Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos"

Transcrição

1 Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO DE PROJETOS BENEFÍCIOS TRAZIDOS COM A IMPLANTAÇÃO DE UM ESCRITÓRIO DE PROJETOS FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO MODELO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO SESI-DN POSICIONAMENTO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PREMISSAS PARA DEFINIÇÃO DO MODELO FOCOS DE ATUAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS ATRIBUIÇÕES DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Atribuições com Foco em Metodologia Atribuições com Foco em Projetos Atribuições com Foco em Portfólio Atribuições da Coordenação PAPÉIS E PERFIS Metodologia (ênfase em desenvolvimento, aconselhamento e capacitação) Projeto (ênfase em suporte a projetos) Portfólio (ênfase em suporte a portfólios) Coordenação MODELO DE FUNCIONAMENTO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS RECURSOS PARA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS...16 CONSIDERAÇÕES FINAIS...21 BIBLIOGRAFIA...22

3 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Modelo do Escritório de Projetos (EP) definido para o SESI-DN a partir da avaliação do grau de maturidade aplicado ao gerenciamento de projetos, incluindo papéis e atribuições, abrangência de atuação, padrões de funcionamento e recursos necessários para a operacionalização do EP no seu primeiro ano de atuação. Este relatório está dividido em três partes: Contextualização do tema Escritório de Projetos ; O Modelo de Escritório de Projetos recomendado; Considerações finais. 3

4 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO DE PROJETOS O conceito de escritório de projetos não é muito recente, embora somente nos últimos anos vem sendo aplicado com maior freqüência pelas organizações que adotam o estilo de gerenciamento por projetos. Este modo de se organizar das empresas ganha força devido ao aumento da velocidade das mudanças no ambiente de negócios, causando uma multiplicação de iniciativas que precisam ser gerenciadas de modo uniforme e centralizado, e pela necessidade de garantir a entrega eficiente e eficaz de produtos/serviços. O certo é que a adoção dessa estrutura simplifica, facilita e otimiza o gerenciamento de projetos. Alguns autores definem o conceito de escritório de projetos como sendo: Unidade organizacional que centraliza e coordena o processo de gerenciamento de projetos sob seu domínio. Project Management Body of Knowledge PMBoK 3ª Ed. Estrutura organizacional criada para atender à demanda, em termos de coordenação, da gestão de projetos em empresas. VALERIANO, 2001 Entidade organizacional estabelecida para auxiliar os gerentes de projeto e os times da organização na implementação dos princípios, práticas, metodologias, ferramentas e técnicas do gerenciamento de projetos. XIAOYI DAÍ, Benefícios Trazidos com a Implantação de um Escritório de Projetos A implantação de um escritório de projetos traz diversos benefícios para as empresas. O principal resultado percebido no primeiro ano de implantação de um EP é o estabelecimento, a disseminação e a crescente utilização de processos, ferramentas e técnicas de gerenciamento de projetos, os quais podem fomentar de forma direta ou indireta a elevação do desempenho dos projetos. Segundo a literatura (Kate, 2000 e Gonzales & Rodrigues, 2002), os resultados que, em geral, são alcançados com a implantação de escritórios de projetos nas organizações são: Melhoria do controle dos projetos; Redução do custo dos projetos; Redução do prazo de execução dos projetos; Diminuição do número de projetos cancelados; Melhoria da capacidade de planejamento; Diminuições de alterações do escopo dos projetos; Melhoria da qualidade dos produtos/serviços gerados; Estruturação de um banco de Lições Aprendidas; Aumento de eficácia na gestão dos projetos; Padronização dos parâmetros de medição e avaliação de projetos; Melhor utilização dos padrões e ferramentas de gerenciamento; Acesso mais rápido a informações de maior qualidade; 4

5 Melhor fluxo da comunicação entre as equipes de projetos e os interessados; Aprimoramento da Gestão do Conhecimento Organizacional em gerenciamento de projetos; Decisões baseadas na corporação como um todo, e não em áreas individuais; Melhoria da imagem da empresa; Garantia da satisfação das partes envolvidas; Priorização mais realista das iniciativas e Maior clareza na percepção dos impactos dos projetos na organização. 1.2 Fatores Críticos de Sucesso Os fatores críticos de sucesso são os pontos-chave que definem o sucesso ou o fracasso de um determinado objetivo estabelecido por uma organização. A seguir são apresentados alguns fatores fundamentais para o sucesso da implantação de um escritório de projetos consolidados por GERHARD (2004): Autor Dinsmore (1999) Dinsmore (1999) Kerzner (2002) Dinsmore (1999) Kerzner (2002) Dinsmore (1999) Dinsmore (1999) Dinsmore (1999) Dinsmore (2003) Cleland (2002) Valeriano (2001) Fator Crítico de Sucesso Apoio de sponsor (patrocinador) ou diretoria com poder e influência na empresa para assegurar que fatores externos sejam tratados. Os escritórios de projetos necessitam de ressonância com a alta gerência e devem ser parte da estrutura de poder da empresa para serem eficazes. Recursos técnicos: Hardware e software atualizados e de qualidade são fundamentais para que o escritório seja eficaz. Ao desenvolver a metodologia de gestão, não reinventar a roda, não desenvolver a metodologia a partir do zero. A metodologia de gestão a ser utilizada deve ser coerente, com processos e procedimentos explicando detalhadamente como conduzir os projetos. A aceitação e utilização da metodologia pelo conjunto da organização é que conduzem à excelência em gerenciamento de projetos. Premissas organizacionais que facilitem a comunicação do escritório de projetos com as diversas áreas da organização. Pessoas qualificadas para gerenciar e prestar suporte técnico aos projetos. O escritório deve ser capaz de demonstrar os benefícios da adoção das práticas de gerenciamento que estão propondo. O papel do escritório de projetos deve estar claramente definido. O escritório de projeto deve ter apoio dos dirigentes para sua iniciação, no entanto, a continuidade do escritório é determinada pelos seus clientes, que são aqueles que recebem os produtos e serviços do escritório de projeto (dirigentes, gerentes ou líderes de projeto, membros da equipe do projeto, gerentes funcionais e stakeholders). Se os clientes não estão satisfeitos com os serviços, o apoio do dirigente pode acabar se desgastando e o escritório ser desativado. Um fator decisivo para o sucesso da implantação de escritório de projetos é o valor que a alta gerência dá aos projetos e aos processos gerencias. Se o apoio for pouco, e não houver comprometimento no alto nível, o fracasso será provável. 5

6 Valeriano (2001) Valeriano (2001) Valeriano (2001) Valeriano (2001) O nível de atuação do escritório pode determinar seu sucesso uma vez que quanto mais amplas forem suas atribuições em perspectiva, maiores as perspectivas de dar certo, pois uma vez que suas atividades iniciarem restritas, dificilmente será possível expandilas quando necessário. A qualidade e excelência dos serviços prestados são um ponto importante, uma vez que se estes não satisfizerem suas atribuições iniciais, dificilmente irão evoluir para exercer atividades mais elevadas. O sistema de informações para o armazenamento de dados e informações dos projetos deve visar à melhoria dos processos gerenciais. A equipe do PMO deve ser corretamente dimensionada, com dedicação suficiente para resolução dos problemas de projetos abordados pelo escritório de projetos. Tabela 1: Fatores Críticos de Sucesso para implantação de um PMO. Fonte: Causas e Conseqüências da Implantação de um PMO Project Management Office 6

7 2 MODELO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO SESI-DN O modelo proposto de Escritório de Projetos para o SESI-DN foi desenvolvido a partir dos resultados obtidos do diagnóstico de maturidade em gerenciamento de projetos e adequado à realidade atual da empresa. O posicionamento na Estrutura Organizacional do SESI-DN e suas atribuições foram definidas de modo a causar o menor impacto possível à Organização e a contribuir da melhor maneira para atingir os seus objetivos estratégicos. 2.1 Posicionamento do Escritório de Projetos na Estrutura Organizacional Na literatura técnica existem várias abordagens para a implantação e posicionamento de um escritório de projetos, sendo que o seu correto posicionamento será em função da estrutura organizacional da empresa no seu contexto político e cultural. De qualquer modo, segundo Kerzner (2006), quanto menor a distância entre a alta administração e o escritório de projetos, mais rapidamente os benefícios da gestão de projetos serão reconhecidos. É importante perceber que a existência do escritório de projetos está a serviço de toda Organização, conectado com as áreas de negócios e compartilhando informações. Conforme o item 1.1.5, da Resolução nº 02/2006 Nova Estrutura Organizacional do SESI- DN, de 28 de março de 2006, a UNARTI tem por finalidade apoiar as ações de articulação externa e interna, visando o desenvolvimento e o fortalecimento institucional e a atuação integrada do Sistema SESI. Considerando, então, as atribuições institucionais da UNARTI e o seu posicionamento na estrutura organizacional do SESI-DN, alinhados às recomendações indicadas pelas melhores práticas de implantação de escritórios de projetos, definiu-se que o Escritório de Projetos do SESI-DN estará sob a coordenação da UNARTI. UNARTI Função Estratégica Função Tático Operacional Escritório de Projetos Apoio à Transferência de Recursos Figura 1: Posicionamento do Escritório de Projetos na Estrutura Organizacional do SESI-DN 7

8 2.2 Premissas para Definição do Modelo Para definir o modelo proposto do Escritório foram adotadas as seguintes premissas: A posição do EP, dentro da estrutura atual da UNARTI, define, em última análise, o alcance da sua atuação (seleção e priorização de projetos, garantia da aderência/adesão dos projetos à metodologia estabelecida, etc.); A definição da estrutura final do EP, para que este venha a realizar todas as atribuições estabelecidas para o primeiro ano de operação, levará em consideração o nível de experiência/ perfil e a quantidade dos recursos humanos disponibilizados para o EP; O EP será suficientemente flexível para atender a distintos níveis de demanda (suporte técnico temporário, Liderança de Projetos e dedicação exclusiva); A responsabilidade pelo gerenciamento do projeto e seus resultados ficará a cargo do Líder de Projeto; A responsabilidade pelos resultados do portfólio é do Líder do Portfólio; e, O EP deve ser percebido pela organização como um núcleo que agregue valor ao seu dia-a-dia de gerenciamento, sem, contudo, onerá-los com demandas desnecessários. 2.3 Focos de Atuação do Escritório de Projetos As atribuições dos escritórios de projetos variam de acordo com a maturidade organizacional, com suas necessidades e com a estrutura organizacional onde será inserido. Seu porte também varia conforme a necessidade e a complexidade dos projetos atendidos, e de acordo com as funções e responsabilidades designadas ao EP. Entende-se que, pela natureza evolutiva do escritório de projetos, após o seu primeiro ano de atuação, suas atribuições poderão ser atualizadas como resultado de um novo diagnóstico do nível de maturidade da empresa. Para a estruturação do Escritório de Projetos do SESI-DN foram definidos os seguintes focos de atuação: Foco em Metodologia Escritório de Projetos (Coordenação) Foco em Projetos Foco em Portfólio Figura 2: Focos de Atuação do Escritório de Projetos SESI-DN 8

9 Foco em Metodologia: permitirá captar e analisar as características dos vários métodos e instrumentos disponíveis, interna ou externamente à Organização, avaliar as suas capacidades, suas potencialidades, suas limitações e criticar os pressupostos ou as implicações de sua utilização. Foco em Projeto: possibilitará a aplicação de conhecimentos, habilidades e técnicas na execução de atividades de suporte e apoio a um conjunto de objetivos pré-definidos de um ou mais projetos. O suporte ao gerenciamento de projetos manterá a evolução e a interação progressiva dos diversos elementos do empreendimento, de modo a reduzir o risco de fracasso dos projetos ( fazer certo o trabalho ). Foco em Portfólio: facilitará o gerenciamento de um ou mais grupos de projetos visando atingir os objetivos estratégicos da Organização. O gerenciamento de portfólio inclui os processos de identificação, categorização, avaliação, seleção, priorização, balanceamento e autorização de projetos ( fazer o trabalho certo ). 2.4 Atribuições do Escritório de Projetos Para identificar as atribuições do Escritório de Projetos do SESI-DN foram consideradas duas premissas importantes: A atuação do Escritório de Projetos abrangerá projetos, iniciativas recorrentes e portfólio de projetos. O Escritório de Projetos não vai assumir as atribuições relativas à construção do Plano de Ação. Visando ao desenvolvimento das melhores práticas recomendadas no Relatório de Diagnóstico da Situação Atual do SESI-DN em Gerenciamento de Projetos, emitido em setembro/07, foram definidas as atribuições descritas a seguir Atribuições com Foco em Metodologia As atribuições relacionadas ao foco em desenvolvimento, disseminação e manutenção de metodologias são: Estabelecer e aprimorar a metodologia de gerenciamento de projetos; Estabelecer e aprimorar a metodologia de gerenciamento de portfólio; Propor instrumentos de gerenciamento de projetos e de portfólio de projetos; Disseminar as melhores práticas internas e externas relacionadas a portfólio e projetos; e Integrar a metodologia de gerenciamento de projetos e de portfólio aos processos organizacionais (Macro-processos). 1. Estabelecer e aprimorar a metodologia de gerenciamento de projetos Descrição: estabelecer metodologia, incluindo processos e técnicas para o gerenciamento dos projetos, de acordo com as necessidades da Organização, implementando mudanças sempre que necessário. 9

10 2. Estabelecer e aprimorar a metodologia de gerenciamento de portfólio Descrição: estabelecer metodologia, incluindo processos e técnicas para o gerenciamento de portfólio, de acordo com as necessidades da Organização, implementando mudanças sempre que necessário. 3. Propor instrumentos de gerenciamento de projetos e de portfólio de projetos Descrição: pesquisar, avaliar e propor continuamente a utilização de instrumentos que se adaptem aos objetivos da metodologia de gerenciamento de projetos e de portfólio a ser adotada pela organização, provendo informações, esclarecimentos e disseminação sobre os instrumentos adotados. 4. Disseminar as melhores práticas internas e externas relacionadas a portfólio e projetos Descrição: disponibilizar e divulgar, inclusive por meio de capacitações, a utilização de melhores práticas incorporadas pelos projetos e pelo gerenciamento de portfólio dentro do ambiente do SESI-DN, apresentando também, quando oportuno, casos externos ao ambiente. 5. Integrar a metodologia de gerenciamento de projetos e de portfólio aos processos organizacionais (Macro-processos) Descrição: promover o alinhamento dos processos do Escritório de Projetos com os macro-processos da Organização Atribuições com Foco em Projetos Relacionadas ao suporte a projetos, as atribuições definidas são: Apoiar o planejamento, a execução, o controle e o encerramento junto aos Líderes de Projetos; Monitorar os projetos, emitindo pareceres e relatórios técnicos sobre as variações de desempenho dos projetos; Apoiar o controle de mudanças dos projetos; Apoiar o gerenciamento de riscos dos projetos; Prover aconselhamento aos líderes de projetos; Apoiar a definição e revisão dos indicadores e metas para os projetos; Apoiar a coleta, o armazenamento e a utilização de lições aprendidas; Verificar a aplicação da metodologia de gerenciamento de projetos; Apoiar o gerenciamento da qualidade dos projetos; 10

11 Apoiar a utilização das ferramentas de gerenciamento de projetos; e Apoiar o planejamento, a avaliação e o acompanhamento das interfaces entre projetos e entre projetos e Áreas. 1. Apoiar o planejamento, a execução, o controle e o encerramento junto aos líderes de projetos Descrição: apoiar os líderes de projetos nos processos de planejamento, execução, controle e encerramento, fomentando a adequada utilização de práticas e instrumentos previstos na metodologia de gerenciamento de projetos. 2. Monitorar os projetos, emitindo pareceres e relatórios técnicos sobre as variações de desempenho dos projetos Descrição: acompanhar os projetos quanto ao seu desempenho físico e financeiro, identificando ocorrências relevantes de riscos, assim como assessorar na proposição de ações corretivas, emitindo pareceres e/ou relatórios técnicos, referentes ao desempenho dos projetos. 3. Apoiar o controle de mudanças dos projetos Descrição: apoiar os Líderes de Projetos no planejamento, execução e documentação das mudanças ocorridas durante o Ciclo de Vida do projeto, incluindo a análise de impacto sobre escopo, tempo, custo e qualidade. 4. Apoiar o gerenciamento de riscos dos projetos Descrição: auxiliar os Líderes de Projetos na identificação e análise dos riscos, apoiando a criação de um plano de respostas, bem como o monitoramento e controle, visando à tomada de ações, quando necessário. 5. Prover aconselhamento aos líderes de projetos Descrição: atuar junto aos líderes de projetos aconselhando-os e apoiando-os na realização de análises, verificações, avaliações e nas tomadas de decisão. 6. Apoiar a definição e revisão dos indicadores e metas para os projetos Descrição: apoiar os líderes de projetos na definição e avaliação, quanto à consistência e efetividade, dos indicadores e metas do projeto. 11

12 7. Apoiar a coleta, o armazenamento e a utilização de lições aprendidas Descrição: apoiar os líderes de projetos na coleta, no armazenamento e na utilização das lições aprendidas, fomentando a atualização de uma base de conhecimento para a evolução do gerenciamento dos projetos. 8. Verificar a aplicação da metodologia de gerenciamento de projetos Descrição: verificar, sistematicamente, se a metodologia de gerenciamento de projetos está sendo aplicada conforme planejado, identificando possíveis lacunas de aprendizado, aceitação e adequação às práticas estabelecidas. 9. Apoiar o gerenciamento da qualidade dos projetos Descrição: apoiar os líderes de projetos nos processos de planejamento, garantia e controle da qualidade. 10. Apoiar a utilização das ferramentas de gerenciamento de projetos Descrição: apoiar as equipes de projeto na utilização de ferramentas de gerenciamento de projetos aderentes à metodologia estabelecida. 11. Apoiar o planejamento, a avaliação e o acompanhamento das interfaces entre projetos e entre projetos e Áreas Descrição: apoiar os líderes de projetos no planejamento, avaliação e acompanhamento de interfaces com outros projetos e/ou Áreas, visando à identificação de pontos comuns, a otimização de recursos e o alinhamento de ações Atribuições com Foco em Portfólio Relacionadas a gestão de portfólio, as atribuições definidas são: Apoiar a gestão do portfólio (alinhamento, monitoramento e controle); Apoiar a definição e a revisão periódica dos indicadores e metas do portfólio; e Apoiar a avaliação periódica do(s) portfólio(s). 12

13 1. Apoiar a gestão do portfólio (alinhamento, monitoramento e controle) Descrição: apoiar os líderes de portfólio na aplicação da metodologia e na composição do(s) portfólio(s) alinhados à estratégia organizacional, incluindo identificação, categorização, avaliação, seleção, priorização, balanceamento, autorização, monitoramento e controle. 2. Apoiar a definição e a revisão periódica dos indicadores e metas do portfólio Descrição: apoiar os líderes de portfólio na definição e revisão dos indicadores e metas do portfólio, visando à efetividade no monitoramento e controle do desempenho das iniciativas. 3. Apoiar a avaliação periódica do portfólio Descrição: apoiar a Alta Administração na análise de informações do portfólio da Organização, para a tomada de decisões estratégicas Atribuições da Coordenação Para estruturar e gerenciar o conjunto das atividades do Escritório de Projetos, considerando os diversos aspectos interligados, como, por exemplo, a estratégia da Organização, as capacidades e os recursos disponíveis para o gerenciamento de projetos, é necessário o estabelecimento de uma coordenação para o EP. As atribuições inerentes à coordenação do EP são: Determinar o fluxo de informações do Escritório de Projetos; Atuar na resolução de conflitos que extrapolam os limites dos projetos; Estruturar o modelo de avaliação do desempenho do Escritório de Projetos; Reportar o desempenho e as atividades do Escritório de Projetos; e Coletar, armazenar e utilizar lições aprendidas do Escritório de Projetos. 1. Determinar o fluxo de informações do Escritório de Projetos Descrição: determinar de que forma, com que periodicidade e por quais meios as informações devem transitar entre o Escritório de Projetos e as demais unidades organizacionais. 2. Atuar na resolução de conflitos que extrapolam os limites dos projetos Descrição: atuar em conflitos que, pela complexidade e relevância do assunto, extrapolem os limites do projeto, no âmbito de atuação do Escritório de Projetos. 13

14 3. Estruturar o modelo de avaliação do desempenho do Escritório de Projetos Descrição: identificar os objetivos do Escritório de Projetos e definir metas e indicadores para acompanhar, avaliar e melhorar continuamente o seu desempenho. 4. Reportar o desempenho e as atividades do Escritório de Projetos Descrição: consolidar e informar, periodicamente, o desempenho e as atividades do Escritório de Projetos, por meio da emissão de relatórios gerenciais e outros instrumentos aos distintos públicos identificados da Organização. 5. Coletar, armazenar e utilizar lições aprendidas do Escritório de Projetos Descrição: avaliar as ações do Escritório de Projetos que foram ou não bem sucedidas, suas causas, e construir uma base de conhecimento para o aprendizado e a evolução organizacionais. 2.5 Papéis e Perfis Tendo como base o modelo e as atribuições definidas para o Escritório de Projetos do SESI- DN, foram identificados os papéis e perfis necessários para atuarem no momento da sua implantação e estruturação. A seguir são descritos os perfis desses profissionais previstos para os diversos focos de atuação do EP Metodologia (ênfase em desenvolvimento, aconselhamento e capacitação) Os profissionais que atuarão no EP com o foco em metodologia, deverão trabalhar no desenvolvimento das metodologias de gerenciamento de projetos e de portfólio adotadas pela Organização, bem como na atualização das mesmas, sempre que necessário, de acordo com as melhores práticas do mercado. Atuarão, também, na difusão do conhecimento sobre gerenciamento de projetos e portfólios, alinhando e buscando consolidar o entendimento sobre os processos e técnicas de gerenciamento utilizadas pela Organização. Esses profissionais deverão ter como perfil e competências: Experiência em gerenciamento de projetos; Experiência no desenvolvimento de metodologias; Experiência em documentação de processos; Experiência na construção de instrumentos de apoio ao gerenciamento de projetos ou portfólio; Experiência no desenvolvimento de fluxos, planilhas, gráficos e modelos de documentos; 14

15 Experiência em conduzir capacitações; Capacidade de comunicação oral e escrita; e Habilidades de aconselhamento e orientação Projeto (ênfase em suporte a projetos) Os profissionais que atuarão com foco em projetos serão responsáveis pelo suporte e acompanhamento dos projetos, apoiando as equipes gestoras na aplicação da metodologia estabelecida. Esses profissionais deverão ter como perfil e competências: Experiência em suporte a projetos; Experiência no apoio e/ou orientação para o desenvolvimento de instrumentos de gerenciamento; Experiência na elaboração de pareceres e relatórios técnicos; Experiência no apoio às atividades típicas de EP; Experiência na utilização de ferramentas de gerenciamento de projetos; Experiência na definição, aferição e análise de indicadores; Capacidade no apoio à gestão da documentação; e Habilidade de comunicação e relacionamento Portfólio (ênfase em suporte a portfólios) Os profissionais com o foco em portfólio acompanharão o(s) portfólio(s) desde a sua composição e apoiarão a equipe gestora na aplicação da metodologia adotada, devendo ter como perfil e competências: Experiência na utilização de técnicas e ferramentas de gerenciamento de portfólio; Experiência em gerenciamento de projetos; Experiência na definição, aferição e análise de indicadores; Experiência na criação e utilização de painéis de controle; Conhecimentos em gestão estratégica e assuntos correlatos; e Habilidade de comunicação e relacionamento Coordenação As atribuições da coordenação do Escritório de Projetos deverão ser assumidas por profissional que será responsável pela articulação interna (EP) e externa (SESI-DN e DRs) com o intuito de garantir o alcance dos seus objetivos estabelecidos. O profissional designado para atuar nas funções de coordenação deverá ter como perfil e competências: Visão sistêmica do ambiente de projetos; Experiência em gestão de pessoas e recursos; Liderança; 15

16 Capacidade de negociação; Facilidade de comunicação; Foco em resultados; e Empreendedorismo. 2.6 Modelo de Funcionamento do Escritório de Projetos No modelo recomendado para o SESI-DN, o Escritório de Projetos apoiará, sob demanda, as Unidades Organizacionais, como também realizará o acompanhamento sistemático do desempenho dos projetos. DEMANDA APÓIA PROJETO ESCRITÓRIO Figura 2: Fluxo de demanda por suporte aos projetos As demandas por suporte técnico, caso não sejam identificadas pela própria equipe de gerenciamento dos projetos, poderão surgir durante a gestão do(s) portfólio(s) ou serem fomentadas a partir das reuniões de acompanhamento do desempenho de projetos. 3 Recursos para o Escritório de Projetos Na quantificação de recursos humanos para o início da operacionalização do Escritório de Projetos, foram analisados e construídos alguns cenários. Os critérios definidos para análise de cenários foram detalhados e customizados com base na experiência da Logos Engenharia na implantação de escritórios de projetos e levando em consideração o ambiente organizacional do SESI-DN. Os cenários foram construídos e validados com a Diretoria de Operações e a UNARTI, para cada foco de atuação do EP, o que resultou na escolha do quadro de recursos mais apropriado ao modelo de funcionamento. A seguir são apresentados os cenários considerados. 16

17 ANÁLISE DE CENÁRIO: FOCO METODOLOGIA Cenário Organização Equipe Maturidade Organizacional Experiência em Gerenciamento de Projetos Média Alta Prática de Gerenciamento de Projetos padronizada Capacidade de desenvolvimento Alguns Processos Alta Metodologia Desenvolver Outros Restrição de Tempo (mês) 3 Prever Disseminação (> 6 meses) Sim Tabela 2 Análise de cenário do foco em metodologia Inicialmente, construiu-se o cenário para o trabalho com foco em metodologia (Tabela 2). A estrutura para simulação dos cenários foi desenvolvida considerando três aspectos: organização, equipe e outros. Sob a perspectiva Organização, conforme diagnóstico realizado de maturidade em gerenciamento de projetos, foram avaliados: Maturidade Organizacional (baixa, média ou alta) O grau de maturidade em gerenciamento de projetos foi apurado como médio. Prática de Gerenciamento de Projetos Padronizada (nenhum, alguns ou todos os processos) Identificou-se que já existem alguns processos de gerenciamento de projetos padronizados. Em relação à Equipe que deverá atuar no desenvolvimento e disseminação de metodologias, foram considerados: Experiência em Gerenciamento de Projetos (baixa, média ou alta) Optou-se que a equipe deverá ser integrada por profissionais com alto grau de experiência. Capacidade de Desenvolvimento (baixa, média ou alta) Optou-se que a equipe deverá ser integrada por profissionais com alta capacidade de desenvolvimento, ou seja, aptos a atuar de imediato, dedicados integralmente e que, com base na experiência, entregarem com a máxima eficiência os produtos previstos. Como outros itens, foram avaliados: Metodologia (atualizar ou desenvolver) Concluiu-se que é necessário o desenvolvimento de uma metodologia única de gerenciamento de projetos, a partir de algumas práticas já padronizadas, além de uma metodologia para gerenciamento de portfólio, ainda inexistente. Restrição de Tempo (meses) Definiu-se um prazo de 3 meses, dentre as opções apresentadas, como restrição de tempo para o desenvolvimento das metodologias (projetos e portfólio). Prever Disseminação (sim ou não) Previu-se a disseminação das metodologias de projetos e de portfólio(s) aos líderes de projetos e outros envolvidos, por um período superior a seis meses. 17

18 ANÁLISE DE CENÁRIO: FOCO PROJETOS Atividade Nr de iniciativas 60 Parâmetro Argumento Valor Atendimento sob demanda Média mensal de atendimentos (%) 100% 60 Horas consumidas (horas / atendimento / mês) 2,0 120,0 Acompanhamento de projetos Monitoramento e Análise do desempenho (horas / mês / iniciativa) Atividades internas do EP (horas / mês) 2,0 1,0 180,0 Tabela 3 Análise de cenário do foco em projetos A estrutura para simulação dos cenários para o trabalho com foco em suporte a projetos (Tabela 3) foi desenvolvida considerando dois aspectos: atendimento sob demanda e acompanhamento de projetos. Sob a perspectiva Atendimento sob Demanda, foram avaliados: Média mensal de atendimentos (%) Assumiu-se, baseando-se na realidade do SESI-DN, que o percentual de atendimentos às equipes de gerenciamento, em relação ao número total de iniciativas, é de 100%, resultando em um valor médio mensal de 60 atendimentos para suporte. Horas consumidas (horas / atendimento / mês) Estipulou-se que cada atendimento terá duração de cerca de 2 horas, totalizando 120 horas de suporte ao mês. Sob a perspectiva Acompanhamento de Projetos, foram avaliados: Monitoramento e Análise do Desempenho (horas / mês / iniciativa) Para fazer o acompanhamento, definiu-se uma carga horária de 2 horas para cada iniciativa, totalizando 120 horas ao mês. Atividades Internas (horas / mês) Estimou-se, por último, 1 hora por iniciativa, destinada às atividades internas do Escritório de Projetos, totalizando 60 horas ao mês. 18

19 ANÁLISE DE CENÁRIO: FOCO PORTFÓLIO Cenário Organização Maturidade Organizacional Média Prática de Gerenciamento Portfólio padronizada Nenhum processo Equipe Experiência em Gerenciamento de Portfólio Média Monitoramento de Portfólio Estratégico Sim Outros Portfólios Desdobrados 4-5 Número de Iniciativas Ferramenta Eletrônica de Monitoramento Sim Tabela 4 Análise de cenário do foco em portfólio O cenário para o trabalho com foco em portfólio foi construído conforme apresentado na Tabela 4. Assim como para o foco em metodologia, a estrutura para simulação dos cenários foi desenvolvida considerando três aspectos: organização, equipe e outros. Sob a perspectiva Organização, conforme diagnóstico realizado de maturidade em gerenciamento de projetos, evidenciando a gestão de portfólio, foram avaliados: Maturidade Organizacional (baixa, média ou alta) O grau de maturidade em gerenciamento de portfólio foi apurado como médio. Prática de Gerenciamento de Portfólio Padronizada (nenhum, alguns ou todos os processos) Não se identificou a existência de processos de gerenciamento de portfólio padronizados. Em relação à Equipe que deverá atuar no apoio à gestão do(s) portfólio(s), assim como na avaliação de desempenho do(s) mesmo(s), foi considerada: Experiência em Gerenciamento de Portfólio (baixa, média ou alta) Optou-se por prever uma equipe que apresente um grau intermediário de experiência em gerenciamento de portfólio. Como outros itens, foram avaliados: Monitoramento de Portfólio Estratégico (sim ou não) A Organização entende como necessário o monitoramento do seu portfólio estratégico de iniciativas. Portfólios Desdobrados (intervalos) Considerou-se que haverá desdobramento do portfólio estratégico, inicialmente, conforme os temas do mapa estratégico do SESI-DN, resultando em um intervalo de 4 a 5 desdobramentos. Número de Iniciativas (intervalos) O número de iniciativas que deverão compor o portfólio estará compreendido em um intervalo de 46 a 60. Ferramenta Eletrônica de Monitoramento (sim ou não) Entendeu-se que existe ferramenta de software para o monitoramento do(s) portfólio(s). Considerando o cenário construído para o primeiro ano de funcionamento, estima-se que o SESI-DN necessitará de 8 (oito) profissionais para iniciar as atividades de implantação e operacionalização do Escritório de Projetos. 19

20 Quadro Resumo Foco Metodologia (ênfase em desenvolvimento, aconselhamento e capacitação) Projeto (ênfase em suporte a projetos) Portfólio (ênfase em suporte a portfólios) TOTAL Profissionais Sêniores Modelo Profissionais Plenos Tabela 5 Total de recursos propostos para o Escritório de Projetos SESI-DN A estratégia de implantação - Plano de Implantação do Escritório de Projetos do SESI-DN, definirá de forma detalhada a alocação, distribuição e especificação desses recursos ao longo do tempo. 20

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago Estruturando Processo de Gestão de Projeto Metodologia de Gestão de Projetos Objetivo: O objetivo deste documento é apresentar ações e iniciativas voltadas para a implantação de metodologia de Gestão de

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO)

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) 3º. Seminário de Gerenciamento de Projetos PMI-GO José Carlos Gomes Torquato, PMP genda Conceitos de PMO Tipos e Funções

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO.

www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO. www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO. Crescer, Desenvolver, Multiplicar-se. Nossos melhores sonhos começam assim.

Leia mais

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA Jorge Luciano Gil Kolotelo (UTFPR) kolotelo@uol.com.br Pedro Carlos Carmona Gallego (FESP) carmona@fesppr.br

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

EAD 615 Gerenciamento de Projetos. Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO

EAD 615 Gerenciamento de Projetos. Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO EAD 615 Gerenciamento de Projetos Estruturas Organizacionais para Gerenciamento de Projetos e o Papel do PMO Professores: Prof. Dr. Antonio C. Amaru Maximiano Prof. Dr. Roberto Sbragia Colaboradores: Benedito

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras. Leonardo Lustosa, M.Sc.

Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras. Leonardo Lustosa, M.Sc. Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras Leonardo Lustosa, M.Sc., PMP Escritórios de Gestão de Projetos EGP Central Diretoria

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010

Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral com foco nas Eleições 2010 Órgão: Tribunal Superior Eleitoral TSE Unidade: Escritório Corporativo de Projetos e-mail: ecp@tse.gov.br Implantação e operação de um Escritório Corporativo de Projetos do Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Pós Graduação Lato Sensu Especialização São Paulo Berrini Os projetos têm presença obrigatória e alta importância no contexto da gestão da moderna empresa. Caminho de condução

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Apresentação Voll Trix MCE ADVB/SC SBC, ACIJ

Apresentação Voll Trix MCE ADVB/SC SBC, ACIJ Apresentação Voll» Inteiro, pleno(alemão) Trix» Teoria das matrizes(inglês) Desde 2005 Associada ao MCE, ADVB/SC, SBC, ACIJ Parceria com a ABINFER(2013) - Modelo de Gestão p/ Ferramentarias * Fortalecer

Leia mais

Escritório de Projetos de TI. Gestão e Estratégia de TI Agosto.2014

Escritório de Projetos de TI. Gestão e Estratégia de TI Agosto.2014 Escritório de Projetos de TI Gestão e Estratégia de TI Agosto.2014 1. O Grupo Pão de Açúcar 2 Fonte: Site de RI do GPA 1. O Grupo Pão de Açúcar - Negócios 3 Fonte: Site de RI do GPA 2. EPTI Fala-se muito

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais