Continuous Auditing & Continuous Monitoring

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Continuous Auditing & Continuous Monitoring"

Transcrição

1 01 de outubro de 2010 Continuous Auditing & Continuous Monitoring André Rangel Gerente Sênior KPMG Risk Advisory Services

2 Conteúdo Contexto Definições e objetivos Dimensões Enterprise Risk Management Ambiente de Auditoria Interna Redução de Custos Fases de um projeto de Auditoria Contínua Fatores Críticos de Sucesso Cases (Logística/Vendas e Compras) CA/CM Survey 2010 Highlights - Brasil

3 Contexto No atual complexo cenário econômico, vem ocorrendo um aumento no foco da adoção de formas inovadoras para avaliar e gerenciar riscos enquanto aprimoramento do desempenho. Os avanços tecnológicos vem pavimentando o caminho para o aumento do uso de Auditoria Contínua nos processos, transações, sistemas e controles das organizações. As organizações estão utilizando tecnologias como fator de mudança na forma com que avaliam a efetividade dos controles e o monitoramento do seu desempenho. A Auditoria Contínua fornece profundo conhecimento sobre as áreas de risco e oportunidades, enquanto fortalece as estruturas de governança corporativa.

4 Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditoria, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Aprimora a governança corporativa Melhoria no ambiente de controles internos Reação em tempo aos riscos de negócios Obtenção efetiva e eficaz de evidências de auditoria População dos testes de auditoria Tecnologia como instrumento de auditoria interna eficiente Redução da dependência de TI para obtenção de informações Auxilia no monitoramento da conformidade com políticas, procedimentos e regulamentos Contribui para o planejamento dos trabalhos de campo para auditoria interna

5 Dimensões da Auditoria Contínua Integrando ferramentas de análises Dimensão Analítica Análise de Nível Macro para tendências, padrões e resultados (e.g., Giro dos estoques, PMR, PMP, Turnover, etc.) Dimensão de Controles Gerenciamento dos controles financeiros, Segregação de função, etc. Risco/ Performance Análise de exceções baseadas em transações e gerenciamento das regras de negócio Dimensão de Transações A otimização de riscos e performance é efetivada quando todas as três dimensões são implementadas

6 Enterprise Risk Management Auditoria Contínua para suportar o monitoramento dos riscos em uma base contínua

7 Ambiente de Auditoria Interna Auditoria Auditoria cíclica Focada em riscos Foco na cobertura do universo de auditoria Seleção de um percentual de população (testes) Auditoria de processos/unidades de negócios ponta a ponta Extração limitada de dados nas auditorias X Auditoria Contínua Auditorias baseadas em alertas/indicadores Plano de auditoria dinâmico Análise de 100% da população (testes) Análise próxima da ocorrência do desvio Facilidade de seleção de itens para testes da auditoria Possibilidade de histórico das tendências dos desvios Melhoria/acompanhamento das normas e políticas internas Aprimoramento do conhecimento do auditor interno (processo e ferramentas de TI)

8 Redução de Custos Exemplos de áreas para redução de custos utilizando AC/MC Economias potenciais relativas à performance - Redução de custos associada à fraude, desperdícios e abusos - Redução de custos associada com a redução de erros e re-trabalhos - Redução de custos de compliance com regulamentos e políticas Economias potenciais relativas aos riscos - Realocação de recursos focando-os em atividades significativas de riscos - Potencial redução dos custos de compliance com a SOX - Incremento na detecção e prevenção de fraudes e redução no número de incidentes - Aumento na cobertura e redução do tempo de execução das auditorias

9 Fases de um projeto de auditoria contínua / monitoramento contínua

10 Cronograma Atividades Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Status Reestruturação Levantamento de informações Desenvolvimento de Scripts Homologação (Testes) Ações corretivas Implementação Planejado Real e/ou previsão de término Finalizado Em processo Não iniciado

11 Projetar MATRIZ DAS EXCEÇÕES return PROCESSO SUBPROCESSO REF. OBJETIVOS EXCEÇÃO PERIODICIDADE MM- SUPRIMEN TOS M4-PEDIDO DE COMPRA MENSAL MM- SUPRIMEN TOS MM- SUPRIMEN TOS M4.4 Compras fora do padrão: Identificar o volume de compras fora do padrão versus o volume de compras da companhia por produto. Identificar se as compras que não tiveram a aprovação em conformidade com a alçada competente estabelecida na norma de suprimentos. M3-COTAÇÃO M3.2 Verificar se as compras abaixo do limite não estão sendo manipuladas M4-PEDIDO DE COMPRA M4.1 Identificar o volume de compras realizadas sem requisição 1) Pedidos de compras que não utilizaram a estratégia de liberação 2) Volume de compras fora do padrão por tipo de produto 1)Volume de compras abaixo do limite mínimo estabelecido para compras sem cotação Pedidos de compras sem requisição MENSAL MENSAL MM- SUPRIMEN TOS M5- RECEBIMENTO MATERIAIS/SER VIÇOS M5.1 Identificar pedidos de compras criados para poder registrar a nota fiscal de mercadoria e/ou serviço recebido fora do processo normal de suprimentos: Requisição de compras Cotação Pedido de compras Recebimento de mercadoria, ou seja, pedido criado para registro da nota fiscal no contas a pagar Notas fiscais de fornecedores emitidas com data inferior e/ou igual a data do pedido de compras criado pela área de suprimentos MENSAL

12 Implementar Documentação das Exceções return

13 Avaliar Tarefas realizadas Desenho e estrutura das exceções Mapeamentos das tabelas e campos do SAP Desenvolvimento e automação das exceções do projeto piloto Validação das exceções geradas Definição dos próximos processos e exceções Próximos passos Definir o modelo de relatório para apresentar as exceções Concluir a documentação do projeto Treinar os envolvidos para utilização das rotinas Pontos críticos Monitoramento do cronograma Auxílio da infra-estrutura (Cliente) para viabilizar Macro cronograma Atividades Agosto Reestruturação Setembr o Outubro Novembr o Dezembr o Status que o ACL envie as exceções por Levantamento Desenvolv. Homologação Implementação Ações corretivas

14 Fatores críticos de sucesso Fatores críticos de sucesso Respostas para esses problemas vitais Apoio dos executivos sênior Recursos experientes e ferramentas tecnológicas Abordagem estabelecida para a AC - Educação executiva no desenvolvimento de um 'business case' - Suporte do Diretor de Auditoria no que tange à abordagem - Compromisso de treinar os recursos internos - Equipe experiente que pode começar o trabalho de campo imediatamente - Conhecimento profundo dos processos de negócio e conteúdo das indústrias - Seleção das ferramentas de Auditoria Contínua apropriada - Capacidades de análise da causa raiz para erros, violações de políticas e má conduta - Identificação dos principais pontos de verificação de controle - A metodologia enfatiza o aprimoramento contínuo Abordagem bem planejada - Início detalhado do projeto e documentos do plano de trabalho - O perfil de risco da organização é fundamental para a avaliação e projeto da abordagem de AC - Conhecimento e ligação com as exposições a riscos empresariais Alinhamento organizacional - Associação com membros da equipe interna para possibilitar a transferência de conhecimento - Alinhamento consistente das metas, medidas e incentivos - Auditar a função de monitoramento sob uma perspectiva da Auditoria Interna

15 CASE Objetivos do Projeto: Disponibilizar relatórios de análise para os trabalhos de Auditoria Interna. Identificação antecipada de erros Aumentar a eficiência e eficácia da interna Racionalizar os Trabalhos Aumentar as capacidades e competências auditores auditoria Maior velocidade na prestação de contas aos gestores, comitê de auditoria e conselho de administração dos

16 Case Logística e Vendas Preço Predador

17 Preço Predador CLIENTE

18 Case Logística e Vendas Análise do fluxo dos caminhões (tempo x distância percorrida)

19 Case - Compras Pedidos de Compras X Regra de Cotação

20 Pedidos de compras fora da regra de cotação JUNHO JULHO AGOSTO TOTAL DE TOTAL DE PEDIDOS FORNECEDOR PEDIDOS JAN a SET/09 (R$) COMPANHIA ABCS LTDA LTDA XYZ LTDA DEF GHU LTDA AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA TOTAL

21 Pedidos de compras fora da regra de cotação JUNHO JULHO AGOSTO TOTAL DE TOTAL DE PEDIDOS FORNECEDOR PEDIDOS JAN a SET/09 (R$) COMPANHIA ABCS LTDA LTDA XYZ LTDA DEF GHU LTDA AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA TOTAL CÓD. FORNECEDOR MES SEMANA DATA PEDIDO R$ AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA /08/ , ,00 18/08/ ,00 21/08/ , , , ,00 22/08/ ,00 TOTAL ,00

22 Pedidos de compras fora da regra de cotação CÓD. FORNECEDOR MES SEMANA DATA PEDIDO R$ AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA /08/ , ,00 18/08/ ,00 21/08/ , , , ,00 22/08/ ,00 TOTAL ,00 Requisições quebradas em mais de um pedido REQUISIÇÃO PEDIDO DATA FORNECEDOR R$ /07/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA , /07/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA , /08/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA , /08/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA , /08/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA , /08/09 AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA ,00

23 Indicador Pedidos de compras versus regra de cotação

24 Relatórios Modelos

25 Modelo de relatório Pedidos de compras x regra de cotação Objetivo Identificar pedidos de compras que tiveram cotações manipuladas e/ou favorecidas Risco Pedidos de compras que não passaram pelo processo de cotação, ocasionando perdas financeiras decorrente de compras em condições desfavoráveis. Atos ilegais decorrentes de cotações indevidas e/ou manipuladas para favorecimento. CÓD. FORNECEDOR MES SEMANA DATA PEDIDO R$ AAAAAAAAAAAAAAAA LTDA /08/ /08/ , , ,00

26 Modelo de relatório Pedido emitido após a data da nota fiscal do fornecedor return Identificar pedidos que podem ter sido criados de forma irregular 21% 79% PD EMITIDOS POST. NF FORN. PEDIDOS OK

27 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Aprimora a governança corporativa Com a auditoria contínua foi possível analisar alguns controles descritos em normas quanto ao seu cumprimento. Averiguar a necessidade de atualização de normas internas (Exemplo: Suprimentos atualizou em sua norma os itens que não necessitam de requisição para confecção do pedido). Manter histórico de exceções/desvios para análise de tendências Voltar

28 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Melhoria no ambiente de controles internos O processo de auditoria contínua identificou a necessidade de criação de controles para mitigação de riscos Identificação de controles não efetivos sem razão para existir. (Exemplo: Planilha de controle de descontos financeiros sem integração com sistema e com ausência de informações) Voltar

29 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Reação em tempo aos riscos de negócios Criação de indicadores para identificar os centros (localidades) que mais possuem exceção Empenhar mais esforços em processos/centros com mais exceções Auditor embasado de informações privilegiadas antes de iniciar o trabalho de auditoria em campo Voltar

30 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Obtenção efetiva e eficaz de evidências de auditoria Identificação de pedidos de compra sem a existência de requisições Existência demasiada de compras emergênciais (Aprovações reduzidas) Entrada de material por meio de Nota fiscal sem a existência de pedidos de compras Entrada de materiais com valor maior que o acordado em pedido de compra Descontos concedidos a clientes sem aprovação de gestores Voltar

31 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. População dos testes de auditoria Analise de 100% da população Possibilidade de analisar apenas o período desejado Voltar

32 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Tecnologia como instrumento de auditoria interna eficiente Processo de auditoria contínua automatizado (Periodicamente a ferramenta realiza a busca por exceções por meio de agendamento) Mobilidade na obtenção dos resultados pela ferramenta enviar as exceções por Eficiência e eficácia na obtenção dos resultados Voltar

33 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Redução da dependência de TI para obtenção de informações Acesso de consulta a base de dados do sistema, possibilitando maior alcance e velocidade na obtenção de informações Voltar

34 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Auxilia no monitoramento da conformidade com políticas, procedimentos e regulamentos Aquisições de serviços e materiais com a quantidade de cotações em desacordo com as normas Identificação de quebras de pedidos de compras para reduzir número de aprovações Voltar

35 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Contribui para a atualização das políticas, procedimentos e normas internas Averiguar a necessidade de atualização de normas internas (Ex.: Suprimentos atualizou em sua norma os itens que não necessitam de requisição para confecção do pedido). Voltar

36 Auditoria Contínua Visão Geral Definições e objetivos Auditoria Contínua Conjunto de evidências e indicadores de auditora, obtido por um auditor interno ou externo, em sistemas, processos, transações e controles em uma base freqüente ou contínua, no decorrer de um período. Contribui para o planejamento dos trabalhos de campo para auditoria interna Focar mais esforços nos: Centros com maior número de exceções; Fornecedores com maior número de ocorrências/problemas; Usuários recorrentes identificados; etc. Voltar

37 KPMG Brasil Continuous Audit / Continuous Monitoring CA/CM Survey 2010 Highlights

38 Perfil Receita Operacional Bruta Não informado 5% Até 20 milhões 10% > 100 milhões e <= 500 milhões 18% > 500 milhões e <= 1 bilhão 3% > 1 bilhão 64%

39 Quase metade ainda espera estar na fase de entendimento da proposta de valor da AC em 24 meses Não informado 3% Projeto piloto já iniciado 15% Projeto já implantado há um ou mais anos 26% Conduzido pelo Dep. de Auditoria Interna 8% Compreendendo a proposição de valor 41% Business Case já finalizado. Aguardando inclusão no orçamento. Business Case e orçamento aprovados. Projeto piloto prestes a iniciar. 3% 5% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45%

40 A grande maioria já iniciou uma implementação da AC Não informado Outros 3% 3% Não considerou implementar a abordagem de AC/MC. 10% Já considerou, porém não iniciou nenhuma fase 26% Conduzido pelo Dep. de Auditoria Interna Compreende a proposição de valor da abordagem AC/MC Business Case já finalizado. Aguardando inclusão no orçamento. 5% 8% 13% Projeto piloto já iniciado 23% Projeto já implantado há um ou mais anos 10% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30%

41 Os objetivos foram atingidos? Não informado 3% Objetivos plenamente atingidos 8% Objetivos parcialmente atingidos 18% Objetivos não atingidos 21% Ainda não houve tempo para avaliação e julgamento 51% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60%

42 Redução de despesa posicionada como o impulsionador mais importante para a AC Não informado 3% Outros 8% Upgrade de sistema 3% Terceirização / Offshoring Integração de empresas pós fusões e aquisições 5% 5% Implementação de SAP / outro ERP 15% Ambientes descentralizados 28% Ambiente em constante transformação/mudança 21% Ambiente altamente regulado 13% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30%

43 A falta de recursos internos e ferramentas tecnológicas apropriadas continuam sendo as maiores barreiras para a implementação da AC Não informado 3% Outros Suporte interno de tecnologia inadequado 8% 8% Diferentes e diversas plataformas e aplicativos 15% Cultura corporativa 10% Configuração atual dos processos de negócios 8% Ausência de suporte e patrocínio da liderança 13% Ausência de recursos internos para implementação 10% Ausência de habilidade técnica em análise de dados 5% Ausência de ferramentas e tecnologias apropriadas 21% 0% 5% 10% 15% 20% 25%

44 Muitos continuam afirmando que a Detecção/Prevenção de Fraudes poderiam se beneficiar significativamente com a integração do processo de AC Conformidade com políticas e procedimentos 18% Conformidade com marcos regulatórios 12% Melhoria do suporte de TI aos processos de negócio da empresa 7% Implementação / desenvolvimento de sistemas de TI 5% Gerenciamento de risco empresarial 18% Detecção e prevenção de fraudes 28% Conformidade SOx 12% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30%

45 André Rangel (21)

Pesquisa de Auditoria Interna

Pesquisa de Auditoria Interna Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua

Leia mais

Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio

Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio Monitoramento Contínuo com SAP GRC Process Control - Visão do Negócio Marcio Tangerini, CISA, CRISC Gerente Setorial de Controle e Conformidade Tecnologia e Infraestrutura de Sistemas de Informação e Automação

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Ambiente de Controles Internos

Ambiente de Controles Internos Ambiente de Controles Internos Agosto/2012 Gerência de Gestão de Riscos, Compliance e Controles Internos Gestão de Controle Interno Responsabilidades GESTÃO DE RISCOS AUDITORIA INTERNA Mapeamento dos Riscos

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras Seminário IIA Brasil - Os Desafios da Auditoria Interna frente aos processos de Gestão de Riscos, Controles e Governança Corporativa Belém, 21 de junho de 2013 A Função de Controles Internos em Instituições

Leia mais

Gestão da Qualidade. Marca. ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião. 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação

Gestão da Qualidade. Marca. ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião. 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação Gestão da Qualidade Marca GQM F03 Página: 1 de 2 ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião Reunião nº Tipo: Data: Hora: Local: 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação Membros

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos

Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos Modelo de Gestão de Riscos para Instituições Federais de Ensino Superior visando a realização de Auditoria Baseada em Riscos Bruno Silva Auditor Interno Estrutura da Apresentação I. Definições II. III.

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades.

Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades. Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades. Software for Business Excellence O SoftExpert ERM Suite permite às empresas identificar, analisar, avaliar, monitorar e gerenciar

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Algumas confusões práticas As funções básicas do(s) escritório(s) de

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT2011

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT2011 Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Conselho Diretor UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT2011 Introdução O

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015 Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional Novembro de 2015 CONCEITO DE GOVERNANÇA A governança pública é a capacidade que os governos têm de avaliar, direcionar e monitorar

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a Administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN Gart Capote International Certified Business Process Professional (CBPP ) Presidente da ABPMP no Brasil - Association of Business Process Management Professionals (Chicago-EUA) Autor, Instrutor e Consultor

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificação Deloitte A Deloitte é referência mundial em soluções integradas em todas as indústrias e vem atendendo as demandas corporativas em

Leia mais

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos Apresentação do Instrutor André Luis Regazzini, CSO, CISA, CISM, CGEIT Sócio IPLC do Brasil Ltda. albregazzini@iplc.com.br

Leia mais

Agosto, 2012. Gestão de Processos de Negócio. Case WEG

Agosto, 2012. Gestão de Processos de Negócio. Case WEG Agosto, 2012 Gestão de Processos de Negócio Case WEG Por que Gestão de Processos? Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Por que Gestão de Processos? Por que a Gestão dos Processos?

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Gestão de Riscos e Controles Internos na COPEL

Gestão de Riscos e Controles Internos na COPEL Gestão de Riscos e Controles Internos na COPEL Agenda Sobre a COPEL Governança, Risco e Compliance/SAP na COPEL O que a COPEL fez que outros ainda não haviam feito? Resultados Fatores críticos de sucesso

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

SAP Day Online Especial Coca-Cola. Agosto, 2012

SAP Day Online Especial Coca-Cola. Agosto, 2012 SAP Day Online Especial Coca-Cola Agosto, 2012 SAP & Coca-Cola Estratégia de educação e aprendizagem corporativa Daniel Leite e Rafaela Reis Educação A continuidade do desenvolvimento do aprendizado é

Leia mais

Arezzo&Co Investor s Day

Arezzo&Co Investor s Day Arezzo&Co Investor s Day Apresentação do Roadshow Infraestrutura de Varejo 1 Financeiro 2 1.1 Criação de cultura orientada ao varejo O aumento do canal de lojas próprias, 21% das vendas dos últimos doze

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2014

Levantamento de Governança de TI 2014 Levantamento de Governança de TI 2014 Resultado individual: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Segmento: Executivo - Sisp Tipo: Autarquia A classificação deste documento é de responsabilidade

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Gestão de Contratos de Serviços e Elaboração de SLAs. Edison Roberto Morais emorais@entelcorp.com.br

Gestão de Contratos de Serviços e Elaboração de SLAs. Edison Roberto Morais emorais@entelcorp.com.br Gestão de Contratos de Serviços e Elaboração de SLAs Edison Roberto Morais emorais@entelcorp.com.br Agenda Satisfação do Cliente Elaboração e estruturação de SLA (Service Level Agreement) Gerenciando os

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control

Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control A fim de consolidar seu modelo de governança e satisfazer necessidades de expansão, em 2010 a Natura realizou

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva

Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva 21/06/13 Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva Igor Estrada Gouvêa, CIA, CRMA Head de Auditoria Interna Qualicorp Soluções em Saúde Todas as informações fornecidas e opiniões emitidas

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS SEFAZ-TO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO 10 de Outubro de 2013 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 2 Quadro 1- Matriz

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Revisa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI para o período 2013-2018 e dá outras providências. O Presidente do TRE-RS, no uso de suas atribuições

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Gestora Hospitalar Especialista em Gestão em Saúde Gestora de Processos de Negócio Junho/2013 Agenda I) O contexto do Hospital Socor

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01.

A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01. A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01. RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC TI 01 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE,

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO. Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011

O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO. Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011 O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011 1 CONTROLE INTERNO É TEMA NOVO??? Desde Quando??? 2 Fundamento do controle interno

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Você está preparado para a EFD-Reinf?

Você está preparado para a EFD-Reinf? Você está preparado para a EFD-Reinf? Tax kpmg.com/br 2 EDF - Reinf Introdução O que é a EFD-Reinf? A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída

Leia mais

5 EDI - As montadores e suas distribuidoras

5 EDI - As montadores e suas distribuidoras 77 5 EDI - As montadores e suas distribuidoras No mundo, o setor automobilístico passa por uma forte transformação decorrente do processo de globalização associado à revolução tecnológica, que vem alterando

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

SAP FORUM BRASIL USO DA SOLUÇÃO SAP PARA SIMPLIFICAR A REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA CASO BRF

SAP FORUM BRASIL USO DA SOLUÇÃO SAP PARA SIMPLIFICAR A REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA CASO BRF SAP FORUM BRASIL USO DA SOLUÇÃO SAP PARA SIMPLIFICAR A REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA CASO BRF BRF VISÃO GERAL BRF EVOLUÇÃO DA MARCA CORPORATIVA Subsidiária Integral MAI/09 MAY/09 DEZ/12 DEC/12 3 BRF MARCAS

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

KROTON EDUCACIONAL S/A

KROTON EDUCACIONAL S/A KROTON EDUCACIONAL S/A Divulgação dos Resultados 2T10 12/08/2010 Disclaimer O material que se segue é uma apresentação de informações gerais da Kroton Educacional S.A ( Kroton ). Esta apresentação foi

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL Definição de Risco Operacional Riscos Operacionais cobrem as instâncias onde a corretora pode sofrer perdas inerentes direta ou indiretamente a processos internos falhos ou

Leia mais

PLANO PLURIANUAL 2016-2018

PLANO PLURIANUAL 2016-2018 FUNÇÃO - Ser órgão de excelência, com reconhecimento social, que valoriza as profissões de enfermagem. Programa 01 - Implementar o Projeto Estratégico Setorial do Departamento de Fiscalização DEFIS. Área

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores 01 A Inside foi fundada com o objetivo de levar fundamentos de estratégia e gestão às empresas que buscam crescer

Leia mais

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA -

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO - PLANO ANUAL DE AUDITORIA - NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2014 NOVEMBRO 2013 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Auditoria do Núcleo

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Plano de gestão 2011-2012. Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - UNIRIO

Plano de gestão 2011-2012. Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - UNIRIO Plano de gestão 2011-2012 Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - UNIRIO Sumário Quem somos Como estamos Para onde queremos ir? Como chegaremos lá? Quem somos DTIC Diretoria de Tecnologia

Leia mais

www.softtecnologia.com.br smarterp Tecnologia e Gestão Empresarial

www.softtecnologia.com.br smarterp Tecnologia e Gestão Empresarial www.softtecnologia.com.br smarterp Tecnologia e Gestão Empresarial O MERCADO NOSSA METODOLOGIA DE TRABALHO GRANDES VENDORS CONTRATOS CORPORATIVOS ALTO CUSTO DE IMPLANTAÇÃO E CONSULTORIA POUCA CUSTOMIZAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas.

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Controle Interno Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Exemplo: vendas, fabricação, compras. Quando exercido adequadamente sobre uma das funções acima,

Leia mais