Corticóides na Reumatologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corticóides na Reumatologia"

Transcrição

1 Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos pelo corpo em pequenas quantidades e liberados na corrente sanguínea, mas pequenas alterações desta quantidade determinam grandes efeitos, o que ocorre quando as adrenais aumentam a liberação em situações de estresse. Assim como qualquer hormônio, os corticóides transmitem informações entre as células e influenciam a produção de substâncias celulares. Os corticóides (CE) são os antiinflamatórios mais potentes que existem. PRINCIPAIS MECANISMOS ANTIINFLAMATÓRIOS DOS CORTICÓIDES Indução da produção de proteínas antiinflamatórias com interrupção da cadeia da inflamação Redução dos mediadores inflamatórios através da inibição da transcrição gênica dos mesmos Inibição dos efeitos de diversas moléculas de sinais inflamatórias, as citocinas Efeito de estabilização da membrana do lisossomo, dessa forma a membrana desse vacúolo intracelular repleto de enzimas degradativas, resiste à ruptura e deixa de liberar todo esse conteúdo no interior da célula. Para exercer todos esses efeitos os CE precisam ter acesso ao interior das células e o fazem através da ligação com um receptor localizado na superfície da célula, na membrana celular. Quando esta ligação ocorre, a

2 via de produção das enzimas e degradação de moléculas e demais ações são influenciadas no sentido do bloqueio potente da inflamação. Corticoidestireoide93.blogspot.com A inflamação está presente em inúmeras doenças reumáticas, em variações de quantidade/grau da inflamação, região comprometida e a depender da resposta individual do paciente ao processo patológico que acomete o tecido conjuntivo. Nas articulações, a inflamação pode ser percebida pela presença de calor dor inchaço e vermelhidão sobre a região, sendo uma importante fonte somática da dor reumática.

3 O uso dos CE na Reumatologia é baseado na capacidade potente que estes medicamentos possuem em bloquear a atividade inflamatória. Os CE estão indicados em toda doença reumática? Não. Diversas doenças dispensam o uso do CE. É o caso da artrose e da fibromialgia, por exemplo. Nas doenças inflamatórias que causam dor ou outras manifestações, os CE estão sempre indicados e por longo período de tempo? Não. Os avanços obtidos em outras modalidades de tratamentos farmacológicos, na fisioterapia e noutras técnicas, permitiram que inúmeras dessas doenças pudessem ser controladas sem o uso do CE, ou sem o uso destes em doses moderadas e altas ou evitam o uso prolongado do CE. Existem vantagens no uso dos CE quando estes são comparados aos anti-inflamatórios comuns (anti-inflamatórios não hormonais)? Depende da doença, do tipo do CE escolhido, do tempo de uso, da idade do paciente e das complicações presentes na saúde desses. Em geral os antiinflamatórios comuns quando são utilizados por período superior a 30 dias tem grande potencial de lesão que pode superar o risco de problemas relacionados ao corticóide do tipo prednisona em baixa dose. Este risco depende da classe de anti-inflamatório utilizado. Por outro lado, pacientes com espondilite anquilosante costumam responder melhor aos antiinflamatórios comuns não hormonais, ou seja aos não corticosteróides.

4 Em pacientes com artrite reumatóide quando há indicação clínica o CE local através da infiltração articular pode apresentar mudança da qualidade de vida sem causar prejuízo pra saúde geral. Nestes pacientes ainda o uso de doses baixas de corticóide pode auxiliar no controle da doença (Drugs, vol 73:31-43; 2013). Quais os principais tipos, as potências anti-inflamatórias e vias de administração dos CE disponíveis no Brasil? 1. HIDROCORTISONA a. Tem potência semelhante ao cortisol que é a forma do CE produzido pelo nosso corpo e encontrado no sangue b. Costuma ser utilizado pela via de administração endovenosa em situações de reações alérgicas, em pacientes hospitalizados com indicação de inibição da resposta inflamatória e como imunossupressor. Exemplos: asma brônquica; em pacientes submetidos a cirurgias para reduzir o estresse cirúrgico ao organismo. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 2. METILPREDNISOLONA a. Tem potência de 5-7 vezes superior ao cortisol que é a forma do b. Costuma ser utilizado pela via de administração endovenosa em pulsos (grandes quantidades em curto intervalo de tempo, 2-4 horas) em pacientes com indicação de inibição da resposta inflamatória e como imunossupressor. Exemplos:

5 pulsoterapia de metilprednisolona em pacientes com nefrite causada pelo Lúpus eritematoso sistêmico, pulsoterapia em pacientes com vasculite reumatóide grave (causada pela artrite reumatóide), em doses menores para controle da inflamação da artrite reumatóide antes do efeito de medicamentos modificadores da doença ou biológicos. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 3. BETAMETASONA a. Tem potência 25 vezes superior ao cortisol que é a forma do b. Costuma ser utilizado pela via de administração intramuscular, articular ou periarticular em situações com indicação de inibição da resposta inflamatória, principalmente quando se deseja um efeito rápido em situações de dor intensa com forte componente inflamatório. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 4. TRIANCINOLONA a. Tem potência 5 vezes superior ao cortisol que é a forma do b. É a melhor opção para uso de CE por via intra-articular. Indicado em situações de inflamação no interior da articulação (sinovite, derrame articular e cisto sinovial) EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 5. DEXAMETASONA

6 a. Tem potência vezes superior ao cortisol que é a forma do b. Costuma ser utilizado pela via oral, endovenosa ou intramuscular em situações com indicação de inibição da resposta alérgica, inflamatória ou imunossupressora principalmente quando se indica o CE por curto tempo e se deseja um efeito rápido. Em situações de alergia grave, de edema cerebral e outras razões neurológicas, de dermatites graves, raramente sendo indicado na reumatologia. Este tipo de CE está associado a grandes efeitos colaterais se mantidos por período maior de tempo em dose inicial. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 6. PREDNISOLONA a. Tem potência 4-5 vezes superior ao cortisol que é a forma do b. Utilizado por via de administração oral em pacientes com indicação de inibição da resposta inflamatória e imunossupressora. Exemplos: pacientes com artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, cardite por febre reumática. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 7. PREDNISONA a. Tem potência 4-5 vezes superior ao cortisol que é a forma do

7 b. É o tipo de CE mais utilizado na reumatologia. Utilizado por via de administração oral em pacientes com indicação de inibição da resposta inflamatória e imunossupressora. Exemplos: pacientes com artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, cardite por febre reumática. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. 8. DEFLAZACORT a. Tem potência 3 vezes superior ao cortisol que é a forma do b. Utilizado por via de administração oral em pacientes com indicação de inibição da resposta inflamatória e imunossupressora. Principalmente devido a menor potência costuma apresentar menos efeito adverso quando comparado a outros CE quando em uso prolongado. Exemplos: pacientes com artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico. EXISTEM OUTRAS INDICAÇÕES PARA O USO. Quais os principais efeitos colaterais (efeitos indesejáveis) dos CE? Os CE são medicações que sempre devem ser utilizados na menor dose efetiva, pelo tempo estritamente necessário e prescrito e acompanhado por médicos. O risco do surgimento de determinado efeito indesejável depende de fatores relacionados à droga e outros relacionados aos pacientes como uso concomitante de outra medicação e sensibilidade do paciente. O uso de CE em dose moderada a alta por período inferior a 15

8 dias é acompanhado por poucos efeitos colaterais. Levando em conta todas essas variações os efeitos colaterais mais comuns são: Hipertensão arterial sistêmica Hiperglicemia (aumento da glicemia) ou Diabetes melitus Insônia, irritabilidade Síndrome de Cushing (ocorre quando o corpo é exposto a altos níveis do hormônio cortisol endógeno ou externo, se você tomar muito cortisol ou outros hormônios esteroides) o Sintomas e sinais = obesidade, rosto redondo e cheio, manchas roxas, estrias, acnes, pele fina e sensível Insuficiência da glândula adrenal (ocorre quando as glândulas adrenais deixam de produzir seus hormônios característicos, que são a cortisona e/ou a aldosterona. Pode ocorrer na retirada brusca do uso de CE) o Sintomas e sinais = fraqueza, náuseas, hipotensão e outros Osteoporose Catarata Outros. Se você está em uso de CE, converse com seu reumatologista a respeito.

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Psorex propionato de clobetasol APRESENTAÇÕES Psorex pomada é apresentado em bisnaga de alumínio com 30 gramas.

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

Betnovate GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução tópica 1mg/mL

Betnovate GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução tópica 1mg/mL Betnovate GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução tópica 1mg/mL Betnovate capilar Modelo de texto de bula - Paciente LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÕES OMCILON-A M (triancinolona acetonida + sulfato de neomicina + gramicidina + nistatina) pomada é apresentado em embalagens contendo 1 tubo com 30 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos.

DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO DEFLANIL deflazacorte Comprimidos 30 mg FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos com 30 mg de deflazacorte. Embalagem com 10 comprimidos. COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

Butacid. Fenilbutazona Cálcica

Butacid. Fenilbutazona Cálcica 1 Anexo A Folha de rosto para a bula Butacid Fenilbutazona Cálcica Vitapan Indústria Farmacêutica Ltda. Drágea 200 mg 2 Butacid fenilbutazona cálcica USO ADULTO - VIA ORAL FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme Dermatológico. 1 mg / g

VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme Dermatológico. 1 mg / g VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA Creme Dermatológico 1 mg / g valerato de betametasona "Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999". APRESENTAÇÕES valerato de betametasona creme 1mg

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM REUMATOLOGIA (R1 e R2) PRÉ REQUISITOS: 02 anos de Residência em Clínica Médica DURAÇÃO DO PROGRAMA: 02 anos INTRODUÇÃO A Reumatologia é uma especialidade

Leia mais

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g BETOGENTA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS BUSCOFEM Ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém 400 mg de ibuprofeno. Excipientes: macrogol, hidróxido

Leia mais

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder

Leia mais

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ²

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ² Avaliação epidemiológica de pacientes portadores de doenças reumáticas atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da Eseffego-UEG no período de 2006 a 2008 Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Dexagil dexametasona + tiamina + piridoxina + cianocobalamina Sistema Músculo-esquelético

Dexagil dexametasona + tiamina + piridoxina + cianocobalamina Sistema Músculo-esquelético Dexagil dexametasona + tiamina + piridoxina + cianocobalamina Sistema Músculo-esquelético COMPRIMIDOS REVESTIDOS Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - caixa contendo 20 comprimidos.

Leia mais

Predef (Acetato de Isoflupredona)

Predef (Acetato de Isoflupredona) Uso Veterinário Administração intramuscular ou intra-sinovial. Descrição: Cada ml contém 2 mg de acetato de isoflupredona; 4,5 mg de citrato de sódio anidro; 120 mg de polietilenoglicol 3350; 1 mg de povidona;

Leia mais

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Softderm dipropionato de betametasona

Leia mais

PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação

PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação Dra. Márcia Uchoa de Rezende Dr. Alexandre Felício Pailo Dr. Gustavo Constantino de Campos Dr. Renato Frucchi Dr. Thiago Pasqualin O que

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Prof André Montillo UVA

Prof André Montillo UVA Prof André Montillo UVA Doença Articular Degenerativa Sinônimos: Osteoartrite Osteoartrose: Artrose Artrose Condramalácea Artrite Degenerativa Artrite Hipertrófica Artrite Deformante Doença Articular Degenerativa

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BENICAR olmesartana medoxomila APRESENTAÇÕES Benicar é apresentado em embalagens com 10 ou 30 comprimidos revestidos de olmesartana medoxomila nas concentrações de 20 mg ou

Leia mais

(fosfato dissódico de dexametasona, cloridrato de tiamina, cloridrato de piridoxina, cianocobalamina) Merck S/A

(fosfato dissódico de dexametasona, cloridrato de tiamina, cloridrato de piridoxina, cianocobalamina) Merck S/A Dexa-Citoneurin NFF (fosfato dissódico de dexametasona, cloridrato de tiamina, cloridrato de piridoxina, cianocobalamina) Merck S/A Solução injetável 4 mg/100 mg/100 mg/5.000 mcg Dexa-Citoneurin NFF fosfato

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

DIPROSALIC (dipropionato de betametasona + ácido salicílico)

DIPROSALIC (dipropionato de betametasona + ácido salicílico) DIPROSALIC (dipropionato de betametasona + ácido salicílico) Hypermarcas S.A. Pomada 0,64mg/g + 30mg/g I - IDENTIFICAÇÃO DO DIPROSALIC dipropionato de betametasona + ácido salicílico APRESENTAÇÕES Pomada

Leia mais

Desonol (desonida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme Dermatológico 0,5 mg/g

Desonol (desonida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme Dermatológico 0,5 mg/g Desonol (desonida) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Creme Dermatológico 0,5 mg/g DESONOL desonida APRESENTAÇÕES Creme dermatológico 0,05%: embalagem com 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO TÓPICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

Aceclo-gran. Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido. 100mg

Aceclo-gran. Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido. 100mg Aceclo-gran Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 100mg Aceclofenaco comprimido revestido paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aceclo-gran aceclofenaco APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes Profissional de Saúde Perguntas Frequentes Índice Qual o objetivo deste livreto? O que eu devo saber sobre ipilimumabe? O que eu devo saber sobre reações adversas importantes? O que eu devo discutir com

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab)

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab) Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA (pembrolizumab) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009)

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Janssens HJEM, Lagro HAHM, Van Peet PG, Gorter KJ, Van der Pas P, Van der Paardt M, Woutersen-Koch H traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Heitor Augusto Otaviano Cavalcante 1, Saulo Barbosa Guilherme 1, Gabriela Muniz de Farias 1, Saulo Euclides Silva-Filho 2

Heitor Augusto Otaviano Cavalcante 1, Saulo Barbosa Guilherme 1, Gabriela Muniz de Farias 1, Saulo Euclides Silva-Filho 2 PREVALÊNCIA E RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE CORTICÓIDES ORAIS SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA DISPENSADOS EM ALGUMAS FARMÁCIAS COMERCIAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS-MS Heitor Augusto Otaviano Cavalcante 1, Saulo

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. BUSCOFEM (ibuprofeno) CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Buscofem ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

CORTICÓIDES: Antiinflamatórios Esteroidais. Síntese e liberação dos Corticóides CORTICÓIDES CORTICÓIDES. Ciclo Circadiano de liberação de Corticóides

CORTICÓIDES: Antiinflamatórios Esteroidais. Síntese e liberação dos Corticóides CORTICÓIDES CORTICÓIDES. Ciclo Circadiano de liberação de Corticóides CORTICÓIDES: Antiinflamatórios Esteroidais Profª Ivy Alcoforado Felisberto CORTICÓIDES HIDROCORTISONA (IV, IM, TÓPICA): Hidrosone ; Hidrocortex, Berlison PRESNISONA (O): Meticorten ; Prednison PREDNISOLONA

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

AAS Infantil ácido acetilsalicílico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 100 mg: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos. USO ORAL USO PEDIÁTRICO

AAS Infantil ácido acetilsalicílico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 100 mg: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos. USO ORAL USO PEDIÁTRICO Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS Infantil ácido

Leia mais

HORMÔNIOS ESTEROIDAIS

HORMÔNIOS ESTEROIDAIS Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica RMÔNIS ESTERIDAIS ormônios Conceito: São substâncias sintetizadas por glândulas

Leia mais

Butazona Cálcica fenilbutazona cálcica 200 mg. Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Butazona Cálcica fenilbutazona cálcica 200 mg. Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Butazona Cálcica fenilbutazona cálcica 200 mg Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos revestidos:

Leia mais

Olmetec HCT olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida

Olmetec HCT olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida Olmetec HCT olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Olmetec HCT Nome genérico: olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Olmetec HCT 20 mg/12,5

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE

BULA PARA O PACIENTE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ACTOS cloridrato de pioglitazona APRESENTAÇÕES: ACTOS (cloridrato de pioglitazona) comprimido de 15 mg: frasco com 15 comprimidos ACTOS (cloridrato

Leia mais

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g.

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. REPARIL Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. APRESENTAÇÕES Gel com 10 mg/g (escina) + 50 mg/g (salicilato de dietilamônio). Bisnagas com 30 g ou 100 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina Cápsula 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato sódico de condroitina APRESENTAÇÕES Condroflex 500mg + 400mg. Embalagem com

Leia mais

Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Sistema Endócrino Mensagem Química: Hormônios Os hormônios são substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Betnovate pomada Modelo de texto de bula Profissional de saúde

Betnovate pomada Modelo de texto de bula Profissional de saúde Modelo de texto de bula Profissional de saúde LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betnovate valerato de betametasona APRESENTAÇÕES Betnovate pomada

Leia mais

Anestesias e Anestésicos

Anestesias e Anestésicos Anestesias e Anestésicos ANESTESIA É uma palavra de origem grega que quer dizer ausência de sensações. Outra definição é uma "ausência de consciência reversível", seja uma ausência total de consciência

Leia mais

Arcoxia. Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos. 60 e 90 mg

Arcoxia. Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos. 60 e 90 mg Arcoxia Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 60 e 90 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ARCOXIA (etoricoxibe), MSD APRESENTAÇÕES ARCOXIA comprimidos revestidos: caixas com 7 ou 14

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)...

Modelo de Texto de Bula. Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. betametasona (como 17-valerato)... Betnovate Q valerato de betametasona + clioquinol Creme dermatológico FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Betnovate Q é apresentado sob a forma farmacêutica de creme em bisnaga de 30g. COMPOSIÇÃO: Betnovate

Leia mais

CASODEX bicalutamida

CASODEX bicalutamida CASODEX bicalutamida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CASODEX bicalutamida APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

SALIPIRIN INFANTIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 100mg

SALIPIRIN INFANTIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 100mg SALIPIRIN INFANTIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 100mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

F A R M A C O L O G I A

F A R M A C O L O G I A Os glicocorticóides, hormônios liberados pelo organismo em situações estressantes, são amplamente conhecidos e mundialmente utilizados como potentes drogas antiinflamatórias. Porém, além dos efeitos desses

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) 1 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 10 cápsulas. USO ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico Modelo de Bula Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES AAS Infantil comprimidos

Leia mais

cloridrato de pioglitazona Comprimido - 30 mg Comprimido - 45 mg

cloridrato de pioglitazona Comprimido - 30 mg Comprimido - 45 mg cloridrato de pioglitazona Comprimido - 15 mg Comprimido - 30 mg Comprimido - 45 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 cloridrato de pioglitazona Medicamento genérico Lei

Leia mais

CASODEX bicalutamida. Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos.

CASODEX bicalutamida. Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CASODEX bicalutamida APRESENTAÇÃO CASODEX bicalutamida Comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens com 28 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante)

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) 1 CDS12JUL06 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA

ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1 ESTUDO DIRIGIDO MORFOLOGIA MICROSCOPICA 1- As glândulas adrenais têm uma das mais altas taxas de fluxo sanguíneo por grama de tecido do organismo, sendo que o córtex abrange 80% e a medula, 20% do órgão.

Leia mais

CLOB-X propionato de clobetasol POMADA 0,5 mg/g

CLOB-X propionato de clobetasol POMADA 0,5 mg/g CLOB-X propionato de clobetasol POMADA 0,5 mg/g CLOB-X propionato de clobetasol 0,5 mg/g LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CLOB-X propionato de clobetasol

Leia mais

DECA DURABOLIN (decanoato de nandrolona) Schering Plough Indústria Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 25 mg e 50 mg

DECA DURABOLIN (decanoato de nandrolona) Schering Plough Indústria Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 25 mg e 50 mg DECA DURABOLIN (decanoato de nandrolona) Schering Plough Indústria Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 25 mg e 50 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DECA-DURABOLIN decanoato de nandrolona APRESENTAÇÕES DECA-DURABOLIN

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA Medicamento X Data: 30/09/2013 Nota Técnica 238 2013 Solicitante: Juiz de Direito JOSÉ CARLOS DE MATOS Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.13.009927-2. Réu: Município de João Monlevade

Leia mais

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES)

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Profª Drª Flávia Cristina Goulart Universidade Estadual Paulista CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP Mecanismo de

Leia mais