UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Curso de Graduação em Engenharia de Produção TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Curso de Graduação em Engenharia de Produção TRABALHO DE GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Graduação em Engenharia de Produção TRABALHO DE GRADUAÇÃO IMPORTÂNCIA DE EXCEL AVANÇADO E VBA PARA O ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO E UMA FORMA ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM. Daniel Alves Soares BELO HORIZONTE 2º Semestre de

2 SUMÁRIO Pág. Sumário 2 Lista de Figuras 4 Lista de Siglas e Definições 5 I INTRODUÇÃO Descrição do Problema Objetivo do Trabalho 6 II - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Engenheiro de Produção Atuação do Engenheiro de Produção Formação do Engenheiro de Produção Formação no CGEP da UFMG Excel e VBA Excel e VBA na faculdade Excel e VBA nas empresas Processo de Aprendizado 18 III - ESTUDO DE CASO Metodologia aplicada ao caso Processo de Aprendizado de Excel Avançado e VBA Oportunidade de aprendizado contribuindo para o 25 2

3 Processo de Matrícula da UFMG Desenvolvimento de Planilha para o Planejamento de Matrícula 30 IV RESULTADOS Aplicação na Faculdade Aplicação nas Empresas Consequências Oportunidade de Melhoria do Curso 42 V CONCLUSÃO 44 VI - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 45 VII - ANEXOS ANEXO I - Atividades de nível superio para os formados em Engenharia, Arquitetura e Agronomia, de acordo com o CONFEA. 47 ANEXO II - Sub-áreas da Engenharia de Produção, segundo a ABEPRO. 48 ANEXO III - Disciplinas Optativas de Processos Discretos (CGEP-UFMG). 52 ANEXO IV - Disciplinas Optativas de Processos Contínuos (CGEP-UFMG). 53 3

4 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Exemplo de atuação do engenheiro. Figura 2 Eficiência com o uso do VisiCalc. Figura 3 - Taxonomia dos objetivos educacionais, de Benjamin Bloom. Figura 4 Exemplo de site com apostilas de Excel e VBA gratuitas. Figura 5 Layout da Planilha de Planejamento de Matrícula. Figura 6 Situações onde há, ou não, a sobreposição de disciplinas. Figura 7 Grade de horários, gerada com as disciplinas escolhidas. Figura 8 Ordenação de disciplinas visando o preenchimento de lacunas. Figura 9 Grade final, com as lacunas preenchidas. Figura 10 Planilha de Conclusão de Curso para a Secretaria do curso. Figura 11 Benefício para a Secretaria. Figura 12 Benefício para empresas. 4

5 LISTA DE SIGLAS E DEFINIÇÕES VBA - Visual Basic for Applications. É a linguagem de programação que está por trás dos aplicativos do pacote Microsoft Office. Cada ação/alteração feita no Excel, PowerPoint, etc, é codificada em VBA. MACRO - Sequência de ações em Excel, gravadas ou escritas pelo usuário. Cada macro pode ser ativada pelo usuário e todas as ações que estão programadas são feitas na planilha. UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais CGEP - Curso de Graduação em Egenharia de Produção DEP - Departamento de Egenharia de Produção 5

6 I - INTRODUÇÃO 1.1) Descrição do problema A utilização de Excel é, sem dúvida, uma realidade nas empresas. O estudante que chega ao mercado de trabalho com o domínio da ferramenta se sobressairá dos demais. Entretanto, a universidade - no caso estudado, a UFMG - conta apenas com poucas disciplinas que preparam o aluno para a ferramenta. E essa preparação é apenas de forma indireta e parcial. Diante desse fato, utilizamos o caso de um aluno do curso, para mostrar uma forma de preparar o estudante para o aprendizado de Excel Avançado, mostrando os principais benefícios do domínio da ferramenta. 1.2) Objetivo do trabalho O trabalho tem como objetivo mostrar uma forma alternativa de se aprender Excel Avançado e VBA, mostrando as oportunidades que o domínio de tal ferramenta dá aos estudantes para enfrentar o mercado de trabalho de forma diferenciada e com enorme produtividade. 6

7 II - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1) Engenharia de Produção Segundo a definição clássica adotada pelo American Institute of Industrial Engineering (A.I.I.E.) e a Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO): Compete à Engenharia de Produção o projeto, a implantação, a melhoria e a manutenção de sistemas produtivos integrados, envolvendo homens, materiais e equipamentos, especificar, prever e avaliar os resultados obtidos destes sistemas, recorrendo a conhecimentos especializados da matemática, física, ciências sociais, conjuntamente com os princípios e métodos de análise e projeto da engenharia. A Engenharia de Produção se distingue da engenharia em geral por incorporar mais uma dimensão: a do ser social. Trata-se, agora, de um domínio onde a subjetividade humana está presente não apenas enquanto finalidade posta (que objetivos devem orientar a produção material), mas também enquanto "contexto social" e dimensão social intrínseca à produção, ou seja, onde o próprio homem é um elemento constitutivo: relações sociais, contradições e conflitos, motivações e projetos pessoais passam a integrar o novo objeto de estudo. A Engenharia de Produção ocupa, portanto, uma posição na interface entre o ser natural, ou mais propriamente entre a técnica (causalidade posta) e o ser social. Encontra-se aqui a sua base objetiva. Se às 7

8 engenharias técnicas interessam os fenômenos naturais e as interações entre fenômenos em dadas condições de contorno (inclusive sociais, sob a forma de critérios de custo, vida útil, etc.), à Engenharia de Produção interessam as interações entre tecnologia e individualidades sociais no interior dos sistemas produtivos. Segue um exemplo de implementação de projetos de melhoria em empresas. A situação abaixo também se aplica a sub-áreas das empresas. Figura 1 Exemplo de atuação do engenheiro Lembrando que os custos acima podem ser reduzidos por projetos para a melhoria da eficiência e produtividade. A redução dos custos, nesse caso, se dará pela economia em escala. Além da redução dos custos, a receita seria incrementada pela maior produtividade da empresa. Com custos mais baixos e receitas mais altas, o lucro da empresa seria maximizado. 8

9 2.2) Atuação do Engenheiro de Produção Segundo a ABEPRO, o Engenheiro de Produção deve ter uma sólida formação científica e profissional geral que o capacite a identificar, formular e solucionar problemas ligados às atividades de projeto, operação e gerenciamento do trabalho e sistemas de produção de bens e/ou serviços, considerando seus aspectos humanos, econômicos, sociais e ambientais, com visão ética e humana, em atendimento às demandas das empresas e da sociedade. Especificamente, ele deve possuir habilidades e competências que capacite o futuro profissional a: 1) Dimensionar e integrar recursos humanos e financeiros a fim de produzir com eficiência e ao menor custo, considerando a possibilidade de melhorias contínuas; 2) Utilizar ferramental matemático e estatístico para modelar sistemas de produção e auxiliar na tomada de decisões; 3) Ser capaz de projetar, implementar e aperfeiçoar sistemas, produtos e processos, levando em consideração os limites e as características das comunidades envolvidas; 4) Prever e analisar demandas, selecionar tecnologias e know-how, projetando produtos ou melhorando suas características e funcionalidades; 5) Incorporar conceitos e técnicas de qualidade em todo o sistema produtivo, tanto nos seus aspectos tecnológicos quanto organizacionais, 9

10 aprimorando produtos e processos, e produzindo normas e procedimentos de controle e auditoria; 6) Prever a evolução de cenários produtivos, percebendo a interação entre as organizações e os seus impactos sobre a competitividade; 7) Acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade; 8) Compreender a inter-relação dos sistemas de produção com o meio ambiente, tanto no que se refere à utilização de recursos escassos quanto à disposição final de resíduos e rejeitos, atentando para a exigência de sustentabilidade; 9) Utilizar indicadores de desempenho, sistemas de custeio, bem como avaliar a viabilidade econômica e financeira de projetos; 10) Gerenciar e otimizar o fluxo de informação nas empresas utilizando tecnologia adequada. De acordo com o CONFEA (Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), para efeito de fiscalização do exercício profissional, aos cursos de Engenharia, Arquitetura e Agronomia em nível superior, conferem-se 18 atividades (ANEXO I). Como já citado, devido à formação multidisciplinar e visão sistêmica, o mercado de trabalho para o Egenheiro de Produção é amplo, sendo possível atuar nas diferentes áreas de uma organização como finanças, produção, recursos humanos, marketing ou desenvolvimento do produto. Essas organizações podem ser de manufatura ou de serviços, relacionados com os 10

11 mais diversos setores: mecânica, petróleo, química, civil, eletro-eletrônico, alimentos, siderúrgico e agroindústria, dentre outros. Ou seja: o profissional de engenharia de produção pode ser absorvido tanto no âmbito industrial quanto no de serviços (bancos, repartições públicas, escolas, hotéis e comércio em geral). Segundo uma definição mais atual, o Engenheiro de Produção "está voltado primordialmente para a atividade de planejamento, operação e controle (...) para a área de manufatura, de produção (...) se orienta à capacitação tecnológica para a produção". (FLEURY; CARDOSO & GUALDA. "A profissão do engenheiro - elementos para discussão". Boletim da Escola Politécnica da USP, no 5, 1991, p.2). 2.3) Formação do Engenheiro de Produção Com sólida formação em ciências básicas como Matemática, Física, Estatística e Computação, além de Ciências Sociais, Administração e Economia. Com isso, o Engenheiro de Produção é também conhecido por sua formação generalista e seu grande leque de atuação. Aprofundando ainda mais, segundo a ABEPRO, abaixo seguem as áreas da engenharia de produção. No ANEXO II, são acrescentadas as sub-áreas. 1. Gestão dos Recursos, Processos, Sistemas de Produção e Operações 2. Pesquisa Operacional 3. Qualidade 4. Engenharia do Produto 5. Ergonomia e Higiene e Segurança do Trabalho 11

12 6. Engenharia Econômica 7. Gestão de Recursos Naturais 8. Engenharia da Estrutura Organizacional 9. Educação em Engenharia de Produção 10. Ética e Responsabilidade Social em Engenharia de Produção 11. Desenvolvimento Regional Sustentado e a Engenharia de Produção Dessa forma, pode-se ver a diversidade de áreas onde o engenheiro pode se aprofundar e atuar. 2.4) Formação no CGEP da UFMG No Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFMG, além das disciplinas básicas já citadas, o curso está dividido principalmente em duas formações Complementares: - Processos Discretos (Engenharia Produção-Mecânica). Composta, principalmente, por disciplinas do curso de Mecânica como: Introdução ao Projeto, Elementos de Máquina I, Metrologia, Ciência dos Materiais, Sistemas Fluidomecânicos. Grade completa de disciplinas no ANEXO III. - Processos Contínuos (Engenharia Produção-Automação). Composta, principalmente, por disciplinas dos cursos de Automação e Computação como: Algoritmos e Estrut. de Dados I, Informática Industrial, Automação em Tempo Real, Sist. Integrados de Manufatura, Introdução à Eng. de Controle. Além de algumas disciplinas onde os processos são contínuos, como: Proc. Metalúrgicos, Proc. em Engenharia Mineral. Grade completa de disciplinas no ANEXO IV. 12

13 Além das duas Formações Complementares citadas acima, o núcleo específico do CGEP está estruturado em sub-áreas: - Qualidade e Desenvolvimento do Produto; - Pesquisa Operacional e Manufatura; - Ergonomia; - Organização do Trabalho. Além das duas opções acima e do Bacharelado Puro, há uma quarta opção, que é a Formação Complementar Aberta, em que o aluno tem maior flexibilidade de incluir disciplinas de outras escolas e cursos, a fim de se especializar em determinada área. As disciplinas devem ser aceitas por um professor-orientador. Conforme explicação do professor Maurício Cardoso, excoordenador do curso, Nesta opção o aluno deve ter a orientação de um professor tutor que irá definir um conjunto de disciplinas não constantes na grade do curso e, que de forma coerente, caracterizam uma formação particular consistente com o perfil do Engenheiro de Produção. Além disso, ainda pode-se incluir uma formação livre a qualquer um dos quatro tipos de formação já vistos. Nesse caso, o aluno tem um acréscimo de 12 créditos a mais para escolher como disciplinas eletivas. 2.5) Excel e VBA A criação de planilhas eletrônicas se deu quando em 1978, Daniel Bricklin, aluno da Escola de Administração da Universidade de Harvard, percebeu que seu mestre de finanças dispendia muito tempo para modificar e 13

14 editar novos cálculos, que estavam dispostos em colunas e linhas, na forma de tabelas, no quadro negro. O problema era que quando ele alterava uma variável, todos o dados referentes deveriam ser atualizados também. Um por um. Neste momento o professor tinha que recalcular cada fórmula, o que tomava muito tempo. Bricklin, juntamente com seu amigo e programador Robert Frankston, elaboraram um programa que simulava o quadro negro do professor. Tratava-se do desenvolvimento da primeira Planilha Eletrônica. Fundaram a empresa VisCorp, e criaram a primeira planilha eletrônica, o VisiCalc. Segundo Bricklin, o VisiCalc took 20 hours of work per week for some people and turned it out in 15 minutes and let them become much more creative.". Uma redução de 20 horas, em tarefas feitas manualmente, para apenas 15 minutos, se feitas pelo software. Ou seja, uma redução de quase 99% do tempo gasto. Como segue na figura. VisiCalc 20h (1200min) 15min Redução de: 98,75%!!! Figura 2 Eficiência com o uso do VisiCalc O Microsoft Office Excel é o programa de planilha eletrônica dominante nos computadores do mundo. Fazendo parte do Pacote Office, o software é utilizado por pessoas comuns, em tarefas simples de cálculo, até grandes empresas, como ferramenta de controles, bancos de dados, etc. É difícil de imaginar ou mencionar uma empresa que não utiliza a ferramenta. 14

15 Lançado em 1985 sua versão para Mac, e em 1987 para Windows, o Excel vem sendo, desde 1993, o software líder nos computadores ao redor do mundo. O uso de Excel pelas empresas traz enorme produtividade e ganho de tempo e trabalho. O VBA (Visual Basic for Applications), como já citado no início do trabalho, é a linguagem de programação que está por trás dos aplicativos do pacote Microsoft Office. Cada ação/alteração feita no Excel, PowerPoint, Word, Access, etc, é codificada em VBA. Todos os aplicativos do Pacote Office, oferecem uma forma de criar, editar, gravar e reproduzir Macros com códigos de programação. As Macros são sequências de ações em Excel, gravadas ou escritas pelo usuário. Cada macro pode ser ativada pelo usuário e todas as ações que estão programadas são feitas na planilha. Dessa forma, o domínio de Excel Avançado e VBA potencializa o uso da ferramenta. Ações repetitivas e padronizadas podem ser escritas na forma de Macros, poupando assim, grande tempo e trabalho do usuário. 2.6) Excel e VBA na faculdade O Excel e VBA, pelo menos no caso do CGEP da UFMG, não fazem parte do conteúdo das disciplinas tradicionais. As oportunidades de se aprender a ferramenta se dão apenas de forma indireta. Disciplinas como Programação de Computadores, AEDS I e II (Algoritmo e Estrutura de Dados) dão a base necessária para o aprendizado de algoritmos e linguagem de programação. A disciplina Sistema de Informação na Indústria 15

16 abrange superficialmente o tema e sugere o uso de Solver do Excel (para otimização de problemas) e o VBA para fazer uma interface com o usuário. A disciplina Sistemas de Informação Aplicados à Eng. de Produção fornece aos alunos uma base parecida com a de computação. Porém, não foca o tema em alguma etapa do curso. Em outras disciplinas, o aluno é obrigado a aprender o uso da ferramenta no desenvolvimento de trabalhos escolares, como Controle Estatístico de Qualidade, Engenharia Econômica e Economia Industrial. 2.7) Excel e VBA nas empresas Na grande maioria dos ramos de atuação do engenheiro de produção citados no Capítulo 2.2), a utilização de Excel é diária e indispensável para o funcionamento eficiente das empresas. A exemplo do aluno com quem foi feito o estudo de caso desse trabalho, em todas as empresas onde ele trabalhou, a situação com um dia - apenas um - onde o Excel deixasse de funcionar seria de extrema perda produtiva para a empresa. Seria uma situação caótica. Por exemplo, a começar por áreas onde informações e indicadores são gerados para que os trabalhadores de outras áreas trabalhem em cima das informações recebidas. Sem o início de geração de informação, todas as outras áreas ficariam travadas. E mesmo que as outras áreas recebessem as informações, a manipulação dos dados seria praticamente inviável, sem o uso do Excel. 16

17 Na Ambev, por exemplo, houve uma atualização do Excel 2003 para o Excel Houve um impacto tão grande no trabalho dos funcionários, onde, muitas pessoas acostumadas com a versão 2003 do software, se viram obrigadas a adaptar-se à nova versão. O dia de trabalho, em grande parte, se resumiu a essa adaptação para a nova versão. Essa adaptação foi forçada principalmente pela necessidade de uso do programa. Se uma mera atualização gerou tal impacto no trabalho dos funcionários, a ausência do software poderia causar enorme prejuízo para a empresa. Com o domínio da otimização de planilhas via macros, há uma grande oportunidade de melhoria na produtividade em diversas áreas da empresa. Digamos que um funcionário, todos os dias, deve executar 50 tarefas na geração de um relatório no Excel. Se essas tarefas não são subjetivas; são sequenciais e lógicas, basta traduzir o algoritmo para a linguagem VBA e colocar um "botão", por exemplo, para efetuar todas as 50 tarefas em um tempo infinitamente menor. Como será mostrado mais à frente, o que você consegue dizer ou escrever em português (ou em qualquer língua), passo a passo, de forma lógica, pode ser passado para o computador. O problema se transforma apenas em uma questão, primeiramente, de compatibilidade de dados de entrada e saída mas, principalmente, em um desafio de Tradução. Que é transformar o algoritmo em linguagem lógica de programação. Em diversos estágios ou trabalhos, vêem-se inúmeras oportunidades de implantar códigos para otimizar seu trabalho, assim como o de colegas de 17

18 função. No Capítulo IV - Resultados, serão mostrados exemplos concretos de como se dá essa contribuição em diversas áreas. 2.8) Processo de Aprendizado De acordo com o dicionário Michaelis, Aprendizagem, ou Processo de Aprendizado, de uma forma sucinta, seria: Psicol. Denominação geral dada a mudanças permanentes de comportamento como resultado de treino ou experiência anterior; processo pelo qual se adquirem essas mudanças. A palavra Aprender, é originada do latim apprehendere. Em latim, ad (para) + prehendere (pender, agarrar). Portanto, aprender, de acordo com sua origem, significa para agarrar, para prender. Portanto, algum conhecimento, quando você está tentando dominá-lo, agarrando-o a você, trazendo para dentro de si, você está, então, aprendendo. Segundo behavioristas como Ivan Pavlov e John Watson, a aprendizagem é uma aquisição de comportamentos através de processos de Estímulo e Resposta. Estímulo Resposta = Comportamento. Psicologia S- R (sendo S-R, a sigla de Stimulus-Response). Pavlov ficou conhecido por sua experiência no condicionamento de cães, feita no início do século XX. Pavlov alimentava cães ao som de uma determinada música. Posteriormente, apenas ao ouvirem a música, suas cobaias reagiam com secreção de saliva e de sucos gástricos. Pavlov provou, por meio desse experimento, que os cães desenvolvem comportamentos em 18

19 resposta a estímulos ambientais. Podendo tais comportamentos serem explicados sem que se precise entender o que se passa no plano mental ou psicológico. Um controverso experimento conduzido por John B. Watson e Rosalie Rayner, em 1920, foi o Experimento do Pequeno Albert, com o intuito de demonstrar o funcionamento do condicionamento clássico em seres humanos. No experimento, Watson, implanta uma fobia em um bebê, associando um estímulo inicialmente neutro (animais peludos) a um estímulo aversivo (som alto). A apresentação simultânea dos dois estímulos, por diversas vezes, fez com que o bebê desenvolvesse uma fobia a animais peludos. Além de polêmica no âmbito ético, a experiência foi criticada cientificamente por diversos estudiosos. Entre eles, Harris (1979), classificou os resultados do experimento como: interessantes mas não conclusivos ou interpretáveis. Para Vigotski, a aprendizagem relaciona-se ao desenvolvimento desde o nascimento, sendo a principal causa para o desabrochar do desenvolvimento do ser. Um de seus conceitos é o de Zona de Desenvolvimento Proximal, que se relaciona com a diferença entre o que a criança consegue realizar sozinha e aquilo que, embora não consiga realizar sozinha, é capaz de aprender e fazer com a ajuda de uma pessoa mais experiente, como adulto, criança mais velha ou com formas de facilitar o aprendizado. A Zona de Desenvolvimento Proximal é, portanto, tudo o que a criança pode adquirir em termos intelectuais quando lhe é dado o suporte educacional devido. 19

20 Jean Piaget, considerado o maior cientista do desenvolvimento cognitivo, traz em sua teoria de equilibração, os conceitos de assimilação e acomodação. Quando uma pessoa entra em contato com um novo conhecimento, há naquele momento um desequilíbrio e surge a necessidade de voltar ao equilíbrio. O processo de aprendizado se dá por duas etapas: assimilação e acomodação. O processo começa com a assimilação do elemento novo, com a incorporação às estruturas já esquematizadas através da interação. Iniciam mudanças internas no indivíduo e tem início o processo de acomodação, que aos poucos chega à organização interna. Começa a adaptação externa no indivíduo quando a internalização já aconteceu. Um novo equilíbrio volta a acontecer quando o indivíduo já passa a dominar determinado conhecimento. Segundo Wadsworth (1996), se a criança não consegue assimilar o estímulo, ela tenta, então, fazer uma acomodação. Modificando um esquema ou criando um esquema novo. Quando isso é feito, ocorre a assimilação do estímulo e, nesse momento, o equilíbrio é alcançado. Segundo a taxonomia dos objetivos educacionais, de Benjamin Bloom, de 1956, o aprendizado pode ser classificado em três domínios: cognitivo, psicomotor e afetivo. Segue uma tabela resumida das etapas de aprendizado de cada domínio. 20

21 Figura 3 - Taxonomia dos objetivos educacionais, de Benjamin Bloom No livro Use Your Head, Tony Buzan, questiona: Na escola, passei milhares de horas aprendendo matemática. Milhares de horas aprendendo linguagem e literatura. Milhares de horas em ciências, geografia e história. Então me perguntei: (...) Quantas horas aprendendo como aprender? Quantas horas aprendendo como o meu cérebro funciona? Quantas horas aprendendo sobre a natureza do meu pensamento e como ele afeta meu corpo? E a resposta foi: nenhuma, nenhuma, nenhuma, nenhuma. Em outras palavras, na verdade, não me ensinaram a usar minha cabeça Entrando na parte prática da aprendizagem, existem alguns fatores que contribuem para o processo: - Motivação. Pessoas motivadas a aprender determinado assunto, estudam com mais afinco. Esse estímulo é de grande valia para a eficiência do aprendizado. Há várias formas de motivar o aprendizado. Uma delas, segundo Dryden & Vos, é integrar visão de futuro. Sabendo-se do objetivo final de tal aprendizado e sua importância, o indivíduo é motivado. 21

22 - Conhecimentos anteriores. Em todo processo de aprendizado uma base é importante para o processo. O domínio da própria linguagem é uma dessas bases. - Tolerância quanto à quantidade de informação. Cada indivíduo tem um limite de informação que consegue assimilar durante um determinado tempo. - Tolerância quanto à qualidade de informação. Novamente, cada indivíduo tem, também, uma tolerância quanto a qualidade dos meios de ensino. Formas alternativas de se ensinar são úteis para tornar o aprendizado menos maçante. - Melhor preparação e organização do ensino. Professores, por exemplo, que preparam suas aulas e as ministram de forma organizada, contribuem para o processo. - Cooperação. Tanto do aprendiz quanto do mestre é importante e se somam para a eficiência e eficácia no processo de aprendizado. Reforçando a importância de se entender a finalidade do aprendizado com uma visão de futuro, segue extrato de Leontiev, de Imaginemos um aluno lendo uma obra científica que lhe foi recomendada. Eis um processo consciente que visa um objectivo preciso. O seu fim consciente é assimilar o conteúdo da obra. Mas qual é o sentido particular que toma para o aluno este fim e por consequência a acção que lhe corresponde? Isso depende do motivo que estimula a actividade realizada na acção da leitura. Se o motivo consiste em preparar o leitor para a sua futura profissão, a leitura terá um sentido. Se, 22

23 em contrapartida, se trata para o leitor de passar nos exames, que não passam de uma simples formalidade, o sentido da sua leitura será outro, ele lerá a obra com outros olhos; assimilá-la-á de maneira diferente. (LEONTIEV, 1978). Existem diversas formas de se aprender. Algumas delas: - Visual: aprendizagem centrada na visualização; - Auditiva: centrada na audição; - Leitura/escrita: aprendizagem através de textos; - Ativa: aprendizagem através do fazer; Segundo provérbio creditado a Confúcio: "Eu escuto e esqueço. Vejo e lembro. Faço e entendo.. Uma adaptação, com foco na atividade e exercitação como meio de se aprender, seria: Eu escuto e esqueço. Eu vejo e entendo. Eu faço e aprendo. Dessa forma, a atividade seria a principal forma de se absorver os conteúdos na Memória de Longo Prazo (memória mais duradoura). O condicionamento não deixa de ser um método de aprendizado focado na atividade repetitiva. No estudo de caso, será mostrada uma forma de aprendizado onde estavam presentes: o elemento motivacional e, principalmente, grande prática /exercitação e a busca por conhecimentos. III - ESTUDO DE CASO 3.1) Metodologia aplicada ao caso 23

24 Para o presente trabalho, a metodologia adotada passa por duas etapas. Na primeira etapa, é mostrado um caso de aprendizado de Excel Avançado e VBA. É mostrado o caso de um aluno que se lançou no desafio de dominar a ferramenta de forma extracurricular e autodidata. Na segunda etapa, é mostrado como uma oportunidade de desenvolvimento de uma Planilha para ajudar o Processo de Matrícula dos alunos da UFMG contribuiu para o processo de aprendizado do aluno. 3.2) Processo de Aprendizado de Excel Avançado e VBA Nesse item, será ilustrado um caso de um aluno que se lançou ao desafio de aprender o uso da ferramenta, mostrando todo seu processo de aprendizado. Sabendo da importância de ter o domínio da ferramenta, ele se lançou ao desafio de aprender Excel Avançado e VBA. Ninguém discorda que é realmente fantástica a ideia de um botão, que ativado pelo usuário, seja capaz de fazer multi-tarefas. Essas, antes feitas passo a passo pelo usuário. Como já discutido, o fato da faculdade não oferecer conteúdos diretamente ligados ao aprendizado e desconsiderando a alternativa de se pagar por cursos extracurriculares, o aluno iniciou o aprendizado de forma auto-didata. Procurando cursos e apostilas na internet, começando por apostilas (www.apostilando.com.br, principalmente), fazendo downloads gratuitos de cursos de VBA e Excel Avançado. Segundo relato, desde o início o conteúdo era interessante. Algumas apostilas, nas primeiras lições, já ensinavam a implementação de botões onde se associavam algumas simples tarefas. 24

25 Abaixo segue uma imagem de inúmeras apostilas que se encontra gratuitamente na internet. Figura 4 Exemplo de site com apostilas de Excel e VBA gratuitas. Com a vontade crescente de se aprofundar no assunto, foram surgindo alguns obstáculos. Quanto mais se aprofundava, mais complexo e cansativo ficava o conteúdo das apostilas. O aluno precisava de uma motivação maior para continuar aprendendo de uma forma menos cansativa e mais inspiradora. No próximo item, vamos mostrar como um desafio lançado ao aprendiz, torna a processo de aprendizado mais produtivo e motivador ) Oportunidade de aprendizado contribuindo para o Processo de Matrícula da UFMG. 25

26 Paralelamente, o aluno estava cursando a disciplina Empreendedorismo, com o professor João Martins. O professor sugeriu que os alunos propusessem melhorias para o Sistema de Matrícula da UFMG. Mais especificamente; algo que facilitasse a matrícula dos alunos, como uma ferramenta para ajudá-los no Planejamento de Matrícula. A etapa de matrícula no curso de Engenharia de Produção - mas não só nesse curso é um grande desafio aos alunos. Ter 100% de satisfação em relação à matrícula é mérito de poucos. É claro para todos, o limite de capacidades existentes nas disciplinas/turmas ofertadas. Portanto, um Planejamento bem feito e objetivo do aluno ajuda a reduzir a carga de estresse de todas as partes: aluno, colegiado e escola de engenharia. Com essa sugestão de auxílio à matrícula, o aluno viu uma boa oportunidade de desenvolver uma planilha, usando os conhecimentos de Excel que já tinha e, principalmente, aprender outros conhecimentos mais avançados que iriam ser necessários na produção desse produto. Que, no caso, era uma planilha. Entrando mais um pouco no processo de matrícula, o aluno, no ato de seu Planejamento de Matrícula, se depara com 2 principais obstáculos: 1) Garantir que não haja sobreposição de horários de disciplinas. 2) Garantir que não sejam quebrados pré-requisitos. Além disso, os alunos desejam tentar, ao máximo, uma carga horária, onde: 3) As janelas entre as disciplinas estejam ao máximo preenchidas. Ou seja, o aluno busca, de todas as formas, disciplinas para preencher as lacunas 26

27 em sua grade de horários do semestre seguinte. Salvo poucos casos onde o aluno deseja alguma lacuna entre as disciplinas para estudar para as mesmas. Isso ocorre muito com quem trabalha em algum turno e tem pouco tempo para estudar em casa. Mas mesmo esse aluno, pode ser ajudado com uma planilha que facilite o Planejamento de sua Matrícula. O objetivo passou então a ser: Gerar uma planilha onde o Colegiado a alimentasse com a oferta de disciplinas para o semestre seguinte. E o aluno pudesse vencer os 3 obstáculos citados acima, de forma prática e eficaz. Com isso, muita gente sairia ganhando. O aluno, por ter uma ferramenta de Planejamento de Matrícula. O Colegiado, por reduzir o número de pedidos de acertos de matrícula - inclusão e cancelamento de disciplinas, por exemplo. As escolas (Engenharia, ICEX, FACE, etc), por não contar com concorrência virtual de alunos que tentam se matricular no máximo de disciplinas possível, tirando vagas de outros alunos, e depois cancelam a matrícula em algumas disciplinas por terem conseguido outras obviamente em horário diferente. Pois o sistema, automaticamente não permite a matrícula em disciplinas em horários concomitantes. Na etapa inicial do desenvolvimento da planilha, houve a continuação do uso das apostilas. Mas, principalmente, à busca (em sites de busca) por códigos em VBA que faziam o que queria e pudesse ver a sintaxe da linguagem. Além disso, o Excel tem uma ótima ferramenta que permite gravar Macros. Macros são algoritmos de ações feitas nas planilhas. Exemplo: Você clica em Gravar > Executa diversas tarefas e alterações na planilha > Aperta stop. Pronto; a 27

28 macro está gravada. Uma vez gravada, é possível visualizar todo o código referente a cada ação efetuada pelo usuário. Por exemplo, ao selecionar a Célula A1 de uma planilha e escrever TESTE, o código associado a essa ação é: Range("A1").Select ActiveCell.FormulaR1C1 = "TESTE". Dessa forma, analisando os códigos que são gerados, é possível aprender de forma prática a linguagem VBA. Por isso, a importância, já discutida, das disciplinas do curso que preparam o aluno com base em Programação de Computadores. O aluno com experiência em linguagens de programação, consegue com muito mais facilidade entender os códigos em VBA por trás das macros. Segue uma analogia dessa vantagem de quem conhece de linguagens de programação. As linguagens de programação podem ser consideradas línguas indígenas de tribos que antes falavam apenas uma língua: uma língua raiz. A partir dessa língua raiz foram originadas outras línguas, conforme o tempo e separação geográfica dessas tribos. Então, passou-se a ter diversas tribos falando línguas diferentes, mas com uma mesma base a língua raiz. Portanto, se uma pessoa já estudou alguma dessas línguas, com certeza, terá mais facilitade para aprender as outras. E se estudou a língua raiz, também terá maior facilitade para aprender as demais. Essa língua raiz, no caso de linguagens de programação, pode ser representada pela liguagem de algoritmos lógicos de programação, codificados em Inglês, que é a linguagem universal de computação. 28

29 Portanto, o domínio do inglês também é importante para facilitar o aprendizado de qualquer linguagem de programação. E o aprendizado de qualquer linguagem de programação facilita enormemente o aprendizado de outras linguagens. Pois a raiz de toda linguagem são estruturas lógicas codificadas em inglês. Uma vez conhecendo as estruturas lógicas e a codificação em inglês, o problema passa a ser apenas uma questão de Tradução, de linguagem para linguagem. Dessa forma, basta o uso de um dicionário. Que pode estar na forma de tutoriais, apostilas, livros, busca na internet, etc. Citando o professor Ricardo Saraiva, do DEP, se você consegue dizer, em português mesmo, um algoritmo, você consegue escrevê-lo computacionalmente. Dessa forma, o algoritmo pode ser escrito de qualquer forma. Depois, o problema é só uma questão de tradução, como já dito. Uma dificuldade no desenvolvimento de uma planilha está no layout. Definir o layout, o que estará em cada coluna e linha, dificilmente é feito de uma forma definitiva. Adaptações e melhorias ocorrem ao longo do desenvolvimento do projeto. Entretanto, um esboço primário é fundamental para que o projeto se desenvolva de forma mais clara e orientada. Portanto, vale a pena dedicar um tempo inicialmente para desenvolver o esboço da planilha final desejada. Alguns desenvolvedores fazem apenas o esboço do layout, mentalmente. Porém, grande parte dos problemas pode ser vista apenas quando a planilha está sendo desenvolvida ou os códigos estão sendo gerados. Dessa forma, ressalta-se a importância de um esboço para possível antecipação de desafios futuros. 29

30 3.3) Desenvolvimento de Planilha para o Planejamento de Matrícula No desenvolvimento da Planilha de Planejamento de Matrícula, a primeira atividade foi gerar um esboço do layout da planilha. Para isso, foram planejadas linhas e colunas seguindo o layout abaixo. Figura 5 Layout da Planilha de Planejamento de Matrícula Dessa forma, a Coluna A ficaria para preenchimento do aluno de acordo com as opções, para cada disciplina: - Já Cursada : indicando que o aluno já cursara a disciplina. - INCLUIR : indicando o desejo do aluno de incluir a disciplina para cursá-la no próximo semestre. Dessa forma, os 2 check`s seriam feitos: 1) Sobreposição de horários. 2) Cumprimento de pré-requisitos. 30

31 Para a sobreposição de horários, seria necessário checar a combinação de todos os pares das disciplinas INCLUÍDAS. Dessa forma, de acordo com a fórmula de combinação de análise combinatória, se N denota o número de disciplinas selecionadas, seria necessário um total de N!/(2!(N-2)! combinações para serem checadas se há a sobreposição de resultados. Em cada cheque, surge um desafio, exemplificado abaixo: Suponhamos 2 disciplinas A e B, com seus horários de início (1) e término (2): A1: início de A A2: término de A B1: início de B B2: término de B Dessa forma, o desafio passou a ser escrever a equação lógica que determina se há ou não a sobreposição das disciplinas A e B. Abaixo são ilustradas situações onde há ou não a sobreposição das disciplinas A e B. 31

32 SITUAÇÕES COM SOBREPOSIÇÃO SITUAÇÕES SEM SOBREPOSIÇÃO A1 A2 A1 A2 B1 B2 B1 B2 A1 A2 A1 A2 B1 B2 B1 B2 A1 A2 B1 B2 A1 A1 B1 B2 Figura 6 Situações onde há, ou não, a sobreposição de disciplinas. Analisando-se as situações onde não há sobreposição, verifica-se que a equação lógica para a solução do problema torna-se: SE (A1 <= B2) E (A2>=B1) -> HÁ SOBREPOSIÇÃO SENÃO -> NÃO HÁ SOBREPOSIÇÃO Dessa forma, pode-se determinar, para cada dia, se há a sobreposição das disciplinas INCLUÍDAS. Para verificar o cumprimento de pré-requisitos, a lógica é a seguinte. Para cada disciplina INCLUÍDA, verifica-se se há pré-requisitos para cursá-las. O check é feito nas Colunas S, T e U. Pois no curso de Eng. de Produção da UFMG, o máximo de pré-requisitos é de 3 disciplinas. Caso haja algum prérequisito nas disciplinas INCLUÍDAS, uma busca é feita na Coluna B. Quando encontrada a disciplina pré-requisitada, é verificado o que está preenchido na 32

33 Coluna A. Se estiver como Já cursada, o cumprimento do pré-requisito está cumprido e a seleção está OK. Se a célula na Coluna A estiver em branco ou preenchida com INCLUIR, o pré-requisito ainda não foi cumprido e a seleção está com PROBLEMA. A codificação em VBA de todos os check`s é feita via loopings. Loopings são mecanismos de programação para que varreduras sejam feitas para analisar e comparar dados. Segue um exemplo de looping. Em cada linha há um comentário explicando o que é feito: 1) For i = 1 to 500 2) If Cells(i, 1).Text = "INCLUIR" then 3) For j = 1 to 500 4) If j < > i then 5) If Cells(j, 1).Text = "INCLUIR" then Determina a varredura de 500 linhas. Da linha 1 a linha 500. Seleciona a célula da Linha i e Coluna 1, se ela for igual a INCLUIR. Prepara para varrer 500 linhas em busca de uma outra disciplina para comparar com a primeira já selecionada. Garante que não haja redundância. Ou seja, comparar uma célula com ela mesma. Seleciona a segunda célula INCLUÍDA para se comparar com a primeira Figura 7 Exemplo de looping na linguagem VBA. Outra facilidade proporcionada pela planilha diz respeito à busca por disciplinas para preencher lacunas na grade de horários planejada. Para isso, a planilha gera a Grade: 33

34 Figura 7 Grade de horários, gerada com as disciplinas escolhidas. Com isso, o aluno consegue visualizar as lacunas na sua grade e buscar por disciplinas. No exemplo acima, há horário vago na Terça e Quinta, a partir das 10:15. Clicando sobre Terça-feira, a macro classifica as disciplinas desse dia: Figura 8 Ordenação de disciplinas visando o preenchimento de lacunas. 34

35 Dessa forma, os alunos podem buscar por disciplinas que iniciam a partir das 10:15. Com a inclusão de uma disciplina - agora facilmente encontrada - a grade passa a ser: Figura 9 Grade final, com as lacunas preenchidas. 35

36 IV - RESULTADOS 4.1) Aplicação na Faculdade Além da planilha de Planejamento de Matrícula, foi desenvolvida outra planilha, com intuito de ajudar a Secretaria do Curso de Graduação em Eng. de Produção, durante o período de formatura dos alunos. Ao final de cada semestre, a secretaria do curso preenchia 3 vias de documentos necessários para a apresentação do Trabalho de Graduação II do aluno, para que o mesmo se formasse: - Convite - Parecer - Certificado Esse preenchimento era feito no Word. Como muitas informações eram comuns aos documentos - nome do aluno, matrícula e etc havia enorme retrabalho por parte do secretário. Era necessário repetir essas informações onde eram requeridas. Além disso, cada via deveria ser impressa individualmente: documento por documento. Foi desenvolvida então, uma planilha em Excel, com formato aproximado ao dos documentos em Word. O layout teria 4 abas. Uma aba principal, onde o aluno preencheria com todas as informações necessárias para todas as vias. E 3 abas, uma para cada via, onde cada via buscaria as informações necessárias para a mesma, que já estariam preenchidas na aba principal. 36

37 Figura 10 Planilha de Conclusão de Curso para a Secretaria do curso. De acordo com o layout acima, o aluno preencheria apenas a aba PAINEL. E todas as outras abas já seriam automaticamente preenchidas com as informações específicas para cada documento. Além disso, foi disponibilizado, também, uma macro de impressão. Em vez do secretário ter que imprimir via por via, basta marcar no PAINEL quais vias gostaria de imprimir, e clicar no botão IMPRIMIR. Com isso, apenas as vias marcadas seriam impressas automaticamente. Essa planilha trouxe enorme benefício e eficiência para o trabalho do secretário. Podemos ver pela resposta abaixo a uma pergunta feita ao secretário Marcos. Segue , com sua resposta: Daniel, 37

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

ATO NORMATIVO PROD 03/2015 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ATO NORMATIVO PROD 03/2015 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Atividades Complementares A definição, critérios para validação, computo e registro das horas estão descritos no ATO NORMATIVO PROD 03/2015, que dispõe sobre as atividades complementares do curso de engenharia

Leia mais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Lustre sem graxa Engenharia de Produção Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Falo sempre com a minha família que não

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da Projeto Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e ( pt ) Automação na Wikipédia Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da ( 2009 UFLA (II Professores: Roberto

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014 1 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Dom Pedrito 2014 2 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Trabalho cujo objetivo passar conhecimento básico e avançado na Disciplina

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO. 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED?

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO. 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES FEITAS PELO ALUNO 1. O que são as Atividades Complementares de Ensino do NED-ED? O Centro Universitário de Goiás (Uni-Anhangüera) estabeleceu no início letivo de 2006 que todo

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Elaboração do programa das disciplinas

Elaboração do programa das disciplinas Elaboração do programa das disciplinas Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Questões fundamentais O que pretendo alcançar? Uma disciplina

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar.

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. Com Conciliac é possível conciliar automaticamente qualquer tipo de transação; Bancos, Cartões de Crédito e Débito, Contas

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Excel 2010 Módulo i. Incrementando. Seus conhecimentos

Excel 2010 Módulo i. Incrementando. Seus conhecimentos Excel 2010 Módulo i Incrementando Seus conhecimentos Aperfeiçoando A sua prática Página 1/10 ÍNDICE. Histórico... 003. Definição de Planilha Eletrônica... 006. Formas de Ponteiro... 013. Referências...

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Http://www.rnc.org.br

Http://www.rnc.org.br Sinopse... 02 Saudação... 03 Introdução... 04 Composição do banco de dados... 05 a 07 Criando um banco de dados pelo assistente... 07 a 10 Criando um banco de dados pelo modo estrutura... 10 a 16 Recursos

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia?

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia? FRANQUIA UnicEAD para cursos presenciais Qual minha proposta de parceria? Parceria de prestação de serviços educacionais, onde eu lhe concedo o direito de uso sobre meus materiais dos cursos à distância,

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Roteiro do Programa APRESENTAÇÃO. Este manual apresentará passo a passo o Programa de Auto-Atendimento

Roteiro do Programa APRESENTAÇÃO. Este manual apresentará passo a passo o Programa de Auto-Atendimento NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Roteiro do Programa Manual Etapa Zero Bem-vindo! É um prazer ter você participando do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo, concebido pelo Sebrae

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais