A AFD EM MOÇAMBIQUE. Uma parceria antiga e diversificada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AFD EM MOÇAMBIQUE. Uma parceria antiga e diversificada"

Transcrição

1 A AFD EM MOÇAMBIQUE Uma parceria antiga e diversificada

2 Acompanhar a estratégia de desenvolvimento e de crescimento Parque Nacional das Quirimbas actividades comunitárias (poços) Depois de mais de 15 anos de guerra civil que acabaram em 1992, Moçambique lançou-se, com o apoio da comunidade internacional, num vasto programa de reconstrução e de reformas. Esta vontade traduz-se num crescimento elevado, na ordem do 8% anuais há mais de dez anos. A estratégia do governo em matéria de desenvolvimento está definida no PARPA (Plano de Acção para a Redução da Pobreza Absoluta). Depois dos progressos registados pelo PARPA 1 (2001 a 2005), que permitiu a diminuição de 69% em 1997 para 54% em 2003 a percentagem da população a viver abaixo do limiar da pobreza, o PARPA 2 ( ) tem em vista a redução da pobreza para 45% em 2009 e a conservação de uma taxa de crescimento elevada (7% por ano), graças, nomeadamente, ao desenvolvimento do sector privado. O PARPA 2 articula-se em torno de três vertentes de reformas : a governação, o desenvolvimento humano e o desenvolvimento económico. MOÇAMBIQUE, PAÍS PILOTO PARA A HARMONIZAÇÃO DA AJUDA Moçambique beneficia de um importante apoio da comunidade internacional, o que incitou o governo moçambicano e os seus parceiros a se envolverem bastante cedo no processo de harmonização e melhoria da eficácia da ajuda. Desde o ano 2000, Moçambique beneficia nomeadamente de um programa de ajuda orçamental global, que associa 19 parceiros (o G 19 ) em Este programa baseia-se num diálogo estruturado entre o governo e o G 19, alinhado sobre o ciclo orçamental moçambicano. Os desempenhos do governo são avaliados por um dispositivo de grupos de trabalho temáticos e sectoriais que associam os doadores, os ministérios e a sociedade civil. O acompanhamento dos resultados é feito de acordo com os instrumentos de planificação e execução nacionais. Este acompanhamento abrange uma matriz de indicadores macroeconómicos e de gestão das finanças públicas, de governação e de políticas sectoriais. O sucesso que teve o processo de harmonização tem a ver com a apropriação pelo governo da estratégia de luta contra a pobreza e de crescimento e a sua vontade de realizar as reformas necessárias. A AFD implementa a participação da França no apoio orçamental global desde 2002 e contribui para o conjunto das acções que visam melhorar a eficácia da ajuda, em conformidade com a Declaração de Paris de Março de A SAÚDE, UM SECTOR ESSENCIAL PARA A POPULAÇÃO No sector da saúde, no qual a França é um interveniente histórico, a AFD contribui para a realização dos Objectivos do Milénio a favor da diminuição da mortalidade materna e infantil, de combate contra o HIV Sida e as doenças transmissíveis, e para um melhor acesso aos medicamentos essenciais. Os financiamentos da AFD integram-se, ao lado dos outros parceiros de desenvolvimento, no programa sectorial do Ministério da Saúde. Um apoio particular é concedido à província de Cabo Delgado, uma das províncias mais pobres do país. A ajuda é implementada segundo modalidades variadas : financiamento dos fundos comuns do programa sectorial da saúde: 13 M, programa intersectorial da saúde da província de Cabo Delgado: 1,5 M, ; 14,5 M, assistência técnica para a saúde na região norte: 1,4 M, apoio às ONGs que cuidam dos doentes do HIV Sida (MSF Suíça, Sant'Egidio)

3 O AMBIENTE E A PROTECÇÃO DA BIODIVERSIDADE: UM SECTOR DE FUTURO Com 3,3 milhões de hectares de áreas protegidas, Moçambique demonstra a sua vontade de fazer do desenvolvimento do ecoturismo uma grande vertente do desenvolvimento económico. Para tal, trunfos não lhe faltam: biodiversidade, locais singulares de mergulho, património histórico, proximidade da África do Sul. A AFD apoia a promoção de um desenvolvimento sustentável, associando a conservação das áreas protegidas a um desenvolvimento económico que se preocupa com a coesão social, em zonas rurais onde a pobreza é particularmente aguda. Esta estratégia declina-se em vários tipos de intervenção: apoio ao desenvolvimento do parque nacional do Limpopo : 11 M, apoio ao desenvolvimento do parque nacional das Quirimbas (AFD e FFEM) : 4,2 M, assistência técnica para a protecção e a gestão da fauna selvagem nas zonas de caça: 0,8 M, apoio à reflexão e à preparação de mecanismos de financiamento sustentável das áreas de conservação projectos em fase de instrução do FFEM no domínio da protecção da biodiversidade O EMPENHO DO GRUPO AFD EM MOÇAMBIQUE A AFD intervém em Moçambique desde A agência de Maputo foi aberta em Novembro de Até há pouco tempo, a AFD concentrou as suas intervenções na reabilitação das infra-estruturas de base (telecomunicações, energia, água) e no apoio ao sector rural para apoiar as actividades tradicionais locais (pecuária) ou de exportação (algodão, caju, copra). Entre 2001 e 2006, o volume total acumulado do grupo AFD alcançou 161,65 M, ou seja uma média anual de 27 M, dos quais 15 M em donativos (incluindo o C2D) e 12 M em empréstimos. A repartição das concessões por sector está ilustrada no gráfico abaixo. Para estender a sua actividade, o grupo AFD dispõe em Moçambique de uma vasta gama de produtos financeiros, que vão das subvenções ao Estado (financiamentos de projectos/programas, incluindo de assistência técnica, pela AFD, o Fundo Francês para o Ambiente Mundial FFEM, ou ainda o Programa de Reforço das Capacidades Comerciais PRCC), até aos empréstimos às empresas públicas ou privadas. A Proparco, filial da AFD que se dedica ao financiamento do sector privado, está igualmente activa e propõe empréstimos nas condições do mercado, em participações e garantias. A AFD gere também, por conta do Estado Francês, o Contrato da Redução da Dívida e Desenvolvimento (C2D), no quadro do esforço adicional francês para o tratamento da dívida dos países pobres endividados (iniciativa PPTE). As subvenções do C2D correspondem ao refinanciamento por donativo dos montantes vencidos de ajuda pública ao desenvolvimento. O montante refinanciado para o período ascende a 60 M. Repartição por sector dos compromissos do grupo AFD no período % 2% 12% 9% 18% 9% 38% Desenvolvimento rural/pesca Infra-estruturas (1) Indústria Saúde Meio ambiente Apoio orçamental Outros (1) energia, água, telecomunicações e estradas Ilha do Ibo

4 A ESTRATÉGIA DA AFD PARA O PERÍODO As intervenções da AFD inserem-se num âmbito duplo : a estratégia do governo definida no documento de estratégia de acção para a redução da pobreza absoluta (PARPA 2), a estratégia da França em Moçambique (ela própria desenvolvida a partir do PARPA 2) definida no Documento Quadro de Parceria (DCP) assinado entre a França e Moçambique em Julho de Este documento fixa as orientações da cooperação francesa para os cinco anos e retém como sectores de concentração a saúde e o ambiente, bem como a água fora do sector de concentração. As vertentes de intervenção da AFD : a valorização e a gestão sustentável dos recursos naturais: gestão sustentável das áreas protegidas e da biodiversidade, segundo um procedimento de gestão comunitário e de desenvolvimento local, a melhoria sustentável e equitativa dos serviços básicos: (1) sector saúde: apoio à política sectorial do sector, orientada pelo Ministério da Saúde e em ligação com os outros doadores. (2) sector água e saneamento, nomeadamente na hidráulica periurbana, a participação no financiamento global da estratégia nacional de luta contra a pobreza, por via do apoio orçamental global, os empréstimos às empresas dos sectores público e privado, em particular para as infraestruturas (energia, telecomunicações, transportes, água, etc.). A acção da AFD em Moçambique abrange, por último, uma dimensão regional, através das intervenções que contribuem para a melhoria da eficácia económica e para a integração regional, tais como os parques nacionais transfronteiriços ou as infra-estruturas do sector da energia. Quelimane - Aquapesca aquacultura de camarão A ACTIVIDADE DO GRUPO AFD EM BENEFÍCIO DAS EMPRESAS, MOTOR DO DESENVOLVIMENTO As intervenções do grupo AFD em favor do sector privado privilegiam três vertentes estratégicas : o financiamento das empresas em áreas industriais com forte valor acrescentado e portadoras de competência local, o financiamento dos estabelecimentos bancários e financeiros, nomeadamente para os acompanhar no financiamento dos projectos produtivos, a promoção das parcerias público-privado, em particular no sector das infra-estruturas (principalmente a energia). No sector da energia, foram acordados vários financiamentos pela AFD em benefício das empresas públicas Electricidade de Moçambique (EDM), Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), Motraco e Companhia Moçam-bicana de Hidrocarbonetos CMH). As empresas de telecomunicações TDM e mcel são parceiras de longa data da AFD. No financiamento do sector privado, a Proparco acompanhou os grandes projectos da fundição de alumínio da Mozal e de produção de gás natural do grupo Sasol. Vários investimentos agro-industriais foram apoiados, de entre os quais a empresa de aquacultura de camarão Aquapesca. A Proparco participa também no desenvolvimento dos serviços financeiros e acompanhou a implantação em Moçambique de um grupo bancário da região. De 1995 a 2006, o total dos empréstimos da AFD ascendeu a 75 M e da Proparco a 80 M. Quelimane - Aquapesca aquacultura de camarão

5 Mercado Maputo beneficiário de micro crédito MOÇAMBIQUE ALGUNS EXEMPLOS DA PARCERIA DIVERSIFICADA DO GRUPO AFD EM MOÇAMBIQUE AFD, subvenção de 8,5 M para os fundos comuns da saúde que financiam a estratégia da saúde do governo, participação no diálogo sectorial, componente de apoio directo a ONGs que trabalham na luta contra o HIV Sida. AFD, subvenção de 1,4 M para dois assistentes técnicos da saúde na região norte do país AFD, subvenção de 11 M para o desenvolvimento do parque do Limpopo : desenvolvimento da zona habitada na orla do parque, infra-estruturas, apoio à administração do parque. Co-financiamento com a KfW, a GTZ, o Banco Mundial e a fundação sul-africana Peace Parks Foundation FFEM, subvenção de 0,7 M em apoio ao desenvolvimento do parque das Quirimbas, financiamento da componente biodiversidade, conservação e formação AFD, subvenção de 7M para a melhoria do acesso à água nos bairros peri-urbanos de Maputo AFD, subvenção de 0,55 M a favor da ONG francesa Interaide para um programa de abastecimento de água potável, saneamento e higiene do meio rural na província de Nampula AFD, subvenção de 3 M para o desenvolvimento de uma instituição de microfinanças mutualista (Caixa Comunitária) AFD, empréstimo de 20 M à CMH, empresa pública moçambicana do sector da energia, para a sua participação no projecto de extracção e processamento do gás de Pande e Temane, realizado pela empresa sul-africana Sasol Proparco, empréstimo de 8 M à sociedade Aquapesca, empresa de aquacultura de camarão destinado à exportação. 300 hectares de bacias e uma fábrica em Quelimane, 600 empregos. Proparco, empréstimo de 10 M à Sasol para um gasoduto com um comprimento de 700 Km ligando os campos de gás de Pande e Temane à África do Sul CEFEB (Centro de Estudos Financeiros, Económicos e Bancários), centro de formação da AFD, sedeado em Marselha: formações com diploma, seminários de curta duração ou seminários realizados por encomenda

6 Foto da capa e foto acima : Parque Nacional das Quirimbas instalação de uma corda embebida de picante para afastar os elefantes A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) é um estabelecimento público ao serviço de uma missão de interesse geral: o financiamento do desenvolvimento. Instituição financeira especializada, a Agência financia nos cinco continentes com uma primazia para a África que representa dois terços dos seus compromissos projectos económicos e sociais levados a cabo pelos poderes públicos locais, empresas públicas ou sector privado e associativo. Estes projectos dizem respeito ao desenvolvimento urbano e às infra-estruturas, ao desenvolvimento rural, à indústria, aos sistemas financeiros, à preservação do meio ambiente, bem como à educação e à saúde. A Agência insere as suas intervenções no quadro dos Objectivos do Milénio, no cruzamento dos objectivos de crescimento económico, de redução da pobreza e da preservação do ambiente. O desenvolvimento sustentável é a base da estratégia da AFD. Ela desenvolve parcerias financeiras e intelectuais com outros doadores e contribui, em ligação com as suas tutelas, na elaboração das políticas públicas e na influência francesa na esfera do desenvolvimento. AGÊNCIA FRANCESA DE DESENVOLVIMENTO 5 Rue Roland Barthes Paris cedex 2 França Tel : Fax Agência de Maputo Avenida 24 de Julho, n 1500 CP 2647 Maputo Moçambique Tel : Fax : Director : Bruno Leclerc FMT Consulting - Tel. : (+33) Créditos fotos: AFD - Aquapesca / Agosto de 2007 Esta edição foi impressa no respeito do meio ambiente com tintas vegetais e em papel FSC (gestão sustentável das florestas)

Barragem de Cahora Bassa Egídio Ombe HCB A AFD EM MOÇAMBIQUE. Uma parceria sustentável e diversificada

Barragem de Cahora Bassa Egídio Ombe HCB A AFD EM MOÇAMBIQUE. Uma parceria sustentável e diversificada Barragem de Cahora Bassa Egídio Ombe HCB A AFD EM MOÇAMBIQUE Uma parceria sustentável e diversificada ACOMPANHAR A ESTRATÉGIA Província de Nampula Criação de infra-estruturas hidráulicas e sanitárias Em

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

As Comunidades Locais e a Delimitação no contexto da Estratégia de Desenvolvimento Rural

As Comunidades Locais e a Delimitação no contexto da Estratégia de Desenvolvimento Rural REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural As Comunidades Locais e a Delimitação no contexto da Estratégia de Desenvolvimento Rural

Leia mais

Rizicultura no Vietname AFD, Nils Devernois AGRICULTURA FAMILIAR. Agence Française de Développement. Traduction manquante

Rizicultura no Vietname AFD, Nils Devernois AGRICULTURA FAMILIAR. Agence Française de Développement. Traduction manquante Rizicultura no Vietname AFD, Nils Devernois Agence Française de Développement AGRICULTURA FAMILIAR Traduction manquante As agriculturas familiares: um modelo universal As agriculturas familiares formam

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015 (Versão Preliminar) Maio de 2015 1 Orçamento Cidadão 2015 Visão: Assegurar a participação

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE Moçambique é um dos dez países no mundo mais atingido pelo HIV/SIDA com uma prevalência de 16.2%. Devido

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

Workshop Mercado de Angola

Workshop Mercado de Angola Papel das Instituições Financeiras Multilaterais e dos Instrumentos Financeiros de Cooperação Bilateral Competências do Coordenação da actividade do MFAP no âmbito das relações internacionais Gestão da

Leia mais

ASSINE A PETIÇÃO CONTRA A POBREZA

ASSINE A PETIÇÃO CONTRA A POBREZA Nós, os cidadãos da Europa Achamos que a pobreza diz respeito a todos. Cabe aos responsáveis europeus, nacionais, regionais e locais, assim como aos cidadãos, reconhecer, compreender e agir no sentido

Leia mais

PDR 2014-2020 - Relação entre as Necessidades e as Prioridades / Áreas foco DR

PDR 2014-2020 - Relação entre as Necessidades e as Prioridades / Áreas foco DR Aumentar a capacidade de gerar valor acrescentado no setor agroflorestal de forma sustentável Aumentar a produção, a produtividade dos fatores e a rentabilidade económica da agricultura Melhorar a distribuição

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2016 Água e Emprego DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março foi instituído em 1992 pela Organização

Leia mais

A AFD NO BRASIL. AFD Marie-Pierre Nicollet. Uma nova parceria para o desenvolvimento sustentável

A AFD NO BRASIL. AFD Marie-Pierre Nicollet. Uma nova parceria para o desenvolvimento sustentável A AFD NO BRASIL AFD Marie-Pierre Nicollet Uma nova parceria para o desenvolvimento sustentável A estratégia da AFD no Brasil As ações da AFD visam apoiar as políticas setoriais das autoridades brasileiras

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME»)

ANEXO I QUADRO 1: CÓDIGOS DA DIMENSÃO «DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO» Investimento produtivo genérico em pequenas e médias empresas («PME») PT 8.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 69/71 ANEXO I Dimensões e códigos para as categorias de intervenção dos Fundos (1) no âmbito do objetivo de Investimento no Crescimento e no Emprego e da

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

Status quo e processos estratégicos da FP em Moçambique Angola-Luanda Março 2012

Status quo e processos estratégicos da FP em Moçambique Angola-Luanda Março 2012 Status quo e processos estratégicos da FP em Moçambique Angola-Luanda Março 2012 02.04.2012 Seite 1 Estrutura de Apresentação 1. Enquadramento e Desafios 2. Reforma da Educação Profissional 3. Programa

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

Revisor Oficial de Contas, desde 1990.

Revisor Oficial de Contas, desde 1990. 1. Dados pessoais Nome: Vitor Manuel Batista de Almeida Data de nascimento: 14 de Julho de 1956 Naturalidade: Lisboa Residência: Calçada das Lages, Lote 3, Nº 61-A, 14º C 1900-291 Lisboa Telefone casa:

Leia mais

Caracterização do Sector Português da Água

Caracterização do Sector Português da Água Caracterização do Sector Português da Água ÁGUAGLOBAL A Internacionalização do Sector Português da Água AEP - Edifício de Serviços 19 de Abril de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca,

Leia mais

Estratégia de Visibilidade

Estratégia de Visibilidade República de Moçambique MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Programa de Apoio aos Actores Não-Estatais União Europeia Estratégia

Leia mais

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Relatório Actualização sobre os primeiros 12 meses de operações. Paquistão: Cheias 2010 Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Este relatório cobre o período

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a

Leia mais

PROGRAMA GEODATA FOMENTO HABITACIONAL E PROMOTORES URBANISTICOS

PROGRAMA GEODATA FOMENTO HABITACIONAL E PROMOTORES URBANISTICOS PROGRAMA GEODATA FOMENTO HABITACIONAL E PROMOTORES URBANISTICOS Referência GDT_20150607_PUFH Versão 3 Data 07 de Junho de 2015 META-INFORMAÇÃO: Título Fomento Habitacional e Promotores Urbanísticos Data

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade Montepio, Portugal Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na

Leia mais

DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO

DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO DESENCADEANDO O EMPREENDEDORISMO O Poder das Empresas ao Serviço dos Pobres 1 Apresentação de: Emílio Moreso Grioñ Luanda, 04 de Maio de 2005 INTRODUÇÃO PARTE I -Considerações Preliminares Os Objectivos

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI JESSICA KICK-OFF MEETING PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI Mateu Turró, Director Associado Assessor especial JESSICA

Leia mais

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

Ministério do Urbanismo e do Ambiente

Ministério do Urbanismo e do Ambiente Ministério do Urbanismo e do Ambiente Conselho de Ministros Decreto n.º 2/06 de 23 de Janeiro Com a aprovação da Lei do Ordenamento do Território e do Urbanismo criaramse as condições para a implantação

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

20 de Setembro de 2005. Original: Inglês

20 de Setembro de 2005. Original: Inglês Nações Unidas Assembleia Geral A/60/L.1* Distr.: Limitada 20 de Setembro de 2005 Original: Inglês 60ª Sessão Pontos 48 e 121 da ordem de trabalhos provisória** Implementação integrada e coordenada e seguimento

Leia mais

Manual de Técnicas Básicas de Planeamento Físico

Manual de Técnicas Básicas de Planeamento Físico REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Manual de Técnicas Básicas de Planeamento Físico MAPUTO, NOVEMBRO DE 2006 Ficha Técnica Título Manual de Técnicas Básicas de Planeamento

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Formas de investimento estrangeiro Tramitação das propostas de investimento Investimento direto (%) Investimento indireto 2 REQUISITOS PARA PODER BENEFICIAR DAS GARANTIAS E INCENTIVOS

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane

Universidade Eduardo Mondlane Universidade Eduardo Mondlane - Pobreza Urbana Intercâmbio entre a Ciência e a Prática - 16 Abril de 2008 Governação Municipal Participativa e a Redução da Pobreza Fernando Vieira 1 2 Estrutura e Objectivo

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE HIV/SIDA em Moçambique O HIV/SIDA é a ameaça mais séria que Moçambique

Leia mais

- Mocambique. Projecto de Roteiro para a Elaboração da Estratégia Nacional de Desenvolvimento da Estatística (ENDE)

- Mocambique. Projecto de Roteiro para a Elaboração da Estratégia Nacional de Desenvolvimento da Estatística (ENDE) Seminário do Paris 21 sobre a Estratégia Nacional para os países PALOP e Timor-Leste Bissau, 3 a 5 de Maio de 2005 Projecto de Roteiro para a Elaboração da Estratégia Nacional (ENDE) - Mocambique 1. Índice

Leia mais

VII. Assuntos Transversais

VII. Assuntos Transversais VII. Assuntos Transversais 187. Estes assuntos são considerados transversais na medida em que não podem ser considerados isoladamente, uma vez que o plano de acção depende duma atitude concertada e integrada

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS TRATADO RELATIVO à CONSERVAÇÃO à GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS ECOSSISTEMAS FLORESTAIS de ÁFRICA CENTRALE INSTITUINDO a COMISSÃO DAS FLORESTAS de ÁFRICA CENTRAL (COMIFAC) PREÂMBULO A década passada conhe u profundas

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo

III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo III.2. Do Plano de Acção à Subvenção Global: A contratualização com Associação de Municípios no âmbito do INAlentejo A contratualização com associações de municípios no âmbito dos Programas Operacionais,

Leia mais

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Percentagens a determinar para cada ponto de luz Visualizar filme em: www.smartli.net Introdução O sistema

Leia mais

Anexo I: Termos de Referencia

Anexo I: Termos de Referencia Anexo I: Termos de Referencia República de Angola Governo Provincial de Luanda Administração Municipal de Viana Repartição Municipal de Saúde de Viana TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO FINAL EXTERNA

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência Termos de Referência Consultor(a) para Sistematização de Experiências de ONGs para os Direitos das Mulheres, na Guiné-Bissau 1. ENQUADRAMENTO 1.1 A SNV Guiné-Bissau A SNV, Organização Holandesa para o

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

Tax News Flash nº1/2012 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº1/2012 Os impostos peça a peça 3 de Fevereiro de 2012 Tax News Flash nº1/2012 Os impostos peça a peça Lei do Mecenato Foi aprovada, no passado dia 18 de Janeiro, pela Assembleia Nacional, a Lei do Mecenato. A Lei do Mecenato, agora

Leia mais

A inovação e essencial à competitividade

A inovação e essencial à competitividade Crédito A inovação e essencial à competitividade das empresas Financiamento para a inovação e desenvolvimento do sector agrícola, agro-alimentar e florestal sai reforçado no mais recente Quadro Comunitário

Leia mais

A intervenção do Instrumento JESSICA

A intervenção do Instrumento JESSICA A intervenção do Instrumento JESSICA Próximo período de programação - Algumas considerações Sílvio Costa Presidente do Instituto de Desenvolvimento Regional, IP-RAM Funchal, 03 de Junho de 2014 Com que

Leia mais

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE Suzana Saranga Loforte Gestora de Recursos Hídricos & Meio Ambiente Direcção Nacional de Águas Ministério das Obras Públicas e Habitação de Moçambique

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Durante a reunião da Cúpula do Milênio, realizada em Nova Iorque, em 2000, líderes de 191 nações oficializaram um pacto para tornar o mundo mais

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

Gove convida bancos italianos

Gove convida bancos italianos Publicado em 16-05-2014 Italianos avaliam negócios no país Uma missão empresarial da Itália estará em Maputo de 19 a 21 de Maio para estudar as várias possibilidades de investimentos que Moçambique oferece.

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 27 de Janeiro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos Nota explicativa CEDEAO - Workshop sobre Gênero e Energia para Validação da Política da CEDEAO para a Integração do Género no acesso à energia Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável

Leia mais

CCDR-N UMA INSTITUIÇÃO SMART

CCDR-N UMA INSTITUIÇÃO SMART CCDR-N UMA INSTITUIÇÃO SMART UMA LOCALIZAÇÃO SMART Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Morbi commodo, ipsum sed pharetra gravida. CCDR-N UMA INSTITUIÇÃO SMART A Comissão de Coordenação

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Lusofonia junta engenheiros em Lisboa

Lusofonia junta engenheiros em Lisboa Lusofonia junta engenheiros em Lisboa Pela mão da Ordem dos Engenheiros, o Centro Cultural de Belém foi palco da celebração da língua portuguesa no sector da engenharia. Com a internacionalização a representar,

Leia mais

Necessidade de Capacitação Institucional para os Próximos Três Anos

Necessidade de Capacitação Institucional para os Próximos Três Anos REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Reforço da Gestão Macro Fiscal No Contexto da Exploração dos Recursos Naturais Necessidade de Capacitação Institucional para os Próximos Três Anos Por: Isabel

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO Revitalização do parque habitacional dos Açores: Programas de apoio promovidos pelo Governo

Leia mais

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Tiago Valença Pinto Maputo, 31 de Maio de 2013 tiago.pinto@mozabanco.co.mz O PIB Moçambicano cresceu 7,5% em 2012 e a inflação manteve-se em patamares

Leia mais

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Contexto Os objetivos do Milénio para o desenvolvimento (OMD) tiveram como

Leia mais

Kuala Lumpur, Malásia

Kuala Lumpur, Malásia ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO,, NO FÓRUM SOBRE OPORTUNIDADES DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO EM TIMOR-LESTE Kuala Lumpur,

Leia mais

COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E MORADA HUMANA - CDM APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E MORADA HUMANA - CDM APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E MORADA HUMANA - CDM APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Abril 2008 1. DADOS JURÍDICOS E ADMINISTRATIVOS Nome: CDM Cooperação para o e Morada Humana Endereço: Rua Almirante Barroso

Leia mais