Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl."

Transcrição

1 Onde encontrar Página principal do RDL Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um computador, que inclui o programa servidor e programa cliente. Patrocínio: Para utilização em rede (Multiusuário) RDL Servidor software de instalação do programa servidor, dessa forma, deve ser instalado em um computador servidor para que os usuários possam compartilhar a base de dados. Connecting People RDL Cliente software de instalação do programa cliente para ser instalado nos computadores dos usuários do RDL que compartilham a base de dados através do RDL Servidor. Desenvolvido por: Suporte Telefone: (92) Colaboração:

2 N REF. RDL NOVO RDL ANTIGO COMENTÁRIOS 1 Seção A Anexo I Esse anexo se refere a caracterização da empresa. 2 Estabelecimento Fabril/ Comercial / Instituição Os fornecedores que serão cadastrados nesta tela serão apenas os que realizaram atividades de P&D como serviços de terceiros. Para isso, deve ser selecionado o item Prestador de Serviço de P&D. Para o relatório da Instituição, elas podem ser cadastradas como instituições ou como unidades de P&D, sendo esse último vinculado a alguma instituição. 3 Unidade Principal ou Matriz Cadastro de Empresas É a empresa incentivada pela Lei 8387/91 4 Unidade Fabril Estabelecimento Fabril/Comercial 5 Demais Unidades ou Filial Estabelecimento Fabril/Comercial 6 Instituição Instituição Tabelas de Estabelecimentos Fabris e comerciais, Fornecedores e instituições. São as demais unidades fabris da empresa incentivada São as demais unidades comerciais da empresa incentivada São as instituições de Ensino e Pesquisa credenciadas pelo CAPDA. Ou Fundações de apoio a departamentos credenciados. 7 Unidade de P&D Instituição 8 Prestador de Serviço de P&D Fornecedor 9 Profissional Profissional São os departamentos de universidades que foram credenciados pelo CAPDA. Essas unidades normalmente estão vinculados a uma instituição que atuam como intervenientes nos convênios. São as empresas ou profissionais que atuaram em atividades de P&D como serviços de terceiros. É o cadastro de Profissionais de P&D, Representantes legais, Principais executivos e Responsáveis pelas informações da Empresa Incentivada ou instituição. 10 Caracterização das atividades industriais em Tecnologia da Informação Caracterização da Empresa É a relação de Bens de Informática produzidos e comercializados pela empresa. 11 Gestão Tecnológica Gestão Tecnológica - Deve conter a descrição da estratégia de aquisição tecnologica da Empresa. Uma definição de gestão tecnlogica é: 12 Estratégia -> Aquisição de Tecnologia Estratégia adotada e estrutura implantada para a execução das atividades de P&D GESTÃO TECNOLÓGICA - Aplicação das técnicas de gestão em apoio a processos de inovação tecnológica. Integra princípios e métodos de gestão ( administração), avaliação, economia, engenharia, informática e matemática aplicada. Na Gestão Tecnológica se identificam necessidades e oportunidades tecnológicas e se planeja, desenha, desenvolve e implantam soluções tecnológicas. Constituem um processo de administração das atividades da pesquisa tecnológica e da transferência dos seus resultados às unidades produtivas. O que é importante para a competitividade (e a produtividade) é a capacidade de demarcar os desenvolvimentos tecnológicos (inovação, progresso técnico) dentro de uma estratégia da empresa. Na gestão da qualidade é possível distinguir entre:

3 - qualidade interna, a nível dos processos ( minimizar rotinas, que não agregam valor, inventários, tempos ociosos, imperfeições, demoras, filas, desperdícios, contaminação, etc.) e, - qualidade externa, a nível dos produtos ( ajustados às especificações do desenho, performance, segurança, meio ambiente e satisfação do usuário). Fonte: MARTÍNEZ, Eduardo & ALBORNOZ, Mario. Indicadores de ciencia y tecnología: Estado del arte y perspectivas. Caracas, Unesco, Quadro de Pessoal Quadro de Pessoal Relacionar os profissionais da empresas especificando como foi a dedicação dele no anobase (exclusiva ou parcial) e qual o estabelecimento onde ele estava alocado. 14 Seção B Anexo I, Anexo II, Anexo IV e Anexo V - 15 Faturamento Ano-Base haviam em quase todos os anexos as informações relativas a faturamento - 16 Faturamento do Mercado Interno Esse valor já existia em quase todos os anexos. Porém, ele aparecia desmembrado no Anexo IV. 17 Faturamento no Mercado Externo Era visto como exportações 18 Informações Adicionais Presente no Anexo I 19 Patentes Presente no Anexo I 20 Seção C Anexo I, Anexo IV - qualidade externa, a nível dos produtos ( ajustados às especificações do desenho, performance, segurança, meio ambiente e satisfação do usuário). Apenas interessa os bens e serviços de informática Informações relativas a patentes, Resultado do Patrimônio Liquido, Tributos Federais e Tributos Estaduais recolhidos no ano-base Informações sobre as patentes obtidas ou requeridas da Empresa Aquisições e Importações * Observação: Os fornecedores desta seção devem ser cadastrados na opção "Cadastro - >Fornecedores" 21 Importação de Bens e Serviços Importações Não houve mudança significativa 22 Aquisições de Bens e Serviços não Incentivados Aquisições Para o RDL não devem ser incluídas as informações das aquisições de bens produzidos no PIM incentivados pela Lei 8387/91 desde que a destinação destes bens não seja para o Ativo da Empresa. 23 Aquisições de Bens Incentivados Não existia 24 Seção D Não existia 25 Obrigação das Contratadas Não Existia 26 Seção E Não Existia 27 Obrigação pelas Contratantes Não existia Devem ser incluídos todos as aquisições de bens produzidos no PIM incentivados pela Lei 8387/91, desde que a destinação destes bens não seja para o ativo da Empresa. Inserido devido as alterações impostas pelo decreto 4401/02 quanto a possibilidade de uma empresa assumir as obrigações de outra Deve ser preenchido pelas empresa que assumiram obrigações de investimento de P&D das empresas contratadas para terceirização. Inserido devido as alterações impostas pelo decreto 4401/02 quanto a possibilidade de uma empresa assumir as obrigações de outra Deve Ser preenchido pelas empresas contratadas para terceirização que repassaram suas obrigações para as empresas contratantes.

4 28 Seção F Anexo III e Anexo VI - 29 Convênio Convênio e Termos Aditivos No RDL os Convênio e termos aditivos são centralizados. Dessa forma a empresa / Instituição deve preencher apenas uma vez essas informações e posteriormente vincular os convênios e termos aditivos aos seus respectivos projetos. 30 Projeto Projetos Convênios e Extraconvênios - 31 Tipo do Projeto Projetos Convênios e Extraconvênios No software anterior, a empresa deveria cadastrar o projeto na aba correspondente ao tipo do projeto e definir ainda a classe do projeto. No RDL a empresa irá apenas selecionar se: O projeto foi totalmente desenvolvido pela Empresa, Totalmente desenvolvido pela Instituição ou foi parcialmente desenvolvido por ambos. 32 Convênio Convênio e Termos Aditivos 33 Empresa / Instituição Instituições Convenentes Antes para cada projeto deveria ser cadastrados os seus convênios e termos aditivos. No RDL a empresa / instituição deve apenas selecionar quais convênios fazem parte desse projeto, e dentro desse convênio quais os termos aditivos. Nessa Aba a Empresa / Instituição irá preencher todos os participantes do projeto. Podendo compor mais de uma empresa ou instituição por projeto. 34 Repasse Repasse de Recursos Financeiros, Repasse de Recursos Materiais, etc No RDL os repasses foram simplificados. Aqui a empresa / instituição deve informar apenas para qual instituição foi repassado o recurso, especificar qual o tipo de recurso que foi repassado e detalhar o repasse. A empresa não precisa mais informar quanto foi repassado para uma instituição ou empresa subcontratada. Isso será feito pela instituição A Instituição não precisará informar quanto recebeu. Isso será informado pela empresa. A principal mudança de conceito no RDL se encontra na prestação de conta desses itens. No RDL os profissionais, serviços terceiros e os gastos com viagens estão relacionados a cada atividade realizada. Com isso, a apropriação de horas deve ser compatível com o período de cada atividade. 35 Atividade Principais Atividades, Gastos com RH Diretos, Gastos com RH Indiretos, Serviços de Terceiros e Viagens Outra diferença é que os RH indiretos também estão ligados a atividades. Para isso, o campo "atividade do projeto" deve ser respondido como "NÃO" para caracterizar a atividade como sendo de apoio. As viagens podem ser cadastradas dentro de uma atividade macro. Ou ser associada uma atividade para cada viagem. Observação : Os prestadores de serviços desta opção devem Ser cadastros no item "Seção A -> Estabelecimento Fabril / Comercial / Instituição" como prestadores de serviço de P&D.

5 36 Tipo de Atividade Tipo de Projeto No Software anterior, projeto era caracterizado por quem o preenchia informando os tipos de projetos e seus respectivos percentuais. No RDL essa informação passa a estar vinculada a atividade e a responsabilidade do cálculo dos respectivos percentuais passa a ser do software. 37 Treinamento Gastos com Treinamento Treinamento no RDL passa a ser um tipo de atividade especial que possui igualmente: profissionais, serviços de terceiros e viagens. Relacionados a ela, porém, com a possibilidade de entrar um valor de custo operacional a mais. 38 Gastos Dispêndios ou Gastos No RDL esse item exclui as informações já preenchidas em atividades e treinamentos. E inclui a possibilidade de detalhar os gastos com "outros correlatos" conforme previsto na nova legislação. Observação: Os fornecedores desta opção devem ser cadastrados na opção "Cadastro- >Fornecedores" 39 Fase Plano de Desenvolvimento O plano de desenvolvimento antes era textual. No RDL ele passa a ser uma tabela comparativa de datas previstas e o efetivamente realizado para cada fase. 40 Enquadrabilidade de P&D Diversos itens Textuais - 41 Motivações e Objetivos Motivações e Objetivos Sem alterações 42 Ciclo de Vida do Projeto Plano de Desenvolvimento Completa as informações quanto ao plano de desenvolvimento, detalhando como foi planejado o ciclo de vida do projeto. 43 Características Inovadoras Características Inovadoras 44 Contribuição ao Desenvolvimento do País 45 Situação Atual Situação Atual 46 Efeitos das atividades sobre a unidade / entidade Contribuição ao Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico do País Efeitos das atividades sobre a unidade / entidade 47 Resultados Obtidos Resultados Obtidos O foco do RDL são as características inovadoras do projeto. No software anterior, o foco era obter as características inovadoras de cada resultado obtido. Sem alterações Sem alterações. Podendo ser completado com demais informações que a empresa / instituição julgar relevante ao projeto. Sem Alterações Foi Simplificado. Qualquer detalhamento sobre o resultado obtido deve ser preenchido nesse campo textual.

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013 SIGPLANI MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO RDA ANO BASE 2013 1 SigPlani - Sistema de Gestão da Lei de Informática Módulo RDA - Relatório Demonstrativo Anual ANO BASE 2013 Instruções versão 1.3 Ref.: Lei nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN SigPlani - Sistema de Gestão da Lei de Informática Módulo RDA - Relatório Demonstrativo Anual versão 1 ANO BASE

Leia mais

&RPRSURFHGHUSDUDID]HUDHQWUHJDIRUPDOGR5HODWyULR'HPRQVWUDWLYR 68)5$0$"

&RPRSURFHGHUSDUDID]HUDHQWUHJDIRUPDOGR5HODWyULR'HPRQVWUDWLYR 68)5$0$ 2QGHREWHUR6$*/,(," &RPRSURFHGHUSDUDDWXDOL]DUR6$*/,(, &RPRID]HURSULPHLURORJLQ" &RPR,QIRUPDU3URGXWRV,QFHQWLYDGRV" &RPRLQIRUPDUPHXIDWXUDPHQWRHP%HQVGH,QIRUPiWLFD%," &RPRFDGDVWUDUDTXLVLo}HV" &RPRODQoDUFRQWUDWRV"

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL LEI DE INFORMÁTICA E INCUBADORA RAIAR Coordenação: Prof. Edemar Antonio Wolf De Paula Gerente da Incubadora Raiar Porto Alegre, 05 de janeiro de

Leia mais

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.191, 3º andar, Sion, Belo Horizonte/MG - www.planetfone.com.br 1 SUMÁRIO 1. A PLANETFONE... 03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 04

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

MANUTENÇÃO DE AGRUPAMENTOS FISCAIS TARE

MANUTENÇÃO DE AGRUPAMENTOS FISCAIS TARE MANUTENÇÃO DE AGRUPAMENTOS FISCAIS TARE RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.567, DE 29 DE JULHO DE 2011

LEI MUNICIPAL Nº 4.567, DE 29 DE JULHO DE 2011 - Autoriza o Poder Executivo Municipal, a Câmara Municipal, o TATUIPREV e a Fundação Manoel Guedes a celebrarem convênio com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Tatuí e Região e dá outras

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque. Linha de Financiamento BNDES Exim Pós-embarque Serviços. Normas Operacionais

Produto BNDES Exim Pós-embarque. Linha de Financiamento BNDES Exim Pós-embarque Serviços. Normas Operacionais Produto BNDES Exim Pós-embarque Linha de Financiamento BNDES Exim Pós-embarque Serviços Normas Operacionais Capítulo V DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS ÀS EMPRESAS DE CONSULTORIA INDEPENDENTE 1. OBJETIVO O trabalho

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Nota: A HPE vai empregar esforços razoáveis para enviar um aviso de cancelamento de qualquer Serviço de Solução de Aprendizagem, mas

Leia mais

MANUAL GCE.NET (INTERNET) TRANSFORMAÇÃO DE EMPRESÁRIO EM SOCIEDADE LIMITADA E VICE-VERSA. Transformação de Empresário em Sociedade Limitada

MANUAL GCE.NET (INTERNET) TRANSFORMAÇÃO DE EMPRESÁRIO EM SOCIEDADE LIMITADA E VICE-VERSA. Transformação de Empresário em Sociedade Limitada MANUAL GCE.NET (INTERNET) TRANSFORMAÇÃO DE EMPRESÁRIO EM SOCIEDADE LIMITADA E VICE-VERSA Transformação de Empresário em Sociedade Limitada 1. O usuário acessa o sistema; 2. Seleciona a opção Sociedade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES

DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES COMPRAS E SERVIÇOS a. Autorização para abertura da licitação; b. Edital assinado, constando a data do procedimento; c. Planilha constando a descrição do(s) material(s)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/10/G32 Terceira Comunicação Nacional do Brasil à

Leia mais

Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado

Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado Roteiro para Elaboração de Projetos de Investimento Simplificado 1. CADASTRO Dados cadastrais da empresa, dos sócios e informações adicionais da empresa fichas de cadastro pessoa jurídica e pessoa física.

Leia mais

E-mails para Envio de Notas Eletrônicas

E-mails para Envio de Notas Eletrônicas E-mails para Envio de Notas Eletrônicas Introdução O envio dos arquivos de notas eletrônicas seja de peças ou de serviços é realizado pelo sistema de acordo com os emails cadastrados e configurados para

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

TUTORIAL - SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NA ENTRADA

TUTORIAL - SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NA ENTRADA Apresentação Este tutorial descreve como devem ser lançadas as notas fiscais com Substituição Tributária na entrada, a fim de evitar inconsistências nos relatórios fiscais. Quando a nota fiscal de entrada

Leia mais

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / -

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / - IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO 0 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa são essenciais

Leia mais

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT :

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : Importar tabela IBPT Através desta tela você pode importar a tabela Ibptax, fornecida pelo instituto brasileiro de planejamento tributário (IBPT). Esta tabela

Leia mais

FAQ: Parametrização para Contabilização

FAQ: Parametrização para Contabilização TDN > Softwares de Gestão > RM > Recursos Humanos > Administração de Pessoal > FAQ FAQ: Parametrização para Contabilização Produto: Ambiente: RM Unspecified Versão: 11.0 Avaliação A principal finalidade

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

ACESSANDO COM USUÁRIO DE PROFESSOR

ACESSANDO COM USUÁRIO DE PROFESSOR ACESSANDO COM USUÁRIO DE PROFESSOR 1º passo: Acesse a página através do link existente no site de Newton laboratório e audiovisual: 2º passo: Na tela inicial do sistema digite seu usuário e sua senha nos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 e Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998.

Base Legal da Ação Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 e Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998. 0089 - Previdência de Inativos e Pensionistas da União 0181 - Pagamento de Aposentadorias e Pensões - Servidores Civis Tipo: Operações Especiais Número de Ações 1 Pagamento de proventos oriundos de direito

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando a implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA Email Institucional Programa Orçamentário Objetivo Objetivo Detalhado Justificativa Instrumento Transferência Tipo Proponente Identificador Proponente seitectur@sol.sc.gov.br 640 Promoção do Turismo Catarinense

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado?

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado? 1) O que é o RTU? O Regime de Tributação Unificada (RTU) é o regime instituído pela Lei nº 11.898, de 8/1/2009, que permite a importação, por microempresa importadora varejista habilitada, de determinadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INTRODUÇÃO 4 ACESSO AO SISTEMA 5 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO 1. INSTALAÇÃO: Antes de iniciar a instalação do pedido eletrônico, entre em contato com o suporte da distribuidora e solicite a criação do código de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS: Considerando - (a) A Repom é empresa legalmente habilitada, nos termos da Resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres ( ANTT ) nº

Leia mais

Operações com o BNDES

Operações com o BNDES Operações com o BNDES EXIGÊNCIAS AO BENEFICIÁRIO Capacidade de pagamento Estar em dia com obrigações fiscais, tributárias e sociais Não estar em regime de recuperação de crédito Ter a posse do terreno/imóvel

Leia mais

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 Introdução Objetivo Geral: Levantar informações que visam à construção de indicadores nacionais e regionais das atividades de inovação tecnológica nas empresas industrias,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA - CONTABILIDADE ABERTURA DE EXERCÍCIO DE 2014 e NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CASP E SICOM/2014. O ano de 2014 será de grandes mudanças que afetarão muito a estabilidade

Leia mais

Inovação Tecnológica Histórico no Brasil

Inovação Tecnológica Histórico no Brasil www.fius.com.br Inovação Tecnológica Histórico no Brasil 1991 Lei 8.248 1993 Lei 8.661 2005 Lei 11/196 Lei da Informática Programa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial (PDTI)/ Agropecuário (PDTA)

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br CADASTRO DE METAS RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa 7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa ÍNDICE Definição de PABX e PABX-IP 1ª - Gravação de Chamadas 2ª - URA 3ª - Fila de Atendimento 4ª - Ramal

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 25 de setembro de 2015 Diálogo sobre Apoio à Pesquisa

Leia mais

Formulário interno de propostas

Formulário interno de propostas Formulário interno de propostas Observações: - Todos os itens descritos no Subprojeto devem estar de acordo com o formulário para apresentação de propostas FAP da FINEP. Para tanto se sugere que os grupos

Leia mais

Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS. Seleção Ambiental. Mapeamento Ambiental

Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS. Seleção Ambiental. Mapeamento Ambiental Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS Curso: Engenharia Mecatrônica Disciplina: Administração Ambiente Universo que envolvo e externamente uma empresa É a própria sociedade maior É de onde as empresas obtém

Leia mais

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência - PRONAS/PCD Brasília, 07 de agosto de 2014. Considerações sobre a Portaria

Leia mais

Lançamento Simplificado

Lançamento Simplificado Lançamento Simplificado OBJETIVO Com o objetivo de centralizar e simplificar os lançamentos em Conta Corrente (previsão a pagar e receber) e em Tesouraria (caixa/banco), que necessitam do acesso a rotinas

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 10 de Dezembro de 2010 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 06/2014

EDITAL FAPEMIG 06/2014 EDITAL FAPEMIG 06/2014 BOLSA DE INCENTIVO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DESTINADA A SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, nos termos

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Manual Operacional Este manual atende o Sistema Segurança Web - Acesso, Módulo Prestadores.

Manual Operacional Este manual atende o Sistema Segurança Web - Acesso, Módulo Prestadores. Manual Operacional Este manual atende o Sistema Segurança Web - Acesso, Módulo Prestadores. Aviso O conteúdo deste documento é de propriedade exclusiva da TCR Soluções Corporativas e está sujeito a alterações

Leia mais

Melhor para a sua Empre$a

Melhor para a sua Empre$a Melhor para a sua Empre$a Queremos que sua empresa produza mais, melhor e de maneira mais rentável. Para tornar isso possível, construímos uma ferramenta completa, fácil de usar e que integra todos os

Leia mais

Propriedade Intelectual e Exportação

Propriedade Intelectual e Exportação Propriedade Intelectual e Exportação Rita Pinheiro Machado Coordenadora Geral ACADEMIA/ INPI Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 Sumário O que é e como se divide a Propriedade Intelectual? Desde quando

Leia mais

GESCOMP Sistema de Gestão de Compras, Orçamento, Material e Patrimônio

GESCOMP Sistema de Gestão de Compras, Orçamento, Material e Patrimônio UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH DIVISÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO TDE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Manual do FACGTO - Autorizador Online Odontologia

Manual do FACGTO - Autorizador Online Odontologia Manual do FACGTO - Autorizador Online Odontologia 1 Acessar o endereço: http://facgtounafisco.facilinformatica.com.br 1.2 - Será exibida a página abaixo, selecionar o Tipo de acesso (Clínica (CNPJ) e/ou

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS FORNECEDOR: WORKSOFT INFORMÁTICA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 08.707.221/0001-06, com sede

Leia mais

Entre R$ 10,5 milhões e R$ 60 milhões de faturamento bruto em 2009 Média.

Entre R$ 10,5 milhões e R$ 60 milhões de faturamento bruto em 2009 Média. Instruções o Marcação das respostas: repare que no final de cada pergunta há uma orientação para Marcar mais de 1 resposta OU Marcar apenas 1 resposta. Por favor, siga claramente a forma de marcação indicada

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

Integração da Digitação de Eventos

Integração da Digitação de Eventos Integração da Digitação de Eventos Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 1 1.2. Conhecendo a Plataforma... 3 1.2.1. Seleção da Empresa... 3 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações...

Leia mais

SELECIONAMOS: Faturamento

SELECIONAMOS: Faturamento SELECIONAMOS: Monitoramento Remuneração: R$ 1400.00 Benefícios: _VALE ALIMENTAÇAO R$220,00 _SEGURO DE VIDA Descrição: ATIVIDADES PRINCIPAIS: ABERTURA DE O.S., ACOMPANHAMENTO E CONFERENCIA DE FATURAS DE

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2014-BNDES Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

CONTROLE DE TRANSGENIA

CONTROLE DE TRANSGENIA CONTROLE DE TRANSGENIA Visando auxiliar no gerenciamento das movimentações dos grãos, administrados pelo módulo Armazém, com o propósito de identificar os produtos que controle transgenia, foi elaborada

Leia mais

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011.

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011. FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0098/2014 Edital Nº. 098/2014 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação, PTI

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 Propriedade Intelectual Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica 1. O PRÊMIO O Prêmio CISER de Inovação Tecnológica, doravante denominado PRÊMIO, promovido pela Cia. Industrial H. Carlos Schneider (CISER),

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012 GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0 Janeiro de 2012 AS INFORMAÇÕES (LEIS, DECRETOS, PORTARIAS, LAYOUTS) AQUI CONTIDAS FORAM EXTRAÍDAS DE VÁRIAS FONTES E PODEM TER

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº 11.196/2005 Julho 2014 Agenda Cenário de P&D no Brasil; Conceito de Inovação Tecnológica; Projeto identificação e descrição; Principais Incentivos Fiscais;

Leia mais

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis.

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. Release 3.83 Resumo das alterações Gerais Contabilidade ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. 1. Corrigido processo de alteração do lançamento contábil em lotes manuais, nos casos

Leia mais

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015 POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15 17 de agosto de 2015 Seção I Destaques & Conjuntura Positivo Informática registra crescimento de 3,1% na receita líquida no varejo no 2T15 Mesmo em um trimestre de

Leia mais

Treinamento Portal de Convênios. Taxonomias de Pesquisa: Termo de Transferência de Materiais e Acordo de Confidencialidade

Treinamento Portal de Convênios. Taxonomias de Pesquisa: Termo de Transferência de Materiais e Acordo de Confidencialidade Treinamento Portal de Convênios Taxonomias de Pesquisa: Termo de Transferência de Materiais e Acordo de Confidencialidade Objetivos Apresentação do Sistema e dos perfis de usuários Apresentação dos tipos

Leia mais

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO I - TABELAS O sistema de folha foi desenvolvido especialmente para simplificar a rotina do departamento de pessoal, dinamizando informações e otimizando rotinas. Esta apostila

Leia mais

EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL

EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE FINANCIAMENTO PARA APOIO A PROJETOS INOVADORES E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO BANCO DO BRASIL Brasília, 27 de

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

MATERIAL RÁPIDO PARA CADASTRO DE CONTRATO COM O GRUPO PETROBRAS E EMPRESAS DO SISTEMA PETROBRAS

MATERIAL RÁPIDO PARA CADASTRO DE CONTRATO COM O GRUPO PETROBRAS E EMPRESAS DO SISTEMA PETROBRAS MATERIAL RÁPIDO PARA CADASTRO DE CONTRATO COM O GRUPO PETROBRAS E EMPRESAS DO SISTEMA PETROBRAS Última modificação: 26/02/2015 1. Contratos Cadastrados Automaticamente a) Antes de cadastrar o seu contrato

Leia mais

[Re]Descobrindo a Matriz Nine Box

[Re]Descobrindo a Matriz Nine Box [Re]Descobrindo a Matriz Nine Box Como essa ferramenta pode ajudar na Gestão de Pessoas Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br rogeriolemeoficial Rogerio Leme Diretor de Estudos de Desenvolvimento

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO O que é a desoneração da folha de pagamento? É a substituição da contribuição patronal previdenciária (20% sobre a folha de pagamento

Leia mais

Impostos Separados por Ente Tributário (Federal, Estadual e Municipal)

Impostos Separados por Ente Tributário (Federal, Estadual e Municipal) Impostos Separados por Ente Tributário Produto : Datasul, MFT (Faturamento), TOTVS 12 Chamado : TQWJCI Data da criação : 21/01/15 Data da revisão : País(es) : Todos Banco(s) de Dados 25/02/15 data em que

Leia mais

11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO

11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO 11º Prêmio MASTERINSTAL REGULAMENTO 1. DO PRÊMIO Há mais de uma década o Prêmio MASTERINSTAL contribui para ampliar a visibilidade e o aperfeiçoamento da atividade empresarial dedicada à execução, manutenção

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS AUTORIDADE COMPETENTE PREGOEIRO

MANUAL DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS AUTORIDADE COMPETENTE PREGOEIRO Coordenadoria de Entidades Descentralizadas e de Contratações Eletrônicas - Cedc MANUAL DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS AUTORIDADE COMPETENTE PREGOEIRO São Paulo Assistência Técnica da Coordenadoria de

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL A Plataforma FAPESC de CT&I é um ambiente de interação

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Processo de Compra, Contrato,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Conceição das Alagoas Secretaria de Administração, Fazenda e Gestão de Pessoal Setor de Tributação.

Prefeitura Municipal de Conceição das Alagoas Secretaria de Administração, Fazenda e Gestão de Pessoal Setor de Tributação. Prefeitura Municipal de Conceição das Alagoas Secretaria de Administração, Fazenda e Gestão de Pessoal Setor de Tributação Manual do Site CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS MINAS GERAIS 2011 Manual do Sistema de Arrecadação

Leia mais

Sistema Nacional de Informação em Vigilância Sanitária

Sistema Nacional de Informação em Vigilância Sanitária Sistema Nacional de Informação em Vigilância Sanitária Manual para Gestores e Usuários VISA Alagoas Versão 0.1 Página - 1 Manual elaborado com o objetivo de capacitar os Gestores e Usuários no Sistema

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação EDITAL RETIFICADO N o 02/2013 PRPI/IFAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS

Leia mais

TUTORIAL PROCESSO DE IMPRESSÃO PARA RESTAURANTE

TUTORIAL PROCESSO DE IMPRESSÃO PARA RESTAURANTE Sumário Últimas alterações... 1 Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Cadastrar Grupo de Impressora... 2 3. Pesquisar Grupo de Impressora... 5 4. Substituir Impressora... 6 5. Cadastrar Tempo

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais