Doença difusa aguda febril

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doença difusa aguda febril"

Transcrição

1 Doença difusa aguda febril Ricardo Milinavicius Pneumologista do Serviço de Doenças Respiratórias do HSPE-SP Maria Raquel Soares Pneumologista do Serviço de Doenças Respiratórias do HSPE-SP Carlos AC Pereira Diretor do Serviço de Doenças Respiratórias do HSPE-SP Relato do caso: Feminina, 30 anos, natural e procedente de São Paulo, professora Paciente deu entrada no pronto socorro em 08/08/2010 com dispnéia aos médios esforços há aproximadamente cinco dias e piora nas últimas 24 hs. Associada à dispnéia relatava febre, tosse seca e dor torácica ventilatório-dependente. Negava doenças prévias, tabagismo, exposição ambiental relevante, uso de drogas ilícitas, epidemiologia para SIDA e viagens recentes. Estava em uso de anticoncepcional e fórmula para tratamento de acne. Exame físico: REG, taquipnéica, corada, hidratada e febril (tax: 38 C); RCR2T, sem sopros, PA 120x80mmHg, FC:100 bpm; FR 32 ipm, sons respiratórios preservados com roncos difusos e crepitações bibasais, SatO2(aa)= 88%; abdome: flácido, RHA+, DB-; MMII: sem edema e sem sinais de TVP. Exames Complementares iniciais: Hemograma: Ht: 42% / Hb: 13,9g/dl / Leucócitos: / mm 3 (Bast:4%, Seg:74%, Eo: 3%, B: 0%,Li: 13%, M:6%); plaquetas / mm 3 PCR: 14,8 Gasometria arterial (aa): ph 7,43/ PCO 2 :29mmHg/ PO 2 :60mmHg/ BIC: 21mmol/l / SatO 2 90% Bioquímica: Glicemia:105mg/dl, uréia :11mg/dl, Creatinina :0,6mg/dl, Na :142mEq/l, K: 4,5mEq/l, DHL: 164U/l; Proteínas totais: 6,9g/dl, Alb:2,6g/dl Urina I: normal

2 Radiografia do tórax (08/08/2010): Tomografia de tórax (09/08/2010): Questão 1: Assinale a alternativa correta em pacientes com infiltrado difuso agudo: A) Na pneumocistose derrame pleural ocorre em ~30% dos casos B) Linhas septais e derrame pleural bilateral apontam para provável miocardite infecciosa, com insuficiência cardíaca C) A realização de lavado broncoalveolar tem papel central na investigação D) Tratamento para pneumonia atípica deve ser iniciado de imediato

3 E) Após sete dias de tratamento empírico para PAC sem resposta, corticosteróide deve ser iniciado DISCUSSÃO: A apresentação de infiltrado pulmonar difuso envolve amplo diagnóstico diferencial. Duas questões devem ser consideradas inicialmente: 1 O paciente é um hospedeiro comprometido ou imunocompetente? 2 A doença aguda resulta de sobreposição a uma doença difusa já existente ou é um processo novo? Primeiramente, o diagnóstico de hospedeiro comprometido pode não ter sido feito, de modo que exames (sorologia HIV e outros) devem ser realizados em todo paciente com infiltrado difuso recente. O principal hospedeiro comprometido a ser considerado é o portador do vírus HIV. As infecções oportunistas, incluindo a tuberculose, permanecem a maior causa de mortalidade em pacientes com HIV, e a contagem de linfócitos T ainda é o melhor fator para predição do risco de infecção oportunista. A pneumocistose (PCP) caiu em incidência após a introdução do esquema HAART, mas continua sendo doença de apresentação comum em infectados por HIV. Classicamente, na PCP surgem opacidades reticulares ou em vidro fosco simétricas, bilaterais. Na doença leve, as opacidades são geralmente perihilares, enquanto que na doença grave, as opacidades são difusas. Menos freqüentemente, a PCP pode apresentar-se como opacidades unilaterais ou assimétricas. Cistos de paredes finas ou pneumatoceles são vistos em 10% a 20% dos casos. Derrame pleural e adenopatia intratorácica na PCP são raras. Muitos clínicos fazem tratamento empírico na suspeita de PCP, mas na presença de insuficiência respiratória aguda (IRA), a não realização de outros diagnósticos pode ser catastrófica. No presente caso, a sorologia para HIV foi negativa. Insuficiência cardíaca congestiva deve sempre ser considerado na presença de infiltrado pulmonar agudo. No caso em questão, linhas septais e derrame pleural bilateral eram evidentes na TC de tórax, porém a silhueta cardíaca tinha tamanho normal e não existiam achados ao exame físico indicativos de possível ICC, embora a ausência destes não exclua completamente esta possibilidade. Um ecocardiograma pode ser de grande auxílio. Foi realizada punção diagnóstica pleural em 10/08/2010: Líquido amarelo citrino, ph 7,4, Glicose: 110 mg/d, Proteínas: 2,4 g/dl (relação proteínas líquido/ plasma: 0,34), DHL: 250 U/l (relação DHL líquido/plasma: 1,1), ADA: 9,7 U, Citologia e diferencial: N: 22% Eo:2% L/M:76%; citologia oncótica negativa. Pela dosagem de DHL, trata-se de um exsudato, dado contra a possibilidade de ICC. Diversas condições podem resultar em lesão pulmonar difusa, a mais comum sendo pneumonias. Pneumonia de comunidade (PAC) grave é causada principalmente por S. Pneumoniae, seguda de H. Influenzae, S. Aureus, bacilos gram-negativos, L.

4 Pneumophila e M pneumoniae. Em um hospedeiro imunocompetente deve-se considerar especialmente a possibilidade de pneumonia por influenza A. Pneumonia por influenza A tem algumas características sugestivas: início súbito, febre > 39 o C, mialgias graves especialmente do pescoço e costas, com prostração profunda. A influenza A pandêmica afeta primariamente adultos jovens. Linfopenia e trombocitopenia podem ser observadas. Os achados radiológicos são inespecíficos. Em um estudo brasileiro, as TC(s) de 20 pacientes com pneumonia por influenza grave foram analisadas (Marchiori, 2010). Os achados frequentes foram opacidades bilaterais em vidro fosco e/ou consolidação. Um achado laboratorial importante na influenza suína é a elevação da CPK. O diagnóstico da influenza (H1N1) pode ser feito por PCR de secreção de faringe, mas o teste é de disponibilidade restrita. Exames patológicos mostram DAD, e coinfecção bacteriana em muitos casos. Bronquiolite necrotizante e hemorragia extensa podem ser observados. Condições incomuns que devem ser consideradas em situações epidemiológicas específicas incluem a hantavirose, a leptospirose, e outras doenças infecciosas ainda mais raras. Diversas overdoses de drogas podem resultar em LPA, porém não havia dados na história clínica. Em relação ao uso de fármacos usuais, também podem ocorrer vários tipos de lesão pulmonar. As lesões agudas mais comuns por drogas são o DAD, BOOP e DPI aguda (edema pulmonar), e podem se manifestar logo após a administração da droga (ex. edema pulmonar induzido pela hidroclorotiazida), horas ou dias mais tarde (ex. dano alveolar difuso induzido pela quimioterapia, lesão aguda pela nitrofurantoina, pneumonia eosinofílica induzida pela minociclina) ou, inexplicavelmente, após meses ou anos de tratamento (ex, pneumonite pelo metotrexate, toxicidade pulmonar aguda pela amiodarona). Para consulta às possíveis drogas e lesões pulmonares resultantes, consulte O lavado bronco alveolar (LBA) pode ser extremamente útil para avaliar a possibilidade de condições infecciosas e não infecciosas, tais como pneumonia viral, PCP, tuberculose, Legionella sp, infecções fúngicas, e outros patógenos não usuais e pneumonia de hipersensibilidade ou pneumonias eosinofílicas. Broncoscopia (10/08/2010): sem alterações endobrônquicas; LBA: Pesquisa BAAR, fungos e culturas negativas; Pesquisa de células neoplásicas: negativa Contagem diferencial = eosinófilos:38%; macrófagos:49%; neutrófilos:23% Resposta correta à questão 1. Alternativa C Questão 2: Assinale o ponto de corte dos eosinófilos no lavado bronco-aleveolar, acima do qual se caracteriza o grupo de pneumonias eosinofílicas: A) 10% B) 15% C) 20% D) 25% E) 30% DISCUSSÃO: Lavagem da árvore brônquica foi relatada pela primeira vez em 1927, e o termo "lavado" foi introduzido por Stitt em Lavagem pulmonar foi posteriormente

5 utilizada para fins terapêuticos, mas não foi utilizado como procedimento diagnóstico até 1974, quando Reynolds e Newball publicaram as suas observações sobre o uso de lavagem com solução salina para amostras de secreções de áreas distintas do pulmão humano através de uma broncoscópio flexível. Nos últimos anos várias recomendações e orientações em torno dos aspectos técnicos do LBA foram publicadas, mas nenhum consenso existe ainda para todos os aspectos de desempenho e análise do LBA. No entanto, o LBA ganhou ampla aceitação como um procedimento útil para recuperar os componentes celulares e acelulares das secreções respiratórias dos pulmões para fins de investigação diagnóstica. Como a broncoscopia com LBA é considerado um procedimento seguro, sua indicação é fundamental para contribuir com informações diagnósticas em algumas entidades específicas, especialmente se infecção respiratória é a causa do infiltrado pulmonar. Porém, além disso, a utilidade do LBA já esta bem estabelecida em algumas DPD(s) não infecciosas. O LBA obtido de indivíduos adultos saudáveis, não fumantes e sem doença pulmonar contém apenas pequenas porcentagens de neutrófilos, linfócitos e outras células inflamatórias. Macrófagos alveolares são as células predominantes da população (80-90%), seguidos de linfócitos 15%, neutrófilos 3%, eosinófilos 0.5% e mastócitos 0.5%. Doenças pulmonares eosinofílicas constituem um grupo heterogêneo de doenças caracterizadas por infiltração do tecido pulmonar por eosinófilos, que podem estar associadas ou não com eosinofilia periférica. Alguns dessas doenças são sistêmicas, outras estão localizadas apenas nos pulmões. Existem muitas causas possíveis, tais como infecções, reações induzidas por drogas e doenças alérgicas, como é o caso da aspergilose broncopulmonar alérgica. Outras são de origem indeterminada e são rotuladas como doenças pulmonares eosinofílicas idiopáticas, incluindo a pneumonia eosinofílica crônica idiopática, pneumonia eosinofílica aguda idiopática, síndrome de Churg-Strauss e síndrome hipereosinofílica. O diagnóstico clínico de pneumonia eosinofílica geralmente é feito pela combinação de infiltrado pulmonar na imagem e aumento da contagem de eosinófilos no sangue e/ou no LBA. O LBA é atualmente considerado uma técnica minimamente invasiva e amplamente aceita para estabelecer o diagnóstico de pneumonia eosinofílica. A contribuição na investigação diagnóstica é particularmente útil se o nível de eosinófilos no sangue é normal. Na prática clínica, o diagnóstico de pneumonia eosinofílica pode ser feito se o diferencial de células do LBA mostra 25% ou mais de eosinófilos e, geralmente, superior à contagem de neutrófilos. Importante é sempre considerar que o valor diagnóstico de uma eosinofilia leve no LBA é limitado, podendo estar associado a diversas doenças pulmonares intersticiais. Portanto, nas doenças pulmonares eosinofílicas o LBA pode fornecer pistas suficientes para o diagnóstico e assim evitar a biópsia cirúrgica na maioria dos casos. Questão 2. Resposta correta: Alternativa D Após o resultado do LBA, foi solicitada a composição da fórmula prescrita para o tratamento da acne, constatando-se a presença de minociclina.

6 Questão 3. Assinale a alternativa correta em relação à lesão pulmonar induzida pela minociclina: A) Eosinofilia sanguínea está ausente em 90% dos casos B) Padrão perilobular sugere BOOP C) A re-introdução da droga não resulta em recidiva do quadro D) Derrame pleural é comum E) Corticosteróides devem sempre ser prescritos na pneumonia eosinofílica Minociclina é um antibiótico do grupo das tetraciclinas usado para o tratamento de acne. A minociclina tem sido associada com uma variedade de efeitos adversos pulmonares, mais notavelmente BOOP e infiltrado pulmonar com eosinofilia. Na pneumonia eosinofílica pela minociclina, eosinofilia sanguínea estava ausente, como no presente caso, em 10 de 27 (37%) casos revistos em 1995 (Dykhuizen, 1995). Drogas são causas freqüentes de pneumonias eosinofílicas, e incluem, além das tetraciclinas, sulfasalazina, nitrofurantoina, fenitoina, paracetamol, ampicilina e outras, perfazendo dezenas de drogas. O primeiro caso de PEo induzida pela minociclina foi descrito em 1979 (Ho, 1979). A dose é variável, e a duração do tratamento pode variar entre de um dia a quatro semanas. Em todos os casos a relação temporal entre uso da droga e quadro pulmonar é claro. Na PEA, linhas septais e derrame pleural são achados comuns. Um caso foi descrito em que linhas de Kerley foram observadas após teste de provocação após readministração da minociclina (Yokoyama, 1990). No presente caso, um padrão perilobular era também evidente na TCAR. Padrão perilobular é observado classicamente na BOOP (Ujita, 2004), não tendo sido descrito em pneumonia eosinofílica aguda, porém um estudo de pneumonias eosinofílicas induzidas por drogas publicado em 2005 mostra figuras com este padrão, embora não descritos no texto (Souza, 2005). Adenopatias hilares e mediastinais podem ser observadas. Num relato de seis casos (Toyoshima,1996) opacidades em vidro fosco e linhas septais foram observados em todos, seguindo-se derrame pleural (4/6), consolidações (3/6), micronódulos e linfadenopatia (2/6 cada). O mecanismo pelo qual a minociclina produz pneumonia eosinofílica é pouco conhecido. Presumivelmente, a minociclina ou seus derivados, unidos a proteínas são exibidos na membrana dos macrófagos, sendo reconhecidos pelos linfócitos T CD4+ e CD8+ citotóxicos, desencadeando a reação (Correas,2005). Reação do tipo I parece também estar envolvida, pela elevação da IgE. Existem diversos casos de pneumonite por minociclina confirmados com re-teste positivo, mas não é necessária para o diagnóstico. Em quase todos os casos relatados corticosteróides foram usados no tratamento, embora apenas a retirada da droga possa ser suficiente. Quando o quadro patológico é de BOOP, parece haver uma resposta apenas parcial com a retirada da droga, com plena recuperação ocorrendo após o uso de corticosteróides. Na presença de pneumonia eosinofílica não grave, apenas a retirada da droga é suficiente, com rápida recuperação. Evolução para IRA com necessidade de ventilação invasiva tem sido descrita. Questão 3. Alternativa correta:d Evolução Durante a internação paciente recebeu como tratamento antibioticoterapia (ceftriaxona + claritromicina) e suporte ventilatório não invasivo. Diante do achado de eosinofilia no LBA

7 e culturas negativas, a composição da fórmula utilizada para o tratamento da acne foi revista, tendo-se constatada a presença de minociclina. A paciente foi mantida em observação, constatando-se resolução das lesões pulmonares. Radiografia do tórax pré-alta (16/08/2010): Referências 1. Correas FJH, Morera SA, Ramallal M, de Llano J, Garrote Martínez Gj, Díaz G. Pleurocarditis y neumonía eosinofílica inducida por minociclina: a propósito de un caso. Farm Hosp 2005; 29: Dykhuizen RS, Zaidi AM, Godden DJ, Jegarajah S, Legge JS. Minocycline and pulmonary eosinophilia. BMJ 1995;310(6993): Ho D, Tashkin DP, Bein ME, Sharma O. Pulmonary infiltrates with eosinophilia associated with tetracycline. Chest. 1979;76(1): Hull MW, Phillips P, Montaner JS. Changing global epidemiology of pulmonary manifestations of HIV/AIDS. Chest. 2008;134(6): Marchiori E, Zanetti G, Hochhegger B, Rodrigues RS, Fontes CA, Nobre LF, Mançano AD, ET al. High-resolution computed tomography findings from adult patients with Influenza A (H1N1) virus-associated pneumonia. Eur J Radiol. 2010;74(1): Meyer KC Bronchoalveolar lavage as a diagnostic tool. Semin Respir Crit Care Med. 2007;28(5): Souza CA, Müller NL, Johkoh T, Akira M. Drug-induced eosinophilic pneumonia: high-resolution CT findings in 14 patients. AJR Am J Roentgenol. 2006;186(2): Toyoshima M, Sato A, Hayakawa H, Taniguchi M, Imokawa S, Chida K. A clinical study of minocycline-induced pneumonitis. Intern Med. 1996;35(3):176-9.

8 9. Ujita M, Renzoni EA, Veeraraghavan S, Wells AU, Hansell DM. Organizing pneumonia: perilobular pattern at thin-section CT. Radiology. 2004;232(3): Yokoyama A, Mizushima Y, Suzuki H, Arai N, Kitagawa M, Yano S. Acute eosinophilic pneumonia induced by minocycline: prominent Kerley B lines as a feature of positive re-challenge test. Jpn J Med. 1990;29(2):195-8.

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Caso Clínico. Anamnese. Anamnese 16/04/2013. Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP

Caso Clínico. Anamnese. Anamnese 16/04/2013. Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP Caso Clínico Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP Anamnese ID: Mulher, 61 anos, solteira, Natural e procedente de São Paulo, Profissão: Funcionária pública - aposentada há 10anos. QP: Diarréia

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC)

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Definição Infecção aguda do parênquima pulmonar, associada a um novo infiltrado ao Raio X de tórax. Quadro clínico habitual Febre, tosse com secreção,

Leia mais

Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista

Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista ACMLemos Prof. Adjunto da FAMED/UFBA Chefe Serviço Pneumologia HUPES?UFBA Coordenado do Núcleo de Pesquisa em penumologia (NUPEP)/HEOM/SESAB Abordagem

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

04/06/2012. Pneumonias Eosinofílicas. Definição de PE. Abordagem geral para o Pneumologista

04/06/2012. Pneumonias Eosinofílicas. Definição de PE. Abordagem geral para o Pneumologista Alexandre de Melo Kawassaki Médico do Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares - HCFMUSP Pneumonias Eosinofílicas Abordagem geral para o Pneumologista Definição de PE Presença de quaisquer desses critérios:

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado.

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado. INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO Rodney Frare e Silva Professor Adjunto Pneumologia UFPR COMPLICAÇÕES PULMONARES INFECCIOSAS APÓS O TCTH Importância

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Derrame Pleural. Definição: Acumulo de liquido no espaço Pleural

Derrame Pleural. Definição: Acumulo de liquido no espaço Pleural Derrame Pleural Definição: Acumulo de liquido no espaço Pleural Mecanismos que podem levar ao acumulo de liquido Pleural: Aumento da pressão hidrostática nos capilares sanguineos ou linfáticos Diminuição

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Médico assistente do Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório HSPE/IAMSPE

Médico assistente do Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório HSPE/IAMSPE Derrame pleural: Qual o diagnóstico? Ricardo Milinavicius Médico assistente do Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório HSPE/IAMSPE Paula Silva Gomes Médica residente (R4) do Serviço de Doenças do Aparelho

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012

CASO CLÍNICO. Felipe Santos Passos 2012 CASO CLÍNICO Felipe Santos Passos 2012 ANAMNESE ESP, feminino, 5 anos, natural e procedente de Salvador. QP - Febre há 12 horas 2 ANAMNESE HMA - Mãe relata que a criança apresentou quadro de febre (39

Leia mais

PNEUNOMIA EOSINOFÍLICA CRÔNICA IDIOPÁTICA: RELATO DE CASO. Idiopathic Chronic Eosinophilic Pneumonia: Case Report

PNEUNOMIA EOSINOFÍLICA CRÔNICA IDIOPÁTICA: RELATO DE CASO. Idiopathic Chronic Eosinophilic Pneumonia: Case Report Montes Claros, v. 16, n.1 - jan./jun. 2014. (ISSN 2236-5257) REVISTA UNIMONTES CIENTÍFICA PNEUNOMIA EOSINOFÍLICA CRÔNICA IDIOPÁTICA: RELATO DE CASO Idiopathic Chronic Eosinophilic Pneumonia: Case Report

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO:

São medidas imediatas (primeiras 24 horas) indispensáveis no tratamento de um paciente com tétano, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 66 QUESTÃO 26 A ligação inicial de uma cepa de HIV macrophage-tropic a uma célula é mediada por: a) gp41, CD4 e CCR5 b) gp41, CD4 e CXCR4 c) gp120, CD4 e CCR5 d) gp120, CD4 e

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Procedimento x CBO. 02.11.08.004-7 GASOMETRIA (APOS OXIGENIO A 100 DURANTE A DIFUSAO ALVEOLO-CAPILAR) 223151 - Médico pneumologista

Procedimento x CBO. 02.11.08.004-7 GASOMETRIA (APOS OXIGENIO A 100 DURANTE A DIFUSAO ALVEOLO-CAPILAR) 223151 - Médico pneumologista Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.002-8 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA / ORIENTACAO

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PNEUMONIAS NA INFÂNCIA Hiargo Siqueira Hugo Santos EPIDEMIOLOGIA 4-6 Infecções respiratórias agudas (IRA s)/ano; 2-3% evoluem para pneumonia; Mundo (< 5 anos): 150,7 milhões/ano. 11-20 milhões de internações

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO ÓBITOS POR SARG POR INFLUENZA SAZONAL E H1N1, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO BRASIL, 2009 ÓBITOS POR SARG PELA NOVA INFLUENZA, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções

MENINGITES. Manual de Instruções SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo 4 x maior Razão incidência: 1 em 1000 gestações EP fatal: 1,1 morte/100000

Leia mais

O pulmão na Artrite Reumatoide

O pulmão na Artrite Reumatoide O pulmão na Artrite Reumatoide Dr. Alexandre de Melo Kawassaki Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares, InCor HC-FMUSP Pneumologista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - ICESP e do Hospital

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS 4º E 5º PERÍODOS MATRIZ 2 4 º Período BIOLOGIA MOLECULAR - 2835 Introdução a Biologia Molecular. Estrutura

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC Campinas (SP) Ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de

Leia mais

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 Caso Clínico Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 IDENTIFICAÇÃO: M.P.B.S, sexo feminino, 27 anos, solteira, procedente de Nova Olinda-CE, Q.P.: " pele amarelada e com manchas vermelhas" HDA: Paciente relata

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia Mara Figueiredo Conflitos de Interesse CFM nº 1.59/00 de 18/5/2000 e ANVISA nº 120/2000 de 30/11/2000 Nos últimos doze meses recebi apoio

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO NC, sexo masculino, 66 anos, realiza TC de tórax por suspeita de fibrose pulmonar. Queixa-se de falta

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

FIBROSE PULMONAR. O que é a fibrose pulmonar?

FIBROSE PULMONAR. O que é a fibrose pulmonar? O que é a fibrose pulmonar? FIBROSE PULMONAR Fibrose pulmonar envolve a cicatrização do pulmão. Gradualmente, os sacos de ar (alvéolos) dos pulmões tornam-se substituídos por fibrose. Quando a cicatriz

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 ID: A.A.N., masculino, 29 anos, solteiro, natural de Santana do Acaraú, procedente

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Letícia Kawano-Dourado Grupo de Doenças Intersticiais e Vasculites Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP Nódulos

Leia mais

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA

14/04/2012 PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA CLÍNICA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA E INVESTIGA AS ALTERAÇÕES CLÍNICAS E LABORATORIAIS, INTERLIGANDO-AS E CRIANDO COM BASE NOS ACHADOS, UMA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA. PROF ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ESPECIALISTA EM HEMATOLOGIA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 QUESTÃO 26 Em relação à anatomia pulmonar, marque a afirmativa CORRETA: a) A principal função do pneumócito tipo I é realizar a troca gasosa, que ocorre por difusão ativa.

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais