CONCEITOS DO IPA E DO PMI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS DO IPA E DO PMI"

Transcrição

1 CONCEITOS DO IPA E DO PMI INTRODUÇÃO As letras IPA formam as iniciais de Independent Project Analysis. É uma Empresa, sediada nos Estados Unidos, cuja razão de ser é comparar e analisar Projetos (Empreendimentos) realizados em todo o mundo. O produto final de seu trabalho costuma ser um relatório no qual compara os valores previstos ou os resultados de determinado cliente em métricas como Prazo, Custo, Segurança, etc., com os resultados de todos os outros Projetos que possui em seu vasto banco de dados. Feita a comparação, a empresa tece comentários sobre as práticas adotadas pelo determinado cliente comparadas com as práticas de todos os outros clientes, em especial os que têm os melhores resultados (Indústrias vanguardeiras, ou do primeiro quintil). É uma poderosa ferramenta para a melhoria contínua. Da mesma forma que o prazo, também são comparados o custo e os resultados de segurança. Assim, de forma isenta, temos uma fotografia de nossos resultados e, é claro, se não estamos bem fica mais clara a necessidade de melhorar. Note-se que o estudo pode ser feito na fase de FEL 3, e aí estaremos comparando previsões, e também depois de realizado, e aí estaremos comparando resultados reais. Já as letras PMI são as iniciais de Project Management Institute, que é uma espécie de ONG (Organização não-governamental) com sede nos Estados Unidos, com filiais no mundo todo. Existe também o IPMI, que é o International Project Management Institute, com sede na Europa, com os mesmos objetivos. O principal objetivo do PMI é disseminar as boas práticas na gestão de Projetos. Para isso, elegeu oito áreas de conhecimento : Escopo, Prazo, Custo, Qualidade, RH, Comunicação, Riscos, Suprimento e Contratação. Além dessas, conta com uma área específica para integrar todas as demais áreas do conhecimento: a Integração, perfazendo, assim, um total de nove Áreas de conhecimento. Outro objetivo do PMI é certificar profissionais que gerenciam os mais variados tipos de Projetos, desde desenvolvimento de software até as obras de grande porte físico. Quem passa no exame internacional de certificação, que tem alto nível de dificuldade, recebe o título de PMP ( Project Management Professional). (Eu tenho esse certificado desde maio/2003, por necessidade de minha atividade profissional, então na Petrobras S/A). O PMI tem uma espécie de bíblia, onde coloca todos os preceitos e conceitos para realizar-se um Project com sucesso: É o PMBOK Iniciais de Project Management Body of Knowledge, que, em tradução livre, seria Fonte de conhecimento em gerenciamento de projetos. O interessante é que, bem antes de travar conhecimento com esses organismos internacionais, eu já utilizava várias das práticas recomendadas, tanto pelo PMI como pela IPA, um pouco com base na intuição, um pouco com base na observação e até na 1

2 experimentação. Outras práticas, porém, tive de aprender e continuo aprendendo. Afinal, o sucesso passado não garante o sucesso nem do presente nem futuro. É preciso estar sempre em processo de melhoria continua. Como todos sabem (se não sabem, saberão), a única coisa que nunca muda é o fato de que tudo muda, o tempo todo. A utilização das praticas formais de Gerenciamento de Projetos está tornando-se cada vez mais popular. Faculdades e Universidades têm oferecido concorridos cursos de pós-graduação em Gerenciamento de Projetos. A adoção das praticas por si só não garante o sucesso. Porém, a utilização sistemática de vários processos necessários ao bom desenvolvimento do Projeto, é uma importante alavanca no sentido de alcançar o sucesso. Os dois gráficos abaixo (figura 1 e 2), refletem uma pesquisa realizada pelo PMI, e mostram que: Figura 1. Impacto do uso das técnicas do PMI nos resultados dos Projetos a) Quanto mais intensivo é o uso das praticas do PMI, melhores os resultados. Notem a visualização clara de que, o prazo e o custo estão fortemente ligados; que o uso das praticas do PMI ajudam a diminuir alterações no escopo, o que certamente melhora os resultados do projeto. Observem também que ás vezes atingir os objetivos do negócio não significa necessariamente que os prazos e orçamentos foram rigorosamente cumpridos. Por fim, o mais importante: As organizações que utilizam plenamente o PMI, em sua grande maioria têm melhorado os resultados em seus Projetos. Na outra ponta, são poucas as que não utilizam a metodologia do PMI, e que mesmo assim têm melhorado seus próprios resultados. 2

3 Figura 2. Maturidade no uso das técnicas do PMI x resultados do projeto b) Além da intensidade da utilização das técnicas, também é relevante o grau de maturidade, ou dizendo de outra forma, quanto que estão sedimentadas as praticas do PMI dentro da Empresa. Essa pesquisa é um incentivo para que tenhamos persistência no uso das praticas. É preciso pregar os pregos até o fim, no dizer de um de meus gerentes. Tenho visto ao longo de minha carreira que várias organizações começam a implantação de muitas técnicas e praticas, mas poucas (as que alcançam os melhores resultados) vão até o fim, atingindo alto grau de maturidade em seus processos. IPA INDEPENDENT PROJECT ANALYSIS FEL 1, FEL 2, FEL 3 FEL é o conjunto de iniciais para Front End Level, que, traduzido de forma livre e ao pé da letra, seria Nível ao Final da Frente, que não teria muito sentido para nós. A melhor tradução que conheço para o FEL Index é Grau de Definição. Na verdade, quer dizer muito mais. Ele significa quantas e quais informações temos e qual a qualidade delas em diversos momentos do planejamento do Projeto. No caso de projetos de capital, existem três momentos em que se mede o grau de definição. Quando imaginamos de forma preliminar o empreendimento, temos o FEL 1. Para um melhor entendimento, digamos que o novo projeto é construir uma casa. Essa primeira fase seria pensarmos em que bairro iremos 3

4 construir; se será uma casa térrea ou sobrado, luxuosa ou simples. Terminando o planejamento inicial, passamos para o projeto conceitual, em cuja fase diz-se que se está em FEL 2. No hipotético exemplo da casa, definiríamos, nesta fase, qual o terreno em que será construída, qual o nível do acabamento, a metragem aproximada, o grau de iluminamento, o número de vagas na garagem, as automatizações que pretendemos ter (portão, câmeras, cercas com alarme, etc.) Terminado o projeto conceitual, que, no exemplo da casa, será um memorial descritivo ou um contrato com as linhas gerais de como ela será, passaríamos para o projeto básico que no caso de uma casa poderia ser um projeto de arquitetura. Este ultimo caracterizado como FEL 3. O IPA nos mostra através de estatísticas consistentes uma forte e clara corelação entre os graus de Definição em cada fase FEL (isto é, a quantidade e qualidade das informações de que se dispõe em cada fase) e o sucesso do Empreendimento. Assim, no exemplo hipotético da casa, se já tivermos passado do ponto FEL 2 e passado para o projeto sem possuir o terreno, ou mesmo sem ter feito a sondagem preliminar do solo ou sem definir o número de quartos e banheiros, a fase de FEL 3 (arquitetura) já estará prejudicada. Quanto mais tarde obtivermos as informações, tanto pior para o sucesso do Projeto. Vamos, resumidamente, especificar o que deve ser feito em cada fase FEL, em uma situação ideal: FEL 1: Pesquisa de mercado Estudo de competitividade do Projeto Início dos estudos de impacto ao meio ambiente e contatos com os órgãos ambientais.* Definição das Tecnologias Estimativa informal de prazo Estimativa inicial de custo Requerimento de Patentes Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Análise inicial de localização * A questão do licenciamento ambiental é e será cada vez mais crítica. Desta forma, mesmo que não se tenha ainda os dados para um EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental Relatório de Impacto no Meio Ambiente), recomendo fortemente que; já nessa fase iniciem-se os contatos com o órgão ambiental. Essa questão deve ser posteriormente prioridade absoluta do Gerente do Projeto, até que se obtenha as Licenças L.P. = Licença Preliminar e L.I. = Licença de Instalação. Delegar essa tarefa para a área de Meio Ambiente ou Relações Institucionais, e esquecer é causa comum de insucesso na implantação de Projetos de Capital. 4

5 Produto do FEL 1: Ao terminar o FEL 1, deverão ser produtos dessa fase, servindo como suporte à decisão de aprovação para o FEL 2: Definição objetiva dos impactos do empreendimento no Negócio da Empresa, com conclusões baseadas nos estudos efetuados; recomendações de alternativas a serem avaliadas na fase de FEL 2; problemas identificados para solução na fase FEL 2; recursos necessários para a fase FEL 2 (pessoas e $), cronograma preliminar da fase FEL 2. Caso o Projeto seja aprovado nesta fase, emite-se um Termo de Abertura, mais conhecido como Project Charter, conforme modelo abaixo: 5

6 Termo de Abertura de um Projeto DADOS GERAIS : NOME DO PROJETO: Construção de Unidade de Coque na Refinaria de Paulínia DATA: 20/01/2001 NOME DO REQUISITANTE: Alan Kardec Pinto PATROCINADOR (SPONSOR): Valdison Moreira GERENTE DO PROJETO: Hedewandro Antonio Lucredi NECESSIDADE DO NEGÓCIO A Refinaria de Paulínia gera X m³ de resíduo de vácuo por dia, valorado a R$ Y /m³, com demanda decrescente; a curto prazo a maior parte deste produto irá degradar para asfalto, cujo custo médio é R$ L por tonelada. Por outro lado, o mercado está e continuará carente em Óleo Diesel, Gasolina (R$ W /m³ e K /m³ respectivamente).e outros derivados mais valorados O mercado também está demandado de Coque Verde de Petróleo, ao preço de R$ J, por tonelada. Assim, é necessária a construção da Unidade Referida, que terá como carga Z m³ de resíduo de vácuo/dia. CONEXÃO COM O PLANO ESTRATÉGICO Aderente ao objetivo Produzir derivados de maior valor agregado. A Unidade produzirá: A m³/dia de Óleo Diesel B m³/dia de Gasolina C m³/dia de Coque BENEFÍCIOS ESTIMADOS DO PROJETO O Estudo de Viabilidade Técnico-Econômico (EVTE) indica um Valor Presente Líquido (VPL), com condições de contorno robustas e conservadoras, de R$ S milhões. Além disso, a Unidade em questão diminuirá a dependência de compra de Óleo Diesel do exterior. APROVAÇÕES Requisitante: Patrocinador (Exponsor): Diretor de Contato: Tabela 1 Modelo preenchido de um Termo de Abertura, ou Project Charter 6

7 Como nota-se, já são designados nesta fase o Gerente do Projeto, que irá conduzilo até a entrada em Operação regular (100%). Também vários membros da equipe do projeto podem ser definidos nesta fase. O papel do Patrocinador (Exponsor), geralmente um integrante da Alta Administração, é apoiar o Gerente do Projeto, cobrar os resultados parciais e finais, enfim, ser um interprete entre a Administração da Empresa e a equipe do Projeto. FEL 2: Identificação de necessidades auxiliares Definição da tecnologia a ser utilizada Analises de Risco (Segurança) Engenharia Conceitual Avaliação econômica de alternativas Seleção definitiva do local Diagramas de blocos Estimativa de custos preliminar (- 10% + 25%) Estratégia de Execução do Empreendimento Escopo preliminar (abrangência) Informações básicas do Empreendimento (IBE) * Analise detalhada de custos de insumos, mão de obra e matéria prima envolvidas. Sondagens e analise do solo. Solicitação formal de Licença Prévia ao órgão ambiental. *São as informações necessárias para a elaboração do Projeto Básico. É muito, muito importante, que as necessidades de OFF-SITE (Equipamentos e Instalações que serão necessárias para o funcionamento da Unidade Industrial ( on site ),estejam também contempladas. Exemplos de OFF-SITE : Geradores de Energia Elétrica; Vapor; Tubulações de Interligação, Estações de Tratamento. Podem ser instalações novas ou aumento das instalações existentes. Falta de informações detalhadas para o OFF-SITE é causa freqüente de problemas em Projetos (de prazo e de custo). Produto do FEL 2: Ao terminar o FEL 2, deverão ser produtos dessa fase, servindo como suporte para o FEL 3 (a maioria das organizações consideram este momento o da aprovação real do Projeto): Objetivos do Projeto (como por exemplo, custo, prazo, operabilidade) e identificação de problemas e dificuldades a serem tratadas na próxima fase. Todos os dados resultantes dos estudos acima descritos. Em geral, o gasto esperado durante a fase FEL 2 é da ordem de 0,5% a 1,5% do custo total do Projeto. 7

8 FEL 3: Fluxogramas, Tubulação e Instrumentação (P&I) Especificações dos Equipamentos Principais Plano de Contratação Plano de Execução Obtenção de Orçamentos Escopo do Trabalho* Analises dos cronogramas Estimativas para autorização Desenho Unifilar de Elétrica Completar Investigação do Site Plano de Segurança da Obra Requisitos de Segurança para a Unidade Industrial Analise de risco qualitativa Obter concessão de Licença Prévia (ou em vias de concessão) *Para mim, uma boa definição do Escopo é fator crítico de sucesso. Para isto, é necessário envolver pessoal de Operação e Manutenção nesta fase, para que todos os aspectos sejam levantados neste momento. Produto do FEL 3: O principal produto da fase FEL 3 é o comprometimento de todas as partes (Engenharia, Alta Administração, Operação, Manutenção, Suprimento) com tudo aquilo que foi definido conforme relação acima. A lógica é simples. Quanto mais definidas estiverem as coisas, com o comprometimento das partes, menor serão as turbulências e problemas durante a fase de execução. O IPA, tem uma metodologia própria, não claramente divulgada, de dar um número para mensurar o FEL no momento de aprovação do Projeto (em geral, no final de FEL 3). A pontuação vai de 3 a 12. Quanto maior a pontuação, pior o grau de definição e, como dissemos, pior será o desempenho do Projeto. APROFUNDANDO CONCEITOS - FEL Como escrevemos acima, as Empresas que desejam melhorar seus resultados em Projetos, em geral contratam os serviços do IPA, que é uma Empresa com sede nos Estados Unidos da América. O grande mérito do IPA, a meu ver, é o ênfase dado às fases anteriores à execução da Obra. Na figura 3 abaixo, nota-se claramente isto, na medida em que grande parte da atenção é dada antes da execução do Projeto. Além disso, nota-se entre as fases FEL 1, FEL 2 e FEL 3, existem Gates de aprovação, por um comitê de alto nível da Empresa. 8

9 Figura 3. Sistema de Gerenciamento de Projetos baseado no FEL Diz-se que, no Brasil, gasta-se pouco tempo planejando e muito tempo para executar as coisas. Eu concordo com isso, e penso que no caso de Projetos de Capital, isto é muito pronunciado, sendo umas das principais, senão a principal, causa dos insucessos na implantação de Empreendimentos. Na figura 4, mais abaixo, vemos que, quando se trata de Projetos, a Implementação (Projeto detalhado + Execução) do mesmo é apenas uma parte da cadeia Nós aqui, até há pouco tempo, e suspeito que ainda em muitas organizações, tratamos os Projetos quase que exclusivamente na fase de Implementação. Isto tem que mudar, para que aumentemos nossa competitividade no planejamento e execução de Projetos, visando a boa Operação e a entrega dos produtos ao cliente do Empreendedor, como é prática nos países que tem grande competitividade. 9

10 Figura 4. Cadeia completa de um Projeto Outra prática que temos que nos habituar é a de, ao estudarmos com profundidade as fases de Plano do Negócio (FEL 1), do Plano das Condições de Contorno (FEL 2) e até do Plano de Implementação (FEL 3), sempre vai existir a possibilidade de cancelamento ou de retorno para mais informações. Vide figura 5 abaixo. Figura 5. Processo de verificação em cada Gate 10

11 A literatura diz que, estatisticamente, 75% das Idéias não passam pelo Gate numero 1; que apenas 50% dos Projetos referentes às idéias remanescentes passam pelo Gate número 2, mas que somente 1% dessas não passam pelo Gate número 3. No Brasil, infelizmente, o que ocorre é que, primeiro se decide, mais ou menos empiricamente que vai-se concretizar o projeto, e depois, dependendo da organização, vamos passar só para cumprir tabela, pelas fases FEL 1 e FEL 2. Não é à toa que as pessoas falam: Mas que burocracia!!. Pois é claro, se já está tudo decidido, a verdadeira colagem de figurinhas que é atender os procedimentos é uma verdadeira tortura que só faz com que o projeto se atrase. De fato, existem Projetos cuja necessidade é tão evidente, e que se revelam completamente exeqüíveis mediante uma análise mais rápida de tal forma que a autorização já está implícita. Nestes casos, minha recomendação é que se vá diretamente para o FEL 3, naturalmente com um tempo mais longo para fazer as também as tarefas de FEL1 e FEL2 realmente necessárias.. Mas, por favor, não colem figurinhas, selecionando tecnologias que já estão escolhidas, fazendo pesquisas de mercados cujos resultados já são sabidos, etc. É pura perda de tempo. PRATICAS QUE AGREGAM VALOR Existem práticas que agregam bastante valor ao Projeto. Vamos elencar algumas. É importante fazer a seguinte consideração: Como quase tudo na vida, iniciar muita coisa ao mesmo tempo é relativamente fácil, enquanto implantá-las adequadamente e até o fim costuma ser uma tarefa difícil. Vamos comentar de forma breve, algumas dessas praticas. Qualidade Total Tem a ver com facilidade de expansão do projeto, nível de automação, qualidade intrínseca do produto. Isto leva a projetos robustos, redundâncias, boa filosofia de sobressalentes. Tem especial influencia nos resultados durante a fase de Operação. Exequibilidade da Construção Análise do projeto, por especialistas em montagem, visando economizar o dinheiro e diminuir o prazo durante a fase de construção. 11

12 Projeto na Capacidade real Quase sempre (e a minha experiência mostra isso), todos utilizam um fator de segurança, nas diversas fases do projeto. Isto leva a aumento de custos e, não raro, a problemas na operação pelos equipamentos trabalharem em pontos inadequados de operação. Uma verificação cuidadosa deve ser feita, nas fases iniciais do projeto. Manutenção Preditiva A filosofia é dotar os equipamentos e sistemas de meios para facilitar o uso da Manutenção Preditiva. Isso inclui prever no projeto, sensores adequados nas máquinas, como sensores de temperatura e de vibração. Naturalmente, os benefícios são na fase de Operação. OUTROS PONTOS IMPORTANTES ABORDADOS PELO IPA A Empresa contratante (dona do negócio) deve assumir a maior parte dos riscos do Empreendimento. No caso em que tenta repassar estes riscos para as contratadas, os custos de contratação sobem e, muitas vezes, o efeito indesejado (aumento do prazo, por exemplo) ainda é cobrado do contratante. Revisão do planejamento por pessoal especializado. Aspectos comportamentais e integração das equipes exercem papéis fundamentais no sucesso do Empreendimento. Uso constante e intenso do Controller para acompanhamento de custos. Especial atenção aos as-bullt. A maioria das Empresas nos EUA utiliza o aplicativo Primavera em vez do MS Project, para o planejamento e acompanhamento de projetos. ENTENDENDO OS PASSOS DE UM PROJECT (PMI) PROCESSOS DO PROJETO O PMI, através de seu guia maior, o PMBOK, Project Management Body of Knowledge, apresenta-nos os seguintes processos para um Projeto, conforme Figura 6 12

13 Figura 6 Processos de Planejamento (principais) Nota-se que, à exceção do Planejamento de risco, as etapas são aproximadamente aquelas que se praticam nos Projetos no Brasil. As coisas começam a se modificar quando passamos a examinar os processos que o PMI chama de auxiliares, conforme figura abaixo. Figura 7. Processos de Planejamento (auxiliares) Planejamento da Qualidade? Planejamento Organizacional? Planejamento de Comunicação? Planejamento de Riscos? Ouso dizer que menos que a metade dos Projetos, no Brasil possue esses planejamentos. A adoção desses planejamentos ainda que de forma simplificada, e, mais do que isso, a efetiva realização das ações previstas nos planos, junto com um férreo controle do escopo e adequada formação da Equipe foram, a meu ver, os componentes principais para que fosse conduzido, com sucesso, o Gerenciamento dos Projetos mencionados no capítulo 1. 13

14 A seguir, estão listados outros processos importantes, citados pelo PMBOK: Controle de alteração do escopo. Controle do cronograma e dos custos. Garantia da Qualidade. Controle da Qualidade. Controle e Monitoração dos Riscos. Desenvolvimento das Equipes. Distribuição das Informações. Licitações e seleção de fornecedores. Encerramento de contratos. Lições aprendidas. Também aqui posso dizer que, mesmo que o aprendizado sobre o PMI tenha ocorrido durante a implantação do Empreendimento, eu e minha equipe utilizamos a maioria desses processos, mesmo que alguns tenham sido de forma parcial. Certamente, isso contribuiu para o sucesso dos projetos. Mas como todo mundo sabe, o sucesso do passado não garante o sucesso do futuro, ainda mais com um futuro onde as exigências de todas as partes interessadas (acionistas, empregados, sociedade, clientes, fornecedores e autoridades) são cada vez maiores. Assim, é necessário aplicar os processos em sua plenitude, com maestria e profissionalismo. O propósito deste livro é ensinar justamente isso, daí o propositalmente pretensioso título Sucesso em Projetos de Capital. ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMI Como já mencionei anteriormente, o PMI define nove Áreas de Conhecimento, sendo a última a Integração entre as oito anteriores. Neste capítulo, abordarei rapidamente cada uma delas; o aprofundamento será nos próximos capítulos. O objetivo é, antes de entrarmos no miolo do livro, onde são utilizados conjuntamente os conceitos do PMI, a experiência do autor, as praticas de vanguarda e a realidade brasileira, passar a você, leitor, uma idéia clara de cada uma das Áreas. 1. ESCOPO Estrutura Analítica do Projeto (EAP), em inglês Work Breadown Structure (WBS), no qual os trabalhos são quebrados, ou estruturados em pacotes menores, até que seja possível quantificar e, mensurar o número de pessoas e horas envolvidos em cada pacote, além de outros recursos. Aparece a frase que considero mágica: Gerenciamento do Escopo (para alguns de nós, ele parece uma coisa ingerenciável ). 2. TEMPO (PRAZO) Uso do diagrama PERT. 14

15 3. - CUSTO Uso da curva S, mas de uma forma integrada de avanço físico e de realização de custos, com a conceituação do que o PMI chama de Earned Value. No Capítulo 5, abordarei com mais detalhes este assunto (controle do Custo).. Coloca um importante conceito. Existem estimativas iniciais que permitem desvios de -25% a 75%; estimativas preliminares (-10% a 25%) e estimativas definitivas (-5% a 10%). No Brasil, infelizmente, em muitos casos, as estimativas, em qualquer fase, são consideradas definitivas, e qualquer revisão é vista como falha do planejamento. Isso leva a todos deixarem naturalmente uma grande gordura, que não é benéfica para o Projeto RISCOS Análise qualitativa, que visa identificar os riscos que existem para o insucesso do Projeto, a probabilidade e o impacto de cada risco e elaborar um Plano-Resposta ou de Contingências. Análise quantitativa, que visa estimar os percentuais de probabilidade de sucesso da soma das várias tarefas envolvidas. Processo pouco difundido no Brasil QUALIDADE Garantia da Qualidade (durante os processos) é melhor do que o Controle de Qualidade (ao final dos processos) COMUNICAÇÃO Existência de um plano formal de comunicação e destaque da sua enorme importância e influência nos resultados. 7. SUPRIMENTO & CONTRATAÇÃO É necessário decidir com antecedência o que será feito com recursos próprios e o que será contratado. Proteger o relacionamento entre as partes (temos muita necessidade de melhorar essa questão no Brasil). Esclarece a questão do risco do comprador e risco do vendedor; contratos do tipo Lump-sum (preço global) teoricamente transferem todos os riscos para o vendedor e, portanto, tendem a ser mais caros, ao passo que nos contratos do tipo custo reembolsável o risco é do comprador e, portanto, com tendência a serem mais baratos. 15

16 Define os tipos de contratação, as vantagens e as desvantagens de cada um RECURSOS HUMANOS Reconhece a grande influência dos aspectos comportamentais no resultado e, a exemplo do IPA, recomenda algumas técnicas motivacionais. 9. INTEGRAÇÃO Recomenda fazer um plano que integre todos os demais planos de Áreas de Conhecimento. 16

P.M.I e I.P.A. aplicados à parada

P.M.I e I.P.A. aplicados à parada P.M.I e I.P.A. aplicados à parada As letras I.P.A formam as iniciais de Independent Project Analyses. É uma Empresa, sediada nos Estados Unidos da América, cuja razão de ser é comparar e analisar Projects

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROJETOS DE CAPITAL

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROJETOS DE CAPITAL PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROJETOS DE CAPITAL Com Técnicas do PMI São Paulo, 5 e 6 de setembro de 2013 OBJETIVOS Após a realização do curso, com aproveitamento, o aluno estará apto a: a. Desenvolver as

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP O que é de Projetos? Alcides Pietro, PMP Resumo Nas próximas páginas é apresentado o tema gestão de projetos, inicialmente fazendo uma definição de projeto, destancando a diferença entre desenvolvimento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI 2010 TenStep Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos)

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS

VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS FERNANDO ALMEIDA BIATO Gerente Geral de Implementação de Empreendimentos para Abastecimento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Ficha técnica do curso

Ficha técnica do curso Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática 40h Domine os conhecimentos em gerenciamento de projetos e esteja um passo a frente no mercado. Cada vez mais, as empresas reconhecem a importância de profissionais

Leia mais

BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos. Trabalho (2,0 pontos) 30/11/2012. Fabio Bahia. Informações Gerais. Avaliação:

BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos. Trabalho (2,0 pontos) 30/11/2012. Fabio Bahia. Informações Gerais. Avaliação: Fabio Bahia BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos Fabio Bahia Iniciou carreira na Embratel em 1985. Foco na área de viabilidade econômica de novos serviços. Em 1992 (após 2 anos estudando nos

Leia mais

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.

PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail. PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SEGUNDO O PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 Processos Processos, em um projeto, é um conjunto de ações e atividades

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 W Projeto BS Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Gerenciamento Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 Índice Remissivo Resumo...3 1. Introdução...3 2. Conceituando a WBS (Work Breakdown Structure/Estrutura

Leia mais

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Estratégia & Desempenho Empresarial Gerência de Análise e Acompanhamento de Projetos de Investimento Março 2010 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Front End Loading Estudo de caso: Transporte

Front End Loading Estudo de caso: Transporte 1 Front End Loading Estudo de caso: Transporte Rafael Luís de Oliveira ¹ Orientador: Ítalo Coutinho ² Resumo Este artigo apresenta a aplicação da ferramenta Front-End Loading (FEL) em projeto de logística.

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda?

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda? Resumo Integrar é procurar tornar partes distintas em um todo e que não percam seu objetivo. Gerenciar um projeto requer uma forte atuação integradora, visto que são muitas e complexas as funções a serem

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Lílian Simão Oliveira Contexto Gerentes lutam com projetos assustadores e com prazos finais difíceis de serem cumpridos Sistemas não satisfazem aos usuários Gastos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE OBRAS

GERENCIAMENTO DE OBRAS GERENCIAMENTO DE OBRAS APRESENTAÇÃO A CGRADIN é uma empresa de consultoria em engenharia especializada em gerenciamento e planejamento de obras, sediada em Salvador e com atuação em todo território nacional.

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Gerência de Projetos O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Introdução e Conceitos Conceitos importantes para o entendimento da disciplina O que é um projeto? Um projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP)

Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP) Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP) A ferramenta utilizada para a representação das entregas de um projeto é a Estrutura Analítica do Projeto (EAP), tradução para o português de Work Breakdown

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

O Índice FEL e o Benchmarking entre Projetos como Ferramentas para Alcançar ar a Excelência em Projetos de Capital

O Índice FEL e o Benchmarking entre Projetos como Ferramentas para Alcançar ar a Excelência em Projetos de Capital INDEPENDENT PROJECT ANALYSIS, INC. O Índice FEL e o Benchmarking entre Projetos como Ferramentas para Alcançar ar a Excelência em Projetos de Capital Presentado por: Carlos Tapia 2 de Dezembro, 2009 USA

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Pós-graduação em Redes de Computadores Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Apresentação da Disciplina CARGA HORÁRIA: 30 hs PRÉ-REQUISITO(S):

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

Oficinas de Integração 3

Oficinas de Integração 3 Oficinas de Integração 3 Introdução à Disciplina IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/32 Oficinas de Integração 3 Introdução (Ementa e Objetivos)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Áreas de conhecimento do PMBOK - Custo - Determina os processos necessários para assegurar que o projeto seja conduzido e concluído dentro

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais