Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal"

Transcrição

1 Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1

2 Índice 1. Introdução Análise dos resultados escolares Projeto testes intermédios: resultados finais dos testes aplicados Resultados dos exames nacionais Sucesso educativo por triénio (1º, 11º, 12º) Cursos científico-humanísticos Cursos profissionais Participação dos encarregados de educações em reuniões ordinárias Proposta do Plano de Melhoria da ESAS 13/ Anexos

3 1. Introdução Nas conclusões da avaliação por domínio, referentes à capacidade de autorregulação e de melhoria da escola, do Relatório de Escola Avaliação Externa das Escolas, efetuado em novembro de 8, pela IGE, foi referido que a Escola Secundária de Alcácer do Sal (ESAS) não constituiu uma equipa de autoavaliação, desconhece os seus pontos fortes e fracos e não definiu planos de melhoria. Neste contexto surge a necessidade de promover uma reflexão interna sobre o diagnóstico organizacional e funcional da ESAS, com vista a melhorar a qualidade do serviço oferecido por esta instituição de ensino. A Comissão de Autoavaliação (CAA) desencadeou o processo de avaliação interna, definindo linhas de diagnóstico com vista à elaboração de um plano de melhoria, cuja metodologia teve como principais etapas: - Evolução dos resultados escolares, por disciplina, ao longo do ano letivo (ANEXO 1). - Comparação das classificações interna e externa e comparação da média das classificações de exame na ESAS, por disciplina, com a média nacional e/ou regional. - Avaliação do Sucesso educativo desde 2 nos Cursos científico-humanísticos e nos Cursos profissionais. - Projeto Testes Intermédios: resultados finais dos testes aplicados. - Estatística da presença dos encarregados de educação em reuniões ordinárias. - Aplicação dos instrumentos de avaliação interna (questionários) à comunidade escolar, tratamento e análise dos dados recolhidos (ANEXO 2). - Levantamento de pontos fortes e de aspetos a melhorar (ANEXO 3). - Identificação de áreas de intervenção prioritárias. - Proposta de ações de melhoria, calendarização de implementação e respetiva monitorização, para cada uma das áreas de intervenção identificadas. 3

4 2. Análise dos resultados escolares 2.1. Projeto testes intermédios: resultados finais dos testes aplicados No ensino básico, salienta-se o elevado número de níveis negativos na disciplina de Matemática. No ensino secundário, destaca-se, pela negativa, o elevado número de classificações inferiores a 1 nas disciplinas de Física e Química A do 11º ano e de Matemática A do 12º ano, salientando-se, pela positiva, as disciplinas de Filosofia de 11º ano e, sobretudo, a de Português de 12º ano. 4

5 2.2. Resultados dos exames nacionais Apresenta-se de seguida a média das classificações de exame, por disciplina, na ESAS, de 8 a 12. Da análise do gráfico é de salientar: - a tendência de subida na disciplina de História; - a tendência de descida nas disciplinas de Português e Literatura Portuguesa; - por comparação com a média nacional, em 12, verificou-se que as disciplinas cuja média é superior à média nacional são História A e Matemática A. 5

6 No que se refere à diferença entre a classificação interna final (CIF) e a classificação de exame (CE) verifica-se discrepância, na maioria das disciplinas, entre a CIF e a CE, sobretudo nas disciplinas de Física e Química A, MACS, Filosofia e Geometria Descritiva. As disciplinas onde a diferença CIF-CE é menor do que a nível nacional foram História, História da Cultura e das Artes, Geografia e Biologia e Geologia. 6

7 2.3. Sucesso educativo por triénio (1º, 11º, 12º) Cursos científico-humanísticos 7

8 Cursos profissionais 8

9 3. Participação dos encarregados de educação em reuniões ordinárias É sobejamente (re)conhecida a recorrência do debate em torno das questões relativas à participação (ou não participação) dos encarregados de educação no acompanhamento do percurso escolar dos alunos razões, contextos, consequências, tentativas de explicação O quadro que abaixo se apresenta, que não inclui o 3º período letivo, traduz apenas numericamente o panorama possível da questão em causa, e ainda assim, de forma parcial e limitada (p. e., os % ou os espaços vazios que pontualmente surgem decorrem da não convocação de reuniões, por opção dos D. T.). 1ª Reunião (Set 12 - Abertura Ano letivo) 2ª Reunião (1º Periodo Intercalar) 3ª Reunião (Jan 12 - Avaliação 1º Período) 4ª Reunião ( 2º Período Intercalar) 5ª Reunião ( Avaliação 2º Período) Nº de Nº de Taxa de Nº de Nº de Taxa de Nº de Nº dos Taxa de Nº de Nº dos Taxa de Nº de Nº dos Taxa de alunos enc. de presença alunos enc. de presença alunos enc. de presença alunos enc. de presença alunos enc. de presença Turmas por educação dos enc. Turmas por educação dos enc. Turmas por educação dos enc. Turmas por educação dos enc. Turmas por educação dos enc. turma presente educação turma presentes educação turma presentes educação turma presentes educação turma presentes educação 8ºA 18 s 16 88,89 8ºA ,67 8ºA ,67 8ºA ,11 8ºA , 8ºB , 8ºB ,67 8ºB ,11 8ºB ,11 8ºB ,11 8ºC ,47 8ºC ,94 8ºC ,35 8ºC ,71 8ºC ,35 8ºD ,55 8ºD ,18 8ºD ,45 8ºD ,36 8ºD 11, 8ºE ,82 8ºE ,45 8ºE ,36 8ºE ,55 8ºE ,55 9ºA ,22 9ºA ,22 9ºA ,33 9ºA ,67 9ºA ,22 9ºB ,89 9ºB ,89 9ºB , 9ºB ,78 9ºB ,33 1ºA 15 75, 1ºA 5 25, 1ºA 9 45, 1ºA 8, 1ºA 9 45, 1ºB ,87 1ºB ,83 1ºB ,22 1ºB ,78 1ºB ,87 1ºC ,71 1ºC ,6 1ºC ,94 1ºC ,18 1ºC ,18 11ºA ,71 11ºA ,82 11ºA ,71 11ºA ,29 11ºA ,6 11ºB ,5 11ºB ,33 11ºB ,57 11ºB ,1 11ºB ,81 11ºC ,78 11ºC 18, 11ºC ,22 11ºC ,67 11ºC ,22 12ºA ,37 12ºA ,37 12ºA ,42 12ºA ,84 12ºA ,89 12ºB , 12ºB 24, 12ºB ,33 12ºB 24 5,83 12ºB ,67 12ºC ,15 12ºC ,8 12ºC ,92 12ºC ,77 12ºC ,69 12ºD ,67 12ºD 15, 12ºD ,33 12ºD 15, 12ºD ,67 Em todo o caso, partimos do pressuposto de que a meta ideal deveria consistir numa taxa de presença global bastante mais elevada do que a registada, independentemente das variáveis que acima deixámos implícitas, e que supõe uma análise muito mais exaustiva que, para já, não cabe aqui realizar. 9

10 4. Proposta do Plano de Melhoria da ESAS 13/14 O presente Plano de Melhoria assenta ver-se-á adiante em quatro prioridades fundamentais: 1 A melhoria dos resultados escolares dos alunos; 2 O envolvimento dos pais e encarregados de educação na aprendizagem e na vida escolar dos seus educandos; 3 A melhoria da comunicação vertical; 4 Prática de uma avaliação sistemática e continuada. Suportado pelo diagnóstico decorrente dos dados apresentados no corpo do trabalho, e em anexo, o Plano poderá, contudo, vir a ser condicionado, na sua exequibilidade, por alguns fatores: - o curto horizonte temporal de apenas um ano letivo, eventualmente comprometedor da sua continuidade; - o universo educativo de onde emerge o diagnóstico nunca será idêntico ao que encontraremos a jusante, dado que o seu eventual alargamento aos alunos do atual agrupamento de escolas de Alcácer do Sal (todos os ciclos educativos), no contexto do processo de novo agrupamento em curso, exigirá a sua completa reformulação; - as alterações orgânicas inevitavelmente decorrentes desse processo, nomeadamente no que às opções da futura gestão respeitam, poderão condicionar seriamente a sua aplicação. Resta-nos a expetativa da sua adaptação e adequação ao novo contexto que o novo agrupamento de escolas determinará. Todas as prioridades de intervenção e ações de melhoria que atrás se enunciam, e a seguir se formulam e planificam, foram definidas a partir das fragilidades que se identificaram, em resultado da aplicação de questionários/inquérito à comunidade educativa, assim como da análise dos resultados escolares dos alunos e da participação dos encarregados de educação em reuniões ordinárias. 1

11 1. Prioridade: Melhoria dos Resultados dos alunos Meta: Aumentar o sucesso escolar para valores acima de 6% (de acordo com o PE da ESAS) Reforço da intervenção dos SPO Responsabilidade Operacionalização Calendarização Monitorização da implementação Realização de testes de orientação Serviços de Psicologia e Até ao final do 1º período vocacional, com o Orientação (SPO) fazer um primeiro Levantamento das intervenções conhecimento/consentimento dos Coordenadores de Curso levantamento dos efetuadas. encarregados de educação, a todos os alunos no final do 3º ciclo. interesses e expetativas dos alunos. Redução de insucesso e de Durante o 3º período fazer transferências de curso no 1º ano uma reavaliação de escolaridade. vocacional de todos os alunos do 9º ano. Criação de Salas Multisaberes* para o Ensino Básico Responsabilidade Operacionalização Calendarização Monitorização da implementação Realização de: Direção Ao longo do ano letivo Evolução dos resultados nas - atividades que promovam a Equipa coordenadora a disciplinas proponentes, de acordo autonomia relativamente a métodos e hábitos de trabalho/estudo - TPC s - Preparação para Testes/Exames - Esclarecimento de dúvidas designar pela diracção com as metas estabelecidas no Projeto Educativo Reforço de Avaliação Formativa Responsabilidade Operacionalização Calendarização Monitorização da implementação Realização sistemática de Coordenadores de Pelo menos duas vezes Consulta de atas de atividades formativas em contexto Departamento por mês. Grupo/Departamento. sala de aula que contribuam para Verificação da evolução dos melhorar as aprendizagens efetivas dos alunos. resultados das aprendizagens dos alunos ao longo do ano letivo. *Sugestão de organização e funcionamento da Sala Multisaberes: o Os tempos serão marcados nos horários dos alunos e professores. o Funcionará uma sala por cada ano do ensino básico. o Em cada uma das salas, as atividades previstas serão asseguradas, se possível por 2 ou 3 professores, de áreas diferentes, dos respetivos conselhos de turma. As atividades a dinamizar serão planificadas de acordo com as necessidades dos alunos, previamente identificadas em conselho de turma. o A seleção dos alunos a frequentar a sala Multisaberes resultará de propostas efetuadas pelos professores das diferentes disciplinas, em conselho de turma. 11

12 o o A frequência da sala será de cariz obrigatório, para os alunos sinalizados, podendo os mesmos serem excluídos por excesso de faltas. A frequência da sala será facultativa para os alunos não sinalizados. Da aplicação de questionários à comunidade educativa, foram identificados os seguintes aspetos a melhorar (ANEXO 3), que serviram de base à definição das ações de melhoria adiante propostas: - Dinamização de iniciativas de sensibilização para a importância do envolvimento dos encarregados de educação, por parte da direção, de modo a divulgar-lhes as linhas orientadoras e objetivos da escola, e alertando-os para a necessidade de um acompanhamento regular e proativo junto dos seus educandos. - Incentivar a Associação de Pais e Encarregados de Educação e a Associação de Estudantes a ter uma ação interventiva na vida da escola. - Potenciar os circuitos de informação e comunicação interna e externa, tornando-os mais eficazes, de modo a promover a circulação da informação e o acesso a documentos estratégicos da escola. - Envolver os encarregados de educação no Planeamento e Estratégia da Escola. 2. Prioridade: Envolvimento dos pais e encarregados de educação na aprendizagem e vida escolar dos seus educandos Meta: Aumento da participação (1%) dos encarregados de educação em reuniões ordinárias Reforço da intervenção dos Encarregados de Educação Responsabilidade Operacionalização Calendarização Monitorização Implementação Realização de ações de sensibilização dirigidas aos encarregados de educação através de Direção Coordenadores de Curso Até ao final do 1º - Participação dos encarregados de colóquios/palestras e/ou outras actividades de período e sempre que educação em reuniões ordinárias. carácter lúdico/desportivo necessário. Divulgação dos recursos (Salas de Estudo/ Salas de Preparação para Exames, BE/CRE, Direção Coordenadores de Curso Ao longo do ano - Frequência dos alunos nos diferentes Sala Multiusos ) da escola aos encarregados Diretores de Turma letivo. serviços disponibilizados pela escola. de educação. Maior divulgação das prestações positivas dos Coordenadores de Curso alunos junto da comunidade escolar, através da Administrador da página da Ao longo do ano - Levantamento dos eventos divulgados página da escola. escola letivo. na página da escola 12

13 Dada a distribuição de percentagem de respostas por parte do pessoal não docente (ANEXO 2), a escola deveria melhorar a comunicação entre a direção e a comunidade educativa em geral, promovendo canais de comunicação para a divulgação de informação estratégica e melhorar a divulgação e publicitação das suas ofertas educativas, no que se refere a este grupo da comunidade educativa. A diluição frequente do processo de ligação entre as diversas estruturas educativas conduz, por vezes, a ruturas de comunicação, ao ruído que se sobrepõe à clareza e objetividade dos conteúdos e, a fortiori, à burocratização e duplicação de informação, o que acaba por tolher o seu correto funcionamento. Neste pressuposto assenta a seguinte prioridade. 3. Prioridade: Melhorar a comunicação vertical. Meta: Acesso da comunidade educativa a todos os circuitos de informação em pelo menos 7% (pessoal docente e discentes), 5% (pessoal não docente e encarregados de educação) Reforço da comunicação entre as várias estruturas educativas Responsabilidade Operacionalização Calendarização Monitorização Implementação Potenciar os circuitos de informação e comunicação interna e externa, tornando-os mais eficazes, de - Direção - 48 horas após a - Levantamento de modo a promover a circulação da informação e o - Secretários dos realização de cada dados relativos ao nº acesso a acções e documentos estratégicos da conselhos geral e reunião. de utilizadores e aos Escola, por exemplo através: pedagógico. conteúdos de - da divulgação a todos os docentes, via mail, dos resumos das atas do conselho geral e dos conselhos pedagógicos ; - da divulgação à comunidade escolar da informação mais pertinente proveniente do conselho geral, através da página da Escola; informação divulgados. - da divulgação e publicitação das ofertas educativas da Escola, à comunidade educativa, através da página da Escola e na comunidade onde esta se - Até final do ano letivo, a fim de preparar o ano seguinte. insere, nomeadamente noutros estabelecimentos de ensino, feiras regionais (PIMEL ), imprensa local, etc.. - da divulgação das parcerias, protocolos, acções e projectos estabelecidos internamente ou com outras entidades, através da página da Escola; - da divulgação à comunidade educativa da oferta de estágios, no âmbito dos cursos profissionais, facilitadores da integração no mercado de trabalho, através da página da Escola, rádio e/ ou jornais locais/ regionais. 13

14 Da aplicação de questionários à comunidade educativa, foram identificados aspetos a melhorar que serviram de base à definição de ações de melhoria, a saber: - Incentivar o pessoal docente e não docente a apresentar propostas de melhoria a introduzir na sua área de responsabilidades. - Maior reconhecimento do desempenho profissional do pessoal não docente, como forma de incentivar o seu envolvimento e responsabilidades. - Reconhecimento e valorização do desempenho do pessoal docente e do pessoal não docente. 4. Prioridade: Prática de uma avaliação interna sistemática e continuada. Meta: Aumento (1%) do envolvimento da comunidade educativa nos processos de avaliação interna Prática de uma avaliação interna sistemática e continuada. Operacionalização Responsabilidade Implementação Calendarização Monitorização Apresentação de propostas de melhoria a - Direção - Levantamento das introduzir na sua área de responsabilidades, - Encarregada operacional - Até 31 de maio. propostas apresentadas por parte do pessoal não docente. - Coordenadora dos com vista à melhoria do serviços de administração funcionamento de cada escolar serviço. Auto avaliação das atividades do Plano Anual de Atividades (PAA) realizadas. - Promotores das atividades No final de cada período letivo. - Através da leitura e análise das atas e ou outros documentos. 14

15 ANEXOS 15

16 ANEXO 1 Análise dos resultados escolares 12/13 1. Evolução comparativa por período letivo, por turma e por disciplina - 3º Ciclo do Ensino Básico A análise que se segue é baseada na comparação dos resultados das avaliações do 1º e 2º períodos. Esta análise foi efetuada por turma. 8º A Em termos gerais verificou-se uma melhoria (11%) na percentagem de retenção. Relativamente à média por disciplina destacam-se Matemática e Geografia, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 ESP HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 2,8 3, 3,1 2,8 2,7 3,1 2,9 3, 2,8 4,1 3, º PERÍODO 3,1 3,2 3,2 3, 2,9 2,8 3,1 3,2 3,1-3,1 3, º B Manteve-se a percentagem de retenção (39%). Relativamente à média por disciplina destacam-se Físico-Química, Matemática e Espanhol, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 ESP HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 3,22 2,72 3,28 2,94 3, 2,83 2,83 3,39 3,22-3,5 3, º PERÍODO 3,11 3, 2,94 3,6 3,17 2,94 2,94 3,33 3,5 3,78 3, º C Em termos gerais verificou-se uma melhoria significativa (%) na percentagem de retenção. Relativamente à média por disciplina destacam-se Físico-Química, Matemática e Geografia, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 ESP HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 3,13 2,8 2,93 3,7 2,8 2,8 2,6 2,93 3,47 3,93 3, º PERÍODO 3,13 3, 3, 3, 2,93 2,93 2,53 3,7 3,67-3,27 3,

17 8º D Em termos gerais verificou-se uma melhoria (1%) na percentagem de retenção. Relativamente à média por disciplina destacam-se Físico-Química, Matemática, Português, História e Francês, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 FR HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 2,8 3, 2,7 2,78 2,78 2,5 2,11 2,44 3, 3, 3, º PERÍODO 2,6 3, 2,8 2,7 2,78 2,5 2,22 3, 3,3 3,3 3, º E Em termos gerais verificou-se uma melhoria (1%) na percentagem de retenção. Relativamente à média por disciplina destacam-se: Matemática, Português, Geografia e História, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 FR HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 3, 3, 2,7 2,6 2,6 2, 2,9 3,1 3, - 3, 3, º PERÍODO 2,67 3,33 3, 2,89 2,67 2,56 3, 3,11 3,22 3,22 3, º A Em termos gerais verifica-se uma ligeira melhoria (5%) na percentagem de retenção. Relativamente à média por disciplina destacam-se: Matemática, Português, Francês, História e Geografia, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 FR HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 2,82 2,82 2,82 2,71 3, 2,76 2,94 3,71 3,29 3,12 3, º PERÍODO 2,82 3, 2,94 2,94 2,94 2,76 3,12 3,88 3,29 3,24 3,

18 9º B Manteve-se a percentagem de retenção (47%). Relativamente à média por disciplina destacam-se: Ciências Naturais, Matemática, Geografia, Português, História e Físico-Química, que apresentam ainda um valor inferior a 3,. RETENÇÕES PORT ING1 FR HST GGF MAT CFQ CNA EDV ITIC EDF ETL Nº % 1º PERÍODO 2,9 2,9 2,8 2,7 2,9 2,8 2,9 2,8 3,2 3,5 2, º PERÍODO 2,9 3, 3, 2,9 2,8 2,8 2,9 2,7 3,2 3,4 3, Evolução comparativa por período letivo, por turma e por disciplina - ensino secundário A análise que se segue é baseada na comparação das classificações inferiores a dez valores, das avaliações do 1º e 2º períodos. Esta análise foi efetuada por disciplina/turma. 1ºA - Verificou-se um acréscimo (5%) na percentagem de retenção. As disciplinas de Biologia e Geologia, Física e Química A e Matemática A registaram igualmente um acréscimo da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 1ºB Manteve-se a percentagem de retenção (36%). Em termos globais registou-se um decréscimo significativo nas percentagens de classificações inferiores a dez valores, nas disciplinas de Inglês, Português, História, Geografia e Literatura Portuguesa. 18

19 1ºC Manteve-se a percentagem de retenção (19%). Em termos globais registou-se um acréscimo nas percentagens de classificações inferiores a dez valores, nas disciplinas de Português, Desenho A e a Geometria Descritiva A. 11ºA - Verificou-se um decréscimo (4%) na percentagem de retenção. As disciplinas de Biologia e Geologia, Filosofia, Física e Química A e Matemática A registaram um acréscimo da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 11ºB Registou-se um ligeiro acréscimo (5%) na percentagem de retenção. Nas disciplinas de Física e Química A e Matemática A verificou-se um acréscimo da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 11ºC Manteve-se a percentagem de retenção (6%). Verificou-se um decréscimo muito significativo na percentagem de classificações inferiores a dez valores, na disciplina de Literatura Portuguesa, enquanto na disciplina de Português ocorreu um acréscimo da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 19

20 12ºA Manteve-se na percentagem (%) de retenção. A disciplina de Português registou um decréscimo da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 12ºB Manteve-se a percentagem de retenção (%). Na disciplina de Português verificou-se um ligeiro decréscimo na percentagem de classificações inferiores a dez valores, nas disciplinas de Biologia e Matemática A, a mesma percentagem manteve-se. 12ºC Manteve-se a percentagem de retenção (%). Em termos globais registou-se um decréscimo nas percentagens de classificações inferiores a dez valores, nas disciplinas de Português, Educação Física e Oficina de Artes. Na disciplina de Desenho A registou-se um ligeiro acréscimo (7%) da percentagem de classificações inferiores a dez valores. 12ºD Manteve-se a percentagem de retenção (%). Em termos globais registou-se um acréscimo (6%) na percentagem de classificações inferiores a dez valores, na disciplina de Português, tendo mantido a mesma percentagem na disciplina de História A.

21 ANEXO 2 Análise circunstanciada dos resultados dos questionários aplicados aos diferentes grupos da comunidade educativa Foram aplicados questionários aos quatro principais grupos da comunidade educativa: pessoal docente, pessoal não docente, alunos e encarregados de educação. Apesar dos esforços (divulgação/sensibilização, questionário on-line e questionário alternativo em papel), a participação foi, ainda assim, baixa, nomeadamente nos alunos (,27%) e em especial nos encarregados de educação (14,3%), como consta na tabela 1. Tabela 1 Tendo por base os nove critérios do Modelo da CAF, foram concebidos quatro questionários diferentes, sobretudo no nº de questões, de acordo com a especificidade de cada grupo de respondentes os resultados dos questionários foram analisados por grupo de inquiridos e por cada um dos nove critérios (Tabela 2). Tabela 2 21

22 Análise dos resultados do inquérito ao pessoal docente Critério 1 Liderança: (questões 1 a 9) O maior número de respostas, em cada uma das questões, foi Sim ou Quase sempre. Relativamente à opção Não o número de respondentes foi praticamente nulo. O que parece revelar que a maioria dos docentes mostram-se satisfeitos com a liderança da Escola. É de referir, contudo, que uma parte significativa dos professores (32%) desconhece se o Conselho Geral verifica a conformidade do Plano Anual de Atividades com o Projeto Educativo. Critério 2 Planeamento e Estratégia: (questões 1 a 16) Neste critério a opção escolhida foi maioritariamente Sim em todas as questões à exceção da questão 1, onde uma percentagem significativa (34%) desconhece se a direção promove a realização de inquéritos aos agentes educativos. 22

23 Critério 3 Gestão das Pessoas: (questões 17 a 25) A esmagadora maioria dos docentes reconhece (Sim 76%, Quase sempre 12%) que a Escola disponibiliza recursos e boas condições de trabalho. A maioria dos inquiridos considera que a direção (Sim 46%, Quase sempre 22%), os coordenadores de departamento (Sim 63%, Quase sempre 15%) e os diretores de turma (Sim 59%, Quase sempre 22%) envolvem as pessoas na identificação e resolução de problemas, desenvolvendo mecanismo apropriados para acolher ideias e sugestões. Relativamente à gestão das pessoas a opinião dos respondentes parece ser maioritariamente favorável. Critério 4 Parcerias e Recursos: (questões 26 a 31) É bastante significativa a percentagem de professores que reconhece que a Escola se preocupa com a manutenção do espaço físico e equipamentos escolares (Sim - 9%, quase sempre 7%). A maioria dos respondentes considera que a Associação de Pais e Encarregados de Educação não tem (32%) ou nem sempre tem (15%) uma ação interventiva na vida da Escola. A opinião relativa à intervenção da Associação de Estudantes na vida da escola ainda é mais negativa 23

24 (Não 41%, Nem sempre 29%), tendo pouco significado as opiniões favoráveis (Sim %, Quase sempre 1%). Relativamente à promoção e implementação de relações de parceria por parte da Escola, as opiniões dividem-se (Nem sempre 27%, Quase sempre 24%, Sim 22%, Não sei/não respondo 22%, Não 5%). Critério 5 Gestão dos Processos: (questões 32 e 35) À semelhança com o grupo de inquiridos pessoal não docente e encarregados de educação a maioria dos professores refere que é objetivo estratégico da Escola, reduzir o insucesso, o absentismo e o abandono escolares (Sim 78% e Quase sempre 12%). Relativamente à divulgação e publicitação das ofertas educativas as respostas encontram-se igualmente favoráveis (Sim 71%, Quase sempre %). Critério 6 Resultados orientados para o público-alvo (alunos): (questões 36 a 44) A maioria dos professores está satisfeita com o desempenho global da Escola (Sim 46% e Quase sempre 32%), valores, ainda assim aquém dos apresentados pelos encarregados de educação. A maioria dos inquiridos reconhece que a atuação do conselho geral (Sim - 51% e Quase sempre 12%), da direção (Sim - 76% e Quase sempre 17%), do conselho pedagógico (Sim - 68% e Quase sempre 17%), do departamento curricular (Sim - 73% e Quase sempre %), do conselho de diretores de turma (Sim - 68% e Quase sempre 15%), e do conselho de turma (Sim - 78% e Quase sempre 17%) defendem os interesses dos alunos. 24

25 Critério 7 Resultados relativos às Pessoas: (questões 45 a 49) À semelhança dos encarregados de educação os professores reconhecem o esforço do pessoal docente (Sim - 41% e Quase sempre 44%) e do pessoal não docente (Sim - 41% e Quase sempre 27%), para ajudar a Escola a atingir os seus fins e objetivos, contudo pensamos ser de referir que 22% dos respondentes desconhecem o contributo do pessoal não docente. A maioria dos respondentes considera que o horário dos alunos está bem elaborado (Sim - 29% e Quase sempre 32%) e sente-se satisfeito com o seu horário de trabalho (Sim - 61% e Quase sempre %). Embora a maioria dos professores sintam que o seu desempenho é reconhecido e valorizado (Sim - % e Quase sempre 32%), existe uma percentagem significativa de docentes que sentem que o seu trabalho não é reconhecido (Não - 5% e Nem sempre 37%). Critério 8 Impacto na Comunidade Educativa: (questões 5 a 55) A maioria dos professores considera que os cursos ministrados na Escola nem sempre vão ao encontro dos interesses dos alunos e das necessidades locais (Não - 2% e Nem sempre 56%), no entanto consideram que a Escola coopera com outras escolas e instituições locais (Sim - 34% e Quase sempre 27%). Os inquiridos consideram que a Escola promove ações no âmbito da promoção da saúde humana (Sim- 76% e Quase sempre 1%), da segurança e da qualidade ambiental (Sim 68% e Quase sempre 12%) e da sensibilização para as artes plásticas (Sim - 39% e Quase 25

26 sempre 12%). Existe uma percentagem significativa de inquiridos que desconhece se a Escola desenvolve ações de solidariedade social (49%). Critério 9 Resultados do Desempenho: (questões 56 a 6) A esmagadora maioria dos professores defende que a Escola disponibiliza apoio educativo quando necessário (Sim - 88%, Quase Sempre 12%), aplica os critérios de avaliação aprovados (Sim - 78%, Quase Sempre 15%), preocupa-se em melhorar a qualidade global do serviço oferecido (Sim - 8%, Quase Sempre 15%), oferece estágios, no âmbito dos cursos profissionais (Sim - 46% e Quase sempre 24%) e que os programas e planificações são globalmente cumpridos (Sim - 59% e Quase sempre 34%). Análise dos resultados do inquérito ao pessoal não docente Critério 1 Liderança: (questões 1 a 5) O maior nº de respostas, em cada uma das questões, foi sim. O nº de respostas não, foi na maioria das respostas nulo, o que parece revelar uma satisfação em relação à liderança. 26

27 Critério 2 Planeamento e Estratégia: (questões 6 a 8) Neste critério as opiniões encontram-se mais divididas, nomeadamente no que diz respeito à identificação e análise de pontos fortes (Sim - 31% e Nem sempre - 31%), estabelecimento de prioridades e divulgação de informação estratégica (Sim - 25%, quase sempre 25% e Nem sempre - 31%). Critério 3 Gestão das Pessoas: (questões 9 a 11) As respostas a este critério são maioritariamente positivas no que diz respeito à identificação e utilização dos conhecimentos e competências do pessoal não docente por forma a melhorar o funcionamento geral da Escola (Sim 38% e Quase sempre 19%) e disponibilização de boas condições de trabalho (Sim 56% e Não %). Da análise das respostas à questão nº 11, é de salientar, no entanto, que a maioria das respostas, consideram que não existem (5%) ou nem sempre existem (19%) critérios específicos para a distribuição de serviço de pessoal não docente. 27

28 Critério 4 Parcerias e Recursos: (questões 12 a 14) Os inquiridos consideram que em relação às associações de Estudantes e de Pais e Encarregados de Educação, estas nem sempre têm uma ação interventiva na vida escolar (38%). Por outro lado, 75% dos inquiridos defende que a escola se preocupa com a manutenção do espaço físico e equipamento escolar. Critério 5 Gestão dos Processos: (questões 15 a 16) A maioria das respostas refere que é objetivo estratégico da Escola, reduzir o insucesso, o absentismo e o abandono escolares (Sim 56% e Quase sempre 12%). Quanto à divulgação e publicitação das ofertas educativas as respostas encontram-se mais distribuídas (Sim - 38 %, Quase sempre 19% e Nem sempre 19%). Critério 6 Resultados orientados para o público-alvo (alunos): (questões 17 a )

29 A maioria do pessoal não docente está satisfeito com o desempenho global da Escola (Sim 38% e Quase sempre 25%) e recomenda-a a outros colegas (Sim 56% e Quase sempre 19%). É de salientar, no entanto, que relativamente à motivação para assumir responsabilidades e tomar iniciativas, as respostas dividem-se em dois grupos, de certo modo opostos (Sim 44% e Quase sempre 6%) e (Nem sempre 44% e Não - 6%). A esmagadora maioria dos inquiridos (Sim - 69% e Quase sempre 12%) refere que a atuação da direção defende os interesses dos alunos. Critério 7 Resultados relativos às Pessoas: (questões 21 a 23) Nem todos os inquiridos sentem que o seu desempenho é reconhecido e valorizado (Sim - 31%, Quase sempre 19% e Nem sempre 31%). O pessoal não docente esforça-se para ajudar a Escola a atingir os seus fins (Sim - 69%) e sente-se satisfeito com o seu horário de trabalho (Sim 62%). Critério 8 Impacto na Comunidade Educativa: (questões 24 a 27) Os inquiridos consideram que a Escola não (19%) ou nem sempre (31%) desenvolve projetos de solidariedade social. O mesmo não acontece em relação às ações de promoção da saúde humana (Sim - 31% e Quase sempre 19%) e da segurança e da qualidade ambiental (Sim 5% e Quase sempre 12%). Existe uma percentagem significativa de inquiridos que desconhece se a escola desenvolve ações de sensibilização para as artes plásticas (Não sei / não respondo 38%). 29

30 Critério 9 Resultados do Desempenho: (questão 28) Uma percentagem significativa (69%) do pessoal não docente defende que a Escola se preocupa em melhorar a qualidade global do serviço oferecido. Análise dos resultados do inquérito aos alunos Critério 1 Liderança: (questões 1 a 4) O maior nº de respostas, em cada uma das questões, foi Sim, logo seguida de Quase sempre. Relativamente à opção Não o número de respondentes foi praticamente nulo. O que parece revelar que a maioria dos alunos mostra-se satisfeita com a liderança da Escola. Critério 2 Planeamento e Estratégia: (questões 5 a 7) Os alunos consideram que a direção promove a realização de inquéritos aos agentes educativos com vista a conhecer os interesses e necessidades da população escolar (Sim - 32%, Quase sempre -25%), estabelece prioridades e cria canais de comunicação para 3

31 divulgação de informação estratégica (Sim - 38%, Quase sempre - 18%). No entanto uma percentagem considerável (38%) parece desconhecer se existe articulação entre as estruturas de orientação educativa (conselho pedagógico, serviços de psicologia e orientação, diretores de turma, etc.) Critério 3 Gestão das Pessoas: (questões 8 a 1) A esmagadora maioria dos alunos reconhece que a Escola disponibiliza recursos e boas condições de trabalho (Sim - 56%, Quase sempre - 26%). É também significativo o grupo de alunos que considera que a direção e os diretores de turma envolvem as pessoas na identificação e resolução de problemas, acolhendo as suas ideias e sugestões. Critério 4 Parcerias e Recursos: (questões 11 a 13) É bastante significativa a percentagem de alunos que reconhece que a Escola se preocupa com a manutenção do espaço físico e equipamentos escolares (6%). Curiosamente, uma percentagem, relativamente significativa (35%), desconhece a intervenção da Associação de Pais e Encarregados de Educação na vida da Escola, embora um grupo significativo dos inquiridos reconheça sempre (3%), ou Quase sempre (17%), a ação interventiva desta associação. A opinião dos alunos sobre a sua própria Associação de Estudantes encontra-se dividida (Sim - 27%, Quase sempre - %, Nem sempre 19%, Não 17%, Não sei/não respondo 16%). 31

32 Critério 5 Gestão dos Processos: (questões 14 e 15) À semelhança com os restantes grupos de inquiridos pessoal não docente e encarregados de educação, a maioria das respostas refere que é objetivo estratégico da Escola, reduzir o insucesso, o absentismo e o abandono escolares (Sim 48% e Quase sempre 16%). Relativamente à divulgação e publicitação das ofertas educativas as respostas encontram-se igualmente favoráveis (Sim %, Quase sempre 26%). Critério 6 Resultados orientados para o público-alvo (alunos): (questões 16 a ) Destaca-se, neste critério, o facto de a esmagadora maioria dos alunos se sentir bem na Escola e a recomendar a outros colegas (Sim - 62%, Quase sempre - 22%). A maioria dos inquiridos reconhece a atuação do conselho geral (Sim - 32% e Quase sempre 25%), da direção (Sim - 3% e Quase sempre 34%), do conselho pedagógico (Sim - 26% e Quase sempre 31%) e do conselho de turma (Sim - 42% e Quase sempre 26%) defendem os interesses dos alunos. Critério 7 Resultados relativos às Pessoas: (questões 21 a 23)

33 À semelhança dos encarregados de educação, os alunos reconhecem o esforço do pessoal docente (Sim - 42% e Quase sempre 34%) e do pessoal não docente (Sim - 21% e Quase sempre 32%), para ajudar a Escola a atingir os seus fins. A maioria dos alunos considera que o seu horário está bem elaborado (Sim - 34% e Quase sempre 21%), apesar de haver alguma dispersão nas respostas a esta questão (Não - 26%, Nem sempre 17%). Critério 8 Impacto na Comunidade Educativa: (questões 24 a 28) Os inquiridos consideram que a Escola promove ações no âmbito da promoção da saúde humana (Sim- 52% e Quase sempre 18%) e da segurança e da qualidade ambiental (Sim 5% e Quase sempre 27%). Existe, tal como no grupo dos encarregados de educação, uma percentagem significativa de inquiridos que desconhece se a Escola desenvolve ações de solidariedade social (3%) e de sensibilização para as artes plásticas (23%). Entre os alunos existe alguma diversidade de opiniões (Sim - %, Quase sempre - 28%, nem sempre 21%, Não 16%, Não sei/não respondo - 15) relativamente ao interesse dos cursos ministrados na Escola. Critério 9 Resultados do Desempenho: (questões 29 a 32) À semelhança dos encarregados de educação, a maioria dos alunos reconhece que a Escola disponibiliza apoio educativo quando necessário (Sim - 54%, Quase Sempre %) e aplica os critérios de avaliação aprovados (Sim - 42%, Quase Sempre 24%). 33

34 Uma percentagem significativa (34%), dos alunos, tal como no grupo dos encarregados de educação, desconhece se a Escola oferece estágios, no âmbito dos cursos profissionais, que facilitam a integração no mercado de trabalho. A maioria dos alunos reconhece o cumprimento dos programas e das planificações e da aplicação dos critérios de avaliação aprovados (Sim - 26%, Quase sempre - 34%). Análise dos resultados do inquérito aos encarregados de educação Critério 1 Liderança: (questões 1 a 4) O maior nº de respostas, em cada uma das questões, foi Sim. A segunda opção mais escolhida foi Não Sei. Relativamente à opção Não o número de respondentes foi praticamente nulo. O que parece revelar que a maioria dos encarregados de educação mostram-se satisfeitos, seguida de um grupo ainda assim significativo, que desconhece a liderança da Escola. Critério 2 Planeamento e Estratégia: (questões 5 a 7) Neste critério as opiniões mantêm-se relativamente ao critério anterior. 34

35 Critério 3 Gestão das Pessoas: (questões 8 a 1) De entre os encarregados de educação, o maior grupo de respondentes desconhece a política de gestão dos recursos humanos (46%). No entanto, a maioria (66%) dos inquiridos considera que os diretores de turma envolvem as pessoas na identificação e resolução de problemas, desenvolvendo mecanismo apropriados para acolher ideias e sugestões. Critério 4 Parcerias e Recursos: (questões 11 a 14) É bastante significativa a percentagem de encarregados de educação que reconhece que a Escola se preocupa com a manutenção do espaço físico e equipamentos escolares (72%). A maioria dos respondentes considera que a Associação de Pais e Encarregados de Educação tem sempre (46%) ou quase sempre (25%) uma ação interventiva na vida da Escola. Curiosamente, uma percentagem, relativamente significativa (37%), desconhece a intervenção da Associação de Estudantes na vida da Escola, embora 34% dos inquiridos reconheça a ação interventiva desta associação. Critério 5 Gestão dos Processos: (questões 15 e 16)

36 À semelhança com o grupo de inquiridos pessoal não docente a maioria das respostas refere que é objetivo estratégico da Escola, reduzir o insucesso, o absentismo e o abandono escolares (Sim 69% e Quase sempre 12%). Relativamente à divulgação e publicitação das ofertas educativas as respostas encontram-se igualmente favoráveis (Sim 63%, Quase sempre 14%). Critério 6 Resultados orientados para o público-alvo (alunos): (questões 17 a 21) A esmagadora maioria dos encarregados de educação está satisfeito com o desempenho global da Escola (Sim 74% e Quase sempre 12%), superando os valores apresentados pelo pessoal não docente. A maioria dos inquiridos reconhece a atuação do conselho geral (Sim - 48% e Quase sempre 17%), da direção (Sim - 45% e Quase sempre 25%), do conselho pedagógico (Sim - 49% e Quase sempre 22%) e do conselho de turma (Sim - 57% e Quase sempre %) defendem os interesses dos alunos. Critério 7 Resultados relativos às Pessoas: (questões 22 a 24) Foi clara a opção dos encarregados de educação que reconhece o esforço do pessoal docente (Sim - 55% e Quase sempre 26%) e do pessoal não docente (Sim - 46% e Quase sempre 23%), para ajudar a Escola a atingir os seus fins, contudo pensamos ser de referir que 26% dos respondentes desconhecem o contributo do pessoal não docente. A maioria dos respondentes considera que o horário dos alunos está bem elaborado (Sim - 43% e Quase sempre 23%). 36

37 Critério 8 Impacto na Comunidade Educativa: (questões 25 a 29) Os inquiridos consideram que a Escola promove ações no âmbito da promoção da saúde humana (Sim- 65% e Quase sempre 7,7%) e da segurança e da qualidade ambiental (Sim 63% e Quase sempre 12%). Existe uma percentagem significativa de inquiridos que desconhece se a Escola desenvolve ações de solidariedade social (49%) e de sensibilização para as artes plásticas (23%). Critério 9 Resultados do Desempenho: (questões 3 a 34) A maioria dos encarregados de educação defende que a Escola disponibiliza apoio educativo quando necessário (Sim - 63%, Quase Sempre 14%), aplica os critérios de avaliação aprovados (Sim - 63%, Quase Sempre 12%) e preocupa-se em melhorar a qualidade global do serviço oferecido (Sim - 51%, Quase Sempre 31%). Uma percentagem significativa (46%), dos encarregados de educação desconhece se a Escola oferece estágios, no âmbito dos cursos profissionais, que facilitam a integração no mercado de trabalho. É de lamentar que 14% dos encarregados de educação desconheçam o cumprimento dos programas e das planificações e da aplicação dos critérios de avaliação aprovados. Com base na análise dos resultados aos questionários, efectuados aos diferentes grupos de respondentes, procedeu-se ao levantamento de pontos fortes e de aspetos a melhorar para cada um dos critérios considerados. 37

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Escola Secundária do Forte da Casa Delegação Regional de Lisboa da IGE Datas da visita: 25 e 26 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 20 julho 2012 É no diálogo entre perspectivas internas e externas que as instituições se desenvolvem e melhoram. Também a avaliação da

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO Os processos e as tecnologias podem unir aspectos importantes para melhores desempenhos organizacionais, mas são as pessoas, através dos seus desempenhos e comportamentos,

Leia mais

Índice. 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres. Introdução... 3. Constituição da equipa... 4. Metodologia utilizada...

Índice. 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres. Introdução... 3. Constituição da equipa... 4. Metodologia utilizada... Ano Lectivo 2010/2011 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Índice Introdução... 3 Constituição da equipa... 4 Metodologia utilizada... 4 Calendarização das etapas... 5 Actividades desenvolvidas...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. RESULTADOS ESCOLARES 1.1 Taxa de sucesso global 1.2 Taxa de alunos sobreviventes 1.3 Taxa de sucesso / ciclo de ensino 2. APROVEITAMENTO MÉDIO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA

CONTRATO DE AUTONOMIA CONTRATO DE AUTONOMIA PREÂMBULO O Decreto-Lei N.º 75/2008, alterado pelo Decreto-Lei N.º 137/2012, define autonomia como: ( ) a faculdade reconhecida ao agrupamento de escolas ou à escola não agrupada

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO Relatório 2007-2008 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Resultados Escolares e Estratégias de Melhoria no

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de 2013 1 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES AUTOAVALIAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES 2008/09 20/ BREVE CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA- dados estatísticos SÍNTESE DE RESULTADOS ESCOLARES Gabinete de Formação, Autoavaliação

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013-2º PERÍODO Abril de 2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Mantendo uma estrutura idêntica à do documento

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Dr. Flávio Ferreira Pinto Resende CINFÃES 30 a 31 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EUGÉNIO DE CASTRO OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EUGÉNIO DE CASTRO OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EUGÉNIO DE CASTRO OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO / 2012 1 INTRODUÇÃO O presente relatório faz a avaliação do segundo ano do Projeto Educativo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015 Avaliação Interna do Agrupamento Relatório 2015 RAIA Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 04 de setembro de 2015 Página 1 de 39 "A autoavaliação é um processo que pode ser

Leia mais

Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015

Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015 Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015 A equipa nomeada pelo Conselho Pedagógico elaborou a presente proposta de Projeto Educativo que

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas Agrupamento de Escolas de Alfena Projeto Educativo 2012/2015 Avaliação da concretização das metas Conselho Pedagógico de 15 de outubro de 2014 1 Metas do Projeto Educativo Meta 1: Manter a taxa de sucesso

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2014/2015-3º PERÍODO Julho de 2015 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Neste documento é feita uma análise retrospetiva

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2012/2013 O processo da Autoavaliação da Escola pretende proporcionar uma reflexão sobre os seus processos

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária de Vendas Novas 17 a 18 Jan. 2012 Delegação Regional do Alentejo da IGE 1 Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Aulas de Apoio 1º Ciclo 2 Na generalidade, os alunos do 1º ciclo, revelaram maiores dificuldades a Português e a Matemática, nomeadamente no cálculo mental

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Equipa de Avaliação Interna Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Ano letivo 2012/2013 novembro 2012 1. INTRODUÇÃO Para a elaboração deste relatório foram considerados os dados disponibilizados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Artigo 1.º Natureza 1. Este documento apresenta o conjunto das regras que deverão organizar e gerir as atividades de enriquecimento curricular ou outras decorrentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais