SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO"

Transcrição

1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO JANEIRO/2014 i

2 ii

3 ÍNDICE 1 INDRODUÇÃO MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA INDICADORES DE DESEMPENHO DEFINIDOS PARA O PROJETO... 6 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1:Tabela de Indicadores de Desempenho iii

4 1 INDRODUÇÃO Este Anexo tem com objetivo apresentar o Sistema de Avaliação de Desempenho da concessionária. Para tanto, é conveniente detalhar de que forma a contraprestação pecuniária mensal será afetada pelo desempenho do Parceiro Privado na prestação dos serviços que são objeto do Contrato de Concessão da PPP. 2 MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO O modelo de remuneração do Parceiro Privado proposto inclui a proposta de valores das contraprestações mensais pelo prazo da concessão para a viabilização do projeto de parceria. De maneira mais ampla, a remuneração do concessionário deverá considerar a área total dos pátios instalados, o número de veículos guinchados e o número de veículos leiloados no período. Apresentamos abaixo a fórmula para o cálculo da contraprestação mensal: Contraprestação = (R$ 8,38 x M² + R$ 257,64 x Veículos Guinchados + R$ 460,35 x Veículos Leiloados) x IQS Onde: Contraprestação = Contraprestação Mensal M² = Área total dos pátios instalados Veículos Guinchados = Número de Veículos Guinchados Veículos Leiloados = Número de Veículos Leiloados IQS = Índice de Qualidade do Serviço De acordo com a fórmula de contraprestação, nota-se que a remuneração do Parceiro Privado está diretamente relacionada ao Índice de Qualidade do Serviço (IQS). O cálculo do IQS deve possuir uma metodologia clara e objetiva. Assim, as contraprestações poderão ser afetadas pelos indicadores de desempenho que compõem o IQS e penalizam o 4

5 concessionário por desvios em relação a metas contratuais estabelecidas. Na seção seguinte detalharemos de que forma foi definido o IQS do Projeto e como ele será aferido. 5

6 3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA 3.1 INDICADORES DE DESEMPENHO DEFINIDOS PARA O PROJETO Nesta seção apresentaremos cada um dos 12 indicadores de desempenho definidos para o Projeto. Apresentaremos também de que forma ele será medido, a meta de performance estabelecida para que não haja desconto na contraprestação mensal da concessionária e o peso do indicador. O peso dos indicadores pode variar de 1 a 5, de acordo com a relevância do mesmo dentro do escopo de prestação dos serviços Indicador de Desempenho 1- Recolhimento de veículos: tempo máximo entre o acionamento e a chegada da equipe de recolhimento no período entre 6h e 0h O recolhimento de veículos consiste na ação de remover do local de fiscalização até a área interna de pátios os veículos que tenham tido determinação de remoção/recolhimento pelo agente da autoridade de trânsito. É feita uma distinção deste indicador levando-se em consideração o horário em que o recolhimento do veículo é realizado. Espera-se que, se o recolhimento do veículo ocorre no período entre 6h00 e 0h00, este recolhimento será realizado no tempo máximo de 60 minutos. A meta estabelecida para que a concessionária obtenha a avaliação máxima como resultado para este indicador é de que 95% das ocorrências sejam realizadas dentro do tempo previsto. Este indicador possui peso 5. 6

7 3.1.2 Indicador de Desempenho 2 - Recolhimento de veículos: tempo máximo entre o acionamento e a chegada da equipe de recolhimento no período entre 0h01 e 5h59 Assim como no item anterior, o recolhimento de veículos é definido como: ação de remover do local de fiscalização até a área interna de pátios os veículos que tenham tido determinação de remoção/recolhimento pelo agente da autoridade de trânsito. Espera-se que, se o recolhimento do veículo ocorre no período entre 0h01 e 5h59, este recolhimento será realizado no tempo máximo de 90 minutos. A meta estabelecida para que a concessionária obtenha a avaliação máxima como resultado para este indicador é de que 95% das ocorrências sejam realizadas dentro do tempo previsto. Este indicador possui peso Indicador de Desempenho 3 - Responsabilidade pela segurança dos veículos depositados nos pátios contra furtos e roubos enquanto o veículo estiver sob a responsabilidade da concessionária O Parceiro Privado deverá manter segurados os pátios e veículos guardados, bem como ressarcir roubos e furtos ocasionados pelas ações operacionais de remoção e guarda dos veículos. Este indicador deve ser medido de acordo com o número de ocorrências solucionadas de forma consensual com o usuário. Entende-se que em casos que o Parceiro Privado comprove que o furto ou roubo não foi ocasionado enquanto o veículo esteve sob sua guarda, mas sim anteriormente à fiscalização, a concessionária também obterá a nota máxima neste indicador. Espera-se que a concessionária solucione os problemas ocasionados por furtos ou roubos acima de 99% das ocorrências no período de aferição do indicador. Este indicador tem peso 2. 7

8 3.1.4 Indicador de Desempenho 4 - Responsabilidade pela integridade dos veículos, sem avarias, enquanto o veículo estiver sob a responsabilidade da concessionária O Parceiro Privado deverá manter segurados os pátios e veículos guardados, bem como ressarcir o usuário por avarias ocasionadas pelas ações operacionais de remoção e guarda dos veículos. Este indicador deve ser medido de acordo com o número de ocorrências solucionadas de forma consensual com o usuário. Entende-se que em casos que o Parceiro Privado comprove que a avaria não foi ocasionada enquanto o veículo esteve sob sua guarda, mas sim anteriormente à fiscalização, a concessionária também obterá a nota máxima neste indicador. Espera-se que a concessionária solucione os problemas oriundos de avarias ocorridas no processo de remoção e guarda dos veículos acima de 99% das ocorrências no período de aferição do indicador. Este indicador tem peso Indicador de Desempenho 5 - Arquivamento de disponibilização de documentos A concessionária deverá manter documentação dentro das boas práticas para localização imediata de documentos quando solicitados pelo gestor do contrato, devendo essa disponibilização ser realizada em, no máximo, 24 horas em boas condições de conservação e leitura, podendo este documento ser entregue fisicamente ou em cópia digital. Espera-se que o Parceiro Privado disponibilize os documentos, conforme condições mencionadas, acima de 99% das solicitações realizadas pelo gestor do contrato. Este indicador tem peso 1. 8

9 3.1.6 Indicador de Desempenho 6 - Tempo médio mensal de atualização do sistema do Estado O Estado delega ao Parceiro Privado a remoção, guarda, depósito e preparação de leilão dos veículos apreendidos e/ou removidos. Desta forma, o Parceiro Privado somente deverá executar as ordens do Estado que se atenham ao objeto. Neste modelo, os eventos que fazem parte deste processo estão descritos no indicador, quais sejam: Ordem de remoção (Reconhecimento do recebimento da ordem do Estado); Envio de Guincho; Chegada do guincho ao local de recolhimento; Auto de Pré Vistoria e Remoção; Entrada no Pátio; Relatório de Entrada no pátio; Ordem de Liberação (veículo regularizado) (Reconhecimento do recebimento da ordem do Estado); Solicitação de retirada de veículo (Senha retirada pessoalmente no pátio no momento do atendimento), Auto de Liberação; Ordem de Leilão (Reconhecimento do recebimento da ordem do Estado); Registros de Leilão; 9

10 Auto de liberação pós leilão; Todas essas mudanças de status, desde a abertura do caso, devem ser reportadas ao Sistema do Estado no mínimo tempo possível, até o fechamento do mesmo. Os sistemas devem conter os horários em que as informações foram geradas (time stamp do evento) e o Sistema do Estado conseguirá averiguar quanto tempo se passou entre o evento e a atualização por parte do sistema do Parceiro Privado. Espera-se que o Parceiro Privado seja capaz de atualizar o Sistema do Estado, no máximo, até 60 minutos após cada evento. A medida utilizada para aferir a pontuação atingida neste indicador será a média mensal do tempo de atualização do Sistema do Estado para todos os eventos registrados no mês de referência. Este indicador tem peso Indicador de Desempenho 7 - Liberação dos veículos O Parceiro Privado deverá emitir ao usuário uma senha que informará o horário de sua chegada ao pátio, esta senha indicará o tempo inicial para aferição deste indicador, considerando-se que a liberação do veículo pelo agente de autoridade de trânsito tenha sido expedida ao usuário e que os valores dos serviços tenham sido quitados. Portanto, serão desconsideradas, para fim de apuração deste indicador, ocasiões em que o usuário retirou senha para atendimento, mas não apresentou documento de liberação do veículo pelo agente de autoridade de trânsito e/ou quando os valores dos serviços não tiverem sido quitados previamente. O tempo de atendimento será medido do horário apresentado na senha retirada pelo usuário no momento de sua chegada ao pátio até o horário em que o usuário assina pelo recebimento de seu veículo liberado. 10

11 Espera-se que o tempo entre atendimento e liberação do veículo seja de, no máximo, 60 minutos para 98% dos casos em que o usuário apresentar documentação conforme condições especificadas acima. O peso deste indicador é Indicador de Desempenho 8 - Funcionamento do Call Center O Call Center estará disponível, ininterruptamente, durante vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana, incluindo feriados. Para que o Parceiro Privado possa obter nota máxima neste indicador, espera-se que o Call Center funcione acima de 99% do tempo estabelecido. O peso deste indicador é Indicador de Desempenho 9 - Tempo de espera das ligações Consideramos uma taxa média de abandono das ligações de Call Center de 2% das ligações realizadas pelos usuários. Sendo assim, espera-se que o Parceiro Privado atinja uma meta de 98% das ligações esperarem no máximo 60 segundos para o primeiro atendimento. A contagem deste prazo se inicia a partir do momento em que o consumidor seleciona a opção "falar com atendente" no menu eletrônico. Este indicador tem peso 1. 11

12 Indicador de Desempenho 10 - Percentual de solicitações por informações respondidas no Call Center O consumidor não terá a sua ligação finalizada pelo fornecedor antes da conclusão do atendimento. Espera-se que o Parceiro Privado, portanto, preste todas as informações, de sua competência, solicitadas no Call Center. O peso deste indicador é Indicador de Desempenho 11 - Percentual de reclamações verificadas no Call Center Espera-se que o Parceiro Privado se manifeste a 100% das reclamações realizadas por meio do Call Center em um prazo máximo de 4 dias úteis. O peso deste indicador é Indicador 12 - Desfluidificação de veículos após 30 dias Definimos como desfluidificação a ação de realizar a retirada de combustível, óleos lubrificantes e baterias dos veículos, com execução e descarte apropriados. O Parceiro Privado deve averiguar no prazo máximo de 30 dias se os veículos guardados nos pátios apresentam vazamento de combustível, óleos lubrificantes ou baterias. A desfluidificação deve ocorrer apenas no caso em que o veículo apresenta vazamento nestes locais. O Parceiro Privado deve registrar por meio de fotos a ocorrência destes vazamentos e quando verificado vazamento, deverá realizar a desfluidiificação do mesmo no prazo máximo de 30 dias após a entrada do veículo no pátio. Espera-se que o Parceiro Privado desfluidifique 100% dos veículos nos casos previstos. O peso deste indicador é 1. 12

13 As informações básicas de todos os indicadores são apresentadas na tabela a seguir. Tabela 1:Tabela de Indicadores de Desempenho INDICADOR MEDIDA META PERFORMANCE AVALIAÇÂO PESO Recolhimento de veículos - Todas as cidades - 6h à 0h 60 minutos acima de 95% das ocorrências na média mensal acima de 95% 10 entre 90% e 95% 8 entre 85% e 90% 5 entre 80% e 85% 2 abaixo de 80% 0 5 Recolhimento de veículos - Todas as cidades - 0h01 às 5h59 90 minutos acima de 95% das ocorrências na média mensal acima de 95% 10 entre 90% e 95% 8 entre 85% e 90% 5 entre 80% e 85% 2 abaixo de 80% 0 5 Responsabilidade por roubos e furtos Nº ocorrências solucionadas de forma consensual com o usuário ou quando o parceiro privado comprovar que o evento ocorreu anteriormente ao ato de fiscalização problemas solucionados acima de 99% dos veículos guardados no período acima de 99% 10 entre 98% e 99% 8 entre 97% e 98% 5 entre 95% e 98% 2 abaixo de 95% 0 2 Responsabilidade por avarias Nº ocorrências solucionadas de forma consensual com o usuário ou quando o parceiro privado comprovar que o evento ocorreu anteriormente ao ato de fiscalização problemas solucionados acima de 99% dos veículos guardados no período acima de 99% 10 entre 98% e 99% 8 entre 97% e 98% 5 entre 95% e 98% 2 abaixo de 95% 0 2 Arquivamento e disponibilização de documentos Disponibilização em 24 horas acima de 99% da disponibilização em tempo e condições estabelecidas acima de 99% 10 entre 98% e 99% 8 entre 97% e 98% 5 entre 95% e 98% 2 abaixo de 95% 0 1 Tempo médio mensal de atualiação do sistema do Estado Média mensal de minutos após cada evento até a média mensal de 60 minutos abaixo da média de 60 min 10 entre uma média de 60 e 70 min 8 entre uma média de 70 e 80 min 5 entre uma média de 90 e 100 min 2 média acima de 100 min 0 1 Liberação dos veículos tempo entre atendimento e liberação de 60 minutos 98% de liberações inferior a 60 minutos acima de 98% 10 entre 96% e 98% 8 entre 94% e 96% 5 entre 92% e 94% 2 abaixo de 92% 0 3 Call Center funcionará 24 horas por dia, 7 dias na semana, incluindo feriados Funcionamento do Call Center acima de 99% 10 Call center entre 96% e 98% 8 funcionando em 99,9% entre 94% e 96% 5 dos dias do ano entre 92% e 94% 2 abaixo de 92%

14 Meta de 98% das ligações esperarem no máximo 60 segundos para o primeiro atendimento Tempo de fila e de atendimento 98% das ligações terem o primeiro atendimento em 60 segundos acima de 98% 10 entre 96% e 98% 8 entre 94% e 96% 5 entre 92% e 94% 2 abaixo de 92% 0 1 Percentual de solicitações por informações respondidas no Call Center 100% das reclamações % das solicitações entre 100% e 99% 8 por informações % entre 99% e 98% 5 1 respondidas aos entre 98% e 97% 2 usuários entre 97% e 96% 0 Percentual de reclamações verificadas no Call Center % 100% das reclamações verificadas 100% das reclamações 10 entre 100% e 99% 8 entre 99% e 98% 5 entre 98% e 97% 2 entre 97% e 96% 0 2 Desfluidificação de veículos após 30 dias % 100% dos veículos desfluidificados nos casos previstos 100% dos veículos 10 entre 100% e 99% 8 entre 99% e 98% 5 entre 98% e 97% 2 entre 97% e 96% 0 1 A avaliação de desempenho da concessionária será realizada mensalmente. A nota final obtida por meio do sistema de desempenho da concessionária será a média ponderada dos 12 indicadores apresentados na Tabela de Indicadores de Desempenho acima. Esta nota deverá variar entre 0 e 10. O desconto máximo sofrido pela concessionária por decorrência do desempenho na prestação de serviços será de 10% do valor da contraprestação mensal. Portanto, o IQS deverá variar de 0,9 à 1. A fórmula para obtenção do IQS é: IQS = 0,9 + (Média ponderada dos Indicadores de Desempenho 100) A concessionária deverá encaminhar ao gestor do contrato um relatório onde ela indicará o resultado da performance atingida em cada um dos indicadores. A concessionária deverá também manter arquivados os documentos que comprovam o resultado atingido em cada indicador. Este resultado será confrontado com informações coletadas pelo gestor do contrato de forma autônoma. 14

15 O cálculo da contraprestação e demais condições para pagamento aos serviços prestados pela concessionária se darão conforme cláusulas estabelecidas no Contrato de Concessão. 15

DECRETO N.º 3254, DE 01 DE SETEMBRO DE 2014.

DECRETO N.º 3254, DE 01 DE SETEMBRO DE 2014. DECRETO N.º 3254, DE 01 DE SETEMBRO DE 2014. APROVA REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso de suas atribuições legais nos termos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS DETRAN/MG

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS DETRAN/MG PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI PROJETO DE GUARDA E REMOÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES EM CIRCULAÇÃO SUJEITOS A INFRAÇÃO À LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO Belo Horizonte MG, setembro de 2013 SOBRE A

Leia mais

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 Estabelece regras e padronização de documentos para arrecadação de multas

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA CLARO UP

REGULAMENTO PROGRAMA CLARO UP REGULAMENTO PROGRAMA CLARO UP A CLARO S/A, inscrita no CNPJ sob o nº 40.432.544/0001-47, com sede na Rua Flórida, 1970 Brooklin São Paulo - SP - CEP: 04665-001, denominada neste instrumento simplesmente

Leia mais

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Divisão de Patrimônio DIPM/GRM/PRAD Manual do Sistema de Patrimônio Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de Patrimônio Núcleo

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho ANEXO 8 Quadro de Indicadores de Desempenho 1 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE O Sistema de Gestão da Qualidade a ser implantado tem por finalidades: 1. Estimular a melhoria contínua da qualidade dos

Leia mais

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02 Sumário 1. Objetivo 02 2. A quem se destina 02 3. Diretrizes 02 4. Uso do celular corporativo 03 5. Mini Modem 04 6. Ligações Particulares 05 7. Responsabilidades e autoridades 8. Anexos Página 1 de 5

Leia mais

ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE MANUAL DE DESBLOQUEIO DO TABLET EDUCACIONAL

ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE MANUAL DE DESBLOQUEIO DO TABLET EDUCACIONAL MANUAL DE DESBLOQUEIO DO TABLET EDUCACIONAL Desbloqueando o Tablet Educacional Olá, Professor(a), agora que você está com o Tablet Educacional em mãos, terá que realizar seu desbloqueio. Para isso você

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Diretoria de Tecnologia da Informação SIG Software e Consultoria em T.I

Universidade Federal de Roraima Diretoria de Tecnologia da Informação SIG Software e Consultoria em T.I SIGRH PLANO DE SAÚDE Manual de Adesão ao Plano de Saúde 1. Permissões para o Usuário Servidor Comum: Qualquer servidor ativo da Instituição. 2. Funcionalidades 2.1. Solicitação de Adesão ao Plano de Saúde

Leia mais

LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro

LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro Diário Oficial nº : 26067 Data de 18/06/201 publicação: 3 Matéria nº : 586462 LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro dos contratos

Leia mais

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGLOG-041 07 1 de 14

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGLOG-041 07 1 de 14 Proposto por: Diretor da Divisão de Infraestrutura de Transportes (DITRA) Analisado por: Diretor do Departamento de Transportes (DETRA) Aprovado por: Diretor da Diretoria Geral de Logística (DGLOG) 1 OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

DESCRITIVO DA EMPRESA CÉLULA GESTAO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E INFORMAÇÕES LTDA

DESCRITIVO DA EMPRESA CÉLULA GESTAO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E INFORMAÇÕES LTDA DESCRITIVO DA EMPRESA CÉLULA GESTAO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E INFORMAÇÕES LTDA A Célula está localizada na Rod Br 040, km 800, n 24, no Condomínio Empresarial Park Sul, município de Matias Barbosa, próximo

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia COMUNICADO CONCORRÊNCIA 003/2004

Ministério da Ciência e Tecnologia COMUNICADO CONCORRÊNCIA 003/2004 COMUNICADO CONCORRÊNCIA 003/2004 OBJETO: contratação de empresa especializada para a prestação de serviços de modelagem, implementação física, implantação de procedimentos, técnicas, operação e gestão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Vide Instrução Normativa STJ/GDG n. 26 de 18 de dezembro de 2015 (Alteração = art. 12) RESOLUÇÃO STJ N. 2 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre os serviços de telecomunicações do Superior Tribunal de

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM

REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM REGULAMENTO DO PROGRAMA VOLKSWAGEN PREMIUM O Programa Volkswagen Premium ( Programa ), desenvolvido pela VOLKSWAGEN DO BRASIL INDÚSTRIA DE VEÍCULOS AUTOMOTORES LTDA. ( Volkswagen ), é de natureza benéfica

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ]

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] 2009 [SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] Descrição das atividades, por etapas sistemáticas, que compõe a atividade de Pagamento aos Proprietários

Leia mais

Projeto Básico - Prestação de Serviços

Projeto Básico - Prestação de Serviços Diretoria de Tecnologia Gerência de Fornecimento de TI Projeto Básico - Prestação de Serviços 1. Objeto: 1.1 Contratação de empresa para prestação de serviços especializados de escuta de gravações e monitoração

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

Rede nº 038/14 Data: 15/01/2015 Assunto: OUTSOURCING DE IMPRESSÃO - CRONOGRAMA DE ENTREGA DE SUPRIMENTOS DE JANEIRO À ABRIL

Rede nº 038/14 Data: 15/01/2015 Assunto: OUTSOURCING DE IMPRESSÃO - CRONOGRAMA DE ENTREGA DE SUPRIMENTOS DE JANEIRO À ABRIL Rede nº 038/14 Data: 15/01/2015 Assunto: OUTSOURCING DE IMPRESSÃO - CRONOGRAMA DE ENTREGA DE SUPRIMENTOS DE JANEIRO À ABRIL Senhores Diretores, Retransmito na íntegra, o comunicado do DETEC - Departamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho

Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho Anexo 17.2 Sistema de Avaliação de Desempenho Folha 1 de 14 Metodologia A equipe de fiscalização da ANA avaliará, mensalmente, o cumprimento dos mais importantes parâmetros de desempenho incluídos nas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 2016 PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

EDITAL DE SELEÇÃO 2016 PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Faculdade de Ciências Farmacêuticas Câmpus de Araraquara EDITAL DE SELEÇÃO 2016 PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Estarão abertas no período de 03 a 23/11/2015 na Seção Técnica de Pós-

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - PRINCÍPIOS GERAIS 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar os procedimentos para a apresentação do Documento

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, em 1º/12/2009. RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a utilização dos sistemas de telefonia fixa e de comunicação móvel do Supremo Tribunal

Leia mais

Divisão de Logística e Apoio Administrativo - DLA GESTÃO DA QUALIDADE NORMA DE USO DE RECURSOS DE TELEFONIA MÓVEL Código Revisão Data Página

Divisão de Logística e Apoio Administrativo - DLA GESTÃO DA QUALIDADE NORMA DE USO DE RECURSOS DE TELEFONIA MÓVEL Código Revisão Data Página Divisão de Logística e Apoio Administrativo - DLA GESTÃO DA QUALIDADE NORMA DE USO DE RECURSOS DE TELEFONIA MÓVEL Código Revisão Data Página NAD NO. 001/09 12 08/07/2014 1 de 9 Elaboração: Audrey A. Appendino

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

PORTARIAS DO DETRAN-RJ / 2004 DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO ATO DO PRESIDENTE PORTARIA PRES-DETRAN-RJ Nº 3250

PORTARIAS DO DETRAN-RJ / 2004 DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO ATO DO PRESIDENTE PORTARIA PRES-DETRAN-RJ Nº 3250 PORTARIAS DO DETRAN-RJ / 2004 DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO ATO DO PRESIDENTE PORTARIA PRES-DETRAN-RJ Nº 3250 DISPÕE SOBRE A APREENSÃO, REBOQUE, GUARDA E LEILÃO DE VEÍCULOS SEM CONDIÇÕES DE TRAFEGABILIDADE,

Leia mais

Total Fleet 24 Horas

Total Fleet 24 Horas Total Fleet 24 Horas Usuários Carro substituto Total Fleet 24 Horas Atendimento emergencial Atendimento preventivo/corretivo Total Fleet 24 Horas Atendimento 24 horas com cobertura nacional 0800 979 10

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO Processo nº: 00058.024009/2014-54 Unidade Responsável GCON/SRE (Sigla): Assunto do normativo: Regulamentar a aferição dos Indicadores de Qualidade

Leia mais

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR

GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR GERÊNCIA DE ORIENTAÇÕES, NORMAS E PROCEDIMENTOS GONP SETOR DE ORIENTAÇÃO - SEOR Orientação Técnica n 006/2014 Assunto: Procedimento Relativo à Gestão da Frota do Município do Recife Legislação: Instrução

Leia mais

CADERNO TÉCNICO: ATENDIMENTO AO CIDADÃO

CADERNO TÉCNICO: ATENDIMENTO AO CIDADÃO CADERNO TÉCNICO: ATENDIMENTO AO CIDADÃO SUMÁRIO DIRETRIZES GERAIS ATENDIMENTO PRESENCIAL CONTACT CENTER Do portal web 1 DIRETRIZES GERAIS Deverá ser fornecido o serviço de atendimento ao cidadão, nas formas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL De um lado, M&T Logística e Tecnologia Ltda, sediada na cidade de Belo Horizonte/MG na, denominada CONTRATADA e de outro lado, pessoa física ou jurídica, neste denominada

Leia mais

TÍTULO: ENTRADA E OPERAÇÕES DE MERCADORIAS NOS ENTREPOSTOS DA CEAGESP DATA DE EMISSÃO 12/11/2001

TÍTULO: ENTRADA E OPERAÇÕES DE MERCADORIAS NOS ENTREPOSTOS DA CEAGESP DATA DE EMISSÃO 12/11/2001 NP- OP-030 DATA DE EMISSÃO PÁGINA 1 de 12 Índice: 1 DO OBJETIVO... 2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO... 2 3 DAS DEFINIÇÕES... 2 3.1 DAS SIGLAS... 2 3.2 DOS DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA A ENTRADA DE MERCADORIAS NOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA Outubro de 2013 1 1 OBJETO Prestação de Serviço de Manutenção da licença

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO 1 de 10 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA ABRANGÊNCIA...

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 86, DE 22 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a revisão dos valores das Tarifas de Água e Esgoto e dos Preços Públicos dos serviços prestados pelo SAMAE, a serem aplicadas no Município de

Leia mais

ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO A avaliação sempenho da Concessionária será mensurada exclusivamente segundo critérios objetivos e transparentes, conforme o Sistema

Leia mais

Manual Cartão Pesquisa /CNPq. Atualizado em 25/08/2014

Manual Cartão Pesquisa /CNPq. Atualizado em 25/08/2014 Manual Cartão Pesquisa /CNPq Atualizado em 25/08/2014 Sumário Introdução... 3 Cartão BB Pesquisa... 4 Passo a Passo... 8 Perguntas e Respostas.... 14 Cartão BB Pesquisa O Cartão BB Pesquisa éresultado

Leia mais

TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA

TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA Prezado usuário, por favor, leia com muita atenção este termo. Ele regula nossa relação comercial e deve ser consultado sempre que uma dúvida surgir sobre

Leia mais

1. que participe de empresa que se encontre em situação irregular perante a Fazenda Estadual;

1. que participe de empresa que se encontre em situação irregular perante a Fazenda Estadual; Normativos Estaduais PORTARIA SF Nº 086, EM 12.05.2004 O SECRETÁRIO DA FAZENDA, considerando a necessidade de reunir em único ato normativo as regras relativas ao credenciamento de empresa transportadora,

Leia mais

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014 Itatiba: Cidade + Inteligente Novembro 2014 concepção projeto inovador na gestão do patrimônio e dos serviços prestados pelo município por meio de um sistema digital que possibilitará o monitoramento e

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário, na sua admissão na empresa, assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo

Leia mais

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JANEIRO/ 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. MECANISMO DE PAGAMENTO... 1 3. REAJUSTES... 4 APÊNDICE 1... 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE CGH E PCH... 6 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar

Leia mais

EMBAJADA DE LA REPÚBLICA ARGENTINA EN LA REPÚBLICA FEDERATIVA DEL BRASIL

EMBAJADA DE LA REPÚBLICA ARGENTINA EN LA REPÚBLICA FEDERATIVA DEL BRASIL PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO BASES E CONDIÇÕES PARTICULARES TIPO: Contratação Direta por Trâmite Simplificado Nº 3/2015 Exércicio: 2015 CLASSE: Sem classe MODALIDADE: Ordem de Compra Aberta PROCESSO Nº 4/2015

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY Os presentes termos e condições gerais de uso (os Termos de Uso ) definem os direitos e obrigações aplicáveis aos usuários do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2014 SGA SISTEMA GERAL DE ADMNISTRAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2014 SGA SISTEMA GERAL DE ADMNISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2014 SGA SISTEMA GERAL DE ADMNISTRAÇÃO VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 4 de novembro de 2014 ATO DE APROVAÇÃO: Resolução N.º 116, de 5 de novembro de 2014 UNIDADE RESPONSÁVEL:

Leia mais

Parcelamento de Débitos FGTS. Breve histórico

Parcelamento de Débitos FGTS. Breve histórico Parcelamento de Débitos FGTS Breve histórico Parcelamento de Débitos FGTS RCC TIPO DEBITO PRAZO MAX FORMA DE CALCULO 287/98 INS/JUD 140 Qtde comp. Em atraso 325/99 ADM 180 Qtde comp. Em atraso 466/04 ADM

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2 Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009 Informações úteis para o Empregador Versão 1.2 1 Sumário 1 PONTOS IMPORTANTES DA PORTARIA 1.510/2009... 3 1.1 Definições... 4 1.2

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. M O D E L O A Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, sociedade constituída sob as leis brasileiras, com sede na Capital do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se:

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal 1. DEFINIÇÕES: Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: EMPRESA CONCESSIONÁRIA Viação Atibaia

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (SAC) NA SAÚDE SUPLEMENTAR

A REGULAMENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (SAC) NA SAÚDE SUPLEMENTAR Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Ministério da Saúde MS Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor DPDC Ministério da Justiça - MJ A REGULAMENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR

Leia mais

Anexo II - Tabela de Temporalidade de Documentos

Anexo II - Tabela de Temporalidade de Documentos Anexo II - Tabela de Tporalidade de Documentos Secretaria de Estado da Casa Civil Depósito Público Janeiro DPERJ 07 - Competência: Acautelamento de apreendidos 07.01 - Função: Armazenamento e acondicionamento

Leia mais

Número: DFC 001/2014 TERMO DE REFERÊNCIA 29/01/2014 DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE - DFC

Número: DFC 001/2014 TERMO DE REFERÊNCIA 29/01/2014 DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE - DFC CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA INDEPENDENTE PARA ELABORAÇÃO DE PARECER PARA CERTIFICAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE PATRIMONIAL - RCP REFERENTE AO ANO DE 2013,

Leia mais

Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional

Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional SGTA Sistema de Gestão Total de Abastecimento do Governo do Estado de Minas Gerais REV DATA ALTERAÇÃO CRIAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO 01 13/01/14 Versão

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO EM SISTEMA DE COLABORAÇÃO ZIMBRA 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços de suporte técnico em sistema de colaboração ZIMBRA. 2. DESCRIÇÃO GERAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO nº de 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI DO SENADO nº de 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 PROJETO DE LEI DO SENADO nº de 2011 Disciplina o funcionamento de empresas de desmontagem de veículos automotores terrestres e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 1 M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS 1. OBJETIVO 1.1

Leia mais

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL

EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL ANEXO II EXEMPLO DE RELATÓRIO DO TOMADOR DE CONTAS ESPECIAL (PARA CONVÊNIO OU INSTRUMENTOS CONGÊNERES) RELATÓRIO DE TCE Nº XX/2013 DADOS DO CONVÊNIO PROCESSO ORIGINAL 90000.000050/2009-99 INSTRUMENTO ORIGINAL

Leia mais

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 Somente quando estiver com documento do veículo em mãos, para fornecer ao atendente a placa e o chassi do veículo.

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/2003

RESOLUÇÃO Nº 10/2003 RESOLUÇÃO Nº 10/2003 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Viçosa, órgão superior de administração, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de otimizar a gestão do sistema

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

SECRETARIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Resolução SEADS - 8, de 5-8-2005 Dispõe sobre as Normas Operacionais Básicas para o Projeto Ação Jovem e dá providências correlatas A Secretária Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social, com fundamento

Leia mais

Portal Gestão de Recebimentos

Portal Gestão de Recebimentos Portal Gestão de Recebimentos Introdução O Portal Gestão de Recebimentos proporciona agilidade e rapidez na interação dos clientes HSBC com seus fornecedores. Permite a você consultar as operações liberadas

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO 03 2 - VISÃO 03 3 - DISPOSIÇÕES GERAIS 03 4 - DEFINIÇÕES 03 5 - CLASSIFICAÇÃO 03 6 - PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

CADERNO TÉCNICO: PROCESSO DE PÁTIOS

CADERNO TÉCNICO: PROCESSO DE PÁTIOS ANEXO I CADERNO TÉCNICO: PROCESSO DE PÁTIOS Diretrizes gerais Procedimentos de fiscalização de trânsito Procedimentos de remoção Das operações especiais Remoção de veículos da Polícia Civil Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação e remuneração de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)!

INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)! INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)! Trata-se o presente instrumento de um contrato celebrado através de meio eletrônico (internet), para venda de ingresso pelo

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DE PORTABILIDADE BANRISUL COMO PROPONENTE

MANUAL OPERACIONAL DE PORTABILIDADE BANRISUL COMO PROPONENTE Emissor: Departamento Operacional do Crédito Consignado Versão: 8 Vigência: 17.07.2015 Código MO: OCC 01 MANUAL OPERACIONAL DE PORTABILIDADE BANRISUL COMO PROPONENTE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 CONCEITOS...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Grupiara CNPJ N.º: 17.827.858/0001-27

Prefeitura Municipal de Grupiara CNPJ N.º: 17.827.858/0001-27 PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 002/2015, DE 20 DE MARÇO DE 2015 AUTORIZA O EXECUTIVO MUNICIPAL A ABRIR CRÉDITO ESPECIAL NO VALOR DE R$2.184,84 (DOIS MIL, CENTO E OITENTA E QUATRO REAIS E OITENTA E QUATRO

Leia mais

MANUAL DO AGENTE VERSÃO 001. Versão 001. Copyright - Todos os direitos reservados

MANUAL DO AGENTE VERSÃO 001. Versão 001. Copyright - Todos os direitos reservados MANUAL DO AGENTE VERSÃO 001 Versão 001 MOEBIUS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PROCEDIMENTO PARA AUMENTO DA PERFORMANCE...4 3. ACESSO AO SISTEMA...5 4. PALAVRAS CHAVE...6 5. PAGINA INICIAL...7 6. STATUS DO

Leia mais

1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8. Consultando Promoções e Eventos 8.

1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8. Consultando Promoções e Eventos 8. Indíce 1.INDÍCE... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 2.QUADRO DE AVISOS... 4 3.CONSULTA CIRCULARES... 6 4.CONSULTA NOTÍCIAS... 7 5.PROMOÇÕES E EVENTOS... 8 Consultando Promoções e Eventos 8 6.CONSULTAS GERAIS...

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO p. 1 / 19 Sumário Sumário... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÍNDICE DE CUMPRIMENTO DE MARCOS - ICM... 5 2.1. Procedimento

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada Proposto por: Serviço de Cadastro e Documentação da Frota (SEFRO) Analisado por: Departamento de Transportes (DETRA) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de Logística (DGLOG) 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Procedimento Operacional Prefeituras Documento Público Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Gerência de Relacionamento Comercial com Clientes Especiais do Poder

Leia mais

ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS. ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)

ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS. ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) 1689/2015 - Sexta-feira, 20 de Março de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho

Leia mais