RESULTADOS DO TRANSPLANTE DE FÍGADO POR CHC APÓS DOWNSTAGING NO BRASIL. Ilka de Fatima SF Boin Unidade de Transplante Hepático FCM HC - Unicamp

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESULTADOS DO TRANSPLANTE DE FÍGADO POR CHC APÓS DOWNSTAGING NO BRASIL. Ilka de Fatima SF Boin Unidade de Transplante Hepático FCM HC - Unicamp"

Transcrição

1 RESULTADOS DO TRANSPLANTE DE FÍGADO POR CHC APÓS DOWNSTAGING NO BRASIL Ilka de Fatima SF Boin Unidade de Transplante Hepático FCM HC - Unicamp

2 Portaria GM 1160 de 29/05/2006 Transplantes de Fígado Modifica os critérios de distribuição de fígado de doadores cadáveres para transplante, implantando o critério de gravidade de estado clínico do paciente Contempla com pontuação T2A e T2B (NOVA PORTARIA) (20, 24 e 29) como situação especial

3 Situação Especial - CHC Downstaging (por ablação / TACE / cirurgia) Submissão à CT Nacional (SNT) ou CT Estaduais Nódulo 2 cm com até 5,0 cm ou até 3 nódulos ( 3cm) um exame de imagem + AFP > 200ng/ml, 2 exames de imagens contrastados (últimos 6 m) ou bx Ausência de metástases comprovada por CT de tórax e C. Óssea

4 Tumor Hepático Critérios de Estadiamento CHC 1,1 cm 4,0 cm Tamanho dos nódulos : 6,1 cm 1-4,0 x 4,0 x 3,5 = 56,0 cm 2-1,1 x 1,0 x 1,1 = 1,2 cm 3 1,0 x 1,0 x 1,0 = 1,0 cm Volume = 57,21 cm3 1,0 cm Milão Milão-Brasil USF Up-to-seven > Fora > DENTRO > DENTRO > DENTRO

5 advanced T2 (multiple or >3cm) earlyt2 (single <3cm) Yao, 2011

6 Angiografia Pré e Pós Embolização

7 Quimioembolização Transarterial (Material: Lipiodol, DCBeads, Ytrium 90)

8 Quimioembolização em CHC Complicações A B

9 72 % estavam dentro do Critério de Milão 2% 18%

10 72 % estavam dentro do Critério de Milão 2% 18%

11 antes Radioablação (RFA) depois

12 Fígado Cirrótico e CHC 20 cm Nódulo dentro de nódulo 12 cm

13 CM (444) up-to-seven > CM (283) > up-to-seven > CM (829) meses ( 2009)

14

15

16

17 Distribuição Relacionada ao Diagnóstico de HCC x Outras Causas No período de 2006 a 2014 Total de inscritos = Transplantados somente (18%)

18 Distribuição Relacionada ao Diagnóstico de HCC x Outras Causas No período de 2006 a 2014 Total de inscritos = Transplantados somente (18%) Haviam inscritos por CHC Transplantados 784 (61.5%) pacientes Causas: pontuação extra por Situação Especial

19 SV N-CHC (1595) CHC (595) Dados de 2010 a 2014 DWS (38) SNT (113) PAF (38) TAH (38) SHP (19) TNE (8) 1.o ano 66% 83% 93% 75% 75% 56% 57% 90% 5.o ano 61% 69% 77% 75% 75% 56% 57% 70% Mortalidade em lista = 30% Dropout de 20% Disparidade com exame de imagem de 10%

20 Sobrevida Causa óbito vivo morto recidiva outras causas Dados coletados de 2009 a Prof. Adriano Miziara -

21 Ampliamos em 8,6% o número de pacientes além do critério de Milão DWS representou 7% dos HCC Prof. Adriano Miziara - UNIFESP

22 Ampliamos em 8,6% o número de pacientes além do critério de Milão DWS representou 7% dos HCC A sobrevida não foi diferente entre os grupos (Milão, DWS e Brasil) Sobrevida atuarial do HCC foi de 83% e Downstaging de 93% Prof. Adriano Miziara - UNIFESP

23 Ampliamos em 8,6% o número de pacientes além do critério de Milão DWS representou 7% dos HCC A sobrevida não foi diferente entre os grupos (Milão, DWS e Brasil) Sobrevida atuarial do HCC foi de 83% e Downstaging de 93% O tempo médio de espera foi de 1 ano Margem de erro de imagem x anátomo patológico = 10% Prof. Adriano Miziara - UNIFESP

24 Ampliamos em 8,6% o número de pacientes além do critério de Milão DWS representou 7% dos HCC A sobrevida não foi diferente entre os grupos (Milão, DWS e Brasil) Sobrevida atuarial do HCC foi de 83% e Downstaging de 93% O tempo médio de espera foi de 1 ano Margem de erro de imagem x anátomo patológico = 10% Nódulo > 2 cm teve pior prognóstico (anátomo) Quanto maior o nódulo maior a chance de recidiva tumoral > 4 nódulos no anátomo aparentemente tem pior prognóstico Prof. Adriano Miziara - UNIFESP

25 Dados de 2010 a 2013 Estado Tempo de espera (média) Situações Especiais CHC DWS THA TNE ADN/H PAF DM SHP Autorizados BA CE DF ES MG PE PR RJ RS SC ,2 352 (80%)

26 Dados de 2010 a 2014 Completa Censurada 1,0 Proporção Cumulativa de Sobrevida (%) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 350 casos 39 casos Vivos Óbito CHC 265(75,7%) 85(24,3%) Downstaging 30(76,9%) 9(23,1%) Total 295(75,8%) 94(24,2%) 0,1 0, tempo (meses) CHC CHC-DWS

27 The Race to Liver Transplantation: A Comparison of Patients With and Without Hepatocellular Carcinoma from Listing to Post-Transplantation From 2005 to 2013 único centro HCC 5.5% morte em lista / 25.5% piora clinica / 69% LT non-hcc 38.8% morte em lista / 21.8% piora clinica / 39.4% LT 127 LT (47%) tinham HCC Deveriam repensar no critério de prioridade por HCC J Am Coll Surg Jan Patel at al, Massachusetts, Boston, EUA

28 Poor prognosis for hepatocellular carcinoma with transarterial chemoembolization pre-transplantation: Retrospective analysis 116 receberam LT 88 receberam TACE antes LT 1.o ano 3.o ano 5.o ano Com TACE Sem TACE Li HL1 et al, World J Gastroenterol,

29

30 Preditores de Falha de Downstaging AFP > 400 ng/ml Multiplos nódulos Tumor infiltrativo Invasão vascular HCV Volume de tumor > 250 cm3 (nódulo único de 7,5 cm) EASL 2015 Mazzaferro, Tosco et al 2015

31 Imunohistoquímica em CHC Ataide EC Tese de Doutorado Β-catenina Glipican 3 Glutamina Sintetase HSP70

32 Resultados de Downstaging no Brasil Maior acesso das situações especiais ao transplante Dificuldade de acesso para 24 > MELD < 29 Dropout HCC > não HCC (23,0% vs 20,6%) - SP Discrepâncias regionais Critério de Milão Brasil Tendência a < SV com > 4 nodúlos e > 2cm T2A, T2B para minimizer dropout por CHC

33

34

Coordenador Cirúrgico do Instituto do Fígado Beneficência Portuguesa de São Paulo rogerio@benhurmd.com.br

Coordenador Cirúrgico do Instituto do Fígado Beneficência Portuguesa de São Paulo rogerio@benhurmd.com.br Hepatocarcinoma Seleção de pacientes para transplante Rogério Carballo Afonso Coordenador Cirúrgico do Instituto do Fígado Beneficência Portuguesa de São Paulo rogerio@benhurmd.com.br Hepatocarcinoma Seleção

Leia mais

Tratamento Cirúrgico do HCC

Tratamento Cirúrgico do HCC Ben-Hur Ferraz-Neto, MD, PhD, FEBS Professor Titular de Cirurgia PUC-SP Diretor do Instituto do Fígado - Beneficência Portuguesa de São Paulo São Paulo, Brasil Título Hepatocelular Carcinoma Tratamento

Leia mais

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm?

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? Gustavo Rêgo Coêlho! Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia! Serviço de Cirurgia I e Transplante de Fígado! Hospital Universitário Walter Cantídio!

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais,

Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Novas Condutas Terapêuticas na Associação Hepatite C e Carcinoma Hepatocelular

Novas Condutas Terapêuticas na Associação Hepatite C e Carcinoma Hepatocelular Novas Condutas Terapêuticas na Associação Hepatite C e Carcinoma Hepatocelular Luciana Oba O. Kikuchi Departamento de Gastroenterologia Faculdade de Medicina da USP Incidência (por 100.000) Porcentagem

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC)

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) O carcinoma hepatocelular (CHC) é um tumor primário do fígado, altamente fatal que acomete aproximadamente 500.000 pessoas no mundo. A grande maioria dos casos ocorre na África

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Recife, Junho de 2011

Recife, Junho de 2011 Recife, Junho de 2011 Mário Reis Álvares-da-Silva Professor Adjunto-Doutor de Hepatologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre mras@terra.com.br Declaração de

Leia mais

XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco

XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco IV Simpósio de Transplante Hepático e Hipertensão Porta Brasil / Inglaterra JCPM Trade Center 09 a 10 junho 2011 Mesa Redonda: Carcinoma Hepatocelular

Leia mais

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00 Qui, 24 de Setembro de 29 : Aumento é relativo ao número de procedimentos realizados com órgãos de doadores falecidos no primeiro semestre de 29 em relação ao primeiro semestre de 28. Ministério da Saúde

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE FÍGADO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR NT 34/2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0000.13.021277-2/000 Reu: Secretaria de Saúde de Minas Gerais Data: 28/03/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC)

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) O carcinoma hepatocelular (CHC) é um tumor primário do fígado, altamente fatal que acomete aproximadamente 500.000 pessoas no mundo. A grande maioria dos casos ocorre na África

Leia mais

Análise do Desfecho de Pacientes Cirróticos Portadores de Carcinoma Hepatocelular em Lista de Espera para Transplante Hepático

Análise do Desfecho de Pacientes Cirróticos Portadores de Carcinoma Hepatocelular em Lista de Espera para Transplante Hepático UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UFCSPA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HEPATOLOGIA Leonardo Wagner Grillo Análise do Desfecho de Pacientes Cirróticos Portadores de Carcinoma Hepatocelular

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE NT 14/2013 Solicitante: Ilmo Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP da Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 09/02/2013 Medicamento X Material

Leia mais

PORTARIA Nº 1.160 DE 29 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 1.160 DE 29 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 1.160 DE 29 DE MAIO DE 2006. Modifica os critérios de distribuição de fígado de doadores cadáveres para transplante, implantando o critério de gravidade de estado clínico do paciente. O MINISTRO

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Unitermos: Carcinoma Hepatocelular, Cirrose Hepática, Transplante de Fígado.

Unitermos: Carcinoma Hepatocelular, Cirrose Hepática, Transplante de Fígado. artigo original Perfil dos pacientes com diagnóstico de carcinoma hepatocelular acompanhados no Ambulatório de Nódulos Hepáticos da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Profile of patients

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Lista de ganhadores da promoção Brazuca Código do cupom Número de ordem Número de série Nome Estado MA9EDJDGLE Em verificação PE MCDZU4ZCEJ

Lista de ganhadores da promoção Brazuca Código do cupom Número de ordem Número de série Nome Estado MA9EDJDGLE Em verificação PE MCDZU4ZCEJ MA9EDJDGLE 75805 1 Em verificação PE MCDZU4ZCEJ 75965 1 Em verificação PR M6AG2PD6AG 76033 1 Em verificação SC M7LFZGZ2TJ 79220 1 Em verificação RS MLM6FTWAP3 80983 1 Em verificação RJ MFN7DHNREH 81049

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA

DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba, Abril de 2006 DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA MÁRIO REIS ÁLVARES DA SILVA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA SALA C 21/10/10 Quinta-feira 08:00-09:15 Mesa-Redonda: Fígado I Moderador: Dr. José Huygens Garcia (CE) Secretário:

Leia mais

RBT. Ano XX Nº 2. Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos

RBT. Ano XX Nº 2. Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos Ano XX Nº 2 Dados Númericos da doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição

Leia mais

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS: Abordagem inicial DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS Epidemiologia Distribuição geográfica EUA 0,2 / 100.000

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados

Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados Projeto Amazona: Desfechos Clínicos de Pacientes Públicos e Privados Pedro E. R. Liedke Grupo Brasileiro de Estudos do Câncer de Mama; Serviço de Oncologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre; Instituto

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas É a neoplasia mais freqüente da cabeça e pescoço 90% dos casos é por Carcinoma epidermóide

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease?

Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease? Hepatite C Crônica e Renal Crônico: Qual a melhor estratégia na era nos inibidores de protease? Adalgisa Ferreira Nucleo de Estudos do Fígado HU-UFMA 2014 TRATAMENTO DA HEPATITE CRÔNICA C & IRC Consenso

Leia mais

Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes

Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes 2. Gestão dos Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes O Ministro da Saúde assinou hoje (21/10/2009) o novo Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Veja aqui os pontos

Leia mais

Normas de Orientação Clínica da EASL e da EORTC: Abordagem de carcinoma hepatocelular

Normas de Orientação Clínica da EASL e da EORTC: Abordagem de carcinoma hepatocelular Normas de Orientação Normas de Orientação da EASL e da EORTC: Abordagem de carcinoma hepatocelular Associação Europeia para o Estudo do Fígado*, Organização Europeia para a Investigação e Tratamento do

Leia mais

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI

IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICAP IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ELEONORA d ORSI Os fatores relacionados com a sobrevida após

Leia mais

Aorganização dos sistemas de alocação de

Aorganização dos sistemas de alocação de EDITORIAL Análise dos sistemas de alocação de órgãos para a transplantes do apar parelho digesti estivo no Brasil Wellington Andraus 1, Luciana Haddad 2, Vinícius Rocha-Santos 3, Luiz Augusto Carneiro

Leia mais

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios?

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? JUMARA MARTINS RADIOTERAPIA UNICAMP 2012 Introdução

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO São Paulo, 27-29 Novembro 2008. IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO EDUARDO MILLEN HSPE-SP- IAMSPE/ EPM UNIFESP HOSPITAL VITA VOLTA REDONDA- RJ ATUALIZAÇÃO

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia AUDITÓRIO II PROGRAMA SIMPÓSIO SBNRDT 09h00-12h30 12h30-14h00 14h00-15h45 14h00-14h35 14h35-15h10 15h10-15h45 15h45-16h15 16h15-16h45 16h45-18h30 STROKE I Tratamento do AVCI Agudo - Indicações Clínicas

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE HEPÁTICO HISTÓRICO 1967 - Starzl realizou o 1º TX bem sucedido 1970 - Início das atividades na U.F - HCFMUSP 1985-1º TX hepático do hemisfério sul 2001 Transplantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Linfadenectomia em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Diagnóstico do acometimento linfonodal em câncer de próstata Tomografia VPP:50% e VPN: 33% Ressonância magnética = TC

Leia mais

O PAPEL DOS CARTÕES NA BANCARIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

O PAPEL DOS CARTÕES NA BANCARIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL O PAPEL DOS CARTÕES NA BANCARIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL MILTON PAULO KRÜGER JÚNIOR Diretor de Administração de Cartões Agenda Bancarização conceitos e dados de mercado O diferencial do Cartão Plástico aplicações

Leia mais

SALA 01 FÍGADO/PÂNCREAS/INTESTINO

SALA 01 FÍGADO/PÂNCREAS/INTESTINO SALA 01 FÍGADO/PÂNCREAS/INTESTINO QUARTA-FEIRA 15 de outubro de 2014 16h20 REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE FÍGADO Participantes: Agnaldo Soares Lima Ben-Hur Ferraz Neto Ilka Boin José Huygens Luiz Carneiro

Leia mais

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O seguro de Garantia Estendida tem como objetivo fornecer ao segurado, facultativamente

Leia mais

Comparison of Histidine-Tryptophan-Ketoglutarate Solution and University of Wisconsin Solution in Extended Criteria Liver Donors

Comparison of Histidine-Tryptophan-Ketoglutarate Solution and University of Wisconsin Solution in Extended Criteria Liver Donors Comparison of Histidine-Tryptophan-Ketoglutarate Solution and University of Wisconsin Solution in Extended Criteria Liver Donors MANGUS, R.S.; FRIDELL, J.A.; VIANNA, R.M.; MILGROM, M.A.; CHESTIVICH, P.;

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos 2014 Ano XX Nº 4 Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2007-2014) A doação

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010

6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 6º Censo da Reciclagem de PET no Brasil 2009/2010 Reciclagem de PET no Brasil 2009 Censo Por quê? O Censo é a metodologia mais indicada quando a população é pequena e a variabilidade dentro da população

Leia mais

Transplante de Fígado em Tumores

Transplante de Fígado em Tumores Departamento de Cirurgia Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Transplante de Fígado em Tumores TRANSPLANTES - SANTA CASA TUMORES MALIGNOS DO FÍGADO Curativo TRATAMENTO - transplante - ressecção Paliativo

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO PRELIMINAR DOS RESULTADOS DA IV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA IV OBA

RELATÓRIO RESUMIDO PRELIMINAR DOS RESULTADOS DA IV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA IV OBA RELATÓRIO RESUMIDO PRELIMINAR DOS RESULTADOS DA IV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA IV OBA Dr. João Batista Garcia Canalle (IF/UERJ) (Coordenador Nacional) Drª Adriana Roque da Silva (Mackenzie) (Vice

Leia mais

Carcinoma de tireóide ide na infância

Carcinoma de tireóide ide na infância Carcinoma de tireóide ide na infância Dra. Rossana Corbo INCa/UFRJ 2006 Incidência: 5 casos/milhão /ano EUA (1973 1977) crianças as com idade inferior a 20 anos Apresentação clinica: predomínio em meninas

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

PEI e Quimioembolização no Rx CHC

PEI e Quimioembolização no Rx CHC PEI e Quimioembolização no Rx CHC R. PARANÁ Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Unidade de Gastro-Hepatologia Carcinoma Hepatocelular Tratamento 1.Tratamento potencialmente curativos -Transplante

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga Serviço de Oncologia Médica Director: Prof. Dr. António Araújo CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA DOS CUIDADOS AOS DOENTES COM CANCRO DO RIM CASO CLÍNICO Vânia Peixoto 1, Sónia Rego 1, Ana Luísa Faria 1, Manuela

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

Estratégias para Gestão da Inovação

Estratégias para Gestão da Inovação Estratégias para Gestão da Inovação Prof. Dr. Eng. Jefferson Oliveira Gomes Preâmbulo Pesquisa aplicada e o uso das engenharias em prol da sociedade 1991-2012 crescimento de contratos de trabalho

Leia mais

Conjunto de Realização Busca de Oportunidades e Iniciativa Exigência de Qualidade e Eficiência Correr Riscos Calculados Persistência Comprometimento

Conjunto de Realização Busca de Oportunidades e Iniciativa Exigência de Qualidade e Eficiência Correr Riscos Calculados Persistência Comprometimento O que é? Seminário de 80 horas em sala, aplicado num período de 9 dias, em regime de imersão; Metodologia trabalha, através de vivências, 10 Características do Comportamento Empreendedor (CCEs), que compreendem

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

O Financiamento dos Transplantes no Brasil

O Financiamento dos Transplantes no Brasil O Financiamento dos Transplantes no Brasil Tadeu Thomé tadeu.thome@gmail.com +55 11 99339-0842 Coordenador Programa Transplantes Hospital Sírio-Libanês Pjto Escola de Transplantes Consultor Técnico do

Leia mais