EMPRESA EQUIPE 01 SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA EQUIPE 01 SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis"

Transcrição

1 Fundação Getúlio Vargas BI Business Institute EMPRESA EQUIPE 01 SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis Aluno: NORTON GREY FERREIRA RIBEIRO Belo Horizonte / MG 2009

2 NORTON GREY FERREIRA RIBEIRO EMPRESA EQUIPE 01 SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis Professor José Carlos Franco de Abreu Filho Coordenador Acadêmico Professor Luis Antônio Martins Mendes Orientador do TCC Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, lato sensu, Nível de Especialização, como pré-requisito para a obtenção do título de Especialista Belo Horizonte / MG 2009

3 O Trabalho de Conclusão de Curso EMPRESA EQUIPE 01 SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis elaborado por Norton Grey Ferreira Ribeiro e aprovado pela Coordenação Acadêmica foi aceito como pré-requisito para a obtenção Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, lato sensu, Nível de Especialização. Data da aprovação: de de José Carlos Franco de Abreu Filho Coordenador Acadêmico Luiz Mendes Professor Orientador do TCC

4 DECLARAÇÃO A Empresa Equipe 01 representada neste documento pelo Sr. Norton Grey Ferreira Ribeiro, Diretor de Produção e Logística, autoriza a divulgação de informações e dados coletados em sua organização, na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso, intitulado: EMPRESA EQUIPE 01 - SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis, realizado pelos alunos Flaviana Amaro Pedreira, Junia Rahissa Cunha Vieira, Marcio Bonfim Krueger, e Norton Grey Ferreira Ribeiro, do Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, do Programa FGV Management, com objetivos de publicação e/ou divulgação em veículos acadêmicos. Belo Horizonte, 11 de janeiro de Norton Grey Ferreira Ribeiro Diretor de Produção e Logística Empresa Equipe 01

5 TERMO DE COMPROMISSO O aluno Norton Grey Ferreira Ribeiro, abaixo-assinado, do Curso de Pós- Graduação MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, do Programa FGV Management, realizado nas dependências da instituição conveniada BI Business Institute, no período de 22 de fevereiro de 2008 à 29 de agosto de 2009, declara que o conteúdo de seu Trabalho de Conclusão de Curso intitulado: EMPRESA EQUIPE 01 - SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis, é autêntico e original. Belo Horizonte, 11 de janeiro de Norton Grey Ferreira Ribeiro

6 RESUMO Jogos Online é um simulador de um cenário de mercado de veículos, onde os participantes têm a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos ao longo do curso. Empreender e planejar evitado riscos desnecessários ao negócio, através da utilização de técnicas e metodologias para melhor organizar a Empresa e alcançar seus objetivos. O Plano de Negócios auxilia na tomada de decisões da Empresa definindo estratégias fundamentais para traçar um direcionamento do negócio, alcançada através de um controle efetivo dos custos ou até mesmo buscando um diferencial no que se refere à qualidade dos produtos/serviços, atendimento, tecnologia, marketing, etc. A seguir, conheceremos um pouco da importância destas técnicas e metodologias, através do estudo de caso da EMPRESA EQUIPE 01 (SUPERANDO OBSTÁCULOS: O Mercado Virtual de Automóveis).

7 INDICE I - CAPÍTULO 01 - INTRODUÇÃO FGV MANAGEMENT BUSINESS SIMULATION FGV MGM BS DINÂMICA DO JOGO REGRAS DO JOGO AVALIAÇÃO A EMPRESA NO JOGO A DIRETORIA RESPONSABILIDADES DA DIRETORIA CENÁRIO INICIAL E O MERCADO CENÁRIO INICIAL O MERCADO A SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS CONCORRENTES ESTRATÉGIAS ADOTADAS PELA SEEKER S/A VANTAGENS E DESVANTAGENS COMPETITIVAS 19 II - CAPÍTULO PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES DE ATIVIDADE DA EMPRESA TERCEIRO E QUARTO SEMESTRES DE ATIVIDADE DA EMPRESA QUINTO SEMESTRE DE ATIVIDADE DA EMPRESA 27 III - CAPÍTULO 03 PLANO DE NEGÓCIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA DO NEGÓCIO MATRIZ SWOT ESTRATÉGIAS PARA OS PRÓXIMOS PERÍODOS 37

8 RECURSOS E CAPACIDADES ESTRATÉGIAS DOS SETORES PROJEÇÕES DO FLUXO DE CAIXA E DRE para o próximo ano CONCLUSÕES FINAIS 43 III - REFERÊNCIAS 44

9 1 I - CAPÍTULO 01 - INTRODUÇÃO 1.1. FGV MANAGEMENT BUSINESS SIMULATION FGV MGM BS O Jogo de Negócios é um simulador de um cenário de mercado de veículos, onde os participantes têm a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos ao longo do curso. Neste cenário, os alunos são divididos em Equipes, que responderão por uma das oito empresas, que comporão um ambiente altamente competitivo. O jogo possui 14 rodadas, sendo 04 rodadas testes e 10 rodadas valendo. Cada rodada corresponde a um período de 03 meses. E ao termino de 04 rodadas (equivalente a um período de 01 ano) as Equipes têm suas estratégias e gestão avaliadas. A análise do ambiente externo e interno representa o sucesso ou não da empresa e da equipe. A cada rodada, a Equipe deve tomar decisões referentes a todos os processos e atividades da Empresa em todos os Setores: Financeiro; Marketing/comercial; Produção/Logística; RH e Administração Geral DINÂMICA DO JOGO O FGV MGM BS simula uma indústria/empresa estatal do setor de automóveis (Autobrás) responsável por 45% da demanda. Além de outras 08 (oito) empresas que atuam também nesse mercado, mas que são de pequeno porte e têm sofrido restrições do Governo em relação a preço e quanto às áreas de atuação geográfica. Estas empresas são entregues às Equipes formadas pelos participantes do jogo, sendo nossa equipe (Equipe 01) responsável por uma dessas empresas. Baseadas nos relatórios disponibilizados, ao término de cada período as Equipes devem registrar as decisões a serem seguidas na próxima rodada, em folha própria do Centro de Decisões no jogo on-line. As decisões são referentes a um trimestre de atividade da empresa.

10 2 Ao todo, serão 14 rodadas, sendo 04 rodadas testes e 10 rodadas valendo. Entre a segunda e terceira decisões para valer tem o Leilão de Fábricas da Autobrás. Entre a quarta e a quinta decisões para valer teremos a Primeira Atividade em Equipe que constitui uma importante etapa de avaliação da Gestão e Estratégias adotadas pela Empresa. Entre a oitava e a nona decisões para valer teremos a Segunda Atividade em Equipe que também constitui avaliação da Gestão e Estratégias adotadas pela Empresa. Depois da décima decisão para valer teremos a Atividade Individual, onde cada membro da Equipe avalia sua participação e os resultados da Empresa. Todas as decisões da Equipe têm por conseqüência uma reação no mercado, por isso as análises de relatórios da empresa e das informações relativas ao mercado estão entre as principais atividades da equipe durante o jogo. As decisões tomadas pela Equipe refletem as estratégias da Empresa e levam em consideração o passado da empresa, a situação atual, as informações do mercado e as perspectivas para o período seguinte. Os participantes de cada Equipe assumem o papel de diretores dessas empresas referentes aos Setores: Financeiro; Marketing/Comercial; Produção/Logística; RH e Administração Geral e, portanto, devem tomar várias decisões, tais como: localização e tamanho das unidades fabris; quantidade de matéria prima a ser adquirida; quantidade de Produto Acabado (PA) a ser produzida; preços dos Produtos Acabados, por região de atuação; em qual região atuar; quantidade de Produtos Acabados a transportar; investimento em P&D; gastos com propaganda e serviço comercial; recursos financeiros a serem aplicados; e, empréstimos. O jogo possibilita às Equipes definir diferentes estratégias de ação como: lucratividade atual ou futura; crescimento da empresa; retorno aos acionistas; segurança nas operações, expansão arriscada, etc. O jogo enfatiza os aspectos relevantes do processo decisório, e deixa evidente que o desempenho satisfatório de todos os Setores de uma Empresa, depende do desenvolvimento de um trabalho de equipe eficiente. Os resultados financeiros das decisões tomadas pela Equipe ficam transparentes no jogo, fazendo emergir a interdependência das funções especializadas de uma organização.

11 REGRAS DO JOGO O conhecimento sobre as regras do jogo é determinante para um bom desempenho das equipes ao longo do jogo. A empresa é uma indústria que produz e comercializa carros; A empresa estará competindo em um ambiente virtual com empresas equivalentes do mesmo setor; O Mercado é constituído de 05 regiões geográficas, sendo 04 (quatro) domésticas e 01 (uma) de exportação; A Empresa pode produzir apenas nas regiões domésticas (numeradas de 01 a 04, no quadro abaixo, a região 05 é somente de exportação);

12 4 A empresa pode comercializar nas 05 (cinco) regiões; A moeda utilizada é a MGM$; O Jogo também disponibiliza um serviço extra que é oferecido para auxiliar a tomada de decisão de sua empresa. (Gerência de Aplicações e Empréstimos; Pesquisas de Mercado); Atrativos de cada região

13 5 Para definir as estratégias de ação das empresas e subsidiar a tomada de decisão a cada período e setor da Empresa, os integrantes da Equipe devem saber: 1. Marketing e Comercial; Os produtos podem ter preços de venda diferenciados para cada uma das regiões geográficas que a empresa decidir vender; Qualquer empresa estará livre para entrar em qualquer região geográfica e praticar o preço que desejar; Os produtos acabados podem ser vendidos de duas formas: à vista, ou seja, direto do estoque, ou por pedido, com prazo de entrega. Investir em Progresso Técnico, para aperfeiçoamento e evolução técnica de um produto, da organização e/ou de seus processos;

14 6 Investir em Pesquisa e Desenvolvimento, que também são investimentos no produto, mas tem como objetivo principal a criação de inovações. A propaganda é uma variável de extrema importância no marketing e seu investimento pode ser realizado de forma diferente em cada região. Cada equipe deve especificar, por região, os investimentos em propaganda; A sua empresa pode fazer de qualquer região comercial a sua praça, que deve contar com um investimento inicial para abri-la e investimentos periódicos para mantê-la. Investir em Serviço Comercial, para incrementar a atuação comercial de sua empresa, influenciando na atratividade de seus produtos; 2. Suprimento, Produção e Logística; Os produtos podem estar disponíveis para os clientes na mesma região que foram produzidos ou transportados para outras. A cadeia de produção pode disponibilizar o produto para o cliente na mesma região ou em outra diferente da que foi produzido. A matéria-prima só pode ser utilizada na produção no período seguinte da compra; A diretoria, a cada período, deve decidir quantas unidades de produto acabado transportar das regiões fornecedoras para as consumidoras. Cada Empresa pode gerenciar sua capacidade produtiva através da construção, venda, redução ou ampliação de suas fábricas. A estocagem de MP depende da capacidade inicial de produção no período de cada unidade fabril. E a capacidade normal de estocagem de MP é de 1,2 vezes a capacidade total de produção.

15 7 Excedendo a capacidade normal, a empresa pagará o dobro por cada unidade suplementar Uma fábrica pode produzir até 20% acima de sua capacidade. Nesse caso, os custos de MOD e CIF, variáveis, sofrem um aumento de cerca de 30% em relação aos de toda a produção. Os custos diretos (MOD e CIF) são função da capacidade de produção instalada da fábrica e independem da quantidade produzida a cada período, ou seja, estes custos incidem mesmo no caso da fábrica nada produzir. O transporte em Regime Normal demora um período para ser efetivado e independe da quantidade transportada. Incorrem custos de estocagem na Região de destino já no período atual. As vendas de estoque da Região de destino só estarão disponíveis no período subseqüente. No transporte em Regime Imediato, o produto chega à Região desejada no mesmo período da ordem de transporte. Há um acréscimo, no custo de transporte, de 100% em relação ao transporte normal e tem prioridade sobre o mesmo. A capacidade de estocagem de Produtos Acabados em cada região é 1,5 vezes a capacidade inicial de produção do período naquela região; Ultrapassando a capacidade normal de estocagem o custo unitário sobe. As empresas incorrem em custos de estocagem de produtos acabados já no período da produção. A capacidade de produção de cada Fábrica é definida a partir do investimento inicial. E a partir da entrada em serviço da fábrica, há depreciação, necessitando de investimentos de reposição para manutenção dos níveis de produção; Uma fábrica pode ser construída em regime normal ou acelerado.

16 8 Investimentos de Reposição - A partir do momento em que uma fábrica começa a operar, tanto os investimentos quanto sua capacidade de produção se depreciam. Os Investimentos de Reposição determinam, a cada período, a capacidade atualizada de produção da fábrica (equivalentes à taxa de depreciação do período 3%). Os investimentos de reposição consistem no aumento ou diminuição da fábrica em função do volume dos investimentos de reposição (superiores ou inferiores à depreciação); 3. Recursos Humanos; No início do Jogo, a remuneração dos funcionários (empregados e diretores) já está previamente determinada; Uma vez concedidos, NÃO são permitidas reduções nas remunerações e/ou benefícios dos empregados e diretores; A cada decisão, pode-se aumentar ou ampliar o salário ou o leque de benefícios; Os benefícios influenciarão positivamente na produtividade de seus empregados; 4. Gestão Financeira; Visando acompanhar a evolução financeira da empresa, a equipe contará, ao final de cada período, com opções de Aplicações financeiras, Empréstimos e Crédito Rotativo; 5. Estratégia e Gestão. A equipe deve entender como funciona o mercado para poder desenvolver a estratégia da sua empresa.

17 9 No jogo cada empresa define os objetivos que pretendem alcançar e seus resultados são baseados na capacidade da empresa conseguir seguir este direcionamento. Relatórios disponibilizados trimestralmente: Fluxo de Caixa - FC; Balanço patrimonial - BP; Demonstração do resultado do exercício - DRE; Matéria-prima (Estoque; oferta nos 02 (dois) próximos períodos; preço); Produção (capacidade de produção X produzida X Demanda, Informações sobre produtos acabados); Informações sobre o Market Share e sobre a evolução do PIB; O jogo possui um Calendário, com datas e horários para entrada de decisões, que deverá ser seguido por todos e está disposto no centro de decisões do jogo AVALIAÇÃO No FGV MGM BS a avaliação terá como foco o desempenho de cada equipe. Ao longo do jogo, esse desempenho será pontuado a partir das decisões tomadas pelos diretores da empresa. Essas decisões, após processadas, gerarão relatórios que definirão tanto a insolvência da empresa quanto a sua permanência no jogo bem como qual delas será a vencedora do FGV MGM BS. As empresas serão avaliadas de acordo com a capacidade de orientar suas ações e atingir os objetivos estratégicos definidos por elas próprias ao início de cada ano simulado (períodos 5 e 9). Como forma de avaliação está prevista a elaboração de 02 (duas) Atividades em Equipe (Relatórios AE1 e AE2) e uma Atividade

18 10 Individual (Relatório AI1) de cada participante da Equipe, onde será descrita a trajetória percorrida pela empresa durante o jogo e que embasará este trabalho. A nota final é uma composição de notas do jogo, do relatório e da participação individual nos relatórios parciais A EMPRESA NO JOGO A Empresa Equipe 01 representa a fusão dos ideais de seus idealizadores, apaixonados por carros e que, viram nesse negócio uma oportunidade para conciliar trabalho com prazer e prazer com paixão. A melhor definição para esta história de sucesso: que em menos de dois anos dobrou sua capacidade produtiva, abocanhou boa parte dos mercados onde atuou e, com grande determinação, superou obstáculos deixando a lanterna no ranking entre as Empresas e atingir o 3º lugar em apenas 02 rodadas A DIRETORIA Composição da Diretoria: 1. Flaviana Amaro Pedreira - Diretora Administrativa e RH Graduada em Administração de Empresas pela Faculdade de Pará de Minas - FAPAM/MG. Trabalha no Banco Bradesco, onde atua como Gerente de Carteira Pessoa Jurídica, Análise de Crédito, Empréstimos e Financiamentos. 2. Junia Rahissa Cunha Vieira - Diretora de Vendas e Marketing Graduada em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas. Possui grande experiência na área contábil, financeira e fiscal, com domínio na apuração fiscal da empresa, como registros e arquivos dos impostos recolhidos, declarações enviadas e livros registrados, conciliação e classificação das contas, classificando e apurando impostos, auxiliando na tomada

19 11 de decisões da gerência. Atualmente é Analista Contábil da ATIVAS uma empresa do Grupo ASAMAR com foco em redução de custos e otimização dos investimentos. 3. Marcio Bonfim Krueger - Diretor Financeiro (Presidente) É Pós-Graduado em Direito Tributário pelo Centro de Estudos na Área Jurídica Federal e Estadual Ltda - CEAJUFE. Pós-Graduado em Gestão de Negócios pela Faculdade de Ciências Humanas de Pedro Leopoldo. Graduado em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas. Possui grande experiência como Contador, principalmente nas atividades de transporte e construção civil. Atualmente é Gerente de Contabilidade da Cesenge Engenharia Ltda. 4. Norton Grey Ferreira Ribeiro - Diretor de Produção e Logística Graduado em Tecnologia em Normalização e Qualidade Industrial, é Técnico em Meio Ambiente, ambos pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG. Desempenhou trabalhos diversos na área de ambiental e no serviço público. É consultor ambiental e administrativo autônomo RESPONSABILIDADES DA DIRETORIA Apesar das divisões setoriais e responsabilidades. Tanto a Presidência quanto as Diretorias foram responsáveis pelo planejamento estratégico da empresa que contém suas estratégias principais e os planos de ação. 1. Presidente Responsável pelas decisões globais e pelo planejamento financeiro da empresa, investimentos, gastos, empréstimos e aplicações. 2. Diretoria de Marketing e Comercial Responsável pelo planejamento e controle de vendas e o marketing da empresa. Realização de planejamento e controle de valor de produção do produto, preço de venda, quantidade de venda à vista e a prazo, demanda de mercado,

20 12 market share por região que a empresa atua, e pela abertura de novos mercados. Realização de planejamento para investimentos em propaganda e serviço comercial. È responsável pelo Plano de Marketing; descrição e caracterização de produtos; estudo de clientes e concorrência; estudo de praça de negócio; estratégia promocional e a estrutura de comercialização. 3. Diretoria Financeira Responsável pelo controle de Fluxo de Caixa, controle de resultados empresariais (lucros/prejuízos). Responsável por estimativas de investimento e de faturamento, custos com materiais e insumos e apuração de custos de mercadoria, matéria-prima, comercialização de produtos, mão-de-obra, depreciação e custos fixos mensais. 4. Diretoria de Produção e Logística Responsável pelo planejamento e controle de produção e de transporte da empresa. Realização de planejamento e controle de: estoque e necessidade de compra de matéria-prima; quantidade a ser produzida; estoque e controle de entrega de produtos acabados; planejamento e controle logístico; responsável pelo cálculo de custos que envolvem matéria-prima, estoque, produtos acabados e transporte; e disponibilidade de estoque para vendas por região, limitação de vendas. Responsável pelo Plano Operacional: Localização do negócio; Capacidade produtiva e comercial; Processo de produção, armazenamento, logística e comercialização; e necessidade de pessoal. 5. Diretoria Administrativa e RH Responsável pela administração geral da empresa, planejamento administrativo e gestão de pessoas. Realização de planejamento e controle sobre algumas ações globais, concessão de benefícios a trabalhadores. Responsável pelo Plano de RH: investimento em pessoas; benefícios e cobranças a funcionários.

21 CENÁRIO INICIAL E O MERCADO CENÁRIO INICIAL Além da Autobrás empresa estatal representada pela Firma 9 - havia oito concorrentes assim dispostos no mercado: Nossa Equipe assumiu a Empresa Equipe 01, posteriormente batizada EMPRESA EQUIPE 01, com a seguinte situação: Balanço Patrimonial

22 14 DRE A empresa apresentava uma situação econômica estável, apresentando lucro acumulado de MGM$ ,00. Seu Passivo Circulante estava zerado e seu Patrimônio Líquido total era de MGM$ ,00. Seu Imobilizado representava 32,08% do seu Patrimônio Líquido. Tinha ainda uma reserva financeira de MGM$ ,00 que se encontrava em aplicações financeiras. A empresa iniciou suas atividades com apenas uma fábrica, de investimento inicial de MGM$ ,00, com capacidade de produção de unidades de automóveis, instalada na região 01, e podia comercializar seus produtos nas regiões 01 e 02. Seu custo variável unitário era MGM$ 4.132,94 e seu custo unitário médio

23 15 de produção em MGM$ era de ,71. A matéria prima estava com preço unitário de MGM$1.230,00 com previsões para os próximos períodos de de oferta a MGM$1.400,00 o valor da unidade. Para produção reservava MGM$ ,00 de matéria-prima, equivalente a um estoque de unidades de matéria-prima. No início das atividades a empresa praticava o preço de MGM$12.000,00 para venda de seus automóveis, possuindo MGM$ ,00 de estoque de produtos acabados. No estoque havia 1571 unidades PA na região 01 e 1426 unidades de PA na região 02. O histórico de vendas do estoque nas regiões que comercializava era de 933 unidades na região 01 e 569 na região 02. Já as vendas com prazo de entrega não existiam, tendo sido perdidos 694 na região 01 e 2367 na região O MERCADO Concorrentes X Market share X Preço adotado X Produto novo

24 A SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS CONCORRENTES 16

25 17 O conhecimento sobre a concorrência é importante para que a empresa esteja atenta a todos os acontecimentos que estão em torno de seu mercado. Pode também auxiliar na definição de estratégias de atuação junto aos concorrentes. Através dos balanços patrimoniais, nota-se que todas as Empresas, excluindo a Autobrás, estavam na mesma situação financeira e possuíam praticamente o mesmo Market Share nas regiões em que comercializavam seus produtos e o mesmo número de fábricas e capacidade produtiva ESTRATÉGIAS ADOTADAS PELA EMPRESA EQUIPE 01 É importante salientar que fundamental perceber que não podemos nos limitar a identificar apenas o concorrente atual em cada uma de nossas regiões de atuação, mas também ficar atentos aos concorrentes potenciais. Ou seja, se o mercado em questão é um mercado extremamente atraente, que não impõe muitas barreiras a novos empreendedores, certamente outras empresas irão em breve se instalar. Todas as 08 (oito) Empresas começaram o jogo com uma situação semelhante. E ao longo do jogo foram se diferenciando, e perceber estas diferenças foi fundamental para a tomada de decisões quanto às estratégias de manutenção e tomada de mercado. Para entrar num mercado novo, mas altamente competitivo, a equipe fez todo um trabalho de Planejamento Estratégico. Diversas características foram foco de análise, tais como: qualidade, preço, facilidade de acesso, forma de apresentar a mercadoria (propaganda), Progresso Técnico, Pesquisa e Desenvolvimento, as parcelas de mercado os serviços disponíveis, entre outros. Que em muito contribuíram para o sucesso da empresa. Abaixo os principais itens desenvolvidos: Missão Produzir inovação e qualidade em meios de transporte, através de práticas modernas de gestão, logística, pesquisa e desenvolvimento que geram progressos técnicos constantes e contribuam para uma boa lucratividade do negócio, garantindo

26 18 o efetivo retorno do investimento aos acionistas, respeitando ao consumidor e o meio ambiente. Visão Em um prazo de 05 anos, ser reconhecida como a melhor empresa do mercado, na produção de inovação e qualidade em meios de transporte atualizados, confiáveis e seguros. Política, Crenças e Valores Produzir automóveis inovadores e de qualidade a preços competitivos; Administração eficiente; Sustentabilidade da Instituição; Respeito ao consumidor; Respeito ao meio ambiente; Ter responsabilidade social. Dentre as principais estratégias citamos: Crescimento sustentado da empresa; Geração de saldo de caixa positivo e geração de lucros (garantido retorno aos acionistas); Aumento de participação nos mercados em que atua, inclusive com a abertura de novos; Redução dos custos de produção; Utilização seletiva de empréstimos; Respeito aos trabalhadores, através de política de RH.

27 VANTAGENS E DESVANTAGENS COMPETITIVAS Analisando os dados das 08 (oito) empresas verifica-se, inicialmente, certo equilíbrio entre elas. O que varia basicamente são os valores de Produtos Acabados em estoque e os saldos em Caixa. A EMPRESA EQUIPE 01 apresentava um grande capital no caixa da Empresa e menor valor em Produtos Acabados. Diante desta igualdade de condições podemos destacar como Ponto Forte de nossa empresa as seguintes características: Corpo Diretivo de alta qualidade; Ausência de endividamento de terceiros; Mercado da região 01 e 02 possuem características definidas, o que facilita a definição das estratégias de vendas; Disponibilidade financeira imediata para investimentos; Taxa crescente do PIB. Os Pontos Fracos de nossa Empresa são: Um alto valor de custo unitário de produção; Necessidade de investimentos no setor comercial e produtivo; Alta competitividade das empresas nas regiões exploradas; Grande atuação da Autovia no mercado das regiões exploradas.

28 20 II - CAPÍTULO 02 Análise da situação administrativa e financeira, comercial e operacional da Empresa Equipe PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES DE ATIVIDADE DA EMPRESA Iniciamos o jogo utilizando uma estratégia de venda bem agressiva promovendo investimentos relevantes em propaganda, serviços comercias e Pesquisa e Desenvolvimento. Os resultados alcançados pela Diretoria de Marketing/Comercial foram tão bons que superaram a nossa capacidade produtiva ocasionando um colapso nas entregas a médio e longo prazo. Para atendermos a demanda conquistada, foi necessário que a Empresa fosse reestruturada, construindo uma nova unidade, e ampliando a fábrica existente. Em curto prazo, mantemos uma boa relação entre venda a vista e a prazo, o que de certa maneira sustentou nosso caixa por um período de um ano, além de conseguirmos manter um bom faturamento no período. Um ponto muito importante decidido em comum acordo com todas as Diretorias, foi a decisão de investir em uma nova fábrica. Como resultado, conseguimos, mesmo com o investimento na nova fábrica, obter um bom índice de líquidez. De acordo com os resultados apresentados, nossas vendas cresceram e conseguiram atender nossa demanda na região 01. Para a região 02, traçamos estratégias para melhorarmos nossa posição. Na nova fábrica, investimos na divulgação de nossos carros, com foco em atrair os consumidores.

29 21 Diretoria de Marketing/Comercial O objetivo e estratégia fundamental do setor de Marketing/Comercial foi manter uma linha de investimos em serviços comerciais e propaganda para divulgação de nossos veículos. Inicialmente, foi investido em Marketing/Comercial para a divulgação do produto junto ao mercado consumidor das regiões 01 e 02. E após erros e acertos, percebemos a importância da relação da Capacidade Produtiva X Demanda. Verificamos que os investimentos em Marketing/Comercial não estavam alinhados com a nossa capacidade produtiva, provocando um descompasso entre a oferta e a demanda (Produto muito atrativo x baixa capacidade produtiva). Apesar da região 02 não ter atingido nossas expectativas, constatamos que as políticas e estratégias adotadas por esta diretoria foram acertadas o que pode ser verificado pelo aumento significativo da parcela de mercado da região 01. A Diretoria de Marketing/Comercial propôs manter um nível ótimo de investimentos em serviço comercial e propaganda alinhado a capacidade produtiva vigente, provocando um melhor envolvimento entre a área produtiva e a área de marketing. Diretoria Financeira Apostamos numa política conservadora, procurando investir sem afetar os recursos disponíveis no caixa da empresa. A estratégica básica era disponibilizar recursos nos investimentos que nos dessem melhores margens e visibilidade nos mercados em que atuamos para garantir um melhor giro do nosso produto. Entendemos que são importantes os investimentos realizados em Progresso Técnico, P&D e Propaganda, pois estes investimentos foram importantes para a redução significativa de custos alcançados no 4º trimestre. Entre os desafios encontrados destacamos o desenvolvimento de um controle mais eficaz do Fluxo de Caixa da empresa, a fim de evitar os descompassos entre aplicar/captar recursos.

30 22 A Empresa apresentava um bom índice de liquidez, e por ausência de controle interno mais eficiente, cometemos um erro estratégico, aumentando ainda mais nosso custo financeiro. A Diretoria Financeira propôs melhorar nossos controles internos, principalmente na elaboração de um fluxo de caixa mais eficiente, manter o equilíbrio nos investimentos apontados na política e estratégia inicial, trocar crédito rotativo por empréstimo objetivando a redução do custo financeiro, melhorar o caixa da empresa pelas vendas alcançadas pela nova fábrica; e investir, se for o caso, em uma 3ª fábrica para garantir o mercado consumidor. Tudo isso mantendo uma linha de investimento em Pesquisa e Desenvolvimento, Progresso Técnico, Serviços Comerciais e Propaganda para melhorar o caixa, através da comercialização de produtos com alta margem e alto giro. Apesar dos erros cometidos no tocante à ausência de um controle mais eficaz do Caixa, a Empresa seguiu no caminho certo para o alcance de seus objetivos. O custo unitário alcançado no último trimestre garantiu uma excelente margem para as próximas vendas. Diretoria de Produção/Logística Uma política conservadora de manutenção de estoque, aliada a investimentos tímidos na reposição da capacidade produtiva (depreciação, manutenção e ampliação), além de manter estoques mínimos de produtos acabados e produzir aquém da capacidade instalada, em contrapartida a altos investimentos em serviço comercial, Progresso técnico, Pesquisa e Desenvolvimento e Propaganda, provocaram a médio e longo prazo um colapso nas vendas à vista e na entrega de pedidos a prazo. Em face deste colapso, foi necessário analisar a situação da Empresa e tomar medidas mitigadoras, capazes de atender a demanda superior à capacidade produtiva inicial da Empresa. Apesar das limitações encontradas conseguimos atender, toda a demanda do mercado da região 01, e perceber que para atender as

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO. FGV Management Business Simulation

SUMÁRIO SUMÁRIO. FGV Management Business Simulation SUMÁRIO SUMÁRIO ABERTURA... 7 APRESENTAÇÃO... 7 OBJETIVO E CONTEÚDO... 7 BIBLIOGRAFIA... 8 PROFESSOR-AUTOR... 10 ATIVIDADES... 10 GRADE DE CORREÇÃO DE ATIVIDADES... 10 CENTRO DE DECISÕES... 11 MÓDULO 1

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO Coordenação Acadêmica Prof. Carlos Alberto dos Santos Silva OBJETIVO: O MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS

PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS MONITORAMENTO DE MÍDIAS SOCIAIS MBA em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação Prof. André Luiz de Freitas @CYS Fundação Getúlio Vargas Componentes Carlos Narvais Fabiano

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Início do Jogo e Concorrentes... 2. Diretoria e Membros da Equipe... 9. Multa e Compra de Informações... 12. Eliminação da Equipe e Falência...

Início do Jogo e Concorrentes... 2. Diretoria e Membros da Equipe... 9. Multa e Compra de Informações... 12. Eliminação da Equipe e Falência... Início do Jogo e Concorrentes... 2 Diretoria e Membros da Equipe... 9 Multa e Compra de Informações... 12 Eliminação da Equipe e Falência... 14 Autobras... 15 Fábrica e Produção... 17 Matéria-Prima...

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho 1 OBJETIVO: Formar executivos financeiros. Capacitar seus participantes

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

5 lições-chave para aumentar a rentabilidade de seu e-commerce

5 lições-chave para aumentar a rentabilidade de seu e-commerce 5 lições-chave para aumentar a rentabilidade de seu e-commerce SAMUEL GONSALES Analista de Sistemas MBA em Gestão de Negócios PÓS em Sistemas Integrados de Gestão. Gerente de Produtos e-commerce responsável

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Ribeirão Preto -SP OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Palestrante Luís Valíni Neto Técnico Contábil - Administrador de Empresas pela Universidade de Ribeirão Preto - Pós - graduado

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

MBA Gestão Financeira Controladoria e Auditoria. Coordenação: Agliberto Cierco

MBA Gestão Financeira Controladoria e Auditoria. Coordenação: Agliberto Cierco MBA Gestão Financeira Controladoria e Auditoria Coordenação: Agliberto Cierco Metodologia do TCC: O TCC se inicia na disciplina de Estratégia de Empresa, sendo acompanhado pela coordenação acadêmica do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Eric Duarte Campos Objetivos da aula: O objetivo dessa aula é apresentar Noções de tipos básicos de tomadas de decisões; Objetivos da Administração Financeira.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * )

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A Contabilidade é o sangue que circula no Sistema Integrado de Gestão. Implanta e integra controles em todos os órgãos da empresa e retorna

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria. Coordenação Acadêmica: Betovem Coura, MSc.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria. Coordenação Acadêmica: Betovem Coura, MSc. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria. Coordenação Acadêmica: Betovem Coura, MSc. APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais