VIAGEM RECENTE AOS ESTADOS UNIDOS ASPECTOS DE ERGONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIAGEM RECENTE AOS ESTADOS UNIDOS ASPECTOS DE ERGONOMIA"

Transcrição

1 1 VIAGEM RECENTE AOS ESTADOS UNIDOS ASPECTOS DE ERGONOMIA Hudson de Araújo Couto - Setembro de 2005 Em minha viagem recente aos Estados Unidos, em maio de 2005, ao lado dos aspectos gerais relacionados à Medicina do Trabalho e Meio Ambiente citados no Informativo anterior, fui buscar atualização em Ergonomia. As informações que passo a seguir são uma compilação dos dados obtidos no Congresso da ACOEM, na visita ao NIOSH e no estágio técnico no Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan, onde apresentei um seminário sobre o Índice TOR-TOM, que está em fase final de desenvolvimento. Visita ao NIOSH Um dos dias mais importantes da viagem recente aos Estados Unidos foi a visita ao NIOSH em Cincinatti, estado de Ohio (DART- Division of Applied Researches Technology). Lá fui recebido pelos Drs. Thomas Waters, Stephen Hudock (engenheiros) e Thomas Hales (médico do trabalho). Como era de se esperar, a pauta principal era uma discussão profunda do critério do NIOSH (equações do NIOSH) para o levantamento manual de cargas, considerando a revisão feita em O mentor da revisão foi o eng. Thomas Waters, na instituição há 17 anos. Profissional dotado de um alto nível de conhecimento técnico e com alta rapidez de raciocínio, ele apresentou respostas seguras às principais dúvidas que levamos. Em síntese, o critério do NIOSH é considerado atual, de boa confiabilidade e os pesquisadores não têm motivos atuais para mudá-lo. Um alerta importante: cuidado na interpretação do Índice de Levantamento, uma vez que há alguns fatores que, se não forem considerados, podem levar a uma interpretação equivocada.

2 2 Em detalhes O critério do NIOSH necessita ser revisto? Não, por enquanto está atendendo bem à grande maioria das situações. O critério do NIOSH realmente é confiável? Os estudos têm mostrado que ele é mais confiável do que inicialmente pensado. Pensou-se inicialmente que o LPR (limite de peso recomendado) representasse um valor seguro para se proteger 90% dos homens e 75% das mulheres, mas os estudos científicos recentes, tanto os epidemiológicos quando os psicofísicos (em que a pessoa define a sua capacidade) têm mostrado que, quando o critério do NIOSH apresenta um Índice de Levantamento abaixo de 1, mais de 90% das mulheres e praticamente todos os homens saudáveis conseguem fazer a atividade. Como classifica atualmente os limites do Índice de Levantamento de Cargas e o risco? Para o IL abaixo de 0,9 sem preocupação, seguro; 0,9 a 1,2 também considerar seguro, a menos que a força de trabalho seja predominantemente de pessoas do sexo feminino e de baixa capacidade de força física; de 1,2 a 2,0 tomar cuidado quanto às condições de trabalho; e acima de 2,0, direcionar forte atenção para com essas condições de trabalho. Mas os estudos epidemiológicos apresentados por você no congresso da ACOEM mostram uma redução na incidência de lesões e queixas em situações de IL acima de 3. Como explicar? Nesse caso, trata-se de situações de seleção natural ou planejada, ou seja, naquelas situações somente encontramos indivíduos fisicamente muito bem preparados. (É importante lembrar que, na essência, a definição do critério do NIOSH prevê que 25% dos homens conseguirá fazer o esforço em situações de IL maior que 1. Ainda não tem dados para dizer se aqueles indivíduos envolvidos em tarefas de alta exigência ficaram incapacitados depois de alguns anos nessas atividades). Como lidar com as situações de levantamento com uma das mãos? Aplica-se o critério proposto pela Clínica del Lavoro de Milão, de aplicar-se o multiplicador 0,6? O NIOSH não endossa esse parecer, embora reconheça que nesse tipo de situação a exigência é maior. Waters recomenda que seja feita uma ponderação quanto a consideração de risco, ou seja, se o cálculo do Índice de Levantamento tiver mostrado um determinado valor (sem risco, risco ou alto

3 3 risco), caso o levantamento de peso esteja sendo feito com uma das mãos, considerar um nível acima. Uma das críticas ao critério do NIOSH é que ele não incorpora o carregamento da carga. Não se deveria acrescentar este fator? O critério do NIOSH pode ser usado quando a pessoa dá até 2 passos carregando a carga, pois nesse caso não haverá interferência desse fator com a freqüência de levantamento. Quando o indivíduo tem que carregar a carga por distâncias maiores, na realidade deveria ser aplicada outra ferramenta de avaliação (metabolimetria), e não o critério do NIOSH. (Nesse ponto fazemos a seguinte consideração: há um grande número de situações de trabalho em que o trabalhador levanta e carrega cargas e o dispêndio energético está situado abaixo do limite de fadiga física, que é de 4,5 kcal/min; consideramos que uma futura revisão da equação do NIOSH deveria incorporar uma análise deste aspecto). Que outros fatores devem ser considerados para mudar de faixa na interpretação do critério do NIOSH? Ambientes muito úmidos, esforços feitos com arrancos nos movimentos, horas extras e a necessidade posterior de carregar a carga por distâncias maiores que 2 passos. O critério do NIOSH pode ser aplicado quando a pessoa trabalha sentada? Originalmente, o critério não foi pensado para essa situação, mas não há inconvenientes em usá-la, desde que se faça a mesma ponderação citada para levantamento com uma das mãos, isso quando ocorre nas situações limítrofes. Ou seja, se a aplicação do critério tiver mostrado um IL de 0,6 ou abaixo, é claro que o mesmo será válido; mas se o critério tiver mostrado Índice de Levantamento entre 0,8 a 0,9, ao invés de considerar esta situação como segura, considere como de risco, se a pessoa estiver trabalhando sentada. Quais são as evoluções previstas para o critério do NIOSH há duas evoluções: uma delas já colocada no livro editado pelo NIOSH (e que se encontra disponível por Internet no endereço é a que prevê a variação dos diversos fatores envolvidos ao longo da tarefa, como por exemplo, numa paletização; outra a que prevê a avaliação em que o indivíduo faz diversos tipos de atividades durante sua jornada; para essas situações, Occhipinti e Colombini, na Itália, estão desenvolvendo junto com Tom Waters o que é denominado SLI (Sequence Index Lifting), mas ainda não está publicado.

4 4 Esta ferramenta dará mais força ao critério do NIOSH, habilitando-o para um número maior de situações práticas. O critério do NIOSH é obrigatório nos Estados Unidos? É difícil definir, mas é considerado um guideline, não um requirement. Alguns podem argüir que sim, que é obrigatório, pois baseado no OSHA Act de 1970, artigo 5 (a) 1 (general duty clauses- ver transcrição dessa cláusula, ao final deste artigo), o empregador não pode expor o empregado a qualquer risco e, sabendo-se que existe um estudo claro mostrando que situações de IL alto são de alto risco, o empregador deveria estar obrigado. Mas é uma discussão que envolve advogados. Mas a OSHA ainda não o transformou em Standard. Um dos aspectos mais interessantes passados a este consultor pelo Eng. Thomas Waters foi uma visão geral de quando usar cada ferramenta na avaliação do risco para a coluna vertebral em atividades de levantamento de cargas e de exigência para a coluna vertebral. Em síntese, isso vai depender da circunstância, podendo ser usada a equação do NIOSH, modelos biomecânicos, metabolimetria ou um modelo baseado num equipamento de análise criado por William Marras, em Columbus, Ohio. Em detalhes: Quando a atividade envolver alta exigência, porém em baixa freqüência, a melhor ferramenta são os modelos biomecânicos (um dos modelos mais atuais é o 3DSSPP-Tridimentional Static Strenght Prediction Programdesenvolvido pela Universidade de Michigan, sob responsabilidade do Dr. Don Chaffin). É importante lembrar que essa ferramenta permite também a análise de atividades de exigência diferente, tais como puxar e empurrar, sempre lembrando a necessidade de se ter um dinamômetro para a avaliação da força realizada na tarefa. Quando a atividade envolver exigência constante de levantamento de cargas, em condições padronizadas, usar a equação do NIOSH. Quando a atividade envolver movimentação intensa de pacotes e cargas, como acontece nos depósitos e armazéns de distribuição, o melhor é usar a metabolimetria e a medida da freqüência cardíaca, para definição de tempo

5 5 de trabalho e tempo de repouso. (É importante lembrar que, nesses casos, mesmo com metabolismo razoável, pode haver lesão se houver movimentação de carga muito pesada). O modelo de William Marras é denominado LMM (Lumbar Motin Monitor) e prevê a instalação de um equipamento sofisticado, composto de 3 goniômetros capazes de medir a inclinação, a lateralização e a torção da coluna vertebral durante o esforço, bem como a velocidade dos movimentos. Com base em informações básicas da atividade passadas pelo pesquisador para o software (peso, distância horizontal, distância vertical no destino), o sistema analisa a exigência na tarefa e classifica o esforço em porcentagem de risco de lombalgia. Em detalhes: O equipamento é usado pelo trabalhador e o pesquisador pode ter acesso aos dados tanto diretamente (através de telemetria 10 metros de distância), quanto posteriormente, pois há um datalog coletor de dados - incorporado ao equipamento. Na tela do computador pode-se ver gráficos dos movimentos realizados, tanto de ângulo de flexão, quanto de velocidade de movimentos e aceleração dos movimentos. Com base numa lógica interna, o programa informa os seguintes resultados: freqüência de levantamento, velocidade média de torção, momento máximo, flexão sagital máxima e flexão lateral máxima. E, baseado em experiência do autor, o programa coloca um resultado final de probabilidade de risco de distúrbios da coluna vertebral, classificando a tarefa em alto risco, risco médio e baixo risco. Como em qualquer sistema ou modelo proposto, há críticas ao sistema de William Marras, de que seria pouco sensível à duração do esforço. O custo aproximado do equipamento e do sistema é de 33 mil dólares. Ao lado de tantas tecnologias elegantes, encontramos ainda no NIOSH um sistema bastante primitivo, de análise do esforço de membros superiores na tela do computador, analisando quadro a quadro o posicionamento dos diversos segmentos corpóreos e

6 6 anotando a angulação encontrada, dentro de parâmetros. Para se ter uma idéia, para analisar um ciclo de 1 minuto gasta-se cerca de 2 horas. Esse sistema foi usado pela Ergo nos anos de 1990 e foi abandonado por existirem atualmente técnicas bem mais modernas. Muito mais moderno é o que Thomas Waters e outros pesquisadores estão tentando implementar no laboratório do NIOSH: sensores em 16 pontos do corpo, junto com um sistema de data-collecting utilizado em Medicina Esportiva, em que um pesquisador, assistindo ao vídeo da tarefa, simula a realização da mesma em câmera-lenta, sendo que o programa capta toda a angulação. Pudemos assistir a um ensaio da mesma e é previsto que venha a se tornar uma metodologia de referência no futuro. Outros estudos de Ergonomia que estão sendo feitos no próprio laboratório do NIOSH: alternativas para a pipetagem em laboratórios, cabos de chaves de fenda e parafusadeiras e sua melhor adequação em termos de torque e menor esforço nesse caso, há uma metodologia elegante, baseada no uso de uma luva dotada de 18 sensores de força, que são pré-calibrados em dinamômetro de célula de carga, verificando-se o esforço que o indivíduo irá fazer em tarefa padronizada. Num dos últimos boletins do NIOSH (Workplace Solutions), é feita uma análise e uma série de recomendações quanto à prevenção de distúrbios e de lesões no levantamento e movimentação de pacientes. Em síntese, o NIOSH recomenda que seja adotada a sugestão do Veterans Health Administration, de 2005, que fundamenta a prevenção em 4 pontos principais: equipamentos próprios para a movimentação dos pacientes, avaliação técnica da tarefa de movimentação dos pacientes, dar treinamento adequado ao pessoal envolvido e avaliar a eficácia da solução. Em detalhes Entre os equipamentos de auxílio na movimentação de pacientes, destacam-se: (a) dispositivo para mover o paciente desde a posição sentada até de pé; (b) talha montada no teto; (c) dispositivo de deambulação; (d) girafa de movimentação do paciente; (e) dispositivo de redução da fricção na movimentação de pacientes entre o leito e a maca; (f) cinto dotado de alça colocado no paciente- facilita a movimentação do mesmo.

7 7 O informativo do NIOSH destaca que as soluções podem ser complexas e devem ser bem analisadas quanto à sua eficácia. O NIOSH recomenda o site onde podem ser obtidas informações preciosas, inclusive um algoritmo que orienta quanto às melhores condutas visando a movimentação segura do paciente. ACGIH propõe limites de tolerância para levantamento de cargas e mantém critério do HAL para limite de tolerância em atividades de membros superiores A American Conference of Governmental Industrial Hygienists (entidade privada) movimentou-se e criou um limite de tolerância para levantamento de cargas, que se encontra no livreto anual daquela instituição. Em detalhes: O critério da ACGIH é baseado em 3 tabelas, todas elas relacionadas à freqüência do esforço; a partir daí, a Tabela 1 especifica levantamento de cargas no nível dos ombros, conforme costuma acontecer na unitização de cargas em containers. A Tabela 2 fala das situações em que a carga é pega no nível da canela e é levantada até o nível do púbis, aproximadamente; e a Tabela 3 fala da elevação de cargas desde o nível do chão até o nível das canelas. Dois detalhes: a ACGIH aceita o levantamento de cargas desde o nível da canela até o nível aproximado do púbis de até 32 kg, desde que próximo do corpo; e não há uma tabela de levantamento de carga desde o nível do chão até o nível dos cotovelos, que seria muito útil; mas pode-se deduzir pelas outras tabelas que, nessa situação, a ACGIH recomenda um limite de 14 kg. O livreto com os limites de tolerância da ACGIH especificados para 2005 pode ser obtido naquela instituição (www.acgih.org) ou no Brasil na ABHO (Associação Brasileira dos Higienistas Ocupacionais (www.abho.org.br ). O critério da ACGIH para membros superiores, mantido desde a intenção de proposição em 1999, é baseado no HAL (Hand Activity Level, que poderia ser traduzido por nível

8 8 de atividade das mãos), que é comparado com o NPF (Pico de Força Ajustado). O pessoal do Center for Ergonomics (com Thomas Armstrong à frente) tem uma vasta experiência com o uso do HAL e o considera de grande valor na avaliação e definição objetiva do risco em atividades denominadas monotask (ou seja, em que o tipo de atividade é o mesmo, não havendo diversificação). Em detalhes Analisando a atividade em campo em video-tape, o HAL (nível de atividade das mãos) é classificado por dois analistas numa escala de 0 a 10, da seguinte forma: (0) mãos desocupadas a maior parte do tempo, sem esforço regular; (2) pausas longas bem nítidas ou movimentos lentos; (4) movimentos ou esforços lentos ou de pouca variabilidade; pequenas pausas ocorrem freqüentemente; (6) movimentos e esforços constantes- ocorrência infreqüente de pausas; (8) movimentos ou esforços rápidos e constantes- inexistência de pausas; (10) movimentos constantes e rápidos dificuldade de manter o ritmo ou exigência contínua. Este valor é cruzado com o valor do pico de força ajustado, que considera o valor atribuído pelos trabalhadores àquele esforço numa escala de 1 a 10 e compara o valor encontrado com a medida média de dinamometria manual daquela população ou de uma população de referência. Os números assim cruzados (HAL e NPF) são levados a uma escala, que mostra se a tarefa se encontra acima do TLV, entre o TLV e o Nível de Ação ou abaixo do nível de ação. Até o presente momento, esse limite de tolerância é referendado apenas para esforços de mãos e antebraços, não tendo sido ainda validado para ombros. Maiores detalhes podem ser obtidos no website do Prof. Thomas J.Armstrong, diretor do Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan. Ali também é possível ter algumas situações comuns de trabalho e fazer exercícios simulados de calcular o limite de tolerância. Ver site

9 9 O programa 3 D da Universidade de Michigan O Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan lançou em julho de 2005 a versão 5 do programa de avaliação de esforço estático em 3 dimensões (3DSSPP 3D Static Strenght Prediction Program), criado há cerca de 25 anos e que vem sendo atualizado de forma competente e ficando cada vez mais fácil de ser usado ao longo desses anos. Tivemos uma demonstração dos recursos da versão 5.0 e podemos dizer que a mesma contém muitas novidades que fazem diferença. Para maiores informações, consulte Em detalhes: A versão 5.0 do 3DSSPP incorpora pelo menos as seguintes melhorias, todas elas muito úteis: Recursos de tornar mais fácil a posição do humanóide que ilustra a tela, possibilitando assim que o analista do trabalho simule com mais facilidade o posicionamento do corpo do trabalhador ao realizar a tarefa; Posição sentada nesta versão, é possível utilizar o modelo para calcular o impacto de esforços de levantamento de carga feitos nesta posição; é também possível programar para que o software faça mudanças na postura da pelve, de acordo com tipos básicos de cadeiras e assentos; Em tarefas feitas em posições extremas, é possível ver a posição do centro de massa do corpo em relação aos limites do centro de equilíbrio; Os limites de tolerância estão representados agora em cores intuitivas: verde sem risco, amarelo atenção, e vermelho quando há risco; Permite avaliar a sobrecarga numa perna ou na outra, bem como permite que o analista coloque voluntariamente o peso numa só perna do modelo, simulando o que ocorre com freqüência no trabalho; Houve uma modificação nas tabelas de centro de massa dos diversos segmentos, mais compatível com as diferenças entre homens e mulheres; É possível entrar com dados antropométricos de uma população trabalhadora conhecida, nos limites de percentis 5, 50 e 95%;

10 10 É também possível mudar os dados de força, inclusive colocando algumas forças exercidas em algumas partes do corpo, por exemplo, quando carregando uma sacola com a resistência aplicada sobre um dos cotovelos; É também possível ir mudando os parâmetros de resistência e verificando, par-epasso, o impacto sobre os diversos segmentos corpóreos: Foi incluído o recurso de modificar o torque sobre a mão, em situação semelhante a que ocorre com o martelo, em que o peso não está distribuído eqüitativamente pelas mãos; Foi incluída uma tabela para interpretar fadiga de acordo com as escalas de Rommert, segundo as quais, quanto mais o indivíduo estiver usando seu torque máximo voluntário, mais facilmente ele terá fadiga; Enfim, uma grande mudança, para melhor, numa ferramenta muito útil na análise de esforços ocasionais.

11 11 Do Modelo Biomecânico Tridimensional ao Projeto Simulador de Esforços Humanos (HUMOSIM) Com o seu afastamento da direção do Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan, o Prof. Don Chaffin tem se dedicado à coordenação do desenvolvimento do HUMOSIM; na realidade é um projeto de parceria entre a Universidade e diversas empresas, incluindo a empresa norte-americana que desenvolve o software de projeto intitulado Jack. O projeto HUMOSIN está originando informações importantes para os parceiros desse consórcio e deve estar disponível para um licenciamento para qualquer empresa a partir de Parceiras no projeto como a Ford, Daimler Chrysler e outras já têm usado o HUMOSIM para planejar futuros postos de trabalho. Em detalhes: Atualmente já estão incorporados ao projeto HUMOSIM nada menos que 180 tipos de movimentos comumente feitos pelo trabalhador ao exercer sua atividade; o mais impressionante é que, enquanto o sistema mostra a atividade feita pelo trabalhador, ao mesmo tempo existe informação dinâmica sobre o grau de sobrecarga para cada uma das principais articulações, permitindo ao projetista de postos de trabalho congelar a imagem e estudar o impacto daquele movimento sobre o ser humano, com o objetivo final de se ter um trabalho seguro para o ser humano. Uma visão geral do HUMOSIM pode ser vista no site onde também estão disponíveis algumas simulações de esforços, verificando-se simultaneamente o impacto para as diversas articulações. Outros projetos atuais no Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan Os projetos daquele centro de excelência são muitos, mas tive minha atenção voltada para aqueles aspectos que mais demandam para a nossa realidade:

12 12 O esforço ao colocar mangueiras nos automóveis está sendo analisado atualmente num projeto patrocinado pela General Motors; trata-se de uma das tarefas críticas na indústria automobilística e o Centro de Ergonomia está terminando a montagem da metodologia de pesquisa, que prevê a utilização de uma espécie de luva com marcadores, que indicará o tipo de esforço que está sendo praticado pelo trabalhador, associado às células de carga, que registrarão a intensidade do esforço; ao lado disso, já foi feita uma pesquisa com os trabalhadores quantificando a visão dos mesmos quanto ao esforço praticado, numa escala de 0 a 10, comparando os resultados com os testes de eletromiografia de superfície feitos em campo (os pesquisadores também fizeram uma estimativa); o resultado parcial é que os trabalhadores estimam melhor o esforço que os pesquisadores; as mulheres avaliam melhor que os homens; quando não há visibilidade na montagem (montagem cega) o trabalhador avalia o esforço como pior; aqueles mais antigos na profissão também avaliam o nível de esforço como mais alto, mas eles são capazes de fazê-lo executando uma intensidade menor de esforço; está sendo feita agora uma estratificação para os diversos tipos de mangueira existentes no motor do automóvel. Outros aspectos relacionados à Ergonomia nos Estados Unidos Um dos aspectos mais freqüentes em nossa visão é a questão da obesidade e suas conseqüências para dificultar a condição física da pessoa em realizar um determinado trabalho. Esse aspecto, associado à questão do envelhecimento, se constitui em ponto fundamental da agenda de Ergonomia naquele país nos próximos anos, constituindo-se em tema de congresso científico. O assunto está também na pauta dos advogados das empresas seguradoras (workers compensation), que utilizam o dado para tentar isentar as empresas de pagamento de indenização, com o seguinte argumento: o problema está com os trabalhadores que fumam e estão excessivamente gordos, desta forma inaptos para o trabalho. A redução do peso da mala nas aeronaves também foi outro fato marcante; até recentemente, uma mala podia pesar até 70 pounds (32 kg). Atualmente esse valor foi reduzido para 50 pounds, o equivalente a 23 kg. O motivo alegado foi realmente a incidência de transtornos músculo-esqueléticos. Não ficamos sabendo de que forma essa medida foi adotada (se por pressão dos sindicatos ou por regulamentação da agência

13 13 federal OSHA), mas segundo o Prof. Chaffin, deve ter sido por acordo entre o sindicato e as empresas. O trabalho pesado ainda é um problema nos Estados Unidos Quando de minha primeira visita ao Centro de Ergonomia da Universidade de Michigan, o Dr. Chaffin informou que, pelos seus cálculos, 1 de cada 3 tipos de trabalho nos Estados Unidos era de alta demanda física; atualmente, segundo ele, é um de cada 4 tipos de trabalho, o que representa uma grande melhoria, ocorrida ao longo de 25 anos. OSHA ACT - Extrato

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho MANIPULAÇÃO MANUAL DE CARGAS (MMC) Fatores de Risco e Avaliação Ana Sofia Colim A Problemática da MMC Legislação Decreto-Lei 330/93 Métodos de Avaliação de

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Caroline PASSOS 1 ; Débora RODRIGUES 2 ; Rafaela LEITE 3 ; Wemerton EVANGELISTA 4. 1 Estudante de Engenharia de Produção.

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti.

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Luciana MENDONÇA 1 ; Marislaine COSTA 1 ; Poliane LOPES 1 ; Valdevan MORAIS 1 ; Wemerton LUIS 2. 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 281 7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores De acordo com os dados coletados na pesquisa de campo, por meio de entrevista, a idade dominante dos trabalhadores

Leia mais

CHECK-LIST DE AVALIAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS ERGONÔMICAS EM MEMBROS SUPERIORES

CHECK-LIST DE AVALIAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS ERGONÔMICAS EM MEMBROS SUPERIORES Mesa Redonda: FERRAMENTAS PARA AVALIAÇÃO ERGONÔMICA FERRAMENTAS PARA AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DA REPETITIVIDADE Hudson de Araújo Couto - MG Primeiro ponto a ser esclarecido: o que se quer? Avaliação da exigência

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Estrutura Atuador Bateria

Estrutura Atuador Bateria JACK 250 Kg Jack é um aparelho desenvolvido para facilitar a remoção e locomoção de pacientes. Com ele, tarefas como levar o paciente da cama para uma cadeira e ao banheiro podem ser feitas com muito mais

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso CENSO DE ERGONOMIA Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso Descrição Geral Trata-se de uma ferramenta formulada à base de questionário podendo ser auxiliada por entrevista, através

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Sobrecarga Térmica. Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE

Sobrecarga Térmica. Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE Rudolf M. Nielsen Eng. Industrial e de Seg. Trabalho Mestre Eng. Produção Ergonomia AIHA ACGIH - ABHO Fev 2014 2 3 4 5 6 7 8 9 Quadros 1 e 2: colocar o C nos níveis

Leia mais

Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados

Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados Hector Helmer PINHEIRO 1, Ricardo Resende CABRAL 1, Rafael da Silva SOUSA 1, Douglas Philippe A.

Leia mais

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas:

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas: Controlador de pontes rolantes Pontes rolantes: usadas para carregar e descarregar navios em portos Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos pegam containers com cabos flexíveis montados na cabeça da ponte

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA

ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO EDUARDO LACERDA HEBERT B. MAGNAVITA MICHEL SANTOS GASPARINI ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares Conheça a Minicadeira para Carro Tira de cinto de segurança para os ombros Tira de ajuste Guarde este manual de instruções para eventuais consultas. 2 Alça para carregar Botão de ajuste na alça Em todos

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

SolidWorks Sustainability

SolidWorks Sustainability SolidWorks Sustainability A solução para um projeto sustentável no desenvolvimento de produtos 1. Torne a sustentabilidade parte integrante do seu processo de projeto O SolidWorks Sustainability fornece

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

Análise ergonômica do trabalho em unidades de beneficiamento de tomates de mesa: movimentação manual de cargas

Análise ergonômica do trabalho em unidades de beneficiamento de tomates de mesa: movimentação manual de cargas Ciência Análise Rural, ergonômica Santa Maria, do trabalho v.39, n.4, em p.1083-1089, unidades de jul, beneficiamento 2009 de tomates de mesa: movimentação manual de cargas. ISSN 0103-8478 1083 Análise

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos)

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos) Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos) Março - 2014 Índice Título do documento 1. Objetivo... 5 2. Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 5 3. Introdução...

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X)

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X) IRISPen Air 7 Guia Rápido (Windows & Mac OS X) Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRISPen Air TM 7. Leia este guia antes de utilizar o scanner e o respectivo software.todas as informações

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde

ergonomia fatores humanos Ergonomia cognitiva Ergonomia organizacional Qual o papel da Ergonomia para a saúde A ergonomia (ou fatores humanos, como é conhecida nos Estados Unidos da América) é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema,

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido Página 1 de 10 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes formas: a) Equilíbrio estático - É aquele no qual o corpo está em

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR ERGONOMIA COMO PARTE DO NEGÓCIO E SEU GERENCIAMENTO NA REDUÇÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS ERGONOMIA TAYLOR PRODUÇÃO SÉRIE MECANIZAÇÃO AUTOMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

FINAL DE CURSO (A2B) ATÉ UM LMI. UM SISTEMA. UMA CHAMADA TELEFÔNICA

FINAL DE CURSO (A2B) ATÉ UM LMI. UM SISTEMA. UMA CHAMADA TELEFÔNICA O sistema Cranesmart é um investimento na tecnologia atual. Ele vai mudar a maneira de você pensar sobre a instalação de um sistema de segurança no seus guindastes. FINAL DE CURSO (A2B) ATÉ UM LMI. UM

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132Colégio Santa Catarina Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total Essential para vida Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total A excelência em mamografia digital de campo total (FFDM) é um processo de busca contínua para o aprimoramento da tecnologia

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA Primeiramente, para se registrar um risco em qualquer documento (não apenas no ASO) do SESMT, obviamente tem que existir tal Risco. Porém, para ser considerado um risco,

Leia mais

Cálculo ROI para Software de Monitoramento de Rede

Cálculo ROI para Software de Monitoramento de Rede Cálculo ROI para Software de Monitoramento de Rede White Paper Author: Thomas Timmermann, Senior Manager Technical Marketing Paessler AG Publicado em: Setembro de 2015 PÁGINA 1 DE 8 Conteúdo Introdução...

Leia mais

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS Sistemas de Order Fulfillment Real Time Solutions Atualmente, a operação de order fulfillment desempenha um papel primordial na cadeia de abastecimento

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

SOLO NETWORK (11) 4062-6971 (21) 4062-6971 (31) 4062-6971 (41) 4062-6971 (48) 4062-6971 (51) 4062-6971 (61) 4062-6971

SOLO NETWORK (11) 4062-6971 (21) 4062-6971 (31) 4062-6971 (41) 4062-6971 (48) 4062-6971 (51) 4062-6971 (61) 4062-6971 Índice Perguntas & Respostas do Programa Autodesk Subscription Clique para seguir o link 1. Visão Geral... 3 1.1 O que é o Programa Autodesk Subscription?... 3 1.2 A quem destina-se o Programa Autodesk

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360

Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360 Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360 Avaliado(a): Eric Ribeiro Direção e Sentido Coaching e Treinamentos 01/10/2013 Direção e Sentido 1 / 4 Direção e Sentido Coaching e Treinamentos Nome:

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

AÇÕES PREVENTIVAS DE ERGONOMIA EM BLOCO OPERATÓRIO. Alexandre Lemo. Analista de Qualidade, Segurança e Ergonomia. a.lemo@ig.com.br

AÇÕES PREVENTIVAS DE ERGONOMIA EM BLOCO OPERATÓRIO. Alexandre Lemo. Analista de Qualidade, Segurança e Ergonomia. a.lemo@ig.com.br AÇÕES PREVENTIVAS DE ERGONOMIA EM BLOCO OPERATÓRIO Alexandre Lemo Analista de Qualidade, Segurança e Ergonomia a.lemo@ig.com.br Quando se fala em Ergonomia, qual a primeira informação que vem à sua cabeça?

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais