PERDAS ECONÔMICAS OCASIONADAS POR LEÕES EM CARCAÇAS BOVINAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERDAS ECONÔMICAS OCASIONADAS POR LEÕES EM CARCAÇAS BOVINAS"

Transcrição

1 INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS - GRADUAÇÃO PERDAS ECONÔMICAS OCASIONADAS POR LEÕES EM CARCAÇAS BOVINAS LAILA CARVALHO NASSIR Trabalho monográfico para conclusão de curso de Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal, apresentado como requisito para obtenção do Título de Especialização, sob orientação da Profa. Dra. Debora A.P.C. Zuccari São José do Rio Preto Abril de 2009

2 Agradecimentos À minha família - que sempre me apoiou, em especial a minha irmã Samia; À minha orientadora, Profª. Débora Zuccari - por suas valiosas sugestões durante a elaboração deste trabalho.

3 RESUMO A presença de lesões nas carcaças compromete a qualidade do produto, ou seja, a carne. O presente trabalho teve como objetivo mostrar a importância de quantificar as possíveis lesões encontradas nas carcaças, relacionadas às vacinas, medicamentos e ao manejo pré abate e sugerir soluções preventivas para melhorar a qualidade da carne, evitando perdas econômicas dos produtores e frigoríficos. ABSTRACT The presence of lesions in carcasses compromises the quality of the product, the meat. This study aimed to show the importance of quantifying the possible injuries found on carcasses in relation to vaccines, medicines and pre slaughter management and suggest preventive solutions to improve the quality of meat, avoiding economic losses for producers and refrigerators.

4 SUMÁRIO Página Agradecimento... i Resumo e Abstract... ii Índice de figuras...iv Índice de tabela... v 1. Introdução Objetivo Revisão de Literatura A importância do manejo pré abate na qualidade da carne 3.2. Transporte de animais Transporte rodoviário Transporte fluvial 3.3. Lesões vacinais 4. Abate humanitário Considerações finais Referências bibliográficas... 19

5 ÍNDICE DE FIGURAS Página 1. Animal caído no caminhão de transporte Caminhão utilizado para transporte rodoviário de animais Lesões na carcaça de um animal ferido durante o transporte Lancha - curral simples com 6 subdivisões sem corredor Lancha - curral dupla com 16 subdivisões sem corredor Animais tranqüilos com espaço no curral de espera Animais sem espaço no curral de espera e 9. Lesão no animal e a mesma lesão observada na carcaça... 17

6 ÍNDICE DE TABELAS Página 1. Lesões encontradas em cortes comerciais Percentual da idade das lesões sob influência dos transportes fluviais Distribuição percentual de lesões segundo sua localização na desossa

7 1. INTRODUÇÃO A carne bovina é considerada um alimento nutritivo e saudável sendo consumida na quantidade de 40 kg/hab./ano no Brasil (VILAS BÔAS, et al., 2008). A presença de lesões nas carcaças é um dos fatores que influenciam a qualidade do produto produzido, ou seja, a carne. Segundo GRANDIN (1997), citado por ANDRADE et al. (2004), a indústria perde a cada ano, milhões de dólares devido à presença de lesões que reduzem o valor da carcaça. Nos Estados Unidos calcula-se que as perdas anuais sejam de US$ 75 milhões. No programa de qualidade de Nova Iorque, constatou-se em 1995, que 80% das carcaças apresentavam lesões, sendo a maioria de lesões múltiplas. Na Austrália, calcula-se uma perda de aproximadamente US$ 20 milhões ao ano (BRAGGION e SILVA, 2004). No Brasil em um levantamento de lesões realizado durante a inspeção na linha de abate, foi constatada uma perda anual de US$ 11,3 milhões. Verificou-se a ocorrência e localização de lesões, por aplicações medicamentosas e/ou vacinas durante o processo de desossa das carcaças, após a inspeção na linha de abate (MORO e JUNQUEIRA (1999), citado por MORO et al., 2001). Se o manejo pré-abate for realizado de maneira inadequada pode comprometer tanto o bem estar animal quanto a qualidade da carcaça (PEREIRA e LOPES, 2006). Assim, as operações de embarque, transporte e desembarque dos animais quando bem conduzidas não produzem reações estressantes importantes (ROÇA, 2008).

8 As condições humanitárias devem estar presentes em todos os momentos precedentes ao abate, garantindo o bem estar dos animais desde o embarque na propriedade até a operação da sangria no matadouro frigorífico (ROÇA, 2008).

9 2. OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo mostrar a importância de quantificar as possíveis lesões relacionadas a vacinas, medicamentos e transporte, encontradas nas carcaças e sugerir soluções preventivas para melhorar a qualidade da carne, evitando perdas econômicas dos produtores e frigoríficos.

10 3. REVISÃO DE LITERATURA 3.1. A IMPORTÂNCIA DO MANEJO PRÉ - ABATE NA QUALIDADE DA CARNE O embarque é considerado o início do manejo pré - abate, sendo o processo inicial que torna os bovinos susceptíveis ao estresse (PEREIRA e LOPES, 2008). Além disso, os responsáveis pelo embarque não possuem nenhum conhecimento dos princípios básicos de bem estar animal e utilizam ferrões e choques elétricos que podem causar lesões durante o processo de condução e entrada dos animais nos caminhões de transporte (FILHO e SILVA, 2004). Sendo assim, as operações de transporte, embarque e desembarque dos animais se bem conduzidas, não produzem reações estressantes importantes (ROÇA, 2008). A área acometida por uma contusão possui uma aparência ruim e desagradável, sendo necessária, na maioria das vezes a remoção, o que causa perda de peso e de seu valor comercial, como também a propensão a contaminações, devido à presença de sangue que é um ótimo meio para o desenvolvimento microbiano (PEREIRA e LOPES, 2008). O transporte prolongado pode influenciar a qualidade da carne por causa da depleção de glicogênio muscular devido às condições estressantes, promovendo uma queda anormal do ph post mortem, originando a carne D.F.D. (Dark, Frim, Dry), conhecida como carne dura, firme e escura (ROÇA, 2008). O ph é um importante indicador da qualidade da carne, porque influência a aparência dos

11 cortes e atributos de qualidade como maciez, cor, sabor e odor (PEREIRA e LOPES, 2008). Segundo BRAGGION e SILVA (2004), chifradas, coices, pisoteios e tombos representaram 24,65% das lesões, que geralmente estão relacionadas a problemas de manejo. Em um estudo realizado por GRANDIN (1981), citado por BRAGGION e SILVA (2004), rebanhos com 25 a 50% dos animais com chifres tinham 10,5% de lesões e com a retirada destes animais houve uma redução de 2 a 5% das lesões. Na figura abaixo (Figura 1) podemos ver um animal que caiu no caminhão durante o transporte. FIGURA 1. Animal caído no caminhão de transporte. Fonte: VOODG (2008)

12 3.2. TRANSPORTE DE ANIMAIS TRANSPORTE RODOVIÁRIO O transporte rodoviário (Figura 2) é o meio mais comum de condução de animais de corte para o abate podendo ocasionar contusão, perda de peso, estresse ou até mesmo a morte do animal (ROÇA, 2008). Foto: Roberto Aguiar FIGURA 2. Caminhão utilizado para transporte rodoviário de animais. Fonte: ANDRADE et al., (2008a) Por isso ainda é considerado a maior fonte de estresse sofrido pelos bovinos no decorrer de toda vida (ANDRADE et al., 2004). Segundo JOAQUIM (2002), citado por ANDRADE et al., (2008), as condições das estradas são fatores importantes sob a ótica de bem estar animal, pois bovinos transportados por longas distâncias apresentaram alta incidência de contusões, devido aos solavancos, freadas e desvios bruscos a que estão sujeitos nos caminhões boiadeiros. O transporte de animais empregando alta densidade de carga contribui para o aumento das contusões e estresse dos animais (ROÇA, 2008). Segundo o estudo realizado por ANDRADE et al. (2008b), do total de 121 carcaças avaliadas, 84,3% tiveram uma ou mais lesões, totalizando 270 que

13 resultaram na remoção e perda de 56,1kg de carne. Sendo assim, a maior proporção de lesão foi encontrada em animais submetidos ao transporte rodoviário, por mais de uma hora de viagem e distâncias superiores a 70 km, sendo a maior parte em estrada não pavimentada. Na figura abaixo (Figura 3), podemos ver as lesões na carcaça, que foram provocadas por ferimentos ocorridos durante o transporte. FIGURA 3. Lesões na carcaça de um animal ferido durante o transporte. Fonte: VOODG (2008) De acordo com BRAGGION e SILVA (2004), o transporte rodoviário representou o segundo maior causador de lesões em carcaças com 33,08% e os cortes que apresentaram maior número de lesões foram a agulha e o coxão duro (Tabela 1).

14 TABELA 1. Lesões encontradas em cortes comerciais. Cortes Número de lesões Porcentagem (%) Agulha ,22 Alcatra 23 9,39 Contra filé 5 2,04 Costela 25 10,20 Coxão Mole 14 5,71 Coxão Duro 33 13,47 Cupim 10 4,08 Fraldinha 4 1,63 Paleta 11 4,49 Patinho 1 0,41 Peito 4 1,63 Picanha 14 5,71 Fonte: BRAGGION e SILVA (2004) TRANSPORTE FLUVIAL Outro tipo de transporte de bovinos para o abate utilizado no Pantanal é o transporte fluvial, devido às cheias da Bacia do Rio Paraguai que dificultam o escoamento da produção por via terrestre (ANDRADE, et al., 2004).

15 Atualmente correspondem a apenas 16% em relação aos outros meios de transporte nesta região. Este transporte é realizado por lanchas - curral privadas, pouco adaptadas para este tipo de atividade (ANDRADE et al., 2008a). Existem dois tipos de lanchas-curral: a simples (Figura 4) com 4 a 6 subdivisões sem corredor e com lotação de 20 a 60 de bovinos, sendo que a limitação de animais é realizada de acordo com as categorias dos bovinos transportados; a dupla (Figura 5) tem 8 a 16 subdivisões com ou sem corredor com uma lotação de 100 a 620 animais (ANDRADE et al., 2008a). Foto: Ernani N. Andrade FIGURA 4. Lancha - curral simples com 6 subdivisões sem corredor. Fonte: ANDRADE et al., (2008a)

16 Foto: Ernani N. Andrade FIGURA 5. Lancha - curral dupla com 16 subdivisões sem corredor. Fonte: ANDRADE et al., (2008a) A mortalidade durante este tipo de transporte é freqüente, porém isto ocorre principalmente quando animais de várias categorias são colocados na mesma subdivisão da lancha - curral (ANDRADE et al., 2008a). No estudo realizado em um frigorífico no estado de Mato Grosso do Sul para verificar a influência do transporte rodoviário e fluvial na incidência de lesões e peso dos tecidos retirados de carcaças de bovinos. Constatou-se que no total de 106 carcaças, 82% tiveram uma ou mais lesões que resultaram na remoção de 60,133 kg de carne, ou seja, 0,691kg por animal considerando apenas os animais que tiveram lesões (ANDRADE et al., 2008). De acordo com Andrade et al., (2004) das 88 carcaças avaliadas, constatou-se que 83 apresentaram uma ou mais lesões sendo que a maioria das lesões ocorreu no período de 1 a 2 dias antes do abate, demonstrando que o transporte fluvial, da maneira como é realizado atualmente, ocasiona grandes perdas econômicas (Tabela 2).

17 TABELA 2. Percentual da idade das lesões sob influência do transporte fluvial. Tempo (dias) Cor da lesão Porcentagem (%) < , , , ,9 > 7 5 0,4 1 = Vermelho/azul ou púrpura; 2 = Azul/preta ou marrom para púrpura escura; 3 = Amarelo/verde para marrom; 4 = Amarela e consistência mole; 5 = Amarela/marrom e com consistência mole. Fonte: Andrade et al., (2004)

18 3.3. LESÕES VACINAIS Além da forma e da via de administração incorretas podemos considerar que os medicamentos e as vacinas com adjuvantes ou veículos de óleo mineral são os principais fatores causais de lesões nas carcaças (MORO et al., 2001). Temos ainda como agravante, a falta de higiene durante a aplicação, com o uso de agulhas e aparelhos de aplicação sujos ou em más condições (CAMPOS et al., 2008). Segundo o artigo 157 do RIISPOA (Brasil, 1997); nas carcaças, partes destas ou órgãos atingidos de abscessos ou de lesões supuradas devem ser julgados pelo seguinte critério: 1. quando a lesão é externa, múltipla ou disseminada, de modo a atingir grande parte da carcaça, esta deve ser condenada; 2. carcaças ou partes de carcaças que se contaminarem acidentalmente com pus serão também condenadas; 3. abscessos ou lesões supuradas localizadas podem ser removidas, condenados apenas os órgãos e partes atingidas; 4. serão ainda condenadas as carcaças com alterações gerais (emagrecimento, anemia, icterícia) decorrentes de processos purulentos. No Brasil, durante a inspeção na linha de abate foi realizado um levantamento que relatou a ocorrência de 68,6% de animais com lesões. Com isso houve a necessidade da remoção de 1.112,79kg de carne de um total de bovinos examinados, resultando em uma média de 0,278kg de carne removida por animal,

19 estimando uma perda de US$ 11,3 milhões somente na linha de abate (MORO e JUNQUEIRA (1999), citado por MORO et al., 2001). No levantamento realizado no período de julho a novembro de 2000 em frigoríficos de oito estados brasileiros (Tabela 3), foram avaliadas meias carcaças que resultaram na remoção de 905,62kg de carne, ou seja, 0,303kg por meia carcaça, ou ainda, 0,459kg de carne removida por animal (MORO et al., 2001). TABELA 3. Distribuição percentual de lesões segundo sua localização na desossa das carcaças. Cortes Porcentagem (%) Acém/Paleta 36 Alcatra 3,5 Contra filé 9,2 Cupim 11,7 Entrecorte 7,7 Pescoço 17,5 Picanha 7,2 Fonte: MORO et al., (2001) Nas duas primeiras semanas de julho de 2002 foi realizado um estudo, em um matadouro frigorífico de Goiás, onde foram avaliados bovinos. As lesões características de abscessos estavam restritas ao quarto dianteiro, o que resultou na retirada de 0,213kg de material por carcaça (FRANÇA FILHO et al., 2006). No estudo realizado por BRAGGION e SILVA (2004), no período de março a novembro de 2002 em dois frigoríficos no Pantanal sul-mato-grossense, todas as carcaças apresentaram algum tipo de lesão e foi constatado que 44,68% das

20 lesões encontradas são oriundas de aplicações indevidas de medicamentos e/ou vacinas.

21 4. ABATE HUMANITÁRIO ROÇA (2008) define o abate humanitário como sendo o conjunto de procedimentos técnicos e científicos que garantem o bem estar animal desde o embarque na propriedade rural até a operação de sangria no matadouro frigorífico. De acordo com BONFIM (2008), os problemas de bem estar animal são a falta de treinamento de pessoal, instalações e equipamentos inadequados, falta de manutenção e manejo inadequado. Outro fator importante são as avaliações do estresse provocado no período ante-morte, que é traduzido por deslizamentos e quedas, assim como mugidos e vocalizações dos animais. A avaliação dos deslizamentos e quedas realiza-se para cada 50 animais, no mínimo, utilizando a seguinte pontuação: excelente = sem quedas ou deslizamentos; aceitável = deslizamentos em menos de 3% dos bovinos; não aceitável = 1% de quedas; grave = 5% de quedas ou mais de 15% de deslizamentos. A vocalização e mugidos indicam dor e podem ser avaliadas como aceitável = 3% dos bovinos vocalizam; inaceitável = 4 a 10% dos bovinos vocalizam e grave = mais de 10% de animais que vocalizam, sendo preciso no mínimo de 100 animais avaliados (BONFIM, 2008). As instalações dos matadouros-frigoríficos quando bem delineadas também minimizam os efeitos do estresse e melhoram as condições de abate (BONFIM, 2008). Nas figuras abaixo podemos observar duas situações diferentes nos currais de espera. Na primeira (Figura 6) os animais estão tranqüilos, sem estresse e a água é fornecida e os bovinos podem alcançá-la facilmente. Já na segunda (Figura 7) a

22 área de contenção é menor dificultando o acesso à água, sendo uma condição favorável ao estresse e ocorrência de possíveis lesões. FIGURA 6. Animais tranqüilos e com espaço no curral de espera. Fonte: VOODG (2008) FIGURA 7. Animais sem espaço no curral de espera. Fonte: VOODG (2008) O abate humanitário além de evitar sofrimentos desnecessários causados aos animais contribui para que se possa obter carne de melhor qualidade. Nas figuras

23 8 e 9 podemos observar as conseqüências de um manejo pré abate inadequado e a importância das avaliações do estresse sofrido pelos animais antes do abate. Foto: Roberto Aguiar FIGURAS 8 E 9. Lesão no animal e mesma lesão observada na carcaça. Fonte: ANDRADE et al., (2008a)

24 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O manejo pré-abate quando realizado de maneira inadequada pode comprometer o bem estar animal e consequentemente a qualidade da carne. Dessa forma, se o manejo durante o período de pré-abate for bem conduzido pode minimizar o nível de estresse, lesões e machucaduras, aumentando assim a qualidade da carcaça. Para que haja uma redução no número de lesões durante este período são sugeridas as seguintes recomendações: Adotar práticas higiênicas durante a aplicação de vacinas e/ou medicamentos. Nunca utilizar agulhas e aparelhos de aplicação sujos ou em más condições. Usar vacinas que causem pouca irritação e seguir rigorosamente as instruções e especificações do fabricante. Nunca vacinar em local de carnes nobres como a picanha, o cupim e o contrafilé. Ser paciente com o rebanho evitando bater e/ou gritar. Diminuir o número de animais com chifres na propriedade. Transportar somente o número apropriado de animais nos caminhões. Evitar fazer lotes com bovinos de tamanhos e idades diferentes. Reduzir o uso de choques elétricos ou bastões na condução dos bovinos.

25 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, E. N.; FILHO, S. O.; SILVA, B. S.; SILVA, R. A. M. S. Influência do transporte Fluvial em carcaças de Bovinos no Pantanal. Corumbá: Embrapa- CPAP, Comunicado técnico, n.43, p.1-3, ANDRADE, E. N.; ROÇA, R. O.; SILVA, R. A. M. S.; PINHEIRO, R. S. B. Abates de bovinos no Pantanal Sul Matogrossense e lesões em carcaças. Disponível em: <http://www.sovergs.com.br/conbravet2008/anais/cd/resumos/r pdf >. Acesso em 18 nov. de ANDRADE, E. N.; ROÇA, R. O.; SILVA, R. A. M.; SILVA, L. A. C. Sistema de transporte de bovinos no Pantanal Sul Matogrossense: Revista CFMV, a.14, n.44, p.55-67, maio/jun./jul./agosto. 2008a. ANDRADE, E. N.; SILVA, R. A. M. S.; SILVA, R. A. M. S.; ROÇA, R. O.; SILVA, L. A. C.; GONÇALVES, H. C.; PINHEIRO, R. S. B. Ocorrência de lesões em carcaças de bovinos de corte no Pantanal em função do transporte. Ciência Rural, Santa Maria, v.38, n.7, p , out. 2008b. BONFIM, L. M. Abate humanitário de bovinos: Parte I. Disponível em: <http:// Acesso em 28 de março de 2009.

26 BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária-DAS. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal- DIPOA. Divisão de Normas Técnicas-DNT. Decreto lei.nº30.691,de 29 de março de 1952, alterado pelos Decretos nº 1255, de 25 junho de 1962, nº 1.236, de 2 de setembro de 1994, e nº 1.812, de 8 de fevereiro de 1996, e nº de 4 de junho de Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. Brasília,DF, p. BRAGGION, M.; SILVA, R. A. M. S. Quantificações de lesões em carcaças de bovinos abatidos em frigoríficos no Pantanal Sul-Mato-Grossense. Corumbá: Embrapa.CPAP, Comunicado Técnico n.45. p.1-4,2004. CAMPOS, J.; FILHO, L. C.; FÉLIX, S. Como previnir lesões vacinais? Disponível em: <http://www.agroredenoticias.com.br/textos.aspd.?urqmbrwpernbdn934updja =>. Acesso em 20 de novembro de FILHO, A.D.B.; SILVA, I.J.O. Abate humanitário: ponto fundamental do bem estar animal. Disponível em: <http://www.nupea.esalq.usp.br/noticias/producao/ba74c_ pdf>. Acesso em 20 de abril de 2009.

27 FRANÇA FILHO, T.; ALVES, G. G.; MESQUITA, A. J.; CHIQUETO, C. E.; BUENO, C. P.; OLIVEIRA, A. S. C.; Perdas Econômicas por abscessos vacinas e ou medicamentos em carcaças de bovinos abatidos no Estado de Goiás. Ciência Animal Brasileira, Goiânia, v.7, n.1, p.93-96, jan./mar GRANDIN, T. Assessment of stress during handling and transport. Journal Animal Science. v.75, p ,1997. apud ANDRADE, E. N.; FILHO, S. O.; SILVA, B. S.; SILVA, R. A. M. S. Influência do transporte Fluvial em carcaças de Bovinos no Pantanal. Corumbá: Embrapa-CPAP, Comunicado técnico, n.43, p.1-3, GRANDIN, T. Bruises on Southwestern Feedlot Cattle. J. Anim. Sci., v.53, (Suppl. 1),p.213,1981. aput BRAGGION, M.; SILVA, R. A. M. S. Quantificações de lesões em carcaças de bovinos abatidos em frigoríficos no Pantanal Sul-Mato- Grossense. Corumbá: Embrapa.CPAP, Comunicado Técnico n.45. p.1-4,2004. JOAQUIM, C.F. Efeitos da distância de transporte em parâmetros postmortem de carcaças bovinas f. Dissertação (mestrado em Medicina Veterinária) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, apud ANDRADE, E. N.; ROÇA, R. O.; SILVA, R. A. M. S.; PINHEIRO, R. S. B. Abates de bovinos no Pantanal Sul Matogrossense e lesões em carcaças. Disponível em: <http://www.sovergs.com.br/conbravet2008/anais/cd/resumos/r pdf>. Acesso em 18 de novembro de 2008.

28 MORO, E.; JUNQUEIRA, J.O.B. Levantamento da incidência de reações vacinais e/ou medicamentosas em carcaças de bovinos ao abate em frigoríficos do Brasil. A Hora Veterinária, v. 19, n.112, p , apud MORO, E.; JUNQUERA, J. O.B.; UMEHARA, O. Levantamento a incidência de reações vacinais e/ou medicamentosas em carcaças de bovinos na desossa em frigoríficos no Brasil. A Hora Veterinária, v. 21, n.123, p , MORO, E.; JUNQUERA, J. O.B.; UMEHARA, O. Levantamento a incidência de reações vacinais e/ou medicamentosas em carcaças de bovinos na desossa em frigoríficos no Brasil. A Hora Veterinária, v. 21, n.123, p , PEREIRA, A. S. C.; LOPES, M. R.F. Manejo Pré-abate e qualidade da carne. Disponível em: <http//www.cnpgc.embrapa.br/produtoseservicos/bpa/literatura/preabateequalidad edacarne.pdf >. Acesso em 20 de novembro de ROÇA, R. O. Abate humanitário de bovinos. Conferência Virtual Global sobre Produção Orgânica de Bovinos de Corte. Disponível em: <http://www.stoa.usp.br/oliveiraramon/files/-1/5286/embrapa+- +abate+humanit%5bario.pdf>. Acesso em 25 de março de VILAS BÔAS, M.M.; PEREIRA, B.M.; VIEIRA, P.F.; LANGRAFF,P.R.C. Lesões em carcaças de bovinos no matadouro e frigorífico de Itajubá-MG. Disponível em:

29 <http://www.unifenas.br/pesquisa/semic/visemic&iisimposiodepesquisa/anais/resu mos/mestrado%20caminal/1016.pdf>. Acesso em 28 de novembro de VOOGD, E.L. A economia do manejo correto. Disponível em: <http://www.beefpoint.com.br/?noticiaid=2766&acta=7&areaid=230>. Acesso em 17 de abril de 2009.

Perdas diretas ocasionadas por abscessos e hematomas em carcaças de bovinos. Direct losses due abscesses and bruised in beef carcasses

Perdas diretas ocasionadas por abscessos e hematomas em carcaças de bovinos. Direct losses due abscesses and bruised in beef carcasses RPCV (2011) 106 (577-580) 47-51 REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Perdas diretas ocasionadas por abscessos e hematomas em carcaças de bovinos Direct losses due abscesses and bruised in beef carcasses

Leia mais

Bem-estar de suínos. Manejo pré-abate

Bem-estar de suínos. Manejo pré-abate Bem-estar de suínos Manejo pré-abate Etapas a serem observadas 1. Jejum e dieta hídrica... 04 2. Carregamento... 05 3. Transporte... 06 4. Espera no frigorífico... 06 5. Banho de aspersão... 06 6. Condução

Leia mais

Departamento de Produção Animal. Avaliação de Ovinos. http://www.usmef.org/tradelibrary/internationalmeatmanual.asp

Departamento de Produção Animal. Avaliação de Ovinos. http://www.usmef.org/tradelibrary/internationalmeatmanual.asp Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Avaliação de Ovinos Industriais i Fonte: Adaptado de... http://www.usmef.org/tradelibrary/internationalmeatmanual.asp

Leia mais

Características da Carne de Frango

Características da Carne de Frango Características da Carne de Frango Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

S TO DU O E PR D O G LO TÁ A C 1

S TO DU O E PR D O G LO TÁ A C 1 1 CATÁLOGO DE PRODUTOS NOSSA HISTÓRIA Fundada em 1983 na cidade de Propriá, no estado de Sergipe, pelo grande empresário visionário, o sergipano Murilo Dantas, a Nutrial se estabeleceu no ramo de frigorífico,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA Graduanda em Zootecnia: Adriane A. Iwamoto Botucatu, Setembro

Leia mais

Manejo Racional e Manejo Pré-abate de Bovinos

Manejo Racional e Manejo Pré-abate de Bovinos Manejo Racional e Manejo Pré-abate de Bovinos Dr. Adriano Gomes Páscoa Zootecnista ETCO / FCAV http://estudiopratiqueyoga.blogspot.com/2009_11_01_archive.html OS CUSTOS DA FALTA DE CONHECIMENTO (problemas

Leia mais

O gargalo do transporte

O gargalo do transporte TRANSPORTE O gargalo do transporte Apesar de toda a evolução experimentada pela suinocultura brasileira nas últimas décadas, o transporte de suínos continua a gerar danos ao bem-estar animal e prejuízos

Leia mais

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Prejuízos decorrentes do manejo préabate inadequado MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Canadá: perda de 1.500 toneladas Austrália: prejuízo de U$ 20 milhões Estados Unidos: U$ 60 milhões causado pela anomalia

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015

REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015 REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 º - O Circuito de Julgamentos de Carcaças da Raça Nelore da ACNB Associação

Leia mais

Mateus J.R. Paranhos da Costa. mpcosta@fcav.unesp.br. Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal

Mateus J.R. Paranhos da Costa. mpcosta@fcav.unesp.br. Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal BEM-ESTAR ESTAR DE BOVINOS DE CORTE: BOAS PRÁTICAS DE MANEJO Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia - FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia

Leia mais

Abate de Bovinos. Abate Bovino - BR. Figura 1 - Abate bovino no Brasil (CNPC, 2006).

Abate de Bovinos. Abate Bovino - BR. Figura 1 - Abate bovino no Brasil (CNPC, 2006). Abate de Bovinos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Nos

Leia mais

Manejo pré-abate de aves

Manejo pré-abate de aves Jejum Alimentar Manejo pré-abate de aves Reduz a taxa de mortalidade e evita vômito durante o transporte. Segurança alimentar: previne a liberação e a disseminação de contaminação bacterina pelas fezes

Leia mais

Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil

Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil Bem estar animal e situação do transporte de cargas vivas no Brasil Mateus J. R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV- UNESP, Jaboticabal- SP, Desafios no transporte de animais para abate

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS www.sofolha.com.br. SFAutomatus X Comércio Varejista de Carnes

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS www.sofolha.com.br. SFAutomatus X Comércio Varejista de Carnes SFAutomatus X Comércio Varejista de Carnes Considerações Iniciais Rendimento de bovinos após o abate Por razões que têm como causa a prosperidade, o consumo de carne se mostra cada vez maior. As exigências

Leia mais

Prevalência de lesões em carcaças de bovinos de corte abatidos no Pantanal Sul Mato-Grossense transportados por vias fluviais

Prevalência de lesões em carcaças de bovinos de corte abatidos no Pantanal Sul Mato-Grossense transportados por vias fluviais ISSN 0101-2061 Ciência e Tecnologia de Alimentos Resumo Prevalência de lesões em carcaças de bovinos de corte abatidos no Pantanal Sul Mato-Grossense transportados por vias fluviais Prevalence of carcass

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ocorrência de contusões em carcaças bovinas abatidas em um matadouro-frigorífico de Uberlândia-MG Marcela Rodrigues Pereira Cardoso 1*, Mariela

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO

BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO BEM-ESTAR ANIMAL E ABATE HUMANITÁRIO NELMON OLIVEIRA DA COSTA Fiscal Federal Agropecuário Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo SDC/MAPA PRINCÍPIOS DE BEM-ESTAR ANIMAL QUESTÕES ÉTICAS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

FLUXOGRAMA DO EMBARQUE AO ABATE

FLUXOGRAMA DO EMBARQUE AO ABATE RENDIMENTO DE CARCAÇA FLUXOGRAMA DO EMBARQUE AO ABATE PVF = c/ pernoite em jejum (fechado à tarde, pesado de manhã). PVA = na manhã seguinte, no momento de abater (ou 24h jejum). PVZ = é o PVA descontado

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 4 DE MAIO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE CARNE. Mateus J.R. Paranhos da Costa

AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE CARNE. Mateus J.R. Paranhos da Costa Referência: Paranhos da Costa, M.J.R. (2002). Ambiência e qualidade de carne. In: L.A. Josahkian (ed.) Anais do 5 o Congresso das Raças Zebuínas, ABCZ: Uberaba- MG pp. 170-174. AMBIÊNCIA E QUALIDADE DE

Leia mais

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho.

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Mateus J.R. Paranhos da Costa (Grupo ETCO, Departamento de Zootecnia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA ABATE HUMANITÁRIO E O BEM-ESTAR ANIMAL EM BOVINOS Autora: Brunna Velho Costa e Silva PORTO ALEGRE 2012/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS

MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS MELHORANDO O MANEJO DOS ANIMAIS NOS FRIGORÍFICOS STEPS Risco para o trabalhador Sofrimento dos Animais Falta qualidade na carne Programa de Abate Humanitário Custo para o frigorífico Fiscalização ineficiente

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2

BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO. Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 BEM-ESTAR EM SUÍNOS: CONCEITO, MANEJO PRÉ-ABATE E CONTEXTO ECONÔMICO Guilherme Augusto Manske 1 ; Raquel Piletti 2 Palavras-chave: abate humanitário, qualidade, carne suína. INTRODUÇÃO No inicio do século

Leia mais

Nelore e muito sabor. Volverine FIV Carpa. Conheça os cortes. Eduardo Biagi

Nelore e muito sabor. Volverine FIV Carpa. Conheça os cortes. Eduardo Biagi 1 10 11 11 8 9 12 6 7 14 13 5 15 4 16 17 3 2 18 21 20 19 Nelore e muito sabor Conheça os cortes Volverine FIV Carpa O preparo de um belo corte começa muito antes do que imaginamos. Tem início lá atrás,

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

Aproveitamento de cortes da carcaça bovina e formação de preços ao produtor e na indústria

Aproveitamento de cortes da carcaça bovina e formação de preços ao produtor e na indústria Aproveitamento de cortes da carcaça bovina e formação de preços ao produtor e na indústria Valorização do produtos Ao produtor Ao consumidor RICARDO ZAMBARDA VAZ Doutor em Produção animal Grupo de Cadeias

Leia mais

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações. Comissão Permanente de Licitação CPL 02

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações. Comissão Permanente de Licitação CPL 02 2ª RETIFICAÇÃO PREGÃO SRP Nº 1409/2013 CPL 02 SEE Objeto: Registro de Preços para a Aquisição de Gêneros Alimentícios Básicos Perecíveis, para atender as necessidades dos alunos integrantes dos Programas:

Leia mais

Sistema EUROP de Classificação de

Sistema EUROP de Classificação de Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Sistema EUROP de Classificação de Carcaça Bovina André Mendes Jorge Zootecnista Professor Adjunto Livre

Leia mais

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA COSAG São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA ESCOPO DA ABIEC Fonte: MAPA Milhões de Cabeças Abatidas SIF 2008 2009 22,4 21,6 2010 2011 21,9 21,8 2012 (jan-fev) 4,3 ESCOPO DA ABIEC

Leia mais

Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional ENCOMEX Empresarial Fortaleza, 19 de setembro de 2013 Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional Luís Henrique Barbosa da Silva Exportando... tenho o produto aqui no Brasil

Leia mais

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL Irenilza de Alencar Nääs Tópicos Introdução a indústria suinícola Desafios de sustentabilidade Bem-estar animal suas aplicações e seus desafios

Leia mais

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol A cadeia de produção da carne bovina tem direcionado esforços, no sentido de estar cada vez mais atenta para atributos de qualidade da carne já que é uma exigência do consumidor final. A maciez é uma das

Leia mais

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3)

Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Tipificação e Classificação de Carcaças Bovinas (3/3) Classificação por Rendimento A classificação por rendimento do USDA estima o rendimento de carcaça em cortes desossados já limpos (sem gordura externa)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Os Fatores de Produção que afetam a Qualidade da Carne Bovina

Os Fatores de Produção que afetam a Qualidade da Carne Bovina Os Fatores de Produção que afetam a Qualidade da Carne Bovina Vander Luiz da Silva 1 (EPA/UNESPAR) vanderl-uiz.s@hotmail.com Giovana Defendi de Oliveira 1 (EPA/UNESPAR) gio_defendi@hotmail.com Ana Paula

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

VISÃO, MISSÃO E VALORES

VISÃO, MISSÃO E VALORES VISÃO, MISSÃO E VALORES Visão Missão Valores História TRADIÇÃO E TRANSPARÊNCIA 1949 Sociedade Industrial de Carnes Ltda em Araguari/MG, com apenas 36 funcionários. 1950 Araguari/MG, com capacidade para

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

PAC 16. Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves

PAC 16. Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves PAC 16 Página 1 de 14 PAC 16 Bem Estar e Abate Humanitário dos Animais Aves PAC 16 Página 2 de 14 Índice 1. Objetivo------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Perspectivas de Mercado

Perspectivas de Mercado Perspectivas de Mercado Estratégico Nível Gestão Gerencial Nível Caixa Nível Operacional Pecuária Custos de Corte Tecnologia do uso da informa ção Alcides Torres Insumos Bens de Fabiano R. Tito Rosa Scot

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

Transportes de Cargas Vivas Finalização dos trabalhos do GT estabelecido pela Portaria 575/2012

Transportes de Cargas Vivas Finalização dos trabalhos do GT estabelecido pela Portaria 575/2012 Transportes de Cargas Vivas Finalização dos trabalhos do GT estabelecido pela Portaria 575/2012 Lizie Pereira Buss Med. Vet. Fiscal Federal Agropecuário Comissão BEA/MAPA TEMAS ABORDADOS Papel dos organismos

Leia mais

Calf Notes.com. Calf Note #99 Mortalidade de Bezerros e Distocia. Introdução

Calf Notes.com. Calf Note #99 Mortalidade de Bezerros e Distocia. Introdução Calf Notes.com Calf Note #99 Mortalidade de Bezerros e Distocia Introdução Durante anos observamos que partos difíceis têm um efeito dramático na saúde e sobrevivência de bezerros. Quando as vacas precisam

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Profª Cristiane Matté Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Básicas da Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bioética Bioética é uma reflexão compartilhada,

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior; Ana Carolina Bezerra; Luana da Silva Barbosa; Ewerton Guilherme Alves de Sousa;

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO FEITO PGT/CCR/PP/Nº 3425/2014 DO Origem: PRT 18ª Região Interessado(s) 1: MPT Interessado(s) 2: Frigorífico Savanna Interessado(s) 3: Ministério Público do Trabalho Assunto(s): Meio Ambiente do Trabalho

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

A relação entre o preço pago pelo consumidor de carne bovina em Santa Maria e o recebido pelo produtor de gado de corte no Rio Grande do Sul.

A relação entre o preço pago pelo consumidor de carne bovina em Santa Maria e o recebido pelo produtor de gado de corte no Rio Grande do Sul. A relação entre o preço pago pelo consumidor de carne bovina em Santa Maria e o recebido pelo produtor de gado de corte no Rio Grande do Sul. 1 João Garibaldi Almeida Viana 2 Vicente Celestino Pires Silveira

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre Diretrizes Gerais de Responsabilidade Técnica em estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene estética e venda ou doação de animais,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DA CARNE DE BOVINOS, SUÍNOS E DE AVES

PERFIL NUTRICIONAL DA CARNE DE BOVINOS, SUÍNOS E DE AVES PERFIL NUTRICIONAL DA CARNE DE BOVINOS, SUÍNOS E DE AVES Shamara Maldaner 1, Andréia Thainara Thalheimer 1 e Patrícia Diniz Ebling 2 Palavras chaves: consumidor, gordura, paradigma, saúde. INTRODUÇÃO A

Leia mais

DEFINIÇÃO MATÉRIA DOS ANIMAIS UTILIZADA COMO ALIMENTO

DEFINIÇÃO MATÉRIA DOS ANIMAIS UTILIZADA COMO ALIMENTO CARNES DEFINIÇÃO MATÉRIA DOS ANIMAIS UTILIZADA COMO ALIMENTO MÚSCULO ÓRGÃOS OUTROS TECIDOS CARNE VERMELHA X CARNE BRANCA CARNE VERMELHA APLICÁVEL À POUCAS DAS 3000 ESPÉCIES MAMÍFERAS CARNE BRANCA AVES,

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA LOGISTICA E DATAÇÃO DA IDADE DAS LESÕES EM CARCAÇA DE BOVINOS ABATIDOS NO PANTANAL SUL MATO-GROSSENSE

AVALIAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA LOGISTICA E DATAÇÃO DA IDADE DAS LESÕES EM CARCAÇA DE BOVINOS ABATIDOS NO PANTANAL SUL MATO-GROSSENSE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CAMPUS DE BOTUCATU AVALIAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA LOGISTICA E DATAÇÃO DA IDADE DAS LESÕES EM CARCAÇA DE BOVINOS ABATIDOS NO PANTANAL

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Características da Carne Suína

Características da Carne Suína Características da Carne Suína Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável

O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável Introdução O exercício da actividade do Médico Veterinário Municipal (MVM) está regulamentado

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2

PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2 entrevistas PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2 PERGUNTA (P.). O que é realmente a Pecuária Sustentável? RESPOSTA

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS 1. OBJETIVO O objetivo desde documento é apresentar as diretrizes para a classificação de vias em função do tráfego, da geometria e do uso do solo do entorno de vias urbanas da Prefeitura do Município

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MANEJO PRÉ-ABATE E QUALIFICAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS EM RELAÇÃO AO BEM-ESTAR ANIMAL

AVALIAÇÃO DO MANEJO PRÉ-ABATE E QUALIFICAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS EM RELAÇÃO AO BEM-ESTAR ANIMAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO Campus Uberaba MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS FERNANDA MARIA FARIAS CUNHA AVALIAÇÃO DO MANEJO PRÉ-ABATE

Leia mais