FGV - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS SOCIESC SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA CURSO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS TURMA VII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FGV - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS SOCIESC SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA CURSO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS TURMA VII"

Transcrição

1 FGV - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS SOCIESC SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA CURSO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS TURMA VII FÁBRICA DE SALGADOS ANGELONI ALUNOS: ADRIANA LAS CASAS ZERMIANI ALESSANDRA PINHEIRO ARTHUR VIEIRA DE MELLO BATISTA FERNANDO VIEIRA DE MELLO BATISTA LAISE GARCIA DE OLIVEIRA MARIANA MARTIGNAGO VANDRESEN PEDRO PRIMO BRISTOT Professor Orientador: JOSÉ ÂNGELO SANTOS DO VALLE, D. Sc. FLORIANÓPOLIS, Dezembro de

2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJETO: FÁBRICA DE SALGADOS ANGELONI Alunos Adriana Las Casas Zermiani Alessandra Pinheiro Arthur Vieira de Mello Batista Fernando Vieira de Mello Batista Laise Garcia de Oliveira Mariana Martignago Vandresen Pedro Primo Bristot MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS - TURMA GP VII Professor Orientador: JOSÉ ÂNGELO SANTOS DO VALLE, D. Sc. FLORIANÓPOLIS, DEZEMBRO DE 2010

3 TERMO DE COMPROMISSO O(s) aluno(s) Adriana Las Casas Zermiani, Alessandra Pinheiro, Arthur Vieira de Mello Batista, Fernando Vieira de Mello Batista, Laise Garcia de Oliveira, Mariana Martignago Vandresen e Pedro Primo Bristot abaixo-assinado(s), do MBA em Gerenciamento de Projetos, do Programa FGV Management, realizado nas dependências da instituição conveniada SOCIESC, no período de março de 2009 a 06 de dezembro de 2010, declara(m) que o conteúdo do trabalho de conclusão de curso (TCC), sob o título: Fábrica de Salgados Angeloni, é autêntico, original e de sua autoria exclusiva. Florianópolis, dezembro de 2010 Adriana Las Casas Zermiani Alessandra Pinheiro Arthur Vieira de Mello Batista Fernando Vieira de Mello Batista Laise Garcia de Oliveira Mariana Martignago Vandresen Pedro Primo Bristot José Angelo Santos do Valle, D.Sc.

4 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 6 LISTA DE MODELOS... 7 LISTA DE GRÁFICOS... 8 LISTA DE TABELAS SUMÁRIO EXECUTIVO O ANGELONI SUPERMERCADOS HISTÓRICO A EMPRESA A FÁBRICA COMPARAÇÃO DAS ALTERNATIVAS ANALISE ESTRATÉGICA MACRO AMBIENTE CONCORRÊNCIA NOS SALGADOS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANÁLISE DE VIABILIDADE PLANO DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO FÁBRICA DE SALGADOS ANGELONI CONTROLE DE MUDANÇAS DE ESCOPO PRIORIZAÇÃO DAS MUDANÇAS DO ESCOPO SISTEMA DE CONTROLE DE MUDANÇAS DECLARAÇÃO DO ESCOPO OBJETIVO JUSTIFICATIVA DESCRIÇÃO DO PRODUTO DESCRIÇÃO DO PROJETO EXCLUSÃO DO ESCOPO PREMISSAS RESTRIÇÕES ACOMPANHAMENTO EQUIPE DE PLANEJAMENTO ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO (EAP) PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO CRONOGRAMA

5 8.2. CONTROLE DE CRONOGRAMA PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS DESENVOLVIMENTO DO ORÇAMENTO E FLUXO DE CAIXA CONTROLE DO FLUXO FINANCEIRO DO PROJETO MUDANÇAS NO ORÇAMENTO E FLUXO DE CAIXA DIVULGAÇÃO DO ANDAMENTO E BALANÇO FINAL INVESTIMENTOS FLUXO DE CAIXA PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE POLÍTICAS DA QUALIDADE REQUISITOS DA QUALIDADE INDICADORES DA QUALIDADE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS ORGANOGRAMA DO PROJETO DIRETÓRIO DO TIME DO PROJETO MATRIZ DE RESPONSABILIDADES TREINAMENTOS AVALIAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES PLANO DE GERENCIAMENTO DOS STAKEHOLDERS MATRIZ DE COMUNICAÇÃO EVENTOS DE COMUNICAÇÃO Atas de Reunião PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS EAR ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS RISCOS Matriz auxiliar na determinação da probabilidade (P) de ocorrência do risco Matriz auxiliar na determinação do impacto (I) do risco sobre o projeto Matriz de Vulnerabilidade Análise Qualitativa dos Riscos Ameaças Análise Quantitativa dos Riscos Ameaças Análise Qualitativa dos Riscos Oportunidades Análise Quantitativa dos Riscos - Oportunidades Valor Monetário Esperado VME Respostas aos riscos ameaças Resposta aos riscos oportunidades Valor Monetário Esperado Pós Respostas e com reserva de Contingência

6 Acompanhamento e Monitoração PLANO DE GERENCIAMENTO E AQUISIÇÕES DECISÃO MAKE OR BUY TIPOS DE AQUISIÇÕES Procedimento para compras não planejadas com valor igual ou inferior a 1000, Procedimento para compras não planejadas com valor superior a 1000, Procedimento para compras planejadas PROCESSOS DE AQUISIÇÕES Preenchimento do formulário de aquisições e aprovação prévia do gerente do projeto Elaboração de declaração do trabalho (Statement of Work) Levantamento de potenciais fornecedores Solicitação de propostas (RFP) Avaliação e seleção dos fornecedores Pedido de compra Contratação Administração dos contratos Pagamento de fornecedores Encerramento dos contratos AQUISIÇÕES Decisão make or buy LISTA DE AQUISIÇÕES FORMULÁRIOS

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Centro de distribuição Angeloni Figura 2: Centro de distribuição Angeloni Figura 3: Centro de distribuição Angeloni Figura 4: Mapa de localização do centro de distribuição Figura 5: Lay out Figura 6: Masseira-cozedora para salgados e doces Figura 7: Fazedora de salgados duplo recheio Fonte: Fornecedor Figura 8: Empanadeira Figura 9: Máquina para impressão de validade Figura 10: Túnel de ultracongelamento Figura 11: Salgadinho - Bauru Figura 12: Salgadinho Coxinha de frango Figura 13: Salgadinho Doguinho assado Figura 14: Salgadinho - Empada Figura 15: Salgadinho - Esfihas Figura 16: Salgadinho: Risóles Figura 17: Risóles de frango Figura 18: Kibe Figura 19: Organograma Angeloni Figura 20: Fluxograma de mudança Figura 21: EAP gráfica Figura 22: Cronograma Figura 23: Organograma do projeto Figura 24: EAS Figura 25 EAR

8 LISTA DE MODELOS Modelo 1: Modelo de formulário de solicitação de mudança Modelo 2: Formulário de solicitação para mudança de orçamento Modelo 3: Ata de reunião Modelo 4 : Formulário modelo para listagem e qualificação dos riscos Modelo 5: Formulário modelo para resposta aos riscos Modelo 6: Formulário modelo para cadastro dos riscos Modelo 7: SOW Modelo 8: Requisição de propostas Modelo 9:Planilha para avaliação das propostas Modelo 10: Formulário de requisição de compras Modelo 11: Formulário de requisição de mudança de contrato Modelo 12: Homologação e encerramento de contrato

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Fluxo de caixa comparativo - produção própria x produção terceirizada Gráfico 2: Linha de base de custos Gráfico 3: Composição do orçamento de custos Gráfico 4: Panorama fluxo de caixa

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Comparação de alternativas Tabela 2: Levantamento dos Pontos Fortes, Oportunidades, Pontos Fracos e Ameaças Tabela 3:Check List da análise de Desempenho Pontos Fortes Tabela 4: Check List da análise de Desempenho Pontos Fracos Tabela 5: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Tabela 6: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Tabela 7: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Tabela 8: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Tabela 9: Receita de salgados em 2009 da rede Angeloni Tabela 10: Análise de viabilidade Tabela 11: Projeção de fluxo de caixa para produção própria e terceirizada Tabela 12: Impacto das mudanças Tabela 13: Escopo do projeto Tabela 14: Principais Entregas Tabela 15: Dicionário da EAP Tabela 16: Marcos do Projeto Tabela 17: Investimento Tabela 18: Fluxo de caixa Tabela 19: Matriz base da política da qualidade: Tabela 20: : Requisitos e indicadores de qualidade do projeto e produto Tabela 21: Garantia e controle da qualidade Tabela 22: Equipe executiva do projeto Tabela 23: Definição de responsabilidades Tabela 24: Treinamentos Tabela 25: Plano de gerenciamento dos stakeholders Tabela 26: Matriz de comunicação Tabela 27: Eventos de comunicação Tabela 28: Matriz auxiliar na determinação da probabilidade (P) de ocorrência do risco Tabela 29: Matriz auxiliar na determinação do impacto (I) do risco sobre o projeto Tabela 30: Matriz de vulnerabilidade Tabela 31: Análise qualitativa dos riscos - ameaças Tabela 32: Análise quantitativa dos riscos ameaças Tabela 33: Análise qualitativa dos riscos oportunidades

11 Tabela 34: Análise quantitativa dos riscos oportunidades Tabela 35: VME Tabela 36: Respostas aos riscos ameaças Tabela 37: Resposta aos riscos oportunidades Tabela 38: Valor monetário esperado pós respostas e com reserva de contingência. 94 Tabela 39: Make or buy Tabela 40: Lista de aquisições

12 1. SUMÁRIO EXECUTIVO. Este documento apresenta o Plano de Gerenciamento do Projeto da Fábrica de Salgados Angeloni. O objetivo do projeto consiste na implantação da Fábrica de Salgados ANGELONI, no Centro de Distribuição da Rede Angeloni, na cidade de Porto Belo, num prazo de onze meses, pela quantia de ,94 com justificativa de abastecer as padarias e lanchonetes instaladas nos supermercados da empresa, em substituição aos serviços hoje prestados por firmas terceirizadas. Busca-se, também, com esse projeto aumentar a margem de contribuição da empresa, atender a demanda por salgados, na qualidade e na proporção das metas estabelecidas pelo Angeloni. O produto do projeto trará ao Grupo Angeloni a autonomia no processo de fabricação dos salgados, rentabilidade, centralização da distribuição, além de possibilitar o desenvolvimento de novos tipos de produtos. O Plano de gerenciamento do projeto que se segue envolve as nove áreas de conhecimento estabelecida no guia PMBOK 4ª Edição e é a base para o sucesso da implantação da Fábrica de Salgados Angeloni. 11

13 2. O ANGELONI SUPERMERCADOS 2.1 HISTÓRICO Empresa totalmente familiar o Angeloni Supermercados foi fundado em maio de 1958, na cidade de Criciúma, no Estado de Santa Catarina. Durante os anos seguintes a empresa estabeleceu premissas modernas e arrojadas que a transformaram em um modelo na área de supermercados, sempre através de inovações inéditas em cada época, como lojas climatizadas, estacionamento coberto, elevadores e o Super-Center. A proposta do Super-Center diferencia-se dos demais supermercados por agregar o conceito one stop shop, que vem ao encontro da conveniência de ter, em um único local, uma gama de serviços que atenda ao cotidiano familiar, com praça de alimentação, lojas de serviços, tais como: banco, banca de revistas, chaveiro, farmácia, floricultura, lotérica, lavanderia, revelação rápida de fotos, sapataria, vídeolocadora e postos de abastecimento de combustíveis. Em 2002 a rede ampliou ainda mais suas fronteiras ao inaugurar a primeira unidade fora do Estado de Santa Catarina, a loja de Curitiba, no Estado do Paraná, um marco no início de uma nova trajetória. 2.2 A EMPRESA O Angeloni é reconhecido como a maior rede de supermercados de Santa Catarina, a 3ª da Região Sul e a 9ª do país. A rede possui 22 supermercados, 02 instalados em Curitiba, no estado do Paraná, e 20 em Santa Catarina, sendo a matriz em Criciúma e a administração em Florianópolis. Além da rede de supermercados, a empresa possui 19 farmácias, 06 postos de combustíveis e 01 centro de distribuição. O Centro de Distribuição Angeloni possui uma área m² para armazenagem, com capacidade para 18 mil itens e é responsável por toda a operação logística da empresa, abastecendo as 22 lojas de supermercados e as 19 farmácias. Localizado no município de Porto Belo, nas margens da BR 101, Santa Catarina, o Centro de Distribuição utiliza tecnologia de ponta e opera por meio de rádio freqüência, o que possibilita agilizar o processo de armazenagem, separação e expedição das mercadorias. As reposições de mercadorias do Centro de Distribuição 12

14 para as lojas são automatizadas, utilizando um sistema de previsão de demanda que reduz as faltas de mercadorias e os estoques na rede. A Fábrica de Salgados Angeloni será instalada no Centro de Distribuição, cuja estrutura vem recebendo investimentos visando a adequação do seu espaço interno. 13

15 Figura 1: Centro de distribuição Angeloni Fonte: Angeloni

16 Figura 2: Centro de distribuição Angeloni Fonte: Angeloni Figura 3: Centro de distribuição Angeloni Fonte: Angeloni 15

17 Figura 4: Mapa de localização do centrodedistribuição Fonte: Google 16

18 2.3 AFÁBRICA Figura 5: Lay out Fonte: Fornecedor

19 Figura6: Masseira-cozedoraparasalgadosedoces Figura7: FazedoradesalgadosduplorecheioFonte: Fornecedor Fonte: Fornecedor Fonte: Fornecedor 18

20 Figura 8: Empanadeira Figura 10: Túnel de ultracongelamento Fonte: Fornecedor Figura 9: Máquina para impressão de validade Fonte: Fornecedor Fonte: Fornecedor 19

21 Figura 11: Salgadinho - Bauru Figura 14: Salgadinho - Empada Figura 17: Risóles de frango Fonte: Fornecedor Figura 12: Salgadinho Coxinha de frango Fonte: Fornecedor Figura 15: Salgadinho - Esfihas Fonte: Fornecedor Figura 18: Kibe Fonte: Fornecedor Figura 13: Salgadinho Doguinho assado Fonte: Fornecedor Figura 16: Salgadinho: Risóles Fonte: Fornecedor Fonte: Fornecedor Fonte: Fornecedor 20

22 2.4 COMPARAÇÃO DAS ALTERNATIVAS Com esse projeto, o Grupo Angeloni alterará, radicalmente, a forma de abastecer de salgados congelados as padarias e lanchonetes da rede de supermercados. O abastecimento de salgados congelados, atualmente executado por empresas terceirizadas, será substituído pela produção interna, por meio de processo produtivo a ser desenvolvido nas instalações da Fábrica de Salgados Angeloni. Estudo comparativo entre as alternativas: fornecimento de salgados congelados por parte de firmas terceirizadas e produção interna própria, levando em conta critérios técnicos, tais como: margem de contribuição para o lucro da empresa, atendimento da demanda, qualidade assegurada, autonomia no processo de produção, rentabilidade, facilidade de abastecimento e liberdade de desenvolvimento de novos produtos revela a seguinte tendência (quadro a seguir): Tabela 1: Comparação de alternativas Objetivo: Selecionar uma forma de produção de salgados para abastecimento da Rede Angeloni Critérios de Avaliação Alternativa 1 Alternativa 2 Terceirizar a produção Produzir internamente Informação S/N Informação S/N Redução do custo total acima de 10% 0,5% N 15% S Aumento da margem de lucro acima de 5% 0,5% N 10% S Customização dos salgados em 20% 20% S 60% S Desejos Peso Comentários Pontos Comentários Pontos (P) Nota Total Nota Total Gestão da produção Baixo nível de Controle total 6 gestão dos processos 3 18 integrada com o 9 54 Angeloni Independência tecnológica 10 Terceirizado detém a 1 10 Conhecimento Tecnológico 8 80 tecnologia Desenvolvimento de Terceirizado Autonomia salgados 4 supri demandas atuais Controle da qualidade Atendem os Garantia da 9 critérios de Qualidade 8 72 qualidades 9 81 atuais Preços competitivos Preço não Barganha junto 8 competitivo 3 24 aos fornecedores Agilidade no Logística Logística abastecimento da rede Adequada própria Centralização da Controle da Logística distribuição centralização é Centralizada feita pelo terceirizado Pontuação máx Fonte: Equipe do projeto 21

23 3. ANALISE ESTRATÉGICA Uma análise dentro do contexto do estudo estratégico aponta as forças e fraquezas (relativas à análise interna) e as oportunidades e ameaças (relativas à análise externa). Esse estudo tem o intuito de revelar os principais pontos a serem trabalhados na fábrica para a garantia do sucesso do empreendimento MACRO AMBIENTE A concorrência no setor de supermercados que já era forte somente com a presença dos grupos nacionais, com a entrada de novos players no mercado, como Wal-Mart, tornou-se ainda mais acirrada. As constantes fusões e aquisições ocorridas no mercado nacional causaram uma concentração elevada do mercado nas mãos de poucas empresas. Apenas para se ter uma idéia, em 1995, as cinco maiores empresas varejistas que atuavam no mercado detinham 28% das vendas anuais do setor, já em 2001 esse número chegou a 40%. A globalização da economia mundial vem acelerando o ritmo de expansão das empresas varejistas em novas regiões. O grupo Wal-Mart, a exemplo da rede Carrefour, tem como premissa expandir seus negócios buscando, prioritariamente, mercados promissores na América Latina. Em 2005, as cinco maiores empresas, com atuação global, faturaram mais de 548 milhões de euros. A Wal-Mart, por exemplo, a maior rede americana, faturou, no ano de 2005, em 15 países onde atua, 275 milhões de euros. A segunda maior rede do mundo, a francesa Carrefour, faturou em suas operações, 93 milhões de euros, em 31 países. Em constante crescimento, esses grupos estão cada vez mais fortes e buscando novos mercados, principalmente no Brasil, e, preferencialmente, nas regiões sudeste e sul, esta última onde o Grupo Angeloni concentra suas atividades CONCORRÊNCIA NOS SALGADOS O mercado de salgados cresce acelerado no Brasil. A grande maioria desses fabricantes ainda é de micro, pequenas e médias empresas que geralmente iniciaram seu processo de forma manual e com a expansão da demanda foram profissionalizando e industrializando o seu processo. 22

24 Os maiores fabricantes do ramo se encontram no interior do Paraná e em São Paulo e atendem as grandes redes de supermercados, conveniência de Postos de Gasolina e empresas de média porte. Poucas são as empresas que estão estruturadas para fornecer produtos congelados na quantidade e qualidade exigidas pelos grandes players do setor de supermercados. Esses fornecedores de congelados não tem nenhum poder de barganha junto as grandes empresas do ramo de supermercados e isto reduz, em muito, as suas margens de lucro. A conseqüência imediata e inevitável é a perda da qualidade dos produtos fornecidos. Em um mercado agressivo, como é de supermercados, a palavra de ordem é inovar para garantir a sustentabilidade do crescimento, maximizar a rentabilidade em todos os setores e garantir a qualidade, objetivando a fidelidade do público consumidor. Foi tomando por base as premissas: sustentabilidade, rentabilidade e qualidade e o lastro com base no fator fidelidade do consumidor é que este projeto foi desenvolvido. 23

25 Tabela 2: Levantamento dos Pontos Fortes, Oportunidades, Pontos Fracos e Ameaças Pontos Fortes Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Oportunidades Crescimento do mercado de salgados Facilidade na aquisição dos insumos Alta Capacidade produtiva Alto poder de barganha com fornecedores de insumos Câmara fria para armazenamento do alimento Processos e ativos organizacionais Maior agilidade na resolução de problemas Espaço para construção da Fábrica Logística própria Disponibilidade de capital próprio Contato direto com o cliente Pontos Fracos Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de repositores (marca II) nos supermercados Falta de mão de obra qualificada Geladeira e Equipamentos para armazenagem dos salgados Falta de especialistas na construção de fabricas de salgados Aumento do consumo de Foodservice Ampliação do Angeloni em uma unidade por ano Grande número de fornecedores de insumos Oportunidade de aumentar a rentabilidade Avanço tecnológico Máquinas de produção em larga escala Desenvolver profissionais e receitas de alto padrão Câmbio favorável para aquisição de máquinas e equipamentos Aumento do crédito barato de longo prazo oferecido no mercado Expansão da economia Nacional Possibilidade de venda dos salgados na gôndola Ameaças Alta qualidade de fornecedores concorrentes Dificuldade para recrutar mão de obra especializada Variação do cambio para aquisição de máquinas e equipamentos Aumento de padarias especializadas nos bairros Aumento dos juros da economia Transporte de Funcionários Fonte: Pesquisa de campo. 24

26 Tabela 3:Check List da análise de Desempenho Pontos Fortes Fonte: Pesquisa de campo Check List da Análise de Desempenho Pontos Fortes Força Importante Força Não Importante Neutro Alta Média Baixa Tradição da marca - marca consolidada X X Facilidade na aquisição dos insumos X X Alta Capacidade produtiva X X Alto poder de barganha com fornecedores de insumos X X Câmara fria para armazenamento do X X alimento Processos e ativos organizacionais X X Maior agilidade na resolução de problemas X X Espaço para construção da Fábrica X X Logística própria X X Disponibilidade de capital próprio X X Contato direto com o cliente X X Controle de custos X X Tabela 4: Check List da análise de Desempenho Pontos Fracos Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de repositores nos supermercados Falta de mão de obra qualificada Geladeira e Equipamentos para armazenagem dos salgados Falta de especialistas na construção de fabricas de salgados Transporte de funcionários Fonte: Pesquisa de campo Check List da Análise de Desempenho Pontos Fracos Desempenho Fraqueza Importante X X X X X X Fraqueza Não Importante Grau de Importância Neutro Alta Média Baixa X X X X X X 25

27 Tabela 5: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Oportunidade Crescimento do mercado de salgados CAPITALIZAR Pontos Fortes Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Alta Capacidade produtiva Aumento do consumo de Foodservice Grande número de fornecedores de insumos Oportunidade de aumentar a rentabilidade Avanço tecnológico Máquinas de produção em larga escala Câmbio favorável para aquisição de máquinas e equipamentos Aumento do crédito barato de longo prazo oferecido no mercado Possibilidade de venda dos salgados na gôndola Fonte: Equipe do Projeto Contato direto com o cliente Alta Capacidade produtiva Facilidade na aquisição dos insumos Alto poder de barganha com fornecedores de insumos Controle de custos Facilidade na aquisição dos insumos Alto poder de barganha com fornecedores de insumos Logística própria Maior agilidade na resolução de problemas Disponibilidade de capital próprio Disponibilidade de capital próprio Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Tabela 6: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot) Oportunidades MELHORAR Pontos Fracos Crescimento do mercado de salgados Reduzida experiência na fabricação de salgados Ampliação do Angeloni de uma unidade por ano Falta de especialistas na construção de fabricas de salgados Oportunidade de aumentar a rentabilidade Avanço tecnológico Máquinas de produção em larga escala Desenvolver profissionais e receitas de alto padrão Possibilidade de venda dos salgados na gôndola Fonte: Equipe do Projeto Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de mão de obra qualif icada Falta de especialistas na construção de fábricas de salgados Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de mão de obra qualif icada Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de repositores nos supermercados Geladeira e Equipamentos para armazenagem dos salgados nas loj as 26

28 Tabela 7: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot). Ameaças Alta qualidade de fornecedores concorrentes Variação do cambio para aquisição de máquinas e equipamentos MONITORAR Pontos Fortes Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Alta Capacidade produtiva Processos e ativos organizacionais Contato direto com o cliente Controle de custos Disponibilidade de capital próprio Aumento de padarias especializadas nos bairros Aumento dos juros da economia Tradição da marca - marca consolidada + ponto de venda próprio Controle de custos Disponibilidade de capital próprio Fonte: Equipe do Projeto. Tabela 8: Matriz de forças, fraquezas,oportunidades e ameaças (Swot). Ameaças Alta qualidade de fornecedores concorrentes ELIMINAR Pontos Fracos Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de mão de obra qualificada Falta de especialistas na construção de fabricas de salgados Dificuldade para recrutar mão de obra especializada Aumento de padarias especializadas nos bairros Aumento dos Juros da economia Transporte de Funcionários Falta de mão de obra qualificada Reduzida experiência na fabricação de salgados Falta de repositores nos supermercados Geladeira e Equipamentos para armazenagem dos salgados Geladeira e Equipamentos para armazenagem dos salgados Fonte: Pesquisa de campo Dentre os fatores de sucesso forças e oportunidades destaca-se a possibilidade de aumento da produção visando elevar o percentual de vendas por meio da comercialização de salgados congelados no varejo supermercadista. 27

29 3.3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Estrutura organizacional do grupo Angeloni está distribuída conforme organograma descrito abaixo: Figura 19: Organograma Angeloni Diretoria de Operações Gerente Operacional Gerente Operacional Gerente Operacional Ger. Novos Negócios Ger. Negócios Farmácias Ger. Negócios Postos Ger. Perecíveis, PPP e Manutenção Paraná FLP + Sul + Planalto Vale + Norte Sup. Bazar Fino PGC Sup. Merchandising Sup. Farmácias Sup. Hortifruti Comercial Sup. Bazar Eletro Sommelier E-commerce Tempo Sup. Carnes Frente de Caixa Serviços Gerais Ger. Locações Sup. FLC Anal. Seg. Alimentar Não Alimentar (Rede) Alimentar (Rede) Ger. Neg. Padaria Sup. Téc. Produção Sup. Téc. Produção Fonte: Angeloni 28

30 4. ANÁLISE DE VIABILIDADE Para a análise de viabilidade foram levados em consideração os custos operacionais da fábrica, onde foram levantados os custos fixos e variáveis para a produção do mix de salgado escolhido para a fábrica. Foram levados em consideração também os custos dos repositores nas lojas, bem como o frete que hoje é bancado pelo fornecedor atual de salgados. Para o cálculo de receitas, preço de venda e volume de venda foi levado em consideração o histórico do ano de 2009, referente ao mix de salgados que serão produzidos na fábrica de salgados Angeloni. Para cálculo de evolução de vendas foi considerado um incremento de receita na ordem de ,27 reais anuais, valor este equivalente a venda média por loja da rede. Tal valor foi utilizado devido ao planejamento da rede de inaugurar uma nova loja por ano. Tabela 9: Receita de salgados em 2009 da rede Angeloni Salgado que serão produzidos pela fábrica Unidade Quantidade vendida em 2009 Preço médio de venda por unidade Receita total 2009 Bauru presunto/queijo mister sabor unidade , ,70 Bolinho mister sabor bacalhau mini KG , ,97 Bolinho mister sabor bacalhau unidade , ,55 Coxinha frango mister sabor c/requeijão unidade , ,54 Coxinha frango mister sabor unidade , ,16 Croquete mister sabor camarão unidade , ,82 Croquete mister sabor queijo cru unidade , ,62 Empada mister sabor frango unidade , ,83 Empada mister sabor palmito unidade , ,81 Enrolado mister sabor salsicha unidade , ,60 Enrolado salsicha cru mister sabor unidade , ,85 Esfiha carne mister sabor unidade , ,11 Esfiha frango mister sabor unidade , ,66 Esfiha frango/requeijão mister sabor unidade , ,14 Kibe carne mister sabor unidade , ,66 Kibe requeijão unidade , ,02 Risolis carne mister sabor unidade , ,79 Risolis frango mister sabor unidade , ,84 Risolis pres/muss mister sabor unidade , ,16 Risolis palmito mister sabor unidade , ,87 Risolis pres/muss mister sabor unidade , ,94 Salgadinho mister sabor festa KG , ,55 Salgadinhos mister sabor mini diverso KG , ,94 Receita total em ,13 Total de lojas no ano de Média de faturamento por loja em ,27 Fonte: Equipe do projeto 29

31 Para construção do fluxo de caixa, o ano do investimento para construção da fábrica foi considerado o ano 0 (zero), no qual não ocorreria operação, seguido por 10 (dez) períodos de operação subseqüentes. Para efeito de comparação de alternativas, o fluxo de caixa construído para a fábrica de salgados foi confrontado com um fluxo de caixa projetado da venda do mix de salgado que será produzido na fábrica caso o mesmo continuasse sendo adquirido de uma empresa terceira. Foram utilizadas as mesmas bases para projeção de receita e volume de venda, tendo as saídas da venda terceirizada compostos pelo custo da compra dos salgados e dos impostos de comercialização, aonde foi utilizado o mesmo percentual de impostos da projeção do fluxo de caixa da fábrica. Tabela 10: Análise de viabilidade Produção própria Taxa de desconto anual Resultado Unidade TIR 169% Percentual VPL 12% ,39 Reais Payback Simples 0,62 Anos Payback descontado 12% 0,70 Anos Ponto de equilíbrio anual ,19 Reais Produção terceirizada Taxa de desconto anual Resultado Unidade VPL 12% ,37 Reais Fonte: Equipe do projeto. Gráfico 1: Fluxo de caixa comparativo - produção própria x produção terceirizada ,00 Fluxo de caixa produção própria x produção terceirizada , ,00 - ( ,00) ( ,00) ano 0 ano 1 ano 2 ano 3 ano 4 ano 5 ano 6 ano 7 ano 8 ano 9 ano 10 Fluxo de caixa produção própria Fluxo de caixa produção terceirizada Fonte: Equipe do projeto. 30

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Estratégia & Desempenho Empresarial Gerência de Análise e Acompanhamento de Projetos de Investimento Março 2010 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail. PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 Processos Processos, em um projeto, é um conjunto de ações e atividades

Leia mais

CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14. Julho de 2015

CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14. Julho de 2015 CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14 Julho de 2015 A Global Exportation é uma empresa especializada em exportação comercial com distribuição de cargas para compradores independentes e varejistas de distribuidores

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009)

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) PROJETOS IV Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) Assinaturas de Aprovação Responsabilidade Organizacional Assinatura Data Gerente de Projeto 07/10/2009 Líder de

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

AQUISIÇÕES E LICITAÇÕES COM FOCO NO PMBOK. Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com

AQUISIÇÕES E LICITAÇÕES COM FOCO NO PMBOK. Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com AQUISIÇÕES E LICITAÇÕES COM FOCO NO PMBOK Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com QUEM SOU... Graduada em Informática para Gestão de Negócios Especialista em Gestão Empresarial Ex-Diretora

Leia mais

Programade de levantamento patrimonial

Programade de levantamento patrimonial Controle de Versões Versão Data Autor Notas da Revisão 1.0 03/09/2014 Douglas Souza Hugo Bastos Kaysmier Castro Luan Bueno Elaboração inicial Objetivos deste documento Definir como executar, monitorar,

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

Gestão do tempo do projeto

Gestão do tempo do projeto Gestão do tempo do projeto É representada pelos processos que efetivarão o cumprimento dos prazos envolvidos no projeto, definição, seqüenciamento e estimativa da duração das atividades, desenvolvimento

Leia mais

Gestão através do uso de Indicadores e Metas

Gestão através do uso de Indicadores e Metas Gestão através do uso de Indicadores e Metas Reflexão Pra onde Caminha a sua Empresa? x Reflexão Pra onde A Cadeia Caminha de Valor... a sua Empresa? Cliente Definição do Projeto Resp. Canteiro, materiais

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco?

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco? www.emmene Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 P Introdução Qual é o principal papel de um gerente de projeto? Integrar todas as partes de um projeto

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013 1 Semestre de 2013 Fonte: https://www.facebook.com/cons ELHOSDOHEMAN Defina os seguintes termos: a) Risco Definição do PMBoK, 4ª edição: Um evento

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Front End Loading Estudo de caso: Transporte

Front End Loading Estudo de caso: Transporte 1 Front End Loading Estudo de caso: Transporte Rafael Luís de Oliveira ¹ Orientador: Ítalo Coutinho ² Resumo Este artigo apresenta a aplicação da ferramenta Front-End Loading (FEL) em projeto de logística.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando.

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando. Fábio Ramos do Carmo Brasileiro, Casado, 35 anos Rua José Pinto Junior, 21 San Vale, Natal RN Telefone: (84) 9441-8355 E-mail: fabioramos.profissional@gmail.com OBJETIVO Atuar de forma eficiente e eficaz

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental. para Hotéis no Rio de Janeiro. Gerência de Custos

Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental. para Hotéis no Rio de Janeiro. Gerência de Custos MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Projetos Concorrência de Projetos Online Prof. Marcantonio Guiseppe Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental para Hotéis no Rio de Janeiro Gerência de Custos

Leia mais

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 As 10 áreas de Conhecimento 2 INTEGRAÇÃO 3 Gerência da Integração Processos necessários

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Programa 1. Conceitos básicos do PMBOK. 2. Gerenciamento do ciclo de vida do sistema: determinação dos requisitos, projeto

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1) O que é o processo de um projeto? a) A criação de um produto ou serviço. b) A elaboração progressiva resultando em um produto. c) Uma série de ações que geram um

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos Curitiba 03/14

MBA em Gerenciamento de Projetos Curitiba 03/14 MBA em Gerenciamento de Projetos Curitiba 03/14 Empresa Projeto Objetivos Equipe de Projeto EAP Dicionário de EAP Iniciação Planejamento Execução e Controle Encerramento A Sociedade de Obras e Serviços

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Istefani Carísio de Paula Programa 07/03 - Conceitos, definições e método de GP 14/03 Gestão de Portfólio 21/03- Gestão de Portfólio 28/03 Iniciação e Planejamento do

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades BUSINESS CASE VAREJO 17 de setembro de 2007 A SYSPHERA é uma empresa brasileira de tecnologia que se dedica ao desenvolvimento de soluções estratégicas para clientes que buscam a melhoria contínua de sua

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais