CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS ATRAVÉS DA ENGENHARIA SIMULTÂNEA: SUGESTÕES PARA A MELHORIA DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE PRODUTOS NA FAURECIA RAQUEL FERRARI PASSAMANI Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Tecnologia, Linha de Pesquisa: Tecnologia & Desenvolvimento. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná. Orientador: Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama CURITIBA 2002

2 RAQUEL FERRARI PASSAMANI ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS ATRAVÉS DA ENGENHARIA SIMULTÂNEA: SUGESTÕES PARA A MELHORIA DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE PRODUTOS NA FAURECIA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Tecnologia, Linha de Pesquisa: Tecnologia & Desenvolvimento. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná. Orientador: Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama CURITIBA 2002

3 TERMO DE APROVAÇÃO

4 AGRADECIMENTOS Ao Programa de Pós-graduação em Tecnologia PPGTE do CEFET-PR e à CAPES pela oportunidade e apoio na realização da pesquisa. Ao meu orientador, Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama, pela orientação e estímulo. À Faurecia, em especial ao Diretor Industrial, Francisco Dogo Pretel, pelas informações e comentários no estudo de caso e, ainda, aos demais colaboradores da Diretoria de Desenvolvimento e Engenharia Industrial pela compreensão e motivação nas respostas aos permanentes questionamentos. A Darli, meu marido e companheiro de todos os dias, que me incentivou sem limites. Aos meus pais, Natal e Alzira, e a meus irmãos por acreditarem em mim e pela força permanente. Aos colegas do Mestrado pelas discussões e transmissão de entusiasmo. Enfim, a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização desta dissertação. ii

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... v LISTA DE QUADROS... vi LISTA DE ABREVIATURAS E LISTA DE SIGLAS... vii RESUMO...viii ABSTRACT... ix 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA METODOLOGIA A Escolha da Estratégia da Pesquisa Problema de Pesquisa ESTUDO DE CASO Delimitação do Estudo de Caso PREMISSAS DA PESQUISA INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS ESTRUTURA DA EXPOSIÇÃO ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS A IDÉIA DE PROJETO FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DE PROJETO Organização Funcional ou Departamental ou Hierárquica Organização por Projeto Organização Matricial A TRANSIÇÃO DA SOCIEDADE INDUSTRIAL PARA A SOCIEDADE DO CONHECIMENTO CARACTERÍSTICAS DO GERENTE E DA EQUIPE DE PROJETO PROJETO DE PRODUTO E PROJETO DE SERVIÇO INFLUÊNCIA DO CICLO DE VIDA DAS EMPRESAS NA ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS A CADEIA DE VALOR E A ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS...44 iii

6 3 ENGENHARIA SIMULTÂNEA: ESTRUTURA CONCEITUAL E ORGANIZACIONAL HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DA ENGENHARIA SIMULTÂNEA ASPECTOS ORGANIZACIONAIS ASPECTOS HUMANOS NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA ASPECTOS TECNOLÓGICOS NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA O QFD NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA A ENGENHARIA SIMULTÂNEA NA ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA ABORDAGENS DA ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS NO ESTILO ENGENHARIA SIMULTÂNEA: SUGESTÕES PARA A ELABORAÇÃO DE UM MODELO TEÓRICO ESTUDO DE CASO: ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS DE PRODUTOS NA FAURECIA CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO DE CASO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA A Faurecia no Mundo A Faurecia no Brasil RAZÕES DA ESCOLHA DA EMPRESA PARA O ESTUDO DE CASO O MODELO APQP: O SISTEMA DE ORIENTAÇÃO DE PROJETOS DA FAURECIA A ESTRUTURA E O FUNCIONAMENTO DA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO E ENGENHARIA INDUSTRIAL A ANÁLISE DO CASO À LUZ DOS PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA SIMULTÂNEA ELEMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS NA FAURECIA CONCLUSÃO GERAL DO TRABALHO E RECOMENDAÇÕES CONCLUSÃO GERAL DO TRABALHO RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS iv

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 EXEMPLO GENÉRICO DE CICLO DE VIDA FIGURA 02 AS FASES DE UM PROJETO FIGURA 03 ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL FIGURA 04 ORGANIZAÇÃO POR PROJETOS FIGURA 05 ORGANIZAÇÃO MATRICIAL FORTE FIGURA 07 FLEXIBILIDADE E CONTROLE ORGANIZACIONAL FIGURA 08 - MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETO FIGURA 09 FLUXO DE ATIVIDADES DA EMPRESA INTEGRADA FIGURA 10 ORGANIZAÇÃO TEÓRICA DA ENGENHARIA SIMULTÂNEA FIGURA 11 O MODELO DA ES COM BASE NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FIGURA 12 - FLUXOS A SEREM CONTROLADOS PARA DESENVOLVER INTELIGÊNCIA COMPETITIVA FIGURA 13 - O MODELO APQP DA FAURECIA FIGURA 14 ORGANOGRAMA DA ENGENHARIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL FIGURA 15 - PRÁTICA DO PROJETO DE MODIFICAÇÃO DE PRODUTO COM A MONTADORA X FIGURA 16 - PEDIDO DE MODIFICAÇÃO DE PRODUTO NECESSITANDO DE MODIFICAÇÃO DE PROCESSO FIGURA 17 - PRÁTICA DO PROJETO DE MODIFICAÇÃO DE PROCESSO COM A MONTADORA X FIGURA 18 - PROJETO DE NACIONALIZAÇÃO DE PRODUTOS NA FAURECIA S. J. DOS PINHAIS FIGURA 19 - SEQÜÊNCIA DE PASSOS NA ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS NA FAURECIA v

8 LISTA DE QUADROS QUADRO 01 - SITUAÇÕES RELEVANTES PARA DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE PESQUISA... 5 QUADRO 02 MITOS E CONCEITOS DE PROJETOS QUADRO 03 ATIVIDADES EXERCIDAS AO LONGO DO CICLO DE VIDA DO PROJETO QUADRO 04 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ORGANIZAÇÃO MATRICIAL QUADRO 05 INFLUÊNCIA DA ESTRUTURA DA ORGANIZAÇÃO NOS PROJETOS QUADRO 06 FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO QUADRO 07 REDUÇÃO DO CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS QUADRO 08 ATRIBUTOS DESEJÁVEIS DO GERENTE DE PROJETO QUADRO 09 ALGUMAS CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DO GERENTE E DO LÍDER QUADRO 10 - CARACTERÍSTICAS DOS PROJETOS DESUMANO E HUMANIZADO QUADRO 11 - PARALELO ENTRE PDCA DA MELHORIA E DO PLANEJAMENTO DA QUALIDADE QUADRO 12 - CARACTERÍSTICAS DAS EQUIPES: QFD X TRADICIONAL QUADRO 13 - ETAPAS DO CICLO UNITÁRIO DE PROJETO QUADRO 14 POSIÇÃO DA FAURECIA NO MERCADO POR MÓDULOS PRODUZIDOS QUADRO 15 ETAPAS DO PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO NA FAURECIA vi

9 LISTA DE ABREVIATURAS E LISTA DE SIGLAS ACO Aprovação Comercial e Operacional do Produto AFITEP Association Francophone du Management de Projet AP Aprovação do Protótipo APQP Advanced Product Quality Planning CAD Computer Aided Design CAE Computer Aided Engineering CALS Computer Aided Acquisition and Logistic Support CAPP Computer Aided Process Planning CE Concurrent Engineering CNES Conseil Nationale des E tudes Spatiale CSCW Computer-Support Collaborative Work DARPA/USA Defense Advanced Research Project Agency DMG Design Methods Group ES Engenharia Simultânea ETP Avaliação Técnicado Produto IC Inteligência Competitiva ICED International Conference on Engineering Design IDA Institute for Defense Analysis ISO International Organisation for Standizartion IT Informação Tecnológica IPMA International Project Management Association NASA National Aeronautics and Space Administration PERT Program Evaluation and Review Technique PDCA Plan-Do-Check-Act P&D Pesquisa e Desenvolvimento PMBOK Project Management Body of Knowledge PMI Project Management Institute QFD Quality Function Deployment TQC Total Quality Control S. J. dos Pinhais São José dos Pinhais USA United States of America WBS Work Breakdown Structure vii

10 RESUMO A presente dissertação analisa o problema da organização de projetos através da engenharia simultânea, em que a expressão projeto é entendida como uma ação integrada, visando a obtenção de um determinado resultado. A organização de projetos é a organização de ações cuja complexidade impõe um gerenciamento. A Gerência de Projetos planeja, excuta e controla as referidas ações de forma a respeitar prazos, custos, riscos e o desempenho final do trabalho. Desta forma, e como conseqüência de uma maneira específica de se gerenciar, também se desenvolve a aprendizagem das tarefas, isto é, se desenvolve o conhecimento necessário à eficaz realização das atividades. A Gerência de Projetos se apresenta como uma forma competitiva de se desenvolver aprendizagem e resolver problemas, tornando o trabalho humano de concepção mais produtivo, sobretudo na forma proposta pela engenharia simultânea. Para tanto, a análise procura evidenciar os principais fundamentos relativos à organização de projetos e à engenharia simultânea. A forma de se trabalhar em projetos conforme a engenharia simultânea é o passo seguinte da análise, destacando diferentes benefícios gerenciais. A realização de um estudo de caso em um fornecedor automotivo gera resultados que explicitam oportunidades de ganhos com a engenharia simultânea em projetos de modificação e de nacionalização de produtos. viii

11 ABSTRACT This dissertation analyses the problem of project organisation through Concurrent Engineering. The term project is understood as an integrated action aiming to achieve a determined result. Project organisation is the organisation of actions whose complexity imposes management. Project management plans, carries out and controls the aforementioned actions while respecting deadlines, costs, risks and the final development of the project. Thus, as a consequence of a specific way of being managed, task learning is also developed, i.e. the knowledge required for the effective fulfilment of activities. Project management is presented as a competitive form of developing learning and solving problems, making the human input more productive, especially in the way that is proposed by Concurrent Engineering. To this end, the analysis seeks to witness the main bases relative to the organisation of projects and to Concurrent Engineering. Working on projects according to simultaneous engineering is the next step in the analysis, highlighting the different forms of management benefits. The carrying out of a case study on an automotive parts supplier results in the gains of opportunities with Concurrent Engineering to modify and to aclopt projects for new products. ix

12 1 INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO Diante de uma grande pressão competitiva, em que se aumentam as exigências de prazo, custo, risco e desempenho do produto desenvolvido, as empresas estão buscando novas formas de organizar seus projetos. Isso tem sido constatado em diferentes setores industriais, sobretudo na indústria automotiva. Nesse segmento, não somente o tempo de desenvolvimento de projetos de novos produtos, mas também o tempo de desenvolvimento de projetos de modificação e nacionalização de componentes e módulos - caso típico dos projetos realizados por fornecedores automotivos em países como o Brasil - têm se constituído um problema, sobretudo em um contexto de regime cambial desfavorável à importação de componentes. As solicitações de modificações em produtos exigem rapidez de repostas com qualidade. Diversas alternativas estão sendo propostas para solucionar esse problema e, no geral, elas abrangem alguns aspectos das dimensões tecnológica e/ou organizacional. Um importante número de soluções propostas está fortemente apoiado em ferramentas computacionais. Um outro número de alternativas enfatiza um intenso trabalho de mudança organizacional. Poucas soluções combinam um necessário equilíbrio entre as múltiplas e complementares variáveis que contribuem para o sucesso da organização de projetos. Por possibilitar mais e melhores resultados integralizados na organização dos projetos, a Engenharia Simultânea (ES) está tendo uma crescente aceitação nas empresas. Isso pode ser constatado em diferentes relatos de diversos congressos do Concurrent Engineering (CE) e nos congressos da Association Francophone du Management de Projet (AFITEP). O setor automotivo, extremamente terceirizado em suas atividades, tem adotado práticas cada vez mais coerentes com a ES. É um setor também benchmarking em iniciativas de projetos, caso, por exemplo, do referencial Advanced Product Quality Planning/ Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP), originariamente criado pelas empresas General Motors, Ford e Chrysler que está favorecendo profundas interações e comunicações. A relevância gerencial que adquire a ES na organização de projetos é o objeto do presente estudo.

13 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral = Evidenciar que a organização de projetos segundo a ES favorece o desenvolvimento de produtos de forma competitiva 1, sobretudo no atual contexto de forte pressão do mercado para a redução do time-to-market Objetivos Específicos = = = = Estudar a organização de projetos do ponto de vista técnico e organizacional; Pesquisar a ES como uma forma de organização de projetos e suas aplicações; Verificar a prática da organização de projetos em uma empresa fornecedora de componentes do setor automotivo; Propor recomendações para a melhoria da organização de projetos, no caso analisado, à luz dos princípios da ES. 1.3 JUSTIFICATIVA As formas tradicionais de gerenciar projetos - o chamado modelo seqüencial - em um ambiente de pressão não favorecem a redução dos prazos impostos pelos clientes e também não proporcionam a aprendizagem das equipes. É, portanto, oportuno buscar-se formas de responder às novas exigências de atuação em projetos de forma competitiva. A análise de trabalhos sobre gerência de projetos associada à atividade profissional de suporte ao planejamento de engenharia na Diretoria de Desenvolvimento e Engenharia Industrial da Faurecia, São José dos Pinhais e, ainda, visitas a instituições - na França (2000 e 2001) e no Canadá (2001) que estão direcio- 1 A expressão forma competitiva é utilizada no sentido de redução de prazos e, por extensão, dos custos de desenvolvimento. 2

14 nando seus esforços de projetos nos fundamentos da ES, reforçaram a motivação relativa à escolha do presente assunto. A importância da ES nas empresas pode ser constatada pelo grande investimento realizado, por exemplo, pela Renault no Technocentre (www.renault.com), seu centro mundial de inteligência em projetos. Com ele, a empresa pretende fazer uma economia de custos de 1 a 1,5 bilhões de francos nos projetos de desenvolvimento de cada novo modelo (Renault, Le Technocentre, 2000). Segundo LOUIS SCHWEITZER, presidente da Renault, o Technocentre é um ambiente de trabalho a serviço da estratégia de inovação e de competitividade da empresa. Essa nova realidade de trabalho na indústria automotiva chama atenção para a importância que pode assumir uma forma inteligente de organizar projetos. O problema das montadoras de automóveis e de suas redes de fornecedores no Brasil, cujos projetos de montagem de veículos - sobretudo os destinados ao mercado internacional - estão com elevado percentual de componentes importados 2, reforça a justificativa de se tentar compreender melhor o impacto que pode ter uma nova forma de organizar projetos de nacionalização e de modificação, tanto nas montadoras quanto nos fornecedores. O relato de melhorias na organização e execução de projetos no estilo ES tem sido registrado em debates e publicações de diferentes fóruns mundiais. No debate relativo à conferência de THIRY sobre Added Value Project Management, apresentada no IP- MA 96 World Congress on Project Management (1996), afirmou-se que a gerência de projetos segundo a filosofia da ES pode reduzir em até 45% os prazos de desenvolvimento de novos produtos e diminuir em até 30% sobre os custos. Analisando os temas dos quatro últimos Congressos da AFITEP, observa-se que em todos existe uma relação direta ou indireta com a forma de trabalhar a melhoria dos projetos com base na filosofia da ES (Cf / tema: Gerência de Projetos e Novas Tecnologias de Comunicação; 1998 / tema: Contratantes e Contratados em Projetos; 1999 / tema: Controle de Risco; 2000 / tema: Recursos Humanos e Projetos). Além da preocupação em pesquisar uma nova forma de organização do trabalho, o presente estudo também se preocupa em rever os conceitos aplicados no desenvolvimento de produtos. 2 Índice de aproximadamente 60% de partes importadas. Informação obtida junto às montadoras e fornecedores situados no Paraná. 3

15 A elaboração de estudos é necessária para favorecer uma melhor interpretação dos referidos problemas, isto é, explicitar uma forma de organizar projetos que seja capaz de lidar com os principais desafios da atualidade, tais como: exigência de redução time-tomarket, custos competitivos, favorecimento da aprendizagem coletiva das equipes de projetos entre outros. Tal como pode ser visto nos objetivos geral e específico, o presente estudo procura responder a uma parte específica deste conjunto de desafios. Em síntese, a justificativa do presente estudo está na busca de soluções eficazes no gerenciamento de projetos e tem como proposta a ES. Esse estudo procura mostrar que a forma seqüencial de desenvolvimento de projetos não condiz com a dinâmica do mundo atual cada vez mais competitivo e que busca produtos cada vez melhores num tempo mais curto e com menor custo. 1.4 METODOLOGIA O presente estudo se apóia em uma metodologia baseada em abordagens teórica e empírica e, ainda, privilegia os principais aspectos das dimensões tecnológica e organizacional do ambiente de projetos. Em termos de orientação metodológica, essa pesquisa privilegia a linha que sugere que...a pesquisa deve ser orientada para a ação (MINGAT et al., 1985). Dessa forma, e com base nas abordagens teórica e empírica, apresentam-se os passos do desenvolvimento dessa argumentação em duas partes diferentes e complementares à compreensão de um mesmo problema. Na primeira parte, fundamenta-se o problema em questão e, por extensão, explicitam-se os limites em termos de objetivos - geral e específicos - por meio de uma justificativa que enfatiza a importância e a oportunidade de desenvolvimento do presente estudo. Ainda nessa primeira parte, os conceitos fundamentais e as relações entre organização de projetos e a ES são descritos. Tem-se aí a conclusão dos fundamentos da base teórica do trabalho por meio de uma pesquisa bibliográfica. Na segunda parte, a parte empírica, há um estudo de caso realizado em uma empresa fornecedora de componentes do setor automotivo. Essa parte do trabalho, baseada no empirismo, constituiu-se em uma natural continuidade da argumentação desenvolvida na primeira parte. Os conceitos e as relações já estabelecidas no plano teórico são aplicados à ação de caracterização e interpretação do problema na empresa analisada. 4

16 A abrangência do presente estudo está, portanto, na busca de entendimento de um problema de organização de projetos no meio empresarial industrial. Conseqüentemente, a metodologia adotada no trabalho reflete a realidade do mencionado problema, ou seja, um problema que é tratado ao mesmo tempo como desafio e oportunidade para a consolidação de uma nova era no funcionamento das empresas A Escolha da Estratégia da Pesquisa De acordo com YIN (2001, p. 24), as estratégias de pesquisa mais comum são: = estudo de caso; = experimento; = levantamento; = análise de arquivos; = pesquisa histórica. Yin relata que para a escolha da estratégia de pesquisa é necessário levar em consideração três aspectos: a) o tipo de questão proposto; b) a extensão de controle que o pesquisador tem sobre eventos comportamentais efetivos; c) o grau de enfoque em acontecimentos históricos em oposição a acontecimentos contemporâneos. O Quadro 01 apresenta estas três condições e mostra como cada uma se relaciona as cinco estratégias de pesquisa. Quadro 01 - Situações Relevantes para Diferentes Estratégias de Pesquisa Estratégia Forma da questão de pesquisa Exige controle sobre eventos comportamentais? Focaliza acontecimentos contemporâneos? Experimento Como, por que? Sim Sim Levantamento Quem, o que, onde, quantos, Não Sim quanto? Análise de arquivos Quem, o que, onde, quantos, Não Sim/não quanto? Pesquisa histórica Como, por que? Não Não Estudo de caso Como, por que? Não Sim FONTE: YIN (2001, p. 24). Na definição do problema, procura-se caracterizar a estratégia da pesquisa com base nos aspectos mencionados por Yin. 5

17 1.4.2 Problema de Pesquisa Conforme argumentação de YIN (2001), o primeiro passo a ser dado para a escolha da estratégia de pesquisa é a formulação do problema da pesquisa. A partir do objetivo geral da pesquisa, que é o de evidenciar que a organização de projetos segundo a ES favorece o desenvolvimento de produto de forma competitiva, foram elaboradas as seguintes questões: - Como a organização de projetos segundo a ES pode favorecer o desenvolvimento de produtos de forma competitiva, sobretudo em fornecedores de componentes do setor automotivo brasileiro? - Como a organização de projetos segundo a ES pode contribuir para a melhoria da organização de projetos na Faurecia? Estas questões estão coerentes com a estratégia de estudo de caso proposta por Yin. O presente estudo não exige controle sobre eventos comportamentais, e ainda, conforme Yin, enfatiza plenamente a análise de um problema contemporâneo. 1.5 ESTUDO DE CASO Delimitação do Estudo de Caso No caso analisado, o presente estudo está limitado à organização de projetos de modificação e nacionalização de produtos realizados na empresa Faurecia, unidade S. J. dos Pinhais, importante fornecedora de painéis de porta e painéis de instrumentos para as montadoras. A análise do referido caso foi fundamentada na estrutura e funcionamento do Departamento de Desenvolvimento e Engenharia Industrial. As recomendações propostas para a melhoria da organização dos projetos têm aplicação imediata, porém, no caso estudado, não foram implementadas. Portanto, uma natural continuidade do estudo em trabalhos futuros está na análise dos resultados da implementação de uma nova forma de organizar projetos na empresa. As melhorias propostas neste estudo são de ordem qualitativa, não sendo mensurados os aspectos quantitativos referentes aos projetos em evidência. 6

18 1.6 PREMISSAS DA PESQUISA = = = = = A organização de projetos segundo a ES: pode favorecer o desenvolvimento de produtos de forma competitiva integrando áreas funcionais desde o início do projeto; pode evitar o retrabalho, uma vez que a organização do projeto é bem definida nas fases iniciais, reduzindo, dessa forma, os custos; pode facilitar a documentação das tarefas do projeto desde o início da idéia até seu término, gerando, dessa forma, uma memória do projeto; pode favorecer a criação de um ambiente propício à disseminação do conhecimento, ou seja, à aprendizagem organizacional; pode disponibilizar as informações de forma rápida e eficaz, favorecendo, assim, a tomada de decisões. 1.7 INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS A partir da formulação do problema de pesquisa e das premissas julgam-se necessárias as seguintes informações: = A estrutura e o funcionamento da Diretoria de Desenvolvimento e Engenharia Industrial; = O modelo utilizado como referência no desenvolvimento de projetos, ou seja, o modelo APQP adaptado pela Faurecia; = A prática da organização de projetos; = A formação da equipe nos projetos de nacionalização e modificação de produtos; = Os princípios e abordagens de projetos segundo a ES. Segundo YIN (2001, p. 105), as principais fontes de evidências em estudo de caso são: a documentação, os registros em arquivos, as entrevistas, a observação direta, a observação participante e os artefatos físicos. Nesse estudo, e conforme menciona YIN (2001), procurou-se utilizar o maior número possível de evidências. Para acessar as informações pertinentes ao caso, adotou-se o seguinte procedimento: 7

19 = = = = = = reuniões/entrevistas semi-estruturadas com o Diretor de Desenvolvimento e Engenharia Industrial e seus colaboradores diretos, sobretudo, os responsáveis pelos projetos de produtos e processos para cada uma das montadoras clientes; participação em reuniões preparatórias dos requisitos para o trabalho em projetos de modificação e nacionalização de produtos; análise de documentos internos da empresa relativo aos procedimentos técnicoorganizacionais de orientação à organização e ao desenvolvimento de projetos de produtos; observações direta e participante no dia-a-dia do setor e nas práticas executadas; pesquisa bibliográfica sobre a organização de projetos através da ES; verificação de registros em arquivos. 1.8 ESTRUTURA DA EXPOSIÇÃO Este capítulo introdutório procurou caracterizar a natureza da pesquisa, precisando os objetivos geral e específico. Também definiu a metodologia utilizada e explícita o caso analisado. No segundo capítulo, estuda-se a forma de se organizar projetos. Faz-se, ainda, uma síntese sobre a transição da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento. Em um trabalho como o proposto nesta dissertação, entender as características do gerente e da e- quipe de projetos é fundamental e por isso foi objeto de uma seção seguido dos problemas dos projetos de produto e de serviço. Além disso, relaciona-se o ciclo de vida das empresas com a organização de projetos, finalizando com uma breve análise da cadeia de valor na forma de organizar projetos. A engenharia simultânea é discutida no capítulo três, evidenciando histórico e evolução, aspectos organizacionais, aspectos humanos e tecnológicos e o uso do desdobramento da função qualidade (QFD) nesta forma de abordagem do desenvolvimento de projetos. O capítulo quatro discute a forma de inserção da engenharia simultânea na organização de projetos, destacando-se a contribuição da gestão da informação e a possibilidade de um modelo teórico. A realização de um estudo de caso em um fornecedor automotivo é o objeto do quinto capítulo, onde, depois de realizada a caracterização da empresa e das razões para a sua escolha, se discute o atual modelo adotado pela empresa (APQP) e se analisa a estrutura e funcionamento da Diretoria de Desenvolvimento e Engenharia Industrial. Os ele- 8

20 mentos para o acompanhamento dos projetos na empresa são apresentados na parte final do capítulo. O sexto capítulo conclui a dissertação com base na fundamentação teórica e no estudo de caso. 9

21 2 ORGANIZAÇÃO DE PROJETOS 2.1 A IDÉIA DE PROJETO Com freqüência, tem-se observado a utilização da palavra projeto, porém isso não significa que existe uma profunda compreensão sobre o termo, incluindo aí sua importância e aplicabilidade, seu gerenciamento e sua organização dentre outros fatores. O trabalho organizado na forma de projeto tem se revelado uma forte tendência competitiva nas empresas, pois possibilita forte redução de prazos e custos das atividades de desenvolvimento. Para que o trabalho organizado na forma de projeto obtenha resultados positivos, seu gerenciamento deve ser entendido de forma sistêmica. Conforme relato de MAXIMIANO (1997, p.36)...a administração de projetos compreende um conjunto estruturado de técnicas, procedimentos, definição de responsabilidades e autoridade, sistema de documentação e outros procedimentos, que têm por objetivo normatizar a administração de projetos dentro da empresa. Na sua essência, a idéia de projeto pode ser associada a uma forma de se trabalhar que é, simultaneamente, simples e eficaz, principalmente na atualidade, em que as empresas são obrigadas a responder mais rapidamente às demandas de mercado. Entretanto, e com freqüência, observa-se que muitos projetos apresentam problemas, neste contexto, destaca-se o comentário de JOLIVET (La Cible, n 86, fevereiro/2001, p.30)...os projetos que apresentam problemas são numerosos, muito mais do que se imagina. Estes problemas podem assumir vários aspectos: a) o desempenho do projeto ou do produto é inadaptado ao uso; b) os custos de desenvolvimento e uso explodem; c) a data de colocação em serviço é deslocada e o retorno do investimento é negativo. De acordo com MAXIMIANO (1997) a maioria dos problemas observados em projetos são devido à falta de uma metodologia de organização de projetos formalizada. COSTA (1998, p. 105), relata...sem o domínio dos conceitos da ES e sem um método adequado para sua implantação, a empresa acaba muitas vezes subutilizando seu potencial. Em seu trabalho sobre a ES no setor industrial brasileiro, a autora constata a falta de investimentos em treinamentos e formação de profissionais na área de administração de projeto. É comum deparar-se com empresas trabalhando com projetos de forma muito rudimentar, sem investir na capitalização de conhecimento disponível no universo de projetos, os quais envolve seus princípios, metodologias, ferramentas, e, sobretudo, os as- 10

22 pectos comportamentais que permeiam as empresas e caracterizam a sua cultura. Diretamente associadas à cultura das empresas estão às pessoas, que são os vetores de transformação dos negócios. O gerenciamento de projetos requer atenção em relação a tudo que envolve seu ambiente e que pode afetá-lo direta ou indiretamente. É nesse contexto que o projeto é visto como uma forma complexa de trabalho, pois envolve intenso planejamento e controle. Se o projeto não for devidamente planejado, executado e controlado, seu objetivo poderá ser seriamente prejudicado. Quando isso acontece, os responsáveis tendem a usar essa falha como justificativa para não se trabalhar dessa forma, enfatizando as dificuldades e, por muitas vezes, o fracasso de alguns projetos. Normalmente as atividades do dia-a-dia das empresas são atividades funcionais expressas por processos contínuos. Porém, o que dinamiza essas atividades são os projetos de novos produtos e as constantes melhorias nos processos. Sendo assim, é cada vez maior o interesse pela organização do trabalho por projeto. Mas, afinal, o que se entende por projeto? Segundo ROLDÃO (2000, p. 05)...projecto é uma organização designada para cumprimento de um objectivo, criada com esse objectivo e dissolvida após a sua conclusão. Caracterizando-se por: = ter um tempo limitado; = ter o início e fim bem definidos; = seguir um plano previamente definido. De acordo com o Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide, 1996, p. 04), referencial de projetos do Project Management Institute (PMI), um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto ou serviço único. VALERIANO (1998, p.19) define projeto como sendo...um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são alocados os insumos necessários para, em um dado prazo, alcançar um objetivo determinado. Muitos estudiosos da área de gerência em projetos (VALERIANO, 1998, 2001; VARGAS, 2000; DINSMORE 1992, 1999; ROLDÃO, 2000) partilham o essencial das idéias que fundamentam o entendimento do que é um projeto. Com base nesses fundamentos, pode-se dizer que não existe uma única definição para projeto, mas características distintas, dentre as quais destacam-se: 11

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Mudança de Mercado. Tamanho do Empreendimento. Não familiaridade. Compartilhamento de Recursos. Interdependência. Imagem da Organização

Mudança de Mercado. Tamanho do Empreendimento. Não familiaridade. Compartilhamento de Recursos. Interdependência. Imagem da Organização Quando os projetos são necessários? Mudança de Mercado Não familiaridade Compartilhamento de Recursos Necessidade de Gerenciamento de Projetos Tamanho do Empreendimento Interdependência Imagem da Organização

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA Gerenciamento de Projetos de TI Alércio Bressano, MBA Os projetos possuem em seu código genético o fracasso! Eles nasceram para dar errado! Nós é que temos a responsabilidade de conduzí-los ao sucesso!

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA Jorge Luciano Gil Kolotelo (UTFPR) kolotelo@uol.com.br Pedro Carlos Carmona Gallego (FESP) carmona@fesppr.br

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GETÃO DE PROJETOS Turma 93 A Gestão de Projetos na Indústria de Autopeças Hugo Joaquim De Moro Belo Horizonte, novembro de 2010. A Gestão de Projetos

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Escopo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Escopo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Escopo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) 2 Gerente Sênior de Projetos e Processos, 18 anos de experiência

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto Conteúdo EMC 6605 PROJETO CONCEITUAL CAPÍTULO 3 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE PRODUTOS Capítulo 3 Introdução ao gerenciamento do processo de desenvolvimento integrado

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O MODELO PRADO-MMGP V4

O MODELO PRADO-MMGP V4 O MODELO PRADO-MMGP V4 Existem, atualmente, diversos modelos de maturidade para gerenciamento de projetos. Todos eles apresentam cinco níveis, mas diferem um pouco no conteúdo de cada nível [1,4,5]. Além

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Project Management Institute. Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br

Gerenciamento de Projetos Project Management Institute. Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br Gerenciamento de Projetos Project Management Institute Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br Objetivo do Curso Criar condições e proporcionar métodos para o desenvolvimento da capacidade gestora,

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos & Conceitos Gerais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos & Conceitos Gerais Gerenciamento de Projetos Fundamentos & Conceitos Gerais AGENDA OBJETIVO DO CURSO A PROGRAMAÇÃO DO CURSO OS STAKEHOLDERS» Project Management Institute PMI» Independent Project Analysis - IPA» Participantes

Leia mais

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 18 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas em outras turmas que

Leia mais

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos básicos 186 O gerente do referido projeto tem como uma de suas atribuições determinar a legalidade dos procedimentos da organização. 94 Ao gerente de projeto é atribuída a função de especificar

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Gerência de Projetos Oferece uma visão integrada de todos

Leia mais

Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc. PMP, PMI-RMP, CSM, ITIL & CobiT Certified. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc. PMP, PMI-RMP, CSM, ITIL & CobiT Certified. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Gerenciamento de Projetos Tecnológicos Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática em Sistemas de Informação

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Corneli Gomes Furtado Júnior 1, Thiago Ferraz 1, Rossana Maria de Castro Andrade 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais