Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista"

Transcrição

1 Abordagem do paciente HIV/AIDS A visão do pneumologista ACMLemos Prof. Adjunto da FAMED/UFBA Chefe Serviço Pneumologia HUPES?UFBA Coordenado do Núcleo de Pesquisa em penumologia (NUPEP)/HEOM/SESAB Abordagem do paciente HIV soropositivo com sintomatologia pulmonar Objetivos: Identificar as principais armas propedêuticas a serem usadas. Conhecer as principais patologias. Saber usar um algorítmo de decisão. Conhecer as medidas de prevenção. Número de pacientes com AIDS e a maneira de transmissão 1

2 Arsenal propedêutico História clínica Exame físico Nível de linfócito CD4 Radiograma do tórax Tomografia computorizada Medicina nuclear Exame do escarro Estudos sorológicos Exame direto e cultivo do sangue periférico Avaliação do LDH sanguíneo Testes cutâneos Avaliação fisiológica pulmonar Métodos invasivos Infiltrado pulmonar em HIV + / História Clínica Sarcoma de Kaposi é mais comum em homem homossexual Penumonia bacteriana e tuberculose em usuários de drogas EV Citomegalovírus em pacientes com história de transfusão de sangue Aumentada incidência de doenças de áreas endêmicas, ex: histoplasmose (vale do Missisipi) coccidioidomicose (sudeste USA) e tuberculose (America Latina e África). Contato recente com portadores de TB. Infiltrado pulmonar em HIV + / Exame Físico O exame do fundo do olho pode sugerir a presença de infecção viral, fúngica ou micobactéria. Presença de lesões de pele: Sarcoma de Kaposi e doenças granulomatosas Linfonodos aumentados pode ser tuberculose ou linfoma. Lesão de pele suspeita deve ser biopsiada 2

3 MAC COMPLEXO MAC EM GÂNGLIO MAC COMPLEXO 3

4 MAC COMPLEXO TUBERCULOSE TUBERCULOSE 4

5 Estadiamento do indivíduo HIV+ segundo o CD4/mm 3 Precoce: CD4 > 500 Intermediário: CD4 >200 até 500 Avançado: 100 a 200 Tardio: < 100 Complicações pulmonares em HIV + / nível de CD4 e Follow up 5 anos Bronquite aguda foi a mais comum infecção quando o CD4 > 200 cels/mm 3. Com CD4 de 200 a 400 cels/mm 3, ocorreu um aumento médio de incidência de PN bacteriana e P. Carinii de 40%/ano. Quando CD4 < 200 cels/mm 3, bronquite aguda, pneumonia bacteriana e P. Carinii ocorreu com alta freqüência, sem diferir as tendências ao longo do tempo. Infiltrado pulmonar em HIV + / Contagem de CD 4 Pneumonia bacteriana e tuberculose são as infecções predominantes, quando CD4 > 500 cels/mm 3 PCP só ocorre CD 4 < 200 cels/ mm 3 Toxoplasmose, citomegalovírus e MAC complexo ocorre com CD 4 < 100 cels/ mm 3 5

6 Patógenos mais frequentes em pacientes HIV e sua relação com CD4 U p T o D a t e Infectious pulmonary complications in HIV infection Infecções Bacterianas Pneumonias Adquiridas na Comunidade (PAC): Podem ocorrer com qualquer contagem de CD4 porém, são mais graves e tem maior mortalidade quando o CD4 < 100 céls/mm 3. Pneumonia bacteriana 6

7 % Pne umonia NEJM, 1995 Incidência de pneumonia em HIV+/100 pessoas ano (n=237) > <200 CD4 Infecções Bacterianas Em países desenvolvidos: - HAART foi o fator mais importante na redução das PAC - Estudos de cohort e de caso-controle mostraram que a vacina foi efetiva em reduzir PAC em certos subgrupos : > CD4! - Nos pacientes c/ CD4< 200, a profilaxia c/ bactrim foi mais efetiva. TC / HIV+/ CD4 < 200 Modelo PCP/Jiroveci: infiltrado difuso e/ou vidro fosco envolvendo lobos superiores Modelo N/PCP: árvore brotamento, consolidação, bronquiectasia e adenomegalia S: 100%; E: 83,3%; VPP:90,5%; VPN: 100% Hidalgo, A et al, Eur Radiol 2003;13(5):1197 7

8 Strep. pneumoniae 8

9 Correlalação entre o achado de imagem e o(s) patógenos mais prováveis RX tórax ou TC anormal Consolidação Infiltrado intersticial difuso Infiltrado nodular Adenopatia Derrame pleural Etiologia Pela taxa de progressão da doença Aguda <24 hrs* Qualquer organismo (principalmente bactérias) this graphic P. carinii (jiroveci) Bactérias (especialmente H. influenza) Vírus (Influenza, CMV) Edema pulmonar ARDS Bactérias Fungos (especialmente aspergillus) Tuberculose Bactérias (Parapneumônico) Tuberculose Emiema Etiologia Pela taxa de progressão da doença Crônica Fungos Nocardia, Actinomycoses Micobactérias Ca Bronquiolo alveolar BOOP Microbactérias Toxicidade de drogas Pneumonia intersticial linfocítica Doenças metastática Pulmonar alveolar proteinosis Nocardia, Actinomycoses Fungos Sarcoma de Kaposi Outros tumores (especialmente do cancro do pulmão) Castleman's Disease Linfoma Sarcoma de Kaposi Doença decastleman Câncer pulmão Linfoma (NHL e especialmente primário e) Sarcoma de Kaposi Pneumotórax P. carinii (jiroveci) * Algumas infecções crônica podem aparecer agudamente com recuperação / reconstituição imune Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações típicas e atípicas em P. carinii devem ser consideradas Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações atípicas em P. carinii devem ser consideradas 9

10 Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações atípicas em P. carinii devem ser consideradas 10

11 TUBERCULOSE Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações atípicas em P. carinii devem ser consideradas 11

12 Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações atípicas em P. carinii devem ser consideradas PCP/jiroveci Radiograma do tórax Qualquer alteração deve ser investigada Consolidação alveolar característica de pneumonia pode ser tuberculose Forma de TP primária evolutiva é comum com nível de CD4 <de 200 células Radiograma normal pode ser observado em pneumocistose e tuberculose Apresentações típicas e atípicas em P. carinii devem ser consideradas 12

13 PPC: Rx freqüentemente característico Tomografia Computadorizada em HIV + PCP (Jiroverci) pode ter RX torax normal, mas a TCAR é anormal. Imagens císticas em P. carinii foi achado em 38% na Tomografia Computadorizada mas somente em 10% no RX tórax. TC com contraste evidencia, se presente, a borda característica do gânglio aumentado devido a necrose central observado na tuberculose. PCP/jiroveci 13

14 Pneumonia por Pneumocystis Tomografia Computadorizada em HIV + PCP (Jiroverci) pode ter RX torax normal, mas a TCAR é anormal. Imagens císticas em P. carinii foi achado em 38% na Tomografia Computadorizada mas somente em 10% no RX tórax. TC com contraste evidencia, se presente, a borda característica do gânglio aumentado devido a necrose central observado na tuberculose. 14

15 Pneumonia por Pneumocystis Tomografia Computadorizada em HIV + Até 25% das Pneumonia por P. carinii pode ter RX torax normal, mas a TCAR é anormal. Imagens císticas em P. carinii foi achado em 38% na Tomografia Computadorizada mas somente em 10% no RX tórax. TC com contraste evidencia, se presente, a borda característica do gânglio aumentado devido a necrose central observado na tuberculose. Tuberculose em SIDA CD4 <200 15

16 TC e adenomegalia em indivíduos HIV+ 318 pacientes, 111 (35%) apresentavam adenomegalia 31casos (27,9%) de micobacteriose, 26 (23,4%) de pneumonias e 21 (18,9%) de linfomas Jasner, RM et al, J Acquired Immune Defic Syndr 2002;31:291 TC e adenomegalia em indivíduos HIV+ Tuberculose Pneumonia Linfoma Tosse + + _ Necrose no gânglio + + _ Infiltrado pulmonar + + _ Sintomas < 7 dias _ + _ Jasner, RM et al, J Acquired Immune Defic Syndr 2002;31:291 Sarcoma de Kaposi Nódulos irregulares, aspecto em chama Distribuição peribroncovascular Derrame pleural em 30% Linfonodomegalia em 40% 16

17 Sarcoma de Kaposi Linfoma em SIDA Nódulos com 1-5 cm de diâmetro Múltiplos e bem definidos Derrame pleural comum Linfonodomegalia em 25 50% Linfoma em SIDA 17

18 LINFOMA LINFOMA Tuberculose pulmonar em HIV + / Radiografia de Tórax Consolidação do lobo superior e ou cavitação (forma pós-primária) é observado em 20 a 30% dos pacientes - CD4 maior 200 cels/mm 3 Adenopatia intratorácica, infiltrado de lobo inferior e ou derrame pleural (forma primária evolutiva) é observado em 35% dos pacientes com CD4 menor de 200 cels/mm 3. Consolidação alveolar com broncograma aéreo, que é observado em até 90% dos casos de pneumonia bacteriana, pode ser encontrado em TP. 18

19 Forma Clínica e radiológica de TB em pacientes com TB/HIV: 124 casos Forma de TB % Primária evolutiva 44,2 Pós-primária Miliar Indeterminada 40 8,4 4,2 Dois pacientes tiveram RX de tórax normal com BAAR positivo HOEM/SESAB/NUPEP/UFBA Tipo de apresentação da TB na coinfecção TB/HIV (n=124) Apresentação % Pulmonar exclusiva Pulmonar + extrapulmonar Extrapulmonar 52,4 38,8 8,8 Lemos, ACM TB CD4 <

20 Tuberculose em SIDA CD4 >200 Tuberculose miliar 20

21 21

22 22

23 Rodococus Rodococus Rodococus 23

24 Nocárdia 24

25 MAC COMPLEXO MAC EM GÂNGLIO 25

26 TUBERCULOSE Nocárdia 26

27 Rodococus 27

28 Outros exames Medicina nuclear: cara, baixa especificidade e há pouca experiência. Escarro: se expontâneo é útil para TB, pneumonias e algumas micoses; se induzido, é útil pricipalmente em PCP (>90 %) e em TB e doenças fúngicas. Microbiologia do sangue periférico: útil para piogênicos. Mas pode ser positivo em histoplasmose e micobactérias. LDH: se normal PCP é improvável; se elevado >2 do normal pode ser PCP. TB, linfoma e proteionose são dignósticos a serem excluídos. Laboratório Micobacteriologia IDT UFRJ (setembro 2001 a janeiro de 2002) 163 casos cultura positiva 12 casos (7%) MNtb Pesquisa de BAAR no EI 6 casos (50%) baar positivo 151 casos (93%) Mtb 76 casos (50%) baar positivo Rendimento da BFB em pacientes com HIV Soropositivos Doença Procedimento LB/escovado LBA BTB PCP Tuberculose Bactérias 2-3* 2-3* NA Fungos Sarcoma de Kaposi PN intersticial linfocítica ou não específica * Escovado protegido/lba com paciente sem usar antibióticos Escala: 0 = muito baixo; 1= baixo; 2= moderado; 3= alto; NA= não aplica 28

29 HISTOPLASMOSE HISTOPLASMOSE S. KAPOSI 29

30 EI versus LBA Pesquisa de BAAR N = 207 HIV (-) sens EI: 33,8% sens LBA: 38,1% Kappa = 0.92 N = 25 HIV (+) sens EI: 36% sens LBA: 40% Kappa = 0.93 Conde MB e cols AJRCCM 2000; 162: EI versus LBA Cultura para micobactéria N = 207 HIV (-) N = 25 HIV (+) sens EI: 66,9% sens LBA: 74,5% Kappa = 0.78 sens EI: 60% sens LBA: 60% Kappa = 0.69 Conde MB e cols AJRCCM 2000; 162: Custo-efetividade de diferentes estratégias Estratégia Diagnóstico (N) U$ por caso diagnóstico Casos perdidos Bronco EI (3) Bronco se 2 EI negativos McWilliams T e cols. Thorax 2002;57:

31 Infiltrado pulmonar pós HAART: síndrome de reconstituição imune Associado a linfoadenopatia: Micobacteriose Aids patients care SIDS, 2003;17:99 Lesões sarcoide-like Haranat, LB et al, Radiology 2001;218:242 Pré-HAART 25% pós-primário X 45% pós- HAART Long, R et al Chest 1991;99:123 Barne, PF et al NEJM 1991;324:1644 Síndrome de Recuperação Imunológica Síndrome Inflamatória de Recuperação Imunológica Terapia antiretroviral altamente ativa Baixa frequência de infecções oportunistas Melhor sobrevida em pacientes com SIDA Alguns pacientes desenvolvem SRI Resposta inflamatória exuberante com diagnóstico prévio ou patógenos incubados Síndrome de Recuperação Imunológica Síndrome inflamatória de Recuperação Imunológica Exacerbação paradoxal da tuberculose Linfadenite (complexo Micobacterium avium) Exacerbação paradoxal com meningite criptocóccica Tratamento: agentes antiinflamatórios 31

32 Tuberculose 46 M SIDA Tuberculose 46 M SIDA Tuberculose HAART SRI Algorítmo para pacientes HIV soropositivos com sintomas pulmonares Radiografia de Tórax Anormal Normal Exame de Escarro * Exame de Escarro * Patógeno Identificado Tratamento Patógeno não identificado Tratamento Empírico ** ** Patógeno não identificado Procedimento Screenning ** * Positivo Patógeno identificado Tratamento Negativo * escarro expectorado ou induzido ** para PN bacteriana, bronquite, TB e PCP é a suspeita. Aguarda cultura ** se paciente muito sintomático ** *TCAR, oximetria em exercício, TFP Diagnóstico Tratamento BFB Observação Não diagnóstico Tratamento Empírico Observação Biópsia Pulmonar aberta 32

33 Recomendações para indivíduos HIV+ com infiltrado pulmonar Aumentado risco de doenças infecciosas e não infecciosas Cuidadosa história clínica e exame físico Abordagem racional de testes não invasivos Terapia empirica pode ser iniciada em algumas situações BFB ou biópsia aberta se requrendo diagnóstico rápido ou falhando a terapia empírica OBRIGADO PELA ATENÇÃO 33

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU DOENÇAS INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU Doenças indicativas de infecção Síndrome retroviral aguda Febre prolongada Diarréia crônica pelo HIV / AIDS Infecções

Leia mais

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares

Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Diagnóstico Diferencial de Nódulos Pulmonares Letícia Kawano-Dourado Grupo de Doenças Intersticiais e Vasculites Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP Nódulos

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR os Dez Mandamentos CNAP / SBPT São Paulo, 2013 L u iz F elip e N o b re luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR Def. Opacidade relativamente esférica com diâmetro

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

Curso de diagnóstico por imagem do tórax

Curso de diagnóstico por imagem do tórax PRIMORMENTO Curso de diagnóstico por imagem do tórax Curso de diagnóstico por imagem do tórax Capítulo III Manifestações radiológicas pulmonares nos portadores da síndrome da imunodeficiência adquirida

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado.

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado. INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO Rodney Frare e Silva Professor Adjunto Pneumologia UFPR COMPLICAÇÕES PULMONARES INFECCIOSAS APÓS O TCTH Importância

Leia mais

Estimativa global de casos de Aids entre adultos e crianças, 2007. Pessoas vivendo com HIV/Aids, 2007. Total: 33 milhões (30 36 milhões)

Estimativa global de casos de Aids entre adultos e crianças, 2007. Pessoas vivendo com HIV/Aids, 2007. Total: 33 milhões (30 36 milhões) III Curso Nacional de Infecções Respiratórias Aids: Perfil atual da doença pulmonar na era pós-terapia anti-retroviral Dr. Unaí Tupinambás Dep. Clínica Médica da Faculdade de Medicina - UFMG Pessoas vivendo

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO VERSUS

DIAGNÓSTICO CLÍNICO VERSUS DIAGNÓSTICO CLÍNICO VERSUS BRONCOFIBROSCÓPICO NAS DOENÇAS PULMONARES EM PACIENTES POSITIVOS AO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 1 Marcel Sergei Casagrande 2 Rosemeri Maurici da Silva 3 RESUMO Os indivíduos

Leia mais

Caso Clínico. Anamnese. Anamnese 16/04/2013. Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP

Caso Clínico. Anamnese. Anamnese 16/04/2013. Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP Caso Clínico Kênia Schultz Pós-graduanda IAMSPE - HSPE - SP Anamnese ID: Mulher, 61 anos, solteira, Natural e procedente de São Paulo, Profissão: Funcionária pública - aposentada há 10anos. QP: Diarréia

Leia mais

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Radiologia Torácica Patológica Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Importância Diagnóstica É fundamental um exame satisfatório e de qualidade

Leia mais

Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA. Maria de Lourdes Giacomini. Medicina Interna e Infectologia

Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA. Maria de Lourdes Giacomini. Medicina Interna e Infectologia Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA Maria de Lourdes Giacomini Medicina Interna e Infectologia HCAA - 2006 INTRODUÇÃO 1981 - EUA São Francisco, NY Sarcoma de kaposi, PPC, imunodeficiência

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC Campinas (SP) Ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Mortalidade por Aids no Brasil

Mortalidade por Aids no Brasil Mortalidade por Aids no Brasil 2º Seminário de Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids Dezembro, 2009 Denize Lotufo Estevam Programa Estadual de DST/Aids SP Mudanças nas causas de óbito em HIV entre 2000 e

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Visão global do problema 1 Mortalidade 2012 d. respiratórias 13.908 +4.012 neoplasia traqueia, brônquios e pulmão 50 portugueses/

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Diagnóstico diferencial de lesão cavitária em HIV positivo

Diagnóstico diferencial de lesão cavitária em HIV positivo DISCUSSÃO DE CASO Diagnóstico diferencial de lesão cavitária em HIV positivo Diagnóstico diferencial de lesão cavitária em HIV positivo RELATORES MARIA INÊS BUENO DE ANDRÉ VALERY 1, LINO ALEXANDRE DE BARROS

Leia mais

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Pneumonia É uma inflamação ou infecção do parênquima pulmonar Agente etiológico: bactérias, vírus, fungos, helmintos,

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA EM PACIENTES HIV-POSITIVOS

DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA EM PACIENTES HIV-POSITIVOS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA EM PACIENTES HIV-POSITIVOS Painel de Especialistas em Imagem Torácica: Jack Westcott, Médico 1 ; Sheila D. Davis,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr TOSSE NA INFÂNCIA PRINCIPAL SINTOMA RESPIRATÓRIO SEGUNDA QUEIXA MAIS FREQUENTE

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Franklin José Candido Santos Hematologista do HEMOCE Fortaleza Hematologista do Hospital Haroldo Juaçaba A maioria dos pacientes que se

Leia mais

1. Introdução... 0 2. Material e Método:... 2 3. Resultados e discussões...3 4. Conclusões...4 5. Referências Bibliográficas:... 5

1. Introdução... 0 2. Material e Método:... 2 3. Resultados e discussões...3 4. Conclusões...4 5. Referências Bibliográficas:... 5 Coinfecção pelo Mycobacterium tuberculosis e Vírus da Imunodeficiência Humana Autores : Tatiana Bacelar Acioli LINS João Alves de ARAÚJO FILHO Eldom de Medeiros SOARES Felipe Macedo dos SANTOS Polyana

Leia mais

PNEUMOLOGIA R3. Residência Médica 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. (Endoscopia Respiratória)

PNEUMOLOGIA R3. Residência Médica 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. (Endoscopia Respiratória) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Residência Médica 2014 PNEUMOLOGIA R3 (Endoscopia Respiratória) HUGG Hospital Universitário Gaffrée Guinle 1) O esquema terapêutico que deve ser utilizado

Leia mais

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX Como analisar um Rx RADIOGRAFIA TÓRAX VISÃO PANORÂMICA VISÃO DETALHADA DA PERIFERIA PARA O CENTRO SEGUIR UMA SEQÜÊNCIA OBJETIVO Posicionamento Técnica Análise Como olhar um Rx Técnica Posicionamento -

Leia mais

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo

27/04/2016. Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia. Mara Figueiredo Diferenças na exacerbação infecciosa na DPOC vs. DPOC com pneumonia Mara Figueiredo Conflitos de Interesse CFM nº 1.59/00 de 18/5/2000 e ANVISA nº 120/2000 de 30/11/2000 Nos últimos doze meses recebi apoio

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

O pulmão na Artrite Reumatoide

O pulmão na Artrite Reumatoide O pulmão na Artrite Reumatoide Dr. Alexandre de Melo Kawassaki Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares, InCor HC-FMUSP Pneumologista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - ICESP e do Hospital

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

CASO CLÍNICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PNEUMOPATIAS EM IMUNOCOMPROMETIDOS

CASO CLÍNICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA PNEUMOPATIAS EM IMUNOCOMPROMETIDOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA I Curso de Pneumologia na Graduação PNEUMOPATIAS EM IMUNOCOMPROMETIDOS Faculdade de Medicina da Bahia 29 a 31 Maio de 2008 Rodney Frare e Silva Prof. Adjunto

Leia mais

HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE IMAGIOLOGIA Professor Doutor Filipe Caseiro Alves

HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE IMAGIOLOGIA Professor Doutor Filipe Caseiro Alves HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE IMAGIOLOGIA Professor Doutor Filipe Caseiro Alves REUNIÃO TEMÁTICA: TC DE ALTA RESOLUÇÃO Moderador: Dr.ª Luísa Teixeira Cláudia Paulino Julho

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

Fluxograma sistema respiratório

Fluxograma sistema respiratório Fluxograma sistema respiratório Lucieni Conterno & Oscar Chagas QUADRO RESPIRATÓRIO EM PACIENTES HIV Pacientes com infecção pelo HIV possuem risco maior que a população geral para desenvolverem Pneumonia,

Leia mais

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos Sessão De Pediatria Discussão De Artigos Evaluation of children with recurrent pneumonia diagnosed by world health organization criteria. Pediatr Infect Dis J. 2002: 21: 108-12. James D. Heffelfinger,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC Resumo da Antibioticoprofilaxia clínica no HNSC em Adultos - CIH-HNSC - Maio/2011 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-HNSC NORMAS E ROTINAS TÉCNICO-OPERACIONAIS CIH/HNSC/GHC NRTO 11/2002 Atualizada

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Coordenação de Pesquisa Clínica - INCA Serviço de Oncologia Clínica - HSE COI - Clínicas Oncológicas Integradas Definição de emergência oncológica

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora:

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 Novembro 2008 Disciplina: Medicina Prof.: Dr. Germano do Carmo Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Nota 1: O professor incidiu

Leia mais

A tomografia computadorizada de alta resolução no estudo dos pacientes com sarcoma de Kaposi e SIDA

A tomografia computadorizada de alta resolução no estudo dos pacientes com sarcoma de Kaposi e SIDA rtigo original tomografia computadorizada de alta resolução no estudo dos pacientes com sarcoma de Kaposi e SID High-resolution computed tomography findings in patients with Kaposi s sarcoma and IDS Edson

Leia mais

Revisitando uma velha síndrome

Revisitando uma velha síndrome Revisitando uma velha síndrome Bruna Savioli Raphael A. B. da Silva Residentes de Clínica Médica do HSPE-SP Maria Raquel Soares Pneumologista do Serviço de Doenças Respiratórias do HSPE-SP Tatiana Santos

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

Claritromicina VO 500 mg BID; ou Azitromicina VO 250 mg UID; ou Ciprofloxacina 500-750 mg VO BID. Itraconazol cápsula 100 mg VO BID por 14 dias

Claritromicina VO 500 mg BID; ou Azitromicina VO 250 mg UID; ou Ciprofloxacina 500-750 mg VO BID. Itraconazol cápsula 100 mg VO BID por 14 dias Tabela 1. Recomendações para tratamento das principais doenças oportunistas em pacientes adolescentes e adultos infectados pelo HIV ou com aids Doença Tratamento Observações 1ª escolha Alternativas Angiomatose

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Regente Professor Doutor Paulo Magalhães Ramalho Docente Dra. Filipa Nunes CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Ana Catarina Henriques (3884), Ana Luísa Pereira (6197), Anabela Aires (3918), Duarte Martins (3969)

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

Boletim de atualização da Sociedade Brasileira de Infectologia ano II nº 7 Jul/Ago/Set 2008

Boletim de atualização da Sociedade Brasileira de Infectologia ano II nº 7 Jul/Ago/Set 2008 InfectologiaHoje Boletim de atualização da Sociedade Brasileira de Infectologia ano II nº 7 Jul/Ago/Set 2008 www.infectologia.org.br Síndrome Inflamatória da Reconstituição Imune em HIV/Aids Por Érico

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO NC, sexo masculino, 66 anos, realiza TC de tórax por suspeita de fibrose pulmonar. Queixa-se de falta

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Estadiamento e Follow Up em Melanoma. Rafael Aron Schmerling

Estadiamento e Follow Up em Melanoma. Rafael Aron Schmerling Estadiamento e Follow Up em Melanoma Rafael Aron Schmerling Estadiamento AJCC/TNM - 2009 T0 - Sem evidência do tumor primário (desconhecido) Tis - Melanoma in situ T1 < 1 mm T1a - sem ulceração/mitose

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Primo-infecção

Leia mais

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4

Teste de vacina contra Aids reduz risco de infecção 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 14 Joelma Castro Sousa 1 Neyane de Moraes Francelino 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

Estadiamento do Mediastino. PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS

Estadiamento do Mediastino. PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão Estadiamento do Mediastino PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS Fabio José Haddad Cirurgia Torácica II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão Estadiamento

Leia mais

Diagnóstico por Imagem da Tuberculose Diagnostic Imaging in Tuberculosis

Diagnóstico por Imagem da Tuberculose Diagnostic Imaging in Tuberculosis Artigo original Diagnóstico por Imagem da Tuberculose Diagnostic Imaging in Tuberculosis Domenico Capone 1,2, Rafael B. Capone 2, Rodrigo L. P. de Souza 2 RESUMO O objetivo deste trabalho foi abordar os

Leia mais

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias.

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias. 19 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. TC: aspectos técnicos Espessura dos cortes (cortes com menos de 1mm de alta resolução para estudo do parênquima pulmonar, principalmente para doenças do interstício

Leia mais

Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo. Bernardo Maranhão 1. Carla Cristina de Almeida 2. Giovani Antonio Marsico 3

Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo. Bernardo Maranhão 1. Carla Cristina de Almeida 2. Giovani Antonio Marsico 3 Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo Bernardo Maranhão 1 Carla Cristina de Almeida 2 Giovani Antonio Marsico 3 Gustavo Modesto Leal 4 Heitor Paiva 5 1. TE SBPT, Coordenador Comissão de

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Nódulos pulmonares múltiplos em um paciente com infecção pelo HIV

Nódulos pulmonares múltiplos em um paciente com infecção pelo HIV Leite Ribeiro TE e cols. Nódulos pulmonares múltiplos Relato de caso Nódulos pulmonares múltiplos em um paciente com infecção pelo HIV Multiple pulmonary nodules in a patient with HIV infection Thaís Emanuele

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 02 - Segundo o Manual de Normas do Ministério da Saúde, no acompanhamento terapêutico da tuberculose pulmonar, pode-se afirmar que:

PROVA OBJETIVA. 02 - Segundo o Manual de Normas do Ministério da Saúde, no acompanhamento terapêutico da tuberculose pulmonar, pode-se afirmar que: 01 - Paciente de 17 anos apresenta quadro de início insidioso com febrícula, sudorese noturna, perda de peso, anorexia e adinamia. A telerradiografia do tórax mostra um infiltrado apical-posterior em lobo

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 1 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SINAN 7ª REVISÃO 1986 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves

Leia mais

CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS

CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS 1 CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Categorias 001-139 1. NOTAS DE INCLUSÃO 1.1. Para efeito da ICD-9 consideram-se INCLUÍDAS neste capítulo as doenças reconhecidas como transmissíveis ou contagiosas

Leia mais

Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados

Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados SBPT 2004 Quimioprofilaxia : Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados Quimioprofilaxia da TB Primária É a administração de INH com a finalidade de prevenir a infecção.

Leia mais

Cintilografia Pulmonar

Cintilografia Pulmonar Dr. Fábio Figueiredo Ribeiro Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia - Florianopolis Cintilografia Pulmonar Cintilografia Pulmonar Indicações Estudo ventilação/perfusão : TEP Quantificação pulmonar

Leia mais

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente:

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente: O que mudou? Marcus B. Conde Comissão de Tuberculose/SBPT Instituto de Doenças de Tórax/UFRJ marcusconde@hucff.ufrj.br Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL RESUMO

ARTIGO ORIGINAL RESUMO ARTIGO ORIGINAL Perfil das crianças infectadas pelo vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), internadas em hospital de referência em infectologia pediátrica de Belo Horizonte/MG, 2003 The profile of human

Leia mais

Nódulo pulmonar de novo?

Nódulo pulmonar de novo? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -D.B., 79 anos, sexo masculino, caucasiano. -Natural

Leia mais