National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) com.my/en/

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/"

Transcrição

1 National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

2 ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho físico mais aumenta o metabolismo; Quanto maior o número de músculos envolvidos na atividade física, maior será o dispêndio energético; Ex. Sentado, de pé, andando, subindo escadas Dedo, membro superior, todo o corpo Capacidades Intelectuais.

3 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SER HUMANO PARA O TRABALHO PESADO CAPACIDADE FÍSICA DO SER HUMANO PARA DESENVOLVER ATIVIDADES PESADAS EM GERAL É MUITO BAIXA Baixíssima potência; Baixíssimo rendimento (animal homeotérmico); Decai a capacidade de trabalho ao longo da jornada; Necessita se recuperar (quanto menos tempo de fadiga mais rápida a recuperação); Grande capacidade de diversidade de trabalhos, com pequena capacidade de grandes potências; Adapta-se bem ao sistema de picos de trabalho intenso, de curta duração, seguidos de pausas.

4 CAPACITAÇÃO AERÓBICA E ANAERÓBICA AO TRABALHO FÍSICO Esforços instituídos bruscamente: Metabolismo Anaeróbico Esforços precedidos de aquecimento: Metabolismo Aeróbico Atividades aeróbicas: Longo Tempo Atividades anaeróbicas: apenas por pouco tempo A capacidade aeróbica depende da herança genética da pessoa, do hábito de praticar atividade física e do grau de nutrição na infância ao longo da vida; O aumento da capacidade aeróbica de uma pessoa pode ser induzido por exercícios físicos regulares; A capacidade anaeróbica dotada geneticamente é também possível de ser aumentada.

5 ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO SISTEMA DE TRABALHO Pausas; Curtas e freqüentes Mecanização Auxiliar; Elevadores, carro transportadores, manipuladores, transportadores de correia, guindastes. Seleção de Pessoal; Mais capacitados aeróbicamente Adaptação ao Trabalho; Trabalho gradativo, mais energia nas primeiras vezes.

6 ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO SISTEMA DE TRABALHO Melhoria das Condições Climáticas; Sem sobrecarga térmica Desenvolvimento de Ferramentas ou Métodos que Reduzam o Dispêndio Energético; Rolar cargas Aquecimento ao Início da Jornada. Alongamento/aquecimento três benefícios: 1- Fornecimento de energia ao músculo 2- Aumenta a temperatura interna do músculo 3- Promove em certo tônus muscular e ligamentar ao início da jornada, prevenindo lesões musculares.

7 QUANTO DE PESO UMA PESSOA É CAPAZ DE LEVANTAR? CLT - CAPÍTULO V - SEÇÃO XIV - ARTIGO/98 Peso máximo que um empregado pode remover individualmente é de 60 kg. NR-17 ANTERIOR LEVANTAMENTO 40kg TRANSPORTE E DESCARGA 60kg DECRETO Nº /11/1970 Convenção nº 127 da OIT Organização Internacional do Trabalho TABELA Livreto MTE CARGAS PARA LEVANTAMENTO (em Kg) Adolescentes Adultos Jovens ATIVIDADE Aprendizes Homem Mulher Homem Mulher Raramente Frequentemente

8 NR Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador, cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde e sua segurança Todo trabalhador designado para o transporte manual regular de cargas, que não leves, deve receber treinamento ou instruções satisfatórias quanto aos métodos de trabalho Com vistas a limitar ou facilitar o transporte manual de cargas deverão ser usados meios técnicos apropriados Quando mulheres e trabalhadores jovens forem designados para o transporte manual de cargas, o peso máximo destas cargas deverá ser nitidamente inferior áquele admitido para os homens O transporte e a descarga de materiais feito por aparelhos mecânicos deverão ser executados de forma que o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível com sua capacidade de força.

9 QUANTO DE PESO UMA PESSOA É CAPAZ DE LEVANTAR? ARQUIMEDES: BOA ALAVANCA E UM BOM PONTO DE APOIO QUE EU LEVANTO O MUNDO SERÁ VERDADE?

10 NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH HEALTH - ( NIOSH ) Critério para Levantamento Manual de Cargas Revisão (Assimetria / Pega). Quatro Aspectos: Epidemiológico: Posições de manuseio; Psicofísico: Serviços monótonos não são aceitos; Biomecânico: Resistente a pressão no disco até 3400N; Fisiológico: Agachar e levantar consome mais energia do que curvar o tronco.

11 ESTABELECIMENTO DO LPR E DO IL LPR - LIMITE DE PESO RECOMENDADO IL - ÍNDICE DE LEVANTAMENTO < 1 - Chance de lesão mínima; entre 1 e 2 - Aumenta-se o risco; > 2 - Grande possibilidade de lesões no sistema musculoligamentar e coluna.

12 CRITÉRIO DE NIOSH H- Distância Horizontal Dc Vc Vc - Altura Vertical da Carga Dc - Distância Vertical Percorrida A - Ângulo de Rotação Lateral do Tronco H

13 CRITÉRIO DE NIOSH 23 Kg em condições ideais FÓRMULA: LPR = 23xFDHxFAVxFDVPxFFLxFRLTxFQPC

14 CRITÉRIO DE NIOSH FDH - FATOR DISTÂNCIA HORIZONTAL DO INDIVÍDUO À CARGA FÓRMULA: 25/H VALOR DO FDH DISTÂNCIA HORIZONTAL DO INDIVÍDUO À CARGA(cm)

15 CRITÉRIO DE NIOSH FAV - FATOR ALTURA VERTICAL DA CARGA FÓRMULA: 1- (0,0075 Vc/2,5-30 ) VALOR DO FAV ALTURA VERTICAL DA CARGA em cm (na origem ou no destino) (0) - representa uma carga pega no chão

16 CRITÉRIO DE NIOSH FDVP - FATOR DISTÂNCIA VERTICAL PERCORRIDA DESDE A ORIGEM ATÉ O DESTINO FÓRMULA: (0,82 + 4,5/Dc) VALOR DO FDVP DISTÂNCIA VERTICAL PERCORRIDA (cm)

17 CRITÉRIO DE NIOSH FRLT - FATOR DE ROTAÇÃO LATERAL DO TRONCO FÓRMULA: (1-0,0032A) VALOR DO FRLT ÂNGULO DE ASSIMETRIA (graus)

18 CRITÉRIO DE NIOSH FFL - FATOR FREQUÊNCIA DE LEVANTAMENTO > = 75 FATOR FREQUÊNCIA DE LEVANTAMENTO FREQUÊNCIA (Levantamento po minuto)

19 CRITÉRIO DE NIOSH FFL - FATOR FREQUÊNCIA DE LEVANTAMENTO < 75 FATOR FREQUÊNCIA DE LEVANTAMENTO FREQUÊNCIA (Levantamento po minuto)

20 COMO CALCULAR O FATOR FREQUÊNCIA DE LEVANTAMENTO ATÉ 8 h ATÉ 8 h ATÉ 2 h ATÉ 2 h ATÉ 1 h ATÉ 1 h Frequência de Levantamento (vezes/minuto) 0,2 0,85 0,85 0,95 0,95 1,00 1,00 0,5 0,81 0,81 0,92 0,92 0,97 0,97 1 0,75 0,75 0,88 0,88 0,94 0,94 2 0,65 0,65 0,84 0,84 0,91 0,91 3 0,55 0,55 0,79 0,79 0,88 0,88 4 0,45 0,45 0,72 0,72 0,84 0,84 5 0,35 0,35 0,60 0,60 0,80 0,80 6 0,27 0,27 0,50 0,50 0,75 0,75 7 0,22 0,22 0,42 0,42 0,70 0,70 8 0,18 0,18 0,35 0,35 0,60 0, ,15 0,30 0,30 0,52 0, ,13 0,26 0,26 0,45 0, ,23 0,41 0, ,21 0,37 0, , , , Vc < 75cm Vc ò 75cm Vc < 75cm Vc ò 75cm Vc < 75cm Vc ò 75cm

21 CRITÉRIO DE NIOSH FQPC - FATOR QUALIDADE DA PEGA DA CARGA (DUAS MÃOS) Características de uma alça ótima ou de um ponto de pega ótimo: Formato cilíndrico; Grau de Compressibilidade; Não derrapante; Diâmetro de 1,8cm a 3,7cm; Comprimento de: 11,0cm; Espaço para caber nas mãos: mínimo 5,0cm. Corte de pega numa caixa deve ter: Altura: mínimo 7,5cm; Comprimento de: 11,0cm; Forma semi-oval; Espaço para os dedos; Largura da caixa: mínimo 1,0cm.

22 FLUXOGRAMA PARA DEFINIÇÃO DA QUALIDADE DA PEGA (Segundo Herrin) P E G A V c < 7 5 c m V c > 7 5 c m B o a 1, 0 0 1, 0 0 R a z o á v e l 0, 9 5 1, 0 0 P o b r e 0, 9 0 0, 9 0

23 CRITÉRIO DE NIOSH O IMPACTO PARA AS EMPRESAS Certamente o critério do NIOSH dará um grande impacto nas empresas, porque na prática o que ele está recomendando é: Diminuam o peso que as pessoas têm que levantar! Mulheres desenvolvam o mesmo trabalho! Envelhecer sem ter que abandonar a profissão Incapazes após 45 anos Se aplica para temperatura normal e baixa temperatura. Frio mais difícil com tarefas repetitivas e stress, não peso. Baseado em pessoa de 1,75 com 73kg peso. Somente número absoluto. NIOSH não considera fator elevação com uma das mãos, neste caso, a equipe técnica da Clínica del Lavoro recomenda aplicar ao valor encontrado o multiplicador 0,6 (valor empírico)

24 CRITÉRIO DE NIOSH O critério de NIOSH não deverá ser utilizado caso ocorra alguma das seguintes situações: Pessoas obesas ou com estatura baixa Erguer/baixar em ambiente inadequado, isto é, com temperaturas acima dos limites entre 19 e 26 C e/ou umidade relativa fora dos limites de 35-60% Erguer/baixar utilizando apenas uma das mãos Erguer/baixar durante mais de 8 horas Erguer/baixar enquanto sentado ou ajoelhado Erguer /baixar objetos instáveis Erguer/baixar fazendo movimentos bruscos (velocidade) Erguer/baixar com carrinho de mão ou pá Erguer/baixar em um espaço restrito de trabalho

25 NIOSH EXERCÍCIO 1 Um trabalhador apanha sacos de parafusos num carrinho que está a 25cm do chão e coloca sobre uma esteira a 95cm, sua distância do material na origem é de 30cm. Para colocar o material sobre a esteira é necessário que ele faça uma rotação do tronco de 60 ; este trabalho é realizado apenas durante uma hora quando devem ser colocados na esteira 540 sacos que é a necessidade diária da produção. Dados: Pega razoável Peso do saco: 20 kg Qual o valor do LPR e do IL? Como melhorar esta situação sem reduzir a produtividade e sem risco para a coluna?

26 NIOSH EXERCÍCIO 1 A = 60 cm cm H = 30 cm

27 NIOSH EXERCÍCIO 2 Numa fábrica de biscoitos, a caixa cheia pesa 16kg, na embalagem estas são empilhadas em palete para depois serem transportadas para expedição. O empilhamento é realizado até o limite de 5 caixas. A altura da bancada onde são pegas as caixas é de 80cm, a distância do trabalhador à carga é de 25cm e o ângulo de rotação do tronco é de 0. As alturas do empilhamento são as seguintes: Base da 1ª caixa: 12cm Base da 2ª caixa: 47cm Base da 3ª caixa: 73cm Base da 4ª caixa: 100cm Base da 5ª caixa: 126cm Dados: Pega Pobre c Freqüência: 50 seg/ciclo p/ turno de 8 horas Qual o valor do LPR e do IL? Qual seria a recomendação preventiva para diminuirmos o risco de lesão para o trabalhador?

28 NIOSH EXERCÍCIO 2 80cm

29 CRITÉRIO DE NIOSH ANALISANDO OS SEIS FATORES ENVOLVIDOS NO CÁLCULO DO LPR, CONCLUIREMOS QUE: 1)- O de maior impacto é a freqüência, pois quanto maior, maior a fadiga; 2)- O segundo em importância é a distância horizontal, quanto maior a distância, maior o esforço; 3)- O terceiro é o angulo de rotação, movimentos lateralizados de coluna são críticos; 4)- O quarto é a distância vertical, é bom ressaltar que é mais crítico apanhar uma carga elevada do que ao nível do chão; 5)- O quinto fator é a distância vertical percorrida; 6)- O último fator é a qualidade da pega.

30 Contanto que a: QUANTO DE PESO UMA PESSOA É CAPAZ DE LEVANTAR? ARQUIMEDES HOJE FALARIA: Distância horizontal do indivíduo à carga seja próximo; Altura vertical da carga seja de 75cm; Distância vertical percorrida desde a origem até o destino seja no máximo de 25cm; A freqüência de levantamento seja uma a cada 5 minutos; Inexistência de rotação lateral do tronco; Qualidade da pega seja boa; Carga não seja elevada com apenas uma das mãos. POREM NENHUM HOMEM SÁBIO DEVERIA LEVANTAR MAIS QUE 23kg

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Caroline PASSOS 1 ; Débora RODRIGUES 2 ; Rafaela LEITE 3 ; Wemerton EVANGELISTA 4. 1 Estudante de Engenharia de Produção.

Leia mais

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti.

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Luciana MENDONÇA 1 ; Marislaine COSTA 1 ; Poliane LOPES 1 ; Valdevan MORAIS 1 ; Wemerton LUIS 2. 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados

Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados Uso do Critério de NIOSH para determinação do Limite de Peso Recomendado em uma empresa de Pré-moldados Hector Helmer PINHEIRO 1, Ricardo Resende CABRAL 1, Rafael da Silva SOUSA 1, Douglas Philippe A.

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS

EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS EQUAÇÃO DO NIOSH PARA LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS Introdução Desenvolvida em 1981 pelo National Institute for Occupational Safety and Health NIOSH; Objetivo: Criar uma ferramenta para poder identificar

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

METODOLOGIA PARA TAREFAS COM LEVANTAMENTO DE PESO- NIOSH 1991-

METODOLOGIA PARA TAREFAS COM LEVANTAMENTO DE PESO- NIOSH 1991- METODOLOGIA PARA TAREFAS COM LEVANTAMENTO DE PESO- NIOSH 1991- Prof. Maria Lucia L.Ribeiro 1 Situações hostis ao elemento humano Sabemos que o corpo humano é uma máquina perfeita e uma combinação de engenharia

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH João Antônio de Castro FERNANDES¹; Wemerton Luís EVANGELISTA² ¹ Aluno do curso de Engenharia de Produção do IFMG campus Bambuí

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

A aplicação do método de NIOSH na unidade de produtos lácteos do IFMG campus Bambuí

A aplicação do método de NIOSH na unidade de produtos lácteos do IFMG campus Bambuí V semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí V Jornada científica 19 a 24 de Novembro de 2012 A aplicação do método de NIOSH na unidade de produtos lácteos do IFMG campus Bambuí João Paulo PINTO¹;

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho MANIPULAÇÃO MANUAL DE CARGAS (MMC) Fatores de Risco e Avaliação Ana Sofia Colim A Problemática da MMC Legislação Decreto-Lei 330/93 Métodos de Avaliação de

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O PESO SUPORTADO PELOS TRABALHADORES NO TRANSPORTE MANUAL DE SACAS DE CIMENTO E O LIMITE RECOMENDADO PELO MÉTODO NIOSH

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O PESO SUPORTADO PELOS TRABALHADORES NO TRANSPORTE MANUAL DE SACAS DE CIMENTO E O LIMITE RECOMENDADO PELO MÉTODO NIOSH UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO ANDRÉ LUIZ BARP ROSSO SÉRGIO OKUMURA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O PESO SUPORTADO

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

ANÁLISE DE POSTURA E CARGA ATRAVÉS DOS MÉTODOS OWAS E NIOSH EM UMA FÁBRICA DE SORVETES NO SUL DO BRASIL

ANÁLISE DE POSTURA E CARGA ATRAVÉS DOS MÉTODOS OWAS E NIOSH EM UMA FÁBRICA DE SORVETES NO SUL DO BRASIL ANÁLISE DE POSTURA E CARGA ATRAVÉS DOS MÉTODOS OWAS E NIOSH EM UMA FÁBRICA DE SORVETES NO SUL DO BRASIL Mary Helen Ribeiro dos Santos (UTFPR ) mary_hrs@hotmail.com Guatacara dos Santos Junior (UTFPR )

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAREFA DE PALLETIZAÇÃO ATRAVÉS DA EQUAÇÃO DE DE LEVANTAMENTO REVISADA DO NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH - NIOSH

AVALIAÇÃO DA TAREFA DE PALLETIZAÇÃO ATRAVÉS DA EQUAÇÃO DE DE LEVANTAMENTO REVISADA DO NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH - NIOSH XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. AVALIAÇÃO DA TAREFA DE PALLETIZAÇÃO ATRAVÉS DA EQUAÇÃO DE DE LEVANTAMENTO REVISADA DO NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPATIONAL SAFETY AND HEALTH - NIOSH Eliana

Leia mais

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes

DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes DERIVA EM APLICAÇÕES AÉREAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS Perguntas mais freqüentes 1. O que é DERIVA? DERIVA é o deslocamento horizontal que sofrem as gotas desde o seu ponto de lançamento até atingirem o seu

Leia mais

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento

Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Lista de Exercícios de: Trabalho de uma força paralela ao deslocamento Quando aplicamos uma força sobre um corpo, provocando um deslocamento, estamos gastando energia, estamos realizando um trabalho. Ʈ

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* 1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1

!#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0*  1ê#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28#2)*9:;<=>?@* Lista de Exercícios Figura 1: Ex. 1 ! *!"#$%&'#()(%*+%(%&),*(-*./0* "#$%&'!(#!)$*#$+,&-,.!/'(#0,*#1!#!"-2$3-,4!5'3-,-4!670-3,(,4!8!")"5! )$*#$+,&-,!9-'1:(-3,!;!1&#"234#-'*%*.4,#2)56%'*(%*/#-7%28"#2)*9:;?@** < '! =>,(&-1#4%&#!

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

Disciplina: ERGONOMIA. 17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais.

Disciplina: ERGONOMIA. 17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais. NR17 ERGONOMIA. 17.2. Levantamento, Transporte e Descarga Individual de Materiais 17.3. Mobiliário dos Postos de Trabalho 17.4. Equipamentos dos Postos de Trabalho 17.5. Condições Ambientais de Trabalho

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR ERGONOMIA COMO PARTE DO NEGÓCIO E SEU GERENCIAMENTO NA REDUÇÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS ERGONOMIA TAYLOR PRODUÇÃO SÉRIE MECANIZAÇÃO AUTOMAÇÃO

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 RELATÓRIO TÉCNICO REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 EMPREGADOR: BRF SA ENDEREÇO: R. Carlos Spohr Filho, 2836 - LAJEADO - CEP 95900-000 CNPJ: 01.838.723/0047-00 CNAE: 1012-1/01

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL PAULO CÉSAR ROCHA TEIXEIRA ALEXANDRE FILHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL PAULO CÉSAR ROCHA TEIXEIRA ALEXANDRE FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL PAULO CÉSAR ROCHA TEIXEIRA ALEXANDRE FILHO ANÁLISE DE FATORES ERGONÔMICA NA CARGA E DESCARGA MANUAL

Leia mais

Manipuladores a vácuo eficazes, polivalentes e fáceis de usar

Manipuladores a vácuo eficazes, polivalentes e fáceis de usar Vaculex e Microlex Manipuladores a vácuo eficazes, polivalentes e fáceis de usar Os nossos manipuladores a vácuo foram concebidos para o levantamento de objetos entre 5 e 200 kg. Fáceis de instalar e manobrar,

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

O MANUSEIO DE CARGAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL E AS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR

O MANUSEIO DE CARGAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL E AS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR O MANUSEIO DE CARGAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL E AS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR Angela Regina Poletto (IFSC) angelapoletto@ifsc.edu.br Silvana da Rocha Silva (IFSC) silvanartc@hotmail.com Paula Karina

Leia mais

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho 45 Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho Parte A: Introdução Uma boa postura de trabalho é fundamental para prevenir lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Sobrecarga Térmica. Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE

Sobrecarga Térmica. Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE Revisão do Anexo 3 Consulta Pública MTE Rudolf M. Nielsen Eng. Industrial e de Seg. Trabalho Mestre Eng. Produção Ergonomia AIHA ACGIH - ABHO Fev 2014 2 3 4 5 6 7 8 9 Quadros 1 e 2: colocar o C nos níveis

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

A Utilização de Ferramentas Ergonômicas em Perícias Judiciais de DORT.

A Utilização de Ferramentas Ergonômicas em Perícias Judiciais de DORT. A Utilização de Ferramentas Ergonômicas em Perícias Judiciais de DORT. Carrara, P.R.; Abreu, M.J. Fisioterapia do Trabalho São Paulo Colégio Brasileiro de Estudos Sistêmicos CBES Resumo Na atualidade vivemos

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ANÁLISES ERGONÔMICAS DOS POSTOS DE TRABALHO ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS INTERNACIONAIS

DESCRIÇÃO DAS ANÁLISES ERGONÔMICAS DOS POSTOS DE TRABALHO ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS INTERNACIONAIS DESCRIÇÃO DAS ANÁLISES ERGONÔMICAS DOS POSTOS DE TRABALHO ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS INTERNACIONAIS A utilização de ferramenta técnica para a análise dos postos de trabalho torna a conclusão fiel à realidade,

Leia mais

Simulador de Caminhada

Simulador de Caminhada Simulador de Caminhada Como usar seu Simulador de Caminhada Instruções de montagem Retire seu Simulador de Caminhada Oceano Fitness da caixa. Procure instalar seu aparelho em local amplo, arejado e que

Leia mais

Segurança e saúde nos trabalhos em empresas de abate e processamento de carnes e derivados.

Segurança e saúde nos trabalhos em empresas de abate e processamento de carnes e derivados. Segurança e saúde nos trabalhos em empresas de abate e processamento de carnes e derivados. JUAREZ SABINO DA SILVA JUNIOR TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivo O objetivo destas especificações é estabelecer

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal.

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. ventilação Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. VENTILAÇÃO ventoinhas ~ de mesa VTR-40 M i 974010344 EAN-13: 8412788015664 Orea ~ Ionizador. ~ Grelha protectora pintada de 45 cm. de diâmetro.

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE ACADÊMICOS: ANDERSON GOMES EVERSON SCHWAB JOSÉ OSMAR GERSON NESTOR DE SOUZA Dados Históricos Data do século 17, utilizadas

Leia mais

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea PLANO DE CURSO MSOBRFDPTA08 PAG1 Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea Justificativa do Curso A plataforma aérea de trabalho se tornou um dos equipamentos mais comuns em obras e sites de trabalho

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Intervir na organização do trabalho.

Intervir na organização do trabalho. Intervir na organização do trabalho. "Sistema Ambiente" tem um módulo para examinar as condições mais precisamente ergonômico. O método permite a definição de parâmetros objetivos de medição de cada ponto

Leia mais

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO EQUILÍBIO DO COPO EXTENSO Questão - A barra a seguir é homogênea da seção constante e está apoiada nos pontos A e B. Sabendo-se que a reação no apoio A é A = 00KN, e que F = 0KN e F = 500KN, qual é o peso

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

P R O V A DE FÍSICA II

P R O V A DE FÍSICA II 1 P R O V A DE FÍSICA II QUESTÃO 16 A figura mostra uma barra rígida articulada no ponto O. A barra é homogênea e seu peso P está em seu ponto médio. Sobre cada uma de suas extremidades são aplicadas forças

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

BICICLETA HORIZONTAL MAGNÉTICA DELUXE

BICICLETA HORIZONTAL MAGNÉTICA DELUXE BICICLETA HORIZONTAL MAGNÉTICA DELUXE MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE! Por favor, leia todas as instruções cuidadosamente antes de usar este produto. Guarde este manual para referência futura. As especificações

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Introdução à Ergonomia

Introdução à Ergonomia Sumario 1 Introdução à Ergonomia 3 2 Conceito de Ergonomia 4 3 Qualidade de Vida 7 4 NR 17 8 5 Soluções ergonômicas 15 6 Equação de NIOSH 19 7 Transporte de cargas 23 8 Antropometria 31 9 Biomecânica 38

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 281 7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores De acordo com os dados coletados na pesquisa de campo, por meio de entrevista, a idade dominante dos trabalhadores

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer

Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer Questões do capítulo oito que nenhum aluno pode ficar sem fazer 1) A bola de 2,0 kg é arremessada de A com velocidade inicial de 10 m/s, subindo pelo plano inclinado. Determine a distância do ponto D até

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais