales plans and activities that are expected decisions earlier. In the past, the company disengaged sales team, or unsupportive management was willing to invest in the processes must be well-designed to facili- to influence demand. waited until it was too late to effectively senior management. Visible and reliable resources (people, technology, and educa- tate efficiency. respond to issues, like excess - or under - information (both demand as well as sup- tion) to ensure that the processes could be Companies that primarily sell project capacity. The ability to make timely deci- ply) improved the quality of the decision implemented and operated effectively. Sales planning (which involves identi- work: The sales force s primary responsibi- sions starts with a demand plan, supported making for both companies. An executive In the long run, both companies were fying the timing of sales, territory manage- lity is to communicate project proposals última parte by assumptions and the identification of risks, vulnerabilities, and opportunities. For for the paper manufacturer lamented not having the sales and operations planning able to increase sales and operate more profitably without significantly increasing ment, and account management) improves sales productivity. and to keep the status of the proposals current in communications with the company. Publicamos nesta edição, a continuação do artigo internacional, colaboração da consultoria Oliver Wigh. the paper manufacturer and wireless telephone manufacturer, a critical element of the demand planning process was reviewing the assumptions upon which the plan was based. This review resulted in the development of alternative plans to mitigate and demand management processes in place a year earlier. He believed that the company would not have missed identifying a downturn in a critical market and could have prevented an unplanned buildup of inventory that impacted the the number of employees. Responsibilities of the Sales Organization In defining the roles of the sales organization in the demand management process, There is value to the sales organization, and specifically sales management, in providing input into the demand planning process. This communications is usually accomplished by ensuring that all proposals are copied to a central demand management function. In addition, the proposal communications are structured to provide internally important information. For example: risks and vulnerabilities as well as to take company s cash and profit position. we have found that the most effective com- Given the above, the requirements of probability that the project work will come TODAY Logistics & Supply Chain - 06 TODAY Logistics & Supply Chain - 07

5 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 8 Artigo internacional to fruition, probability that the company have recognized the need for full-time prises should have all been discovered and process, the Demand Manager should Duties and Responsibilities: will secure the project, the date the contract demand management function. The communicated in the demand planning reside in the organization that is responsi- will be booked, and dates when the pro- demand management function facilitates process and demand review meeting. ble for sales. This serves two purposes: 1) ducts will be required. This information, the demand planning process and provides It puts the Demand Manager closest to the 1 - Develop forecasts of anticipated 10 - Monitor the demand plan perfor- along with product or scope changes, is ty- analytical support for the sales and market- It is not the forecast numbers that are customer, which will improve forecast demand and assumptions on a monthly mance, providing detailed input to sales pically updated once per month and more ing functions. wrong, it is usually the assumptions about accuracy, and 2) it ensures that the sales basis by product family for sales and oper- and marketing management for use in the frequently as appropriate. In designing a demand management the business (upon which the forecast num- organization is accountable for the ations planning. demand review and executive sales and process, it must be recognized that indivi- bers were based) that are wrong. demand plan. When the sales organization operation planning meetings. Measure Value to the Sales Organization dual sales people and individual district or is not actively involved in developing the 2 - Develop macro forecast to validate the and report of actual vs. planned perfor- regional sales managers cannot see the The greater the forecast accuracy, the demand plan, most demand managemen- overall size of the business and identify mance overall, by sales territory, and by Many companies have a combination of total demand picture. Their primary role is fewer tactics that are needed to deal with tefforts are mediocre at best. improvement or slippage in market share. product family. the above selling structure and require- to understand their individual piece of the inaccuracies. The greater the inaccuracy, Once sales participation in the process The macro forecast indicators should be ments. As a result, the demand planning demand extremely well. the more tactics that are needed to deal becomes institutionalized, it matters less monitored monthly for change Provide necessary training to internal process must be carefully designed to Someone must have the responsibility with the inaccuracies. where the demand manager resides in the personnel in all aspects of demand manage- ensure it is of value to the sales organiza- to compile a comprehensive view of the organization. It is not unusual for compa- 3 - Develop, document, update, and chal- ment, forecasting, order entry, etc. tion and meets the needs of the supply demand picture. Clearly, this is the job of With shorter manufacturing lead nies to evolve to a supply chain manage- lenge the factors and assumptions sup- Develop and deliver communica- chain. the senior sales management. Day-to-day times, the need to provide an accurate ment organization, where both the demand porting the demand plan. tion/awareness sessions for external per- activities, however, frequently cloud their detailed forecast further out in the planning manager and supply manager (formerly sons (customers) on demand management The information gathered, communica- ability to analyze demand from the total horizon is reduced. master scheduler) reside. However, for the 4 - Assist the sales and marketing organi- concepts and practices. ted, and monitored by the sales force company perspective. The role of the demand management process to remain zations, including the demand review should help sales management at the demand manager is to provide the informa- If the planning horizon does not effective, sales and marketing organiza- leader, in preparing for the demand review 12 - Serve as the technical expert in mat- individual, district, region, and headquar- tion and analysis required so that the senior extend beyond 12 months (ideally at least tions must continue to communicate their meeting and executive sales and opera- ters concerning the use of the computer ters levels to understand what is happen- sales management can determine the over- 18 months), senior management does not sales plans, promotion plans, assumptions, tions planning meeting. system for order entry, demand manage- ing in the market, with specific customers, all status of demand and take appropriate have the time to anticipate, develop strate- and marketing intelligence. ment, forecasting and EDI or internet specific sales people, and specific products. actions as needed. gies and tactics, and then execute to ensure 5 - Develop product mix forecasts as input interfacing. This understanding enables sales manage- that the plan can be achieved. Demand Manager Role and for master scheduling. ment to take appropriate action and ensure Fundamental Principles Responsibilities 13 - Be the day-to-day point of contact for that sales objectives are achieved. The bet- Once the demand plan is agreed upon 6 - Develop forecasts of anticipated the Master Scheduler to manage change ter the information and the earlier the infor- The most effective companies in utili- and approved at the executive sales and We are frequently asked to help com- demand for new products and/or new and balance supply and demand to achieve mation is received, the better the chance zing demand management recognize the operations planning meeting, the manage- panies define the role and responsibilities markets, working with product and mar- the optimal balance of customer respon- that the sales force will meet its sales goals following fundamental principles: ment team and each sales and market- of the demand manager. Following is a keting managers as appropriate. siveness and production stability. Assist in and objectives. ing individual agree to do what the plan generic position description that many 7 - Establish, maintain, and utilize forecast- the resolution of issues involving order For the sales force to realize value from The forecast is not a guess about what says they are going to do. companies have used to tailor to their spe- ing and communications tools for accom- promising, deviations to planned finished the demand management process, the customers are going to buy. It is a request cific environment and needs. plishing the above. goods inventory levels, establishment and amount of administrative effort required to for product that you wish to have available Where Should the Demand Manager utilization of safety stock, and customer support the process must be minimized. because that is what you intend to sell. Reside in the Organization? Position Summary: Recognize and 8 - Assist in the development of market- delivery difficulties. Participate in the The development of sales forecasts must be Requesting product does not ensure manage customer demand for all prod- ing/manufacturing strategies and objec- development and evaluation of what-if si- properly thought out and carefully imple- that it can be provided. We frequently find that where the ucts. Forecast anticipated demand for use tives, including customer service objec- mulations to resolve demand/supply mented. Furthermore, when implementing Demand Manager should reside in an in sales and operations planning and mas- tives, inventory targets, backlog/lead time imbalances. sales automation tools, companies should Bad news early is better than bad news organization is a topic of debate. Here s ter scheduling. Interact with the sales objective, and time fences for managing consider how well the tools facilitate com- late. Conversely, good news early is better what we found works best: organization and the product management change Play the lead role in developing cus- municating sales information as part of the than good news late. to facilitate the planning process for tomer linking and/or partnering with demand planning process. To minimize the When starting out in developing and demand planning and sales and operations 9 - Assist in the development of planning strategic customers, utilizing best prac- amount of administrative effort, companies There should be no surprises. The sur- operating the demand management planning. bills and product structures as needed. tices and available technology. TODAY Logistics & Supply Chain - 08 TODAY Logistics & Supply Chain -09

6 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 10 Capa abordagem sistêmica é fundamental para restrições legais, como na Alemanha, por mente, conforme solicitação do supermer- planejar a utilização dos recursos logísticos exemplo, que impede seu descarte no meio cado. Sendo assim e por outro lado, o vare- de forma a contemplar todas as etapas do ambiente. Como as restrições ambientais jista assumiria os custos de mão-de-obra, ciclo de vida dos produtos. no Brasil com relação a embalagens de operacionalização e exclusividade na venda Com base nesse contexto, surge uma transporte não são tão rígidas, a decisão dos produtos. O processamento dos mate- clara definição do que é a logística reversa: sobre a utilização de embalagens retorná- riais acontece na loja matriz (Birigui). um processo de planejamento, implemen- veis ou reutilizáveis se restringe aos fatores tação e controle do fluxo de matérias-pri- econômicos. Resultados positivos mas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto Da teoria à prática De acordo com o estudo realizado pelos de consumo até o ponto de origem, com o pesquisadores da USP-Ribeirão Preto, objetivo de recapturar valor ou realizar um Um mergulho em trabalhos de campo numa análise de seis meses, o resultado descarte adequado. realizados por especialistas interessados apurado gerou uma renda média de aproxi- Leonardo Lacerda sustenta que a natu- em processos logísticos mostra, claramen- madamente 8% de capital sobre o lucro reza do processo de logística reversa, ou te, a validade de estudos como esse desen- liquido da loja objeto de pesquisa (gráfico seja, as atividades que serão realizadas, volvido pelo Cel-Coppead. Um bom é exem- 1) A pesquisa apontou, também o percen- A gestão da logística reversa, um processo com impactos em toda a cadeia produtiva e também sobre o meio ambiente, ganha espaço na administração empresarial depende do tipo de material e do motivo pelo qual eles entram no sistema. Assim, os materiais podem ser divididos em dois grandes grupos: produtos e embalagens. No caso de produtos, os fluxos de logística reversa se darão pela necessidade de reparo, reciclagem, ou porque simplesmente os clientes optam por devolvê-los. O fluxo plo vem da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, que faz parte da Universidade de São Paulo (USP). No IX Simpósio de Administração da Produção Logística e Operações (Simpoi), evento promovido pela Fundação Getúlio Vargas, um grupo de três pesquisadores (Sergio Silva Braga tual participativo de cada produto envolvido no processo. (ver gráfico na pg 13) O processo apresenta a seguinte dinâmica: os fornecedores entregam os produtos comprados embalados em caixas de papelão ou protegidos pelo mesmo, como também, embalados em paletes protegidos por plástico. Já os fornecedores de frutas e reverso de produtos também pode ser Junior, Priscila Rezende da Costa e Edgard verduras entregam os produtos embalados usado para manter os estoques reduzidos, Monforte Merlo), discorreu sobre o tema em caixa de madeira.o varejo supermerca- Uma vasta literatura em torno da qual giram cursos de pósgraduação e teses de mestrado em importantes Faculdades e Universidades do matizar parâmetros que possam definir e orientar as práticas reversas nas cadeias produtivas. É o caso do engenheiro de Produção Leonardo Lacerda que, a convite do Centro de Estudos em Logística (CEL) reversa está associado a uma definição mais ampla, que é o do ciclo de vida. De acordo com o engenheiro, a vida de um produto, do ponto de vista logístico, não termina com sua entrega ao cliente. diminuindo o risco com a manutenção de itens de baixo giro, acrescenta o engenheiro. Ele salienta que essa é uma prática comum na indústria fonográfica, um setor onde é grande o número de itens com mui- Logística Reversa como alternativa de ganho para o varejo, divulgando os resultados do processo reverso num supermercado de médio porte localizado da cidade de Birigui, no interior de São Paulo. dista, recebe e abastece as gôndolas com os produtos, separa e envia para o centro de processamento da empresa que prensa, pesa e armazena o material a ser vendido. O papelão e o plástico são vendidos a uma Brasil já embasa, com consistência, a ativi- estrutura do Instituto de Pós-graduação e Produtos se tornam obsoletos, danifica- tos lançamentos. O risco dos varejistas ao O empresa objeto de pesquisa está no empresa de reciclagem que possui exclusi- dade de gestores logísticos dedicados à Pesquisa em Administração (Coppead- da dos, ou não funcionam e devem retornar ao adquirir estoque se torna muito alto. Para mercado varejista há 12 anos. Atualmente, vidade de compra e as caixas de madeira implementação e gerenciamento de siste- Universidade Federal do Rio de Janeiro) seu ponto de origem para serem adequada- incentivar a compra de todo o mix de pro- conta com uma rede de seis lojas distribuí- são vendidas para produtores rurais que mas em um ramo específico dessa ativida- elaborou um trabalho pontual que vem ser- mente descartados, reparados ou reapro- dutos algumas empresas aceitam a devo- das em cinco cidades da região de Birigui, procuram o supermercado para a compra de: a logística reversa. Trata-se de um tema vindo de base para vários estudos e pesqui- veitados, explica Lacerda. Sob o aspecto lução de itens que não tiverem bom com- num raio de 50 km de distância da loja das caixas. Por fim, o papelão e o plástico bastante amplo, que não se restringe ape- sas em renomados centros do ensino supe- financeiro, fica evidente que além dos cus- portamento de venda. Embora este custo matriz. O fluxo médio é de 1000 pessoas voltam à indústria, que seria o consumidor nas a ganhos concretos na cadeia de pro- rior. Usualmente pensamos em logística tos de compra de matéria-prima, produção, da devolução seja significativo, acredita-se por dia. A proposta de aproveitar as caixas final do produto subacabado e a caixa de dução. Com a difusão de uma agenda como o gerenciamento do fluxo de mate- armazenagem e estocagem, o ciclo de vida que as perdas de vendas seriam bem maio- de papelão, o plástico das embalagens e as madeira volta aos distribuidores de frutas e ambiental de caráter global, que aponta riais do seu ponto de aquisição até o seu de um produto inclui também outros custos res caso não se adotasse esta prática, ava- caixas de madeira das frutas e verduras, verduras, fechando, assim, a cadeia. para ações politicamente corretas, o fluxo ponto de consumo. No entanto, existe tam- que estão relacionados a todo o gerencia- lia Lacerda. surgiu no ano de 2004 (apresentada por Após a análise do processo, o grupo reverso ganha uma outra dimensão, ligan- bém um fluxo logístico reverso, do ponto de mento do seu fluxo reverso. Do ponto de Em seu estudo, o pesquisador aponta uma empresa de reciclagem de plástico e empenhou-se no levantamento sobre o do-se, intimamente à preservação do meio consumo até o ponto de origem, que preci- vista ambiental, esta é uma forma de avaliar que no caso de embalagens, os fluxos de papelão). A empresa se comprometeu a for- investimento dos recursos financeiros ar- ambiente. Nesse largo campo conceitual, sa ser gerenciado, afirma Lacerda. qual o impacto de um produto sobre o meio logística reversa acontecem basicamente necer uma prensa e uma balança ao super- recadados com a venda dos materiais a especialistas em logística procuram siste- Ele salienta que o conceito de logística ambiente durante toda a sua vida. Esta em função da sua reutilização ou devido a mercado e a buscar o material periodica- empresa de reciclagem, identificando um TODAY Logistics & Supply Chain - 10 TODAY Logistics & Supply Chain - 11

7 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 12 Capa Europa cria normas material produzido nas outras lojas da rede. A logística reversa no varejo supermer- de agregar nos resultados. Em segundo lugar, é necessário também que o processo atender em tempo hábil qualquer pedido de coleta, desde B2C ou B2B, com produtos cadista estudado praticada com o papelão, o de logística reversa seja conduzido de diversos, tais como celulares, notebooks, O processo de globalização modifica toda a cadeia de fornecimento, com a passagem de um configuração local para outra de cará- plástico e as caixas de madeira, permitiu à maneira a garantir sinergia das decisões, palmtops, entre outros produtos, explica ter global. A reorganização da logística e a manutenção de políticas energéticas e ambientais são ações colocadas em primeiro plano empresa a abertura de uma visão mais rea- isto é, é preciso que as decisões tomadas Nogueirão. São itens que precisam ser reti- no contexto da União Européia (UE). Em agosto de 2005 foram ratificadas diretrizes que responsabilizam os produtores por todo o lista e há um ano o projeto foi ampliado. As em seu âmbito estejam em consonância rados de assistências técnicas autorizadas, ciclo de vida dos produtos. Nesse contexto, os bens elétricos e eletrônicos mereceram particular atenção. Os principais objetivos das sobras de frutas e verduras rejeitadas pelo com as decisões da empresa. lojas ou clientes e entregues aos fabricantes normas em vigor são: retirada gratuita dos aparelhos/peças descartadas pelos consumidores; implementação de coleta seletiva e de consumidor, antes descartadas, são agora para reparos e retornar ao ponto de origem, sistema de recuperação dos equipamentos, componentes e materiais. utilizadas para a cozinha do supermercado Prestação de serviço efetuando inclusive troca em garantia de Segundo o advogado Massimo Maniscalco, diretor do Istituto Superior para Empreendores e Dirigentes Empresariais, com sede na na produção de alimentos prontos e semi- qualquer produto que esteja com problemas, cidade de Palermo (Sícília, sul da Itália), tais disposições acabam dando destaque à logística reversa. Em temos de cadeia logística pas- prontos; as sobras de frios e açougue tam- A logística reversa também faz parte do fazendo, se for o caso, sua substituição ime- sa-se de uma estrutura linear para outra circular, onde o produto, ao final do próprio período de utilização não é um descarte, mas sim um bém são vendidas, mas ainda não represen- leque serviços oferecidos por operadores diata para que o cliente não seja prejudicado bem que ainda exprime um determinado valor e, conseqüentemente, deve ser recolhido e devidamente tratado, afirma Maniscalco. tam um volume financeiro significativo. logísticos. É o caso da TNT Express. A agi- em sua dinâmica - até que o reparo seja Quanto maior for o valor que se recupera, mais relevamte é a contribuição da logística reversa, que pode assumir o papel de uma verda- Diante desses resultados, confirma-se a lidade no tratamento da logística reversa feito, acrescenta o executivo. deira estratégia de gestão. É facil prever que a evolução do fenômeno da logística reversa - com todos os seus impactos sobre o meio importância da logística reversa como uma pode ser o ponto chave para manter o clien- Segundo ele, ao assumir a possibilidade ambiente, consumo, serviços e sobre toda a plataforma logísitica repercutirá no desenvolvimemto econômico do terrítório europeu, ferramenta estratégica para abrir competiti- te. Não interessa se o produto sairá do esto- da existência de produtos danificados e esta- conclui o advogado italiano. vidade do varejo supermercadista. No que corrente da revenda, distribuidor ou belecer uma política de retorno de produtos, À luz do reverso entanto, segundo os pesquisadores da USP- Ribeirão Preto, existem alguns aspectos fabricante, o que importa é o rápido atendimento e a solução completa do problema no aumenta a confiabilidade perante o comprador, daí a necessidade de criar uma estrutu- que precisam ser considerados para que a menor tempo possível, ao gosto do cliente, ra independente, vinculada ao compromisso No Brasil são consumidos em média 100 milhões de lâmpadas fluorescentes por ano. Desse total, 94% são descartadas em aterros logística reversa tenha esse perfil. Em pri- afirma o diretor de vendas e marketing de garantir o eficaz tratamento de situações sanitários sem nenhum tipo de tratamento, contaminando o solo e a água com metais pesados. Para minimizar o impacto ambiental, a meiro lugar, a utilização do potencial de Paulo Nogueirão. que demandem a recuperação do produto a Tramppo Recicla Lâmpadas, empresa do Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec) da Universidade de São Paulo (USP), logística reversa está condicionada às Para atender essa demanda a TNT partir da casa do cliente. desenvolveu um sistema que recupera os componentes presentes nas lâmpadas, reaproveitando mais de 98% da matéria-prima utiliza- decisões estratégicas da empresa, ou seja, é Express disponibiliza diversos serviços de A TNT Express já realiza serviços da na fabricação. necessário que parta da direção a iniciativa acordo com a necessidade de cada cliente. expressos de logística reversa para diversas Por meio de um sistema de vácuo associado a alta temperatura, o equipamento separa o mercúrio, metal tóxico com alto risco de de explorar as oportunidades como forma Dispomos de suficiente flexibilidade para empresas, entre elas a Sony-Ericsson. A ope- contaminação, de outros elementos, como cobre, pó fosfórico, vidro e alumínio. A máquina descontamina a lâmpada fluorescente com radora recolhe, substitui quando for o a extração do mercúrio e possibilita a reciclagem dos outros materiais pela indústria. O lixo é transformado novamente em matéria- caso e entrega aparelhos celulares e prima, explica Gilvan Xavier Araújo, diretor da Tramppo. O trabalho de pesquisa que deu origem à solução, intitulado Descarte ade- peças de reposição da Sony-Ericsson quado de fluorescentes que contenham mercúrio, teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) no em toda a região centro-oeste, norte e âmbito do Programa Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas (PIPE). de outros locais, disse. nordeste do Brasil. A Tramppo iniciou as atividades comerciais da tecnologia pelo processo de logística reversa, por meio do qual a empresa vende O diretor da TNT lembra que o pro- lâmpadas novas para o cliente a preço de custo e recolhe as usadas para reciclagem. Desse modo, conseguimos focar o trabalho na cesso reverso tem grande impacto nos venda de matéria-prima para as indústrias que produzem lâmpadas. Isso gera uma sustentabilidade ambiental e econômica em todo o custos logísticos totais. Para se ter uma processo, afirma Araújo. idéia da relevância do processo reverso, (fonte: Agência FAPESP). estima-se que, nos Estados Unidos, os custos logísticos totais representem série de benefícios. Um deles foi a qualifi- ta estão direcionados para a qualificação e pamentos como computadores e projetor 10,7% do PIB. A logística reversa é res- cação de funcionários a partir do custeio das desenvolvimento dos colaboradores, expli- que reduziram os custos dos treinamentos e ponsável por 3 a 4%. É um número signi- despesas com cursos internos e externos à cam os pesquisadores. geraram maior volume de cursos. Também ficativo, sendo que em alguns setores é organização. Antes da implantação do pro- identificaram uma redução do fluxo de lixo questão de sobrevivência. O setor de cesso, os investimentos nesta área eram res- Impacto ambiental das lojas. O volume de lixo produzido na distribuição de livros e CDs, por exem- tritos em termos de números de cursos e loja foi reduzido e como conseqüência con- plo, trabalha com taxas de retorno de números de colaboradores participantes. Eles lembram que a implantação do pro- tribuiu com a redução do impacto ambiental mercadorias entre 20 e 30%, finaliza Atualmente, aproximadamente 57% da recei- cesso permitiu a empresa investir em equi- local. Atualmente, a loja matriz recolhe o Nogueirão. TODAY Logistics & Supply Chain - 12 TODAY Logistics & Supply Chain - 13

8 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 14 TI Tecnologia da informação aplicada à logística Sistema transacional: representa a base das outras operações, de onde são retiradas as informações das atividades de planejamento e coordenação. É o local onde são compartilhadas as informações logísticas com sistema são: Integração e padronização dos dados; Maior confiabilidade dos dados (monitorados em tempo real); Revisão dos processos; Sob o ponto de vista logístico, o principal objetivo de um sistema ERP é atuar como um sistema transacional, solucionando problemas com a ausência de integração as outras áreas da empresa (Produção, Redução de Custos; entre atividades logísticas. Entretanto, nem A tecnologia da informação (TI) vem contribuindo para que a logística torne-se mais eficiente e efetiva na geração de valor para a empresa, destacando-se como um diferencial no mercado atual. Mas afinal, o que é tecnologia da informação? Respondem à pergunta os autores Marina Bouzon e Kleber Costa ciamento eletrônico de informações proporcionam uma oportunidade de reduzir custos logísticos, mediante sua melhor coordenação, junto a um aperfeiçoamento de serviço (menos propenso a erros) e uma melhoria da oferta de informações ao cliente. O exemplo, no gerenciamento da cadeia Marketing, Finanças,...) ou da cadeia de suprimento. Controle gerencial: este nível funcional busca as informações no sistema transacional para poder gerenciar as atividades logísticas, incluindo aí as ferramentas de mensuração, como indicadores em geral. Otimização do fluxo de informações; Nova dinâmica na tomada de decisões; Homogeneidade nas práticas operacionais e formas de gerenciamento (filiais). Os custos com aquisição e implementação destes pacotes variam, em geral, entre R$ 400 mil e R$ 20 milhões. Esses todas implementações de ERP consideram as atividades logísticas de maneira integrada. Isso resulta da falta de foco na logística, o que após o processo de implementação pode trazer uma série de problemas para a gestão da logística. Alguns exemplos de sucesso da implan- Corrêa, graduandos em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc) de suprimentos em que os varejistas podem disponibilizar informações de seu ponto-de-venda para seus fornecedores, Apoio à decisão: este nível da pirâmide de funcionalidade dos sistemas de informações logísticas utiliza softwares como valores dependem principalmente do tamanho da empresa (número de usuários e instalações) e de sua operação (módulos tação de sistemas ERP: Autodesk - passou a embarcar 98% de seus pedidos dentro de 24 horas após a implan- fazendo com que estes sejam responsáveis ferramenta decisória para as atividades escolhidos do sistema). Em geral, estima-se tação de um ERP; Podemos dizer, de uma forma resumida, que TI é a aplicação de diferentes ramos da tecnologia no processamento de informações, ou ainda que TI seja o 12,3 milhões de dólares em 1998, 60% a mais que no ano anterior. Um caso brasileiro a ressaltar é o do grupo empresarial Souza Cruz. Com uma frota de 900 veículos para atender cerca de 200 mil clientes em pelo ressuprimento automático dos produtos demonstra a grande importância da informação na logística. Os sistemas de informações funcionam como elos que ligam as atividades logísti- operacionais e estratégicas complexas, para que estas não sejam praticadas com embasamento somente no feeling. Planejamento estratégico: as informações logísticas obtidas dos três níveis abaixo do que para cada R$ 1 gasto com a aquisição da licença, são gastos R$ 2 com consultoria, e entre R$ 0,5 e R$ 1,5 com equipamentos. Algumas das principais empresas fornecedoras desse tipo de software no mundo já A divisão Storage Systems, da IBM conseguiu refazer sua lista de preços em cinco minutos, contra os anteriores cinco dias; o tempo de embarque de uma peça de reposição caiu de 22 para 3 dias; conjunto de todas as atividades e soluções todo Brasil, através da utilização de um cas em um processo integrado, utilizando topo entram como suporte para o desenvol- estão no Brasil. A SAP, além de ocupar a Votorantim - O giro do estoque melhorou providas por recursos de computação. A roteirizador (software para a obtenção da hardwares e softwares para o gerenciamen- vimento e para a melhoria contínua da liderança mundial neste mercado, como de 30 a 40% e o número de funcionários evolução da tecnologia de informação nes- melhor rota), a Souza Cruz obtém 99% de to das operações, seja em uma só empresa estratégia logística. pode-se observar na Figura 2, também administrativos pode ser reduzido em 30%, ses últimos 20 anos possibilitou ampla eficiência e faz em média 43 entregas por como também em toda uma cadeia de ocupa essa posição no Brasil, com 38% das resultando em ganhos de US$ 6 milhões modificação do modus operandi de diver- dia. Estes dois exemplos explicitam que a suprimentos. Basicamente, podemos diferir Tipos de Softwares vendas de licença de software; por outro anuais; sas organizações, trazendo impactos positi- TI é indispensável para o desenvolvimento os sistemas de informações em quatro lado, a Datasul possui o maior número de Indústria média norte-americana de auto- vos sobre o planejamento, a execução e o logístico, mas qual é o papel da informação níveis funcionais ilustrados no modelo pira- Sistemas ERP clientes, com 23% do mercado. peças - Reduziu o tempo entre o pedido e a controle logístico. Com isso, criou-se um na Logística? midal abaixo: O sistema ERP é uma pla- entrega de seis para duas ambiente favorável para inovações na área taforma de software de- semanas. Outra diferença de logística, motivadas principalmente pelo Infovia senvolvida para integrar notável: a troca de documen- grande aumento na complexidade das ope- O fluxo de informações é de os diversos departamen- tos entre departamentos que rações. Por isso, a TI torna-se um recurso extrema importância nas ope- tos de uma empresa, pos- demorava horas ou mesmo inevitável para uma empresa moderna. rações logísticas, como: pedi- sibilitando a automati- dias caiu para minutos e até Este avanço nos últimos anos permite às dos de clientes, necessidades zação e armazenamento segundos. companhias executar operações que antes de estoque, movimentações de todas as informações Ressalta-se que embora eram inimagináveis, visando, sobretudo, nos armazéns, etc. Há alguns de negócios. Sendo assim, um sistema ERP possua atri- obter reduções de custo e/ou gerar vanta- autores que apelidaram este existe a possibilidade de butos que contribuem para gem competitiva. fluxo de informações logísticas haver um único banco de melhorar a gestão da empre- Um exemplo claro da atuação da TI nas de Modal Infoviário. dados, uma única apli- sa, ele não possui ferramentas reduções de custo é o caso da Dell Antigamente, este fluxo cação e uma interface uni- de apoio à decisão. Além Computer, que investiu na venda direta e ocorria por papéis, o que torna- ficada ao longo de toda disso, o ERP é visto por muitos customizada de computadores pela In- va a comunicação lenta, pouco confiável e Figura 1 Níveis Funcionais de um sistema empresa. Figura 2 Faturamento dos principais for- como uma das formas mais caras de obter ternet, e obteve, assim, um faturamento de propensa a erros. A transferência e o geren- de informações logísticas Os benefícios alcançados com este tipo de necedores de ERP. retorno nulo ou negativo sobre o investi- TODAY Logistics & Supply Chain - 14 TODAY Logistics & Supply Chain - 15

9 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 16 TI mento, como no caso da FoxMeyer Drug A tendência atual é que os fornecedores GPSS H; Data Mining e Data Warehouse Data Warehouse (Armazém de Dados): to de dados. Em outras palavras, é uma que após anos de investimento na implan- de softwares ERP migrem para a aborda- SIMPLE ++; Podemos interpretar o Data Warehouse ferramenta capaz de lidar com grandes tação de um sistema acabou falindo. gem de SCM, que complementa seus pode- Taylor II. De acordo com Douglas Lambert, a estru- como um depósito de informações integra- massas de dados de uma maneira mais efi- rosos sistemas transacionais. turação do sistema logístico depende das qua- do, disponíveis para busca (através de fil- ciente que a estatística, definindo padrões Integração da Cadeia de Suprimentos Sistemas de Informações Geográficas tro principais decisões do Marketing Mix: tros) e análise. Estas informações são prove- para fenômenos complexos dependentes (SCM) Softwares de Simulação (GIS) produto (Qual produto será vendido? Em nientes de diferentes fontes operacionais da de muitos parâmetros. Em uma definição Os sistemas de informações geográficas qual região será comercializado?), promoção empresa (marketing, finanças, etc) e arma- mais simples, pode-se dizer que o Data Atualmente é difícil citar a logística, sem Os softwares de simulação realizam, são ferramentas que associam banco de (Que tipo de promoção será feita? Quais zenadas em um só local, o banco de dados Mining é um recurso para analisar e organi- entrarmos dentro do contexto de Supply através do uso de modelos, o estudo de dados a mapas digitalizados, auxiliando no serão os descontos?), preço (Qual o preço de central, onde ocorre um compartilhamento zar dados, ajudando a resolver problemas, Chain, ou Cadeia de Suprimento. O Supply problemas de natureza complexa, por processo de tomada de decisão. Através cada produto para cada ponto de venda?), visando a maior integração das atividades da obtendo informações de um grande volume Chain aborda tudo que diz respeito ao fluxo meio da experimentação computacional. deste software é possível realizar análises do praça (Como será feita a distribuição? Qual empresa. Além dos dados da própria empre- de dados. Por isso, afirma-se que para que de produtos, informações e recursos finan- As principais etapas numa aplicação práti- tipo, quantos e quais clientes são atendidos nível de serviço será oferecido?). sa, o Data Warehouse também pode com- as técnicas do Data Mining possam ser ceiros. Os softwares de Supply Chain ca da simulação são: numa certa região. Além disso, podem-se Embasados nas respostas das perguntas portar informações de fontes externas, tais empregadas, é necessário que a empresa Management agregam conjuntos de fer- 1. Construção do modelo; fazer análises e gerar mapas temáticos utili- do Marketing Mix, serão feitos o planejamen- como dados demográficos de consumido- tenha um grande banco de dados central, o ramentas de previsão de demanda, de oti- 2. Transformação deste modelo conceitual zando mapas digitalizados que contêm rodo- to e a estruturação das atividades logísticas. res, informações pessoais de cada cliente, Data Warehouse, tornando este último um mização da rede logística, planejamento de em um modelo computacional próprio ao vias, ferrovias, hidrovias e informações Mas como decidir sobre as diversas variáveis entre outras. requisito para a implementação de um pro- transporte, planejamento e sequenciamen- processo de experimentação; sobre dados georeferenciados. Existe ainda do marketing mix para que as atividades Data Mining (Mineração de dados): O jeto de Data Mining. to da produção, entre outros. A abrangên- 3. Teste experimental de alternativas de a possibilidade da aplicação dessa ferramen- logísticas sejam adequadas e eficientes? Data Mining, por sua vez, é uma metodolo- Alguns exemplos de ferramentas para o cia deste software é integrada com outras ação para a escolha das mais adequadas. As ta a problemas de localização, seja de pontos Aí, surgem os dois conceitos muito gia que procura uma descrição lógica ou Data Mining: redes neurais, árvores de empresas da cadeia. aplicações deste tipo de ferramenta na comercias, seja de fábricas. empregados atualmente no varejo: Data matemática, normalmente complexa, de decisão, algoritmos genéticos, aproxi- Surgem fortes evidências de que empre- logística são diversas, como por exemplo: As áreas de aplicação desses sistemas Mining e Data Warehouse. possíveis padrões existentes em um conjun- mações híbridas, etc. sas da mesma cadeia de suprimentos cada vez mais irão integrar-se aos meios de sistemas de informação, reduzindo incertezas, Dimensionamento de operações de carga e descarga; Dimensionamento de Estoques; são diversas, como o apoio ao marketing, localização de pontos comerciais, localização de fábricas e CDs/Roteamento, análi- Conclusão A logística moderna, sem dúvida, foi fortemente influenciada pela evolução da tecnologia de informação. Essa evolução tecnológica pro- duplicações de esforços e, consequente- Estudo de movimentação de material; se de sistemas logísticos, etc. porcionou vantagens para as operações logísticas, que passaram a ser mais rápidas, confiáveis, com custos reduzidos e mais eficientes. Além mente, o custo com a operação. Sistema de Transporte; disso, outra importante contribuição desse ambiente informatizado foi a maior disponibilidade de informações sobre os processos e a pos- Fluxo de Produção; Alguns softwares disponíveis no mercado sibilidade de analisar tais informações utilizando ferramentas quantitativas mais sofisticadas, que até pouco tempo eram privilégio de poucas Os principais fornecedores no mercado Serviços de Atendimento em Geral. são: organizações de grande porte. deste tipo de software são: Arc-Info; O grande desafio das organizações na implementação de sistemas de informação é avaliar o valor que esses pacotes, sejam eles transa- SAP: Com o software MySap.com é líder Como exemplos, poderíamos estar inte- DeskMapp (tem no Brasil, custando cionais ou de apoio à decisão, trarão para os negócios da organização. As empresas não podem deixar-se levar por modismos, e sim ter a con- nacional e internacional, detendo 36% do ressados em avaliar se o efeito da implan- menos de R$ 1000); vicção da escolha mais adequada de suas necessidades. mercado mundial. Possui um custo elevado. Oracle: Com o software Oracle Supply tação de um novo sistema de picking sobre o tempo de carregamento de veículos em MapInfo; Maptitude; Bibliografia Chain Management, é a segunda colocada no mercado mundial, detendo 20% do mesmo. Atingiu o crescimento pela compra de grandes empresas, como Siebel e PeopleSoft Microsoft: O software Microsfot Navision possui menos de 5% de participação no mercado. Zemeter: Seu programa, o Supply Chain Consultants é implementado em grandes empresas como IBM, Philip Morris e a Philips. um Centro de Distribuição valeria a pena. Da mesma forma, poderíamos avaliar o efeito de diferentes políticas de estoque sobre o nível de serviço prestado aos clientes, em termos de disponibilidade de produto e custo de estoque. Os principais softwares encontrados no mercado são: ARENA; AutoMod; Extend; MaxiCAD; Tactician. Está sendo esperado um aumento significativo da utilização destes softwares nas empresas, pois há um crescimento do número de variáveis, principalmente geográficas, consideradas nas análises. Com isso, o processo decisório torna-se cada vez mais complexo, e a necessidade do uso de tal ferramenta é fundamental para a competitividade da empresa. FLEURY, P. F. & WANKE, P. & FIGUEIREDO, K. F. Logística Empresarial: A Perspectiva Brasileira. Atlas, Rio de Janeiro, SILVA, L.G. & PESSÔA, M.S.P. Gestão da Informação: uma Visão dos Sistemas ERP. VI SIMPEP Simpósio de Engenharia de Produção, Anais, Nov Wikipédia ERP (Enterprise Resource Planning) disponível em: CARBALLO, Santiago. O Modal Infoviário. disponível em: Fontes: * Kleber Costa Corrêa é graduando do último período do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente estagia na área de Tecnologia de Informação no Laboratório de Integração e Reengenharia de Sistemas da Universidade Jaume I em Castellón, Espanha. É membro master do Grupo de Estudos Logísticos da Universidade Federal de Santa Catarina, com passagem pelo departamento de Logística da Federação das Indústrias de Santa Catarina - FIESC em * Marina Bouzon é aluna do quinto ano do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina e realiza estágio extracurricular na Intelbras S.A. (Empresa de Telecomunicações Brasileira) na área de Produção Enxuta. Estudou seis meses no curso de Engenharia Industrial no ano de 2004 do Instituto Nacional de Ciências Aplicadas de Lyon França e também estagiou durante seis meses na siderúrgica Arcelor nesse mesmo país em Atualmente é membro master do Grupo de Estudos Logísticos da Universidade Federal de Santa Catarina. TODAY Logistics & Supply Chain -16 TODAY Logistics & Supply Chain - 17

10 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 18 Dossiê CURSOS Dossiê TODAY MES É o primeiro da série o Dossiê TODAY MES. Por que MES? Porque em agosto de 2006, a revista TODAY Logistics & Supply Chain publicou o artigo Manufacturing Execution System (MES), de Ronaldo Barros, CPIM, supervisor de PCP da Niasi. Diante do ineditismo do tema e da repercussão entre o público, foi o assunto escolhido. O colaborador responsável pela condução do Dossiê é Marcelo Offner, CPIM, consultor industrial e logístico, e instrutor Melhor, sempre De acordo com o dicionário, dossiê são documentos importantes que revelam o conjunto de uma obra, de um indivíduo ou de um conceito. Sem pretensão, com as mais sérias e honestas intenções convidamos os leitores a colaborarem com a feitura de dossiês sobre os mais importantes conceitos de Logística & Supply Chain Só há um meio de saber com exatidão o que querem os leitores: O Dossiê descreverá os produtos exis- dos cursos da APICS. ouvindo atentamente suas vozes, tentes no mercado brasileiro e as suas principais funcionalidades. O objetivo não é ava- anseios e necessidades. A revista TODAY Logistics & Supply Chain convida: divida conosco seu conhecimento; assim, todos ganham. No decorrer do ano, apresentaremos três grandes Dossiês TODAY com as mais importantes informações sobre determinado tema, escolhidos mediante pesquisa liar um produto em relação a outro, mas oferecer aos leitores uma ferramenta de consulta. Esperamos que este seja o primeiro de muitos dossiês, para fazer da revista TODAY Logistics, uma importante e permanente fonte de informação. de opinião, acessível em Sobre o Manufacturing Execution gistics.net. Temos a certeza que, como o nome diz, desenvolveremos documentos relevantes para o conhecimento de logística e de supply chain. Após a conclusão do Dossiê TODAY, a revista TODAY Logistics & Supply Chain publicará uma matéria sobre o assunto, mas os assinantes terão à disposição conteúdo completo e exclusivo, disponível no site. System (MES), Marcelo explica: Conseguir que a eficiência e a produtividade sejam constantes são operações bastante complexas. Por exemplo, as linhas de montagem têm paradas em função de quebra de máquinas, da ausência dos funcionários, da falta de componentes na produção. Esses tempos perdidos precisam ser acompanhados e computados. A linha tem capacidade para produzir 100 unidades por hora e só produz 75. Os 25 que faltaram não foram produzidos por alguma razão. Quais? Como identificálas? É aí que atua o MES. Ele considera o MES uma das áreas que os profissionais de logística e Supply Chain mais precisam de informações. Existe uma ruptura entre o planejamento da empresa e o chão-de-fábrica. É importante fazer as informações da fábrica voltarem para o planejamento para manter o fluxo de operações, passar informações para os fornecedores, atualizar a programação de produção, de forma a realmente fabricar o que o cliente quer. Isto é um desafio para a indústria. ressalta Offner. Pesquisa de mercado Como primeiro passo para a realização do Dossiê TODAY MES, entraremos em contato com empresas e especialistas. Se você é de uma empresa que fornece ou utiliza MES, ou é consultor no assunto, entre em contato com a nossa redação, enviando um para Formulamos algumas perguntas para melhor orientar os profissionais dispostos a ajudar na elaboração do Dossiê : * Qual é a sua relação com MES? Editor Integrador / Implantador Cliente * Qual empresa você recomenda que seja incluída no levantamento? * Você tem conhecimento de sites, relatórios e artigos que podem nos ajudar no levantamento de dados? Precisamos de informações de mercado, como empresas atuando neste mercado, evolução do mercado, empresas usuárias, segmento, porte e principais benefícios alcançados após implementação, etc. Com quais ERPs ou outros sistemas, o MES que você conhece, pode ser integrado. * Você tem interesse de ser entrevistado ou de responder a uma pesquisa detalhada sobre o tema? Informe seu nome completo, empresa, telefone e . Participe, dividir é multiplicar! PROGRAMA Faça um curso no Brasil com conteúdo internacional (Apics). GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Objetivos e Estratégias Estratégia Corporativa Cadeia de Suprimentos Funções da Gestão Planejamento de Recursos Histórico Hierarquia do Planejamento Demanda S&OP e MPS Planejamento de Materiais Estrutura de Produtos Cálculo do MRP Planejamento de Capacidades Capacidade e Carga Roteiros e Operações Programação Execução do Plano Programação e Controle Compras Estoques Funções e Custos dos Estoques Análise e Auditoria dos Estoques Qualidade Custos da Falta de Qualidade Produção Just-in-Time Conceitos do JIT Elementos do JIT ERP Características Integração à Empresa Processos Mudanças Otimizaçõa da Cadeia Cenário Atual e Desafios Estratégia para o Gerenciamento da Cadeia Participação das Pessoas Aplicabilidade imediata Ministrado por instrutor certificado CPIM (Certified in Production and Inventory Management) e CSCP (Certified Supply Chain Professional) Material didático com bolsa Almoço, coffee-break e estacionamento Certificado de participaçăo Vagas Limitadas Local: Transamérica Flat Naçôes Unidas - Rua Américo Brasiliense, Chácara Sto. Antônio Data: 15,16 e 17 / março / 2007 Informaçoes: ~ ou tel.: (11) TODAY Logistics & Supply Chain - 18

11 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 20 Express Portos do Rio ganham sistema integrado de segurança O novo sistema integrado de segurança do complexo portuário do Rio de Janeiro já está em funcionamento. Todas as pessoas e cargas que entrarem ou saírem dos portos do Rio e de Itaguaí serão monitoradas 24 horas do dia por um total de 110 câmeras de vídeo ligadas ao centro de controle operacional da guarda portuária. O presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro, Antônio Carlos Soares, informou que o sistema é um dos mais modernos do mundo, usando, inclusive, cartões magnéticos para identificação dos usuários. Segundo Soares, o investimento foi de cerca de R$ 20 milhões nos dois terminais. Com esse sistema monitoramos 24 horas por dia todos os veículos de carga e pessoas que entram nos portos. Acompanhamos todo o trajeto, da portaria até o terminal. A identificação será automática, com a imagem sendo transmitida para o centro de controle. Assim, é possível garantir segurança total aos usuários, afirmou Soares. De acordo com o presidente, o índice de roubos ou furtos de cargas nos portos do Rio e de Itaguaí, que hoje é praticamente insignificante, agora, com esse sistema integrado de segurança, ficará ainda mais difícil. Os portos do Rio de Janeiro e de Itaguaí movimentam por ano cerca de 38 milhões de toneladas de cargas Chamada para a comemoração dos 50 anos da Apics A Apics The Educational Society for Resource Management, em parceria com a Abai Associação para Educação em Administração Empresarial convida profissionais interessados em participar da celebração do qüinquagésimo aniversário de sua fundação, durante o decorrer de As duas associações, comprometidas em divulgar conceitos de ERP e SCM, estão interessadas em receber trabalhos que mostrem a evolução da Apics e o impacto do seu trabalho educacional na organização da empresa e na performance do seu Supply Chain. O diretor de Marketing e Brand Development, Hae Jin Nam afirma que podem ser enviados artigos (inéditos ou não), histórias, cases de estudo, fotografias, material impresso, fatos curiosos e/ou divertidos que atestem os benefícios das informações da Apics. Dividam conosco suas experiências. Os melhores materiais poderão ser usados em campanhas de marketing pelo mundo afora. TNT Logistics com novo nome Aliança terá escritório próprio em Santos Com investimentos de R$ 10 milhões, a Aliança Navegação e Logística prepara-se para implantar um escritório próprio em Santos, um dos portos mais importantes para a empresa. Os investimentos ocorrerão em razão da grande demanda de negócios. Em Santos, mensalmente, a Aliança Navegação movimenta, aproximadamente, 35% do volume da costa leste sul-americana. De acordo com o diretor administrativo-financeiro da empresa, Martin Susemihl, há alguns anos a companhia buscava uma alternativa para as suas instalações. A oferta de imóveis comerciais é muito restrita em Santos. Há 5 anos, o município ganhou uma dinâmica maior com a revitalização do Centro Velho e a reforma de prédios históricos. Como não encontramos um imóvel que atendesse às nossas necessidades, adquirimos um que será reformulado, explica. O novo prédio está localizado no centro de Santos e pertencia a uma companhia de armazéns gerais. A construção é do século passado, tombada pelo patrimônio histórico. Durante a reforma, obrigatoriamente, será mantida a fachada. O terreno de 1,423 mil m2 terá área construída de 3,750 mil m2. Skam lança empilhadeira compacta - Tel.: (11) ou A TNT Logistics passa a operar no mercado mundial sob nova marca. A tradicional cor laranja dos três arcos agora dá lugar à pirâmide bordô do logotipo que traz o novo nome da multinacional logística. Como CEVA Logistics, a multinacional logística já leva a nova marca nos 26 países onde atua. Globalmente, gera um volume de negócios da ordem de 3,5 bilhões de euros, emprega 38 mil pessoas e gerencia mais de 7,4 milhões de metros quadrados de armazéns em todo o mundo. No Brasil, abriga cinco mil funcionários e 815 mil metros quadrados de área de armazenagem gerenciada, presente em todo território nacional com 42 filiais. Para o CEO Mundial da CEVA, Dave Kulik, a mudança representa um marco significativo na história da companhia e completa a transição da empresa como uma divisão de um grupo para uma companhia de logística independente. A criação da CEVA nos dá a oportunidade de concentrar 100% das nossas energias em sermos um provedor global líder em serviços logísticos, comentou Kulik, durante a cerimônia mundial de inauguração da nova marca e logotipo, em Amsterdã, na Holanda. A mudança global da marca está prevista para ser concluída no mundo todo em A Skam, fabricante de equipamentos para as áreas de logística e armazenagem, desenvolveu a EP-CLAMP, um novo tipo de empilhadeira que, segundo a empresa, é capaz de transitar por corredores menores, de até 2,4 metros, e de movimentar cargas de até 1,6 mil kg. Um dos principais diferenciais da empilhadeira é o CLAMP, um dispositivo que substitui os tradicionais garfos e permite a movimentação em 360º de rolos e bobinas, sendo indicado para uso em indústrias e empresas do setor gráfico. De acordo com o gerente de vendas da Skam, Luiz Gallo, a EP-CLAMP é uma empilhadeira bastante versátil, de fácil manuseio, compacta e que permite ao operador trabalhar com maior agilidade. Este equipamento oferece maior segurança no manuseio de bobinas, uma vez que o operador pode rotacionar a carga em vários ângulos e, dessa forma, executar suas tarefas com maior rapidez e produtividade, explicou o gerente. Segundo ele, as empilhadeiras são dotadas de botoeiras, possibilitando a movimentação e tração de bobinas da posição horizontal para a vertical. Katoen Natie tem novo CD A multinacional belga Katoen Natie inaugurou no início de janeiro seu terceiro Centro de Distribuição em Araucária, Paraná. Com mais um armazém de cerca de 5 mil metros quadrados, a empresa irá atender a Braskem, que já utiliza os outros dois CDs da empresa na região, totalizando 15 mil metros quadrados. Ainda em 2007 a empresa pretende anunciar investimentos para expansão das áreas de armazenagem de Araucária com foco na diversificação da base de clientes na região. Além desta inauguração, a Katoen Natie renovou contrato por mais três anos - até para movimentação de sal nas unidades da Braskem UCS (Unidade Cloro Soda) na Bahia e em Alagoas. De acordo com o gerente comercial da Katoen Natie na Bahia, Daniel Brugioni, nesta operação são movimentadas cerca de 250 mil toneladas de sal por ano. Brugioni informou ainda, que a empresa investiu mais de R$ 1,5 milhão em novos equipamentos de movimentação, renovando também a frota de pás carregadeiras. O modelo de investimentos em ativos da indústria, realizado pela Katoen Natie no mercado brasileiro, tem proporcionado significativos ganhos de produtividade e reduções de custos para as cadeias logísticas operadas pela empresa, com base na ampliação da capacidade de movimentação e na redução dos custos de retrabalho/hora extra. Mercúrio é a transportadora exclusiva da Renault/Nissan A Mercúrio, empresa especializada no transporte de cargas fracionadas de alto valor, conquistou a exclusividade no modal rodoviário, o transporte de peças e acessórios da montadora Renault/Nissan do Brasil. O contrato prevê a distribuição das peças e acessórios para as suas 145 concessionárias Renault e 63 concessionárias Nissan espalhadas pelo Brasil, no sistema rodoviário. Luiz Orlando Fração, diretor comercial da Mercúrio, lembra que as exigências contratuais com a Renault/Nissan são rígidas no que diz respeito ao prazo de entrega, um dos grandes diferenciais da Mercúrio. O contrato prevê ainda a implantação de dois escritórios nos armazéns de peças e acessórios das montadoras São José dos Pinhais (PR) e Jundiaí (SP) com o objetivo de acelerar o processo de liberação das três carretas de produtos, em média, que devem ser embarcadas diariamente. A Renault fabrica 66 mil carros/ano e conta hoje com 145 pontos-de-venda e a Nissan fabrica 9 mil carros/ano e conta com 63 pontos-de-venda em todos os estados brasileiros. Coppead apresenta relatório logístico O Centro de Logística do Coppead/UFRJ em parceria com a Odebrecht lança o relatório Panorama Logístico Exportação: Indústrias e Prestadores de Serviço Logístico. O estudo busca caracterizar as indústrias exportadoras, tradings, operadores logísticos e consultorias atuantes no comércio exterior brasileiro. Os resultados identificam, por exemplo, que 56% das indústrias exportadoras têm perspectiva de aumentar as vendas externas e que 41% delas utilizam operadores logísticos. As infra-estruturas de transportes e portuárias do País foram detectadas como uma das principais dificuldades encontradas pelas empresas exportadoras. TODAY Logistics & Supply Chain - 20 TODAY Logistics & Supply Chain - 21

12 revista_today logistics_12_internet.qxp 31/1/ :42 Page 22 Agenda Janeiro 2007 VIII Congresso de Compras e 31 de janeiro em São Paulo MPR - Master Planning of Resources (CPIM / APICS) 31 de janeiro a 3 de fevereiro (4 dias) Fundação Vanzolini / SP ECO - Execution and Control of Operations (CPIM / APICS) 31 de janeiro a 3 de fevereiro (4 dias) Fundação Vanzolini / SP Fevereiro Agenda Planejamento Logístico Integrado 01 de fevereiro em São Paulo DSP- Detailed Scheduling and Planning 7 a 10 de fevereiro (4 dias) Fundação Vanzolini /SP Indicadores de Desempenho em Logística Empresarial 7 de fevereiro no em São Paulo Formação de Vistoriador de Contêineres Marítimos 7 a 10 de fevereiro em Itajaí / SC BSCM Basics of Supply Chain Management (CPIM /APICS) 8 a 10 de fevereiro (3 dias) Fundação Vanzolini / SP Six Sigma- Estratégias para Implementação do Lean Six Sigma 12 e 13 de fevereiro em São Paulo Gerenciamento de Custos na Supply Chain 12 de fevereiro em Campinas / SP Seminário de Compras 12 e 13 de fevereiro em São Paulo Logística Reversa 19 de fevereiro em Campinas /SP Transporte na Logística Agroindustrial 22 de fevereiro em Campinas / SP SMR- Strategic Management Resources 28 de fevereiro a 3 de março (4 dias) Fundação Vanzolini /SP SRM- Supplier Relationship Management 27 e 28 de fevereiro em São Paulo Março Transporte Internacional de Cargas 7 de março em Campinas /SP TODAY-GCS Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 15, 16 e 17 de março em São Paulo ou A Importância da Logística na Competitividade Comercial 17 de março em São Paulo Conhecimento de Embarque Marítimo 19 de março em São Paulo Custos Logísticos na Importação 19 de março em Campinas /SP SLA & SLM 19 e 20 de março em São Paulo Gestão de Frota de Veículos 22 e 23 de março no Rio de Janeiro Estratégia Corporativa para Supply Chain 22 de março em Campinas /SP Exames BSCM,CPIM, CSCP e CIRM da APICS 24 de março em Joinville, São Paulo e Manaus Afretamento Marítimo 30 e 31 de março em Santos /SP Logística na Cadeia de Frios 31 de março em São Paulo Pesar A revista TODAY Logistics & Supply Chain lastima o falecimento de Wilson Sollito, diretor executivo de feiras da Alcantara Machado, dia 15 de dezembro de Exemplo de profissionalismo e dedicação, Sollito contribuiu ao longo desses 20 anos com o desenvolvimento de inúmeras feiras e o amadurecimento profissional de várias pessoas. A TODAY Logistics & Supply Chain solidariza-se com toda a comunidade logística nacional ao lastimar a perda, dia 28 de dezembro de 2006, do engenheiro João Luis do Amaral, ou Amaral, como era mais conhecido. Ultimamente, Amaral desempenhava a função de assessor de Logística NTC&Logística. Autor do livro Estrutura de Armazenagem e suas Aplicações, Amaral era presidente da Soares & Amaral - Consultores em Supply Chain e officer da CLM - Council of Logistics Management (EUA) no Brasil, na área de programas educacionais. Com 26 anos de experiência em instituições nacionais e internacionais, J.L. Amaral, como gostava de assinar seus artigos, integrou o Comitê de Logística da Câmara Americana de Comércio (Amcham) e representou o Brasil em dois encontros de logística no exterior (Montevidéu, 1999 e 2000). Na NTC&Logística desde 2004, o conhecido profissional teve fundamental atuação na comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em viagem à China, há três anos. Participou ativamente dos dois primeiros anuários da NTC e também para a edição do Glossário NTC de Logística e Transporte, recentemente lançado. TODAY Logistics & Supply Chain - 22

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

LOGÍSTICA DE MERCADO

LOGÍSTICA DE MERCADO LOGÍSTICA DE MERCADO SILVA, Adriano Pereira KAWAKITA, Gerson M. SILVA, Natália Heloísa RASQUEL, Stefano Adriano Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais (FAEG/ACEG)

Leia mais

Solução Logística de Transportes

<Insert Picture Here> Solução Logística de Transportes Solução Logística de Transportes Reynaldo Braga Senior Sales Manager Importância Estratégica Gestão de Transportes Custos de transporte são o elemento de maior representatividade

Leia mais

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Novembro de 2009 STEFANO JR, Wilson Principal - Oliver Wight Together We Make a Difference wstefano@oliverwight.com

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação

Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação Gisele Gomes Aguilar Análise de Sistemas de Planejamento Avançado (APS): conceituação e avaliação Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

Riscos na Implantação de Warehouse Management System (WMS) em Centro de Distribuição: Estudo de Caso

Riscos na Implantação de Warehouse Management System (WMS) em Centro de Distribuição: Estudo de Caso Alcione Santos Dolavale Riscos na Implantação de Warehouse Management System (WMS) em Centro de Distribuição: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia de informação (TI) nos últimos anos vem permitindo às empresas executarem operações que antes

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez IT Governance e ISO/IEC 20000 Susana Velez Desafios de TI Manter TI disponível Entregar valor aos clientes Gerir os custos de TI Gerir a complexidade Alinhar TI com o negócio Garantir conformidade com

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais BEM VINDO AO MUNDO RANGEL WELCOME TO RANGEL WORLD Toda uma organização ao seu serviço! Constituídos em 1980 por Eduardo Rangel, rapidamente marcámos

Leia mais

SISTEMA ERP E SEUS BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS

SISTEMA ERP E SEUS BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS 1 SISTEMA ERP E SEUS BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS JEFERSON ROHR, 1 MARIA FERNANDA SANTOS, 1 NATHÃ DA CUNHA PEREIRA, 1 PEDRO JOSÉ FAVARETTO 1 SONIA REGINA SACAGNI, 1 THÁTILY SERMUKNIS GALHAKAS, 1 PROFº.

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais BEM VINDO AO MUNDO RANGEL WELCOME TO RANGEL WORLD Atividade Aduaneira Customs Broker Transporte Marítimo Sea Freight ESPANHA SPAIN Transporte Aéreo Air Freight Expresso Internacional FedEx International

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO Daniela Cristina Giorgetti Dantas UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Mestrado Profissional em Sistemas de Informação

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Geraldo Guimarães Jr Diretor para Indústria de Utilities SAP para Utilities Liderança Global no Setor Maior Provedor de Soluções e Aplicações

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações UMC / EPN Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2013 1 Ementa da Disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo

Leia mais

Comportamento do Shopper no Varejo

Comportamento do Shopper no Varejo Seminário GVcev Comportamento do Shopper no Varejo Case Dafiti Malte Huffmann A Dafiti traz alegria na hora de comprar We deliver fashion & lifestyle products conveniently and accessibly at one click This

Leia mais

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço

Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Melhorias adquiridas com a implantação de um software APS no setor de PCP para equipamento de decapagem de bobinas de aço Meire Aleixo Silvestre dos Reis Faculdade Educacional Araucária - Bacharel em Engenharia

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Ana Paula Gamberali Nóbrega. Aplicação do VMI para melhoria de indicadores de desempenho logístico

Ana Paula Gamberali Nóbrega. Aplicação do VMI para melhoria de indicadores de desempenho logístico Ana Paula Gamberali Nóbrega Aplicação do VMI para melhoria de indicadores de desempenho logístico Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil 88 Estudo de Caso Aplicado na Gestão da Cadeia de Suprimentos de uma Indústria de Cereais Matinais Modelagem e Desenvolvimento de um Sistema de Informação para a Gestão da Cadeia de Suprimentos João Victor

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

2012 State of the Industry Survey

2012 State of the Industry Survey 2012 State of the Industry Survey Contact Information Por favor, preencha suas informações de contato (* indicates required information) Nome * Título * Title Razão Social completa da Empresa/Organização

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

TI no Contexto da Segurança Química. Fabiano Bergamo Ferrari

TI no Contexto da Segurança Química. Fabiano Bergamo Ferrari Comunicação breve TI no Contexto da Segurança Química Fabiano Bergamo Ferrari Desenvolvimento do SafetyChem, software de elaboração de Documentos de Segurança Química para Intertox. Vasta experiência em

Leia mais

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT PROCESSO DE VENDAS FALCE, Ricardo de Carvalho. GARCIA, Isabelle Penha. GOMES, Guilherme Martins. MELLO, Karoline de Almeida. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Fabiano Sannino A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

design para a inovação social

design para a inovação social design para a inovação social mestrado em design - 15 16 universidade de aveiro gonçalo gomes março de 2016 s.1 ergonomia ergonomia > definição Ergonomia A ergonomia (do grego "ergon": trabalho; e "nomos":

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA

GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA GESTÃO DE SERVIÇOS NA CADEIA LOGÍSTICA Management services in the supply chain MARION, Arnaldo Faculdade de Jaguariúna Resumo: Este trabalho tem como objetivo central organizar uma discussão sobre como

Leia mais

s o l u t i o n s Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003

s o l u t i o n s Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003 Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios s o l u t i o n s SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003 Julian J. Nakasone julianjn@nec.com.br Agenda 1. Introdução - Uma abordagem conceitual

Leia mais

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA).

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). Poços de Caldas / MG 2014 MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais