UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Edvaldo da Cruz TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO - TCE Detração Penal: Um estudo focado na Administração do presídio de Itajaí. Administração Geral ITAJAÍ - SC 2010

2 EDVALDO DA CRUZ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO DETRAÇÃO PENAL: UM ESTUDO FOCADO NA ADMINISTRAÇÃO DO PRESÍDIO DE ITAJAÍ-SC. Trabalho desenvolvido para o Estágio Supervisionado do curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC, 2010

3 Será que Seres Divinos como somos devem viver assim perdidos? A busca pelo equilíbrio pessoal e metas Divinas, faz com que situações doentias sejam enxergadas de maneira clara e as oportunidades apareçam para que as empresas mudem o ambiente de trabalho ou as pessoas encontrem outros locais com sintonias similares. Agradeço a todos que compreenderem cada palavra acima e aos seres que iluminam esta vida terrena. 3

4 4 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Edvaldo da Cruz b) Área de Estágio Administração Geral c) Supervisor de Campo Maurilio Antonio da Silva d) Orientador de Estágio Prof. Geraldo José Medeiros Junior e) Responsável pelos Estágios em Administração Prof. Eduardo Krieger da Silva, MSc

5 5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social Administração do Presídio Regional de Itajaí-SC b) Endereço Rua Pedro José João, s/n, Nossa Senhora das Graças Itajaí SC c) Setor de desenvolvimento de estágio Administração d) Duração de estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Maurilio Antonio da Silva Gerente do Presídio f) Carimbo e visto da empresa

6 6 DECLARAÇÃO A organização Presídio Regional de Itajaí-SC declara, para devido fins, que o estagiário Edvaldo da Cruz, acadêmico do curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade do Vale do Itajaí, cumpriu com a carga horária prevista para o período 01/08/09 a 01/07/2010, seguiu o cronograma de trabalho estipulado no projeto de Estágio e respeitou todas as normas internas. Itajaí, 01 de Julho de Maurilio Antonio da Silva

7 7 RESUMO O problema de superlotação prisional e o descaso público com investimentos em projetos vêm causando durante séculos inúmeras preocupações sociais. A sociedade anseia por projetos que possibilitem ressocializar os detentos para só assim não retornarem a cometer os delitos. Dessa forma, o presente estudo tem por fim diagnosticar as possibilidades de elaboração de projetos e a aceitação dos presos, para a Administração Prisional de Itajaí investir em atividades favoráveis. Para o levantamento dos dados usou-se dois instrumentos: Entrevista com o Gerente do Presídio; e o Questionário aplicado aos detentos. Com o apoio da pesquisa teórica realizada, dedicou-se no levantamento dos dados necessários para melhor caracterizar os presos. Por intermédio de uma pesquisa de campo, foi possível conhecer o perfil dos detentos, no sentido de buscar adaptação a alguma área de trabalho, que se encaixe com as experiências dos mesmos. Desse modo, os resultados coletados foram de extrema importância para a Administração do Presídio, para a sociedade de Itajaí e para seus respectivos líderes sociais. Concluindo, os resultados aqui registrados permitiu ao pesquisador caracterizar o potencial não explorado, conhecendo os limites que norteiam o presídio, bem como comprometer-se sinceramente a comunidade de Itajaí e Região, buscando iniciativas que impeçam maus gastos públicos e mostrar soluções para o dilema de ociosidade na qual vivem milhares de detentos pelo Brasil. PALAVRAS-CHAVE: Detração Penal, Trabalho interno prisional, Ressocialização dos presos.

8 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Indicadores para a coleta e análise de dados...18 Figura 1 Hierarquia das Necessidades de A. Maslow...23 Figura 2 Níveis estratégicos...24 Quadro 3 Setores de trabalho dos presos internados de Santa Catarina...37 Quadro 4 Segurança Prisional Estadual...38 Quadro 5 Processos sociais...45 Quadro 6 Estrutura Complementar Prisional...47 Figura 3 Organograma DEAP por autoridades regionais...50 Quadro 7 Princípios da política do DEAP...51 Figura 3 Organograma DEAP por departamentos...50 Gráfico 1 Faixa etária...55 Gráfico 2 Grau de escolaridade...56 Gráfico 3 Detração Penal...58 Gráfico 4 Experiência com Trabalho interno...58 Gráfico 5 Trabalho interno no Brasil...59 Gráfico 6 Trabalho interno no Presídio de Itajaí...59 Gráfico 7 Expectativas para o novo presídio...60 Gráfico 8 Necessidade profissional...60 Gráfico 9 Aperfeiçoamento profissional em outra área...61

9 9 LISTA DE TABELAS Tabela: 1 População de presos brasileiros que exercem trabalho internamente...35 Tabela: 2 Presos internados de Santa Catarina...37 Tabela: 3 Experiências profissionais dos detentos...57

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de pesquisa/justificativa Objetivos do trabalho Aspectos metodológicos Caracterização do trabalho de estágio Contexto e participantes da pesquisa Procedimentos e instrumentos de coleta de dados Tratamento e análise dos dados REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Administração Escolas da Administração Funções Administrativas Planejar Organizar Liderar e dirigir Controlar Administração Pública Administradores do séc. XXI O processo de humanização prisional Prisões Brasileiras Sistema Prisional de Santa Catarina Detração Penal e trabalho interno Incentivos ao trabalho PROGRAMAÇÃO DO TRABALHO E PROGRAMA Caracterização da Organização Órgãos reguladores Poder Federal Funções do DEAP... 52

11 Expectativas da nova instalação prisional de Itajaí Resultado da pesquisa Sugestões CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice A Questionário Apêndice B Perfil dos Presos Apêndice C Relatório da Pesquisa de campo Apêndice D Localização do novo Presídio ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS... 81

12 12 INTRODUÇÃO A política de mundial privatização de presídios apresentou-se como solução no controle da crise do sistema penitenciário na década de 80, de países como Estados Unidos, Inglaterra, França, e demais países desenvolvidos, em um contexto de explosão da população carcerária, com altos gastos e degradação das condições de alojamento. A dura realidade do sistema penitenciário brasileiro e seu desenvolvimento extremamente lento nos fazem questionar o que realmente este sistema mal estruturado acrescenta aos penitenciários. Os delitos não cessam com a detenção dos infratores, as prisões e o tratamento dispensado aos detidos são de tal forma degradante e desumana, que em vez de recuperá-los para o convívio social, o preso acaba se tornando cada vez mais especialista em crimes. Não há triagens nas penitenciárias, o que submete detidos por delitos leves ao convívio com criminosos ferozes, como verdadeiras universidades do crime. Um olhar da Sociedade sobre si mesma como grupo depende de um olhar de cada ser humano sobre si mesmo como indivíduo e com a superlotação é muito mais difícil humanizar os presídios. É impossível proporcionar educação e trabalho, pois os espaços estão ocupados com presos, cada dia em números catastróficos. Cadeia se tornou sinônimo de passa tempo e castigos onde o estado e a sociedade nada ganham em troca, apenas investe cegamente o dinheiro para manter o preso como um rato, com abrigo, comida e cama. O sistema administrativo penitenciário através do código penal brasileiro assegura ao preso disciplinado um trabalho digno e valioso dentro da penitenciária em que desenvolva atividades que tragam retorno próprio e social. O homem que vive em sociedade realiza não só atitudes físicas e mentais, mas, sobretudo que significam a liberdade e os direitos que ele tem. Deste modo o Trabalho de Conclusão de Estágio terá como tema diagnosticar as possibilidades de elaboração de projetos e a aceitação dos presos, para a Administração Prisional de Itajaí. O devido uso da detração penal (mais conhecido popularmente como 3x1) onde o preso trabalha 3 dias e tem direito a 1

13 13 dia de redução da sua pena. Medidas que reduzam o tempo ocioso do preso na cadeia. Deste modo por meio da identificação de fatores que permitam o melhor estudo para o bom andamento administrativo. O País dispõe, na estrutura federal, do Fundo Penitenciário, criado em 1994, cuja execução orçamentária tem sido comprometida, entre outras razões, pela falta de projetos encaminhados pelos governos estaduais. Estamos cientes da falta de investimento não só na construção de presídios, mas também na Administração Prisional que exerce um trabalho muito significante ao desenvolvimento do país. 1.1 Problema de pesquisa/ justificativa A visão de um presídio é de um local indigno e que os bandidos cumprem pena por delitos cometidos a sociedade. A questão é que raramente vemos o presídio como uma organização complexa, que envolve administração severa e competente e um sistema gerencial que funcione tal como qualquer outra empresa, o que prova isso é os setores que devem ser bem divididos, existe um sistema de depósitos, cozinha, selas, lavanderia, limpeza, uma série de funcionários, etc. Conforme Marconi & Lakatos (1999) a pergunta da pesquisa destina-se a justificar de forma clara e direta o potencial questionamento sobre um programa ou processo que apresente falhas. A Administração atual do Presídio Regional de Itajaí enfrenta sérios problemas cotidianos como o da superlotação e dificuldade de ressocializar os presos. Atualmente busca novas soluções devido à obra no novo presídio em andamento, as expectativas atuais são boas, sendo financiado pelo estado de Santa Catarina e por verba do Governo Federal e apoio municipal. Que tipo de projetos podem ser desenvolvidos pela Administração Prisional de Itajaí visando aproveitar o benefício da detração penal? A importância do desenvolvimento desse projeto para a Universidade do Vale do Itajaí explica-se pelo fato de não ser conhecido um trabalho do gênero e também pela carência de trabalhos relacionados ao tema, sendo assim um instrumento de estudo para demais acadêmicos pesquisarem.

14 14 Para a organização Presídio Regional de Itajaí onde o trabalho será realizado, terá uma relevante importância no sentido de contribuir para a caracterização dos presos, sendo fator de análise para projetos futuros e planejamentos para prevenir a reincidência. Este trabalho será muito importante ao acadêmico, pois o mesmo tem interesse na área e sempre busca conhecimento sobre temas preocupantes para a administração, trazendo a oportunidade de fazer uso de suas habilidades adquiridas em sala de aula podendo ser usada na prática. Quanto à viabilidade de tempo por parte do estagiário, bem como os custos e o acesso as informações necessárias demonstram que a concretização da pesquisa é viável ao acadêmico, os custos para esse estudo serão mínimos e o mesmo dispõe de tempo para o bom andamento do projeto. 1.2 Objetivos do trabalho Os objetivos do trabalho denotam quais os resultados que se procura alcançar. O objetivo geral representa o que o estudo almeja, e os objetivos específicos representam como alcançar. Roesch (2009) cita que os objetivos orientam a revisão da literatura e a metodologia do projeto. Este trabalho tem por objetivo geral; Diagnosticar e identificar possibilidades de novos projetos que possibilitem à Administração Prisional de Itajaí, o devido uso da detração penal. Este estudo é total relevância, pois trata de informações importantíssimas e que os órgãos públicos vigentes desconhecem e não fazem uso. Neste contexto acredita-se que os presídios devem ser melhor estudados, com planejamento e buscando novas formas de ressocialização do preso, para que os delitos cometidos não sejam cometidos novamente. Roesch (2007) aconselha que a partir dos objetivos do projeto para delinear o tipo de método que será mais adequado. Os objetivos específicos são:

15 15 Identificar benefícios da Detração Penal Avaliar estratégias de ressocialização prevenindo a reincidência; Identificar formas de planejamentos para o novo presídio, medindo a capacidade prisional de oferecer trabalho interno no presídio; Levantar dados para mensurar a capacitação dos presos bem como o interesse dos mesmos em atividades internas; Questionar sobre o absenteísmo em programas já desenvolvidos e que não obtiveram sucesso no Presídio. 1.3 Aspectos Metodológicos Este item traz a metodologia referente ao projeto em estudo, a coleta de dados relevantes ao andamento do trabalho, bem como a sua análise e também os procedimentos adotados para a pesquisa. De acordo com Richardson (1999) a metodologia são as regras estabelecidas para o método científico como a necessidade de observar, formular hipóteses e elaboração de instrumentos Caracterização do trabalho de estagio Este trabalho tem um cunho exploratório, ou seja, Investigação mais ampla com o objetivo de proporcionar visão geral quando o tema escolhido é pouco explorado. Roesch (2007) afirma que o estágio é a chance de aprofundar conhecimentos e habilidades na área de interesse do acadêmico. Deste modo optou-se pela área de Administração Geral. O trabalho seguirá a Tipologia de Pesquisa-diagnóstico, pois o objetivo é diagnosticar as possibilidades de novos projetos para o Presídio Regional de Itajaí e estudar a aceitação dos presos. A autora ainda afirma que a Pesquisa-diagnóstico propõe-se definir e levantar problemas explorando o ambiente e a situação atual.

16 16 Essa pesquisa permitirá ao acadêmico uma visão mais aérea da organização, caracterizando os problemas em potencial de mudanças satisfatórias. Desta forma o trabalho terá como base para a análise, dados obtidos através da junção dos métodos qualitativos e quantitativos (estratégia de pesquisa quali-quanti) a fim de realizar uma investigação mais afundo e verificar a realidade que enfrentará esta proposição de plano que baseia o trabalho Contexto e participantes da pesquisa O Trabalho será realizado no Presídio Regional de Itajaí e os participantes da pesquisa são compreendidos em: Presos detentos: 600 Gerente do Presídio: 01 Na pesquisa quantitativa far-se-á uso de questionário aplicado aos 600 presos (usou-se uma média mensal devido à modificação diária da população estudada). Através do uso das fórmulas citadas por Barbetta (2007), definiu-se o tamanho da amostra a ser pesquisada, sendo: n 0 = 1 n 0 = 1 n 0 = 1 n 0 = 204 (E)² (0,07)² 0,005 n 0 = N x n 0 n= 600 x 204 = n= n= 152 N x n Sendo: n = tamanho da amostra; N = tamanho da população;

17 17 E 0 = erro amostral tolerável (7%); n 0 = primeira aproximação para o tamanho da amostra. Definido o tamanho da amostra, será utilizada a obtenção de dados através de 240 questionários. Os questionários foram aplicados constando questões relativas ao potencial profissional inexplorado dos presos e seus interesses por novas atividades. Não se fará uso de pré-teste devido à imprevisibilidade e rotatividade prisional. O universo ou população de pesquisa refere-se a um grupo de pessoas ou empresas que se faz interessante pesquisar dentro dos objetivos propostos no estudo. Nos casos onde a população de pesquisa é em número não condizente com a capacidade operacional de realização do estudo, Roesch (2009) afirma ser necessário extrair uma parcela desta população para investigar, sendo utilizado o processo de amostragem, cujo objetivo é construir um subconjunto representativo da população segundo os interesses da pesquisa. A amostra foi extraída de maneira que cada membro da população tenha a mesma chance estatística de ser incluído na amostra (amostra probabilística). Segundo Marconi e Lacatos (2002) a pesquisa deve conter duas técnicas: Observação e Entrevistas objetivas. Na pesquisa Qualitativa fez uso de entrevista com o Gerente do Presídio com perguntas semiestruturadas pelo acadêmico Procedimentos e instrumentos de coleta de dados O objetivo fundamental de uma pesquisa é descobrir respostas para problemas através do emprego de procedimentos científicos. Assim, pode-se definir ciência social como um processo que, empregando uma metodologia científica, permite a obtenção de novos conhecimentos no campo da realidade social. De acordo com Roesch (2009) a fonte de dados tem natureza primaria ou secundária. A coleta de dados terá como fonte informações obtida através de aplicação de

18 18 questionários, estes que serão estruturados e transcritos com perguntas abertas e fechadas entregues diretamente aos pesquisados. A entrevista obteve informações através de uma conversa de natureza profissional. Segundo a autora, Trata-se de uma situação interativa entre pessoas, em que uma delas formula questões e as outras respondem sendo os dados registrados pelo pesquisador Tratamento e análise dos dados Para que o trabalho de conclusão do curso se concretize é indispensável analisar e organizar os dados de uma pesquisa, tendo em vista que a organização, o tamanho da amostra e os objetivos não saiam do foco. O autor Gil (2007) ressalta que a análise de dados tem como objetivo organizar os dados de uma forma que se possibilite o fornecimento das respostas desejadas para a resolução do problema em questão. Através do controle e do tratamento adequado a análise possibilita ao pesquisador interpretar os dados coletados da melhor forma possível. Os dados quali-quanti obtidos serão armazenados, afim de uma elaboração do plano de avaliações, identificando oportunidades e fatores limitadores. A ausência de informação quanto aos detentos propõe ao acadêmico um estudo mais aprofundado para identificar as variáveis que possam ser diagnosticadas. O quadro abaixo apresenta potenciais indicadores para o estudo: OBJETIVOS (CATEGORIA) INFORMAÇÕES FONTE DE COLETA Benefícios da Detração Penal e redução da superlotação do presídio; TODOS CONHECEM O TEMA? ACHA IMPORTANTE? É POSSÍVEL? QUESTINÁRIO

19 19 Ressocialização e reincidência EXPECTATIVA PROFISSIONAL? TRABALHO INTERNO? INTERESSE EM ATIVIDADES? QUESTIONÁRIO Novo presídio, capacidade prisional e trabalho interno CARACTERÍSTICAS? EXPECTATIVAS? INTERESSE EM PROJETOS? ENTREVISTA QUESTIONÁRIO Capacitação e interesse em atividades internas; EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS? AREA DE INTERESSE? QUESTIONÁRIO Absenteísmo em programas já desenvolvidos. JÁ PARTICIPOU DE ALGUM PROGRAMA DE TRABALHO INTERNO? GOSTARIA DE TRABALHAR? QUESTIONÁRIO ENTREVISTA Quadro 1 Indicadores para a coleta e análise de dados. FONTE: Elaborado pelo acadêmico (2009). De acordo com a fórmula para cálculo de amostras probabilísticas, sendo que a pesquisa, por se tratar de pesquisa social, tem 93% de margem de confiabilidade e 7% de margem de erro como sugere Barbeta (2007). Os referidos participantes da amostra (152 presos) receberão um questionário cada, o questionário será de responsabilidade do Gerente prisional, já que o acadêmico não poderá aplicar pessoalmente devido a leis que regem o setor. O questionário contem perguntas diretas seguindo o método de resposta fechada, neste caso a melhor forma para se obter respostas onde o inquirido pode optar por uma resposta que se aproxima mais da sua opinião. O conjunto de questões deve ser muito bem organizado e conter uma forma lógica para o entrevistado, evitando o uso de estrutura (ou formato) demasiado confusa e complexa, ou ainda questões demasiado longas. A interpretação da análise descritiva da pesquisa se fez por métodos específicos por tabela e gráficos como orienta Marconi (1999). Os resultados do

20 20 levantamento serão apresentados para o Diretor do Presídio em forma de feedback para que ajude na interpretação dos dados e também na resolução do problema de pesquisa, e auxiliará a análise final.

21 21 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Este capítulo apresenta uma pesquisa bibliográfica a fim de fundamentar teoricamente o assunto em estudo. Richardson (1999) afirma que o referencial teórico tem por objetivo apresentar os estudos sobre o tema ou problema, que já foram realizados por outros autores. Assim, para dar suporte teórico à pesquisa, este capítulo apresenta uma revisão bibliográfica com assuntos fundamentais para garantir credibilidade e veracidade ao trabalho, agregando-lhe caráter científico. 2.1 Administração O crescimento econômico e a concentração da produção industrial em alta escala, proporcionou a Frederick Taylor formular uma nova ciência; Administração Científica. Segundo Roesch (2009, p 23) A partir das recomendações de Taylor, uma série de técnicas se tornou universal, como a descrição de cargos, planejamento de fluxos de trabalho, o controle sistemático de estoque. Seu trabalho se junta ao de muitos que na mesma época enfocaram-se para desenvolver princípios e técnicas eficientes. A descoberta teve ênfase nas tarefas, e em principio o pensamento de Taylor voltou-se para o ORT Organização Racional do Trabalho, segundo Oliveira (2006) fundamenta na análise e fragmentações das tarefas, estudo do tempo e movimentos e na especialização funcional. É importante ressaltar que desde que o homem começou a se organizar numa rede social, as sociedades realizam atividades administrativas feitas muitas vezes na prática sem a preocupação técnicas dos processos. A palavra administração vem do latim ad (junto de) e ministratio ( prestação de serviço, ação de prestar serviço ou ajuda). Com base neste critério, o ilustre professor da U.S.P., Maximiano (2000) conceitua Administração como processo de tomada de decisões e realizar ações

22 22 integrando quatro processos: Planejar, organizar, executar e controlar. Alguns estudiosos afirmam que a administração provém desde a queda do império romano, entre os séc. V e XV, período este conhecido como idade média onde o sistema feudal se fazia notável. Segundo Nogueira (2007) ocorria neste período a ruralização da sociedade, o enriquecimento da hierarquia social, a "clericalização" e modificação mental da sociedade. Neste período a organização era meta de muitas entidades, elementos importantes que antecedem a administração, ex; exércitos feudais, igreja católica, corporações de ofício, feudos e o comércio em si influenciaram o surgimento do capitalismo. Henry Ford foi o revolucionário na área industrial, teve uma relevante contribuição ao desenvolver e aperfeiçoar o sistema de trabalho em linhas de montagem. O Ford bigode preto fabricado em larga escala e a baixo custo permitiu a popularização dos automóveis na época, afirma Oliveira (2006). 2.2 Escolas da Administração O francês Henry Fayol, pioneiro da Administração Clássica é considerado junto com Taylor, um dos fundadores da Administração, popularizou ao mundo as principais funções: Planejar, organizar, coordenar e controlar. Podemos dividir os pais da Administração sendo Fayol como organização de empresas, Ford como organização de processos produtivos e Taylor como eficiência operacional. Na Teoria Clássica da Administração, Max Weber, um sociólogo alemão se destaca como criador da sociologia da burocracia na década de 40. Segundo o conceito popular, a burocracia é visualizada geralmente como uma empresa, repartição ou organização onde o papelório se multiplica e se avoluma, impedindo as soluções rápidas e eficientes. O termo é empregado também com o sentido de apego dos funcionários aos regulamentos e rotinas, causando ineficiência à organização. O leigo passou a dar o nome de burocracia aos defeitos do sistema. Entretanto para Max Weber a burocracia é exatamente o contrário, é a organização eficiente por excelência e para conseguir esta eficiência, a burocracia

23 23 precisa detalhar antecipadamente e nos mínimos detalhes como as coisas devem acontecer. A Teoria das Relações Humanas, desenvolvida a partir de 1940, buscou um foco maior nas pessoas ou grupos sociais, efetivamente surgiu com a experiência de Hawthorne, realizadas por Elton Mayo e sua equipe. Segundo Oliveira (2006) os aspectos sociológicos, psicológicos e emocionais influenciaram os estudos, bem mais que as técnicas. Motivação, liderança, comunicação e dinâmica em grupo influenciaram o bom andamento do estudo. A Teoria Estruturalista surgiu por volta de 1950 como um desdobramento dos autores voltados para teoria burocrática. Chiavenato (1999) afirma que ela surgiu preocupada em integrar todas as teorias. Conceituou a Administração como um sistema aberto. A Teoria Neoclássica resume-se pela organização formal, expondo princípios gerais da administração bem como as funções do administrador. A Teoria do Comportamento Organizacional caracteriza-se pela teoria das decisões e integração dos objetivos individuais e organizacionais. A Teoria da Contingência aborda análises ambientais, abordagem de sistemas abertos e seu imperativo tecnológico. Muito estudada e polêmica, por sua vez, descreve o Administrador como sendo responsável diretamente pelo ambiente da empresa sempre em expansão. Dentre as inúmeras teorias que surgiram e as que ainda surgirão, o conceito de administração vem a cada década se expandindo de forma global. Algumas ideias ficaram marcadas e ainda geram discussão entre profissionais e acadêmicos das inúmeras escolas de Administração do planeta. Um exemplo a citar é a pirâmide de Hierarquia das Necessidades Humanas, criada por Abraham Maslow ( ) que foi um psicólogo americano, considerando o pai do humanismo na psicologia, o estudioso, trouce ao mundo a ideia de que a vida do Homem é estimulada por níveis sociais, em que as necessidades de nível mais baixo devem ser satisfeitas antes das necessidades de nível mais alto:

24 24 Figura 1 Hierarquia das Necessidades de A. Maslow. FONTE: Elaborado pelo acadêmico (2009). Necessidades Fisiológicas: São relacionadas às necessidades do organismo, e são a principal prioridade do ser humano. Entre elas estão respirar e se alimentar. Sem estas necessidades supridas, as pessoas sentirão dor e desconforto e ficarão doentes. Necessidades de Segurança: Envolve a estabilidade básica que o ser humano deseja ter. Por exemplo, segurança física (contra a violência), segurança de recursos financeiros, segurança da família e de saúde. Necessidades Sociais: Com as duas primeiras categorias supridas, passase a ter necessidades relacionadas à atividade social, como amizades, aceitação social, suporte familiar e amor. Necessidades de Status e Estima: Todos gostam de ser respeitados e bem vistos. Este é o passo seguinte na hierarquia de necessidades: ser reconhecido como uma pessoa competente e respeitada. Em alguns casos leva a exageros como arrogância e complexo de superioridade.

25 25 Necessidade de Auto Realização: É uma necessidade instintiva do ser humano. Todos gostam de sentir que estão fazendo o melhor com suas habilidades e superando desafios. As pessoas neste nível de necessidades gostam de resolver problemas, possuem um senso de moralidade e gostam de ajudar aos outros. Suprir esta necessidade equivale a atingir o mais alto potencial da pessoa. 2.3 Funções Administrativas Todo Administrador assume uma variedade de papeis para estabelecer metas e alcançar objetivos. Como vimos anteriormente nas escolas da administração cada uma delas define a Administração ao seu modo. Silva (2007) cita que a Administração lida com pessoas que executam os trabalhos ou serviços para os quais foram contratadas. Podendo o administrador ser subordinados ou não, respeitando os Níveis Hierárquicos representados no quadro abaixo: Figura 2 Níveis estratégicos. FONTE: Elaborado pelo acadêmico (2009). O nível estratégico compreende os altos executivos da organização, responsáveis pela definição dos objetivos e planos da empresa, e tomada de decisões quanto às questões de longo prazo da empresa, como: sua sobrevivência, crescimento e eficácia geral (BATEMAN, 1998, p. 30).

26 26 O planejamento, no nível tático, é utilizado para traduzir os objetivos gerais e as estratégias da alta diretoria em objetivos e atividades mais específicos. (BATEMAN, 1998). Já no planejamento operacional, o processo é de uma menor amplitude, onde o foco é trabalhar junto aos funcionários não administrativos, implementando os planos específicos definidos no planejamento tático. (BATEMAN, 1998) Planejar Escolher ou estabelecer a missão organizacional bem como seu propósito e objetivos para atingi-los. Silva (2007) cita que o planejamento é o processo administrativo, e determina antecipadamente o que um grupo de pessoas deve fazer e quais as metas que devem ser atingidas. Para Daft (2005) também consiste em decidir tarefas e o uso dos recursos necessários para o sucesso Organizar Antes de se esclarecer o que se deve entender por estrutura organizacional, convém salientar que a palavra organização também é usada como sinônimo de empresas e diz respeito também ao numero elevado de tipos ou modelos de estruturas organizacionais existentes na literatura administrativa. Robbins (2003) argumenta que organização é a função que abrange as tarefas que serão realizadas, quem são os responsáveis pelas execuções, a maneira que serão agrupadas e o potencial líder que decidirá por todos.

27 Liderar e dirigir Muitas vezes é o fator diferencial de uma empresa, pois está diretamente ligada a motivação dos funcionários. Oliveira (2006) identifica oito papeis relacionados à função de liderar: Proa, porta voz, negociador, treinador, formador de equipe, membro de equipe, solucionador de problemas técnicos e empreendedor. Já Robbins (2003) afirma que liderança abrange motivação, seleção do canal comunicativo mais eficaz e solução de conflitos entre os membros Controlar Geralmente as organizações delinear meios para que se tenha certeza de que o desempenho planejado seja realmente atingido. Conforme Silva (2007) o administrador completa seu trabalho por meio do controle. Neste ponto, Daft (2005) descreve controle como sendo uma função monitora de atividades, que mantém a organização no trilho em direção a suas metas. O controle é um fator importantíssimo na empresa, tanto que completa o ciclo administrativo, devendo fazer parte de qualquer tipo de organização, seja ela simples ou mais complexa. O papel de monitorar fixa bem a função de controle, porque o termo monitorar é freqüentemente usado como sinônimo de controlar. O papel de lidar com distúrbios é categorizado sob o controle porque envolve transformar uma situação inaceitável em uma condição aceitável e instável. (OLIVEIRA, 2006, p.149) Estas habilidades proporcionam aos gestores o poder de planejar, organizar, dirigir e controlar qualquer tipo de organização. Serve como uma receita de bolo e que mesmo o passar acelerado do tempo e das inovações, não conseguem apagar essas velhas lições.

28 Administração Pública Como as demais ciências, a Administração evolui conforme a mente humana se desenvolve. Os métodos de questão têm sido estudados conforme a sociedade expõe suas buscas por novos estudos, o pensamento capitalista relativamente instável e o beneficio de toda a sociedade é obtido pelo desenvolver de novas formas de organizar-se por meio de iniciativas empreendedoras. Segundo Oliveira (2006) uma cultura demanda longo tempo para se formar. O profissional de administração vem se mostrando totalmente capaz e flexível para discutir novas formas de gestão e efetivar mudanças contemporâneas na Sociedade cada dia mais contingente. Nesta perspectiva segundo Meirelles: Em sentido formal, a Administração Pública, é o conjunto de órgãos instituídos para consecução dos objetivos do Governo; em sentido material, é o conjunto das funções necessárias aos serviços públicos em geral; em acepção operacional, é o desempenho perene e sistemático, legal e técnico, dos serviços do próprio Estado ou por ele assumidos em benefício da coletividade. Numa visão global, a Administração Pública é, pois, todo o aparelhamento do Estado preordenado à realização de seus serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas. (MEIRELLES, 1994, p.60). O fato da área privada se desenvolver mais que o setor público, influencia a busca de fontes alternativas de administração de verbas públicas. No cenário de descaso político em que muitos municípios brasileiros vivem, faz-se necessário a profissionalização dos gestores e servidores públicos, pois administrar bens que refletem no seio social pode representar sérios problemas caso não haja o melhor aproveitamento dos recursos e investimentos. A Administração pública busca unir o profissional de administração relativamente treinado para com uma gestão que aperfeiçoe lucros e traga confiabilidade nos processos decisórios e processos de mudanças sociais. Segundo Kotler (1997) as empresas norte-americanas foram às pioneiras na prestação de contas ao público, e a França foi pioneira na obrigatoriedade da elaboração do balanço social. Nota-se que esses países tidos como desenvolvidos, desenvolveram inúmeras ciências envolvendo o relacionamento humano e deram a metodologia da Administração Pública para responder as necessidades humanas de um Estado competente.

29 Administradores do séc. XXI Os primeiros e isolados discursos em prol de uma mudança de mentalidade empresarial no Brasil foram notados em meados da década de 60. Praticamente toda a organização passa por um processo de reestruturação em qualquer ponto de sua existência, no setor público esse processo é mais preocupante devido ao curto tempo de por planos em prática, muitas vezes se apresenta de forma sazonal e muitas vezes imprevisível e errático. Segundo o renomado autor Cury (2005) as mudanças estruturais e filosóficas são extremamente importantes para que a cultura e as formas de estudo se façam notórias. Vale lembrar que necessitam de um controle para que a construção de objetivos seja compreendida por todos os membros. Isso prova que o processo de comunicação é muito relevante para uma gestão competente e justa. As complexas relações recíprocas entre a tecnologia e fatores sociais e culturais podem ser vista em nítidos contornos nos problemas das áreas subdesenvolvidas, que agora procuram industrializar-se. (NETO, 1986, p.151). A logística se apresenta atualmente tão grande e complexa que seriamos audaciosos em afirmar que ela apenas se enquadra na área Administração, como na medida em que os sistemas de informações gerenciais evoluem assim como softwares ultramodernos a alcance da maioria das pessoas, nota-se que a Administração se tornou amplamente moderna. Uma nova cultura exige gestores públicos compatíveis ao tamanho de seu crescimento. O renomado autor Drucker (2001) em seus estudos julga que a internet está em evolução acelerada, significativamente expressa que o Administrador deve estar ciente das mudanças e das inovações. Nota-se que Isso é um diferencial para com os demais profissionais, pois alguns preferem ou assumem o comodismo a que mudar as técnicas e filosofias profissionais. Os novos modelos de gestão podem causar significativo impacto na cultura dos funcionários, por exemplo, os empowerment (delegação de autoridade); onde os valores psíquicos do funcionário possibilitam delegar responsabilidades com autonomia para que possam desempenhar suas tarefas e resolver sozinhos os seus eventuais problema, isso está modificando e trazendo uma forte cultura nas organizações possibilitando o alcance das mudanças. Oliveira (2006) afirma que

30 30 deve-se inovar ou morrer. Essa preocupação na atual cultura de competição global reflete coincidentemente na vida profissional dos indivíduos. Técnicas de groupthink (pensamento grupal) onde membros de um grupo se encontram pessoalmente e interagem através de técnicas simples, que não exigem tecnologia de ponta, fazem a diferença nos processos decisórios e facilitam o feedback empresarial. Chiavenato (2004) julga que quanto mais as empresas se tornam globais e complexas, mais se ressalta o fator humano. Atualmente empresas modelos recorrem ao governo federal para ajuda financeira e pacotes de apoio para não atestarem falência. Questionar o porquê de um lado do mundo pessoas ainda morrem de fome, e do outro lado milhares de veículos são produzidos por hora é um dos questionamentos que um gestor público deve afrontar. As ditas empresas verdes se tornaram a inovação mais notável no séc. XXI, e isso é uma importante mudança cultural de consumo, merece muito apoio diante da escassez de recursos naturais que presenciamos. O surgimento de ONGs na sociedade é um fator chave para o desenvolvimento da humanidade, muitas servem de exemplo de gestão e possuem profissionais muito responsáveis e competentes. Também cabe ressaltar que nessa evolução e mudança comportamental social, o administrador tem de estar preparado para administrar empresas de capital aberto e não apenas de capital fechado como antigamente. A bolsa de valores proporcionou uma mudança importantíssima na cultura, as informações aos investidores são comuns nos sites das organizações. Isso beneficia a sociedade, pois traz transparência ao mercado. Cabe imaginarmos que num futuro não muito distante a relação com investidores seja possível na área pública por parte dos poderes legislativos do nosso país. Karl Heinrich Marx na década de 70 alertava o mundo para os possíveis problemas sociais; O que fazer com os desempregados? Enquando se avoluma cada ano o número deles, não há ninguém para responder a essa pergunta; e quase podemos prever o momento em que os desempregados perderão a paciência e encarregar-se-ão de decidir seu destino, com suas próprias forças (MARX, 1971, p.29). A forma de ver os empregados mudou, notamos que ao passar do tempo o modelo fordista de comandar foi ficando cada vez mais empoeirado nas estantes de livros antigos. Observamos também que a população vem buscando de seus lideres mais transparência e ética. A era dos microchips e dos leitores de código de barra e os diversos programas de gerenciamento evidenciam que as pessoas estão

31 31 ficando rápidas de mais para modelos tradicionais de liderança e filosofias organizacionais antigas. 2.6 O processo de humanização prisional Desde os tempos mais remotos da humanidade, o que encontramos na nossa trajetória histórica são grupos humanos, e não indivíduos isolados e, dentro desses grupos, desde logo, regras de comportamento social. A vigência das regras resultava do hábito e a sua obrigatoriedade estava assentada no temor religioso ou mágico. Nessas formas primárias de comunidade, por óbvio, não existia um órgão que exercesse a autoridade coletiva. Os grupos sociais se formavam e se regravam com total ausência do Estado. Foi no período iluminista que ocorreu o marco inicial para uma mudança de mentalidade no que dizia respeito à pena criminal. Surgiram, na época, intelectuais que marcariam a história da humanização das penas: Cesare Beccaria, em sua obra intitulada Dos Delitos e das Penas, publicada em 1764; John Howard, que escreveu a obra O Estado das Prisões na Inglaterra e País de Gales ; o pensador inglês Jeremias Bentham, idealizador do pensamento utilitarista, autor do Tratado das Penas e das Recompensas (1791); Samuel Puffendorf, professor de Filosofia do Direito na Alemanha; entre outros. Nesta época, com a influência desses pensadores, com destaque especial para Beccaria, começou a ecoar a voz da indignação com relação às penas desumanas que estavam sendo aplicadas sob a falsa bandeira da legalidade. No século XVIII, o filósofo inglês, Jeremy Bentham, deu visibilidade a um projeto que marcaria a sociedade moderna: o Panóptico. Era um projeto arquitetônico de vigilância total, baseado na inspeção. Dois edifícios circulares concêntricos faziam parte da construção. No edifício exterior, ficariam as celas dos internos. Estas celas que Segundo o filósofo Foucault (1999) são separadas entre si e os prisioneiros, dessa forma, impedidos de qualquer comunicação, sendo que a construção era aberta para a constante vigilância, sem que os presos dessem conta

32 32 disso. Supomos então, uma espécie de olho invisível à noite, com as luzes projetadas nas celas, quem estava na torre se perdia na escuridão; e, durante o dia, o sistema de biombos e persianas não permitia que os detentos percebessem os vigias. Este projeto serviu de estudo em um contexto de exercício do utilitarismo em décadas posteriores. O sistema utilitário ideal, que coloca homens e mulheres a serviço pleno do Estado, e sobre vigília 24 horas. No século XX, as análises de Foucault sobre o Panóptico de Bentham tornaram-se, desde o livro Vigiar e Punir, um paradigma dos sistemas sociais de controle e vigilância total. O panoptismo, então, começou a ser entendido enquanto instrumento de controle de um sistema que não absorve todas as pessoas. Existem aquelas que escapam aos ideais de utilidade e são consideradas não-empregáveis. A estas pessoas restam à tentativa de disciplinamento do corpo para o trabalho ou o confinamento, puro e simples, para mantê-las fora do contato público. Este disciplinamento individual caracteriza, então, o principal traço da sociedade moderna, o que Foucault chamou de sociedade disciplinar. Foucault propõe observar o Panóptico como um local privilegiado para tornar possível a experiência com homens e para analisar com toda certeza as transformações que se pode obter neles um laboratório de poder que é exercido sobre e no corpo, sujeitando-o, transformando-o, dobrando seu interior, docilizando sua alma. A arquitetura da prisão, da escola, do hospital, do manicômio repousa suas histórias nesses princípios. São efeitos ou são os princípios da sujeição. São estruturas que dão suporte para a existência de determinados tipos de sujeitos ou traços de subjetividades. Podemos afirmar que o fracasso maior do sistema prisional antigo seja a ideia de que a pena de morte signifique medo aos delinquentes sociais. Conclui-se desta forma que na atualidade, o estado ainda busca meios de amedrontar os presos, como exemplo disso, os países com maior capital, que podem investir em incentivos de recuperação e projetos onde os detentos exerçam atividades que os possibilite retornar a sociedade, sem sentir-se excluídos do selo social, mas o estado não incentiva e não vê lucro. Porém de uma forma muito positiva, mecanismo de trabalho interno privado, vem proporcionando a milhões de presos uma segunda chance de se redimir diante

33 33 dos erros cometidos. Cabe ao estado solucionar os problemas mais típicos: a inoperabilidade dos presídios, a superlotação, e o fato de haver poucos presídios. O Célebre ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, que ficou preso por 25 anos e dizia que ninguém conhece verdadeiramente uma Nação até que tenha estado dentro de suas prisões. Uma Nação não deve ser julgada pelo modo como trata seus cidadãos mais elevados, mas sim, pelo modo como trata seus cidadãos mais baixos. 2.7 Prisões Brasileiras Foi em 1769 que a Carta Régia do Brasil determinou a construção da primeira prisão brasileira, a Casa de Correção do Rio de Janeiro. Só alguns anos depois, a Constituição de 1824 determinou que as cadeias tivessem os réus separados por tipo de crime e penas e que se adaptassem as cadeias para que os detentos pudessem trabalhar. No início do século 19 começou a surgir um problema que hoje conhecemos muito bem nas cadeias: a superlotação, quando a Cadeia da Relação, no Rio de Janeiro, já tinha um número muito maior de presos do que o de vagas. Que o Brasil não é um exemplo de pais tratando-se de penitenciárias, isso todo cidadão sabe. Nos pátios, sem nada para fazer os detentos, andam de um lado para o outro durante horas. Alguns fumam, outros falam ao celular. As celas são espaços pequenos onde fios descascados e goteiras são comuns porque a manutenção é raríssima. A cama em geral é feita de cimento e um colchão de cerca de cinco centímetros de espessura é colocado sobre ela. A Lei de Execuções Penais prevê (artigo 88) que os prisioneiros sejam mantidos em celas individuais de pelo menos seis metros quadrados. Mas como já se viu aqui, em cadeias superlotadas isso não é cumprido em cadeia nenhuma do Brasil. Problemas administrativos são comuns em algumas penitenciárias onde os seus eventuais diretores (gerentes) às vezes são pressionados a sair de sua gestão devido a fatores políticos. Após alguns estudos focado na área Penal. O autor Alves (2003) caracteriza que as unidades prisionais brasileiras são divididas em: Casa de Detenção, Custódia

34 34 e Tratamento, Centro de Readaptação, Hospital de Custódia e Tratamento, Hospital Penitenciário e Penitenciárias Compactas. Atualmente as principais detenções são definidas como Centro de Detenção Provisória, Centro de Ressocialização e Colônia Agrícola Industrial, além das prisões de segurança máxima. A expressão prisão provisória abrange toda e qualquer prisão decretada pelo Juiz Criminal, antecedendo o trânsito em julgado da sentença condenatória. A função da mesma é proporcionar o máximo de segurança a população enquanto as leis tramitam para que o penalizado possa pagar pelos delitos cometidos. Conforme dados do Ministério da Justiça, o número de presos no Brasil cresceu, entre 2000 e 2007, 81,53%, saltando de internos para , Há penitenciárias no Brasil onde os governos não oferecem sequer uniformes, embora por lei o detento tenha direito a vestuário. Presos doentes com problemas na pele (comum nos presídios pela falta de higiene) ou com doenças contagiosas convivem no mesmo espaço. Nos Hospitais do Sistema Penitenciário nem sempre há vagas suficientes para atender a todos e os casos de mais gravidade são priorizados. Hospitais onde na maioria dos casos faltam remédios básicos, médicos e enfermeiros. Em algumas cadeias públicas e penitenciárias, os detentos passam o tempo jogando futebol, onde deveriam também estar desenvolvendo outras atividades, como tendo aulas de aprendizagem, já que boa parcela mal possui ensino fundamental. Alguns presídios têm uma sala de ginástica, improvisada pelos próprios detentos. Garrafas de água de cinco litros, cheias, amarradas em pedaços de madeira (uma em cada ponta) servem para exercícios de levantamento de peso, por exemplo. A maioria absoluta é formada por pessoas pobres, da classe baixa. Um grande problema dentro das cadeias masculinas é o abuso sexual. Como não há separação de tipos de criminosos nem do tempo de pena convivem juntos os que praticaram crimes graves e com longas condenações e os iniciantes com condenações menores. Obviamente, isto acaba se tornando um problema, dentro dos presídios que a grande maioria dos delinqüentes aprimora sua carreira criminal. Nos presídios femininos a situação não é muito diferente. Há um pouco mais de organização e decoração do ambiente. Há presídios de segurança máxima em quase todos os estados brasileiros e se diferenciam dos comuns por ter maior vigilância, alguns com guardas, cachorros, câmeras. Em 1890, o Código Penal já previa que presos com bom

35 35 comportamento, após cumprirem parte da pena poderiam ser transferidos para presídios agrícolas, o que é lei até hoje, mas também abrange uma parte ínfima dos presos porque são poucos os presídios deste tipo no país. Outra modalidade é o detento menor de idade, Segundo a Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, havia no Brasil, em 2007, jovens cumprindo medidas sócio-educativas, sendo que cumpriam em regime fechado, ou seja, em unidades para menores, privados de liberdade. Em 1996, dez anos antes, este número era de menores internos. A maioria dos internos estava lá por terem cometido homicídio, latrocínio e assalto à mão armada. De acordo com o Centro Educacional do Adolescente, da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, a reincidência é de 50% no país. Segundo dados de 2007 da PFDC - Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, a população carcerária do Brasil era de 419,5 mil pessoas. As mulheres somam 25,9 mil. Em 2008, 23,1 mil mulheres integraram o sistema penitenciário nacional. O total de detentos foi de 401,2 mil. Estima que o custo de cada menor ao Estado fosse de R$ 2.000,00 mil por mês. Estes dados alarmantes sensibilizaram inúmeros estudiosos e pesquisadores na área, Gomes (1999) salienta que há de destacar que os presos brasileiros não são separados por idades, infração, condição processual, prova que a falência ou fracasso na pena precisam de medidas alternativas. Esse fator compromete a caracterização e melhor controle do preso. A situação atual sugere urgentemente mudanças emergenciais na administração penitenciária brasileira, o futuro incerto das medidas tomadas pelos encarregados públicos faz questionarmos o quanto evoluímos em algumas áreas e em algumas ainda estamos em pendência. Para compreendermos melhor as diretrizes criminosas probabilísticas do Brasil, devemos fazer uso da estatística criminal. Para estudar melhor a situação prisional brasileira, necessitamos das noções básicas para estatísticas, só assim podemos revelar os focos criminógenos, os locais de maior risco criminal e populações tendentes ao crime, isso com certeza é uma ferramenta importante para a administração pública. Segundo Junior (1993) o objetivo da estatística criminal é estudar conjuntos para tirar parâmetros que possibilitarão decisões e soluções para questões relacionadas com o crime e a criminalidade e assim otimizar a administração prisional.

36 36 Infelizmente o Brasil investe muito pouco em pesquisa na área prisional. Examinemos o caso de um país onde há mais pesquisa sobre o assunto, segundo a SSP- Secretaria de Segurança Pública, os Estados Unidos possuem uma grande população de presidiários - quase 2 milhões. O país gasta cerca de US$ 50 bilhões por ano nesse campo. Cada preso, custa ao Estado US$ 25 mil anuais, em média, isso representa R$ 4.116,66 gastos mensalmente por cada preso, claro que esse número não supera o investimento na a educação pública, ao contrário do Brasil que um preso custa mais que um estudante público, por exemplo, um preso em Sergipe custa mensalmente R$ 1.581,80 que o contribuinte paga para manter encarcerada uma única pessoa. Um único aluno na escola pública, no entanto, custa apenas R$ 173,56. Segundo o FNDE- Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, os repasses para as escolas com baixo desempenho em 2007 vão de R$ 15 mil (escolas com até 99 alunos) a R$ 75 mil (mais de estudantes). Observa-se que há certas dificuldades para prevenção e incentivo a educação, e isso é um fator relevante para que punições futuras não sejam necessárias. Julião (2003), renomado pesquisador e com vasta experiência na área prisional ressalta que nada menos que 76% dos presos estão ociosos nas cadeias do país. Usaremos aqui alguns números de seu estudo para destacar os estados brasileiros e seus respectivos trabalhadores: Tabela 1 População de presos brasileiros que exercem trabalho interno. Estado N de presos N de presos que trabalham % Acre ,65 Alagoas ,47 Amapá ,02 Amazonas ,64 Bahia ,29 Ceará ,74 Distrito Federal ,98 Espírito Santo ,68 Goiás ,09 Maranhão ,48 Mato Grosso ,96 Mato Grosso do Sul ,32 Minas Gerais ,16 Pará Não informado Não informado Paraíba ,50 Paraná ,62 Pernambuco ,03 Piauí ,08

37 37 Rio de Janeiro ,29 Rio Grande do Norte ,26 Rio Grande do Sul ,46 Rondônia ,15 Roraima ,85 Santa Catarina ,14 São Paulo ,21 Sergipe ,98 Tocantins ,23 FONTE: DEPEN - Departamento Penitenciário Nacional. Dados de setembro de No quadro acima, podemos afirmar que em algumas regiões mais industrializadas e mais populosas (sul, sudeste e centro oeste) o percentual de presos ociosos é pouco se comparado à região nordeste onde a população de presos exercendo alguma atividade é menor. Os estados nacionais que mais se destacam são SC, SP, MG, RS e os que exigem uma reforma mais alternativa são RJ, PB e CE. Para a Dra. Regina Célia Pedroso, professora da USP e da Mackenzie e para o prof. Carlos Gil do programa de Mestrado da Universidade Municipal de São Caetano do Sul- SP, em entrevista cedida a Revista Brasileira de Administração (2009) a gestão penitenciária apresenta um desenvolvimento separado dos cursos e das carreiras ligadas à profissão de Administrador, e os próprios Administradores precisam ser envolvidos mais enfaticamente na questão. Práticas modernas de administração de presídios e as parcerias públicoprivadas (PPPs) são alternativas capazes de minorar esse problema secular em nosso país Sistema Prisional de Santa Catarina Segundo o site do DEAP- Departamento de Administração Prisional de Santa Catarina existia no estado detentos. Abaixo podemos visualizar a população de presos divididos por sexos correspondentes:

38 38 Tabela: 2 Presos internados de Santa Catarina. SEXO AMOSTRA FEMININO 935 MASCULINO TOTAL FONTE: Estatísticas DEAP- Departamento de Administração Prisional de Santa Catarina. Dados de 02/06/2009. Nota-se que a amostra de presos masculinos (11.667) supera a feminina (935), representando apenas 7% de mulheres em cumprimento da pena. Os homens causam mais delitos do que as mulheres ao longo da história. O estado conta com um programa muito eficiente chamado Laborterapia, este programa está dividido entre trabalhos externos e trabalhos internos, conforme representado no quadro abaixo: TRABALHO EXTERNO TRABALHO INTERNO SETOR AMOSTRA SETOR AMOSTRA Administração Direta 332 Apoio ao Estabelecimento Penal 1360 Administração Indireta 35 Artesanato 1438 Empresa Privada 175 Atividade Rural 278 Outros 148 Outros 2104 TOTAL 690 TOTAL 5180 Quadro 3 Setores de trabalho dos presos internados de Santa Catarina. FONTE: Estatísticas DEAP- Departamento de Administração Prisional de Santa Catarina. Dados de 31/01/2007. O termo laborterapia, historicamente, tem o caráter de um tratamento psiquiátrico que mantém e exercita a capacidade produtiva do interno nas instituições auxiliares. Segundo o mestre em Terapias Ocupacionais MAROTO (1991), além da ocupação do tempo ocioso, pretende-se que os produtos das oficinas sejam preferencialmente vendáveis de modo a contribuir com a manutenção

39 39 institucional. Estes dados são de extrema importância, pois mostram que o estado de Santa Catarina tem uma digna responsabilidade social com os detentos e utiliza de métodos convencionais de trabalho e conta também com o apoio de empresas privadas. Os dados são de 2007, e supondo que os mesmos números de trabalhadores fossem mantidos até 2009, isso representaria 46% da população carcerária do estado em plena atividade de trabalho. Tendo isso como medida Julião (2003) julga que o Ceará é o Estado onde os presos têm o maior percentual de ociosidade, com apenas 2,74% desses exercendo alguma atividade. Vejamos agora algumas informações divulgadas pelo P.R.E.P - PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA EXECUÇÃO PENAL - Relatório das Inspeções Realizadas de dezembro de 2009: EXISTÊNCIA DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA (Câmeras etc.): Vale do Itajaí: 14,3% Presídio Regional de Itajaí Não Presídio Regional de Balneário Camboriú Não Presídio Regional de Blumenau Sim Presídio Regional de Rio do Sul Não Unidade Prisional Avançada de Brusque Não Unidade Prisional Avançada de Indaial Não Unidade Prisional Avançada de Ituporanga Não EXISTÊNCIA DE ASSISTENTE SOCIAL NO ESTABELECIMENTO: Vale do Itajaí: 0% Presídio Regional de Itajaí Presídio Regional de Balneário Camboriú Presídio Regional de Blumenau Presídio Regional de Rio do Sul Unidade Prisional Avançada de Brusque Unidade Prisional Avançada de Indaial Unidade Prisional Avançada de Ituporanga Não Não Não Não Não Não Não EXISTÊNCIA DE ATIVIDADES EDUCACIONAIS NO ESTABELECIMENTO (supletivos, cursos de primeiro grau, atividades educativas):

40 40 Vale do Itajaí: 28,5% Presídio Regional de Itajaí Presídio Regional de Balneário Camboriú Presídio Regional de Blumenau Presídio Regional de Rio do Sul Unidade Prisional Avançada de Brusque Unidade Prisional Avançada de Indaial Unidade Prisional Avançada de Ituporanga Não Não Não Sim Não Não Sim REGIÃO & UNIDADE PRISIONAL FUGAS MORTES Total no Estado de Santa Catarina I Grande Florianópolis: Complexo Penitenciário de São Pedro de Alcântara Complexo Penitenciário da Capital Presídio Masculino de Florianópolis Presídio Feminino de Florianópolis Presídio Regional de Tijucas Colônia Penal Agrícola da Palhoça Casa do Albergado de Florianópolis Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico 0 1 II Vale do Itajaí: Presídio Regional de Itajaí Presídio Regional de Balneário Camboriú Presídio Regional de Blumenau Presídio Regional de Rio do Sul Unidade Prisional Avançada de Brusque 14 Unidade Prisional Avançada de Indaial 15 Unidade Prisional Avançada de Ituporanga III Região Norte: Penitenciária Industrial de Joinville Presídio Regional de Joinville Presídio Regional de Jaraguá do - - Sul 19 Presídio Regional de Mafra Unidade Prisional Avançada de 4 0

41 41 Porto União IV Região Sul: Penitenciária Sul (Criciúma) Presídio Regional de Tubarão Presídio Regional de Araranguá Presídio Regional de Criciúma Unidade Prisional Avançada de Laguna 26 Unidade Prisional Avançada de Imbituba V Região Oeste: Penitenciária Agrícola de Chapecó Presídio Regional de Chapecó Presídio Regional de Concórdia Presídio Regional de Xanxerê Presídio Regional de Joaçaba Unidade Prisional Avançada de São Miguel do Oeste 33 Unidade Prisional Avançada de Capinzal Casa do Albergado de Chapecó 0 0 VI Planalto Serrano: Penitenciária Regional de Curitibanos Presídio Regional de Lages Presídio Regional de Caçador Unidade Prisional Avançada de Correia Pinto 1 0 Quadro 4 Segurança Prisional Estadual. FONTE: Tribunal de Justiça de Santa Catarina - Corregedoria-Geral da Justiça - Núcleo III. Dados publicados em dezembro de Conclui-se através dos dados, que aproximadamente metade dos estabelecimentos prisionais de Santa Catarina possui vigilância eletrônica (19 de 38); dentista no estabelecimento (18 de 38); psicólogo no estabelecimento (18 de 38); assistente social na unidade (17 de 38); e atividade educacional (19 de 38). A maior parte dos estabelecimentos conta com Conselho da Comunidade (24 de 38) e com médico atendendo no próprio estabelecimento (22 de 38). Já os dados mais preocupantes dizem respeito ao número reduzido de unidades prisionais que contam com Conselho Disciplinar (apenas 14 das 38) e, mormente, advogado dando atendimento dentro do estabelecimento (tão-somente 8

42 42 dos 38, o que representa 21%). Ao fim o quatro, apresenta-se a quantidade de fugas com e sem morte no estado de S.C., a unidade prisional de Itajaí teve 27 casos de fuga sem morte e 2 casos com morte. Este dado é concomitantemente baixo se comparado com as demais regiões, sendo que Itajaí possui uma população carcerária abundante Detração Penal e trabalho interno Pensando em soluções para ressocializar os presos, inúmeros estudiosos vêm pesquisando e se empenhando na luta de um estado justo e eficiente. Pode-se afirmar que a luta pela dignidade carcerária vem dos primórdios, onde os escravos sofriam as mais duras penas. A discussão do século XXI está voltada aos gastos ineficazes e o insucesso do sistema prisional que não consegue suprir a fabrica do crime. Neste critério BARROS (1999, p. 363) julga: Pena é a sanção, consistente na privação de determinados bens jurídicos, que o Estado impõe contra a prática de um fato definido na lei como crime. Esse bem jurídico de que o delinqüente se vê privado pode ser: a vida (no caso da pena de morte), a liberdade (se a pena é de prisão) ou o patrimônio (em caso de pena de multa ou confisco). Conceitua-se detração penal como sendo, o cálculo de redução da pena privativa de liberdade ou de medida de segurança aplicada ao final da sentença, do período de prisão provisória, ou de internação para tratamento psiquiátrico em que o sentenciado cumpriu anteriormente. Santos (2007) julga que a finalidade primordial da prisão era de ser tanto um lugar de custódia, para impedir que o culpado pudesse furtar-se ao castigo, ou o devedor ao pagamento de suas dívidas, como um lugar de tortura. É mais conhecido popularmente como 3x1 (onde o preso trabalha 3 dias e tem direito a 1 dia de redução da sua pena). Conforme citado pelo autor Mirabete (1997) que define computa-se, também, por razões humanitárias, o tempo em que o condenado esteve internado em estabelecimento destinado ao desconto de medida de segurança. do latim detractione é cortar, suprimir. Portanto, Detração é abater ou

43 43 computar na pena privativa de liberdade o tempo de prisão preventiva ou provisória, e o de internação em hospital ou manicômio. Esse "desconto" se dá na pena definitiva aplicada e está prevista no artigo 42 do Código Penal Brasileiro. No século XX, as análises de Foucault sobre o Panóptico de Bentham tornaram-se, desde o livro Vigiar e Punir, um paradigma dos sistemas sociais de controle e vigilância total. Segundo Foucault (1987) a duração da pena só tem sentido em relação a uma possivel correção, e uma utilização econômica dos criminosos corrigidos. Essa afirmação busca questionar se a correção pode trazer rentabilidade economia e social, muito questionado pelo autor Gomes (1999) que cita que a lei assegura no art. 46 do Código Penal Brasileiro a pena de prestação de serviços à comunidade que consiste na atribuição de tarefas gratuitas ao condenado. Este trabalho pode ser desenvolvido com entidades assistenciais (Filantrópicas), Hospitais, Escolas, Orfantos, etc. Porém muito pouco sobre o assunto se conhece e se pratica, também é importante ressaltar que este beneficio pode ser desfrutado dentro da própria penitenciária e não só nas entidades locais. Santos complementa: De acordo com a exposição de motivos da LEP, no item 132 temos que a remição é uma nova proposta ao sistema e tem entre outros méritos, o de abreviar, pelo trabalho, parte do tempo da condenação. Três dias de trabalho correspondem a um dia de resgate. Já no item 134, temos que para a concessão e a revogação deste benefício, depende da declaração judicial e audiência do Ministério Público. (SANTOS, 2007, p.51). O Estado tem papel fundamental para o desenvolvimento de novos programas de trabalho carcerária. O trabalho interno é um dos importantes fatores no processo de reajuste social do condenado, com remuneração equitativa, deve ser equiparado às pessoas livres no concernente à segurança, higiene e direitos previdenciários e sociais. 2.8 Incentivos ao trabalho Muitos trabalhos podem ser realizados em uma penitenciaria, principalmente quando a mesma oferece espaço como sendo o local de trabalho do preso, pode ser

44 44 uma oficina, laboratório, lavoura, horta, e possivelmente uma micro-fábrica onde produtos manuais possam ser confeccionados, algumas penitenciárias dos EUA disponibilizam de editoras. Em questão a empresas privadas e de maior porte, devese ter em mente e assegurar ao preso o direito de segurança individual, tendo um profissional especializado em segurança do trabalho para amparar as atividades e promover a dignidade humana. Com isso a população em geral ganha em questões de segurança e o expresidiário pode se desenvolver pessoalmente e se posicionar no mercado de trabalho. O autor Mirabete (1997), um dos principais especialistas em Direito Penal do Brasil, julga trabalho prisional como sendo um mecanismo de complemento do processo de reinserção social prevendo a readaptação do preso, preparando-o para uma profissão, não sendo doloroso e mortificante. Sobre questões de comportamento humano o estudioso Edwin Locke, psicólogo, (Chiavenato, 1999, p. 600) relata que, quando se tem um objetivo, este influência no comportamento do indivíduo, fazendo com que se tenha uma grande motivação. Usar de métodos (técnicas) individuais na maioria das vezes repercute em um senso coletivo, o autor relaciona alguns: Os métodos para motivar os indivíduos são: 1. Dinheiro; Influencia monetária é na maioria das vezes o melhor pretexto de troca. 2. Direcionamento dos objetivos; A liberdade de se direcionar diante dos fatos. 3. Participação nas decisões e nos objetivos estabelecidos; Percepção no senso coletivo. 4. Desejo de novos cargos; Crescimento profissional. Esses quatro fatores são proeminentes para que se obtenha a melhor recuperação de um detento e prova que para ser concretizado, o empregador deve estar ciente de que o preso não vem contendo infrações ou demais penalidades em sua estada na prisão. Castro (2002) assegurara que cada indivíduo possui uma determinada postura perante o grupo, quando é influenciado a produzir. Os sentimentos submetem às atitudes, podendo ser afetada a produção se o eventual indivíduo não se identificar com a hierarquia proposta, ou podendo ser próspero, quando o mesmo se adéqua as normas hierárquicas do grupo.

45 45 As opções por trabalho agrícola e industrial podem ser meticulosamente estudadas, muitas vezes nos perguntamos: O trabalhador normal não levanta às 6h da manhã, pega um metrô ou um ônibus lotado e bate ponto diariamente? Por que o preso também não pode acordar cedo e trabalhar para pagar sua comida e a estadia, que hoje é paga pelo Estado? Nota-se que esta questão é muito relativa, pois existem fatores extremamente inimagináveis como a superlotação e a falta de controle sobre a mão de obra prisional, a hierarquia que será respeitada na adesão de qualquer atividade, seguirá as normas penitenciárias de lei? Poderá cumprir com as normas do Código Penal Brasileiro? Muitas perguntas deste gênero são merecedoras de reuniões e congressos pelo Brasil afora, devido a sua complexidade dos casos penais que exigem discussão profissional e meticulosa. Na visão holística da administração podemos mapear os processos necessários para a meta trabalhista se concretizar, desde que este elo seja possível tendo início a motivação dos profissionais e ao fim a própria gestão formalizada e respeitada por eles. No pior dos casos podemos nos deparar com violências devido à vulnerabilidade da contextura moral. Pois como afirma o autor Junior (1993) no ambiente carcerário há pessoas que podem receber quaisquer influxos e não se deixam influenciar, mas há os vulneráveis. Ao desempenhar qualquer tipo de atividade, os vulneráveis devem ser caracterizados e diagnosticados precocemente para evitar eventuais danos O artesanato é o mais comum dos trabalhos, pois exige mínimos custos de produção, maior demanda de oportunidades oferecidas pelo mercado, tendo sua maior opção a confecção de objetos decorativos, porém oferece ao preso o mínimo de qualificação profissional. Portanto devem e podem ser executados diante de impossibilidades administrativas. Vários questionamentos giram em torno da questão do trabalho interno, devemos levar em conta a cultura de determinadas regiões, suas crenças e seus métodos de ressocialização. A prisão, consequentemente, invés de devolver à liberdade indivíduos corrigidos, acaba cada vez mais espalhando a população delinquentes perigosos. As prisões não diminuem a taxa de criminalidade: pode-se aumentá-las, multiplicá-las ou transformá-las, a quantidade de crimes e de criminosos permanece estável, ou, ainda pior, aumenta. (FOUCAULT 1987 p. 221).

46 46 Todo o fenômeno social envolve contato social e interação de um grupo de pessoas com diferentes metas, porém com o mesmo objetivo; o bem estar social. A Sociologia aplicada à administração é o ramo da sociologia que estuda a estrutura e a dinâmica dos sistemas sociais denominados empresas, como afirma Neto (1986). A Administração é uma ciência social, e é por isso que o administrativo e o sociológico se apresentam estreitamente vinculados. Ser um articulador de atividades em uma cadeia, ou penitenciária, é uma tarefa que exige uma ótima capacidade de interagir e solucionar problemas corriqueiros. Compreender os principais processos sociais é o ínfimo dever do Administrador. Analisando o quadro abaixo podemos ter uma noção mais exata dos principais processos sociais: TIPO Cooperação Competição Conflito Acomodação Assimilação REALIZAÇÃO Aproxima os indivíduos na ação conjunta ou no parcelamento das tarefas, visando o objetivo proposto. Luta inconsciente contínua contra oponente não individualizado, objetivando bens ecológicos e econômicos. Quadro 5 Processos sociais. FONTE: CASTRO 2009, p 41. Luta consciente e intermitente pela conquista de status. Solução provisória do conflito. Solução definitiva do conflito. No processo de cooperação, a importância do objetivo proposto é indispensável para o bom andamento das atividades. No processo de competição, o senso coletivo tem fator chave no sucesso da organização. No processo de conflito, o objetivo comum passa acima de qualquer vontade coletiva. No processo de acomodação, o conflito individual cessa mas é vulnerável a qualquer indiferença.

47 47 Já no processo de Assimilação, o conflito individual ou coletivo acaba, havendo o consenso.

48 48 3 PROGRAMAÇÃO DO TRABALHO E PROGRAMA Neste item está apresentado o programa de trabalho a ser desenvolvido considerando as etapas para a realização, o cronograma, com as datas e prazos para conclusão das mesmas. 3.1 Caracterização da Organização O Presídio Regional de Itajaí foi criado no ano de 1982, para abrigar 120 reeducados. Hoje está situado à Rua Pedro José João s/n Bairro Matadouro, CEP , se encontra hoje em um dilema, com capacidade para 198 detentos, sendo 32 femininos e 166 masculinos. Conta atualmente com média de 662 presos, um índice de 3,34 para cada vaga disponibilizada, estando entre os presídios mais lotados do Brasil. As obras da penitenciária, projetada para 362 presos, começaram em maio de 2008 e estão paralisadas desde agosto. O presídio tem terceirização parcial, conta com 34 agentes penitenciários, são praticadas algumas atividades de trabalho interno onde atuam 105 mulheres e 339 homens, conforme dados do formulário de inspeção de 21/01/2010. Vejamos algumas características abaixo: DESCRIÇÃO DE LOCAIS SIM NÃO ÁREA DESTINADA PARA VISITA FAMILIAR X ÁREAS DE BANHO DE SOL X BIBLIOTECA X ENFERMARIA X ESPAÇO PARA PRÁTICA ESPORTIVA X GABINETE ODONTOLÓGICO X LOCAL APROPRIADO PARA ASSISTENCIA RELIGIOSA X

49 49 VISITAÇÃO ÍNTIMA OFICINAS DE TRABALHO X X SALA DE ENTREVISTA COM ADVOGADO X SALA DE AULA X Quadro 6 Estrutura Complementar Prisional. FONTE: Relatório online CNJ em 21/01/2010. Observa-se que não há área de visitação sendo as mesmas realizadas nas próprias celas, também observamos que não há local apropriado para assistências religiosas, pois os cultos são feitos dentro das galerias, e as visitas intimas ocorre dentro das celas. Referente ao art. 5º, XLVIII, da Constituição da República e art. 82, 1º, da lei 7.210/84, estão sendo atendidas as distinções quanto ao sexo dos apenados e não conforme as idades dos mesmos. O presídio conta com 05 unidades materno-infantil. O preso réu primário não fica separado do condenado devido a falta de mais celas. Quanto a prestações de assistências aos presos, observa-se a ausência de assistência Educacional devido a ausência de salas e ausência de Assistência Religiosa devido ao não agendamento de visitas semanais de entidades religiosas e falta de espaço para as atividades Órgãos reguladores Nessa seção será apresentado os Órgãos reguladores responsáveis pelo andamento e cumprimento das penas e de todo processo penal, entre as autoridades, temos: o DEAP Departamento de Administração Penal que tem como principal atividade a gerência e a administração dos estabelecimentos penais no Estado de Santa Catarina. Atualmente, sua sede está localizada em Florianópolis, na Rua Ivo Silveira, nº 2320, Bairo Capoeiras.

50 50 Caracteriza-se como Unidade de execução da SSPD - Secretaria de Segurança Pública e Defesa do, que tem sob sua responsabilidade a coordenação do Sistema Penitenciário de Santa Catarina. Encarregado de planejar e executar as atividades de execução penal e segurança. Na área de execução penal, atua no controle cadastral de todos os presos do Estado, com arquivo centralizado e sistema informatizado de registros inerentes à execução penal e à vida carcerária do preso, bem como, procedimentos necessários para transferências de presos entre estabelecimentos do Estado e, também entre os Estados da Federação, movimentação de presos para audiências judiciais, atendimento médico, velório de parentes e cumprimento de alvarás de soltura. Na área de segurança, atua no controle e na implantação de normas e procedimentos de segurança para os estabelecimentos penais. É responsável pelas atividades operacionais de movimentação de presos para audiências, transferências entre estabelecimentos e custódias hospitalares, além do apoio operacional em atividades que exijam intervenção imediata na segurança dos estabelecimentos e em operações especiais de segurança. Entre as principais atividades do DEAP, podemos caracterizar algumas: Supervisionar, coordenar e inspecionar os estabelecimentos penais; Fazer cumprir as disposições da Lei de Execução Penal, responsabilizandose pela custódia, segurança e assistência tanto dos internos, pacientes, quanto dos egressos do Sistema Penitenciário; Oferecer assistência jurídica, psicológica, social, médica, odontológica, religiosa e material, além de desenvolver a reintegração social por meio da educação formal. Execução da política estadual de assuntos penitenciários; Classificação dos condenados; Acompanhamento e fiscalização do cumprimento de penas privativas de liberdade em regime de prisão albergue; Formação profissional dos sentenciados e o oferecimento de trabalho remunerado;

51 51 Emissão de pareceres sobre livramento condicional, indulto e comutação de penas; Assistência às famílias dos sentenciados Poder Federal O DEPEN Departamento Penitenciário Nacional é o órgão superior de controle, destinado a acompanhar e zelar pela fiel aplicação da Lei de Execução Penal e das diretrizes da política criminal emanadas do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Sua finalidade é viabilizar condições para que se possa implantar um ordenamento administrativo e técnico convergente ao desenvolvimento da política penitenciária. Durante a execução de seu trabalho a DEAP relaciona-se com outros órgãos e instituições governamentais nas esferas federal, estadual e municipal. Deste modo, o serviço oferecido a sociedade torna-se mais dinâmico e de maior qualidade: Secretaria Nacional de Segurança Publica FEDERAL Ministério da Justiça Departamento Penitenciário Nacional Instituições Policiais Estaduais ESTADUAL Secretária da Saúde Poder Judiciário Ministério Publico Prefeituras Municipais MUNICIPAL Secretarias Municipais de Saúde Conselhos Comunitários Figura 3 Organograma D.E.A.P. por Autoridades regionais. FONTE: Arquivo de estatísticas, 2010.

52 52 Durante a execução de seu trabalho a DEAP relaciona-se com outros órgãos e instituições governamentais nas esferas federal, estadual e municipal. Deste modo, o serviço oferecido à sociedade torna-se mais dinâmico e de maior qualidade. Os códigos de ética do DEAP foram estipulados em alguns princípios básicos: 1. Respeitar os direitos e dar tratamento digno e humanitário aos privados de liberdade; 2. Capacitar continuamente os servidores; 3. Estimular e facilitar a atuação da comunidade no cotidiano do sistema prisional, estabelecendo parcerias; 4. Propiciar a efetiva ressocialização do privado de liberdade através da educação e pelo trabalho. Quadro 7 Princípios da política do DEAP FONTE: Arquivo de estatísticas, Nota-se que os princípios do DEAP vão de acordo com as sínteses do trabalho e que a qualificação e profissionalização dos detentos é meta desde os órgãos municipais aos órgãos federais Funções do DEAP Mesmo com uma estrutura bem projetada, o DEAP enfrenta problemas comuns aos demais entes do sistema como a falta de verbas para realizar seu trabalho, ainda assim, avanços significativos foram registrados nos últimos tempos. Na obtenção de maior eficiência do sistema, desenvolveram-se ações afirmativas e programas específicos dentro dos presídios. Algumas áreas se destacam: Educação Através de trabalhos supervisionados pelo DEAP, são oferecidos aos privados educação formal e cursos de capacitação profissional. Deste modo, é

53 53 possibilitado ao reeducando as condições de usufruir os benefícios da cultura, respeitando e valorizando suas origens e os pontos positivos de sua história de vida e proporcionar a sua formação integral como cidadão, como agente construtor de seu conhecimento. São desenvolvidas atividades complementares em parcerias com ONG s, entidades religiosas, Clubes de Serviços e iniciativa privada. Jurídico Visa proporcionar o atendimento jurídico (orientação e pedido judicial de benefícios) da execução de pena privativa de liberdade dos cidadãos que não possuem advogados e que se encontram nos estabelecimentos prisionais de Santa Catarina. Saúde São oferecidos atendimento biopsicosocial, odontológico e saúde física e mental, com serviço de urgência e emergência, aos privados de liberdade. O atendimento é realizado por equipes compostas de profissionais da Saúde e de privados de liberdade, estes devidamente capacitados para o desenvolvimento do trabalho preventivo. Seu foco está na promoção à saúde dos encarcerados e no fornecimento de medicamentos. DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PENAL DEAP DIRETOR GEPEN GEAPO GEJUD GEROE Figura 4 Organograma do DEAP por departamentos FONTE: Arquivo de estatísticas, 2010.

54 54 GEPEN: Gerência de Execução Penal. GEAPO: Gerência de Apoio Operacional. GEJUD: Gerência Judiciária. GEROE: Gerência de Orientação e Apoio ao Egresso. A administração penitenciária, parte integrante do processo da execução da pena, objetiva tratar e assistir o preso e o internado, prevenindo o crime e proporcionando-lhes a reintegração à convivência em sociedade. Deve constituir a base de uma política penitenciária moderna, o respeito à dignidade do homem, aos seus direitos individuais e coletivos e a crença no potencial de aperfeiçoamento do ser humano Expectativas da nova instalação prisional de Itajaí A população da cidade de Itajaí cresceu de forma acelerada bem como a população regional do Vale do Itajaí. Muitos empreendimentos acompanharam esse crescimento, porém a região onde está situado o presídio é uma área que impossibilita a expansão para melhor alojar maior número de presos, estes que por sinal, não param de crescer. O novo presídio será construído no bairro da Canhanduba, nas proximidades da BR-101. Conforme aprovado pelo Fundo Penitenciário Nacional, serão destinados à construção do estabelecimento penal com capacidade para 352 vagas inicialmente. No projeto já ficará prevista uma futura ampliação, chegando a 556 vagas. O Estado vai garantir uma contrapartida de R$ 3 milhões e os municípios de Itajaí, Balneário Camboriú e Camboriú compraram o terreno para a construção da penitenciária. O estado garante a construção em dois anos (2008 a 2010). A expectativa das autoridades é otimista, pois desde 2003, o estado de Santa Catarina recebeu mais R$26 milhões da União para a área de segurança pública, são recursos dos Fundos Penitenciário Nacional e Segurança Pública.

55 55 Lembrando que por se tratar de uma entidade pública, as missões e valores da organização seguem o padrão nacional, prezando pela ética e desenvolvimento humano uma vez que no Brasil, não há previsão para pena de morte, salvo nos casos de guerra declarada. Sendo assim, a função social da pena privativa de liberdade é que, durante o seu cumprimento, o (a) interno (a) possa ser readaptado à sociedade, passando por uma reforma íntima de modo que possa evoluir como pessoa e retorne ao convívio social melhor do que era antes do cometimento do crime. 3.2 Resultados da pesquisa Esta seção foi estruturada seguindo a ordem dos objetivos específicos préestabelecidos para o estudo em questão: (1) Benefícios da Detração Penal e redução da superlotação do presídio; (2) Ressocialização e reincidência; (3) Novo presídio, capacidade prisional e trabalho interno; (4) Capacitação e interesse em atividades internas; (5) Absenteísmo em programas já desenvolvidos. O questionário foi entregue ao Gerente do Presídio Regional de Itajaí, para assim ser aplicado aos presos detentos no período de 2 semana, sendo que o acadêmico não pode manter contato algum com os mesmos. Sendo que a pesquisa, por se tratar de pesquisa social, tem 93% de margem de confiabilidade e 7% de margem de erro, obteve-se a amostra de 152 presos. Neste questionário foram expressas questões objetivas designadas a quantificar a característica dos presos, bem como seus conhecimentos e interesses no trabalho interno e uso da Detração Penal levantando questões relevantes ao conhecimento das autoridades e sociedade como um todo. Deste modo buscando obter conhecimento do perfil dos presos, examinou-se: (1) faixa etária, (2) sexo, (3) grau de escolaridade, (4) experiências profissionais, (5) noção sobre detração penal, (6) experiências com trabalho interno, (7) expectativas no trabalho interno, (8) cumprimento de alguma atividade no presídio de Itajaí, (9) perspectiva funcional quanto ao novo presídio, (10) indigência de aperfeiçoar-se profissionalmente, (11) pretensão de aprendizado em áreas distintas.

56 56 Seguindo esse arquétipo, esta seção apresenta os resultados dessa apuração. Logo a primeira aspiração foi de ter conhecimento da faixa etária dos detentos: Gráfico 1 Faixa etária Fonte: Dados coletados da pesquisa. Deste modo, foram dadas as opções de respostas, dentre as quais se percebe como a maioria dos entrevistados, 56%, tem sua idade compreendida entre 18 e 30 anos, sucessivamente 29% encontra-se na faixa entre 31 e 40 anos, seguindo assim, 10% de 41 a 50 anos, 5% com idade entre 51 e 60 anos, já as opções de 61 a 70 anos e com mais de 70 anos não obtiveram resposta. É percebido visivelmente na observação do Gráfico 1 que a maioria dos entrevistados possuem menos de 30 anos, portanto sendo uma população carcerária jovem. Se por ventura for somado o índice de 56% (possuidores de idade entre 18 e 30 anos) com o percentual de 29% que corresponde às idades compreendidas entre 31 e 40 anos, entende-se que 85% do público total, são relativamente jovens, sendo detentores de idade inferior a 40 anos, idade suscetível ao trabalho. Com relação ao sexo dos entrevistados (gênero masculino e feminino), percebe-se que a maioria dos respondentes pertence ao sexo masculino, no caso 53%, e 47% dos entrevistados são do sexo masculino. Nesse sentido, o público feminino é dominante em meio ao complexo prisional. Quanto ao grau de escolaridade (GRÁFICO 2), impressiona o número significativo de questionados com grau de instrução de Ensino fundamental, detendo

57 57 56% do total. Somando-se ao índice de ensino médio (33%) com o índice de Ensino fundamental obtemos então 89% do total pesquisado com conhecimentos gerais básicos, isso demonstra o quanto o grau de escolaridade é inexistente no largo da penitenciária. Gráfico 2 Grau de escolaridade Fonte: Dados coletados da pesquisa. Os demais resultados, Ensino superior incompleto (8%) e Ensino Superior completo com 3% são demonstrativos de que uma parcela de presos possui conhecimento técnico em alguma área. De tal modo, entende-se que a escolaridade dos pesquisados é modesta, entendendo-se assim que as pessoas questionadas possuem baixo nível de persuasão e pouco esclarecida quanto a acontecimentos e fatos atuais. Levando em conta é claro, que pessoas que gostam de estudar, são consideradas pessoas que pensam no seu futuro e que estão preparadas para enfrentar exames, provas, testes complicados. Já a Tabela abaixo (tabela de frequência acumulativa), apresenta informações referentes às experiências profissionais dos detentos, neste caso vale ressaltar que o total de respostas que se lê ( %) foi obtido baseado no número de respostas por questões, sendo as mesmas de múltiplas escolha já que podendo os mesmos ter exercido mais de uma função profissional.

58 58 Tabela 2 - Experiências profissionais dos detentos POPULAÇÃO POR ÁREA DETENTOS % Indústria 54 22% Agricultura e pecuária 10 4% Comércio 82 34% Mecânica 14 5% Pesca 16 7% Construção civil 42 17% Pública 3 1% Transporte 14 6% Têxtil 9 4% Total % Fonte: Dados da pesquisa. Nota-se uma representativa participação dos analisados desempenhou maiores funções profissional nas áreas destacadas em negrito, sendo Indústria (22%) comércio (34%) e construção civil (42%), totalizando 73% da amostra. Representa em si, a ocupação por atividades mais comuns dos grandes centros urbanos e que exige menor grau de aprendizado. As demais áreas tiveram apurações ínfimas ao foco da pesquisa, sendo necessárias, portanto uma maior atenção para treinamentos e conhecimentos dos detentos. Não se pode passar despercebido as opção Têxtil (4%) e Pesca (7%) que mesmo sendo áreas peculiares da região do Vale do Itajaí, representando dados minúsculos quanto aos pesquisados. As questões a seguir foram elaboradas a modo de mensurar com dados quantitativos o conhecimento e a expectativa para com o lado pessoal profissional dos presos. Usou-se de método Socrático, também conhecido como Maiêutica, que é o método que consiste em parir idéias complexas a partir de perguntas simples e articuladas dentro de um contexto. As próximas duas questões referem-se à Detração Penal, examinado e altercado na seção intitulada como 2.7 (Detração penal e trabalho interno). No Gráfico 3, observa-se que apenas 11% dos detentos desconhecem o tema, os demais 89% já ouviram falar do método.

59 59 Gráfico 3 Detração Penal Fonte: Dados coletados da pesquisa. Conforme o Gráfico 4, uma fatia proeminente já desempenhou algum tipo de trabalho interno (60%), nota-se, porém que 40% dos pesquisados nunca participou de algum trabalho interno. Carecendo de mais informação e esclarecimento sobre o trabalho prisional. Gráfico 4 Experiência com Trabalho interno Fonte: Dados coletados da pesquisa. No Gráfico 5, praticamente todos os presos (99%) demonstraram acreditar que é possível implantar o trabalho interno em uma unidade prisional brasileira, seguindo de apenas 1% que discorda do assunto. O estudo deste tema foi notado na seção intitulada como 2.6 (Situação Prisional Brasileira) e merece uma atenção muito positiva para com o trabalho em estudo.

60 60 Gráfico 5 Trabalho interno no Brasil Fonte: Dados coletados da pesquisa. No Gráfico 6, 99% da população carcerária responderam que estão dispostos a efetuar algum tipo de trabalho dentro das instalações do Presídio de Itajaí. Este é um resultado positivo pois evidencia que os presos não gostam de ficar ociosos e estão abertos a formas de reinserção profissional. Gráfico 6 Trabalho interno no Presídio de Itajaí Fonte: Dados coletados da pesquisa. No Gráfico 7, 82% da população carcerária responderam que estão esperançosos a efetuar algum tipo de trabalho dentro das instalações do novo Presídio de Itajaí. Apenas 18% se demonstraram sem esperança de desenvolver algum tipo de trabalho interno no novo presídio, um número baixo e fácil de ser incitado ao trabalho. Este é um resultado positivo, pois evidencia que a maioria dos presos tem expectativas boas a respeito do presídio que está em construção.

61 61 Gráfico 7 Expectativas para o novo presídio Fonte: Dados coletados da pesquisa. Conforme o gráfico 8 abaixo, nota-se que a necessidade em aperfeiçoar a experiência profissional é prioridade pra pelo menos 93% dos pesquisados, seguido de apenas 7% que discordam. O baixo grau de escolaridade demostrado no Gráfico 2, faz juz a essa questão, justificando que na maioria das vezes o baixo nível escolar nos cria necessidade em aperfeiçoar nossas necessidade e técnicas profissionais. Gráfico 8 Necessidade profissional Fonte: Dados coletados da pesquisa. Partindo para o final do questionário, os presos se depararam com uma questão que geralmente nos faz refletir sobre os nossos ideais profissionais, estar disposto a aceitar novos desafios é uma característica um quanto sugestiva para o desenvolvimento pessoal e quanto ao deenvolvimento do intelecto profissional. Na secão 2.5 (Paradigmas dos Administradores) vimos que os novos modelos de gestão podem causar significativo impacto na cultura dos funcionários e da

62 62 organização. Deste modo, no Gráfico 9, 93% dos pesquisados gostariam de exercer algum trabalho interno no presídio, mesmo que em outra área de seu interesse. Contra 7% dos mais acomodados que não demonstram interesse em outras áreas e outras atividades optando assim pela ociosidade de tempo.. Gráfico 9 Aperfeiçoamento profissional em outra área Fonte: Dados coletados da pesquisa. Em suma, percebe-se que pelas respostas dos pesquisados, a maior parte dos detentos conhece os meios de trabalho interno, já tiveram contato com atividades internas e estão dispostos a exercer algum tipo de atividade que possa lhes garantir uma qualificação profissional, tendo expectativas quanto ao presídio em construção. Comumente é caracterizada a amostra como sendo: pessoas na maioria homens, que possuem baixo nível de escolaridade e que realizou trabalhos gerais na área comercial industrial e construção civil, estando disposto a exercer algum tipo de trabalho mesmo sendo em outra área de seu interesse. Referente a Entrevista com o Gerente do Presídio, sobre as novas instalações do presídio, o gerente afirmou que tem boas expectativas, acreditando que o espaço do novo presídio será muito importante para realizações de eventos e cursos que possam oferecer dignidade aos detentos, o entrevistado julga que é muito difícil realizar qualquer atividade com um ambiente superlotado, caso do atual presídio que hoje ultrapassa o limite de vagas. Mesmo com as limitações de espaço, inúmeros projetos já foram realizados internamente, e alguns com repercussão nacional como no caso do projeto de curso de pescador profissional, através de convênio entre o

63 63 Sindicato das Indústrias da Pesca de Itajaí (Sindipi) e o Conselho Nacional de Justiça, e entre outros projetos que foram realizados com incentivo da iniciativa privada. Um dos fatores limitadores para realizações das atividades é o absenteísmo, como afirma o Sr. Maurilio, em muitos projetos os presos demostravam vontade em aprender, mas com o passar do tempo se desafixavam, desmotivavam-se com o passar do tempo. Outro fator que chama a atenção é os dados sobre a causa da pena dos detentos, conforme analisado os relatórios e as estatísticas internos, em média 90% dos presos chegam ao presídio diretamente ligado ao tráfico de drogas, sendo em unanimidade usuários de entorpecentes. Devemos ressaltar que o crack é tido pelo Sr. Maurilio como sendo uma epidemia, um mal que predomina intensamente na região e no resto do nosso país. O Gerente elogiou o acadêmico pela atitude de buscar soluções para paradigmas da Administração e inteirou que mais de 75% dos presos hoje detidos no presídio são reincidentes e já estiveram presos outras vezes em Itajaí. 3.3 Sugestões A caracterização dos detentos foi possível após a pesquisa. Porém para propor planos a organização o pesquisador diagnosticou a amostra (presos) e o responsável pela Administração (Gerente do presídio) como sendo fator positivo para o desenvolvimento de projetos na internidade do Presídio, sugerindo que: 1. PROBLEMA DE SUPERLOTAÇÃO: Este problema impede de efetuar atividades internas, a unidade passou por algumas reformas após o período de interdição, porém não encontra-se espaço para oficinas e nenhum local aberto para os detentos confeccionarem quaisquer produto. SUGESTÂO: Disponibilizar espaço para oficinas na nova unidade prisional. Usar de ferramentas de estatística criminal levando em conta que a leva de presos somente em Itajaí e Balneário Camboriú e Camboriú já ultrapassa detentos, a

64 64 opção de usar de estatísticas criminalísticas permite uma triagem dos presos, separando devidamente os irrecuperáveis ou menos recuperáveis. 2. FALTA DE BIBLIOTECA E SALAS DE AULA: A falta de biblioteca impossibilita o armazenamento de livros de cursos ou demais áreas que possam auxiliar os detentos no conhecimento profissional, sendo que sem salas de aula, fica impraticável qualquer tipo de curso. SUGESTÃO: A ausencia de estrutura impossibilita o aprendizado, recorrer a doações de livros pode ser uma saída para esse paradigma, acrescentando também o espaço para salas de aula no novo presídio. 3. PROBLEMAS COM ABSENTEISMO: A falta de motivação e o desinteresse por parte de alguns detentos é comum em muitos casos de trabalho interno, para isso sugere-se que as metas sejam bem claras e apresentadas no inicio de cada programa, o comprometimento é uma regra sadia que deve ser seguida e respeitada, caso contrário deve ser punida. SUGESTÃO: O Uso da Detração Penal. Comprometimento é um conceito que descreve o vinculo organizacional do indivíduo com uma instituição, usando o critério comportamental, segundo os 5 critérios de Bastos (1993) a administração do presídio poderá exercer um papel hierárquico com mais responsabilidade: Afetivo: o indivíduo se identifica com a organização e com os objetivos dela e deseja manter-se como membro, de modo a facilitar a consecução desses objetivos. O comprometimento afetivo é aquele associado à idéia de lealdade, desejo de contribuir, sentimento de orgulho em permanecer na organização. Calculativo ou instrumental: comprometimento como função das recompensas e dos custos pessoais, vinculados à condição de ser ou não membro da organização. O comprometimento seria fruto de um mecanismo psicossocial de trocas e de expectativas entre o indivíduo e a organização, em aspectos como salário, status e liberdade. Sociológico: relação de autoridade e de subordinação. O comprometimento do trabalhador se expressa no interesse em permanecer no atual emprego porque percebe a legitimidade da relação autoridade/subordinação. Desta forma, os

65 65 indivíduos levam para o trabalho tanto uma orientação para seus papéis de subordinados, quanto um conjunto de normas que envolvem os modos corretos de dominação. Normativo: internalização de pressões normativas de comportamento. Comportamental: manutenção de determinadas condutas e de coerência entre seu comportamento e as suas atitudes. O comprometimento pode ser equiparado com sentimentos de auto-responsabilidade por um determinado ato, especialmente se eles são percebidos como livremente escolhidos, públicos e irrevogáveis. Desta forma, as pessoas tornam-se comprometidas a partir de suas próprias ações, formando um círculo de auto-reforçamento no qual cada comportamento gera novas atitudes que levam a comportamentos futuros, em uma tentativa de manter a consistência.

66 66 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Quanto aos objetivos deste trabalho, observa-se que foi possível caracterizar os detentos averiguando possíveis benefícios da Detração Penal, os pesquisados demostraram na pesquisa que conhecem o tema, acham importante e possível efetuar alguma atividade no Presídio, sendo que uma parcela favorável já realizou algum tipo de trabalho interno demostrando boas expectativas quanto a novos projetos no novo Presídio de Itajaí. Outro fator relevante é o fato dos detentos sentirem a necessidade de aperfeiçoar as suas experiências profissionais, e estar aberto a novas propostas de trabalho. O fato da maioria dos presos se sentir ociosos é um benefício que as autoridades devem explorar e estipular metas e projetos. Com base da pergunta-problema do estudo, acredita-se que os projetos mais apropriados poderão ser aplicados após a construção do novo presídio, tendo este maior espaço para atividades. No caso do presídio atual, somente projetos externos serão melhores desenvolvidos, pois os recursos que são oferecidos são escassos e impedem o aprendizado. Artesanato, seria a única opção, pois trabalhos manufaturados exigem de estoque e produção em escala. Uma representativa participação dos analisados desempenhou maiores funções profissionais nas áreas urbanas, sendo Indústria, comércio e construção civil. Representa em si, a ocupação por atividades mais comuns dos grandes centros urbanos e que exige menor grau de aprendizado. Este detalhe não passa despercebido pelas autoridades Federais e Estaduais como o DEAP Departamento de Administração Penal e o DEPEN Departamento Penitenciário Nacional que julgam o baixo grau de Ensino como principal vilão. Esta afirmação se faz notada nesta pesquisa, que quanto ao grau de escolaridade dos presos obteve-se 89% do total dos pesquisados com conhecimentos gerais básicos, sendo o grau de escolaridade quase inexistente no atual presídio. O perfil caracterizado pela pesquisa está disposto na seção apêndices. O fundamento da teoria ajudou muito o trabalho do pesquisador, concluindose que a Administração Pública reflete no sistema, e se o sistema não vai bem,

67 67 alguma mudança na mentalidade administrativa pública deve ser feito. Os Administradores do sec. XXI estão voltados para uma visão holística, onde os Stakeholders são observados e compreendidos na estratégia administrativa. Entende-se que muito deve ser feito para melhorar ou diminuir o agravante da situação prisional brasileira. O estimado trabalho apresentou os números estatísticos que fazem do Estado de Santa Catarina um exemplo na questão prisional, o baixo índice de fugas e a aplicabilidade de projetos de trabalho interno são esforços que merecem todo respeito, contar com um programa muito eficiente chamado Laborterapia faz a diferença em termos sociais, e possibilita o mínimo de dignidade ao preso. A metodologia do trabalho foi coerente com o foco em estudo, algumas alterações tiveram de ser feitas conforme o andamento das atividades, como no caso da margem de erro da pesquisa que era 4% e passou a ser 7%. A não aplicação do pré-teste foi devido as paralizações do presídio, estando este interditado pelo Ministério Público de Santa Catarina. Quanto às conclusões do acadêmico, parte do pressuposto de que há um grande desperdício de recursos financeiros na manutenção dos expedientes necessários para o trabalho de preparação do apenado para o retorno ao convívio social e não retorno à delinquência, No entanto, a terceirização em médio prazo, apresenta-se como a saída mais viável de que se pode dispor para a recuperação dos apenados de Itajaí. O sistema prisional brasileiro está regulamentado pela Lei de Execuções Penais (LEP n.º.210 de 11/07/1984). A LEP determina como deve ser executada e cumprida a pena de privação de liberdade e restrição de direitos. No caso do Presídio de Itajaí, uma terceirização em médio prazo possibilitaria a vinculação de uma estrutura de trabalho que pode ser otimizada pelo estado. A pena, na visão utilitarista tem dois propósitos fundamentais: punir porque pecou e punir para que não peque novamente, ou seja, deveria ter, segundo esta visão, um caráter preventivo no sentido de evitar a prática de outras infrações penais, para somente assim haver ressocialização. Quanto às expectativas da Universidade, ter um projeto então inédito possibilita ampliar o mundo de pesquisas acadêmicas, este projeto não só descreveu como é mundo administrativo, como também ligou laços com a Administração pública que perece de gestores competentes.

68 68 Quanto às expectativas do Presídio de Itajaí, este projeto concebe um elo de responsabilidade acadêmica para assuntos da ordem pública, foi possível diagnosticar e caracterizar os presos e a organização como um todo. Serve de ferramenta para consultas e planos futuros. Um projeto com uma linguagem contemporânea e temas polêmicos quanto a gestão de pessoas. Este trabalho representa uma conquista para o acadêmico, estudar meios de diagnosticar problemas em uma organização é um processo minucioso e que exige muito interesse por parte do pesquisador. A área pública é uma área que deve ser estudada com cautela pois significa não só a gestão de recursos e pessoas, mas também o feedback geral para a sociedade. Quanto ao Objetivo principal deste trabalho, foi possível identificar possiblidades de novos projetos, tanto no presídio atual (com certa precariedade), quanto no futuro presídio, buscando incentivar a implantação do uso da Detração Penal como antídoto para que o preso retorne ao crime: Presídio atual: Projetos externos. Artesanato, como a única opção, pois trabalhos manufaturados exigem de estoque e produção em escala. Novo Presídio: O fato da maioria dos presos se sentir ociosos será um benefício que as autoridades devem explorar e estipular metas e projetos. O acadêmico aconselha a terceirização em médio prazo, em forma de licitação privada.

69 69 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, José Deques. Do tratamento penal à reinserção social do criminoso. Monografia apresentada como requisito à obtenção do título de Especialista em Curso de Pós - Graduação em Modalidades de Tratamento Penal e Gestão Prisional. Universidade Federal do Paraná. Paraná, BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis: USFC, BARROS, Flávio Augusto Monteiro de. Direito Penal - Parte Geral. São Paulo: Saraiva BATEMAN, Thomas S.; SNELLl, Scott A. Administração: Construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, CASTRO, Celso Antonio Pinheiro de. Sociologia aplicada à administração. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Teoria da Administração: abordagens prescritivas e normativas da administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999., Idalberto. Administração nos novos tempos. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CURY, Antonio. Organização e métodos: uma visão holística. 8. ed. São Paulo: Atlas, DAFT, Richard L. Administração. São Paulo: Pioneira / Tomson Learning, DEAP, Departamento de Administração Prisional de Santa Catarina. Arquivo estatísticas. Disponível em <http://www.deap.sc.gov.br/deap/estatisticas.jsp>. Acesso em 05 de out. de DEPEN, Departamento Penitenciário Nacional. Estatísticas de Execução Penal. Disponível em <http://www.mj.gov.br/data/pages/mjd574e9ceitemidc37b2ae94 C B1624D CPTBRIE.htm>. Acesso em 03 de out. de DRUCKER, Peter. Desafio gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira / Thomsom, FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 19. ed., 1999.

70 70 FNDE, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Arquivo Programa Dinheiro na Escola. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/home/index.jsp?arquivo= dinheiro_direto_escola.html> Acesso em 05 de out. de GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, GOMES, Luiz Flávio. Penas e medidas alternativas à prisão. São Paulo: Revista dos Tribunais, INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacional Anísio Teixeira. Relatórios Enade Disponível em: <http://www.inep.gov.br/superior/enade/cpc> Acesso em 04 de out. de JULIÃO, Elionaldo Fernandes; Duarte, Rosália Maria. Política Pública de Educação Penitenciária: contribuição para o diagnóstico da experiência do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado -Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.Rio de Janeiro JUNIOR, João Farias. Manual de criminologia. Curitiba: Juruá, KOTLER, Philip. Competitividade e caráter cívico. In: HESSELBEIN, Francis et al. A organização do futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã. São Paulo: Ed. Futura, MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da Administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. São Paulo: Atlas, MARX, Karl. O Capital : Crítica da economia política, Livro Primeiro: O processo da produção do capital. 2 ed., Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, MAROTO, G.N.V. Terapia Ocupacional: teoria e prática no estado de São Paulo. Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de São Carlos, Dissertação de Mestrado. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 19. ed. São Paulo: RT, MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução penal. 8. ed. São Paulo: Atlas, NOGUEIRA, A. J. F. M. Teoria Geral da Administração para o Século XXI. São Paulo: Ática, NOGUEIRA, A. J. F. M. Teoria geral da administração para o Século XXI. São Paulo: Ática, 2007.

71 71 NOTICIAS TERRA - Secretaria: menor de idade preso com adulto é comum. Fernando Exman,RJ. Disponível em: <http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/ 0,,OI EI5030,00.html > Acesso em 01 de jul. de OLIVEIRA, Jayr Figueiredo De; SILVA, Edison Aurelio Da. Gestão Organizacional. São Paulo: Saraiva, P.R.E.P, PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA EXECUÇÃO PENAL (Relatório das Inspeções Realizadas). Tribunal de Justiça de Santa Catarina Corregedoria- Geral da Justiça Núcleo III. Florianópolis- SC, dezembro de PFDC Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Site do Ministério Público Federal - Procuradoria Geral da República. A GAZETA DO POVO PR - 2 de junho de Disponível em: <http://pfdc.pgr.mpf.gov.br/clipping/junho- 2008/prisoes-brasileiras-sao-a-visao-do-inferno-aponta-relatorio-de-cpi/> Acesso em 29 de junho de RBA, Revista Brasileira de Administração. Governança Corporativa. Edição por Guido Heleno, ano XIX, nº 71. Brasília - DF, RICHARDSON, R.J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo Atlas: ROBBINS, Stephen Paul. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009., Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, Gisele Cristina dos. Execução Penal: Análise da remição e da detração da pena. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Curso de Graduação em Direito do Centro Universitário Eurípides de Marília, mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha, para a obtenção do Título de Bacharel em Direito. São Paulo, SILVA, Adelphino Teixeira. Administração básica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

72 APÊNDICES 72

73 73 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Este questionário foi elaborado a fim de realizar um estudo que complementa o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, do Acadêmico em Administração, Edvaldo da Cruz, sob a orientação do Professor Geraldo José Medeiros Junior. Por favor, responda as questões a seguir, assinalando-as na opção que condiz com sua percepção ou a que mais se aproxima da sua realidade atual. 1. Sua idade está compreendida entre: ( ) 18 a 30 anos ( ) 41 a 50 anos ( ) 61 a 70 anos ( ) 31 a 40 anos ( ) 51 a 60 anos ( ) mais de 70 anos 2. Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino 3. Seu grau de escolaridade: ( ) Ensino fundamental ( ) Ensino superior incompleto ( ) Ensino superior ( ) Ensino médio ( ) Outro: 4. Assinale a área da profissão que já trabalhou: ( ) Indústria ( ) Agricultura e pecuária ( ) Comércio ( ) Mecânica ( ) Pesca ( )Construção civil ( )Pública ( ) Transporte ( ) Têxtil ( ) Outra: 5. Já ouviu falar em Detração Penal? (onde se trabalha 3 dias e ganha 1 dia de redução da pena). ( ) Sim ( ) Não 6. Já participou de algum programa de trabalho interno na prisão? ( ) Sim ( ) Não 7. Acha possível implantar o trabalho interno em uma unidade prisional brasileira? ( ) Sim ( ) Não 8. Você tem interesse em efetuar algum tipo de trabalho dentro do Presídio de Itajaí? ( )Sim ( ) Não Justifique: 9. Sobre o novo presídio de Itajaí, você tem expectativas de desenvolver algum tipo de trabalho interno nele? ( ) Sim ( ) Não Justifique:

74 Você sente necessidade em aperfeiçoar a sua experiência profissional? ( ) Sim ( ) Não Justifique: 11. Gostaria de exercer um trabalho interno no Presídio de Itajaí, mesmo que em outra área de seu interesse? ( ) Sim ( ) Não Justifique: Obrigado pela atenção dispensada em responder este questionário. Itajaí, setembro/2008.

75 75 PRINCIPAL PERFIL DOS PRESOS DO PRESÍDIO REGIONAL DE ITAJAÍ ADOLESCENTE POSSUI ENSINO FUNDAMENTAL PENA RELACIONADA AO TRÁFICO DE DROGAS TRABALHOU NO COMÉRCIO E INDÚSTRIA QUER TRABALHAR NO NOVO PRESÍDIO SENTE NECESSIDADE EM APERFEIÇOAR A EXPERIENCIA PROFISSIONAL TEM INTERESSE EM NOVAS ÁREAS PROFISSIONAIS

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 24, DE 2007 Propõe Projeto de Lei que estabelece a existência de um posto de saúde para cada complexo prisional com mais de 1200 detentos e unidades prisionais

Leia mais

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008

Rosangela Peixoto Santa Rita. Maceió,, 05 de junho de 2008 A condição da criança a no espaço o penitenciário Rosangela Peixoto Santa Rita Maceió,, 05 de junho de 2008 Perfil Nacional Pesquisa 2006 Percentual de unidades femininas exclusivas e alas ou pavilhões

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Iara Mesquita da Silva Braga Prof. Msc. Do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo - UFPI ATIVIDADES DA CADEIA

Leia mais

Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014

Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014 Instituto Avante Brasil Diretor-Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Janeiro de 2014 SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA

Leia mais

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO IBAITI 2013 3 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS 1 EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS Rosi Keli Guedes 1 Resumo O crescente número de casos de reincidência de ex-detentos

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

Educação Integral Relatório em Junho/2013

Educação Integral Relatório em Junho/2013 Comunidade Escola Família Educação Integral Relatório em Junho/2013 Objetivo 3 O principal objetivo desta pesquisa é avaliar o conhecimento da população brasileira sobre educação integral. Metodologia

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Nelson Marchezan Junior) Dispõe sobre a indenização das despesas realizadas com a manutenção devida ao Estado pelo condenado à pena privativa de liberdade independentemente

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para os Funcionários da Fundação Hospitalar de Camboriú

Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para os Funcionários da Fundação Hospitalar de Camboriú 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Daniela Alves TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa Gestão Empresarial Um Pouco de História... Aula 2 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Administração Pré-Científica Administração Científica Maior interesse

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas

Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas Recursos Humanos em Nutrição no Brasil Nutricionistas INTRODUÇÃO A formação em Nutrição no país é relativamente recente, sendo portanto, recente a inserção maciça do profissional no mercado de trabalho.

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO 1 O DILEMA DOS GESTORES NECESSIDADES CRESCENTES RECURSOS LIMITADOS O DESAFIO DA GESTÃO SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Condições crônicas MODELO DE ATENÇÃO Condições agudas 3 Um sistema formador complexo

Leia mais

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas:

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas: Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre Questões Comentadas: 1 - Q120630 ( Prova: FUNRIO - 2010 - FURP-SP - Assistente Financeiro / Administração Geral / Planejamento; ) De acordo com autor

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

5 anos da Lei Maria da Penha:

5 anos da Lei Maria da Penha: 5 anos da Lei Maria da Penha: 05 de Agosto Comemoramos nossas conquistas exigindo direitos para todas nós Cinco anos de Lei Maria da Penha: Comemoramos nossas conquistas e repudiamos as desigualdades!

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior CONCEITOS Administração é o processo de conjugar recursos humanos e materiais de forma a atingir fins

Leia mais

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimento adequado e seguro é direito da população, e o uso indiscriminado de agrotóxicos envenena o planeta. Alimentação saudável, contra o uso

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Prof.: Mauricio Fernandes Lima

Prof.: Mauricio Fernandes Lima Disciplina: Curso: Prof.: Mauricio Fernandes Lima PROFESSOR-AUTOR: Mauricio Lima nasceu em São Luís MA, formado em Administração, CRA-MA nº 3510, dedica-se desde 2002 ao Serviço Público com foco especial

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais