Carlos Lopes, Sílvia Marques e Sónia Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carlos Lopes, Sílvia Marques e Sónia Gomes"

Transcrição

1 Carlos Lopes, Sílvia Marques e Sónia Gomes Farmacologia Molecular e Celular Mestrado em Bioquímica 15 de Maio de 2012

2 INTRODUÇÃO DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA (DPOC) DOENÇA RESPIRATÓRIA CRÓNICA CARACTERIZADA PELA PROGRESSIVA E EM GRANDE PARTE IRREVERSÍVEL OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS Características da DPOC Bronquite crónica Enfisema

3 INTRODUÇÃO DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA (DPOC) DOENÇA RESPIRATÓRIA CRÓNICA CARACTERIZADA PELA PROGRESSIVA E EM GRANDE PARTE IRREVERSÍVEL OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS Características da DPOC Bronquite crónica Enfisema

4 INTRODUÇÃO ESPIROMETRIA Volume expirado Normal Restrição Obstrução 1 seg Tempo / s Tabela 1. Classificação GOLD da gravidade da DPOC baseada em VEF 1 pós-broncodilatador. VEF 1 : volume expiratório forçado num segundo; CVF: capacidade vital forçada; Insuficiência respiratória: pressão arterial de oxigénio (PaO 2 ) inferior a 8,0 kpa (60 mmhg) com ou sem pressão arterial de CO 2 (PaCO 2 ) maior que 6,7 kpa (50 mmhg), enquanto respiração ao nível do mar.

5 INTRODUÇÃO EPIDEMIOLOGIA Uma das principais causas de morbilidade e mortalidade mundiais 65 Milhões de pessoas DPOC moderada a severa Homens = Mulheres Consumo tabaco Risco exposição poluição ª PRINCIPAL CAUSA DE MORTE (90% PAÍSES POUCO DESENVOLVIDOS) MAIS DE 3 MILHÕES DE MORTES (5% ÓBITOS NO MUNDO) 3ª CAUSA DE MORTE EM TODO O MUNDO

6 INTRODUÇÃO FACTORES DE RISCO Exposição ambiental Susceptibilidade individual O Mais Significante Factor de Risco

7 INTRODUÇÃO FACTORES DE RISCO Exposição ambiental Exposição ambiental Susceptibilidade individual HERANÇA MULTIGÉNICA DA DOENÇA ASSOCIAÇÃO ENTRE POLIMORFISMOS GENÉTICOS E SUSCEPTIBILIDADE À DPOC MUTAÇÕES NO GENE DA SERPINA DEFICIÊNCIA NA PROTEASE DA SERINA ANTITRIPSINA α-1 ENFISEMA GRAVE INFECÇÕES VIRAIS INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO E DESNUTRIÇÃO

8 INTRODUÇÃO ANTIBIOTERAPIA SINTOMAS Etiologia infecciosa Tosse Expectoração Dispneia Exacerbações 50% têm causa bacteriana MANIFESTAÇÕES Aumento do volume da expectoração Aumento da intensidade da dispneia Mudança do aspecto da expectoração para purulento ESCOLHA VASTO ESPECTRO DE ANTIBIÓTICOS PODE SER APLICADO NA DPOC Antibioterapia Depende do agente bacteriano Gravidade da DPOC Circunstâncias clínicas Presença de co-morbilidades

9 INTRODUÇÃO FISIOPATOLOGIA DA DPOC Polimorfismos genéticos

10 INTRODUÇÃO FISIOPATOLOGIA DA DPOC DPOC Componente Neuronal Componente Imunológica 1. Receptores Muscarínicos 1. Resposta Imune Inata 2. Receptores Adrenérgicos Neutrófilos Macrófagos Eosinófilos Mastócitos Células Dendríticas Células Epiteliais 3. Receptores da Adenosina 2. Resposta Imune Adaptativa Linfócitos T Linfócitos B Mediadores Inflamatórios

11 INTRODUÇÃO COMPONENTE NEURONAL Broncoconstrição; Tosse; Secreção de muco. CNS Gânglio Torácico e Cervical Superior β 2 Receptores Adrenérgicos Receptores Muscarínicos Contracção Muscular α 1/2 ADRENALINA Dilatação das vias aéreas; Constrição dos vasos sanguíneos; Inibição da secreção glandular.

12 INTRODUÇÃO COMPONENTE NEURONAL Adenosina ADENOSINE? Contracção Efeitos Directos na Musculatura Lisa A 1 A 2A A 2B G i PDE AMP AC camp Ca 2+ Contracção

13 INTRODUÇÃO COMPONENTE IMUNOLÓGICA A INFLAMAÇÃO DESEMPENHA UM PAPEL CRUCIAL NA PATOGÉNESE DA DPOC

14 INTRODUÇÃO COMPONENTE IMUNOLÓGICA

15 INTRODUÇÃO DPOC VS ASMA DISTINÇÃO CHAVE vs PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE REVERSIBILIDADE DPOC Neutrofílica, células CD8+ Maioritariamente irreversível Não responsivos ao tratamento anti-inflamatório Redução da função pulmonar acelerada Interacção com partículas, gases nocivos ou fumo do tabaco ASMA Eosinofílica, células CD4+ Maioritariamente reversível Resposta a corticosteróides inalados Função pulmonar normal ou um pouco acelerada Interacção alergénios no ambiente Barnes, 2004

16 TRATAMENTO DA DPOC TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA Prevenir e controlar os sintomas Melhorar a tolerância ao exercício Melhorar o estado de saúde Prevenir e tratar as exacerbações Prevenir e tratar as complicações Reduzir a mortalidade Minimizar efeitos colaterais do tratamento

17 TRATAMENTO DA DPOC TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA Prevenir e controlar os sintomas Melhorar a tolerância ao exercício NENHUMA DA MEDICAÇÃO ACTUALMENTE EXISTENTE MOSTROU SER Melhorar o estado de saúde CAPAZ DE ALTERAR O DECLÍNIO PROGRESSIVO DA FUNÇÃO PULMONAR, CARACTERÍSTICO Prevenir e tratar DA DPOC. as exacerbações Prevenir e tratar as complicações Reduzir a mortalidade Minimizar efeitos colaterais do tratamento

18 TRATAMENTO DA DPOC INTERVENÇÃO DIRECTA FARMACOTERAPIA ESTRATÉGIAS Cessação tabágica Oxigenoterapia de longa duração BRONCODILATADORES

19 TRATAMENTO DA DPOC BRONCODILATADORES OS BRONCODILATADORES SÃO FUNDAMENTAIS NA GESTÃO DOS SINTOMAS DA DPOC Acção curta Resgate de sintomas BRONCODILATADORES Acção longa Terapia de manutenção Aumentam o VEF 1 ou modificam outras variáveis espirométricas, geralmente por acção no tónus da musculatura das vias aéreas. Via de administração INALATÓRIA Eficácia Segurança Compromisso

20 TRATAMENTO DA DPOC AGONISTAS β 2 -ADRENÉRGICOS β 2 -AR MECANISMO DE ACÇÃO SABAS (eg salbutamol) LABAS (eg formoterol e salmeterol) ULTRA-LABAS Objectivo: Dose diária única Apresentam uma duração de acção que permanece durante pelo menos 24 horas!!! Ultra-LABAs Indacaterol Olodaterol Vilanterol LAS AZD3199 Agonistas de receptores β 2 parciais ou totais

21 TRATAMENTO DA DPOC AGENTES ANTI-MUSCARÍNICOS DE LONGA ACÇÃO M 3 R MECANISMO DE ACÇÃO LAMAS (eg Brometo de tiotrópio) Objectivo: Melhoramento do perfil risco-beneficio! Boa selectividade Inalatórios Efeito no local de acção Dissociação lenta Dose única diária Rapidamente metabolizados x Redução de efeitos secundários Aumento do índice terapêutico ULTRA-LAMAS Ultra-LAMAs Propriedades anti-inflamatórias Aclidinio Glicopirrónio GSK TD4208 CHF5407 QAT370 BEA2180BR RBx343E48F0

22 TRATAMENTO DA DPOC NOVOS FÁRMACOS DE XANTINA TRATAMENTO DE DOENÇAS PULMONARES DESDE O INÍCIO DO SÉCULO XX ESTREITA MARGEM TERAPÊUTICA E DIVERSAS INTERACÇÕES FÁRMACO/FÁRMACO EFEITOS TERAPÊUTICOS Relaxamento do músculo liso brônquico; Redução da libertação de mediadores inflamatórios mastocitários; Melhoria da contractilidade do diafragma; Estimulação dos centros respiratórios medulares. MELHOR EFICÁCIA E MENOS EFEITOS ADVERSOS Mecanismo de acção? Doxofilina Hansel et al, 2004

23 TRATAMENTO DA DPOC INIBIDORES DAS FOSFODIESTERASES PDE INIBIDORES PDE4 Resolvem: Problema do cumprimento dos fármacos inalatórios Células próinflamatórias Músculo liso vias aéreas Falta de disponibilidade de um fármaco anti-inflamatório eficaz Teofilina (inibidor fraco e não selectivo - <10%); Roflumilaste (inibição de 30-60%) Melhoria no VEF 1 pré e pós-broncodilatador Diminuição da inflamação em torno das vias aéreas Inibidores PDE4 orais Efeitos secundários gastrointestinais intoleráveis, náuseas e vómitos! Variante 5 das PDE4D Chave fisiológica reguladora dos níveis de camp induzidos pelo receptor β 2 -adrenérgico Inibidores específicos PDE4B e PDE7 Aplicação tópica de inibidores PDE4 (eg GSK e SCH900182) INIBIDORES PDE3 Relaxamento do músculo liso das vias aéreas

24 TRATAMENTO DA DPOC TERAPIA COMBINADA Usada em doentes com: Persistência dos sintomas Controlo inadequado dos distúrbios respiratórios Vantagens Melhorar o desenvolvimento e comprometimento do doente pelo programa clínico Diminuir dose de agentes individuais Reduzir os efeitos adversos Simplificar os regimes de medicação Terapia Combinada LABAs LAMAs Xantinas Inibidores PDE Inibidores Corticosteróides Dupla ICS + agonistas β 2 inibição da libertação e proliferação de CXCL8 e CCL11 das células do músculo liso Tripla LABAs + LAMAs + PDE4/ICS apresentam um forte potencial no tratamento de doenças respiratórias

25 TRATAMENTO DA DPOC TERAPIA COMBINADA DUPLA Inibidores duais PDE3/PDE4 (eg RPL554) Broncodilatação Actividade anti-inflamatória Potencial toxicidade cardiovascular da inibição PDE3 Inibidores PDE3 inalatórios

26 TRATAMENTO DA DPOC TERAPIA COMBINADA DUPLA Agonista β 2 + Anti-muscarínico Diminui a libertação de ACh pela modulação da neurotransmissão colinérgica através de receptores β 2 pré-juncionais Redução do efeito broncoconstritor da ACh Amplificação do relaxamento do músculo liso brônquico induzido pelo antagonista muscarínico

27 TRATAMENTO DA DPOC NOVAS CLASSES DE BRONCODILATADORES Estratégias de intervenção directa na DPOC Melhorar formulações já existentes Desenvolver novos alvos terapêuticos Receptor para a PGE2 4 (EP4) Relaxamento via PGE2; PGE2 possuem propriedades antiinflamatórias. Peptídeo natriurético tipo B (BNP) Broncodilatador in vivo ; Relaxamento in vitro; Reduz a resposta colinérgica e histaminérgica. Receptores do sabor amargo (TAS2Rs) Relaxamento; Dilatação com uma eficácia três vezes superior à dos β-agonistas.

28 TRATAMENTO DA DPOC NOVAS CLASSES DE BRONCODILATADORES Estratégias de intervenção directa na DPOC Melhorar formulações já existentes Desenvolver novos alvos terapêuticos Análogo do VIP (Ro ) Relaxamento de longa duração dependente da concentração in vitro Inibidores da Rho cinase Broncoconstrição inibe a fosfatase da miosina, promovendo a contracção sob condições de baixo [Ca2+]i.

29 TRATAMENTO DA DPOC NOVAS CLASSES DE BRONCODILATADORES Estratégias de intervenção directa na DPOC Melhorar formulações já existentes Desenvolver novos alvos terapêuticos Receptor para a PGE2 4 (EP4) Peptídeo natriurético tipo B (BNP) Análogo do VIP (Ro ) Relaxamento via PGE2; PGE2 possuem propriedades antiinflamatórias. Broncodilatador in vivo ; Relaxamento in vitro; Reduz a resposta colinérgica e histaminérgica. Relaxamento de longa duração dependente da concentração in vitro Receptores do sabor amargo (TAS2Rs) Relaxamento; Dilatação com uma eficácia três vezes superior à dos β-agonistas. Inibidores da Rho cinase Broncoconstrição inibe a fosfatase da miosina, promovendo a contracção sob condições de baixo [Ca2+]i.

30 TRATAMENTO DA DPOC INTERVENÇÃO INDIRECTA Uma melhor compreensão dos processos inflamatórios e destrutivos na fisiopatologia da DPOC permite a identificação de novos alvos terapêuticos Processo inflamatório inibido em diferentes estadios da via de sinalização em que se encontra envolvido Estratégias de intervenção indirecta na DPOC Anti- proteases Inibidores de citocinas Inibição do receptor CXC (Quimiocinas) Inibidor do TGF-β Inibição do NF-kB AZ (inibidor selectivo das MMP) X enfisema X espessamento das vias aéreas Inflamação sistémica da doença ADZ8309 (antagonista oral CXCR1/2) X inflamação de neutrófilos no Homem SD-280 (inibidor do TGF-β) X fibrose das vias respiratórias Regulação da expressão de quimiocinas, citoquinas e MMP

31 TRATAMENTO DA DPOC INTERVENÇÃO INDIRECTA Estratégias de intervenção indirecta na DPOC Inibidores das PI3Ks Activação PPARS Stress oxidativo Inibidores da MAP quinase p38 Células estaminais mesenquimais alogénicas Restaurar a sensibilidade esteróide Rosiglitazone SB (agonistas PPAR) N-acetilcisteína (anti-oxidante) NRF2 GSK GSK (inibidor da MAPK p38) Potencial para regenerar o tecido alveolar X Recrutamento de neutrófilos e activação Propriedades imunomoduladoras X TGF-β X fibrose (factor de transcrição anti-ox.) ACTIVAÇÃO SIRT1 Reduz a hipersecreção brônquica Previne o declínio do VEF 1 Regulação da expressão de proteínas envolvidas Ajuda a reduzir o nº de na inflamação exacerbações

32 Combinações Duplas e Triplas CONCLUSÃO DPOC Componente Neuronal Componente Imunológica Intervenção Directa Intervenção Indirecta Agonistas β 2 -Adrenérgicos Inibidores de enzimas, citocinas, factores de transcrição; Stress Oxidativo; Agentes Anticolinérgicos Novos Fármacos de Xantina Inibidores PDE Investigação mais pormenorizada dos mecanismos associados à DPOC Novas Classes de Boncodilatadores Cessação tabágica Intervenção + importante Broncodilatadores de longa acção Fármacos + eficazes

33 Carlos Lopes, Sílvia Marques e Sónia Gomes Farmacologia Molecular e Celular Mestrado em Bioquímica 15 de Maio de 2012

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Luís Santos, Nilma Harilal e Ricardo Viais Farmacologia Molecular e Celular Mestrado em Bioquímica 5 de Junho de 2012 O que é a Farmacologia Paradoxal? Observações

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA - Definir DPOC; DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011.

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011. PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Portaria Nº 163 /2011. Regulamenta o Protocolo para tratamento medicamentoso da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC Estável e dá outras providências. O SECRETÁRIO

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Propedêutica no Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Profª Daniele Domingues Zimon Profª Adriana Cecel Guedes DPOC DPOC é um estado patológico caracterizado pela limitação

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA

FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ASMA Prof. Hélder Mauad ASMA Clinicamente caracteriza-se por: Episódios recorrentes de tosse Dispnéia Sensação de constrição no tórax Sibilos 1 ASMA LEVE Os sintomas

Leia mais

FISIOTERAPIA FMRP/USP. Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora

FISIOTERAPIA FMRP/USP. Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora FISIOTERAPIA FMRP/USP Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora Doenças Obstrutivas Enfisema Bronquite Asma Doenças Restritivas Sarcoidose Pneumonia Mucovicidose Doenças Mistas Fibrose Cística

Leia mais

Vitor Daniel Nasciben

Vitor Daniel Nasciben CUSTO-EFETIVIDADE DE BROMETO DE TIOTRÓPIO VERSUS SALMETEROL PARA O TRATAMENTO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA NA PERSPECTIVA DO SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICO: PAPEL DO TRATAMENTO DE MANUTENÇÃO NA PREVENÇÃO

Leia mais

a negrito, entre parêntesis, a seguir à afirmação a que se referem por exemplo (Evidência A).

a negrito, entre parêntesis, a seguir à afirmação a que se referem por exemplo (Evidência A). INTRODUÇÃO A Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é uma das principais causas de morbilidade crónica e mortalidade em todo o mundo. A DPOC é actualmente a quarta causa principal de morte a nível mundial

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Plano Individual de Gestão da Saúde. Guia de Longo Prazo para Alfas com Doença Pulmonar

Plano Individual de Gestão da Saúde. Guia de Longo Prazo para Alfas com Doença Pulmonar Plano Individual de Gestão da Saúde Guia de Longo Prazo para Alfas com Doença Pulmonar Este documento é um guia que pretende ajudar a construir um plano colaborativo entre você e o seu médico. O objetivo

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aridol, pó para inalação, cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 cápsula contém 0 mg, 5 mg, 10 mg, 20 mg, ou 40 mg de manitol

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

1. O diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é feito cumulativamente na presença de (Nível de evidência A, grau de recomendação I):

1. O diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é feito cumulativamente na presença de (Nível de evidência A, grau de recomendação I): NÚMERO: 028/2011 DATA: 30/09/2011 ATUALIZAÇÃO: 10/09/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e Tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica Médicos

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 DAXAS. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste)

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 DAXAS. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste) DAXAS Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste) 1 roflumilaste APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mcg de roflumilaste. Embalagens com 30 comprimidos. USO ORAL

Leia mais

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre

Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Adalberto Sperb Rubin Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre Paulo Roberto Goldenfun Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho - Santa Casa de Porto Alegre CASO CLÍNICO História

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. furoato de fluticasona/trifenatato de vilanterol

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. furoato de fluticasona/trifenatato de vilanterol Modelo de texto de bula paciente LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Relvar Ellipta furoato de fluticasona/trifenatato de vilanterol APRESENTAÇÃO Relvar

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa

Universidade Técnica de Lisboa Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Benefícios do Treino de Exercício Físico na Pessoa com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica. Treino Combinado versus Treino Aeróbio Dissertação

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

Compreender as Exacerbações Pulmonares

Compreender as Exacerbações Pulmonares Compreender as Exacerbações Pulmonares COMPREENDER AS EXACERBAÇÕES PULMONARES INTRODUÇÃO Reconhecer as alterações nos sinais e nos sintomas da sua doença pulmonar é muito importante para o controlo da

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

MEXA SE PELA SUA SAÚDE

MEXA SE PELA SUA SAÚDE MEXA SE PELA SUA SAÚDE No dia 8 de Setembro comemora-se o Dia Mundial da Fisioterapia. i i Este dia foi instituído pela Confederação Mundial de Fisioterapia (WCPT), organização que representa mais de 300

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Data: 25/11/2013 Medicamento x Material x Procedimento Cobertura TEMA: Anlodipina, losartana,hidroclorotiazida,

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Definição: Doença crônica e progressiva caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo não totalmente reversível, associada a uma resposta inflamatória anormal nos pulmões

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo QUINTA 06/08/2015 Aula Inaugural Med e Fisiopatologia das doenças respiratórias: edema, inflamação,

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 Terapia de Reposição Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 INTRODUÇÃO As agências reguladoras de vários países já aprovaram a utilização da proteína alfa-1 antitripsina (AAT) derivada

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Não se Compra, Não se Ganha. Câmara Municipal da Lourinhã Divisão de Intervenção Social e Cultural - Saúde 2011

Não se Compra, Não se Ganha. Câmara Municipal da Lourinhã Divisão de Intervenção Social e Cultural - Saúde 2011 SABER É SAÚDE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO Saúde, Não se Compra, Não se Ganha. Constrói-se! AS DOENÇAS (CRÓNICAS) NÃO TRANSMISSÍVEIS As transformações demográficas, nutricionais e epidemiológicas ocorridas no

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa.

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa. Colinérgicos Sinapses Colinérgicas Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor Neurônio pré e pós ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio e músculo

Leia mais

Compreender a Doença Pulmonar

Compreender a Doença Pulmonar Compreender a Doença Pulmonar INTRODUÇÃO Para compreendermos o funcionamento do organismo, muitas vezes descrevemo-lo como sendo formado por várias partes ou sistemas. Assim, por exemplo, temos o sistema

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA SES-DF ALERGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA MONOGRAFIA Asma: prevalência, imunologia e tratamento Gabriela Dourado Maranhão 2014 PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Formas farmacêuticas e apresentações BEROTEC 100 mcg/dose: solução aerossol: frasco com 10 ml (corresponde a 200 doses), acompanhado de bocal

Formas farmacêuticas e apresentações BEROTEC 100 mcg/dose: solução aerossol: frasco com 10 ml (corresponde a 200 doses), acompanhado de bocal Berotec bromidrato de fenoterol Formas farmacêuticas e apresentações BEROTEC 100 mcg/dose: solução aerossol: frasco com 10 ml (corresponde a 200 doses), acompanhado de bocal Outras formas farmacêuticas

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Onsudil, 0,1 mg/ml, solução para inalação por nebulização

Onsudil, 0,1 mg/ml, solução para inalação por nebulização RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Onsudil, 0,1 mg/ml, solução para inalação por nebulização 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Quantidade por ml: Substância activa:

Leia mais

Em março de 2003 foi publicada uma revisão dos estudos realizados em crianças utilizando o extrato seco de Hedera helix.

Em março de 2003 foi publicada uma revisão dos estudos realizados em crianças utilizando o extrato seco de Hedera helix. Hedera helix extract em gotas Melhora da função respiratória em crianças com asma brônquica Doutor, O objetivo deste Informe Científico é apresentar a Hedera helix extract, um fitoterápico muito útil no

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)*

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO De acordo com a Sociedade Americana do Tórax (American Toraxic Society), os elementos diagnósticos para a DPOC são a história clínica,

Leia mais

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO BOCA E FARINGE Cancro CÉREBRO Acidente vascular cerebral LARINGE E TRAQUEIA Cancro Inflamação CORAÇÃO Doença coronária/ Enfarte ESÓFAGO E ESTÔMAGO Cancro Úlcera PÂNCREAS

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

TABACO. Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo!

TABACO. Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo! TABACO Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo! O cigarro contém: NICOTINA [substância também presente nos insecticidas] EFEITOS IMEDIATOS: TREMOR DAS MÃOS AUMENTO

Leia mais

Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas

Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas Esclerose Lateral Amiotrófica Tratamento Convencional e Perspectivas O que é Esclerose Lateral Amiotrófica? Esclerose: Endurecimento Lateral: Cordões laterais da medula Amiotrófica: Atrofia muscular Esclerose

Leia mais

BAMBEC cloridrato de bambuterol

BAMBEC cloridrato de bambuterol BAMBEC cloridrato de bambuterol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BAMBEC cloridrato de bambuterol APRESENTAÇÕES Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + 1 copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO brometo de ipratrópio

Leia mais

O paciente de asma morre de que? Asfixia: fecha tudo e não há como ventilar.

O paciente de asma morre de que? Asfixia: fecha tudo e não há como ventilar. Asma brônquica Lesão obstrutiva reversível. Sob estímulo alérgico, infecções, entre outros, o cidadão faz um broncoespasmo (fecha o pulmão). Asma é uma doença inflamatória crônica; o indivíduo com asma

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Assistência Farmacêutica Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da

Leia mais

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil Grupo de Protecção e Segurança Radiológica 1st Workshop for Stakeholders - 6 de Dezembro de 2013 Radioactividade A radioactividade existe desde a formação do Universo, e os seres humanos viveram sempre

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais