MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA"

Transcrição

1 MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal CEP João Pessoa - Pb ABSTRACT This works presents the result of the index measurement of the execution of masonry services, enfatizing the aspects wich influences its execution process. To that, it was investigated 2 building construction sites of a same enterprise in Recife city. KEY-WORDS: index measurement, masonry, building construction. 1. INTRODUÇÃO O subsetor de construção de edifícios se depara freqüentemente com um mau indicador de desempenho: os resultados obtidos não atendem ao que é esperado. Este fato se dá tanto na execução de etapas de uma obra, individualmente, como no resultado global da mesma e as conseqüências se apresentam de diversas formas: - aumento dos custos de execução; - não cumprimento das especificações; - não cumprimento de prazos; - perda de competitividade da empresa. Estes fatos ocorrem devido a ausência da prática de medição, levando à inexistência de dados que possam fornecer aos gerentes informações quanto ao desempenho atual de suas empresas e orientar estratégias para a melhoria do seu desempenho. SINK & TUTTLE (1993) classificam as medições, segundo a finalidade da informação que fornecem, em: visibilidade, controle, melhoria e motivação. As medições para visibilidade têm por objetivo identificar a situação da empresa em relação aos dados médios do setor, indicando a necessidade de melhoria. Quando a finalidade é o controle, as medições são relacionadas a um padrão estabelecido. Já as medições para melhoria são utilizadas para comparar a implantação da melhoria em relação a uma meta previamente estabelecida. A utilização das medições com o objetivo de motivação, contribuem para o envolvimento das pessoas, pois permitem aos indivíduos um retorno quanto ao seu próprio desempenho e do processo. Devido à complexidade dos processos, fica difícil se estabelecer uma medida global de desempenho, devendo ser definidos os indicadores que melhor representem os processos. Este trabalho traz o resultado da medição de indicadores para o serviço de alvenaria, com ênfase nos elementos que influenciam seu comportamento, ao longo do processo de execução do serviço, em duas obras de edifícios residenciais, de uma mesma empresa, em Recife.

2 2. INDICADORES Diversas abordagens têm sido feitas acerca da medição de indicadores para a Construção Civil, relacionando-a à qualidade, voltando-se sempre para o objetivo principal de melhorar os processos. Para SOUZA (1994) os indicadores são necessários para medir e avaliar a eficácia da alteração dos processos empresariais e os resultados obtidos com a implantação do Sistema de Gestão da Qualidade. Segundo PICCHI (1993), o controle de indicadores de qualidade referentes à execução tais como: consumo de materiais, produtividade, cumprimento do orçamento e prazos estabelecidos, etc., é fundamental para a avaliação do processo e análise de medidas para a melhoria. OLIVEIRA, LANTELME, FORMOSO (1993) colocam a medição de indicadores de qualidade e produtividade como imprescindível para avaliar o desempenho atual e acompanhar o progresso alcançado por empresas do setor envolvidas no desenvolvimento de sistemas de qualidade. É apresentada a seguinte classificação dos indicadores: a) Indicadores de Desempenho Específicos - fornecem informações para o gerenciamento da empresa e de seus processos individualmente. a.1) Gerenciais - associados diretamente à implantação de estratégias através de Planos de Ação ou Programas de Melhoria. a.2) Operacionais - relacionados a processos individualizados na empresa, fornecem informações para o gerenciamento de suas tarefas rotineiras. Os indicadores operacionais são estabelecidos sobre os resultados controláveis ou gerenciáveis do processo, isto é, aqueles sobre os quais as pessoas envolvidas no processo têm responsabilidades e podem atuar sobre suas causas, corrigindo desvios e melhorando resultados. b) Indicadores de Desempenho Globais - visam a demonstrar o desempenho de uma empresa ou setor em relação ao ambiente em que se insere. b.1) De Empresa - têm o papel de orientar políticas internas da empresa, auxiliando no desenvolvimento do planejamento estratégico. b.2) De Setor - procuram avaliar o desempenho do setor como um todo. Representam a capacidade do setor em promover o atendimento ao consumidor e contribuir para o desenvolvimento econômico e social do país. Existe um problema sempre que um indicador mostrar um desvio em relação a um padrão estabelecido. Com a detecção de um problema, deve-se buscar suas causas e atuar de forma a eliminá-las. 3. METODOLOGIA O sistema através do qual foram obtidos os dados utilizados no presente trabalho, foi desenvolvido por uma empresa de consultoria atuante na cidade do Recife. Ele tem por base o levantamento da utilização real dos recursos (materiais e mão-de-obra - insumos) nos serviços envolvidos na construção de edificações, que, ao serem comparados com o padrão pré-estabelecido (planejado), obtêm-se as diferenças (distorções), que constituem indicadores de desempenho específicos - operacionais, de acordo com a classificação apresentada anteriormente. 3.1 Etapas do sistema

3 Segundo OLIVEIRA, LANTELME, FORMOSO (1993) uma medição se constitui de três elementos: coleta, processamento e avaliação de dados. Estes elementos geram as informações que apoiam a tomada de decisões. Pode-se então dividir o sistema de medição utilizado nas seguintes etapas: - Coleta de dados -período: coleta de dados - semanal; processamento - mensal; tempo total da pesquisa - 6 meses. - dados coletados: consumo unitário médio de cimento e de horas de trabalho de pedreiro - serviços envolvidos no estudo: alvenaria de blocos de concreto. - Processamento dos dados: consiste na comparação dos consumos reais obtidos com o padrão pré-estabelecido, no caso, os índices previstos no planejamento da obra. Cálculo das distorções entre os índices, que constituem os indicadores desejados. - Avaliação dos dados: Análise dos indicadores obtidos e, em caso de resultados indesejados, determinação das possíveis causas de tal resultado, com o objetivo de interferir no processo com a implantação de melhorias. 3.2 Ferramentas utilizadas -Formulário de apropriação diária da mão-de-obra. (planilha 1) -Fichas de estoque do almoxarifado da obra. (planilha 2) -Planilha de medição de serviços. (planilha 3) -Formulário para processamento dos dados coletados. (planilha 4) 3.3 Coleta de dados A coleta de dados foi realizada por um estagiário, pertencente ao quadro de funcionários da empresa, de acordo com os seguintes procedimentos: Dados da planilha 1: coleta realizada duas vezes ao dia para determinar o tempo que o funcionário gastou para a execução do serviço. Dados da planilha 2: o preenchimento das fichas de estoque já faz parte da rotina da empresa, que designa um funcionário (almoxarife) para tal atividade. A saída dos materiais é dada de acordo com a solicitação feita (para cada serviço em execução separadamente). A interferência do estagiário nesta etapa consiste na conferência das fichas e checagem do estoque existente. Dados da planilha 3: dados resultantes das medições realizadas para pagamento dos funcionários que trabalham em regime de produção (recebem de acordo com o que produzem). Dados da planilha 4: preenchidos pelo estagiário, processando os dados das planilhas anteriores. Nesta planilha, são anotados os recursos (materiais e mão-de-obra) utilizados para a execução de cada tipo de serviço e o quantitativo de serviço realizado no período em questão (semana). Com estes dados, calculando-se o quociente dos recursos consumidos pela quantidade de serviço executada obtém-se os consumos unitários realizados na semana e o consumo médio da obra até aquele período. 4. RESULTADOS A partir da coleta de dados, foram obtidos os consumos de cimento e de horas de trabalho de pedreiro para o serviço de alvenaria, em cada obra pesquisada. Diante da grande massa de dados, para facilitar a análise, foi estabelecido que, para o cálculo dos indicadores, seriam comparados os consumos médios da obra ao término de cada mês, com aqueles previstos no planejamento (ver Tabela 1 e Tabela 2).

4 Material (cimento) OBRA 1 Mão-de-obra (pedreiro) Período Cons. Médio Cons. Planej. Indicador Cons. Médio Cons. Planej. Indicador Meses (kg/m2) (kg/m2) Obra 1 (h/m2) (h/m2) Obra 1 1 2,776 1,8 54,22% 0,64 0,58 10,34% 2 2,39 1,8 32,78% 0,644 0,58 11,03% 3 2,413 1,8 34,06% 0,787 0,58 35,69% 4 2,504 1,8 39,11% 0,843 0,58 45,34% 5 2,522 1,8 40,11% 0,648 0,58 11,72% 6 2,526 1,8 40,33% 0,647 0,58 11,55% Tabela 1 - Consumos médios e indicadores obtidos para a obra 1 Material (cimento) OBRA 2 Mão-de-obra (pedreiro) Período Cons. médio Cons. Planej. Indicador Cons. médio Cons. Planej. Indicador Meses (kg/m2) (kg/m2) Obra 2 (h/m2) (h/m2) Obra 2 1 1,83 1,8 1,67% 0,875 0,58 50,86% 2 1,69 1,8-6,11% 0,81 0,58 39,66% 3 1,73 1,8-3,89% 0,767 0,58 32,24% 4 1,73 1,8-3,89% 0,78 0,58 34,48% 5 1,84 1,8 2,22% 0,781 0,58 34,66% 6 2,03 1,8 12,78% 0,813 0,58 40,17% Tabela 2 - Consumos médios e indicadores obtidos para a obra 2 Distorções 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% -10,00% Meses Obra 1 Obra 2 Figura 1 - Distorções no consumo de material (cimento) para o serviço de alvenaria Distorções 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% Meses Obra 1 Obra 2 Figura 2 - Distorções no consumo de mão-de-obra (pedreiro) para o serviço de alvenaria

5 Analisando-se os resultados, constata-se grandes variações nos indicadores, tanto durante o andamento dos serviços numa mesma obra, quanto quando são comparados os dados das duas obras (ver Figura 1 e Figura 2). Estas variações são decorrentes de inúmeros fatores que interferem na etapa de produção e que constituem causas das distorções entre o planejamento e a execução do serviço de alvenaria. Muitos destes fatores foram percebidos e analisados durante o levantamento dos indicadores para este trabalho, podendo ser citados: - Compra de material inadequado, de má qualidade, devido ao uso de um único parâmetro para efetuá-la: o preço. - Problemas de abastecimento de materiais Abastecimento externo - o atraso na entrega dos blocos de concreto contribuiu de forma acentuada para a baixa produtividade dos pedreiros, que ficavam parados esperando. Quanto a este aspecto, vale salientar que na obra 2 este atraso também ocorria por que a dimensão especificada dos blocos limitava o número de fornecedores. Abastecimento interno - sistema de transporte vertical mal dimensionado, ocasionando esperas dos pedreiros, no abastecimento das argamassas e blocos, constituindo verdadeiros gargalos. - Falta de conscientização dos pedreiros para o uso do procedimento adequado. No caso, deveriam espalhar a massa sobre o bloco com o uso de uma bisnaga. Alguns pedreiros insistiam em utilizar a colher. - Irregularidade na altura dos blocos, exigindo a aplicação de várias camadas de argamassa para se obter nivelamento. - Falta de controle dos traços utilizados. O betoneiro é o responsável pela dosagem das argamassas, sem que haja uma preocupação do engenheiro com este aspecto. O engenheiro acha que a responsabilidade é do mestre e vice-versa. 4. CONCLUSÕES A medição de indicadores constitui elemento imprescindível ao gerenciamento de obras. No caso específico deste trabalho, a medição das distorções entre os consumos reais e aqueles previstos no planejamento de obras, serviu de instrumento de controle da produção, de elemento para avaliação de melhorias e de parâmetro para o planejamento de outras obras. Em síntese, podemos apresentar as seguintes conclusões: - a partir do início da medição dos consumos, foram avaliados a eficiência tanto do almoxarife na distribuição dos insumos, quanto o betoneiro, elemento responsável pela fabricação e distribuição das argamassas; - a comparação dos consumos obtidos em cada semana com o padrão estabelecido (planejamento), revelou a existência de falhas no processo de produção, indicando a necessidade de interferências. Este fato caracteriza este tipo de medição segundo sua finalidade, como para visibilidade e para controle (ver ítem 1.); - outro ponto que deve ser citado é a utilização da medição para avaliar melhorias implantadas; - os consumos obtidos em cada obra constituem parâmetros da empresa, que passou a ter índices de consumo unitário próprios que refletem seu desempenho; - é fundamental a conscientização das pessoas envolvidas, de que a medição deve ser voltada para a melhoria do processo, para que se colete dados precisos e se faça observações dos fatores que interferem no desempenho; - outro ponto importante é que a informação chegue a tempo nos pontos de tomada de decisão, para que sejam efetuadas melhorias;

6 - os fatores que mais contribuem com as distorções dos indicadores, estão diretamente ligados ao gerenciamento inadequado da obra, aspecto decisivo na produtividade obtida nos canteiros de obra; - na empresa envolvida neste trabalho não existe a preocupação com o gerenciamento adequado dos empreendimentos. Com isto, os procedimentos utilizados na execução das obras são reflexo da vontade do engenheiro residente e do mestre. Este fato, justifica a obtenção de resultados tão distintos em obras de uma mesma empresa. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS OLIVEIRA, Miriam, LANTELME, Elvira, FORMOSO, Carlos Torres. Sistema de indicadores da qualidade e produtividade para a construção civil: manual de utilização. Porto Alegre: UFRGS/SINDUSCON, PICCHI, F. Sistemas de Qualidade: uso em empresas de construção de edifícios. São Paulo, Tese (Doutorado em Engenharia) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Construção Civil. SINK, D. S., TUTTLE, T. C. Planejamento e medição para a performance. Rio de Janeiro: Qualitymark, p. SOUZA, Roberto de, MEKBEKIAN, Geraldo, SILVA, Maria Angélica Covelo, LEITÃO, Ana Cristina Munia Tavares, SANTOS, Márcia Menezes dos. Sistema de gestão da qualidade para empresas construtoras. São Paulo: Setor de comunicação do SindusCon, p. Módulo 11: Indicadores de qualidade e produtividade. p

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software. Conceitos e objetivos da gerência de projetos

Gerenciamento de Projetos de Software. Conceitos e objetivos da gerência de projetos Gerenciamento de Projetos de Software Conceitos e objetivos da gerência de projetos 1 O que é Projeto? Atividades numa organização podem ser rotineiras ou inovadoras. Rotineiras: processos contínuos, sem

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012.

ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. ANÁLISE DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE DO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DO HABITAT (PBPQ-H) REVISÃO DEZEMBRO/2012. Gisele Hiromi Matsumoto de Freitas¹; Ronan Yuzo Takeda Violin²;

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Renato Regazzi Impacto do crescimento da construção Números em 2010 R$ 152,4 bilhões PIB do setor 2010 Emprego formal 2,8 milhões de trabalhadores no estoque

Leia mais

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO João Ernesto Escosteguy Castro Caixa Postal 476 - Florianópolis - SC - 88.040-900 Ruth Ferreira Roque Caixa Postal 1207 - Florianópolis - SC

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de Coordenação e controle de obras, executadas pela Brookfield Incorporações S/A, de forma a garantir

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR. Treinamento Planejamento e Controle de Obras com MS-Project 2013

WWW.RJN.COM.BR. Treinamento Planejamento e Controle de Obras com MS-Project 2013 Treinamento Planejamento e Controle de Obras com MS-Project 201 EMENTA DO TREINAMENTO pelo PMI (de acordo com o PMBOK 5ª. Edição, 201) permite a correta execução do cronograma e o controle pleno do projeto,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 e SiAC nível-a. Relatório de Auditoria interna

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 e SiAC nível-a. Relatório de Auditoria interna 1/6 1. DADOS DA EMPRESA LATACHE ENGENHARIA E INSTALAÇÕES LTDA Situada na Rua Governador Seabra nº55 Apipucos - Recife - PE. 2. OBJETIVO, ESCOPO E PERÍODO DA AUDITORIA. Verificar a aderência do Sistema

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

Medições. Medições. Versão 9.0 ou superior. Fevereiro 2015 Versão 9.0 ou superior Medições

Medições. Medições. Versão 9.0 ou superior. Fevereiro 2015 Versão 9.0 ou superior Medições Versão 9.0 ou superior Fevereiro 2015 Versão 9.0 ou superior O módulo de medições foi criado com o intuito de prover uma melhor gestão de Projetos na Engenharia Civil, trazendo soluções para elevar o nível

Leia mais

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA Estado Civil Casada Telefone (62)9959-1977 / (62) 3932-0985 Natural Goiânia - GO E-mail ana_cfgonzaga@yahoo.com.br Redes Sociais Facebook: LinkedIn: OBJETIVOS PROFISSIONAIS Área: Gestão/Controle em Engenharia

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA E O DESAFIO DE EQUILIBRAR CONCEITOS TÉCNICOS E GERENCIAIS NO ENSINO DE ENGENHARIA CIVIL Helen Ulrich hulrich@sc.usp.br Departamento de Engenharia

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PESSOAL

PLANEJAMENTO DE PESSOAL GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO DE PESSOAL Planejamento estratégico de GP 1 Um dos aspectos mais importantes do planejamento estratégico de GP é o alinhamento da função de GP com a estratégia organizacional.

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela?

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Atuação da Engenharia Cyrela AQUISIÇÃO DO TERRENO INÍCIO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO LANÇAMENTO DO EMPREENDIMENTO INÍCIO DA OBRA

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Universidade de Pernambuco POLI/UPE, Recife, PE - acasado@upe.poli.br

Universidade de Pernambuco POLI/UPE, Recife, PE - acasado@upe.poli.br Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.15-24, Outubro, 2009 Método para a avaliação quantitativa da tecnologia construtiva da alvenaria de vedação em edifícios The quantitative assessment methodology

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr CONCEITOS PLANEJAMENTO OPERACIONAL Para realizar objetivos, é preciso definir quais atividades devem ser executadas e quais recursos são necessários para a execução das atividades. O processo de definir

Leia mais

DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DIRETRIZES PARA A MELHORIA DO PROJETO DO SUBSISTEMA ELEVADORES DE EDIFÍCIOS UTILIZANDO CONCEITOS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Marcelo Menna Barreto AZAMBUJA M.Sc., Eng., Pesquisador do Núcleo Orientado

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DA PRODUÇÃO DE DOCES EM UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA DE TERESINA PI

ESTUDO DOS CUSTOS DA PRODUÇÃO DE DOCES EM UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA DE TERESINA PI ESTUDO DOS CUSTOS DA PRODUÇÃO DE DOCES EM UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA DE TERESINA PI MILCÍADES PEREIRA DA SILVA JUNIOR 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3 FRANCISCO FRANCIELLE

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Projetos de Engenharia Laudos Técnicos Consultorias Treinamentos Representações

Projetos de Engenharia Laudos Técnicos Consultorias Treinamentos Representações KARLA COLOCAR COMO PANO DE FUNDO, PLANTA DE ENGENHARIA, COMO NO SITE DA PROJETAR Projetos de Engenharia Laudos Técnicos Consultorias Treinamentos Representações Projetar - Projetos e Consultoria Ltda.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Renato da Silva SOLANO

Renato da Silva SOLANO INDICADORES OPERACIONAIS DE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE PARA EDIFICAÇÕES DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DE LEVANTAMENTO NA FASE DE PROJETO E RELACIONAMENTO COM A FUNÇÃO

Leia mais

$,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26

$,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26 $,03257Æ1&,$'$/2*Ë67,&$1$25*$1,=$d 2'26 6,67(0$6'(352'8d 2'((',)Ë&,26 6,/9$)UHG%RUJHVGD&$5'262)UDQFLVFR)HUUHLUD ( 1 ) Engenheiro Civil, Mestrando do Departamento Engª de Construção Civil - EPUSP. Bolsista

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441 EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de planejamento e controle de obras específicas de construção civil, com a utilização do software Microsoft Office Project 2010. A metodologia, baseada nas

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Gestão através do uso de Indicadores e Metas

Gestão através do uso de Indicadores e Metas Gestão através do uso de Indicadores e Metas Reflexão Pra onde Caminha a sua Empresa? x Reflexão Pra onde A Cadeia Caminha de Valor... a sua Empresa? Cliente Definição do Projeto Resp. Canteiro, materiais

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO APERFEIÇOAMENTO ENGENHARIA DE CUSTOS E ORÇAMENTOS TURMA 01 FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Milagres do Nascimento Engenheira civil orçamentista

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS DIRETRIZES PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA DURANTE A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Marina da Costa Carmo Terra Barth (1) Lúcia Helena de Oliveira (2) (1) Departamento

Leia mais

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A.

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS VI SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS BELO HORIZONTE MG, 21 A 25 DE ABRIL DE 2008 T23 A01 PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO Giorgia

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL Cristian Joaquim (1), Mônica Elizabeth Daré (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)cristianjoaquim@hotmail.com(2)m.dare@terra.com.br

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais