Pesquisa de Auditoria Interna

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa de Auditoria Interna"

Transcrição

1 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br

2 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua terceira linha de defesa. As expectativas atribuídas aos auditores internos têm aumentado desde os impactos da última crise financeira global. Atualmente, um escopo abrangente de governança corporativa, gerenciamento de riscos, compliance, financeiro, fraude, operacional e estratégico tem sido adicionado às auditorias usuais de processos e à Tecnologia da Informação. Isto significa que o aumento do enfoque em controles internos e gerenciamento de riscos responsabiliza mais funções de Compliance e riscos, em particular na função de Auditoria Interna. Reguladores por todo o mundo estão aumentando as regras e a supervisão sobre as companhias. Grandes mudanças estão por vir no Brasil, como a nova Lei Anticorrupção nº /13. O aumento das estruturas de controles internos (por exemplo): Auditoria Interna, Gerenciamento de Riscos, SOX, compliance, entre outros demonstra que as companhias no Brasil estão investindo cada vez mais para atender a todas estas regulamentações, complexidade e crescimentos dos negócios. A KPMG conduziu uma pesquisa com as maiores companhias no Brasil e centralizou suas análises em investimentos em pessoas e tecnologia e abrangência relacionados à função de Auditoria Interna no Brasil. Perspectiva regulatória No Brasil, a Instrução CVM nº 480 e a nova Lei Brasileira Anticorrupção nº /2013 trouxeram mudanças significativas quanto à responsabilidade de diretores na divulgação de informações ao mercado, assim como quanto à atribuição de responsabilidade às pessoas jurídicas que praticarem atos lesivos à Administração Pública. Em particular, a Instrução CVM nº 480 exige das companhias a elaboração do Formulário de Referência com um padrão de transparência das práticas de governança muito superior ao exigido no passado. Esse formulário deve incluir uma declaração do diretor-presidente e do diretor de relações com investidores sobre a veracidade de todas as informações, sendo um de seus tópicos aspectos relacionados a fatores de riscos, risco de mercado, grau de eficiência de controles internos e deficiências e recomendações sobre controles internos presentes no relatório do auditor independente. Em relação à Lei Brasileira Anticorrupção nº /2013, que atribui responsabilidade às pessoas jurídicas que praticarem atos lesivos à Administração Pública, isto acarretará a estruturação de processos similares aos de empresas americanas que estão sujeitas ao Foreign Corrupt Practice Act (FCPA). Isto abrangerá avaliação de seus relacionamentos comerciais com a Administração Pública, incluindo, mas não se limitando a, avaliação de fornecedores que realizem operações com a Administração Pública e que representem a empresa. A responsabilidade da empresa não exclui a responsabilidade individual de seus dirigentes, administradores ou participantes do ato ilícito, e vice-versa, visando a Lei a preencher algumas lacunas notadas em outras leis, como: Lei de Improbidade, Lei de Licitações e Lei de Defesa da Concorrência. Essas mudanças indicam um aumento do enfoque regulatório na avaliação de eficácia operacional da Auditoria Interna. A Auditoria Interna deve reavaliar a sua estrutura atual e a abrangência com a finalidade de avaliar se sua atuação poderá atender ao desafio desses novos requerimentos regulatórios.

3 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 3 Sumário executivo A maioria das companhias participantes (43%) possui faturamento lhões, correspondendo aos setores Automotivo, de Indústria Diversificada e Infraestrutura a 42% dos participantes. A abrangência de atuação das auditorias internas também difere significativamente entre as companhias. Auditorias de Operacionais e de Processos são realizadas por mais de 90% das companhias pesquisadas, seguidas de 4 de compliance. Os outros 32% correspondem à atuação em Gerenciamento de Riscos (ERM), 30% em Auditoria Financeira e 2 em SOX, respectivamente. Neste quesito específico, podemos notar que 8 das companhias com lhão possuem escopo de Auditorias Operacionais e de Processos. Outra questão altamente debatida entre as empresas é a terceirização das funções de Auditoria Interna, e pudemos notar que 47% das companhias possuem algum tipo de terceirização, sendo grande parte relacionada a projetos especiais em que não possuem a qualificação específica. Mais da metade das companhias pesquisadas respondeu que possui uma linha de reporte direta ao Conselho de Administração/ Comitê de Auditoria/Conselho Fiscal e que possui um software de Auditoria Interna. No entanto, a metade que possui o software não o utiliza para interação com as áreas de negócios, sendo utilizado apenas para formalização da documentação da Auditoria Interna. Em relação a técnicas de auditoria, pudemos notar que quase 70% utilizam ferramentas de extração de dados, no entanto apenas 3% utilizam para alertas de dados integrados em relatórios gerenciais (triggers). Neste mesmo tópico identificamos que 30% dos respondentes informaram que já possuem um projeto-piloto ou iniciaram um programa de Auditoria Contínua e Monitoramento Contínuo (AC/MC). Em 30% das companhias a responsabilidade de execução dos controles de segregação de função é da área de Auditoria Interna. A seguir, detalhamos todos os temas abordados e as análises pelo tamanho das companhias pesquisadas.

4 4 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questões e respostas Questão 1 - Perfil das companhias pesquisadas Qual é o tamanho da empresa em que trabalha atualmente (Receita Operacional Bruta Anual em R$)? 1 Bilhão, 20% Acima de 5 Bilhões, 43% De 1 Bilhão a 5 Bilhões, 37% Questão 2 - Segmentos de atuação Qual das opções a seguir melhor descreve a principal atividade de sua organização? 1% 2% Indústria Diversificada Infraestrutura 3% Automotivo Energia Mineração 7% 7% 1 Agronegócio Alimentos e Bebidas Varejo Bancos 7% 10% 10% Governo Química e Farmacêutica Gestão de Investimentos Imóveis Saúde Tecnologia e Software

5 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 5 Questão 3 - Abrangência da função de Auditoria Interna Quais são as responsabilidades da Auditoria Interna atualmente? Auditoria de Processos Auditoria Operacional Auditoria Financeira (Excluindo SOX) compliance SOX Enterprise Risk Management (ERM) / Gerenciamento de Riscos % % 2 32% 50% 50% % 83% 91% 91% 100% 92% 97% 90% A abrangência de atuação das Auditorias Internas difere significativamente entre as companhias. Auditorias de Operacionais e de Processos são as maiores responsabilidades da Auditoria Interna, ocorrem em mais de 90% nas companhias pesquisadas, seguidas de compliance, com 4. Outros 32% correspondem à atuação em Gerenciamento de Riscos (ERM), 30% em Auditoria Financeira e 2 em SOX. Neste quesito específico, podemos notar que tais companhias possuem escopo de Auditorias Operacionais e de Processos. Outro item a se destacar com maior relevância é que nas companhias superior a R$ 5 Bilhões as atividades de Gerenciamento de Riscos não são realizadas pela área de Auditoria Interna, mas em outras áreas independentes, como podemos notar na próxima questão.

6 6 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questão 4 - Atividades realizadas por outras áreas Algumas das atividades abaixo são realizadas por outras áreas em sua empresa que não seja a de Auditoria Interna? Auditoria de Processos Auditoria Financeira (Excluindo SOX) SOX Nenhuma Atividade Auditoria Operacional compliance Enterprise Risk Management (ERM) / Gerenciamento de Riscos 2 1 7% 1 20% 42% 36% 32% 3 31% 37% 42% 6 Observamos que, no geral, as companhias realizam mais as atividades de compliance e ERM utilizando outras áreas. Especialmente nas companhias lhões observamos que mais de um terço possui ERMs realizados em área independente. É possível notar também que, à medida que a receita operacional bruta cresce, as atividades de ERM e SOX são efetuadas por outras áreas que não a de Auditoria Interna. Questão 5 - Estrutura da equipe de ERM Qual é a estrutura (quantidade) de pessoas da Auditoria Interna dedicada a ERM? Zero Um Dois 2% 1 92% 77% 8 83% Até A maioria das companhias não tem profissionais dedicados a ERM. Observamos uma tendência de que quanto maior a receita operacional da empresa, maior a estrutura de pessoas dedicadas a ERM.

7 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 7 Questão 6 - Estrutura da equipe de SOX Qual é a estrutura (quantidade) de pessoas da Auditoria Interna dedicada a SOX? Zero Um Dois 92% % Até Seguindo a tendência da questão anterior, a maioria das companhias não tem profissionais dedicados a SOX. Questão 7 - Orçamento de Auditoria Interna Qual é o orçamento da Auditoria Interna (excluindo SOX e ERM)? Até R$ 500 mil De R$ 500 mil a R$ 1 milhão De R$ 1,5 mi a R$ 2 milhões De R$ 2 mi a R$ 2,5 milhões De R$ 2,5 mi a R$ 3 milhões De R$ 3 mi a R$ 4 milhões De R$ 4 mi a R$ 5 milhões De R$ 5 mi a R$ 10 milhões Acima de R$ 10 milhões 2 32% 27% 2 1 3% 13% 7% 3% 67% Entre as companhias com receita operacional bruta de até lhão, observamos que 67% têm orçamento de até R$ 500 mil para a Auditoria Interna, sendo este montante o nível mais baixo em nossa pesquisa. Entretanto, observamos que 2 das empresas deste grupo têm orçamento entre R$ 500 mil e R$ 1 Milhão. Com o aumento da receita operacional, observamos o crescimento do orçamento da Auditoria Interna, porém pulveriza-se entre as várias faixas propostas em nossa pesquisa. Observa-se, no geral, que 63% do orçamento da Auditoria Interna está entre 500 mil e 2 Milhões de reais.

8 8 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questão 8 - Orçamento do ERM Qual é o orçamento da Auditoria Interna dedicado a ERM? Até R$ 500 mil De R$ 2 mi a R$ 2,5 milhões De R$ 4 mi a R$ 5 milhões N/A De R$ 500 mil a R$ 1 milhão De R$ 2,5 mi a R$ 3 milhões De R$ 5 mi a R$ 10 milhões De R$ 1,5 mi a R$ 2 milhões De R$ 3 mi a R$ 4 milhões Acima de R$ 10 milhões % 10% 2% 32% % 83% Observamos que a grande maioria não possui orçamento dedicado a ERM, e a parte que possui está entre R$ 500 mil e R$ 1 Milhão.

9 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 9 Questão 9 - Orçamento de SOX Qual é o orçamento da Auditoria Interna dedicado a SOX? Até R$ 500 mil De R$ 2 mi a R$ 2,5 milhões De R$ 4 mi a R$ 5 milhões N/A De R$ 500 mil a R$ 1 milhão De R$ 2,5 mi a R$ 3 milhões De R$ 5 mi a R$ 10 milhões De R$ 1,5 mi a R$ 2 milhões De R$ 3 mi a R$ 4 milhões Acima de R$ 10 milhões 7% 3% 62% 7 86% 100% Assim como na questão anterior, não observamos orçamentos específicos para SOX na área de Auditoria Interna na maioria das companhias pesquisadas. Questão 10 - Terceirização de Auditoria Interna Sua empresa realiza algum tipo de terceirização das funções de Auditoria Interna? Sim Não % 67% 4 46% 53% Observamos uma tendência de que quanto maior a receita operacional, maior o percentual de terceirização das funções de Auditoria Interna. Como a estrutura de Auditoria Interna das companhias tende a ser reduzida, a contratação de terceiros com conhecimento técnico específico é necessária para agregar tanto na parte técnica quanto na parte operacional, complementando o time de Auditoria Interna ou até mesmo substituindo em caso de terceirização total da Auditoria Interna.

10 10 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questão 11 - Percentual de terceirização Qual é o percentual de terceirização? 100% de consultores, excluindo gerentes e diretores que são internos 100% de consultores e parcial gerentes 50% de consultores, gerentes e diretores são internos Apenas projetos especiais com especialização requerida N/A 7% 2% 3% 41% 4 42% 42% 40% 4 67% Podemos notar que um dos principais motivos da terceirização é a realização de projetos especiais em que habilidades específicas são necessárias e provavelmente não existem dentro das companhias. Questão 12 Especialistas em Auditoria Interna Em quais áreas a Auditoria Interna possui especialistas? Tecnologia da Informação Financeira compliance Engenharia Impostos Processo Contabilidade 2 50% % 77% % 6 27% 62% 2 50% 50% 72% 13% Nas áreas de Contabilidade e Tecnologia da Informação, a presença de especialistas é maior, seguida das áreas Financeiras e de Compliance. A pesquisa mostra que apenas para empresas com receita operacional bruta de até 1 Bilhão a presença de especialistas na área de Tecnologia da Informação é menor que nas áreas Financeiras e de Compliance.

11 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 11 Questão 13 - Linha de reporte da Auditoria Interna A quem a Auditoria Interna se reporta? Conselho de Administração/ Comitê de Auditoria Conselho Fiscal Presidente/CEO Diretor-financeiro Controladoria Outros 2 1 2% 20% 1 3% 42% Mais da metade das companhias pesquisadas respondeu que possui uma linha de reporte direta ao Conselho de Administração/ Comitê de Auditoria/Conselho Fiscal e que possui um software de Auditoria Interna. No entanto, podemos notar que ainda existem empresas que reportam à controladoria e ao diretor-financeiro (podem ser casos de subsidiárias multinacionais). Questão 14 - Software de Auditoria Interna A Auditoria Interna possui um software de auditoria? Sim Não 2 50% % 52% Mais da metade das companhias pesquisadas respondeu que possui um software de Auditoria Interna. No entanto, apenas metade que possui o software o utiliza para interação com as áreas de negócios, sendo utilizado apenas para formalização da documentação da Auditoria Interna (vide gráfico 15 a seguir).

12 12 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questão 15 - Abrangência de software de Auditoria Interna Esse software tem interação com as áreas de negócios para aprovação e FUP de pontos de auditoria ou é apenas utilizado pela Auditoria Interna? Para documentação da área de Auditoria Interna Para documentação e interação com as áreas de negócios N/A % % 32% Questão 16 - Ferramentas de extração de dados A Auditoria Interna possui ferramentas de extração de dados? Sim Não 32% 1 32% 32% 32% 6 67% v Em relação a técnicas de auditoria, pudemos notar que quase 70% utilizam ferramentas de extração de dados, no entanto apenas 3% utilizam para alertas de dados integrados em relatórios gerenciais (triggers). Neste mesmo tópico, identificamos que 1 dos respondentes informaram que já possuem um projeto-piloto ou iniciaram um programa de Auditoria Contínua e Monitoramento Contínuo (AC/MC) vide gráficos 17 e 18 a seguir.

13 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 13 Questão 17 - Análise de dados em Auditoria Interna Como você utiliza a análise de dados em seus procedimentos regulares de Auditoria Interna? Utilização de técnicas de data mining nos trabalhos de Auditoria Interna Extração automatizada de relatórios gerenciais Extração e análise periódica de relatórios ad hoc Alerta de dados integrados em relatórios gerenciais (triggers) Extração e análise frequente de relatórios gerenciais Outros 1 3% % 36% 27% 30% 2 20% 3 Observamos grande diversificação na utilização de extração e na análise de dados. Nas empresas com receita operacional de até lhão e de lhão a R$ 5 Bilhões, destacou-se extração e análise periódica de relatórios ad hoc, com e 36%, respectivamente. Já nas empresas com receita operacional lhões, destacou-se utilização de técnicas de data mining nos trabalhos de Auditoria Interna, com 3.

14 27% 14 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS Questão 18 - Auditoria Contínua e Monitoramento Contínuo Qual das alternativas melhor descreve a situação de sua empresa em relação à abordagem de Auditoria Contínua e Monitoramento Contínuo (AC/MC)? Não considerou implementar a abordagem de AC/MC Já considerou, porém não iniciou nenhuma fase Compreende a proposição de valor da abordagem AC/MC Business case já finalizado. Aguardando inclusão no orçamento Projeto-piloto já iniciado Projeto já implantado há um ou mais anos Meu Departamento de Auditoria Interna é maduro e experiente o suficiente para implementar o processo em seu curso normal de trabalho Outros 1 9 % % 1 2% 1 10% 7% 36% Questão 19 - Responsabilidade de execução de segregação de funções Entre as responsabilidades da Auditoria Interna está a execução dos controles de segregação de função? Sim Não. Somos responsáveis apenas pela auditoria do tema Não (execução e auditoria) 3% 42% 32% 31%

15 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 15

16 Contato Diogo Dias Sócio, Risk Consulting Tel: (11) KPMG Risk & Advisory Services Ltda, uma sociedade simples brasileira, de responsabilidade limitada, e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. Design: Wake.up Comunicação (wkup.com.br). Todas as informações apresentadas neste documento são de natureza genérica e não têm por finalidade abordar as circunstâncias de uma pessoa ou entidade específica. Embora tenhamos nos empenhado em prestar informações precisas e atualizadas, não há garantia de sua exatidão na data em que forem recebidas nem de que tal exatidão permanecerá no futuro. Essas informações não devem servir de base para se empreenderem ações sem orientação profissional qualificada, precedida de um exame minucioso da situação em pauta. O nome KPMG, o logotipo e cutting through complexity são marcas registradas ou comerciais da KPMG International.

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br Pesquisa Ambiente Regulatório 2015 kpmg.com/br Sobre a Pesquisa Sumário Executivo O Ambiente Regulatório no Brasil - 2015 O ambiente regulatório no Brasil é marcado por contínuas transformações de exigências

Leia mais

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br Centro de Excelência de Cidades Construindo novas cidades para um novo mundo kpmg.com/br O ser humano habita o planeta, mas VIVE NA CIDADE Estamos enfrentando novos tempos, que determinam novos termos

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate Building, Construction & Real Estate Uma abordagem integrada para o investimento imobiliário Financial Services kpmg.com/br Como podemos ajudar Com uma equipe focada no setor de Real Estate, a KPMG no

Leia mais

Pelas lentes de Cyber Security

Pelas lentes de Cyber Security Pelas lentes de Cyber Security 2015 Global Audit Committee Survey kpmg.com/br/cyber O que a pesquisa de 2015 nos conta Os problemas no radar de um Comitê de Auditoria não mudam radicalmente de um ano para

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Resultados da pesquisa

Resultados da pesquisa Resultados da pesquisa Promoção de saúde no Brasil, nossos hospitais relatam a realidade de 2014 Divulgação oficial dos resultados 29 de janeiro de 2015. 1 O que motivou a pesquisa? Nossos clientes e colegas

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Câmara Japonesa do Brasil

Câmara Japonesa do Brasil R&D TAX INCENTIVES Câmara Japonesa do Brasil Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica Outubro de 2013 Conceito de Inovação Tecnológica Conceito Brasileiro Segundo a Lei 11.196/05, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Desafios do IFRS para empresas brasileiras

Desafios do IFRS para empresas brasileiras Desafios do IFRS para empresas brasileiras Estamos em consonância com o mundo? 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 16 de setembro de 2013 Ramon D. Jubels 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 1

Leia mais

Continuous Auditing & Continuous Monitoring

Continuous Auditing & Continuous Monitoring 01 de outubro de 2010 Continuous Auditing & Continuous Monitoring André Rangel Gerente Sênior KPMG Risk Advisory Services Conteúdo Contexto Definições e objetivos Dimensões Enterprise Risk Management Ambiente

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Ambiente de Controles Internos

Ambiente de Controles Internos Ambiente de Controles Internos Agosto/2012 Gerência de Gestão de Riscos, Compliance e Controles Internos Gestão de Controle Interno Responsabilidades GESTÃO DE RISCOS AUDITORIA INTERNA Mapeamento dos Riscos

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas IMPOSTOS INDIRETOS Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas tax As empresas sempre conviveram com a preocupação de manter organizadas as suas

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Política de Segregação*

Política de Segregação* Boletim: 10 Política de Segregação* Entrada em vigor: 20 de junho de 2013 Versão: 8 Autor: Departamento Jurídico e Compliance I. Fitch Group, Inc. ( Fitch ) através de suas subsidiárias Fitch Ratings,

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificação Deloitte A Deloitte é referência mundial em soluções integradas em todas as indústrias e vem atendendo as demandas corporativas em

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS. IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013

GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS. IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013 GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013 Pode dizer-me que caminho devo tomar? Isto depende do lugar para onde você quer ir. (Respondeu com muito

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS CAPITAL GESTÃO E INVESTIMENTOS LTDA MAIO 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO E CONTROLES INTERNOS 1 Objetivo Em conformidade com a IN-CVM 558/2015 esse documento

Leia mais

Termo de Abertura de Projeto. Proposta Aceita pelo Cliente

Termo de Abertura de Projeto. Proposta Aceita pelo Cliente Termo de Abertura de Projeto Proposta Aceita pelo Cliente Elaborar o Termo de Abertura A gerência da organização emite o Termo de Abertura do Projeto. O documento pode ser preparado pelo gerente da proposta,

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras Seminário IIA Brasil - Os Desafios da Auditoria Interna frente aos processos de Gestão de Riscos, Controles e Governança Corporativa Belém, 21 de junho de 2013 A Função de Controles Internos em Instituições

Leia mais

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema.

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema. 22. Planejamento, Especificação e Execução dos Testes A implantação de um sistema de boa qualidade, dentro de um prazo específico, pode ser seriamente prejudicada caso uma etapa extremamente importante

Leia mais

PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS GERAIS DA SHELL

PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS GERAIS DA SHELL Shell International Limited 2010 A permissão para reproduzir qualquer parte desta publicação deve ser solicitada à Shell International Limited. Geralmente a permissão será concedida, mediante o reconhecimento

Leia mais

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL Definição de Risco Operacional Riscos Operacionais cobrem as instâncias onde a corretora pode sofrer perdas inerentes direta ou indiretamente a processos internos falhos ou

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de julho de 2014 KPDS 96085

Demonstrações financeiras em 31 de julho de 2014 KPDS 96085 Brasil Plural BBDC Feeder Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CNPJ nº 18.602.310/0001-41 (Administrado pela BEM Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Demonstrações

Leia mais

INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA. Rio/20 de abril/2006

INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA. Rio/20 de abril/2006 INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL Luiz Oswaldo Norris Aranha IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA Rio/20 de abril/2006 OBJETIVOS DA CLÁUSULA Atribuição legal Lei 9478 de 06/08/1997

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Você está preparado para a EFD-Reinf?

Você está preparado para a EFD-Reinf? Você está preparado para a EFD-Reinf? Tax kpmg.com/br 2 EDF - Reinf Introdução O que é a EFD-Reinf? A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída

Leia mais

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais Tempo de realização do MBA: 18 meses Investimento: R$179,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF) Ou Investimento: R$ 219,00 (acesso ao portal na internet,

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco Operacional

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco Operacional WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco Operacional Data base 31/12/2014 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

Procuramos empreendedores com as seguintes características:

Procuramos empreendedores com as seguintes características: SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber Cyber Security Security University 2014 Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) kpmg.com/br/cyber Sistema de Controle Industrial (ICS) é um termo geral que engloba diversos tipos de

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades.

Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades. Enterprise Risk Management [ERM] Minimize Riscos. Maximize Oportunidades. Software for Business Excellence O SoftExpert ERM Suite permite às empresas identificar, analisar, avaliar, monitorar e gerenciar

Leia mais

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas 1. Aplicação 1 - As instituições financeiras, as demais

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1. O Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura é uma disciplina obrigatória, com carga horária de 180 horas, que pode ser realizada junto a uma

Leia mais

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas no Projeto.

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Governança de TI. Governança da TI. Visão Geral. Autor: João Cardoso 1

Governança de TI. Governança da TI. Visão Geral. Autor: João Cardoso 1 Autor: João Cardoso 1 Governança de TI Visão Geral A Forrester Business Technographics 2 realizou uma pesquisa em Novembro de 2004 nos Estados Unidos nas pequenas e médias empresas e identificou que estas

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

ALERT. Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção

ALERT. Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção 19 de março de 2015 ALERT Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção A equipe de Compliance do Aidar SBZ Advogados permanece à disposição para esclarecimentos adicionais. Contatos:

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Função no Projeto:

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Batávia S.A. Indústria de Alimentos

Batávia S.A. Indústria de Alimentos Batávia S.A. Indústria de Alimentos Laudo de avaliação (inclui balanço patrimonial) KPMG Auditores Independentes R. Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 - São Paulo, SP - Brasil Caixa Postal 2467 01060-970

Leia mais

Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf

Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf Arquivo original em Inglês: http://www.isaca.org/knowledge-center/risk-it-it-risk- Management/Documents/Risk-IT-Brochure.pdf Risk IT - Um conjunto de princípios orientadores e o primeiro framework que

Leia mais

No capítulo 3 estão concentrados todos os assuntos relacionados à metodologia utilizada nesse trabalho de pesquisa. Ou seja, tipo de pesquisa, método

No capítulo 3 estão concentrados todos os assuntos relacionados à metodologia utilizada nesse trabalho de pesquisa. Ou seja, tipo de pesquisa, método 14 1 Introdução Este estudo visa identificar os atributos e seus respectivos níveis mais importantes na definição da contratação de serviços de consultoria estratégica pelas operadoras de telecomunicações.

Leia mais

CSU CardSystem - 2010

CSU CardSystem - 2010 CSU CardSystem - 2010 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102 1.0 Finalidade 1.1 A CommScope, Inc. e suas empresas afiliadas ( CommScope ) podem, a qualquer tempo, contratar consultores, agentes de vendas, conselheiros e outros representantes e, frequentemente, estabelecer

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Revisão da Qualidade da Função de Auditoria Interna

Revisão da Qualidade da Função de Auditoria Interna www.pwc.pt/academia Revisão da Qualidade da Função de Auditoria Interna Lisboa, 5 de fevereiro de 2013 Academia da PwC 1ª Edição Líder na formação de executivos Revisão da Qualidade da Função de Auditoria

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Security and Compliance CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de segurança

Leia mais

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012

Case SICREDI CA Clarity PPM. CA PPM Summit Brasil 2012 Case SICREDI CA Clarity PPM CA PPM Summit Brasil 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção e Implantação de uma Solução de PPM O CA-Clarity PPM no Sicredi Roadmap 2012 Agenda Conhecendo o Sicredi Seleção

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente Estrutura Capital Salvo se indicação em contrário, as respostas reportam à situação a 31 de Dezembro do ano #### Contacto da sociedade para esclarecimento: Nome Telefone E mail Quesito Identificação da

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News Maio 2010 BANKING Regulatory Practice News FINANCIAL SERVICES Bacen Processo de Convergência Carta-Circular 3.447, de 12.05.2010 Padrão Contábil Internacional A Resolução 3.853/10 (vide RP News abr/10)

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T11

Apresentação de Resultados 3T11 Apresentação de Resultados 3T11 Aviso Legal Aviso Legal O presente documento não deve em nenhuma circunstância, ser considerado uma recomendação de investimento nas Units. Antes de investir nas Units,

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

Apresentação da Companhia e Discussão do Resultados do 1T05

Apresentação da Companhia e Discussão do Resultados do 1T05 Apresentação da Companhia e Discussão do Resultados do 1T05 Safe Harbor Statement Certas declarações na apresentação a seguir estão relacionadas com resultados futuros, que são considerados como projeções,

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl.

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl. Onde encontrar Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL )

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco Operacional Data base 31/12/2015 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais