QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: OS FATORES QUE MELHORAM A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: OS FATORES QUE MELHORAM A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO"

Transcrição

1 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: OS FATORES QUE MELHORAM A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Aline Bortolozo - Centro Universitário Filadélfia UniFil Orientadora: Denise Dias de Santana - Centro Universitário Filadélfia UniFil RESUMO: Este artigo aborda a importância da qualidade de vida no trabalho e os fatores que melhoram a qualidade de vida dos funcionários. A qualidade de vida no trabalho são as ações que as organizações empresariais realizam com o objetivo de promover no ambiente de trabalho condições que melhorem o desenvolvimento de seus funcionários. Qualidade de vida no trabalho é fundamental, pois é uma forma de promover o bem-estar dos funcionários. Uma organização que pratica a qualidade de vida no trabalho terá funcionários satisfeitos, motivados, bem humorados e terá grande produtividade em suas atividades, já a ausência da qualidade de vida no trabalho conduz a uma insatisfação de seus funcionários, causando alto nível de estresse, o que pode se agravar em uma doença. A qualidade de vida dentro das organizações é necessária, pois os funcionários estarão bem eles mesmos e satisfeitos com a organização. PALAVRAS CHAVE: Qualidade de vida. Bem estar. Organizações. Funcionários. Para um melhor desenvolvimento das organizações, é preciso que os gestores preocupem-se com as condições de trabalho que oferecem aos seus funcionários, visando proporcionar fatores que contribuam positivamente nas condições e qualidade de vida dos trabalhadores. A qualidade de vida no trabalho é considerado um fator importante, pois, tem como objetivo fazer com que os funcionários se sintam satisfeitos e que o ambiente de trabalho gere bem-estar facilitando as atividades a serem realizadas. É importante que as organizações ofereçam qualidade de vida aos seus funcionários, pois estes muitas vezes passam a maior parte de seu tempo dentro dela. Para garantir a qualidade de vida no trabalho, a organização precisa preocupar-se não apenas com o ambiente físico da organização, mas também com os aspectos psicológicos e físicos de seus funcionários. Uma organização que se preocupa e tem ações voltadas à qualidade de vida de seus funcionários passará confiança aos mesmos, pois são organizações que se preocupam com o bem-estar, satisfação segurança, saúde e a motivação dos mesmos.

2 É importante que as organizações disponham para seus trabalhadores um ambiente de trabalho confortável e seguro onde possam realizar suas atividades. Para que o bem-estar seja gerado no ambiente de trabalho é importante que as organizações realizem atividades em que os funcionários possam interagir de forma descontraída, pois, uma organização com funcionários satisfeitos tende a ter maior produtividade. Ao oferecer qualidade de vida no trabalho, as organizações ajudarão os funcionários a minimizar o estresse, o cansaço físico e mental devido às cargas elevadas de trabalho. O sucesso de uma empresa não ocorre só pela qualidade de seus produtos isoladamente, pois para alcançar seus objetivos, são necessários indivíduos que trabalhem por um mesmo ideal. Tal sucesso será alcançado quando houver real preocupação e investimentos na qualidade de vida dos funcionários, para que assim tenham, pela organização, o mesmo respeito e dedicação que ela tem por eles e trabalhem todos com o mesmo objetivo, promover a ascensão da organização, a qualidade dos produtos e serviços, oportunizando também o crescimento profissional, social e pessoal a partir da realização de seu trabalho. Quando as organizações não dão à devida atenção à qualidade de vida de seus funcionários, elas tendem a passar por dificuldades, se deparam com funcionários desmotivados, pois estes não se sentem reconhecidos, o que pode levar a uma redução em sua produtividade. É preciso uma atenção às necessidades para que os funcionários possam realizar suas atividades no ambiente de trabalho. A teoria da motivação da hierarquia das necessidades de Abraham Maslow, relaciona as necessidades humanas num quadro hierárquico baseado numa hierarquia das necessidades humanas básicas. A teoria da motivação de Abraham Maslow é conhecida como uma hierarquia de cinco necessidades, que foram separadas de forma em que as necessidades atendidas são das mais básicas às mais complexas, onde a satisfação de uma necessidade é pré-requisito para outra. Abraham Maslow em sua pirâmide dividiu as necessidades em necessidades primárias, secundárias e de auto-realização que se encontra no topo de sua pirâmide. Gil (2001) explica que a teoria de Abraham Maslow é importante no ambiente de trabalho, pois as pessoas necessitam de atenção e respeito e não apenas de recompensas financeiras.

3 As organizações precisam investir cada vez mais em programas de qualidade de vida no trabalho, pois os funcionários possuem necessidades que precisam ser supridas. Investindo em programas de qualidade de vida os funcionários e as organizações serão beneficiados, os funcionários terão maior produtividade na realização de suas atividades e estarão satisfeitos com o trabalho e as empresas terão uma imagem positiva diante os funcionários e as demais organizações. REFERÊNCIAS BITENCOURT, Claudia. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Artmed, BOWDITCH, James L; BUONO, Anthony F. Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, FERNANDES, Eda. Qualidade de Vida no Trabalho: Como medir para melhor. 2. ed., Salvador: Casa da Qualidade, GIL, Antonio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. 13. ed., São Paulo: Saraiva, RODRIGUES, Marcos Vinicius Carvalho. Qualidade de Vida no Trabalho. 5. ed., Petrópolis - RJ: Vozes, 1994.

4 LIDERANÇA: O PERFIL DO LÍDER Andrey Bellezi Gumiero Centro Universitário Filadélfia UniFil Orientadora Denise Dias de Santana Centro Universitário Filadélfia UniFil RESUMO: O propósito do artigo é introduzir o líder no contexto geral, demonstrando sua relevância no processo de liderança abordando assuntos como os tipos de comportamentos dos líderes, a importância dos estilos de liderança em uma organização, a essência da liderança em sua totalidade, os diversos fatores que influenciam a liderança, a transformação de lideres enfatizando os resultados e o conceito de liderança em si. PALAVRAS-CHAVE: processo, líder, liderança, organização. A liderança é o processo de comando e direcionamento de outros indivíduos com o propósito de alcançar a máxima eficiência e eficácia nas metas e resultados. É um meio pelo qual o indivíduo exerce certa influência nos demais, envolvendo a cooperação dos colaboradores. O líder se destaca por ter uma séria responsabilidade, eficácia e obstinação nos objetivos a serem alcançados, e cabe ao próprio obter um conhecimento geral da organização em que trabalha, além de apresentar excentricidade e ousadia no intuito de solucionar problemas envolvendo uma totalidade de fatores e aspectos, como por exemplo: estímulos de iniciativa, tolerância, aceitação e habilidades para atuar e gerenciar o modo e comportamento das pessoas. Os comportamentos dos líderes são decisivos em um ambiente organizacional. Tais ações serão os fatores que irão determinar qual será o perfil do líder adequado em uma organização, além de ser um aspecto totalmente relevante por exercer grande influência nas atitudes de seus subordinados, devendo ao líder manter uma sólida postura e coerência diante de seus atos. Conforme Kouzes (1997, p. 32) Os líderes devem ser capazes de se colocar à nossa frente e exprimir de modo confiante uma imagem atraente do futuro e nós devemos ser capazes de acreditar na capacidade deles para nos conduzir até lá. Pode-se perceber que o espírito de liderança depende de pessoa para pessoa. O líder coerente com seus atos e que reflete positivamente na eficácia organizacional atribui valor à sua equipe, fazendo com que

5 seus colaboradores fiquem motivados com seus desempenhos, projetando algo confiante no futuro. Os tipos de comportamentos de um líder variam de indivíduo para indivíduo. Relacionam-se com suas raízes, momentos vividos, traços e características individuais, portanto, em uma organização os variados estilos de liderança refletem diretamente no sucesso da interação com a equipe e no ambiente organizacional a fim de manter a eficácia na organização. Dessa forma é de extrema importância conhecer os tipos de comportamentos dos líderes para saber os estilos e as qualidades intrínsecas e extrínsecas de cada líder e seu modo de agir na organização. Os fatores que influenciam a liderança são variados e diversificados, tornando uma maneira mais fácil de fazer uma breve análise da liderança que o indivíduo ocupa em uma organização. Se for trabalhado de modo favorável esses fatores, a liderança provavelmente obterá uma sólida fundamentação pela essência intelectual das organizações. Em linhas gerais, o que se pode levar como aprendizado é que a liderança em sua totalidade é uma maneira de se conduzir outras pessoas envolvendo aspectos de planejamento para elaboração de metas e objetivos a serem alcançados e também coerência para compreender outros indivíduos, cabendo ao líder grande responsabilidade por sua função. Desse modo, o papel do líder é imprescindível e essencial em determinadas condições a fim de facilitar e auxiliar na orientação e direcionamento do comportamento das pessoas para garantir resultados abundantes e produtivos nas atividades que iram ser exercidas. REFERÊNCIAS BERGAMINI, Cecília Whitaker. Liderança: administração do sentido. São Paulo: Atlas, GRIFFIN, Ricky W. Introdução à administração. São Paulo: Ática, KOUZES, James M. O desafio da liderança. 2. ed., Rio de Janeiro: Campus, 1997 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Teoria geral da administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2008.

6 ULRICH, Dave. Liderança orientada para resultados: como líderes constroem empresas e aumentam a lucratividade. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

7 O DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO NO VALE DO SÃO FRANCISCO Archimedes Mucke Fleury; Willian Trovo Neves; Débora Renostro; Deise Naomi; João Eduardo Hutul. Acadêmicos do Curso de Administração Gestão Empresarial. Centro Universitário Filadélfia UniFil Orientadora: Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti - Centro Universitário Filadélfia UniFil RESUMO: Este trabalho visa mostrar os aspectos históricos da região, sua posição geográfica, dados que revelam sua grandeza territorial e fluvial, considerando a importância do rio São Francisco, assim como, sua navegabilidade e as principais hidrelétricas oriundas deste que é conhecido como o maior rio genuinamente nacional. O trabalho tem também por objetivo, fazer-se conhecer as características econômicas da região, envoltas por políticas de financiamentos destinadas à produção e geração de empregos. Contudo, torna-se importante ressaltar que a irrigação o principal fator, que colaborou para o desenvolvimento do agronegócio na região, bem como suas conseqüências; e alguns dos desafios atuais encontrados no Vale do São Francisco, dentre eles, a alteração do clima em anos recentes e à polêmica transposição do rio São Francisco. PALAVRAS-CHAVE: Rio, Irrigação, Fruticultura, Economia. Cerca de um ano após a descoberta de Pedro Alvarez Cabral, o navegador Américo Vespúcio chegou à foz de um enorme rio que desaguava no mar. A data era 04 de outubro de 1501, dia de São Francisco, santo em cuja homenagem os navegadores europeus batizaram o rio. Duas décadas depois de seu descobrimento, em 1522, o primeiro donatário da capitania de Pernambuco, o português Duarte Coelho, funda a cidade de Penedo, em Alagoas. Com a autorização da coroa portuguesa, em 1543 começa a criação de gado na região, atividade econômica que marca a história do vale do São Francisco que chegou a ser chamado de Riodos-Currais. Estes foram os primeiros passos para o início da colonização. Sua posição geográfica compreende cinco estados brasileiros, com a nascente de seu rio na Serra da Canastra em Minas Gerais, cortando os estados da Bahia, Pernambuco, Sergipe, e sua foz desembocando no mar, no estado de Alagoas. O Vale do São Francisco como um todo, possui uma extensão territorial de km 2, sendo maior que as áreas dos países França e Portugal juntos com km 2. O rio

8 São Francisco é considerado o maior rio genuinamente nacional, nascendo e desembocando no próprio território brasileiro. Foi a partir desse gigante nacional que puderam ser criadas as principais hidrelétricas brasileiras, como Paulo Afonso e Sobradinho, cuja vazão é m 3 /d em épocas de chuva, com seu reservatório tido como o maior lago artificial do mundo com km 2, sendo 10 vezes maior que a Baía de Guanabara. A navegabilidade do rio São Francisco se dá nos trechos que compreendem desde Pirapora em Minas Gerais até Juazeiro no estado da Bahia e com transporte exclusivo de barcos pequenos e balsas. Em relação às características econômicas do Vale do São Francisco, é importante citar o desenvolvimento do agronegócio na região, e isso se tornou possível através de fatores determinantes de produção, sendo o principal deles a irrigação. A região, marcada pelo clima semi-árido, apresentava antes dos projetos de irrigação, culturas tradicionais de pouca lucratividade e muito vulneráveis devido ao clima muito quente de baixa umidade, pluviosidade e alta luminosidade. O aumento da produtividade se tornou possível graças à irrigação. A economia se concentra na produção de frutas, principalmente manga e uva. Com a produção em grande escala viabilizou-se o processo de exportação culminando assim em um crescimento econômico e social. A região do sub-médio do São Francisco tem grande destaque e liderada por Juazeiro e Petrolina, está se aproximando dos US$ 300 milhões em exportação de frutas. Outro setor econômico importante da região é a produção de vinho, representando 15% do mercado nacional, atrás apenas do Rio Grande do Sul, sendo que a atividade vinícola emprega direta e indiretamente aproximadamente 30 mil pessoas. Seis empresas estão instaladas no Vale e produzem cerca de sete milhões de litros de vinhos finos por ano em uma área de aproximadamente 700 ha. Em contra partida a esse crescimento, a ocorrência da crise econômica mundial em 2008 acabou impulsionando a queda nas exportações. Desta forma, o governo federal criou políticas de financiamentos de emergência, liberando capital de giro dos produtores do Vale do São Francisco, totalmente destinado a fruticultura da região. Além disso, também aumentou o prazo para o pagamento de dívidas vencidas. Através destas políticas pode-se garantir o nível de produção e empregos na região.

9 Atualmente, o Vale do São Francisco tem enfrentado alguns desafios, dentre eles a expansão da região de irrigação, sendo que a bacia do São Francisco pode irrigar três milhões de hectares. Contudo, apenas 300 mil hectares são irrigados e 63% da população sofrem com a falta de água. Outro grande desafio está relacionado com o aumento do potencial hidrelétrico. Atualmente o potencial hidrelétrico aproveitado da Bacia do São Francisco é de MW, contudo, sua capacidade total gira em torno de MW. A fim de solucionar essa questão, estima-se a construção de aproximadamente 42 novas usinas hidrelétricas. Mais um grande desafio a ser vencido, faz referência ao clima. Devido à secas em anos recentes, houve a redução de 9% na produção agropecuária, responsáveis por 4,5% do PIB. Esse fator acabou por culminar na instabilidade do local, sendo que 2/3 dos solos atualmente apresentam restrições para uso agrícola. Contudo, o maior e mais polêmico desafio ainda está relacionado com a Transposição do Rio São Francisco, projeto consolidado no imaginário das pessoas há bastante tempo, e que visa à construção de dois canais de 700 km de extensão, atingindo os estados da Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte, com o objetivo de abastecer 8 milhões de pessoas, 268 cidades e irrigar 300 mil hectares de terras. Trata-se de um projeto com proporções difíceis de engenharia e alocação de recursos financeiros, devido ao alto preço da obra, estimando-se um custo superior a três bilhões de reais, somente em obras de engenharia, que incluem estações de bombeamento, túneis, aquedutos e reservatórios. REFERÊNCIAS PAREJO, Luiz Carlos. Velho Chico integra Nordeste e Sudeste. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/geografia/ult1694u380.jhtm>. Acesso em 22 de maio de PEREIRA, Alvarino de Araújo. Utilização Múltipla das Águas do Rio São Francisco. Disponível em <http://www.fundaj.gov.br/docs/tropico/desat/pereira.html>. Acesso em 21 de maio de RIVERWALK, GUIDE. Navegação no Rio São Francisco. Disponível em: <http://kawa.soe.umich.edu/riverwalk/tours/0ff cd35ea289858be521ffb9/b1f4d9e80 efbb62e6a1debdab /view>. Acesso em 22 de maio de 2011.

10 SOBRADINHO BAHIA, Hidrelétrica de Sobradinho - Bahia. Disponível em: <http://www.sobradinho.siteonline.com.br/interna.jsp?lnk=42891>. Acesso em 21 de maio de VALE DO SÃO FRANCISCO, Disponível em: <http://www.valedosaofrancisco.com.br>. Acesso em 02 de julho de 2011.

11 ALIMENTAÇÃO FORA DO LAR E SUAS TENDÊNCIAS Bárbara Virginia Fegert - Aluna do 2 ano do Curso de Administração da UniFil - Centro Universitário Filadélfia Orientadora: Denise Dias de Santana - Professor Titular do Centro Universitário Filadélfia RESUMO: Podemos dizer que a busca do consumidor existe cada dia mais e a expectativa é de crescimento, já que nos últimos 5 anos o Mercado de Foodservice praticamente dobrou de tamanho, e diante disto, desta evolução contínua do setor, quais são os fatores que determinam a mudança de comportamento e hábitos na sociedade? Oque está na cabeça do consumidor, para os dias de hoje? Verificaremos as mudanças ocorridas nos últimos anos no segmento de restaurantes comerciais mostraram uma nova face deste ramo de negócios e seu ingresso na administração e resultam em princípios básicos. PALAVRAS-CHAVE: Alimentação. Custos. Clientes. Atendimento. Satisfação. Visto que hoje, temos uma tendência a buscarmos alimentos fora do nosso lar, temos alguns fatores que implicam algumas observâncias no setor, acompanhando as funções administrativas, vamos obter informações, sobre o crescimento do setor, sobre o marketing realizado pelas empresas atuantes no mercado de trabalho, sobre as novidades que bares e restaurantes estão fazendo para driblar os custos e agradar aos clientes cada vez mais exigentes e econômicos, verificando etapas de produção, atendimento ao cliente deste setor, para contribuirmos para uma sociedade mais satisfeita e um mercado, cada dia mais completo. Houve então, uma necessidade de rompimento de tradições e hábitos que eram mantidos de geração em geração, para se tornarem empresas de um mercado competitivo, atraente e qualificados para melhor atender os clientes.e a etapa seguinte foi a dificuldade em padronizar serviços, controle de qualidade, etc. Atualmente os produtos são manipulados e transformados com técnicas modernas e valorizam os mesmos. O setor continua em mudanças que são ditadas pelo próprio mercado e influencias externas. A etapa de gerenciamento talvez seje uma das mais preocupantes pela falta de profissionais capacitados, forçando então em treinamento para a formação de recurso humano aumentando assim o custo da empresa.

12 O que rege suas escolhas ao optar por um restaurante ou outro? Sabor e aparência da comida? Higiene do local? Marca? Preço? Enfim, compondo um ambiente ideal para o consumidor vamos entender que vários itens compõem a decisão do consumidor, vamos perceber também qual o marketing que o atraiu e que em geral é um mix de produtos e serviços que determinam a compra, o consumo. Em meio à necessidade e o lazer do consumidor a questão é: Como administrar um restaurante? A administração visa obter a melhor produtividade e a eficácia para alcançar objetivos, dando ênfase para os recursos humanos e para o grau de satisfação dos clientes. E fazer o que já é entendido das empresas, voltando os olhos para a concorrência e deixando para o passado, métodos já superados e obtendo os resultados pela tomada de decisão diante das propostas impostas pelo mercado de trabalho, suas ofertas e suas necessidades. Sempre com o objetivo de satisfação máxima dos clientes, sabendo que dependemos de recurso humano, que toda empresa deste ramo de atividade depende do sorriso da atendente, do carisma do garçom, da capacidade do gerente de prevenir as falhas de sua equipe para não alterar o sabor final: a satisfação dos clientes. REFERÊNCIAS GÓES, Luis. Mercado de Foodservice. Revista Bares e Restaurantes, pág. 17 a 22, nov/dez, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 25 de janeiro de KINTON, Ronald; CESERANI, Victor; FOSKETT, David. Enciclopédia de serviços de alimentação. São Paulo: Varela, LOBO, Alexandre. Manual de estrutura e organização do restaurante comercial. São Paulo: Atheneu, MAGNO, Alexandre. Febre dos sites de descontos atrai empresários do setor, Revista Bares e Restaurantes, pág. 35 e 36, nov/dez, 2010

13 MEZOMO, Iracema Fernandes de Barros. O serviço de nutrição: administração e organização. São Paulo: [s.n.], PERES, Gisele. Almoço a seu favor, Revista Você SA., pág. 77, jan, VAZ, Célia Silvério. Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: LGE, 2006.

14 CONFLITOS ORGANIZACIONAIS: COMO OS PADRÕES COMPORTAMENTAIS INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES Beatriz Santos Pereira Centro Universitário Filadélfia UniFil Orientadora Denise Dias de Santana Centro Universitário Filadélfia - UniFil RESUMO: A organização é um conjunto de atividades, pessoas e recursos, que visam alcançar um objetivo que levará ao seu desenvolvimento. Os principais parceiros das empresas são seus funcionários, pois são vistos como ativadores inteligentes de recursos organizacionais, e são eles que irão utilizar de recursos para levar o sucesso organizacional. Por isso é essencial que as empresas visem sempre a motivação desse funcionário, porque ela irá influenciar nas suas atitudes, além de fazer com que ele produza em seu maior potencial. Aquele funcionário que é desmotivado, não aceitará os padrões da empresa, e isso poderá gerar não somente um conflito interno, mas principalmente conflitos intergrupais, onde ele irá discordar das opiniões dos demais colegas, podendo retardar o desenvolvimento da empresa e fazendo com que seu sucesso fique cada vez mais distante. PALAVRAS CHAVE: Conflito, Organização, Motivação, Funcionário. Segundo Robbins (1990), a organização é uma entidade social conscientemente coordenada, com uma fronteira relativamente identificável, que funciona numa base relativamente contínua para alcançar um objetivo ou objetivos comuns. Uma organização é formada por pessoas, e para que ela mude, as pessoas também têm de mudar. Como o ser humano é único, a forma como seus pensamentos e ações refletem no contexto organizacional poderá influenciar diretamente no desenvolvimento da empresa. Para Maximiano (1992) uma organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio de uma organização torna-se possível perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis para uma pessoa. Como a organização é a soma das pessoas, máquinas e outros equipamentos é essencial que as pessoas que trabalham na mesma se sintam motivadas, incentivadas a trabalhar de acordo com as normas da empresa e com os demais funcionários, ajudando a buscar o sucesso organizacional. Segundo o Dicionário Houaiss, conflito significa: 1 ato, estado ou efeito de

15 divergirem muito ou de se operem duas ou mais coisas; 2 choque, enfrentamento; 3 discussão acalorada, desavença. Isso pode ser aplicado não somente nas relações pessoais, como também nas organizacionais. Os conflitos organizacionais são inevitáveis, vista que uma organização é formada por pessoas com diferentes comportamentos e valores. Cada organização possui uma cultura que abrange seus valores, crenças, competências, metas pessoais, e quando os funcionários contratados não se enquadram dentro desses valores, a tendências é a gerar o conflito. As pessoas variam no modo como reagem aos mesmos aspectos de seus trabalhos. A organização influencia nas atitudes e na formação da atitude dos indivíduos, por isso muitas vezes um funcionário desmotivado não produz em seu maior potencial, e com isso acaba atrasando o desenvolvimento da empresa. É essencial questionar qual a grande importância da motivação do funcionário dentro da empresa, e para isso analisa-se três tipos de conflitos mais presentes nas organizações, que são interpessoais, intergrupais e interorganizacionais, de como a interpessoalidade faz com que as pessoas compartilhem suas experiências e também como o desenvolvimento de grupos traz grandes conflitos quando estilos individuais se debatem, da administração desses conflitos e quais as suas conseqüências. Com isso a qualidade de vida no trabalho se torna de extrema relevância, assim como o desenvolvimento organizacional exige uma atenção planejada e sistemática da competência, de uma melhoria da eficácia e do funcionamento geral da organização, chegando ao principal objetivo que é tornar a organização um excelente lugar para se trabalhar. O papel do gerente de uma organização é buscar criar um bom lugar local de trabalho, o qual os funcionários interagem entre si e assim buscam cada vez mais o desempenho individual e intergrupal. Porém, quando os conflitos vierem a acontecer, é essencial agir de maneira racional, buscando a intervenção do mesmo. REFERÊNCIAS ARAÚJO, João Vieira de. Negociação e Administração de Conflitos. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

16 BOWDITCH, James L.; BUONO, Anthony F. Elementos do Comportamento Organizacional. São Paulo: Pioneira, CARVALHAL, Eugenio do.; NETO, Antônio André.; ANDRADE, Gersem Martins de.; FOWLER, Alan. Resolvendo Conflitos. São Paulo: Nobel, HOUAISS, Instituto Antônio. Houaiss: Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, LEVERING, Roberto. Um Excelente Lugar para se Trabalhar. Rio de Janeiro: Qualitymark, MOREIRA, Elen Gongora. Clima Organizacional. Curitiba: IESDE Brasil, 2008.

17 VANTAGENS E DESVANTAGENS DO SISTEMA FRANCHISING PARA O FRANQUEADO Carla Juliane Albornoz - Centro Universitário Filadélfia - UniFil Orientadora: Mirian Cristina Maretti - Centro Universitário Filadélfia - UniFil RESUMO: O presente trabalho tem o objetivo de apresentar as vantagens e desvantagens do sistema de franquias. Um sistema de distribuição de produtos e serviços onde o franqueador (franchisor) outorga o direito ao franqueado (franchisee) de trabalhar com a marca. As franquias são uma forma de distribuição de produtos e serviços de alimentação que mais cresceu nos últimos cinquenta anos. A procura por este segmento torna-se cada vez maior, pois ser um franqueado torna viável a oportunidade de abrir um negócio próprio com menos riscos do que iniciar um empreendimento da estaca zero. PALAVRAS-CHAVE: Franqueado, Franchising, Vantagem, Desvantagem. Sem dúvida alguma o franqueado terá maior chance de sucesso utilizando-se do sistema franchising do que lançando-se por conta própria em um negócio independente. A razão é simples, enquanto o franqueador já possuiu uma rede própria de distribuição e uma marca fortalecida perante o mercado, o empreendedor independente terá que construir o seu negócio do zero (Leite, 1991). De acordo com Pampolha (1999) o sistema apresenta-se como alternativa de consolidação do novo empresário, em parte atribuída a estrutura administrativa, mercadológica, financeira, contábil e jurídica previamente elaborada e testada pelo franqueador e à capacidade que o sistema tem de proporcionar estabilidade as micros, pequenas e médias empresas, que num contexto natural e independente, revelaria um índice de mortalidade altíssimo no seu primeiro ano de vida. Leite (1991) afirma que geralmente os custos de instalação de um negócio independente fogem à previsão, causando vários problemas de fluxo de caixa ao empreendedor. O que não ocorre no caso de uma franquia formatada. O franqueado saberá todos os custos desde a concepção até a instalação total da sua unidade. O franqueador irá calcular e informar o custo a ser rateado com outros franqueados ao fornecer o projeto arquitetônico e as plantas de engenharia de construção, executar a fiscalização da obra, enfim,

18 dar todo o apoio necessário à construção e instalação da nova unidade, tomando sempre por base os custos da unidade piloto. De acordo com o mesmo autor, o retorno do investimento em unidade franqueada é obtido mais rapidamente que o comerciante independente, uma vez que as compras são feitas em escalas reduzindo os custos e consequentemente os prazos para se atingir o ponto de equilíbrio e iniciar a fase de obtenção dos lucros líquidos. Garcia (2007) analisa as vantagens e desvantagens para o franqueador, conforme quadro abaixo. Vantagens e Desvantagens do Sistema Franchising para o Franqueado FONTE: Garcia, (2007). O franqueado que se associar a um sistema de franquia segundo Leite (1991), será independente jurídica e financeiramente em relação ao franqueador. O vínculo existirá somente em relação ao nome fantasia, não tendo dependência em sua razão social. Financeiramente não existe vínculo pelo contrato de franquia e todas e quaisquer operações financeiras são de responsabilidade individual, sendo duas pessoas jurídicas distintas. Pampolha (1999) evidencia as desvantagens para o franqueado, primeiramente a pouca liberdade por parte do franqueado. Quanto mais eficiente for o sistema, mais assessorias concederá às empresas franqueadas. As empresas franqueadoras controlam de

19 forma indireta através das assessorias, causando uma falta de liberdade constante, que por sua vez, implicará uma baixa capacidade de decisão. De acordo com o mesmo autor o franqueador ainda fica restrito a uma única marca. A empresa franqueada será canal exclusivo de escoamento da franqueadora, trabalhando exclusivamente para promover a marca. O franqueador fica ainda impedido de diversificar produtos ou substitui-los por produtos similares ou de outra marca, ainda que seja para atender a demanda do mercado que o franqueador não esteja conseguindo suprir. Várias taxas incidem sobre o franqueado de acordo com Leite (1991), e eventualmente tornam inviável o negócio se não forem compatíveis com o mercado. Os cálculos de rentabilidade e de viabilidade econômico financeira terão de ser compatibilizados para permitir operacionalizar a franquia. Pode ocorrer ainda segundo o mesmo autor a seleção ineficiente onde o franqueado escolhe uma marca de forma errônea. Se a empresa franqueadora não possuir um sistema de franquia formatada, o franqueado pode sofrer diversos riscos operacionais no futuro de seu negócio. O processo de compra de uma franquia deve passar por rigorosa seleção de empresas que estejam aptas a vender um bom sistema acompanhado de uma marca reconhecida. Uma vez firmado o contrato com o franqueador, muitas das condições contratuais podem vir a ser descumpridas, de acordo com Leite (1991). Em alguns casos os produtos podem perder a qualidade inicial, os fornecimentos se atrasarem, os estoques excessivos serão repassados para o ponto de venda, acarretando diminuição da rentabilidade, pode acontecer ainda da inovação de linha de produtos não acontecer no ritmo desejado. Enfim, quando as expectativas contratuais não forem atendidas, por causa da gestão ineficiente do franqueador, ambas as partes devem buscar soluções inteligentes e passageiras até que a fase de dificuldades seja ultrapassada. REFERÊNCIAS GARCIA, Jaqueline. Como adquirir uma franquia. Rio de Janeiro: Sebrae/RJ, LEITE, Roberto Cintra. Franchising na criação de novos negócios. 2. ed., São Paulo: Atlas, 1991.

20 PAMPOLHA, Cláudia. A Engenharia do Franchising. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

P R O P O S T A D E FRANQUIA

P R O P O S T A D E FRANQUIA P R O P O S T A D E FRANQUIA Conheça a Depil Out Com base na franca expansão do setor de prestação de serviços e acreditando nas perspectivas cada vez mais promissoras; após estudo minucioso de como seria

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

GERAÇÃO DE RENDA ATRAVÉS DE PRODUTOS ARTESANAIS

GERAÇÃO DE RENDA ATRAVÉS DE PRODUTOS ARTESANAIS GERAÇÃO DE RENDA ATRAVÉS DE PRODUTOS ARTESANAIS Franciele Hoffmann, Fernanda Cristina Sanches, Lidiane da Silva Fernandes, e-mail: fer.c.sanches@hotmail.com Projeto de Extensão Tecnológica Empresarial

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais