Da necessidade ao desejo: o consumo de luxo e a ascensão do querer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da necessidade ao desejo: o consumo de luxo e a ascensão do querer"

Transcrição

1 1 Da necessidade ao desejo: o consumo de luxo e a ascensão do querer Mauricio BARTH 1 Resumo São as necessidades que sustentam os corpos dos homens e os fazem vivos, entretanto, são os desejos e as vontades que fazem deles seres verdadeiramente intensos mente, psique e coração. Na contemporaneidade, não importa do que se precisa, mas sim, o que se quer. E o luxo é o querer elevado ao máximo. Este trabalho almeja apresentar uma revisão literária sobre o mercado de luxo, bem como analisar como este vem ganhando espaço e visibilidade na sociedade contemporânea. Para tanto, utilizou-se a técnica de pesquisa bibliográfica, buscando, assim, compreender o consumo de luxo enquanto segmentação de mercados e valor de marca. Ao fim do estudo, percebeu-se que a sociedade está em busca de produtos que os diferenciem dos demais e, tratando-se de diferenciação e exclusividade, o luxo está em primeiro lugar. Palavras-chave: Consumo de Luxo. Moda. Marketing. Introdução São as necessidades que sustentam os corpos dos homens e os fazem vivos, entretanto, são os desejos e as vontades que fazem deles seres verdadeiramente intensos mente, psique e coração. Na contemporaneidade, não importa do que se precisa, mas sim, o que se quer. E o luxo é o querer elevado ao máximo. Luxo em latim significa ostentação, magnificência, abundância e refinamento. Porém, é interessante ressaltar que, como não se trata de algo palpável e, sendo assim, não pode ser mensurável, o luxo possui diversas definições, afinal, cada indivíduo pensa de uma maneira única e exclusiva quando se trata deste assunto. Cada pessoa percebe o mundo de um jeito e, quando se trata de um tema como este, as definições podem variar muito. Entre as 1 Especialista em Gestão Estratégica de Marketing - Ênfase em Administração de Vendas; Bacharel em Comunicação Social - Habilitação em Publicidade e Propaganda;

2 2 definições que aparecem em conversas informais, e até mesmo em produções audiovisuais, o luxo é citado de forma bem diferenciada: pode ser visto como algo supérfluo ou, em outros momentos e contextos, como algo glamouroso e necessário. O luxo pode ser visto como uma necessidade para um determinado grupo de pessoas, assim como pode ser colocado como algo que agrada aos sentidos sem ser uma necessidade, ou ainda, algo que vai além do necessário para a utilidade, algo supérfluo, um capricho. O luxo está cada vez mais em pauta. Existe um mercado imenso a ser conquistado e o brasileiro tem se deixado levar pelos seus encantos. Este é um mercado em plena ascensão, o qual deve ser levado em conta e merece respeito, assim como os demais tipos de mercado e suas segmentações. Sendo assim, no decorrer deste trabalho será abordado e contextualizado o luxo tendo como base a pesquisa bibliográfica, que possibilitou a reflexão sobre a teoria de autores conceituados neste assunto. Conceitos, diferenciações e exemplificações serão analisados para que possamos chegar a um conceito central que defina este tema. Em função disto, esta pesquisa aborda, na seção 1, o conceito de luxo e suas variações. Na seção 2, será abordado o luxo enquanto artigo supérfluo para a sociedade. Na terceira seção, enfoca-se o luxo como mercado, enquanto que, na quarta seção, se ressaltará o luxo enquanto marca. Após, serão analisados alguns perfis do consumidor do mercado de luxo. E, por fim, serão apresentadas as últimas considerações acerca deste estudo. 1 O que é luxo? Para Galhanone (2005), uma das dificuldades iniciais de estudar esse mercado advém da conceituação do que seja luxo. Segundo a autora, o luxo relaciona-se com o que é raro, exclusivo, restrito e, consequentemente, de custo mais elevado. Se for acessível à maioria das pessoas, deixa de ser luxo. Transcorre dessa conceituação outra dimensão importante do termo: a diferenciação enquanto simbologia das distinções de classe social. Luxo é tudo o que sinaliza privilégio, elite, nobreza, prestígio, aristocracia, riqueza, estilo. Conforme Castarède (2005), a definição da palavra luxo é subjetiva, pois, dependendo do idioma a ser utilizado a palavra possui conotações diferentes. O autor comenta

3 3 que, para os puristas, o luxo é algo de valor palpável, concreto, escasso e, sendo assim, caro, um investimento. É de certa forma uma ação patrimonial, uma interessante aquisição que está tanto na esfera do investimento quanto do consumo. Segundo Castilho e Vilhaça (2006), todo e qualquer produto ou serviço de luxo deve ser dotado de qualidade superior, pois deriva de uma matéria-prima singular, ou então pelo seu processo de fabricação (que muitas vezes utiliza-se de mão de obra artesanal) ou, ainda, devido à tecnologia ou técnica especializada para a confecção e acabamento do objeto ou serviço em questão. Desta forma, constata-se que o luxo existe quando o que de melhor se pode obter em termos de: - funcionalidade: necessita ser, além de tudo, funcional; - matéria-prima: deve possuir material diferenciado para que assim justifique a sua raridade; - acabamento: precisa ter uma finalização individualizada e personalizada; - durabilidade: deve possuir solidez; vida longa; - execução. Sem esquecer de que o prazer e a exclusividade são perceptíveis a olhos nus quando se presta atenção no capricho extremo com que o objeto ou tarefa foi desenvolvido. Galhanone (2005) reforça que outra dificuldade inerente ao estudo desse mercado é conceituar o que seria exatamente um bem de luxo. A autora identifica alguns fatores que considera essenciais para a definição de um produto ou serviço como de luxo : A qualidade, condição necessária ao próprio conceito de luxo; Seu público-alvo prioritário deve ser as elites; Possuir uma forte identidade, ou seja, uma marca reconhecida como griffe; Produção limitada; Qualidades intrínsecas como raridade, exotismo e baixa disponibilidade; A diferenciação, tanto do bem em si, quanto de quem a usa, e a sua consequente simbologia de status social; O preço, que deve ser necessariamente alto, indicando grande valor agregado, provocando o desejo de posse e simbolizando sua excelência;

4 4 Distribuição seletiva e limitada; A esfera simbólica de sonho, magia, sedução; Apelo aos sentidos, com atributos como beleza, toque agradável, bom cheiro, sons harmoniosos, de forma a criar uma experiência hedônica e sensual; Conexão com o passado, tradições, história. O verdadeiro luxo é imortal; O valor relacionado mais a seu caráter supérfluo que funcional. Por tais características, surgem no universo do luxo algumas das marcas que cativam muitos consumidores que concordam com esse tipo de investimento. Como exemplo, podem ser citadas algumas das marcas de luxo consideradas ícones mundiais, as quais apresentam-se em ordem alfabética: Alfred Dunhill; Armani; Calvin Klein; Cardin; Chanel; Christian Dior; Christian Lacroix; Comme dês Garçons; Dolce & Gabbana; Donna Karan; Empório Armani; Ermenegildo Zegna; Fendi; Givenchy; Gucci; Hermes; Hugo Boss; Jean Paul Gaultier; John Galliano; Kenzo; Lacoste; Lanvin; Louis Vuitton; Max Mara; Miu Miu; Moschino; Nina Ricci; Oscar De La Renta; Prada; Ralph Lauren; Valentino; Yves Saint Laurent. 2 O luxo é supérfluo? Dando continuidade, Galhanone (2005) disserta sobre o supérfluo no mundo do luxo. A autora comenta que, com o tempo, o que era considerado supérfluo, raro e caro pode vir a ser acessível para uma grande camada da população, deixando de ser um bem diferenciador. Contudo, é fato inegável que existem inúmeros objetos que atuam na esfera do desejo e do prazer, transformando o luxo em algo supérfluo, restrito, elitizado e de pouco acesso. Além disso, deve-se incluir outra significante e importante característica do luxo: o de instrumento de diferenciação social, ou seja, ele não apenas representa prazer como também riqueza e hierarquia social. Desta forma, Lipovetsky (2002) relata que a agradável sensação de exclusividade do luxo acentua o prazer de sua posse e utilização, fazendo com que ele represente prazer com exclusividade e, também, o prazer derivado da exclusividade. Não é correto afirmar que todos reconhecem uma marca de luxo ao deparar-se com tal simbologia. Porém, pode-se assegurar que há um público significativo que reconhece,

5 5 identifica-se com tais produtos e o deseja por sua significação única, exclusiva, cara; isto não é chamado de necessidade, mas, sim, de algo supérfluo que as pessoas se permitem adquirir após ter alcançado outras prioridades mais necessárias em sua vida. Segundo Galhanone (2005), à medida que as sociedades evoluem, as formas de expressão de luxo acompanham esta mudança, afinal, a cada época, o luxo possui uma feição diferenciada, embora tais atividades e objetos já estejam na existência desde o início da história humana. Em um mundo cada vez mais voltado ao capitalismo e, consequentemente, ao desenvolvimento material, fica perceptível que o luxo de uma época vira necessidade relativa da outra ou, até mesmo, pode vir a ser substituído e/ou descartado por outro para evocar tal fonte de desejo e de prazer. Nos dias de hoje, o luxo, que entre seus significados tem o de ser um meio de prazer e signo de exclusividade, é encarnado pelos mais diversos objetos e serviços reconhecidos mundo a fora, independentemente das peculiaridades existentes em cada país ou região, utilizando-se destas peculiaridades citadas para emprestar nuances próprias sem, logicamente, fazer com que o objeto perca seu significado e seu conceito de luxo. 3 O luxo enquanto segmentação de mercado De acordo com Kotler (2002), a segmentação de mercado nada mais é do que um esforço que tem como principal finalidade aumentar a precisão do marketing da empresa. Sendo assim, o ponto de partida para esta discussão é o marketing de massa; é o momento em que o anunciante dedica-se não só a produção, mas também, a distribuição e promoção em massa de determinado produto para todos os compradores. O grande argumento do marketing de massa é que ele cria um amplo mercado potencial, o que provoca custos mais baixos que por sua vez levam a preços mais baixos ou então, a margens mais altas. No entanto, Ferguson (2009) afirma que muitas pessoas observam uma fragmentação crescente no mercado, o que torna o marketing de massa mais complexo de ser abordado. O fato é que os consumidores precisam de uma segurança de marca que abrande sua incerteza em relação ao desconforto físico e/ou psicológico que ele vive (ou acredita estar

6 6 vivendo) em determinado momento de sua vida. Este desconforto se deve aos temores em relação à reação dos outros, em relação a si próprio e em relação aos temores econômicos que ele pode estar vivendo ou, até mesmo, ter este tipo de comportamento sem ter uma razão aparente; ou seja, uma insegurança em se tratando dele para com o mundo. Pode-se dizer que, muitas vezes, uma marca atua como o remédio para uma crise; ou seja, o indivíduo está com problemas e se presenteia com algum objeto e este o faz se sentir melhor. Contudo, o consumidor não quer pagar por algo que não sabe ao certo quanto vale. Todo comprador quer adquirir aquilo que seja bem visto pelo ambiente que frequenta, pelas pessoas que o cercam, pelo grupo que convive. Ele mesmo, sem perceber, faz escolhas embasadas não só nos seus gostos pessoais mas, também, em função do que os outros que o cercam vão pensar de sua decisão, de sua escolha. Este tipo de atitude é absolutamente natural nas pessoas que tendem a apreciar aquilo que as agrada, seja pelo design ou pelos valores afetivos e emocionais que determinado produto proporciona a elas; ou seja, tais atributos emocionais agregam maior percepção de valor aos mesmos, pois tratam-se de qualidades subjetivas adicionadas à marca. Segundo Mckinley-Floyd e Shrestha (2008), o luxo tornou-se hoje um importante mercado em termos globais, não mais limitando-se apenas ao universo dos reis e das elites. Ele movimenta cifras consideráveis de dinheiro e se configura como uma fonte notável de atividade econômica, pois gera empregos e renda seja no comércio, seja na manufatura. As marcas de luxo exigem um forte trabalho de posicionamento, de uso criativo do marketing e de renovação contínua, sem contradizer sua essência de marca. Um ponto interessante é a questão paradoxal que envolve o Brasil, um país com imensos problemas sociais onde expressiva parcela da população vive em estágio de extrema pobreza, mas que, também, apresenta grandes tendências ao consumo de produtos de luxo, as quais começam a chamar a atenção tanto dos estudiosos quanto do público em geral. Para a autora, uma das peculiaridades do mercado brasileiro é que, diferentemente de outros países (onde o turista internacional movimenta as vendas), os produtos de luxo no Brasil são quase que totalmente voltados para a clientela local. As marcas que investem no país há mais tempo já se adaptaram às características do mercado, como comprar a prazo ou

7 7 parcelar compras no cartão de crédito. Isso facilita o acesso de classes menos abastadas aos bens de prestígio. A valorização do dólar nos últimos anos também ajudou a atrair para as lojas locais as compras que antes eram direcionadas ao exterior. Outro ponto de destaque é que, quando as grifes internacionais eram privilégio daqueles consumidores que viajavam ao exterior e gastavam grandes quantias de dinheiro em seus produtos, o luxo servia para a distinção entre os que podiam e os que não podiam adquiri-lo. Entretanto, a chegada das marcas internacionais ao Brasil, por meio de lojas próprias ou de seus representantes, associada à ampliação da linha de produtos e às facilidades de pagamento (típicas do comércio brasileiro), mudou este cenário. De alguma forma, segundo D Angelo (2006), o luxo foi acessível a uma parcela muito maior de consumidores brasileiros, removendo assim, parte da aura de exclusividade que cercava esses produtos. 4 O luxo enquanto valor de marca A marca, de acordo com Lipovetsky e Roux (2005), pode possuir mais valor do que o próprio produto em muitas situações. Seu posicionamento também parece ser responsável pela opção favorável do consumidor, uma vez que existe a possibilidade do público-alvo se identificar com a identidade/personalidade da marca e, a partir disso, acabar por criar uma preferência. De acordo com Randazzo (1997, p. 24), a marca é [...] mais do que um produto; é ao mesmo tempo, uma entidade física e perceptual. Para o autor, o aspecto físico da marca (produto e embalagem) pode ser encontrado por nós na prateleira do supermercado, sendo geralmente estático e finito, porém, o aspecto perceptual da marca é dinâmico e maleável, pois, existe no espaço psicológico na mente do consumidor (RANDAZZO, 1997, p. 24), ou seja, a marca compreende os aspectos físico e perceptual/psicológico. Diante desta ótica, pode-se pensar que em uma sociedade capitalista, onde a produção em massa intensificou a existência de produtos semelhantes, a marca é um diferencial, pois coloca o produto na mente do consumidor. Baker (2009) observa que sem uma marca definida, o produto é percebido pelo consumidor como genérico, basicamente por sua funcionalidade. Diante disso, o autor afirma a existência de uma mitologia latente do

8 8 produto, relacionada ao aspecto psíquico. A mitologia latente do produto vai além dos atributos físicos/benefícios e usos do produto. Esta mitologia abarca a totalidade das percepções, crenças, experiências e sentimentos associados com o produto (BROOK; NOTTAGE, 2008). Para ilustrar a ideia de luxo enquanto marca em um mercado de consumo, pode-se apresentar a marca Louis Vuitton, um ícone reconhecido por toda a classe média alta do mundo ocidental e parte do oriental. Esta marca é reconhecida não apenas pela sua qualidade, tampouco pela distribuição do produto (que é limitada), nem pelo seu preço (afinal, custa muito mais do que seus principais concorrentes), nem por ser uma marca conhecida (pois existem marcas mais famosas do que ela), mas, sim, por seus atributos de unicidade/exclusividade que promete ao consumidor. Carregar um acessório com a estampa da marca é luxo para poucos. Figura 1 - Bolsa da marca Louis Vuitton Fonte: Louis Vuitton (2010) Segundo Castilho e Villaça (2006), mesmo mais consciente, o consumidor almeja experiências e sentimentos; ele quer o intangível, não o racional. A aquisição de produtos de

9 9 luxo deixou de ser um diferenciador social. Hoje, o que se espera das marcas é a satisfação de prazeres íntimos, de caráter mais intimista, que legitimem o luxo como necessidade. Apoiando as ideias anteriores, Randazzo (1997) afirma que a marca é mais do que o produto em si, afinal, ela existe como uma percepção na mente daquele que a consume. E, sendo assim, assegura que os fabricantes que estão acostumados a pensar exclusivamente no produto devem mudar seu foco e dar credibilidade e sustentabilidade a marca, pois ela possui uma dimensão física, além da psíquica. A marca, em seu aspecto físico (produto e embalagem), pode ser encontrada em qualquer prateleira do supermercado ou, então, na vitrine da butique mais requintada da cidade. Sendo assim, pode-se perceber que esta é estática e finita, ou seja, é palpável, estando ali para que o consumidor a veja e a consuma se assim desejar. Em contrapartida, o aspecto perceptual de determinada marca habita o espaço psicológico, ou seja, a mente do consumidor. Neste caso, a marca é dinâmica e maleável. Graças à influência do Marketing na vida dos consumidores, é possível perceber que as pessoas tendem a apreciar determinados produtos por obterem uma marca reconhecida, famosa e conceituada no mercado que ela abrange. Um exemplo disso é a marca de relógios Rolex ou, então, a Cartier, que são mundialmente famosas, não só por ser um objeto de luxo (exclusivo, caro, com qualidade), mas por terem atributos e credibilidade reconhecidos por todos.

10 10 Figura 2 - Um dos modelos da marca Rolex, feito de ouro com brilhantes Fonte: Rolex (2010) Sendo assim, pode-se compreender que a marca proporciona o acesso à mente do consumista, criando um inventário perceptual de imagens, símbolos e sensações que passam a definir a entidade do produto. 5 Alguns perfis do consumidor de luxo e suas motivações Galhanone (2005) ressalta que é possível segmentar os consumidores de bens de luxo segundo critérios econômicos, sociológicos e psicológicos. Algumas análises vão além e levam em consideração os aspectos psicográficos dos públicos-alvo, ou seja, combinam variáveis de personalidade, estilo de vida e motivações, para explicar diferentes escolhas de consumo e uso de produtos. Galhanone (2005) cita algumas motivações para o consumo dos bens de luxo, entre elas, citam-se: O desejo de ser único, de exclusividade e diferenciação; O desejo de melhorar o autoconceito, projetando sucesso e poder; O desejo de exteriorizar a própria personalidade;

11 11 Necessidade de marcar a filiação a um grupo social almejado. Hedonismo, desejo de estímulos aos sentimentos e estados afetivos, busca do próprio; Prazer, deleite ao excitar positivamente os órgãos dos sentidos; Perfeccionismo, busca da melhor qualidade e de um desempenho superior; O desejo de ostentação, de exibição da riqueza ou da conquista de uma ascensão social; Motivação emocional ou a busca de uma experiência excepcional como compensação ou autoindulgência; Desejo de marcar-se como elite. Para D Angelo (2006), a motivação por determinadas marcas é um indicativo do perfil de quem a consome. De acordo com um estudo feito pelo próprio autor com jovens consumidores franceses, foi possível verificar que existem quatro tipos de perfis distintos em relação ao objeto de luxo, sendo que cada um desses itens aponta um conjunto de atributos: o primeiro é a beleza e a excelência do objeto em questão; o segundo a criatividade e a sensualidade agregada; o terceiro, a magia da marca e o quarto, a exclusividade. D Angelo (2006) afirma que entre os consumidores de luxo é possível encontrar quatro tipos de perfis de clientes: - os que compram o produto pela sua tradição; - os que se preocupam basicamente com a sua funcionalidade; - os caçadores de status; - e os lançadores de moda. Tanto o perfil individual quanto o perfil da marca tendem a se complementar por associar-se diretamente ao mercado de luxo; ou seja, cada indivíduo se vê de determinada maneira e, desta forma, tende a encontrar nas marcas das grandes grifes aquilo que ele mais se parece (ou gostaria de parecer). Utiliza-se de determinada etiqueta para se certificar que ela é tudo aquilo que, verdadeiramente, é ou, então, gostaria de ser, e isso refere não só a si próprio, mas também ao que diz respeito a sua aparência perante os demais.

12 12 Considerações finais Ao término deste trabalho percebeu-se que o luxo não pode ser denominado de uma só forma, pois este tema é extremamente complexo e, ao buscar conceitos e definições sobre ele, percebeu-se que cada autor tem o seu próprio conceito de luxo relacionado ao meio onde vive e, por que não dizer, em relação a sua percepção de mundo e as coisas que nele percebe. Cada indivíduo, na sua particularidade, tem o seu conceito de luxo e, para que algo seja verdadeiramente luxuoso, é preciso que um grupo de pessoas compactue com esta afirmação. Nada será luxuoso se não houver alguém que aponte aquilo como tal, caso contrário, o objeto em questão passará despercebido, ou então, não terá o valor que um objeto de luxo possui. Este estudo foi capaz de perceber que, na atualidade, as pessoas têm se preocupado de forma grandiosa com a aparência física e, também, com seu vestuário, sendo que, cada vez mais, os objetos de luxo são utilizados para causar um impacto social, ou seja, os indivíduos usam marcas de grifes famosas para mostrar aos outros que possuem dinheiro e status. O luxo, segundo o estudo, tende a ser belo e majestoso. Entretanto, existem pessoas que o identificam e o veneram, porém, outras sequer sabem da existência de determinadas marcas. Os indivíduos vivem em tribos diferentes onde gostos e atitudes se parecem e as pessoas tendem a gostar de coisas parecidas por pertencerem à mesma classe e ao mesmo grupo que tem desejos relacionados. E, por este fato, é que não se pode definir o luxo como algo que todos querem, afinal, muitas pessoas que vivem em outras condições desconhecem a marca estampada ou, então, podem não se interessar por este tipo de ostentação. Não é qualquer pessoa que pode gastar seu dinheiro em artigos considerados supérfluos, porém, não é apenas a população de alto poder aquisitivo que desfruta de artigos de luxo. A facilidade de comprar através de cartões de crédito ou, até mesmo, em parcelar o valor do produto em cheques significativos, levam muitos que não desfrutam de uma boa renda a cometer o impulso de comprar algum artigo sofisticado. Entretanto, para muitas pessoas, o valor que certo produto tem é muito maior do que o dinheiro que será investido, afinal, determinado artigo de luxo pode possuir significações únicas e exclusivas, e aqueles que reconhecem tal mercadoria irão perceber as suas qualidades intrínsecas, assim como o

13 13 comprador da mesma. O valor simbólico, o glamour e a consagração da marca entram neste tipo de situação e atuam fortemente na mente do consumidor para que o mesmo adquira o produto. A segurança e o status que um bem de luxo dá ao indivíduo é algo que não se pode mensurar, pois está na mente de cada um. Referências BAKER, Richard. Luxury Marketing: The End of a Mega-Trend. Sales and Marketing Management, EUA, Jun/Jul BROOKE, Simon; NOTTAGE, Amanda. Luxe in flux. Marketing, London, Feb 13, CASTARÈDE, Jean. O luxo: os segredos dos produtos mais desejados do mundo. São Paulo, SP: Editora Barcarolla, CASTILHO, Kathia; VILLAÇA, Nízia (Orgs.). O Novo Luxo. São Paulo, SP: Editora Anhembi Morumbi, LOUIS VUITTON. Home. Disponível em: <http://www.louisvuitton.com/us/flash/index.jsp?direct1=home_entry_us >. Acesso em: 03 abr FERGUSON, Rick. The consumer inside: at its heart, all marketing speaks to human beings. The Journal of Consumer Marketing, Santa Barbara, EUA, v. 26, n. 3, GALHANONE, R. F. O mercado do luxo: aspectos de marketing. In: Revista Rege-USP, São Paulo, 2005, p KOTLER, Philip. Administração de marketing. São Paulo, SP: Editora Prentice Hall, LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo, SP: Editora Schwarcz, LIPOVETSKY, Gilles; ROUX, Elyette. O luxo eterno: da idade do sagrado ao tempo das marcas. 1. ed. 2. reimpr. São Paulo, SP: Rocco, MCKINLEY-FLOYD, Lydia; SHRESTHA, Nanda. Segmentation strategies for non-profits: mining the emerging market of "black gold". The Journal of Business & Industrial Marketing, Santa Barbara, EUA, n. 6, RANDAZZO, Sal. A criação de mitos na publicidade: como publicitários usam o poder do mito e do simbolismo para criar marcas de sucesso. Rio de Janeiro, RJ: Editora Rocco, ROLEX. Home. Disponível em: <http://www.rolex.com>. Acesso em: 15 jan

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem A imagem A imagem 1 A imagem Mas o que leva a compra pela imagem? Necessidade do produto Compulsão mediante a um estímulo, que vai de encontro direto aos desejos. 1- Afetivos 2- Financeiros 3- Sociais

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA

A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA 1 A INSERSÃO DA RENDA ARTESANAL FILÉ NO CONCEITO DO NOVO LUXO MARCELA TENÓRIO MELO E LIVIA DO AMARAL VALENÇA Introdução O consumidor contemporâneo vem sofrendo a influência da efemeridade da moda, dos

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa.

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa. Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Produto É algo que pode ser oferecido para satisfazer um

Leia mais

Projeto CAPAZ Banana Republic - Exclusividade

Projeto CAPAZ Banana Republic - Exclusividade 1 Introdução Ao assistir ao vídeo sobre a parceria exclusiva Safilo-Coopesp, você pôde ver um pouco da história inicial dessa grande empresa que é a Safilo, bem como os benefícios trazidos com a exclusividade

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Entrevista Jornal Zero Hora (RS)

Entrevista Jornal Zero Hora (RS) Entrevista Jornal Zero Hora (RS) ZH: Grifes europeias estariam voltando seus olhos para emergentes como o Brasil em razão da crise em seus países de origem. Vamos ver abrir mais lojas de produtos de luxo

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTILO MOTIVAÇÃO PARA OS NOVOS DESAFIOS POR PAULA MARTINS

CONSULTORIA DE ESTILO MOTIVAÇÃO PARA OS NOVOS DESAFIOS POR PAULA MARTINS CONSULTORIA DE ESTILO MOTIVAÇÃO PARA OS NOVOS DESAFIOS POR PAULA MARTINS PAULA MARTINS Formada em jornalismo e estilismo, Paula Martins tem um escritório que funciona como uma agência geradora de conteúdo

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados

Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados 26 de Agosto de 2015 Belo Horizonte - MG Joe Jackson Sangalli Vidor Joe Jackson Sangalli Vidor Diretor da 2ck Marke.ng

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS A INFLUÊNCIA DA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO NO POSICIONAMENTO E NO BRAND EQUITY DE MARCAS E PRODUTOS Rubens Gomes Gonçalves (FAFE/USCS) * Resumo Muitos autores têm se dedicado a escrever artigos sobre uma das

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Manual para iniciar um negócio criativo

Manual para iniciar um negócio criativo E book grátis Manual para iniciar um negócio criativo de sucesso Empreendedor Criativo Neste guia apresento informações básicas para que você empreenda com segurança, e para que tenha uma visão panorâmica

Leia mais

TENDÊNCIAS E EVIDÊNCIAS PARA O INVERNO 2009: REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS PARA A MODA BRASILEIRA EM CALÇADOS E ACESSÓRIOS

TENDÊNCIAS E EVIDÊNCIAS PARA O INVERNO 2009: REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS PARA A MODA BRASILEIRA EM CALÇADOS E ACESSÓRIOS TENDÊNCIAS E EVIDÊNCIAS PARA O INVERNO 2009: REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS PARA A MODA BRASILEIRA EM CALÇADOS E ACESSÓRIOS Cleon Gostinski RESUMO Bacharel em Comunicação Social, Mestre em Administração de

Leia mais

E-Book por Cristina Marinho

E-Book por Cristina Marinho E-Book por Cristina Marinho É uma profissional especialista em Marketing da Moda, Comportamento de Compra e Pesquisa de Mercado. Durante 10 anos esteve à frente do seu próprio instituto de pesquisas credenciado

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED.

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED. Disciplina Professor (a) Série Turma ED. EMPREENDEDORA EDUARDO LIMA 1 a B / C Aluno(a) III BIMESTRE APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS IDÉIA DE PRODUTO O que é o produto Feiticeira?

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO The Black Book Of Fashion Como ganhar Dinheiro com Moda

RESUMO EXECUTIVO The Black Book Of Fashion Como ganhar Dinheiro com Moda RESUMO EXECUTIVO Este relatório foi desenvolvido para apresentar alguns aspectos competitivos tratados no recém lançado livro The Black Book Of Fashion Como ganhar Dinheiro com Moda, que foi escrito pelo

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Business do Luxo MANUAL DO CURSO

Business do Luxo MANUAL DO CURSO Business do Luxo MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta-feira 9h às 21h- Sábado 9h às 13h

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D.

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. CATEGORIA:

Leia mais

Segmentação na gestão da comunicação e do marketing

Segmentação na gestão da comunicação e do marketing Segmentação na gestão da comunicação e do marketing Dra. Iara Silva da Silva 6º Encontro Nacional de Comunicação e Relacionamento dos Fundos de Pensão É um processo social e gerencial pelo qual indivíduos

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa?

A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? A comunicação com o cliente: como ele vê a sua empresa? Karlan Muller Muniz Enconampe - Congresso Catarinense das Micro e Pequenas Empresas Blumenau, 02 de abril de 2011 Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Leia mais

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I Professora: Bárbara Ribeiro B-RIBEIRO.COM Aula 06: 08-Junho GESTÃO BRANDING, MARKETING, PLANO DE NEGÓCIOS OBJETIVO VIABILIZAR

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ PARTICIPANTES: AMANDA CAROLINE COLOGNI - 060.115.469-00 FRANCIELE PEREIRA ANTUNES - 067.639.869-39 NAIARA DA ROSA PIRES

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Motivar pessoas para o foco da organização

Motivar pessoas para o foco da organização PORTWAY Motivar pessoas para o foco da organização Série 4 pilares da liderança Volume 3 4 pilares da liderança Motivar pessoas para o foco da organização E m Julho de 2014, fui procurado por algumas diretoras

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C VAREJO Agosto - 2012 O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C Desde a criação do Real e a estabilização da economia, o poder aquisitivo da população brasileira aumentou de forma significativa.

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Os brindes promocionais no período de Páscoa

Os brindes promocionais no período de Páscoa Os brindes promocionais no período de Páscoa Pamela Ramos de Mello LOPES 1 Introdução A comunicação no ponto-de-venda tem se desenvolvido e criado meios e caminhos que hoje podem ser estudados e discutidos,

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais A pesquisa deste mestrado se iniciou a partir de diversos questionamentos quanto ao uso e aplicabilidade da tecnologia de Realidade Aumentada em celulares. Não houve uma questão

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a Importância da Imagem Pessoal na Profissão Profa Elaine C. S. Ovalle Todo ser humano tem necessidade de se destacar naquilo que realiza. O maior responsável pelo desenvolvimento pessoal é o próprio indivíduo.

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

Administração Mercadológica I

Administração Mercadológica I Administração Mercadológica I O preço também informa ao mercado o posicionamento de valor pretendido pela empresa para seu produto ou marca. Um produto bem desenvolvido e comercializado pode cobrar um

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

Capital da Marca Centrado no Cliente

Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão Estratégica da Marca Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte MBA 2007-8 1 Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

PINTON GERALDINO DAOLIO 3

PINTON GERALDINO DAOLIO 3 MARKETING CULTURAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO LUIZ FABIANO FERREIRA¹, PAULO ALEXANDRE PINHEIRO SOARES 2, RAQUEL PINTON GERALDINO DAOLIO 3 1 Aluno do 3º semestre do curso Superior de Tecnologia de Gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS Maiêutica - Curso de Ciências Contábeis PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS RESUMO Anair Vanderlinde 1 Nádia Nara de Godoy 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB0116)

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

O princípio da segmentação é criar grupos de clientes (ou potenciais clientes) com características comuns.

O princípio da segmentação é criar grupos de clientes (ou potenciais clientes) com características comuns. SEGMENTAÇÃO Segmentar o mercado ou a base de clientes é fundamental para a criação de um planejamento de marketing eficiente. Uma empresa não pode desenvolver um produto ou um serviço se não souber a quem

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Veículo: revista da Farmácia Seção: Artigos Data: Agosto/2008

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Veículo: revista da Farmácia Seção: Artigos Data: Agosto/2008 CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Veículo: revista da Farmácia Seção: Artigos Data: Agosto/2008 2 Cliente: Fharos Veículo: Revista Posto de Observação Data: Agosto/2008 3 4 Cliente: Fharos

Leia mais

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE

COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE PRIAD: COMPORTAMENTO DE CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE 1 Data de entrega até 16/09/2015 As questões objetivas só possuem uma alternativa correta: respostas a lápis ou rasuradas serão desconsideradas. Não use

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial *

A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial * A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial * 1 Taís Moscarelli Corrêa Resumo: Este artigo busca relacionar questões sobre marca e identidade visual como fatores de

Leia mais