Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 13/05/2011"

Transcrição

1 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Diretoria de Negócios Vendas Service Qualidade Suprimentos Fabrica Gestão de Materiais Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Vicente D Arco Roberto Saghi Kellen Coração Luara Rebechi Edison Momi Carlos Reis Luiz Gustavo Verdelone 1. Objetivo Descrever a forma de executar o processo de calibração, aferição dos instrumentos de medições e controlar os instrumentos e ferramentas utilizadas na Siner. 2. Abrangência Este procedimento é aplicável a Gestão de Materiais, Qualidade, Fábrica, Service e Suprimentos. 3. Definições PO Procedimento operacional PV Pedido de Venda RNC Relatório de Não Conformidade RBC Rede Brasileira de Calibração 4. Procedimento Premissas

2 Data da 2/ 7 A Calibração dos Instrumentos utilizados como padrões para as aferições, ou em laudos e análises deverão ser realizadas anualmente por um laboratório especializado com padrões calibrados pela RBC. A Aferição dos Instrumentos deverão ser realizadas a cada 4 meses, utilizando seus padrões calibrados pelo sistema RBC. Efetuar controle de localização dos equipamentos e ferramentas. 4.1 Processos de Calibração Identificação Os Instrumentos de medições que estiverem com seu prazo de calibração vencido, com variações bruscas nas medições, desvio fora dos padrões pré estabelecidos durante os ensaios ou que tenham sido danificados, devem ser enviados para um laboratório de calibração para a certificação de sua precisão. Os equipamentos cuja finalidade forem de treinamento não necessitam ser calibrados, porém os mesmos devem ser devidamente identificados, não podendo ser utilizados no processo produtivo e nem para análises, somente para treinamento. Estes Equipamentos serão apenas comparados com padrões calibrados conforme o processo de aferição, conforme item Laboratório para Calibração O laboratório de calibração deve ter os padrões calibrados e rastreabilidade pelo RBC na unidade de medida do próprio equipamento Efetuar Processo de Compra Para o Serviço de Calibração Após determinar um laboratório para efetuar a calibração dos equipamentos, a Qualidade deverá fazer uma solicitação de compra para este serviço, sendo uma solicitação por laboratório de calibração e um serviço por equipamento Disponibilização Para Envio do Instrumento à Calibração O envio do instrumento de medição para calibração deve ser programado pela Qualidade, visando não deixar seu prazo de calibração vencer.

3 Data da 3/ 7 Na planilha de R GQ 22 Controle de Localização dos Equipamentos, devem ficar destacados os equipamentos em processo de calibração. O instrumento deve ser encaminhado para a área de Gestão de Materiais devidamente identificado através do R GQ 19 Ficha de Material para Troca/Conserto/Calibração onde deve estar informando que o equipamento deverá ser calibrado Tratativas Para o Envio do Equipamento ao Fornecedor Antes de enviar o equipamento, a área de Gestão de Materiais deve entrar em contato com o laboratório de calibração para se informar sobre os procedimentos de envio de equipamento para calibração, o local de envio e os dados do responsável que receberá o equipamento Envio do Equipamento ao Laboratório A área de Gestão de Materiais deve se programar para o envio do equipamento ao laboratório de calibração, agendando o transporte e solicitando a nota fiscal. No envio do equipamento o Instrumento deve estar bem embalado, para que não sofra danos e deve estar acompanhado do R GQ 19 Ficha de Material para Troca/Conserto/Calibração atualizado e digitado. Após a impressão da nota fiscal, a área de Gestão de Materiais deve salvar uma cópia da nota fiscal na pasta de processos referente ao instrumento no servidor, e atualizar as informações na planilha de R GQ 21 Controle de Conserto e Calibração da Instrumentação Confirmação de Recebimento Após a entrega do equipamento no laboratório de calibração, a área de Gestão de Materiais deve confirmar a entrega do equipamento e atualizar a planilha de R GQ 21 Controle de Conserto e Calibração da Instrumentação. Também deve se informar sobre o número de OS (ordem de serviço) e a data estimada para a conclusão do serviço Análise do Instrumento Pelo Laboratório Caso o Laboratório de Calibração informe que será necessário realizar reparos no instrumento e isso terá um custo além do previsto na Calibração, a Qualidade deve gerar uma nova solicitação de compra onde deve constar apenas o serviço do reparo.

4 Data da 4/ Viabilidade do Reparo Caso o equipamento não tenha conserto, ou fique inviável o reparo devido ao elevado custo comparado com a aquisição de uma nova peça, a área da Qualidade analisará o que será mais viável financeiramente, o conserto do equipamento danificado ou a compra de uma nova peça Retorno do Equipamento à Siner Após o laboratório de calibração liberar a retirada do equipamento, o setor de Gestão de Materiais deverá providenciar a coleta, realizar seu procedimento interno na chegada do equipamento (recebimento) atentando se à nota fiscal que deve ser de devolução da nota fiscal emitida pela Siner. Por fim disponibilizar o equipamento à Qualidade Conferência do Serviço de Calibração do Instrumento Após a liberação do equipamento pela área de Gestão de Materiais, a Qualidade deve verificar o número de série e analisar o instrumento como um todo, levando em consideração que o mesmo deve estar em plenas condições de uso, tanto em aparência quanto em funcionamento. Verificar se o mesmo está identificado com o adesivo onde constam a data de calibração e o número do certificado. Verificar se foi enviado o certificado de calibração do equipamento e dos padrões utilizados. Após essa verificação, a Qualidade deve atualizar a planilha de R GQ 21 Controle de Conserto e Calibração da Instrumentação Reenvio do Equipamento ao Fornecedor Se após o retorno surgir algum defeito, o equipamento deve ser reenviado para análise do laboratório responsável pela calibração. A Qualidade entrará em contato com o laboratório de calibração para informar o ocorrido, e o equipamento será disponibilizado à área de Gestão de Materiais para o reenvio do equipamento ao laboratório de calibração Arquivo e Controle dos Certificados de Calibração

5 Data da 5/ 7 A Qualidade deve atualizar a planilha de R GQ 20 Controle dos Certificados de Calibração e Aferição, com o número do certificado, data da calibração, data de validade e nome do certificador. Arquivar uma cópia do certificado digitalizada na pasta de fotocópias dentro da pasta Certificados de Calibração e Aferição no servidor e o certificado original juntamente com a cópia do certificado dos padrões utilizados na pasta de Certificados de Calibração e Aferição no Armário Processos de Aferição Aferição dos Instrumentos A Qualidade deve efetuar as aferições dos instrumentos. Para aferir um instrumento, é necessário que o equipamento a ser aferido seja comparado com um equipamento que seja o padrão de referência, e que tenha sido calibrado pelo sistema RBC. O equipamento deve estar em perfeitas condições de uso, verificar nível de carga da bateria, botões em geral, displays, medidores e pontas de prova. Na aferição do equipamento, deve se seguir os ensaios relacionados no R GQ 26 Certificado de Aferição de cada equipamento. Caso aconteça do equipamento ter desvios maiores que os descritos no certificado, o mesmo deverá ser enviado para uma assistência técnica para efetuar ajustes das medições. Após a aferição do equipamento, deve ser colado um selo onde consta a data da aferição e o número do certificado que deverá ser emitido pela qualidade durante a aferição Arquivo e Controle dos Certificados de Aferição A Qualidade deve atualizar a planilha de R GQ 20 Controle dos Certificados de Calibração e Aferição, com o número do certificado a data da aferição do equipamento e arquivar uma cópia do certificado digitalizada na pasta de fotocópias dentro da pasta Certificados de Calibração e Aferição no servidor, e o certificado original juntamente com a cópia do certificado dos padrões utilizados na pasta de Certificados de Calibração e Aferição no Armário Controle dos Instrumentos e Ferramentas Solicitação de instrumentos e ferramentas

6 Data da 6/ 7 Todos os colaboradores que tiverem a necessidade de usar quaisquer instrumentos de medições ou ferramentas, tanto em obras quanto em fabrica, devem solicitar com máxima antecedência possível por , telefone ou pessoalmente à Qualidade, os equipamentos necessários para o seu serviço Check list do instrumento Todo equipamento quando separado para o envio a obra ou no retorno da mesma deve passar por um check list conforme o R GQ 27 Ficha Check list da Instrumentação, onde um colaborador da Qualidade deve verificar, se o equipamento se encontra em boas condições Controle de localização da instrumentação e Todos os equipamentos solicitados a Qualidade, devem ser registrados na planilha R GQ 22 Controle de Localização de Equipamentos ou na planilha R GQ 23 Controle de Localização de Ferramentas, sempre que houver alguma retirada ou chegada de equipamento. Na retirada de equipamento para o envio a obra, a Qualidade deve gerar uma R GQ 28 Declaração para Transporte de Equipamento. 5. Indicador de Desempenho Não aplicado 6. Relatórios Aplicáveis Não aplicável 7. Documentos e Controles Relacionados R GQ 19 Ficha de Material para Troca/Conserto/Calibração R GQ 20 Controle dos Certificados de Calibração e Aferição R GQ 21 Controle de Consertos e Calibração da Instrumentação R GQ 22 Controle de Localização dos Equipamentos R GQ 23 Controle de Localização de Ferramentas R GQ 26 Certificado de Aferição de Equipamento R GQ 27 Check list da Instrumentação

7 Data da 7/ 7 R GQ 28 Declaração para Transporte de Equipamento.

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 008

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 008 1/5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Inclusão da AP como de uso restrito e interno da SINER e revisão das responsabilidades do Responsável pelo Projeto. 02 Melhoria

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 023

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 023 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento e adequação dos registros e padrões 02 Expor de maneira clara o item 5.8 as áreas usuárias Demais envolvidos

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da Diretoria após o Gestor

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-003/2009 R-01

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-003/2009 R-01 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT /2009 CRITÉRIO DE EXECUÇÃO /2009 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios básicos necessários

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. PO Procedimento Operacional

Sistema de Gestão da Qualidade. PO Procedimento Operacional Sistema de Gestão da Qualidade PO Procedimento Operacional Identificação: PO.07 Versão: 02 Folha: 1 de 3 Processo: Controle de Equipamentos de Medição 1. OBJETIVO Descrever a forma como devem ser controlados

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 01

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 01 1/ 6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento 01 Adequação aos processos Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 02 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento

Leia mais

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 1 de 8 PAC 13 Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 023

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 023 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento e adequação dos registros e padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO GESPRE APOIO TÉCNICO Responsável: Mariângela Alves de Melo Cópia Controlada - Revisão

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 04

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 04 1/ 6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e adequação integral do PO 02 Revisão na íntegra do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA 1) Reunião Prévia (Responsável: Secretaria Demandante) Solicitação de Contratação,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO HENRIQUE SANTILLO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Responsáveis: Ludmilla Sequeira Barbosa e Rosana

Leia mais

Políticas de troca, devolução e reembolso

Políticas de troca, devolução e reembolso Trocas e Devoluções Políticas de troca, devolução e reembolso Para que você mantenha a sua confiança e total satisfação nas compras realizadas na Marcenaria Tiradentes criamos uma Política de Troca e Devolução

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO...

ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... Suprimentos e Pág. 1 de 7 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 6 CONTEÚDO... 3 7 ANEXOS...

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013

TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 769/CIENTEC/2013 1. DO TERMO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO 1.1 A Fundação de Ciência e Tecnologia, torna público o presente Termo de Dispensa de Licitação, autorizada no expediente

Leia mais

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas 2013 Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas Cris Podologia 1 Conteúdo 1) Cadastro... 3 2) Agendamento... 8 3) Atualização e Complemento do Cadastro... 13 a) Perfil... 15 b) Endereço... 15 4) Recuperação

Leia mais

Responsabilidades/ Autoridades

Responsabilidades/ Autoridades 1/5 1. OBJETIVO Garantir o abastecimento dos materiais Consignados e OPME do Hospital. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO OPME - Órtese Prótese e Materiais Especiais; CAF - Central de Abastecimento Farmacêutico;

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE COMPRAS

DIVULGAÇÃO DE COMPRAS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS EVENTOS DE LICITAÇÃO, DISPENSA E INEXIGIBILIDADE

Leia mais

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7.

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 1/5 1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de controle médico da saúde ocupacional;

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA Prezados Senhores, Face à constante processo de melhoria contínua nos procedimentos da Rede de Valor Le Postiche, elaboramos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda.

Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Portaria Conjunta CGA/CPM - 1, de 27-11-2012 Dispõe sobre as instruções de implantação e uso do Crachá Digital no âmbito da Secretaria da Fazenda. Os Coordenadores da Coordenadoria Geral de Administração

Leia mais

XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ

XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ XI MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A MOSTRA DE TEATRO DO COLÉGIO SANTA CRUZ 2016 tem caráter não competitivo e é realizada pelo Núcleo de Teatro do Colégio Santa Cruz

Leia mais

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3

Guia do Usuário ProAnalir 2013. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3 Área Universidade Prosoft Autor Valquíria Coelho Criação 26/02/2013 Publicação - 28/02/2013 Distribuição Franqueadora, Franquias e Clientes. Guia do Usuário ProAnalir 2013 Conteúdo: Introdução... 2 Liberação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL 04/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 13 de abril de 2016. Aprovado, Tiago

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Ao acessá-lo pela primeira vez, procure assistir até o final. Caso não consiga, você poderá reiniciar de onde

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL PAULO DE TARSO 1 Semestre 2011 Apresentação: Prezado(a) aluno(a), Este manual foi elaborado com o objetivo de orientá-lo durante o processo de realização do estágio curricular,

Leia mais

Política Comercial para Clientes e Representantes KNOCKOUT FITNESS

Política Comercial para Clientes e Representantes KNOCKOUT FITNESS Política Comercial para Clientes e Representantes KNOCKOUT FITNESS Uma das principais preocupações da KNOCKOUT FITNESS é oferecer aos nossos clientes produtos da mais alta qualidade, entregues no prazo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1 RESOLUÇÃO NORMATI VA N.º 0 0 6 / 2 0 0 1 O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, considerando as atribuições estabelecidas pela Constituição Estadual em seu artigo 26, o disposto no inciso XII do art.

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

ROTINAS E PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS (orientações sobre tramitação, prazos e instrução de processos)

ROTINAS E PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS (orientações sobre tramitação, prazos e instrução de processos) CENTRO TECNOLÓGICO Tel.: (0xx27)4009-2640/2641 Fax: (0xx27)4009-2650 ROTINAS E PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS (orientações sobre tramitação, prazos e instrução de processos) - todo o pedido de passagem,

Leia mais

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/19 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Item 5.5 Unificação dos itens 5.5.2 e 5.5.4, em função da exclusão da lista de Distribuição de documentos

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Token USB Rainbow Ikey2032. Guia de instalação e alteração da senha (PIN)

Token USB Rainbow Ikey2032. Guia de instalação e alteração da senha (PIN) Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2009 Pré Requisitos para Instalação Dispositivos de Certificação Digital (Token USB Rainbow 2032) Para que o processo de instalação tenha sucesso,

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS NÚCLEO DE PSICOLOGIA

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS NÚCLEO DE PSICOLOGIA 1. Do Horário: O NUPFAI funciona de segunda a sexta- feira das 8h 00 às 19h00 e aos sábados das 8h00 às 12h00. O horário poderá ser revisto pela coordenação do curso quando justificada a necessidade e

Leia mais

Programa Acessa Escola Atualização do Sistema das salas Etapa Final

Programa Acessa Escola Atualização do Sistema das salas Etapa Final Programa Acessa Escola Atualização do Sistema das salas Etapa Final As informações contidas neste documento devem ser seguidas para o completo funcionamento dos computadores da Sala do Acessa Escola. LEIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO Normas para uso dos Laboratórios de Informática vinculados a Coordenação do Curso de Informática e ao Departamento de Tecnologia da Informação do IF Goiano Câmpus Posse GO. POSSE GO 2015 Sumário TÍTULO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PÁGINA: 1/11 OBJETIVO DEFINIR O MÉTODO DE FUNCIONAMENTO DA, VISANDO MANTER AS MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E AS INSTALAÇÕES DA. DE FORMA A GARANTIR A QUALIDADE DO PRODUTO DENTRO DO ESPECIFICADO

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 ELABORAÇÃO Gracília dos Santos Gonçalves FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira REVISÃO Cristina Isidio Rodrigues Aguiar Albuquerque DATA Estabelecido

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME PP.830-1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer o controle, responsabilidades e autoridade pertinentes para assegurar que o produto/serviço não conforme com os requisitos sejam identificados e controlados para evitar

Leia mais

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DIVISÃO DE MATERIAS E PATRIMÔNIO DIMAP SETOR DE

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação NOTA TÉCNICA Nº 003/2015-PROINP/IFAC

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação NOTA TÉCNICA Nº 003/2015-PROINP/IFAC NOTA TÉCNICA Nº 003/2015-PROINP/IFAC Este documento orienta sobre a Institucionalização de Projetos de Pesquisa e Projetos de Pós-Graduação no IFAC, a entrega de Relatórios Parciais/Final e as possíveis

Leia mais

REGULAMENTO DO PRODUTO SKY PRÉ-PAGO LIVRE

REGULAMENTO DO PRODUTO SKY PRÉ-PAGO LIVRE REGULAMENTO DO PRODUTO SKY PRÉ-PAGO LIVRE 1. SKY PRÉ-PAGO LIVRE: 1.1. É um produto de TV via satélite com recepção 100% digital, o qual funciona com 1 (um) equipamento de recepção de sinal digital e 1

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS Departamento de Informática do SUS - DATASUS Manual operacional

Leia mais

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica www.nexttech.com.br NextTech Automação Ltda - (11) 3019-2020 Por que gravar? Gravação telefônica é legal? O que é um Servidor de gravação? Será que funciona

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos

PROCEDIMENTO OPERATIVO Manutenção das infraestruturas e equipamentos Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável à gestão de atividades inerentes à manutenção e conservação das infraestruturas e. II OBJETIVOS Garantir que as infraestruturas estejam em condições de utilização. Garantir

Leia mais

PROCEDIMENTOS E ROTINAS INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS

PROCEDIMENTOS E ROTINAS INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS PROCEDIMENTOS E INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS Rotinas para montagem de processos Processo físico O processo físico deverá ser constituído por documentos que pela natureza

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 9 Ressarcimento de Danos Elétricos Revisão Motivo da Revisão Primeira

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE ATENÇÃO! Esta Garantia Limitada do Fabricante ( Garantia ) aplica-se apenas a produtos Nokia com o Windows Phone autênticos, vendidos

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04 Como Baixar FS133.1 Boletos? Sistema: Futura Server Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa Referência: FS133.1 Versão: 2016.07.04 Como Funciona: Esta tela é utilizada para gerar arquivos que informarão

Leia mais

Integração Backoffice Originação de Grãos x umovme

Integração Backoffice Originação de Grãos x umovme Agosto/2014 Sumário Título do documento 1. Contexto de Negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 4 5. Pré-requisitos Instalação/Implantação/Utilização... 4 5.1.

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO I PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 011/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO A presente licitação tem por objetivo a contratação de pessoa jurídica para prestação de serviços, de forma contínua, ao da 2ª Região,

Leia mais

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento SUPRIMENTO DE PRODUTOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TERCEIROS PR 7.3 Revisão: 00 Página 1 de 2 Requisito

Leia mais

Roteiro para Cadastramento no Módulo PC Online do SiGPC Data de atualização: 10/2/2012

Roteiro para Cadastramento no Módulo PC Online do SiGPC Data de atualização: 10/2/2012 Roteiro para Cadastramento no Módulo PC Online do SiGPC Data de atualização: 10/2/2012 Para começar, tenha em mãos o seguinte: A mensagem eletrônica ou ofício que você recebeu do FNDE contendo Usuário

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula

EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula EDITAL COMPLEMENTAR AO EDITAL UFU/PROGRAD Nº 01 - Edital de Solicitação de Matrícula A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna pública a divulgação do Edital Complementar ao Edital UFU/PROGRAD Nº

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Av. Rio Grande do Norte, 450 - Indaiá - 11665-310 - Caraguatatuba - SP - Fone 55 (12) 3885-2130 www.ifspcaraguatatuba.edu.

TERMO DE REFERÊNCIA. Av. Rio Grande do Norte, 450 - Indaiá - 11665-310 - Caraguatatuba - SP - Fone 55 (12) 3885-2130 www.ifspcaraguatatuba.edu. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1 Aquisição de pencards personalizados para a realização do The 7th International Conference on Management of computational and collective IntElligence in Digital EcoSystems

Leia mais

Política de Associação

Política de Associação Política de Associação Constam a seguir as orientações e os termos que definem a relação entre os associados e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 1. Informações Gerais A Rede Brasileira de

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Processo. Programa de Acreditação AABB/ABHH para Serviços de Hemoterapia, Bancos de Sangue e Terapia Celular

Processo. Programa de Acreditação AABB/ABHH para Serviços de Hemoterapia, Bancos de Sangue e Terapia Celular Programa de AABB/ABHH para Serviços de Hemoterapia, Bancos de Sangue e Terapia Celular Fazer download dos formulários no portal da ABHH www.abhh.org.br 1. Solicitação da Organização para iniciar o processo

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso do "Volume".

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no SAME, utilizando-se do recurso do Volume. Page 1 of 31 184771 Módulo: AMAP - SAME PDA 184771: Controle do Arquivamento de Pastas do SAME. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso

Leia mais

Prestador de Serviços

Prestador de Serviços Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Serviços...3 Os Recibos... 5 Como imprimir?... 6 As Listagens...7 Clientes... 9 Consulta...9 Inclusão... 11 Alteração... 12 Exclusão... 13 Serviços...

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 1º SIMULADO SAS ENEM

EDITAL Nº 01/2015 1º SIMULADO SAS ENEM EDITAL Nº 01/2015 1º SIMULADO SAS ENEM O Sistema Ari de Sá torna público que estarão abertas, no período indicado no item 1, as inscrições para o 1º Simulado SAS ENEM 2015, para alunos da 3ª série do Ensino

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL 1. Orientações sobre o Programa de Certificação Profissional 1. PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL 1.1 - ORIENTAÇÕES QUANTO A INSCRIÇÃO Leia

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e RESOLUÇÃO Nº 027/2016 O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os dispositivos da Resolução nº 028/2016, de 21 de janeiro de 2016; CONSIDERANDO o Convênio

Leia mais

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA CRCMG Nº 137/2009 APROVA ALTERAÇÕES NO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ANTÔNIO LOPES DE SÁ. O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DIRETORIA COMERCIAL JUN/21 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS, DE CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA...1 3 CLASSES DE INFRAESTRUTURAS DISPONIBILIZADAS...2

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS!

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS! INTRODUÇÃO Prezado corretor, Tendo como princípio o bom atendimento e a prestação de serviço com qualidade, a Marítima Seguros frequentemente revisa seus processos, desenvolve e aperfeiçoa os diversos

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A

PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A Diretoria Técnica Engenharia e Obras ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Premissas de Procedimentos, de condições técnicas e de segurança... 3

Leia mais