Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl."

Transcrição

1 Onde encontrar Página principal do RDL Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um computador, que inclui o programa servidor e programa cliente. Patrocínio: Para utilização em rede (Multiusuário) RDL Servidor software de instalação do programa servidor, dessa forma, deve ser instalado em um computador servidor para que os usuários possam compartilhar a base de dados. Connecting People RDL Cliente software de instalação do programa cliente para ser instalado nos computadores dos usuários do RDL que compartilham a base de dados através do RDL Servidor. Desenvolvido por: Suporte Telefone: (92) Colaboração:

2 N REF. RDL NOVO RDL ANTIGO COMENTÁRIOS 1 Seção A Anexo I Esse anexo se refere a caracterização da empresa. 2 Estabelecimento Fabril/ Comercial / Instituição Os fornecedores que serão cadastrados nesta tela serão apenas os que realizaram atividades de P&D como serviços de terceiros. Para isso, deve ser selecionado o item Prestador de Serviço de P&D. Para o relatório da Instituição, elas podem ser cadastradas como instituições ou como unidades de P&D, sendo esse último vinculado a alguma instituição. 3 Unidade Principal ou Matriz Cadastro de Empresas É a empresa incentivada pela Lei 8387/91 4 Unidade Fabril Estabelecimento Fabril/Comercial 5 Demais Unidades ou Filial Estabelecimento Fabril/Comercial 6 Instituição Instituição Tabelas de Estabelecimentos Fabris e comerciais, Fornecedores e instituições. São as demais unidades fabris da empresa incentivada São as demais unidades comerciais da empresa incentivada São as instituições de Ensino e Pesquisa credenciadas pelo CAPDA. Ou Fundações de apoio a departamentos credenciados. 7 Unidade de P&D Instituição 8 Prestador de Serviço de P&D Fornecedor 9 Profissional Profissional São os departamentos de universidades que foram credenciados pelo CAPDA. Essas unidades normalmente estão vinculados a uma instituição que atuam como intervenientes nos convênios. São as empresas ou profissionais que atuaram em atividades de P&D como serviços de terceiros. É o cadastro de Profissionais de P&D, Representantes legais, Principais executivos e Responsáveis pelas informações da Empresa Incentivada ou instituição. 10 Caracterização das atividades industriais em Tecnologia da Informação Caracterização da Empresa É a relação de Bens de Informática produzidos e comercializados pela empresa. 11 Gestão Tecnológica Gestão Tecnológica - Deve conter a descrição da estratégia de aquisição tecnologica da Empresa. Uma definição de gestão tecnlogica é: 12 Estratégia -> Aquisição de Tecnologia Estratégia adotada e estrutura implantada para a execução das atividades de P&D GESTÃO TECNOLÓGICA - Aplicação das técnicas de gestão em apoio a processos de inovação tecnológica. Integra princípios e métodos de gestão ( administração), avaliação, economia, engenharia, informática e matemática aplicada. Na Gestão Tecnológica se identificam necessidades e oportunidades tecnológicas e se planeja, desenha, desenvolve e implantam soluções tecnológicas. Constituem um processo de administração das atividades da pesquisa tecnológica e da transferência dos seus resultados às unidades produtivas. O que é importante para a competitividade (e a produtividade) é a capacidade de demarcar os desenvolvimentos tecnológicos (inovação, progresso técnico) dentro de uma estratégia da empresa. Na gestão da qualidade é possível distinguir entre:

3 - qualidade interna, a nível dos processos ( minimizar rotinas, que não agregam valor, inventários, tempos ociosos, imperfeições, demoras, filas, desperdícios, contaminação, etc.) e, - qualidade externa, a nível dos produtos ( ajustados às especificações do desenho, performance, segurança, meio ambiente e satisfação do usuário). Fonte: MARTÍNEZ, Eduardo & ALBORNOZ, Mario. Indicadores de ciencia y tecnología: Estado del arte y perspectivas. Caracas, Unesco, Quadro de Pessoal Quadro de Pessoal Relacionar os profissionais da empresas especificando como foi a dedicação dele no anobase (exclusiva ou parcial) e qual o estabelecimento onde ele estava alocado. 14 Seção B Anexo I, Anexo II, Anexo IV e Anexo V - 15 Faturamento Ano-Base haviam em quase todos os anexos as informações relativas a faturamento - 16 Faturamento do Mercado Interno Esse valor já existia em quase todos os anexos. Porém, ele aparecia desmembrado no Anexo IV. 17 Faturamento no Mercado Externo Era visto como exportações 18 Informações Adicionais Presente no Anexo I 19 Patentes Presente no Anexo I 20 Seção C Anexo I, Anexo IV - qualidade externa, a nível dos produtos ( ajustados às especificações do desenho, performance, segurança, meio ambiente e satisfação do usuário). Apenas interessa os bens e serviços de informática Informações relativas a patentes, Resultado do Patrimônio Liquido, Tributos Federais e Tributos Estaduais recolhidos no ano-base Informações sobre as patentes obtidas ou requeridas da Empresa Aquisições e Importações * Observação: Os fornecedores desta seção devem ser cadastrados na opção "Cadastro - >Fornecedores" 21 Importação de Bens e Serviços Importações Não houve mudança significativa 22 Aquisições de Bens e Serviços não Incentivados Aquisições Para o RDL não devem ser incluídas as informações das aquisições de bens produzidos no PIM incentivados pela Lei 8387/91 desde que a destinação destes bens não seja para o Ativo da Empresa. 23 Aquisições de Bens Incentivados Não existia 24 Seção D Não existia 25 Obrigação das Contratadas Não Existia 26 Seção E Não Existia 27 Obrigação pelas Contratantes Não existia Devem ser incluídos todos as aquisições de bens produzidos no PIM incentivados pela Lei 8387/91, desde que a destinação destes bens não seja para o ativo da Empresa. Inserido devido as alterações impostas pelo decreto 4401/02 quanto a possibilidade de uma empresa assumir as obrigações de outra Deve ser preenchido pelas empresa que assumiram obrigações de investimento de P&D das empresas contratadas para terceirização. Inserido devido as alterações impostas pelo decreto 4401/02 quanto a possibilidade de uma empresa assumir as obrigações de outra Deve Ser preenchido pelas empresas contratadas para terceirização que repassaram suas obrigações para as empresas contratantes.

4 28 Seção F Anexo III e Anexo VI - 29 Convênio Convênio e Termos Aditivos No RDL os Convênio e termos aditivos são centralizados. Dessa forma a empresa / Instituição deve preencher apenas uma vez essas informações e posteriormente vincular os convênios e termos aditivos aos seus respectivos projetos. 30 Projeto Projetos Convênios e Extraconvênios - 31 Tipo do Projeto Projetos Convênios e Extraconvênios No software anterior, a empresa deveria cadastrar o projeto na aba correspondente ao tipo do projeto e definir ainda a classe do projeto. No RDL a empresa irá apenas selecionar se: O projeto foi totalmente desenvolvido pela Empresa, Totalmente desenvolvido pela Instituição ou foi parcialmente desenvolvido por ambos. 32 Convênio Convênio e Termos Aditivos 33 Empresa / Instituição Instituições Convenentes Antes para cada projeto deveria ser cadastrados os seus convênios e termos aditivos. No RDL a empresa / instituição deve apenas selecionar quais convênios fazem parte desse projeto, e dentro desse convênio quais os termos aditivos. Nessa Aba a Empresa / Instituição irá preencher todos os participantes do projeto. Podendo compor mais de uma empresa ou instituição por projeto. 34 Repasse Repasse de Recursos Financeiros, Repasse de Recursos Materiais, etc No RDL os repasses foram simplificados. Aqui a empresa / instituição deve informar apenas para qual instituição foi repassado o recurso, especificar qual o tipo de recurso que foi repassado e detalhar o repasse. A empresa não precisa mais informar quanto foi repassado para uma instituição ou empresa subcontratada. Isso será feito pela instituição A Instituição não precisará informar quanto recebeu. Isso será informado pela empresa. A principal mudança de conceito no RDL se encontra na prestação de conta desses itens. No RDL os profissionais, serviços terceiros e os gastos com viagens estão relacionados a cada atividade realizada. Com isso, a apropriação de horas deve ser compatível com o período de cada atividade. 35 Atividade Principais Atividades, Gastos com RH Diretos, Gastos com RH Indiretos, Serviços de Terceiros e Viagens Outra diferença é que os RH indiretos também estão ligados a atividades. Para isso, o campo "atividade do projeto" deve ser respondido como "NÃO" para caracterizar a atividade como sendo de apoio. As viagens podem ser cadastradas dentro de uma atividade macro. Ou ser associada uma atividade para cada viagem. Observação : Os prestadores de serviços desta opção devem Ser cadastros no item "Seção A -> Estabelecimento Fabril / Comercial / Instituição" como prestadores de serviço de P&D.

5 36 Tipo de Atividade Tipo de Projeto No Software anterior, projeto era caracterizado por quem o preenchia informando os tipos de projetos e seus respectivos percentuais. No RDL essa informação passa a estar vinculada a atividade e a responsabilidade do cálculo dos respectivos percentuais passa a ser do software. 37 Treinamento Gastos com Treinamento Treinamento no RDL passa a ser um tipo de atividade especial que possui igualmente: profissionais, serviços de terceiros e viagens. Relacionados a ela, porém, com a possibilidade de entrar um valor de custo operacional a mais. 38 Gastos Dispêndios ou Gastos No RDL esse item exclui as informações já preenchidas em atividades e treinamentos. E inclui a possibilidade de detalhar os gastos com "outros correlatos" conforme previsto na nova legislação. Observação: Os fornecedores desta opção devem ser cadastrados na opção "Cadastro- >Fornecedores" 39 Fase Plano de Desenvolvimento O plano de desenvolvimento antes era textual. No RDL ele passa a ser uma tabela comparativa de datas previstas e o efetivamente realizado para cada fase. 40 Enquadrabilidade de P&D Diversos itens Textuais - 41 Motivações e Objetivos Motivações e Objetivos Sem alterações 42 Ciclo de Vida do Projeto Plano de Desenvolvimento Completa as informações quanto ao plano de desenvolvimento, detalhando como foi planejado o ciclo de vida do projeto. 43 Características Inovadoras Características Inovadoras 44 Contribuição ao Desenvolvimento do País 45 Situação Atual Situação Atual 46 Efeitos das atividades sobre a unidade / entidade Contribuição ao Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico do País Efeitos das atividades sobre a unidade / entidade 47 Resultados Obtidos Resultados Obtidos O foco do RDL são as características inovadoras do projeto. No software anterior, o foco era obter as características inovadoras de cada resultado obtido. Sem alterações Sem alterações. Podendo ser completado com demais informações que a empresa / instituição julgar relevante ao projeto. Sem Alterações Foi Simplificado. Qualquer detalhamento sobre o resultado obtido deve ser preenchido nesse campo textual.

&RPRSURFHGHUSDUDID]HUDHQWUHJDIRUPDOGR5HODWyULR'HPRQVWUDWLYR 68)5$0$"

&RPRSURFHGHUSDUDID]HUDHQWUHJDIRUPDOGR5HODWyULR'HPRQVWUDWLYR 68)5$0$ 2QGHREWHUR6$*/,(," &RPRSURFHGHUSDUDDWXDOL]DUR6$*/,(, &RPRID]HURSULPHLURORJLQ" &RPR,QIRUPDU3URGXWRV,QFHQWLYDGRV" &RPRLQIRUPDUPHXIDWXUDPHQWRHP%HQVGH,QIRUPiWLFD%," &RPRFDGDVWUDUDTXLVLo}HV" &RPRODQoDUFRQWUDWRV"

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 10 de Dezembro de 2010 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS Instituição: UFRGS Autores: Ricardo Vieira, José Luis Machado e Álvaro Juscelino Lanner Área: Sistema de Informações Introdução. O trabalho aqui proposto

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013 SIGPLANI MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013 1 SigPlani - Sistema de Gestão da Lei de Informática Módulo RDA - Relatório Demonstrativo Anual ANO BASE 2013 Instruções versão 1.3 Ref.: Lei nº

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais.

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Explicar as opções disponibilizadas com o recurso Múltiplas filiais. Definir as configurações necessárias para trabalhar

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE MERCOSUL/CCM/DIR Nº 15/98 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Henrique Montserrat Fernandez Muitas pessoas, antes de abrir a empresa, já têm uma idéia do que ela produzirá. Mas será que é isso que os clientes

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA

EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA EDITAL CHAMADA DE CASOS PARA PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS INICIATIVAS INOVADORAS PARA SUSTENTABILIDADE EM DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio

Leia mais

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s M a n u a l d o F o r n e c e d o r Portal de Compras Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Informações importantes... 3 3. Acessando o portal...

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Pesquisa do IBRI é matéria de capa da revista Exame

Pesquisa do IBRI é matéria de capa da revista Exame Pesquisa do IBRI é matéria de capa da revista Exame Prezados (as) Associados (as), O IBRI realizou pesquisa publicada na revista Exame de 31 de dezembro de 2007 que envolveu 34 principais executivos de

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.2 13/10/2010 Sumário Apresentação... 3 Objetivo... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info)

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info) Programa 0465 Sociedade da Informação Objetivo Universalizar o acesso e a inclusão de todos os brasileiros na sociedade da informação Justificativa Público Alvo Produtores e usuários do conhecimento, empresas

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica 1. O PRÊMIO O Prêmio CISER de Inovação Tecnológica, doravante denominado PRÊMIO, promovido pela Cia. Industrial H. Carlos Schneider (CISER),

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos.

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos. Introdução O Código de Ética e Conduta foi aprovado em reunião do Conselho de Administração em 03/08/2015. É um documento que resume as principais políticas e diretrizes que definem as regras orientadoras

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas

4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 4. Pronunciamento Técnico CPC 05 Divulgação de Partes Relacionadas 1. Aplicação 1 - As instituições financeiras, as demais

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 6.3b Plano de Internacionalização

Leia mais

Emissão do CT-e 2.00 Configurações e Modificações

Emissão do CT-e 2.00 Configurações e Modificações Emissão do CT-e 2.00 Configurações e Modificações Introdução O conhecimento de transporte eletrônico é um documento de emissão obrigatória no transporte de cargas. Assim o sistema T-Transp está adequado

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Regulamento de Compras :

Regulamento de Compras : Regulamento de Compras : Capítulo I: das Disposições Gerais Artigo 1º. O presente Regulamento estabelece normas para a contratação de obras e serviços e compras, no âmbito da Associação Fundo de Incentivo

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG?

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG? SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG? 1. APRESENTAÇÃO Sob a perspectiva de que os processos de monitoramento e avaliação permitem tomar decisões políticas pertinentes para

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009

Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 Microsoft Dynamics AX Integração de livros fiscais com o Microsoft Dynamics AX 2009 White paper Este white paper descreve como configurar e usar a integração de livros fiscais entre o Microsoft Dynamics

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002 EMISSÃO 15/01/2007 1. Objetivo Regulamenta a inserção de dados relacionados às sanções administrativas aplicadas aos licitantes, contratados e convenentes, no sistema

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

GATI Gestão de Atendimento Inteligente. Manual de Uso. powered by OPUS Software v1.0

GATI Gestão de Atendimento Inteligente. Manual de Uso. powered by OPUS Software v1.0 GATI Gestão de Atendimento Inteligente Manual de Uso powered by OPUS Software v1.0 2 Gestão de Atendimento Inteligente A Gati Gestão de Atendimento Inteligente registra todo tipo de comunicação entre as

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO Contratação de Empresas de Consultoria para Prestação de

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU SISTEMA DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015 1. OBJETIVOS O Concurso MÃOS À OBRA tem por objetivo incentivar, aprofundar o debate sobre temas que impactam a competitividade da cadeia produtiva da construção

Leia mais

FAQ: Parametrização para Contabilização

FAQ: Parametrização para Contabilização TDN > Softwares de Gestão > RM > Recursos Humanos > Administração de Pessoal > FAQ FAQ: Parametrização para Contabilização Produto: Ambiente: RM Unspecified Versão: 11.0 Avaliação A principal finalidade

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Há 17 anos no mercado, a PREMIUN Tecnologia desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia.

Há 17 anos no mercado, a PREMIUN Tecnologia desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia. Há 17 anos no mercado, a desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia. Uma empresa de desenvolvimento de software, como a nossa, jamais seria bem sucedida ao longo de mais

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

1. Release 12.1.8... 8 1.1 Instalação/ Logix Update 12.1.8... 8 1.2 Inovação 12.1.8... 10 1.2.1 Distribuição e Logística Inovação 12.1.8... 10 1.2.

1. Release 12.1.8... 8 1.1 Instalação/ Logix Update 12.1.8... 8 1.2 Inovação 12.1.8... 10 1.2.1 Distribuição e Logística Inovação 12.1.8... 10 1.2. TOTVS 1. Release 12.1.8.............................................................................................. 8 1.1 Instalação/ Update 12.1.8............................................................................

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN SigPlani - Sistema de Gestão da Lei de Informática Módulo RDA - Relatório Demonstrativo Anual versão 1 ANO BASE

Leia mais

Apresentação. Vinicius Lino Ventorim Diretor da Politintas

Apresentação. Vinicius Lino Ventorim Diretor da Politintas Apresentação Seriedade, comprometimento e ética na condução de seus negócios. Esses são os princípios que regem a conduta da Politintas desde sua inauguração até os dias de hoje. Para que esses ideais

Leia mais

DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS

DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS MANUAL DO LICENCIAMENTO ON-LINE DE FONTES MÓVEIS DE POLUIÇÃO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS VERSÃO 2015 INTRODUÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

Perfis. de Investimento

Perfis. de Investimento Perfis de Investimento Índice Índice 4 5 6 7 7 8 9 10 11 12 12 13 13 14 14 15 16 17 Apresentação Como funciona a Eletros? Como são os investimentos em renda variável? Como são os investimentos em renda

Leia mais

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ A solução ABS TEM+ desenvolvida pela Vergence é baseada no conceito de TEM (Telecom Expenses Management), o qual visa a aplicação de melhoras em relação à tecnologia,

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Documento a ser entregue 3ª Etapa. 7º Concurso de empreendedorismo

Documento a ser entregue 3ª Etapa. 7º Concurso de empreendedorismo 1 Universidade Presbiteriana Mackenzie Decanato de Pesquisa e Pós-graduação Documento a ser entregue 3ª Etapa 7º Concurso de empreendedorismo Coordenadoria de Inovação e Empreendedorismo 2 1. PLANO DE

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O uso da Inteligência Competitiva como processo para monitorar tecnologias, legislação, ambiente regulatório, concorrência,

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará

Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará 1. APRESENTAÇÃO 2. O QUE É O SISTEMA DE COTAÇÃO ELETRÔNICA 3. QUE BENS E SERVIÇOS SERÃO TRANSACIONADOS NO SISTEMA 4. QUEM PODE VENDER OU CONTRATAR

Leia mais

So,fit 4 Transport Release Notes Versão 1.7

So,fit 4 Transport Release Notes Versão 1.7 NOVAS FUNCIONALIDADES Cadastros gerais Criado cadastro de Eixo, na categoria Veículo, onde são cadastradas as informações que servirão de base para o cadastro de layouts dos veículos. São cadastrados os

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais