A UTILIZAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA UMA INDÚSTRIA DO SETOR TÊXTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA UMA INDÚSTRIA DO SETOR TÊXTIL"

Transcrição

1 LUIS ORLANDO MOLENA RA A UTILIZAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA UMA INDÚSTRIA DO SETOR TÊXTIL Itatiba 2008

2 LUIS ORLANDO MOLENA RA A UTILIZAÇÃO DA COMPRA PRÓ-ATIVA COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA UMA INDÚSTRIA DO SETOR TÊXTIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à disciplina Estágio Supervisionado II, do curso de Administração, da Universidade São Francisco, sob orientação da Profª Ms. Cristina das Graças Fassina Guedes, como requisito parcial para aprovação na disciplina e obtenção do título de Bacharel em Administração. Itatiba 2008

3 ii Aos meus grandes amores: Meus Pais, Luis A. Molena e Ivani Bueno

4 iii AGRADECIMENTOS A Deus, por estar presente em todos os momentos da minha vida. Aos meus pais Luis A. Molena e Ivani Bueno Molena e a minha irmã Isabel Carolina Molena, pelo apoio e incentivo que dispensaram a mim, desde o meu ingresso na Universidade. À Professora Ms. Cristina das Graças Fassina Guedes, minha orientadora, a quem agradeço imensamente pela paciência, compreensão e orientação durante a construção deste trabalho, colocando seus conhecimentos ao meu dispor. À Universidade São Francisco, pela oportunidade concedida para a realização do curso de graduação em Administração e, em especial, a coordenadora do curso, professora Ms. Simone Cristina Spiandorello. A todos os demais professores do curso de Administração da Universidade, que ao longo desses quatro anos, contribuíram com seus conhecimentos para a minha formação profissional. À empresa Fiação Alpina, pelo fornecimento das informações necessárias durante a pesquisa de campo. À minha supervisora, Regina Jaqueline M. Machado, que dedicou grande parte de seu tempo para supervisionar minhas atividades dentro da empresa durante o período de estágio. Aos colaboradores entrevistados, que gentilmente me atenderam fornecendo os dados necessários e, em especial a equipe de compras, pela atenção e colaboração oferecida. Às minhas grandes colegas de turma: Andréia, Cristina, Márcia e Renata, com quem compartilhei momentos inesquecíveis. Enfim, a todos que, direta ou indiretamente contribuíram de alguma forma para a construção deste trabalho...muito obrigado!!!

5 iv MOLENA, Luis Orlando. A utilização da compra pró-ativa como vantagem competitiva para uma indústria do setor têxtil f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Curso de Administração da Universidade São Francisco, Itatiba. RESUMO A crescente competitividade global tem induzido muitas organizações a reestruturarem processos, tornando-os mais dinâmicos e enxutos, exigindo maior flexibilidade, melhor qualidade e menor custo. Com isso, a função compras passou a ser reconhecida como uma função estratégica para a obtenção de vantagens competitivas. A Alpina Têxtil é uma empresa nacional de capital fechado localizada em Morungaba/SP, que atua no mercado têxtil há mais de 30 anos na fabricação de fios, malhas e tecidos planos. O mau gerenciamento de sua função compras acarreta custos desnecessários com a manutenção de estoques elevados, bem como o recebimento de materiais fora das especificações e atrasos nas entregas. Diante disso, este trabalho teve como objetivo, identificar formas de promoção de melhoria no processo de compras da Alpina Têxtil. Para isso, levantou-se as informações necessárias sobre o funcionamento do processo de aquisição de materiais e a gestão de estoques, tendo como instrumentos de coleta direta, entrevistas com os envolvidos no processo e relatórios gerenciais. Por meio desses dados, constatou-se os principais problemas enfrentados e, após uma análise dos resultados da pesquisa, sugeriu-se algumas melhorias com a utilização da compra pró-ativa para a solução dos problemas diagnosticados, dentre as quais: realização do planejamento das aquisições, formação de parcerias com fornecedores e utilização de meios eletrônicos para agilizar a troca de informações. Assim, acreditase que uma função compras pró-ativa possa proporcionar vantagens competitivas para a empresa na medida em que reduz custos e tempo de aquisição dos produtos. Palavras-Chave: Função compras. Compra pró-ativa. Indústria têxtil.

6 v MOLENA, Luis Orlando. The use of proactive purchasing as a competitive advantage for a textile sector industry p. Completion of course work (Diploma in Management) - Administration Course at Universidade São Francisco, Itatiba. ABSTRACT The global competitiveness increasing has induced many organizations to restructure process, making them more dynamic and dried, requiring greater flexibility, better quality and lower cost. And so the purchase function is now recognized as a strategic function to obtain a competitive advantage. Alpina Têxtil is a closed capital national company located in Morungaba/SP, which serves on the textile market for over 30 years in the manufacture of yarn, knitting and fabrics plans. The poor management of its purchase function entails unnecessary costs to the maintenance of high inventories, receipt of materials out of specifications and delays in deliveries. Face it, the aim of this work was to identify ways of promoting improvements in the Alpina Têxtil purchasing process. To do this, it was necessary to get information about the operation of the materials acquiring process and the inventory management, with the direct collection instruments, interviews with those involved in the process and management reports. Using these datas, it appeared the main problems faced and after analyzing the search results, it was suggested some improvements with the use of the proactive purchase in solving the diagnosed problems, among them: completing the planning of purchases, formation of partnerships with suppliers and the use of electronic means to expedite the exchange of information. So, it is believed that a proactive function purchasing can provide competitive advantage for the company in that it reduces costs and time of products buying. Key words: Purchase function. Proactive purchase. Textile industry.

7 vi LISTA DE FIGURAS Figura 1 Envolvimento da função compras Figura 2 Modelo de desenvolvimento de quatro estágios da função compras Figura 3 Esquema do atual processo de compras da Alpina Têxtil Figura 4 Resumo do estoque do almoxarifado Figura 5 Benefícios da nota fiscal eletrônica... 43

8 vii LISTA DE QUADROS Quadro 1 Características das compras reativa e pró-ativa Quadro 2 Diferenças entre o comprador tradicional e o comprador moderno Quadro 3 Perfil do comprador Quadro 4 Matriz de sofisticação do comprador Quadro 5 Resumo da situação atual e oportunidades de melhoria para o processo de compras de materiais da Alpina Têxtil... 35

9 viii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AIDF Autorização de Impressão de Documentos Fiscais B2B Business to Business CIF Cost, Insurance and Freight EDI Eletronic Data Interchange (Intercâmbio Eletrônico de Dados) ENCAT Encontro Nacional de Coordenadores e Auditores Tributários FOB Free on Board JIT Just in Time MBA Master in Business Administration (Mestrado em Administração de Negócios) NF-e Nota Fiscal Eletrônica SERASA Serviços de Assessoria S/A TQM Total Quality Management (Gerenciamento pela Qualidade Total)

10 ix SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNÇÃO COMPRAS A função compras e sua evolução O processo de compras de materiais A visão tradicional do processo de compras A visão estratégica do processo de compras A compra estratégica O desenvolvimento do perfil e das qualificações do comprador METODOLOGIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS O processo de compras da empresa estudo de caso CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A Cronograma APÊNDICE B Roteiro de entrevista... 47

11 10 1 INTRODUÇÃO Desde o início do século passado, quando as práticas pioneiras de Henry Ford revolucionaram com vários processos industriais, a função compras e o relacionamento com os fornecedores vêm ganhando espaço nas indústrias de transformação. Historicamente, essa função foi considerada uma atividade de menor importância em muitas organizações. Seu status e influência eram relativamente baixos, em comparação com outras funções como finanças e produção. Entretanto, a atividade de compras vem passando por consideráveis mudanças nas últimas duas décadas, como resultados de fatores internos e externos que afetam o seu desenvolvimento. As razões para este desenvolvimento movem-se em torno de fatores como reconhecimento da importância estratégica das atividades de compras e de sua importância na redução dos custos organizacionais, principalmente pela integração na cadeia de suprimentos. Apresentada atualmente como fundamental para a vantagem competitiva das empresas, a gestão da função compras é uma ação geral que, uma vez adotada, possibilita a criação de novas formas de relacionamento com os fornecedores, bem como, maior integração entre os setores da organização e melhor desenvolvimento na gestão dos materiais. Portanto, é considerada uma função de apoio que abrange os departamentos de almoxarifados, manutenção e materiais. Estas novas formas de relacionamentos ou bem chamadas parcerias fazem com que a cadeia de suprimentos torne-se flexível e dinâmica, dando abertura a uma função mais estruturada e enxuta. Baseado nestes enunciados, o estudo mais aprofundado da função compras visa conhecer a evolução de suas responsabilidades estratégicas, dando ao leitor uma visão geral, tanto nas mudanças das responsabilidades de compras como da futura e atual importância para as empresas do setor têxtil. O objeto de estudo desta pesquisa é a Alpina Têxtil, uma empresa familiar de capital fechado, fundada em agosto de 1978, que atua em âmbito nacional no mercado têxtil há quase 30 anos e é administrada por um dos sócios-fundadores,

12 11 que tornou-se o único proprietário em 1986, com a saída gradativa dos demais sócios. O grupo consolida-se como um dos importantes conglomerados industriais do mercado têxtil brasileiro, marcado pela constante inovação e ampliação de seu parque industrial, contribuindo distintamente para a geração de riquezas e o crescimento social do país. A utilização de equipamentos de última geração aliada à aplicação de tecnologias de ponta atribui à sua linha de produtos, qualidade e diversidade que, somados a um atendimento personalizado, garantem a seus clientes amplas possibilidades de satisfação nas mais diversas necessidades de seu segmento de atuação. O grande marco na trajetória da empresa ocorreu em 1992, com a aquisição da Indústria de Tecidos Votorantim S/A (Votex), possibilitando a chance de agregar ao negócio setores nos quais ainda não atuava, além de poder utilizar a tinturaria e a estamparia para dar acabamento às malhas que já fabricava. A incorporação ampliou consideravelmente o perfil da Alpina, além de engrossar o contingente funcional com mais de 500 colaboradores. Porém, um trabalho profundo foi necessário para adequar a Votex aos padrões que já eram adotados pela Alpina. A reformulação abrangeu desde a modernização de máquinas e equipamentos, até mudanças na cultura funcional com o objetivo de preparar a empresa para atuar com a qualidade que sempre caracterizou os produtos comercializados pelo grupo Alpina. Oito anos mais tarde, surge de uma nova aquisição, a terceira unidade do grupo Alpina, desta vez, na região nordeste. O principal objetivo desta aquisição foi o de facilitar o escoamento da produção para o Nordeste, tendo também, como vantagem, a localização, que facilita a exportação para a Europa. Além da questão logística, obtiveram-se também, outras vantagens que influenciaram o investimento, a redução do custo de mão-de-obra e a oferta de incentivos fiscais. Com a nova unidade, a produção ampliou-se em pelo menos 30%. A empresa tem a produção verticalizada da fiação à confecção de malhas e tecidos e possui hoje, três unidades industriais, sendo duas localizadas na região sudeste e uma na região nordeste, tendo sua sede instalada no Estado de São Paulo. Cada unidade se encarrega de uma ou mais partes do processo produtivo,

13 12 que se constitui na fiação, malharia, tecelagem, tinturaria, estamparia e beneficiamento. O grupo como um todo produz, anualmente, cerca de 30 mil toneladas entre fios, malhas e tecidos, emprega mais de duas mil pessoas e fatura mais de 280 milhões de reais por ano. As pesquisas descritas neste trabalho foram realizadas na sede do grupo, localizada no município de Morungaba, interior do Estado de São Paulo, que possui hoje um contingente funcional de aproximadamente 800 colaboradores, respondendo por cerca de 40% da fabricação de fios de todo o grupo e que tem um faturamento médio mensal de aproximadamente 10 milhões de reais. Na produção de fios de poliéster, tem com o grupo M&G Fibras uma parceria de peso, consumindo mensalmente, cerca de 750 toneladas da fibra sintética. Além disso, o grupo Alpina também conta com a produção de fios de viscose, tendo firmada a parceira com o grupo Vicunha, que fornece mensalmente cerca de 500 toneladas da fibra. Além destas empresas, destacam-se também, como fornecedoras potenciais, as principais fabricantes de máquinas e equipamentos têxteis do mundo, dentre elas: Trützschler GmbH & Co. KG; Oerlikon Saurer Zweigniederlassung der Oerlikon Textile GmbH & Company KG; Muratec Machinery Ltd.; Marzoli, SpA; Savio Macchine Tessili, SpA; Spindelfabrik Süessen GmbH; Mayer do Brasil Máquinas Têxteis Ltda; Uster Technologies AG, dentre outras. Seus principais clientes estão localizados na região sul do país, em especial no Estado de Santa Catarina, onde há alta incidência de indústrias do setor têxtilconfecção. Dentre eles, pode-se destacar empresas como a Marisol, Karsten, Cia. Hering, Teka Küehnrich, Malwee e Pettenati; além de empresas com filiais nas regiões sudeste, como a Coteminas, Santista e Cermatex e nordeste, onde a Guararapes Têxtil se destaca como cliente potencial. Em relação aos principais concorrentes, destacam-se, em sua maioria, empresas do mesmo porte da Alpina Têxtil, dentre eles: Maliber Ind. e Com. Têxtil Ltda., que possui atualmente duas unidades fabris, sendo a de fiação e tecelagem instalada em Itatiba/SP e a de tinturaria e acabamento em Morungaba/SP, e Toyobo do Brasil (empresa brasileira com matriz em Osaka, Japão) cuja unidade de fiação e tecelagem está localizada em Americana/SP e a de beneficiamento e acabamento em Tatuí/SP.

14 13 Atualmente, o diretor-presidente do grupo Alpina é auxiliado na administração dos negócios por dois filhos e um genro. Todos atuam tendo como meta a consolidação dos negócios e a modernização da linha de produtos Alpina e Votex, sendo esta a única maneira de garantir competitividade num mercado marcado por grandes instabilidades, principalmente após a abertura para a entrada de produtos estrangeiros, dentre eles, os chineses e indianos. Este foi um fato que afetou em larga escala a produção nacional, uma vez que os produtos oriundos do continente asiático, geralmente são comercializados a preços muito abaixo dos convencionais, devido à baixa tributação e mão de obra barata agregados ao valor de seus produtos. A função compras da empresa está embasada no antigo modelo tradicional onde o processo de compras de materiais está focado no mero ato de comprar, resultando em atividades sem poder estratégico que consistem em encontrar um fornecedor que, simplesmente, esteja disposto a trocar bens ou serviços por determinada soma de dinheiro. Essa visão está baseada na idéia de que o ato de comprar diz respeito somente a trocas por meio da interação direta entre comprador e vendedor, onde o interesse básico do comprador é adquirir o volume máximo de recursos pelo menor custo. Contudo, essa constante busca pelos menores preços, tornou-se a principal atividade dos compradores que, por sua vez, deixam de se preocupar com a análise da real necessidade dos insumos, efetuando compras desnecessárias que, conseqüentemente, irão contribuir para a elevação dos estoques da empresa, gerando altos custos associados a estes, tais como: custos de seguros contra incêndio, custos de impostos sobre mercadorias guardadas em armazéns dentro dos limites estaduais; custos de armazenagens relacionadas à quantidade de estoque mantido, custos de riscos de manter estoques que incluem deterioração, obsolescência, dano e furto, dentre outros. Isso acarreta também um elevado índice de itens sem movimentação que, muitas vezes, têm seu prazo de validade vencido transformando-se em sucata e inibindo qualquer possibilidade de utilização. Outro problema relevante que necessita ser resolvido está associado à falta de conhecimento técnico da equipe de compras para a aquisição de materiais específicos, acarretando problemas de recebimento de peças e equipamentos fora das especificações e gerando custos com trocas desnecessárias. Este problema

15 14 também acontece com o pessoal responsável pelo recebimento de mercadorias, que muitas vezes, diante da falta de conhecimentos técnicos comprometem a correta vistoria dos materiais recebidos em relação ao que foi solicitado. Este trabalho tem por objetivo estudar e identificar formas de promoção de melhorias no setor de compras tendo como objeto de estudo esta indústria do setor têxtil. Dentre os objetivos intermediários que servirão de apoio para o alcance do objetivo geral, destacam-se: Identificar os problemas atuais no setor de compras da empresa estudo de caso; Analisar as conseqüências decorrentes das falhas no processo de aquisição de materiais; Propor as melhorias mensurando os recursos humanos e financeiros necessários para a solução dos problemas diagnosticados. A função compras exerce um papel relevante dentro das empresas do setor têxtil devido à sua dinâmica de produção. Diante disso, observa-se um elevado grau de importância em analisar as técnicas utilizadas para a aquisição de materiais e propor melhorias para o aprimoramento destas atividades. O cenário atual do mercado têxtil exige um novo perfil do profissional desta área, sendo portanto necessário, o desenvolvimento de habilidades e competências capazes de atender às expectativas impostas pelo mercado. Atualmente, as compras da empresa são efetuadas de forma desorganizada acarretando prejuízo, tal como a manutenção de estoques desnecessários. Além disso, há uma deficiência no setor devido à falta de conhecimentos técnicos dos materiais adquiridos que, por conseqüência, dificulta o andamento do processo de compras diante da falta de informações, além de validar a ocorrência de compras indevidas. Contudo, a empresa e os profissionais do setor de compras estão abertos à proposição de melhorias com possibilidades de implantação, visando à reformulação de seu perfil profissional por meio do contexto da função compras como função estratégica na organização, na qual este profissional deixa de ser reativo e passa a ser pró-ativo, ou seja, adquire importante função gerencial e atua de forma estratégica alinhando suas atividades ao objetivo global da organização.

16 15 2 FUNÇÃO COMPRAS O ato de comprar é visto pela organização bem sucedida de hoje como uma atividade de importância estratégica considerável. O fato do papel estratégico e da contribuição de compras serem bem reconhecidos em muitos negócios relevantes significa que as decisões estratégicas de compras podem ser tomadas em nível de diretoria, em vez de serem tomadas por um gerente departamental. O papel e a contribuição das compras têm crescido com bastante firmeza durante a segunda metade do século XX, sendo que o maior interesse pela atividade vem ocorrendo em anos recentes (BAILY et al., 2000). Há várias razões para essa mudança de importância e reconhecimento, que serão abordadas neste trabalho. 2.1 A função compras e sua evolução A função compras, segundo Martins & Campos Alt (2001), refere-se à aquisição dos materiais, componentes, produtos e suprimentos necessários ao bom funcionamento de uma empresa. Até a década de 1970, essa função era considerada uma atividade simplesmente burocrática e repetitiva. Era vista pelos demais setores das organizações como um órgão que tinha a única tarefa de comprar, guardar e distribuir os materiais solicitados, para o bom andamento dos serviços. O pessoal responsável por essa atividade não era valorizado, tendo em vista que exerciam apenas funções de rotina e, devido a isso, a qualificação para a função não exigia elevado grau de conhecimentos (MARTINS & CAMPOS ALT, 2001). Em contrapartida, como conseqüência da crise do petróleo na década de 70 quando o preço das matérias-primas passou a apresentar aumentos significativos enquanto sua oferta diminuía progressivamente os fatores quando, quanto e como comprar passaram a ser determinantes no que tange a continuidade das empresas no mercado competitivo (MARTINS & CAMPOS ALT, 2001).

17 16 Assim, as novas formas de gerenciamento da produção, com a introdução de conceitos como o Just In Time (JIT), Gerenciamento pela Qualidade Total (TQM), redução do ciclo de produção de novos produtos, dentre outras práticas que buscavam a redução de custos e a melhoria de qualidade para maior competitividade no cenário internacional, levaram a função Compras a também ter que adotar novas práticas de gerenciamento para o setor, emergindo então, como participante na construção de vantagens competitivas para o negócio. A partir daí, compras passou de uma função meramente burocrática para uma das mais importantes no contexto empresarial. Nos últimos anos, com a evolução da tecnologia, cresceu e continua crescendo a importância dessa atividade e, principalmente, a exigência da qualificação das pessoas que atuam nessa área. O significado dessa evolução está refletido no fato das organizações estarem começando a avaliar a performance de compras com muito mais precisão do que em anos atrás, chegando a atingir avaliações precisas e equiparáveis a trabalhos desenvolvidos em outras funções administrativas. Sabe-se que a área de compras não envolve somente um setor de transação comercial e que, de acordo com Martins & Campos Alt (2001), deve-se considerar o procurement (a qualidade de uma ótima especificação do item a ser adquirido), bem como prazos de entrega, custos, controle de estoques, condições de pagamento, armazenagem (layout, movimentação e conservação). Além disso, na época atual, de globalização, torna-se extremamente importante a parceria entre fornecedores e clientes, visando à estratégia de compras confiáveis em quantidade, qualidade, preço e prazo de entrega, ou seja, a implementação de uma cadeia de abastecimento, que reflete à organização melhorias em diversos aspectos, tais como: custo total oferecido; acuracidade de previsão; desempenho de entrega; economias de custo; administração de inventário; dentre outros. Há várias razões a serem consideradas no desenvolvimento das atividades de compras. Algumas delas foram sugeridas por Baily et al. (2000, p. 95,96): O crescente interesse das organizações por fornecedores externos que adotam práticas gerenciais mais eficazes;

18 17 A ênfase no negócio-núcleo (core business) que aumentou a terceirização dos serviços habitualmente executados por funcionários da própria organização; As idéias emergentes associadas à qualidade, responsabilidade e eliminação de desperdício que vêm focando a atenção na cadeia de suprimentos; O fato de que, pelo menos em parte, as organizações mais importantes parecem ser caracterizadas por ênfase estratégica nas compras, enquanto as outras estão procurando imitá-las; A confiabilidade e flexibilidade das organizações atuais e seus fornecedores para proporcionar o bom funcionamento da cadeia de suprimentos; O intercâmbio eletrônico de dados (Electronic Data Interchange EDI) que tem dado maior atenção à interface fornecedor-cliente; O poder da tecnologia de informação que tem possibilitado uma visão mais clara da contribuição proporcionada pelas compras. A função compras, como atualmente é denominada, tem responsabilidade preponderante nos resultados de uma empresa devido a sua ação de suprir a organização com os recursos materiais para seu perfeito desempenho e atender as necessidades de mercado. É nesse sentido que Pozo (2002), aponta que a área de compras não é um fim em si própria, mas uma atividade de apoio fundamental ao processo produtivo, suprindo-o com todas as necessidades de materiais. 2.2 O processo de compras de materiais O processo de compras tem a responsabilidade de suprir as necessidades de materiais, planejá-las quantitativamente e qualitativamente e ainda satisfazê-las no momento certo com a quantidade correta, além de verificar se o cliente recebeu efetivamente o que foi comprado (DIAS, 1993). Por isso, esse processo tem um papel fundamental dentro do gerenciamento da cadeia de suprimentos.

19 18 Segundo Baily et al. (2000), o processo de compras pode ser gerenciado de duas formas: reativa e pró-ativa. A seguir serão abordadas as principais características de cada uma dessas abordagens A visão tradicional do processo de compras O interesse básico do comprador nesse cenário é adquirir o volume máximo de recursos pelo menor custo. Baily et al. (2000), afirma que este modelo de estruturação do processo de compras de materiais já está ultrapassado e que é necessário agregar maior valor ao mesmo para torná-lo mais ágil e eficiente. De fato, esta estruturação apresenta algumas desvantagens que contribuem para a falta de credibilidade da área de compras, tais como (ARNOLD, 1999): a) Pressão por eficiência e redução de custos, mantendo o mesmo quadro de pessoal; b) Custos elevados e desperdício de recursos humanos no desenvolvimento de atividades repetitivas e burocráticas; c) Desgaste com colaboradores devido à elevada duração do ciclo de compra e a necessidade de realizar um acompanhamento exagerado do pedido para garantir que o material seja entregue no momento desejado; d) Comprometimento do planejamento estratégico, visto que os envolvidos com compras gastam todo o seu tempo realizando atividades operacionais A visão estratégica do processo de compras Um dos principais problemas enfrentados pelo processo de compras de materiais em muitas organizações tem sido o fracasso em desenvolver seu papel estratégico pró-ativo (PORTER, 1986). As decisões estratégicas do processo de compras de materiais devem ser definidas em sintonia com o conteúdo e direção das decisões estratégicas empresariais (PORTER, 1986). Este enfoque estratégico implica que os envolvidos com a área de compras devem concentrar grande parte de seus esforços em

20 19 atividades de negociação de relacionamentos a longo prazo, desenvolvimento de fornecedores e redução do custo total de pacotes de compra, ao invés de efetuar cada pedido de forma isolada e sem visão estratégica (PORTER, 1986). A compra pró-ativa possui grandes diferenças em relação à compra tradicional, principalmente no que se refere à atividades de longo prazo. Algumas destas diferenças entre as compras reativa e pró-ativa estão descritas no Quadro 1. Quadro 1 Características das compras reativa e pró-ativa Compra reativa (até os anos 80) Compra pró-ativa (depois dos anos 80) O processo de compras é um centro de custos Os envolvidos com compras recebem as especificações O usuário rejeita materiais defeituosos O processo de compras subordina-se à área de finanças ou de produção Os compradores respondem às condições do mercado Os problemas são de responsabilidade do fornecedor Preço é a variável chave Ênfase no hoje Sistema de informações independente de fornecedores As especificações são feitas por projetistas ou usuários Negociações tipo ganha-perde Muitos fornecedores = segurança Estoque excessivo = segurança Informação é sinônimo de poder O processo de compras pode adicionar valor (centro de lucro) O envolvidos com compras e os fornecedores contribuem para as especificações Os envolvidos com compras trabalham para evitar os materiais defeituosos O processo de compras tem importante função gerencial e atua de forma estratégica Os envolvidos com compras contribuem para o desenvolvimento dos fornecedores Os problemas são de responsabilidade compartilhada A relação custo x benefício é a variável chave Ênfase na estratégia de longo prazo Sistema de informações integrado aos sistemas de fornecedores Compradores e fornecedores contribuem para as especificações Negociações tipo ganha-ganha Muitos fornecedores = perda de oportunidades Excesso de estoque = desperdício A informação é valiosa e compartilhada Fonte: Baily et al., 2000, p. 20.

21 20 Para Dias (1993), com a implantação da compra pró-ativa o processo de compras de materiais passa a ter outros objetivos além de encontrar um fornecedor que esteja disposto a trocar bens ou serviços por determinada soma de dinheiro. Assim, o processo de compras de materiais fica focado nas atividades estratégicas, isto é, na realização do planejamento das aquisições e no relacionamento com os fornecedores. Com isto, a etapa operacional torna-se mais ágil que no modelo tradicional e vai de encontro com as necessidades do cliente final, isto é, entregar o material na quantidade certa, no momento certo e nas melhores condições de compra. Oxenfeldt apud Baily et al. (2000) ilustra as diferenças entre os profissionais de compras tradicional e moderno (estratégico), por meio de três categorias, conforme indicadas no Quadro 2. Quadro 2 Diferenças entre o comprador tradicional e o comprador moderno Área Comprador Tradicional Comprador Moderno ATITUDES (opiniões e crenças). COGNIÇÕES (conhecimento e suposições). VALORES (metas, temores, aspirações). Seu trabalho começa com a requisição; trabalha em um departamento de serviços à disposição da produção. Nenhum conhecimento financeiro, estatístico ou analítico. Assume que todos os livros publicados são para acadêmicos. Considera que seu trabalho é resolver problemas do departamento de produção. Preocupado com status. Considera seu trabalho como o ápice de suas ambições, mas espera um salário progressivo. Suas metas são: redução de custos aliada à resistência aos aumentos de preços e segurança de que a produção não sofrerá descontinuidade. Vê a função como geradora potencial de lucro: acredita que deve contribuir para os planos a longo prazo como parceiro em igualdade de condições. Possui MBA; forte base financeira e tecnológica; assume que a área de compras é vital para o bem-estar da empresa e que necessita de contribuição criativa para os planos e políticas corporativas. Aspira assumir uma diretoria; ansioso para eliminar as deficiências da administração de recursos humanos e proporcionar melhores condições de trabalho. Possui metas bem definidas para atingir objetivos, utilizando-se de melhor planejamento, criatividade e colaboração de outros executivos da empresa. Fonte: Oxenfeldt apud Baily et al. (2000, p. 427).

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação,

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, Comex Exportação A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, facilita a impressão dos principais documentos da exportação como fatura comercial, packing list,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque

ERP ERP MRP. Page 1. Visão Funcional. Visão de Materiais: Compras Estoque ERP Visão Funcional ERP Visão de Materiais: Compras Estoque MRP Parâmetros: Estoque de Segurança Lead time Fornecedor Lead time Compras Ponto de Reabastecimento Previsão de Consumo Previsão de Vendas Planejamento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais