Relatório Final. 30 de novembro de Orientador. Prof. Dr. Marcos Mendes de Oliveira Pinto. Componentes. Bruno Stupello no USP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final. 30 de novembro de 2007. Orientador. Prof. Dr. Marcos Mendes de Oliveira Pinto. Componentes. Bruno Stupello no USP 4942349"

Transcrição

1 Desenvolvimento e aplicação de método para definição da estrutura de produto de um navio tanque (SUEZMAX) com aplicação de Planejamento, Programação e Controle da Produção num estaleiro. Relatório Final 30 de novembro de 2007 Orientador Prof. Dr. Marcos Mendes de Oliveira Pinto Componentes Bruno Stupello no USP João Stefano Luna Cardoso no USP Valdir Lopes Anderson no USP

2 ÍNDICE DE TABELAS TABELA 1: DETALHAMENTO DO ESTALEIRO TABELA 2: ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DO MODELO DE DIVISÃO EM SEÇÕES TABELA 3: PARAMETRIZAÇÃO DO MODELO DE DIVISÃO EM SEÇÕES TABELA 4: POSIÇÃO DA QUEBRA DAS SEÇÕES E NÚMERO DE ANTEPARAS E REFORÇADORES POR SEÇÃO TABELA 5: BLOCO 1 DETALHADO EM SUB-BLOCOS, PAINÉIS, CHAPAS E REFORÇADORES TABELA 6: COMPARAÇÃO ENTRE TECNOLOGIA DE CORTE TABELA 7: GUINDASTES USADOS NAS OFICINAS TABELA 8: COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE RECOLHIMENTO DE GRANALHA TABELA 9: QUADRO-RESUMO DOS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE TABELA 10: ATIVIDADES CONTIDAS NUMA LINHA DE PAINÉIS TABELA 11: COMPARATIVO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM TABELA 12: VELOCIDADE, RENDIMENTO E CUSTO VARIÁVEL DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM TABELA 13: GEOMETRIA DA ÁREA SOLDADA POR TIPO DE CHANFRO TABELA 14: VELOCIDADES DE SOLDA CALCULADAS RACIONALMENTE TABELA 15: VELOCIDADE EFETIVA DE SOLDAGEM CALCULADA TABELA 16: ÍNDICES DE CALDEIRARIA PARA PAINÉIS E SUB-BLOCOS TABELA 17: TEMPOS DE CALDEIRARIA PARA BLOCOS TABELA 18: TEMPOS DE TRANSPORTE TABELA 19: SUB-BLOCO DO BOJO DO BLOCO TABELA 20: COMPRIMENTO DE SOLDA DO SUB-BLOCO DO BOJO E SEUS COMPONENTES TABELA 21: VELOCIDADE DE SOLDA APLICADA AOS COMPRIMENTOS DE SOLDA CALCULADOS TABELA 22: NÚMERO DE ITENS NA PARTE ESTRUTURAL DE UM NAVIO (EXEMPLO) TABELA 23: DEFINIÇÃO DOS NÍVEIS DE DEMANDA DOS ESTALEIROS TABELA 24: MODELOS DE GESTÃO DE ESTOQUE RECOMENDADOS TABELA 25: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS FABRICAÇÃO DE PARTES TABELA 26: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS FABRICAÇÃO DE PAINÉIS TABELA 27: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS MONTAGEM DE SUB-BLOCOS, BLOCOS E SEÇÕES TABELA 28: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS EDIFICAÇÃO DO NAVIO TABELA 29: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS ACABAMENTO DO NAVIO TABELA 30: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS TODOS OS PROCESSOS TABELA 31: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS TODOS OS PROCESSOS PARA DEMANDA MÉDIA TABELA 32: MODELOS DE EMISSÃO DE ORDENS E PROGRAMAÇÃO EM ESTALEIROS BRASILEIROS - DEMANDA MÉDIA TABELA 33: POSICIONAMENTO DOS ELEMENTOS COM RELAÇÃO AO LPP DE POPA TABELA 34: MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO RECOMENDADOS TABELA 35: PROGRAMAÇÃO DAS ATIVIDADES DA EDIFICAÇÃO TABELA 36: PARTE DA ESTRUTURA ANALÍTICA DE PRODUTOS DO NAVIO PROPOSTO TABELA 37: TRANSIÇÃO ENTRE A ESTRUTURA DE PRODUTOS E O MRP TABELA 38: PARAMETRIZAÇÃO 1 PARA O MRP CADASTRAMENTO DE PRODUTOS TABELA 39: PARAMETRIZAÇÃO 2 PARA O MRP CADASTRAMENTO DE RECURSOS TABELA 40: PARAMETRIZAÇÃO 3 PARA O MRP - RELACIONAMENTO TABELA 41: PARAMETRIZAÇÃO 4 PARA O MRP - ROTEIRIZAÇÃO TABELA 42: PARAMETRIZAÇÃO 5 PARA O MRP - LEAD TIME TABELA 43: PARAMETRIZAÇÃO 6 PARA O MRP - NECESSIDADE LÍQUIDA DOS BLOCOS TABELA 44: ORDENS DE FABRICAÇÃO E COMPRA TABELA 45: DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS NO TEMPO TABELA 46: PEDIDOS E FORMAÇÃO DE ESTOQUE DOS 3 CENÁRIOS DE LOTEAMENTO TABELA 47: ELEMENTOS LONGITUDINAIS E PESOS

3 TABELA 48: ELEMENTOS TRANSVERSAIS E PESOS TABELA 49: BLOCO 2 DETALHADO EM SUB-BLOCOS, PAINÉIS, CHAPAS E REFORÇADORES TABELA 50: BLOCO 3 DETALHADO EM SUB-BLOCOS, PAINÉIS, CHAPAS E REFORÇADORES TABELA 51: BLOCO 4 DETALHADO EM SUB-BLOCOS, PAINÉIS, CHAPAS E REFORÇADORES TABELA 52: BLOCO 2 DETALHADO EM SUB-BLOCOS, PAINÉIS, CHAPAS E REFORÇADORES A TABELA 53 FOI DESENVOLVIDA PARA FAZER O REFINAMENTO DAS SOLUÇÕES DO SOLVER. NA SEGUNDA LINHA APRESENTAM-SE AS VARIAÇÕES NO COMPRIMENTO DA CHAPA, E NA PRIMEIRA COLUNA, AS POSSÍVEIS POSIÇÕES DE INÍCIO DA SEÇÃO 5 (CINCO) TABELA 54: ANÁLISE DE SENSIBILIDADE SOLVER TABELA 55: CADASTRAMENTO DAS ATIVIDADES NO MS PROJECT

4 ÍNDICE DE FIGURAS FIGURA 1: FLUXOGRAMA DO TRABALHO FIGURA 2: FLUXO DE INFORMAÇÕES E DECISÕES FIGURA 3: ARRANJO GERAL FIGURA 4: SEQÜÊNCIA DE MONTAGEM FIGURA 5: ILUSTRAÇÃO DA HIPÓTESE NAVIO-CAIXA FIGURA 6: DESTAQUE DO PAINEL CURVO DO SUB-BLOCO DO BOJO FIGURA 7: EXEMPLO DO BREAKDOWN DE UMA SEÇÃO DE UM NAVIO FIGURA 8: MODELO DE DIVISÃO EM SEÇÕES FIGURA 9: DIVISÃO DE SEÇÃO COM ANTEPARAS E REFORÇADORES TRANSVERSAIS (SEM ESCALA) FIGURA 10: DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS TRANSVERSAIS FIGURA 11: DEFINIÇÃO DOS BLOCOS E SUB-BLOCOS DA SEÇÃO MESTRA COM ANTEPARA TRANSVERSAL FIGURA 12: DEFINIÇÃO DOS BLOCOS E SUB-BLOCOS DA SEÇÃO MESTRA SEM ANTEPARA TRANSVERSAL FIGURA 13: POSICIONAMENTO DOS PAINÉIS DO BLOCO FIGURA 14: SUB-BLOCOS DOS BLOCOS 2, 3, 4 E FIGURA 15: PAINÉIS DO BLOCO FIGURA 16: FLUXOGRAMA DO MATERIAL NO ESTALEIRO FIGURA 17: EXEMPLO DE MÁQUINA DE PINTURA ADQUIRIDA PELO ESTALEIRO SERMETAL EM FIGURA 18: MÁQUINAS DE PINTURA AIRLESS EM DIVERSAS CONFIGURAÇÕES FIGURA 19: MÁQUINA TRICOMPONENTE E UNIDADE DE PREPARAÇÃO DA TINTA FIGURA 20: COMPONENTES DE UMA CABINE DE PINTURA MANUAL FIGURA 21: CABINES DE JATEAMENTO AUTOMÁTICO (E) E MANUAL (D) FIGURA 22: PÓRTICO E PONTE ROLANTE FIGURA 23: PONTE ROLANTE COM VIGA SIMPLES (A) E VIGA DUPLA (B) FIGURA 24: CONTROLE REMOTO E BOTOEIRA FIGURA 25: LINHA DE PAINÉIS PLANOS FIGURA 26: LINHA DE PAINÉIS CURVOS FIGURA 27: ILUSTRAÇÃO DAS VELOCIDADES UTILIZADAS NO CÁLCULO DOS LEAD-TIMES FIGURA 28: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO DOS TEMPOS DE PROCESSOS PARA O SUB-BLOCO DO BOJO 57 FIGURA 29: HIERARQUIA DE PLANEJAMENTO E PAPEL DO PPCPE FIGURA 30: CARACTERÍSTICAS DOS MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO EM PROCESSOS DE MANUFATURA FIGURA 31: COMPARAÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMA DE PRODUÇÃO FIGURA 32: COMPARAÇÃO DOS MODELOS DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES FIGURA 33: ESQUEMA DE MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DE PRODUÇÃO E ESTOQUES FIGURA 34: EXEMPLO DE MODELAGEM DE PROGRAMAÇÃO LINEAR (VARIÁVEIS DE DECISÃO, DADOS E FUNÇÃO OBJETIVO) FIGURA 35: EXEMPLO DE MODELAGEM DE PROGRAMAÇÃO LINEAR (RESTRIÇÕES) FIGURA 36: ESQUEMA DE MODELO DE PLANEJAMENTO TÁTICO DE PROJETOS FIGURA 37: EXEMPLO DE DIAGRAMA DE REDE PERT FIGURA 38: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL FIGURA 39: CARACTERÍSTICAS E EVOLUÇÃO DO MRP AO MRP II FIGURA 40: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL (PRODUÇÃO POR PROJETOS) FIGURA 41: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL (PRODUÇÃO CONTÍNUA, PROCESSOS CONTÍNUOS) FIGURA 42: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL (PRODUÇÃO CONTÍNUA, PROCESSOS DISCRETOS) FIGURA 43: EXEMPLO DE UM JOB-SHOP (FABRICAÇÃO DE PEÇAS DE METAL) FIGURA 44: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL (PRODUÇÃO INTERMITENTE REPETITIVA) FIGURA 45: CLASSIFICAÇÃO DOS MODELOS DE SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO FIGURA 46: ETAPAS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL (PRODUÇÃO INTERMITENTE SOB ENCOMENDA) FIGURA 47: FRAMEWORK DE COMPREENSÃO GERAL DO PROBLEMA DE PPCPE FIGURA 48: EXEMPLO DE ESTRUTURA DE PRODUTO DE UM NAVIO PARA UM BLOCO DA CASA-DE-MÁQUINAS (FIRST MARINE INTERNATIONAL)... 93

5 FIGURA 49: EXEMPLO DE ESTRUTURA DE PRODUTO DE UM NAVIO PARA UM BLOCO DA SEÇÃO DE TANQUES (FIRST MARINE INTERNATIONAL) FIGURA 50: FLUXOGRAMA GERAL DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM NAVIO FIGURA 51: ESQUEMA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM ESTALEIRO FIGURA 52: EXEMPLO DE LINHA DE FABRICAÇÃO DE PAINÉIS PLANOS (FIRST MARINE INTERNATIONAL) FIGURA 53: EXEMPLO DE LINHA DE FABRICAÇÃO DE PAINÉIS PLANOS (FIRST MARINE INTERNATIONAL) FIGURA 54: ESQUEMA DA CONFIGURAÇÃO LÓGICA DE UM ESTALEIRO PARA DEMANDA MÉDIA FIGURA 55: DISTRIBUIÇÃO DO MERCADO DE SOFTWARES DE PROGRAMAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS FIGURA 56: CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOFTWARES DE PROGRAMAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS FIGURA 57: METODOLOGIA APLICADA FIGURA 58: RECURSOS CONSIDERADOS NO ESTALEIRO MODELO FIGURA 59: DIVISÃO DO NAVIO EM SEÇÕES FIGURA 60: DIVISÃO EM BLOCOS DA SEÇÃO MESTRA COM ANTEPARA LONGITUDINAL FIGURA 61: PRECEDÊNCIA DOS BLOCOS NA MONTAGEM DA SEÇÃO FIGURA 62: EXEMPLO DO CÓDIGO ELABORADO FIGURA 63: ENTRADA 1 PARA O PROJECT - CADASTRAMENTO FIGURA 64: ENTRADA 1 PARA O PROJECT CADASTRAMENTO (ATIVIDADES MACRO) FIGURA 65: ENTRADA 2 PARA O PROJECT DETALHES DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FIGURA 66: ENTRADA 3 PARA O PROJECT CALENDÁRIO FIGURA 67: DIAGRAMA DE REDE PARA O PROJETO - DESNIVELADO FIGURA 68: TRECHO DOS CÁLCULOS DE FOLGA LIVRE E TOTAL DO PROJETO - DESNIVELADO FIGURA 69: GRÁFICO DE GANTT DO PROJETO (ATIVIDADES MACROS) - DESNIVELADO FIGURA 70: GRÁFICO DE GANTT DO PROJETO (DETALHADO) - DESNIVELADO FIGURA 71: GRÁFICOS DE UTILIZAÇÕES DOS RECURSOS - DESNIVELADO FIGURA 72: GRÁFICOS DE UTILIZAÇÕES DOS RECURSOS - NIVELADO SEM ALTERAÇÃO DA DATA FINAL FIGURA 73: DIAGRAMA DE REDE PARA O PROJETO - NIVELADO GIGURA 74: GRÁFICO DE GANTT DO PROJETO (ATIVIDADES MACROS) - NIVELADO FIGURA 75: GRÁFICO DE GANTT DO PROJETO (DETALHADO) - NIVELADO FIGURA 76: GRÁFICOS DE UTILIZAÇÕES DOS RECURSOS - NIVELADO FIGURA 77: COMPARAÇÃO DO ESPAÇAMENTO DE PEDIDOS PARA A LINHA DE PAINÉIS PLANOS FIGURA 78: TRÊS CENÁRIOS DAS HORAS NECESSÁRIAS PARA A MÁQUINA DE CORTE FIGURA 79: SEQÜENCIAMENTO DE EDIFICAÇÃO DO ESTALEIRO FIGURA 80: DEMANDA DE MÁQUINA DE CORTE FIGURA 81: DEMANDA DE MÁQUINA DE CORTE FILTRADO FIGURA 82: CUSTO ASSOCIADO PARA MÁQUINA DE CORTE FIGURA 83: QUANTIDADE DE MÁQUINA DE CORTE SUGERIDA FIGURA 84: CUSTO ASSOCIADO PARA CABINE DE JATEAMENTO FIGURA 85: QUANTIDADE DE CABINE DE JATEAMENTO SUGERIDA FIGURA 86: QUANTIDADE DE PINTURA DE PINTURA SUGERIDA FIGURA 87: CUSTO ASSOCIADO PARA CABINE DE JATEAMENTO FIGURA 88: QUANTIDADE DE CABINE DE JATEAMENTO SUGERIDA FIGURA 89: CUSTO ASSOCIADO PARA LINHA DE PAINÉIS CURVOS FIGURA 90: QUANTIDADE DE LINHA DE PAINÉIS CURVOS SUGERIDA FIGURA 91: CUSTO ASSOCIADO PARA PONTE ROLANTE FIGURA 92: QUANTIDADE DE PONTE ROLANTE SUGERIDA FIGURA 93: CUSTO ASSOCIADO PARA GUINDASTE FIGURA 94: CUSTO ASSOCIADO PARA CALDEIREIRO FIGURA 95: QUANTIDADE DE CALDEIREIRO SUGERIDA FIGURA 96: CUSTO ASSOCIADO PARA SOLDADOR FIGURA 97: QUANTIDADE DE SOLDADOR SUGERIDA FIGURA 98: RESUMO DA ESTIMATIVA DE RECURSOS NAS OFICINAS

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 9 PARTE I. METODOLOGIA PARA DEFINIÇÃO DE ESTRUTURA DE PRODUTO PARA UM NAVIO OBJETIVO DESCRIÇÃO DA EMBARCAÇÃO E DO ESTALEIRO MODELO Breve caracterização do navio considerado Estaleiro modelo METODOLOGIA DESENVOLVIDA PARA O BREAKDOWN Hipóteses Adotadas H1: Estruturas consideradas H2: Mercado Fornecedor H3: Extrapolação da Seção mestra para o Navio inteiro H4: Comprimento da Seção, Anteparas e Reforçadores transversais H5: Capacidade de Içamento Quebra do Navio Definição das Seções Definição dos Blocos e Sub-Blocos Definição dos Painéis Definição das Chapas e Reforçadores ANÁLISE DOS RECURSOS PARA A CONSTRUÇÃO Processos Equipamentos Informações extraídas da bibliografia consultada Informações de catálogos de fornecedores Entrevistas Principais aprendizados Jateamento e pintura Transporte Solda Automação da Linha de Painéis Cálculo racional da velocidade de solda CÁLCULOS DOS LEAD TIMES E DE UTILIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA Cálculo dos tempos de processo Exemplo de cálculo de lead time para um sub-bloco Definição da capacidade de trabalho SÍNTESE DOS RESULTADOS 59 PARTE II. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO E ESTOQUES NA CONSTRUÇÃO NAVAL 60

7 7. INTRODUÇÃO AO PPCPE ESTRUTURA GERAL DO PROBLEMA DE PPCPE Planejamento estratégico global e das funções da empresa Sistemas de informação transacionais para auxílio à decisão Planejamento tático Planejamento agregado da produção e estoques Produção por projetos Planejamento operacional Emissão de ordens com o Master Production Schedule (MRP) Modelagem em sistemas de produção por projetos Modelagem em sistemas de produção contínua Modelagem em sistemas de produção intermitente repetitiva Modelagem em sistemas de produção intermitente sob encomenda Framework de compreensão do problema geral CARACTERÍSTICAS DE NAVIOS E ESTALEIROS RELEVANTES PARA O PPCPE Estrutura de produto de um navio Caracterização das etapas do processo de construção Síntese: sistemas de produção associados às etapas do processo produtivo do estaleiro, por nível de demanda ESTRATÉGIA E OBJETIVOS DA OPERAÇÃO EM ESTALEIROS BRASILEIROS Estratégia competitiva Objetivos e estratégia da operação MODELAGEM PARA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO EM ESTALEIROS BRASILEIROS Planejamento tático Planejamento operacional Controle da produção e estoques ANÁLISE DE FERRAMENTAS DE PPCPE Softwares de gerenciamento de projetos Importância para as empresas Distribuição do mercado Comparativo dos principais softwares Recomendações para a indústria naval Softwares de Master Production Schedule (MRP) integrados a Enterprise Resources Planning (ERP) ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO NAVAL BRASILEIRA Orientações gerais para os estaleiros (independente do nível de demanda) Medidas de adaptação do PPCPE de estaleiros com demanda pequena para o incremento de demanda (até equivalente a 3 navios ou mais de médio/grande porte em 12 a 18 meses) 130 PARTE III. APLICAÇÃO E ANÁLISE DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE UM ESTALEIRO OBJETIVOS 131

8 15. PREMISSAS E DEFINIÇÕES BÁSICAS Definição do estaleiro Definição da embarcação Divisão do navio em seções e blocos Definição dos processos de fabricação adotados PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA EDIFICAÇÃO Elaboração dos parâmetros de entrada para o MS Project Cadastramento das atividades e dos recursos Utilização dos recursos Restrições de datas Aplicação do software PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DAS OFICINAS Elaboração dos parâmetros de entrada para o MRP Cadastramento dos produtos utilizados Cadastramento dos recursos utilizados Estrutura de produtos Roteirização dos processos Lead time de fabricação e compra Estoque inicial e política de formação de lotes Datas de utilização dos blocos no dique Aplicação da ferramenta Formação dos pedidos em lotes Definição da quantidade de recurso aplicada Metodologia Cabine de jateameto Cabine de pintura Máquina de corte Linha de painéis planos Linha de painéis curvos Ponte rolante Guindaste Caldeireiro Soldador SÍNTESE DOS RESULTADOS 181 CONCLUSÃO GERAL 183 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 185 ANEXO 188

9 Introdução O objetivo deste trabalho é estudar a gestão da construção naval do ponto de vista operacional das oficinas de um estaleiro, compreendendo os equipamentos necessários para a fabricação, a forma como se aborda o trabalho e a busca por mecanismos de otimização utilização dos recursos. A abordagem deste problema é conhecida por PPCPE - Programação, Planejamento e Controle da Produção e Estoques e trata-se de um problema suficientemente complicado para merecer muita atenção e tomar muitas horas de trabalho na indústria, especialmente nos estaleiros, que agregam uma imensa quantidade de recursos e ativos. O sucesso na prática do PPCPE é essencial para garantir a lucratividade e mesmo a sobrevivência de um estaleiro, pois dele depende o cumprimento de prazos, fundamental para a credibilidade no mercado naval. Para alcançar este objetivo, propôs-se uma revisão bibliográfica dos conceitos de PPCPE (concentrados na Parte I e Parte II) e sua aplicação em um caso real (Parte III) a programação da construção de um navio. Foi necessário para prover a capacitação do grupo cursos de softwares de programação e entrevistas com estaleiros, projetistas e fornecedores. A obtenção do projeto do navio a ser programado também demandou grande esforço, sendo conseguido graças à influência e participação ativa do orientador Prof. Dr. Marcos M. Pinto. O passo seguinte foi a busca por uma metodologia que possibilitasse a obtenção dos itens a serem construídos. Neste ponto, descobriu-se que não há um método suficientemente generalista que possa ser aplicado a todos os navios. Era essencial mergulhar no problema, definir premissas que permitissem obter uma divisão do navio em partes num nível de detalhamento adequado para mostrar a dificuldade da programação da produção, sem tornar a quantidade de trabalho exagerada para a finalidade do projeto. A Figura 1 sintetiza o Framework aplicado nessa etapa. Basicamente foram necessárias as características do navio, do estaleiro e da matéria-prima, neste trabalho limitado ao aço. 9

10 Figura 1: Fluxograma do Trabalho Junto à adoção de algumas premissas, principalmente relacionadas ao estaleiro usado como modelo, verificou-se a necessidade de estudar os processos mais relevantes e os equipamentos requisitados para realizar tais funções, problema este abordado através de nova pesquisa bibliográfica, entrevistas com fabricantes de equipamentos e profissionais de estaleiros visitados. Pôde-se então definir índices de produtividade nos processos envolvidos que foram utilizados para calcular a quantidade de trabalho envolvida na construção de cada item do navio. Os índices e os métodos construtivos foram roteirizados e parametrizados no modelo desenvolvido pelo grupo, para que se pudesse alcançar a programação das atividades do estaleiro, meta desse trabalho. A elaboração desse modelo contou novamente com a ajuda do orientador Marcos Pinto e do Prof. Dr. Miguel C. Santoro, do Departamento de Engenharia de Produção da USP. Interligando ferramentas desenvolvidas em Matlab, VBA e MS Project, a metodologia para aplicação é constituída de três grandes etapas: programação de projetos, cronograma das atividades intermitentes e avaliação da capacidade de recurso disponível. A programação do estaleiro só é alcançada quando as três etapas convergirem, como será visto adiante. 10

11 Parte I. Metodologia para definição de estrutura de produto para um navio 1. Objetivo O escopo desta seção contempla o desenvolvimento do Product Work Breakdown Structure (Estrutura analítica de Produto) de um navio, que constitui o primeiro esforço do departamento de planejamento de um estaleiro para programar a produção. Inicialmente, o assunto foi pesquisado na literatura e junto a especialistas, mas existem poucas indicações empíricas de como fazer a quebra do navio e a equipe não encontrou nenhum trabalho que formalizasse uma metodologia suficientemente detalhada de como realizar essa atividade. Por isso optou-se por desenvolver a sistemática detalhada neste documento. O estudo é teórico, à priori, podendo ser aplicado a qualquer navio e estaleiro, alterando-se para isso alguns parâmetros de entrada. A partir de um projeto estrutural da seção mestra de um Suezmax e baseando-se nas instalações de um estaleiro hipotético com porte típico da indústria naval brasileira, realizou-se a quebra desde a divisão em seções até a lista de material a ser comprada. A metodologia apresentada aqui foi desenvolvida pelo grupo e pode ser útil a estaleiros que desejem planejar e programar a construção utilizando-se de um método científico apoiado em heurísticas otimizantes. Atualmente, observou-se que no país esse processo depende exclusivamente da longa experiência dos engenheiros responsáveis e em alguns casos de metodologias importadas o que oferece pouca flexibilidade usuário. Posteriormente foi feito um estudo teórico do problema de PPCPE (Planejamento e Programação da Produção e Estoques) e desenvolveu-se uma ferramenta para auxiliar os estaleiros nessa função. 11

12 Figura 2: Fluxo de informações e decisões 2. Descrição da Embarcação e do Estaleiro Modelo 2.1. Breve caracterização do navio considerado O navio escolhido para o desenvolvimento do presente estudo é do tipo Suezmax, semelhante àqueles licitados pela Transpetro. As considerações feitas no decorrer deste documento são baseadas em um projeto da seção mestra da embarcação disponibilizado pela Kromav Engenharia. As principais dimensões do navio são as seguintes: Lpp = 245,4 m; Lwl = 250,7 m; Boca = 48,3 m; Pontal = 25,16 m; Calado = 16,76 m; DWT = t; Onde Lpp, Lwl e DWT são, respectivamente, comprimento entre perpendiculares, comprimento na linha d água e dead weight (capacidade de carga de um navio). Além disso, o navio contém duplo casco, sendo, 3,75 m correspondentes ao duplo costado e 3,30 m ao duplo fundo. O espaçamento longitudinal médio entre anteparas transversais foi estimado em 24 metros e entre os reforçadores transversais em 5,2 metros. O arranjo geral da embarcação está apresentado na Figura 3, extraída de um dos desenhos do projeto. 12

13 Figura 3: Arranjo Geral 2.2. Estaleiro modelo Para que a análise proposta fosse possível, fez-se necessária a limitação dos recursos disponíveis para a construção do navio descrito anteriormente. Dessa forma, definiu-se um estaleiro modelo tomando como base conversa com especialistas do setor e os maiores e mais importantes estaleiros do país na época da expansão propiciada pelo II Plano de Construção Naval do governo brasileiro. Assumiu-se que, dentro do estaleiro, a matéria prima seguiria o fluxo apresentado pela Figura 4. Nela observa-se também um layout ideal para a área das oficinas. 13

14 Figura 4: Seqüência de montagem A estrutura do navio foi então repartida em seções e, por sua vez, em blocos. Tal divisão foi feita de acordo com a capacidade de içamento do estaleiro, que consta na Tabela 1. As dimensões do dique 1 foram assumidas iguais ao do estaleiro Sermetal, dique esse considerado o maior da América Latina e único capaz de suportar a edificação de um navio do tipo VLCC. Tabela 1: Detalhamento do estaleiro Dados do Estaleiro L 350 Dimensões Dique 1 (m) B 65 H 8 L 155 Dimensões Dique 2 (m) B 25 H Guindastes 100 Capacidade de 2 x 40 2 x 20 2 x Içamento ( ton ) Ponte Rolante 3 x 10 2 x 7, Pórtico 2 x

15 3. Metodologia desenvolvida para o Breakdown Nessa etapa de trabalho serão descritos todos os passos seguidos para escolha de determinação das chapas e reforçadores usados na construção desse navio Hipóteses Adotadas Devido à dificuldade de encontrar informações precisas e detalhadas sobre os equipamentos de um estaleiro, foram assumidas algumas hipóteses simplificadoras no que tangem tanto ao mercado fornecedor quanto à definição da capacidade de içamento no estaleiro modelo. Essas hipóteses estão descritas a seguir H1: Estruturas consideradas Um navio é formado basicamente por chapas de aço, perfis e sistemas. Os sistemas são conjuntos de equipamentos que fazem parte do outfitting na fase construtiva. A evolução mostrou que muitos estaleiros para diminuir o tempo no cais de acabamento, fazem o préoutfitting, ou seja, instalam esses sistemas na fase de construção dos blocos, antes do lançamento do navio. Apesar da técnica consagrada, somente as estruturas em aço foram consideradas, não considerando para os cálculos nenhum outfitting. Logo todos os itens que foram desconsiderados nessa etapa, deverão ser adicionados no cais de acabamento. Todas as estruturas longitudinais e transversais estão respectivamente nas tabelas dos anexos A1.1.1 e H2: Mercado Fornecedor Como explicado no item anterior, os fornecedores de maior relevância para esse estudo, são os fornecedores de aço, ou seja, as siderúrgicas. Considerando o mercado brasileiro, identificou-se como único fornecedor de chapa grossa, chapas para construção naval, o sistema USIMINAS/COSIPA, que atende as normas das principais sociedades classificadoras. Essas chapas possuem as dimensões e características descritas abaixo. Aços de média e alta resistência, divididos em três grupos de limite de escoamento, onde o limite de escoamento garantido varia de 235MPa até 355MPa, e 4 grupos para exigência de tenacidade; 15

16 Dimensões: o Comprimento: 12 m; o Largura: 3 m; o Existem várias espessuras, mas foram consideradas as espessuras estabelecidas no projeto. (12,5 mm; 16,5 mm; 18 mm; 19 mm; 20 mm; 21 mm); Não existe no país nenhum fabricante de perfis ou reforçadores. As siderúrgicas apontam a falta de escala como principal problema para a não fabricação. A demanda nacional dessas estruturas não justifica, segundo as usinas, a inclusão dessas em suas carteiras. Portanto, com a falta no mercado nacional os estaleiros são obrigados a importar os perfis e reforçadores. O problema do mercado fornecedor brasileiro é um assunto bem amplo e não cabe ao presente estudo, porém algumas características necessitam ser tratadas H3: Extrapolação da Seção mestra para o Navio inteiro. Para a realização desse estudo, foi necessária a obtenção do projeto de um navio. A aplicação da metodologia em um projeto real tem o objetivo de facilitar a compreensão dos passos seguidos. O projeto utilizado foi fornecido pela Kromav (empresa de engenharia naval localizada no estado do Rio de Janeiro) e só contém chapas e reforçadores da seção mestra. Tentouse adquirir os detalhes das seções de proa, popa, praça de máquinas e super-estrutura, mas o tempo disponível não foi suficiente para a obtenção desses dados. Com a seção mestra tem-se o corpo médio paralelo, o qual representa aproximadamente 75% do navio. Sendo assim, adotou-se um navio-caixa, ou seja, que o corpo paralelo médio se estendesse por todo navio, inclusive na superestrutura, como mostrado na Figura 5. 16

17 Figura 5: Ilustração da hipótese navio-caixa As seções de popa e proa possuem a maioria dos painéis curvos existentes no navio. Esses são fabricados, geralmente, em linhas manuais, pois as automatizadas são pouco versáteis com um set up entre peças diferentes muito grandes, o que é comum. Na maioria das vezes, essas dificuldades não justificam essa automatização. Isso não acontece para painéis planos, onde a grande quantidade de estruturas iguais e tempo de set up baixo entre os diferentes justificam a instalação das chamadas panel lines. Conclui-se, portanto, que o tempo gasto em peças curvas é, em média, maior que nas planas. O tempo de fabricação dos painéis curvos é maior, que dos planos, como explicado acima, portanto um maior número desses últimos compensaria essa diferença. Como as seções do corpo médio paralelo são consideravelmente maiores que as seções curvas (50%), a carga de trabalho por seção fica compensada. A oficina de painéis curvos não será detalhada, ficando restrita à fabricação de poucos painéis, tais como o painel curvo do bojo mostrado na Figura 6. Sendo assim, essa extrapolação gera uma maior utilização da linha de painéis planos, o que deve ser levado em consideração no momento de analisar tal oficina. Apesar de as seções parecem idênticas, elas possuem diferenças quanto ao número de anteparas e reforçadores transversais. Isso foi considerado e será explicitado adiante. 17

18 Figura 6: Destaque do painel curvo do sub-bloco do Bojo H4: Comprimento da Seção, Anteparas e Reforçadores transversais Tendo em vista maximizar a utilização das chapas minimizando cortes e soldas e simplificar o problema de divisão de blocos, determinou-se que o comprimento dos blocos e seções seria o mais próximo possível do comprimento de uma chapa padrão, ou seja, 12 m. Porém, devido às ondulações naturais causadas pelo processo de fabricação, assumiu-se que o comprimento possa variar entre 11,90 e 11,98m. As chapas deverão ser montadas em cada painel com seu comprimento paralelo a longitudinal do navio H5: Capacidade de Içamento No item 2 foi definido um estaleiro modelo. Sendo assim a capacidade de içamento e transporte ficou determinada, tanto no dique quanto nas oficinas. Esse item determinou o peso máximo dos blocos, de 300 toneladas, a ser construído para posterior montagem das seções no dique. Para a quebra total do navio, ou seja, chapas e reforçadores, essa capacidade é indiferente. Mas para projetar os painéis, sub-blocos, blocos e seções, essa limitação é extremamente importante. 18

19 3.2. Quebra do Navio Partindo do arranjo geral do Suezmax, foi feita a primeira etapa do Work Breakdown, a divisão em seções. Com isso origina-se a divisão em blocos e sub-blocos, terminando com painéis, chapas e perfis. Todas essas etapas serão detalhadas a seguir. A Figura 7 exemplifica os passos que serão seguidos. Figura 7: Exemplo do Breakdown de uma seção de um navio Definição das Seções Definição dos Blocos e Sub-Blocos Definição dos Painéis Definição de Chapas e Reforçadores 19

20 Definição das Seções No arranjo geral (Figura 3) somente anteparas e reforçadores transversais têm suas posições determinadas. O tamanho e a posição dos blocos e seções, como explicados anteriormente, dependem do layout do estaleiro e de sua capacidade de içamento. A seguir, discorrer-se-á sobre uma metodologia para definição das posições das seções do navio proposto. Tendo em vista maximizar a utilização das chapas, evitando cortes e soldagens desnecessárias, assumiu-se que o comprimento dos blocos e das seções seria constante e o mais próximo possível do comprimento da chapa (12 metros). Devido às ondulações na chapa causadas pelo processo natural de fabricação, foi definido que seu comprimento pode variar entre 11,90 a 11,98m. Para escolher a melhor opção de comprimento de chapa e assegurar que as soldas entre seções estarão minimamente distantes das soldas dos reforçadores transversais e das anteparas, foi desenvolvido um modelo e realizada uma análise de sensibilidade. Sendo assim, além de diminuir problemas relacionados à proximidade de cordões de solda, a facilidade construtiva também foi levada em consideração. O modelo consiste em determinar a posição exata de início das seções e maximizar as distâncias entre junções de seções, reforçadores e anteparas transversais, variando, para isso, o tamanho das seções e a posição de início da seção de referência (seção 5, a qual deve-se garantir possuir somente uma antepara das duas possíveis em sua proximidade, afim de não ultrapassar a capacidade de içamento do estaleiro). A formulação matemática do modelo consta na Figura 8. Devido à falta de detalhamento do projeto, foram estimadas as quantidades e as posições dos reforçadores para as seções 1, 2, 3, 4, 21 e da superestrutura, de maneira a possuir o menor número possível desde que o espaçamento entre elas não fosse maior do que no corpo paralelo médio (5,2m). Essa aproximação foi considerada em todas as etapas do trabalho e não compromete a análise. 20

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão.

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. METAL MECÂNICA AUTOCUT 4.0P HDX/2HDX Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. AutoCut 4.0P HDX/2HDX A AutoCut 4.0P é uma máquina CNC para corte de chapas de aço-carbono, aço

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 15 a 19 de Outubro de 2012 Adequação do mercado ao reaquecimento da Indústria Naval Waneska Lima Magalhães Resumo:

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO

DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO MAIS DE 40 ANOS DE EXPERIÊNCIA SEMPRE BUSCAMOS NOVOS CAMINHOS NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS Buscamos constantemente novas formas e soluções, utilizando

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Missão. Valores. Visão

Missão. Valores. Visão O U T E C N C A empresa A Tecnopampa Indústria de Máquinas Ltda é uma empresa Brasileira sediada em Santa Maria -S que atua na fabricação de máquinas CNC. Pesquisando e desenvolvendo tecnologias próprias

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil

Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil Alexandre Negredo, Kevin Barros Ulhoa¹; Medeiros G. C.² ¹ ² Grupo PET Estruturas Universidade Católica de Brasília (UCB) Curso de Graduação em Engenharia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br 1 VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA 1. O que é fundição centrifugada?

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA

1) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DE UMA FÁBRICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - Éolo

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Resute Assessoria e Tecnologia @ www.resute.com.br resute@resute.com.br 62 41010430

Resute Assessoria e Tecnologia @ www.resute.com.br resute@resute.com.br 62 41010430 Resute Soluções Sistemas Assessoria Assessorias e Tecnologia 2 Missão Desenvolver soluções especializadas em tecnologia e gestão de processos para o crescimento de nossos clientes Visão Ser reconhecida

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Armazenagem temporária Investimento em eficiência

Armazenagem temporária Investimento em eficiência Armazenagem temporária Investimento em eficiência Por que utilizar a armazenagem temporária? Características e Benefícios A melhor relação Custo-Benefício O de armazenagem temporária de grãos Temp Stor

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Sempre focado no crescimento e inovação

Sempre focado no crescimento e inovação A Mettalica Fundação: 1999 Sede: Mauá - São Paulo Brasileira Numero de Colaboradores: 70 Sorocaba SP Nova Unidade Mauá SP Sede atual Joinville SC Doppio Consultoria Depto Comercial Segmentos HIDROELÉTRICA

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA Edson Augusto Lopes RESUMO Atualmente com a globalização as indústrias vem investindo em máquinas e equipamentos modernos

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

PLATEC FPSO. 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012. Floating Production Storage and Offloading. Realização: Apoio:

PLATEC FPSO. 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012. Floating Production Storage and Offloading. Realização: Apoio: Floating Production Storage and Offloading 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012 Realização: Apoio: Brasil - mundo Demanda brasileira nos estaleiros do mundo PLATEC FPSO 2 Plataformas Tecnológicas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II Workshop Tecnológico APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT Apoio tecnológico

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas

Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Ferramenta BIM para Projetos de Estruturas Pré-Fabricadas Marco Moschini CSG Engineering Local: UNIDAVI - Rio do Sul / SC BIM ( Building Information Modeling ) ( Modelagem da Informação da Construção )

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais