MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1"

Transcrição

1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral II. REVISÕES DO MANUAL VERSÃO PÁGINA(S) DATA ALTERAÇÃO /06/2003 Edição inicial em conformidade com NBR ISO9001: 2000 da ABNT /12/2003 Ajustes no manual (Itens 6.2/ 7.4 / e 8.2.2) /01/2004 Inserido escritório da Regional Sul; incluso os objetivos e metas 5.6, ajustado o nome dos PQ s /01/2004 Incluído: a não utilização de processo de terceiros no SGQ (4.1); a necessidade de registros de análise crítica (5.6); reforçado a análise crítica para garantir serviços e requisitos (7.2.1); retirado a identificação física do arquivo no material didático (7.5.3); desobrigado da necessidade de reavaliação de fornecedores (7.4.1); diário de bordo em situações específicas (7.5.1); incluído serviço não conforme (8.3). Exclusão da Regional Sul; alteração de /10/2004 responsabilidade de assistente comercial para gerente administrativa. 05 6, 10, 13, 14, 17 23/01/2006 Alteração da Política da Qualidade (item 5.3); alteração no item 6.2.2; ajustes nos textos 7.3.3, 7.3.4, 7.3.5, e , 6 20/04/2007 Alteração escopo certificação, avaliações de satisfação nos 5.2; relatório visita inicial e 7.3.3; alterações gerais no 7.4.3, apresentações de trabalhos para validação no

2 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 2 III. ÍNDICE Conteúdo Página Apresentação Empresa Objetivo do Manual Áreas de Aplicação Documento referência Descrição do Sistema de Gestão da Qualidade Responsabilidade da Direção Teorema Gestão de Recursos Realização do Serviço Medição, Análise e Melhoria Apresentação da Empresa A TEOREMA foi constituída com o objetivo de desenvolver e realizar aos seus clientes: Consultoria e Assessoria Empresarial, Gerenciamento de Recursos Humanos, Administração de mão-de obra especializada e Auditorias Empresariais A TEOREMA é uma sociedade limitada por Cotas de Capital, com estrutura organizacional definida, mas não limitada e está localizada na: Rua Roma, 620 Cj. 81B - 8º andar Cep: São Paulo - SP Fone/Fax.: (11) ( 11 ) CNPJ: / CCM: IE : Isenta São os sócios proprietários: Roberto José da Silva Gerente Geral e Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Maiores detalhes acesse : E mail-

3 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 3 1. OBJETIVO DO MANUAL Este Manual fornece as diretrizes gerais do Sistema da Gestão da Qualidade, da TEOREMA CONSULTORIA E ASSESSORIA S/C LTDA visando o seguinte escopo de certificação: Projeto, desenvolvimento e prestação de serviços de consultoria, auditoria, treinamento e melhoria de sistemas de gestão empresarial 2. ÁREAS DE APLICAÇÃO As disposições da Gestão da Qualidade descritas neste manual aplicam-se a todas as áreas e consultores associados da TEOREMA que desenvolvem e oferecem serviços abrangidos pelo escopo do item 1 deste. 3. DOCUMENTO REFERÊNCIA NBR ISO 9001: ABNT 4. DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos Gerais Os Processos, sua seqüência e interação dos mesmos estão descritos no FLUXO GERAL DOS PROCESSOS TEOREMA. O detalhamento e inter-relação destes processos podem ser verificados neste manual. A Teorema no geral não adquire processos de terceiros que interagem diretamente no SGQ. Caso seja necessário adquirir, a organização assegura o controle desses processos. 4.2 Generalidades A TEOREMA estabelece e mantém o seu SGQ como meio de assegurar que os processos internos e suas interações estejam em conformidade com os requisitos especificados pelos clientes, pela norma NBR ISO 9001:2000 e pela própria direção da empresa. Este manual da qualidade faz referências aos procedimentos do SGQ, fluxos dos processos, métodos para controlar, monitorar, medir, analisar e melhorar continuamente os resultados destes processos.

4 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Requisitos de Documentação A TEOREMA adota procedimentos documentados e registros consistentes com os requisitos da Norma ISO 9001:2000, com a política e objetivos da qualidade. A abrangência e o grau de detalhamento dos procedimentos e documentos que fazem parte do SGQ dependem da complexidade do trabalho, dos métodos utilizados e das habilidades e treinamento necessárias ao pessoal envolvido na execução da atividade. Estão definidos no procedimento PQ.04.01CEDOC requisitos para tratamento de documentos e registros do SGQ, ( cópia física ou eletrônica), ficando claramente definido critérios para: - Aprovação e emissão, - Análise crítica, - Identificação das alterações e nível de revisão, - Disponibilização de documentos válidos, - Assegurar legibilidade e recuperação imediata de documentos e registros, - Garantir a identificação e tratamento de registros (arquivo, retenção, etc..) - Garantir a identificação e distribuição de documentos externos aplicáveis ao negócio, - Evitar o uso não intencional de documentação obsoleta. 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO TEOREMA 5.1 Comprometimento da Direção A alta direção evidencia o seu comprometimento com o desenvolvimento e melhoria do sistema de gestão da qualidade TEOREMA através das seguintes práticas: - Adoção de canais de comunicação com toda a organização com o objetivo de : - Garantir o entendimento dos requisitos do cliente e - Atendimento a requisitos regulamentares e estatutários; - Definição e implementação de uma política da Qualidade ; - Definição de objetivos e metas para a qualidade alinhada com a política; - Condução de análises críticas do SGQ periódicas e abrangentes; - Disponibilização de recursos materiais, financeiros e humanos. 5.2 Foco no Cliente A Direção da TEOREMA assegura que os requisitos do cliente sejam identificados e atendidos com o propósito de aumentar a sua satisfação. Pesquisas de satisfação e ou avaliações junto aos clientes são realizadas com a abrangência e regularidade definida conforme processo no item 8 deste manual.

5 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Política da Qualidade A TEOREMA, adota como Política da Qualidade os seguintes princípios para a aplicação em todos os negócios e atividades da empresa. 1. Oferecer ao mercado, serviços de consultoria e treinamento empresarial elaborados sob medida para o pleno atendimento das necessidades dos clientes. 2. Empregar na equipe de consultoria profissionais preparados, capacitados e com atuação responsável frente aos objetivos contratados junto aos clientes. 3. Melhorar continuamente os processos do Sistema da Qualidade Teorema. 5.4 Planejamento do Sistema e Definição de Objetivos da Qualidade Objetivos da Qualidade Os objetivos da Qualidade são estabelecidos e controlados pela direção da TEOREMA, através da PLANILHA DE OBJETIVOS E METAS TEOREMA. Os mesmos são coerentes com a missão e valores da empresa e são continuamente divulgados e comunicados para todos os colaboradores Planejamento do Sistema da Qualidade. O Planejamento do SGQ Teorema, é realizado de forma a satisfazer os requisitos especificados na NBR ISO9001:2000 e os objetivos da qualidade. Sempre que são realizadas mudanças significativas na organização ou no negócio, a integridade do SGQ é preservada. A MATRIZ DE CORRELAÇÃO ISO9001 X PROCESSOS SGQ TEOREMA, identificam o item ISO9001 frente aos processos Teorema e a documentação de apoio. 5.5 Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Responsabilidade e Autoridade A responsabilidade, a autoridade e a inter-relação do pessoal que administra, desempenha e verifica atividades que influem nos processos da organização estão definidas e comunicadas nos : PROCEDIMENTOS do Sistema de Gestão da Qualidade e seus processos relacionados na Matriz de Correlação, conforme 5.4.2, deste manual e descrições funcionais pertinentes.

6 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Representante da Direção A direção da Teorema na figura do Gerente Geral é o representante da direção que entre suas responsabilidades funcionais tem autoridade para : - assegurar que os processos necessários para o sistema de gestão sejam estabelecidos, implementados e mantidos, - relatar as demais gerencias e lideranças da organização o desempenho do SGQ e necessidades de melhorias, - assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente para todo o pessoal da organização - manter o canal de comunicação eficaz com os clientes Comunicação Interna A TEOREMA assegura que a comunicação interna seja apropriada,inclusive para divulgar a eficácia do sistema de gestão da qualidade a todos os colaboradores e consultores associados. Isso é possível tornando os objetivos e metas da qualidade conhecidos e monitorados nas funções pertinentes. Os resultados das análises críticas e as necessidades orientadas para objetivos e metas são transmitidas via aos consultores e parceiros pela Gerencia da Teorema. 5.6 Análise Crítica pela Administração A TEOREMA analisa criticamente o sistema de gestão da qualidade, no mínimo anualmente para assegurar sua adequação e eficácia. Esta análise considera sugestões e oportunidades para melhoria e eventuais mudanças internas. Dados de entrada para análise crítica Saídas da análise crítica Resultados das Auditorias ( internas /externas) Decisões relacionadas a melhoria da Objetivos e metas Teorema eficácia do SGQ Pesquisa satisfação cliente/reclamações Desempenho dos processos chave Teorema e Melhoria do serviço prestado conformidade dos produtos Status das SAC/SAP s Necessidade de Recursos Acompanhamento de ações oriundas de análises críticas anteriores Alterações nos processos. Mudanças significativas no mercado/negócio consultoria Sugestões de Melhoria dos clientes/ ou pessoal interno São mantidos registros destas análises críticas junto ao RD Teorema.

7 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 7 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.1 Provisão de Recursos para o SGQ A TEOREMA provê recursos financeiros, materiais e humanos necessários para implementar e manter o SGQ, procurando melhorar sua eficácia e aumentar a satisfação dos clientes. Os processos de designação de pessoal e consultores associados, formação e desenvolvimento, são estratégicos para o negócio e são orientados para o aumento e manutenção da competência pessoal e a obtenção de resultados organizacionais. AGENDAS MENSAIS de alocação de consultores associados aos projetos são elaboradas pelas Gerencias da Teorema, analisada criticamente e mantidas pela assistente de comunicação a fim de garantir a provisão de recursos humanos, na quantidade e qualidade necessárias e suficientes para a prestação de serviços Recursos Humanos e Competências. A TEOREMA, utiliza na sua organização e junto aos seus clientes, pessoal com competência adequada baseada na educação, treinamento, habilidades e experiências apropriados. A Teorema: - determina as competências da equipe de consultores e funcionários - fornece treinamento ou outras ações de desenvolvimento para satisfazer estas necessidades de competência - avalia a eficácia das ações executadas - assegura que o seu pessoal esta consciente quanto a importância das suas atividades e sua contribuição nos objetivos da qualidade - mantém e disponibiliza registros de educação, treinamento, habilidade e experiências adequados A gerência da Teorema utiliza-se da Matriz de Competência Consultoria e Treinamento, Descrições Funcionais e a análise dos resultados dos trabalhos de consultoria como instrumentos para determinar ações em RH para sua equipe. 6.3 Infra Estrutura e Ambiente de Trabalho A TEOREMA provê e mantém uma infra-estrutura necessária para que os processos e serviços da empresa tenham o seu melhor desempenho. Instalações e equipamentos, escritórios adequados, sistemas informatizados e recursos de comunicação são devidamente gerenciados.

8 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Ambiente de Trabalho Para gerenciar e manter o ambiente de trabalho limpo e organizado a empresa adota os conceitos básicos do programa 5S S - CINCO SENSOS. A responsabilidade da gestão e implementação destes conceitos são das Gerências da TEOREMA. 7. REALIZAÇÃO DO SERVIÇO 7.1 Planejamento da Realização do Serviço A TEOREMA garante que a realização dos serviços seja planejada de maneira coerente com os demais processos do sistema de gestão da qualidade e que os processos necessários são desenvolvidos de maneira a atender os requisitos dos serviços solicitados. Para que o planejamento seja eficaz, são definidos os processos principais, de suporte e gestão do SGQ. Os processos da TEOREMA estão definidos no item 4.1 deste manual no Fluxo Geral dos Processos Teorema. 7.2 Processos Relacionados a Clientes Definição dos requisitos dos clientes A TEOREMA através de relacionamento comercial e técnico da sua equipe de consultores, identifica : - os requisitos especificados pelo cliente, inclusive os requisitos de entrega (execução) e eventuais atividades de pós entrega (assistência pós projeto ou treinamento) - Os requisitos não declarados pelo cliente, mas necessários para o uso especificado ou intencional, dos serviços requeridos, - Os requisitos estatutários e regulamentares relacionados com os produtos e serviços de interesse do cliente - Qualquer requisito adicional definido quer seja pelo cliente ou pela Teorema. A identificação dos requisitos, está definido no PQ. 7.2 ENVIO E ANÁLISE CRÍTICA DE PROPOSTAS, cujas saídas constituem os principais dados das propostas comerciais enviadas aos clientes para fins de aprovação.

9 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Análise Crítica dos Serviços Antes da submissão de uma proposta ou da aceitação de um contrato ou pedido (estabelecimento de requisitos), o mesmo é analisado criticamente, através do PQ. 7.2 ENVIO E ANÁLISE CRÍTICA DE PROPOSTAS pelas gerências responsáveis para assegurar que: a) Os requisitos estejam adequadamente definidos e documentados b) Quaisquer diferenças entre, requisitos do contrato ou do pedido, com aqueles contidos na proposta, são efetivamente resolvidos e difundidos ao pessoal pertinente na organização, quando aplicável ; c) Os clientes tenham tanto na forma física como via web informações pertinentes ao serviços e produtos de consultoria e treinamento. d) As emendas e alterações de contrato ou pedido são documentadas, ou se solicitadas por meios verbais, são tratadas em tempo real pelas Gerências da Teorema até que a definição efetiva do pedido do cliente seja finalizada. Tais análises críticas asseguram que a Teorema possui capacidade para atender os requisitos especificados Canais de Comunicação com o Cliente A TEOREMA possui pessoal treinado e capacitado para fornecer informações sobre os produtos e serviços, assessorando e orientando o cliente nas suas consultas e agendamento de serviços ; através do uso de ferramentas de informática, telefonia e técnicas de atendimento. Estes recursos estão disponibilizados e mantidos pela organização. A TEOREMA, estabelece canais de comunicação no web site para que sugestões e reclamações sejam enviadas. Quando o cliente reportar reclamações para o consultor o mesmo reporta a assistente de comunicação que identifica e tratam as mesmas pelo PQ 8.5 TRATAMENTO DE NC E TOMADA DE AÇÕES CORRETIVAS E PREVENTIVAS. 7.3 Projeto e Desenvolvimento Planejamento do Projeto do Serviço A Teorema planeja e controla o projeto e desenvolvimento de seus produtos de consultoria e treinamento determinando os estágios de desenvolvimento do projeto do serviço a ser prestado. Análises críticas, verificação e validação e controle de alterações dos mesmos através da

10 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 10 sistemática descrita no PROCESSO DE PROJETO, DESENVOLVIMENTO E EXECUÇÃO DE CONSULTORIA E TREINAMENTO A Teorema gerencia as interfaces entre os diferentes consultores envolvidos para assegurar que a comunicação seja eficaz e a responsabilidade seja claramente definida. As saídas da fase de planejamento do projeto são atualizadas de maneira apropriada, a medida que o projeto progride em relação ao planejado Entradas de Projeto e Desenvolvimento As entradas relativas aos requisitos do produto desenvolvido(serviço) são registradas nas premissas das propostas ou relatórios de visita inicial e incluem : a) requisitos de resultados e indicadores de desempenho esperados b) requisitos estatutários e regulamentares, aplicáveis c) dados e informações de projetos anteriores quando pertinente d) outros requisitos essenciais para o projeto e desenvolvimento do produto de consultoria. As entradas são analisadas criticamente quanto a sua adequação, devendo as mesmas serem completas, sem ambigüidade e não conflitantes entre si Saídas de Projeto As saídas de Projeto e desenvolvimento são definidas e documentadas nas propostas comerciais ou no Project-charter de forma que possam ser verificadas em relação as entradas e são aprovadas antes da sua utilização. As saídas de projeto devem: a) atender aos requisitos de entrada / propostas b) fornecer dados apropriados para a produção e o fornecimento do serviço c) conter referências a critérios de aceitação para aprovação dos serviços, tais como cronogramas e agendas d) especificar as características do serviço que são essenciais para o seu uso seguro Análise Crítica de projeto e desenvolvimento As análises críticas são realizadas ao longo de toda a atividade de projeto e desenvolvimento conforme metodologia de gerenciamento de projetos (projetos de consultoria) e treinamento (plano de aula de novos treinamentos) As análises críticas são realizadas para avaliar a capacidade dos resultados dos projetos no atendimento aos requisitos e identificar problemas reais (ou potenciais) possibilitando a tomada de ações necessárias.

11 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 11 As análises críticas envolvem toda a equipe Teorema que possui responsabilidade conhecimento sobre o projeto, e em certos casos o cliente também é envolvido. Registros são mantidos, tais como Project Charter, ata de reunião ou planos de ação. e Verificação do Projeto A verificação é executada conforme o planejamento, para assegurar que as saídas estejam atendendo a entrada do projeto. A verificação é evidenciada na aprovação do Project Charter (consultor líder ou Gerente Geral) e cronograma/agenda de trabalho planejada para a equipe Teorema Validação de Projeto A validação do projeto é executada durante as fases de implementação do serviço cabendo ao cliente confirmar que o produto de consultoria é capaz de atender aos resultados desejados. Como se tratam de serviços, a validação só é efetivada após a entrega/ realização do mesmo. Registros da Validação pelo cliente e ações necessárias são mantidos no SGQ. Tais como : Project Charter ou outra documentação pertinente Controle das Alterações do Projeto As alterações de projeto são identificadas e registros destas são mantidos em planilhas de controle ou no corpo dos Project charters emitidos As alterações são analisadas criticamente pela Teorema, verificadas, validadas e aprovadas antes da implementação no cliente. 7.4 Aquisição Processo de Aquisição A TEOREMA assegura que os produtos e serviços adquiridos estão em conformidade com os requisitos necessários especificados para uma boa prestação de serviços. São considerados fornecedores de serviços qualificados aqueles que atendem satisfatoriamente o questionário de qualificação QQF ou que sejam certificados ISO 9001:2000. Registros de Seleção e Avaliação são mantidos junto a Assistente de Comunicação, bem como as comunicações e ações necessárias oriundas de problemas e irregularidades identificados durante a utilização dos serviços e produtos adquiridos. A Teorema julga desnecessária a reavaliação de fornecedores, uma vez que os mesmos são monitorados e acompanhados no seu relacionamento com a organização.

12 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Informações para aquisição A TEOREMA assegura que os dados dos requisitos de aquisição estão especificados e definidos antes da comunicação com o fornecedor. Tais dados são definidos por comunicação eletrônica, por telefone e quando necessário por contrato Verificação do Produto Adquirido A TEOREMA adota a inspeção 100% em todo o material didático ou produto recebido de fornecedores, a fim de garantir as igualdade do produto / serviço recebido. ( é dispensada a necessidade de registro de inspeção no recebimento) A utilização dos produtos e serviços subcontratados direciona o monitoramento dos fornecedores bem como a solicitação de providências para correção ou melhorias. Os fornecedores cobertos pelo SGQ Teorema constam na MATRIZ DE FORNECEDORES QUALIFICADOS TEOREMA 7.5 Produção e Fornecimento de Serviço ao Cliente Controle de Produção e Fornecimento dos Serviços Teorema A TEOREMA identifica e planeja os processos de produção e serviços que influem diretamente na qualidade e assegura que estes processos sejam executados sob condições controladas pelos seus responsáveis. Condições controladas incluem: a) Utilização de fluxogramas, cronogramas, Project Charter e planos de aula, b) Uso de hardware e software adequados e, c) Monitoramento e avaliação dos indicadores de desempenho dos processos de prestação de serviços e análise crítica das propostas aprovadas com o que foi realmente executado no cliente. Quando da detecção de anomalias, no monitoramento e controle dessas condições, são disparadas correções no menor prazo possível. A análise destas anomalias, sua freqüência e impacto no cliente, orientam as ações corretivas adequadas conforme procedimento específico. Durante a prestação do serviço de consultoria o consultor Teorema preenche quando apropriado um DIÁRIO DE BORDO PROJETO DE CONSULTORIA ou ata de reunião, que orienta a tomada de ações corretivas e preventivas

13 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Validação dos Processos Os processos de treinamento não são validados pois as suas saídas podem ser verificadas através do monitoramento da satisfação do cliente (AVALIAÇÃO DO CURSO). A validação dos processos é aplicável somente no caso de novos produtos de consultoria e treinamento, elaborados especialmente aos clientes,tendo a sua validação formalizada pelo cliente ao final da prestação de serviços de consultoria. Registros são mantidos para evidenciar tais validações (Ex: documentação eletrônica Apresentação de Trabalhos ou Relatórios na forma física). A Teorema toma as seguintes providencias para garantir a validação : - Critérios definidos para análise critica e aprovação da documentação de projeto de consultoria pelo cliente. - Qualificação e experiência da equipe de consultores associados ou funcionários, com condições técnicas de executar os serviços propostos Identificação e Rastreabilidade A Teorema identifica o serviço durante a produção e na entrega ao cliente através de codificação do arquivo específico contendo : tema / cliente / mês / ano e versão. Tal identificação é aplicada na nomeação do arquivo eletrônico. Isto possibilita identificar quando foi criado / alterado e em qual cliente foi utilizado. Todo conteúdo didático é rigorosamente inspecionado e verificado pela assistente comunicação e gerente administrativa. Ao observar qualquer anomalias correções são eficazmente implementadas Propriedade do cliente A Teorema quando utiliza de conteúdos ou materiais de propriedade intelectual (ou simples referência) fornecidos pelos clientes, assegura que os mesmos estão sob cuidados de preservação especiais. Quando recebidos, os mesmos são identificados, verificados e protegidos para salvaguardar contra perdas e danos. Quando isso ocorrer os clientes são notificados, ficando mantido junto a assistente de comunicação os registros evidenciando a informação junto ao cliente ( fax ou ). A propriedade do cliente é registrada na Planilha Controle de Propriedade do Cliente Teorema

14 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Preservação do produto e do serviço A Teorema preserva a conformidade do produto durante a produção e a entrega ao cliente. Cuidados com identificação, armazenamento, manuseio, embalagem e proteção são mantidos em caixas, pastas e proteções plásticas evitando assim que o produto entregue seja danificado. Documentos em formato eletrônico são protegidos por Backup em nossos sistemas informatizados. 7.6 Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento Este elemento, não se aplica ao Sistema da Qualidade Teorema. Não utilizamos nenhum dispositivo ou equipamento de medição que necessite de controle, calibração ou ajuste, visando a prestação de serviços de consultoria e treinamento. 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.1 Generalidades A TEOREMA planeja e implementa os processos de monitoramento, análise e melhoria a fim de demonstrar que o seu serviço atenda as necessidades do cliente, atenda os requisitos do sistema da qualidade e melhora continuamente a sua eficácia. Utilizamos técnicas estatísticas e gráficas (Pareto, Gráficos de distribuição de freqüências) nos processos de monitoramento de indicadores e medição e monitoramento da satisfação do cliente 8.2 Medição e Monitoramento As medições e monitoramento consistem em: Satisfação dos Clientes A TEOREMA, adota um PQ PROCESSO DE MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES, que define os métodos, freqüência e abrangência para esta medição. A freqüência e metodologia para esta medição e monitoramento pode ser reduzida em função das saídas da análise crítica da administração ou através da realização das auditorias internas Auditoria Interna A TEOREMA adota um procedimento PQ08.02 AUDITORIAS INTERNAS, que define as responsabilidades sobre o planejamento, execução, freqüência, metodologia e abrangência das auditorias com o objetivo de determinar se o SQ está em conformidade e mantido sob condições controladas

15 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 15 O programa de auditoria interna é planejado, sob responsabilidade do RD, levando-se em consideração a situação e importância dos processos e áreas a serem auditadas, bem como o resultado das auditorias anteriores ( internas e externas) Os auditores internos são impedidos de auditar o seu próprio trabalho. As auditorias internas geram ações, que são tratadas pelo procedimento de ações corretivas e preventivas (SAC/SAP) Medição e Monitoramento de Processos A TEOREMA avalia e monitora os processos internos do SQ através da CRITÉRIO DE MONITORAMENTO DOS PROCESSOS TEOREMA.Os indicadores dos processos definem o que monitorar.quando algum desempenho indesejável é verificado, em função de sua freqüência e gravidade, são adotadas Ações Corretivas e Preventivas adequadas( SAC/SAP) Medição e Monitoramento do Produto O produto da TEOREMA consiste na prestação de um serviço. O pessoal é treinado e orientado para monitorar e auto controlar aquilo que está produzindo, ficando definida para a última fase do processo de produção uma inspeção final. Tais medições ficam definidas na planilha CRITÉRIO DE MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DE PRODUTO OU SERVIÇO ENTREGUE AO CLIENTE TEOREMA 8.3 Controle de Produto Não - Conforme O produto não conforme na TEOREMA, refere-se aos materiais didáticos /documentos/ documentos fiscais e eventos durante a prestação de serviço que apresentem alguma não conformidade. O tratamento destas não conformidades estão definidas no PQ Análise de Dados A TEOREMA determina, coleta e analisa dados apropriados para demonstrar que o seu sistema é eficiente, possibilitando a alimentação do processo de melhoria contínua do SQ. A análise de dados fornece a organização, informações sobre: Satisfação dos clientes; Conformidades com os requisitos dos serviços contratados pelos clientes ; Características e tendências dos indicadores e metas da qualidade As oportunidades de ações corretivas; Dados de desempenho dos Fornecedores

16 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página Melhorias Melhoria Contínua A TEOREMA trabalha para a melhoria contínua do seu SQ, e para tal adota o PLANO DE AÇÃO E MELHORIA 5W + 1 H aplicado para a participação individual ou grupos de trabalho formados pelos colaboradores e consultores da empresa. Os objetivos de melhoria são avaliados e definidos continuamente pelas gerências da Teorema através do uso da Política da Qualidade, dos objetivos da qualidade, dos resultados das auditorias internas, da análise de dados, das SAC / SAP adotadas e do processo de Análise Crítica pela Direção. A responsabilidade da gestão destes Planos de Ação e Melhoria é do RD da TEOREMA Ação Corretiva e Ação Preventiva A TEOREMA define e executa ações corretivas e preventiva para : - Eliminar a causa das não conformidades reais de maneira a evitar a repetição e - Evitar que ocorram não conformidades potenciais. O procedimento documentado, o PQ TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES E TOMADA DE AÇÕES CORRETIVAS E PREVENTIVAS, estabelece os critérios para a adoção de: ) AÇÕES CORRETIVAS fundamentadas na: Análise crítica de não conformidades inclusive às oriundas de reclamação dos clientes; Determinação das causas reais das não conformidades; Avaliação das necessidades de ações para assegurar que as não conformidades não ocorrerão novamente; Determinação e implantação das ações necessárias; Registros das ações executadas (utilização do impresso SAC / SAP ); Análise crítica das ações efetivamente executadas (verificação da eficácia) ) AÇÕES PREVENTIVAS fundamentadas na: Análise de pesquisas de satisfação dos clientes, Identificação de dados e informações coletadas pela equipe de consultores Resultados das auditorias internas e externas Dados de monitoramento dos processos de consultoria e treinamento; Definição de não conformidades potenciais seus respectivos efeitos e suas causas; Definição e implementação de ações necessárias; Manutenção de registros das ações executadas (utilização de impresso SAC / SAP) Análise crítica das ações preventivas efetivamente executadas

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/19 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Item 5.5 Unificação dos itens 5.5.2 e 5.5.4, em função da exclusão da lista de Distribuição de documentos

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 04/05/2005 - Emissão inicial 1 16/11/2005 7 Modificação

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante

Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante 1/32 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 01 Alteração do nome onde passa a ser chamado de e a devida adequação os requisitos das normas ISO 14001:2004

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 05/03/2005 - Emissão inicial 1 27/05/2005 5.3

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Plano de projeto O Plano de Projeto é uma série de documentos ou uma coletânea lógica de documentos compilados pelo Gerente de Projetos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

IMPLEMENTAR PROJETOS ESPECIAIS 1 OBJETIVO

IMPLEMENTAR PROJETOS ESPECIAIS 1 OBJETIVO Proposto por: Departamento de Avaliação e Acompanhamento de Projetos Especiais (DEAPE) Analisado por: Gabinete da Presidência (GABPRES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

INTREGRAPE PROJETO APE

INTREGRAPE PROJETO APE INTREGRAPE PROJETO APE Ações Preventivas na Escola Atua no fortalecimento e desenvolvimento do Eixo-Saúde no Programa Escola da Família, sistematizando ações de organização social, que qualifique multiplicadores

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL 04/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 13 de abril de 2016. Aprovado, Tiago

Leia mais

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 São Paulo 25.08.2004 Seguindo a solicitação dos participantes do primeiro Workshop sobre interpretações da norma ISO 9001:2000 com as Certificadoras,

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00 ACOMPANHAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO DE AEROPORTOS CONCEDIDOS 08/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 11 de agosto de 2014. Aprovado, Fabio

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Versão: 07 Folha: 1 de 6 Processo: Recrutamento & Seleção, Movimentação e Treinamento de Pessoal Alterar logomarca 1. OBJETIVO: Identificar as competências necessárias para as funções que compõe a grade

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Relatório de Atividades UNIDADE DE PATRIMÔNIO 2015 1 COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 Rev. Descrição Data Elaborado Aprovado Aprovado Aprovado 6 7 8 9 Modificados os seguintes itens: 4.1 atualizado o Organograma. 4.2.2.2 e 4.2.2.3 mencionado o envio de cópias

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Ação Corretiva ação tomada para garantir que a não-conformidade real ou reclamação de cliente procedente volte a se manifestar.

Ação Corretiva ação tomada para garantir que a não-conformidade real ou reclamação de cliente procedente volte a se manifestar. : CONTROLE DE AÇÕES CORRETIVAS E PÁGINA: 1 de 7 1.0 OBJETIVO: Eliminar as causas das não-conformidades reais ou potenciais, identificadas por meio dos seguintes processos: Pesquisas de satisfação dos clientes,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007 *connectedthinking Conteúdo Introdução Parte I - Auditoria específica (complementar) na área de risco operacional Parte II - Contexto

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO

MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO MPR MPR/SIA-805-R03 APROVAÇÃO DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DE OPERADOR AÉREO 07/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de julho de 2015. Aprovado, Leonardo Boszczowski Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos 9 áreas de conhecimento de GP / PMBOK / PMI QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Controle de Documentos e Registros

Controle de Documentos e Registros 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para a elaboração e controle dos documentos e registros utilizados pelo Sistema de Gestão Integrada de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho Ambiental do Porto

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais