RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação (Critério 9 Desempenho-Chave)

2 INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REFERENTE AO ANO LETIVO º CICLO º CICLO º CICLO... 7 SECUNDÁRIO... 8 APRECIAÇÃO GLOBAL... 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 INTRODUÇÃO Durante o presente ano letivo, atendendo às recomendações da IGEC, foi elaborado um relatório focalizado nos resultados escolares. Apesar da enorme incompatibilidade de horários dos elementos, registou-se uma participação colaborativa e empenhada de todos os elementos na execução deste trabalho. O Grupo de Focagem, apesar de ter incluído todos os elementos que o constituem, não incluiu nesta fase do trabalho os representantes dos pais, pessoal não docente e alunos, em virtude de se ter restringido ao tratamento dos dados relativos aos resultados escolares. Conhecidos os resultados, convocar-se-ão todos os elementos a fim de se repensar a Escola, no seu todo e nas suas várias partes, refletindo-se sobre o seu funcionamento e organização. Dito de outra forma, procurarse-á que o trabalho desenvolvido neste âmbito sirva de guião para a reflexão e ponderação sobre os aspetos a melhorar constituindo-se como um contributo para a melhoria. 3

4 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REFERENTE AO ANO LETIVO O presente relatório traduz a análise dos resultados da avaliação dos alunos com base nos dados recolhidos até final do 3º período do ano letivo corrente. As disciplinas identificadas com maior taxa de insucesso foram as seguintes: 1º Ciclo (2º e 4º ano): Português, Matemática; 2º Ciclo: Português, Matemática, Inglês e Ciências Naturais; 3º Ciclo: Português, Matemática, Inglês, Ciências Naturais e Físico-Química; Ensino Secundário: Português, Matemática A, Matemática B, Matemática Aplicada às Ciências Sociais (MACS), Inglês, História, Físico-Química e Geometria Descritiva. Nesta análise, consideraram-se como primeira referência os resultados da avaliação dos alunos registados nos três momentos seguintes: avaliação final do 3º período no ano letivo de , avaliação final do 1º, 2º e 3º período do ano letivo de Relativamente ao 1º ciclo, os resultados que se tomaram como primeira referência foram os obtidos pelo mesmo ano de no ano letivo transato. Relativamente ao 2º e 3º ciclo e 10º e 11º ano do secundário, os resultados que se tomaram como primeira referência foram os obtidos pelos mesmos alunos no ano letivo transato, ou seja, no ano de inferior. Relativamente ao 12º ano, os resultados que se tomaram como primeira referência foram os obtidos pelo mesmo ano de no ano letivo transato. 4

5 1º CICLO 1º CICLO 1º CICLO Tabela de dados 2º Ano 4º Ano Disciplinas 3ºPeríodo 1ºPeríodo 2ºPeríodo 3ºPeríodo Menção qualitativa não satisfatória PORTUGUÊS 15,7% 22% 24% 24% MATEMÁTICA 17,3% 21% 18% 18% Menção qualitativa não satisfatória PORTUGUÊS 13,6% 9 % 12% 9% MATEMÁTICA 15,1% 16% 12% 5% 4º Ano Evolução dos resultados obtidos nas Provas Finais Disciplinas Média do Média Média do Média Agrupamento Nacional Agrupamento Nacional Menção qualitativa não satisfatória PORTUGUÊS 55,2% 51,2% 23% 37,8% MATEMÁTICA 47,9% 43% 43,6% 43,9% Aspetos relevantes No 2º ano observa-se um acréscimo de 8 % no insucesso da disciplina de Português enquanto a Matemática se mantêm os valores verificados no ano transato. No 4º ano observa-se uma subtração de 4,4 % e 10,1% no insucesso das disciplinas de Português e de Matemática respetivamente. Relativamente aos resultados obtidos nas provas finais do 4º ano, verifica-se uma subtracção de 37% no insucesso à disciplina de Português e uma redução de 4,4% a Matemática. Comparativamente com as médias nacionais, regista-se uma melhoria significativa no cômputo das duas disciplinas. 5

6 2º CICLO 2º CICLO 2º CICLO Tabela de dados 5º Ano 6º Ano 3ºPeríodo 1ºPeríodo 2ºPeríodo 3ºPeríodo Disciplinas Referente ao ano de em anterior estudo Níveis inferiores a três PORTUGUÊS 13,6% 35,9 % 39,3 % 31,8% MATEMÁTICA 15,1% 39,3 % 38,3 % 31,8% INGLÊS - 23,12 % 24,3 % 17,8% CIÊNCIAS NATURAIS - 14,0 % 19,6 % 15,9% Níveis inferiores a três PORTUGUÊS 25,7 % 26,4 % 24,6 % 18,3% MATEMÁTICA 22,6 % 42,0 % 29,7 % 28,4% INGLÊS 24,4 % 22,3 % 21,6 % 18,3% CIÊNCIAS NATURAIS 13,0 % 13,4 % 14,4 % 8,2% 6º Ano Evolução dos resultados obtidos nas Provas Finais Disciplinas Média do Média Média do Média Agrupamento Nacional Agrupamento Nacional Menção qualitativa não satisfatória PORTUGUÊS 47% 48,2% 37,1% 42,1% MATEMÁTICA 48,6% 50,4% 55,7% 52,7% Aspetos relevantes Comparativamente com os resultados obtidos no 4º ano do 1º ciclo, no 5º ano, a taxa de insucesso acresceu na disciplina de Português 18,2 % e na disciplina de Matemática 16,7 %. As disciplinas de Inglês e Ciências Naturais registam uma taxa de insucesso de 17,8 % e 15,9% respetivamente. Comparativamente com os resultados obtidos no 5º ano do ano letivo transato, no 6º ano, a taxa de insucesso subtraiu 7,4 % na disciplina de Português, 6,1 % na disciplina de Inglês e 4,8% na disciplina de Ciências Naturais. A Taxa de insucesso acresceu 5,8 % na disciplina de Matemática. Relativamente aos resultados obtidos nas provas finais do 6º ano, verifica-se uma subtracção de 9,9% no insucesso à disciplina de Português e um acréscimo de 7,1% a Matemática. Comparativamente com as médias nacionais, regista-se uma melhoria significativa a Português e um acréscimo de 3% a Matemática tendo por referência os resultados obtidos nas provas nacionais realizados em

7 3º CICLO 3º CICLO Tabela de dados 7º Ano 8º Ano 9º ano Disciplinas 3ºPeríodo 1ºPeríod 2ºPeríodo 3ºPeríodo o Referente ao ano de anterior Referente ao ano de em estudo Níveis inferiores a três PORTUGUÊS 18,1 % 26,0 % 29,6 % 14,4% MATEMÁTICA 23,2 % 23,3 % 35,4 % 22,1% INGLÊS 16,7 % 17,1 % 27,6 % 18,9% CIÊNCIAS NATURAIS 5,8 % 20,2 % 29,9 % 7,9% FISICO- QUIMICA - 8,5 % 12,6 % 5,5% Níveis inferiores a três PORTUGUÊS 20,7 % 20,8 % 21,0 % 20,0% MATEMÁTICA 24,6 % 25,0 % 27,7 % 24,4% INGLÊS 23,0 % 28,3 % 42,9 % 27,6% CIÊNCIAS NATURAIS 9,0 % 11,9 % 11,8 % 6,7% FISICO- QUIMICA 12,3 % 12,3 % 28,6 % 16,2% Referente ao 12º do ano letivo transato Níveis inferiores a três PORTUGUÊS 39,3 % 51,4 % 47,2 % 40,7% MATEMÁTICA 25,8 % 44,7 % 42,3 % 31,5% INGLÊS 40,3 % 42,9 % 39,7 % 31,5% CIÊNCIAS NATURAIS 4,0 % 7,2 % 14,6 % 4,6% FISICO- QUIMICA 8,1 % 40,5 % 29,1 % 11,8% Aspetos relevantes Comparativamente com os resultados obtidos no 6º ano do 2º ciclo no ano letivo transato, no 7º ano, a taxa de insucesso subtraiu 3,7% na disciplina de Português e 1,1% na disciplina de Matemática. A taxa de insucesso acresceu 2,2 % na disciplina de Inglês e 2,1% na disciplina de Ciências Naturais. A disciplina de Físico-Química regista uma taxa de insucesso de 5,5 %. Comparativamente com os resultados obtidos no 7º ano do ano letivo transato, no 8º ano, a taxa de insucesso subtraiu 0,7% na disciplina de Português, 0,2% na disciplina de Matemática e 2,3% na disciplina de Ciências Naturais. A taxa de insucesso acresceu 4,6 % na disciplina de Inglês e 3,9% na disciplina de Físico-Química. Comparativamente com os resultados obtidos no 8º ano do ano letivo transato, no 9º ano, a taxa de insucesso acresceu 1,4 % na disciplina de Português, 5,7% na disciplina de Matemática, 0,6 % na disciplina de Ciências Naturais e 3,7 % na disciplina de Físico-Química. Na disciplina de Inglês a taxa de insucesso subtraiu 8,8 %. 7

8 SECUNDÁRIO SECUNDÁRIO Tabela de dados 10ª Ano 11º Ano 12º Ano Disciplinas 3ºPeríodo 1ºPeríodo 2ºPeríodo 3ºPeríodo Referente ao ano de anterior Referente ao ano de em estudo Classificações inferiores a dez PORTUGUÊS 31,9 % 4,8 % 9,8 % 2,4% MATEMÁTICA A 31,9 % 37,8 % 32,4 % 29,0% INGLÊS 39,6 % 3,3 % 3,3 % 3,3% HISTÓRIA 12,0 % 0,0 % 0,0 % 0,0% FISICO- QUIMICA A 18,5 % 12,5 % 12,9 % 9,4% GEOM. DESC. - 22,2 % 11,1 % 11,1% Classificações inferiores a dez PORTUGUÊS 24,1 % 30,0% 49,0% 40,4% MATEMÁTICA A 25,9 % 12,0% 37,0% 25,0% MATEMÁTICA B 61,5 % 14,3% 57,1% 28,6% MACS 44,4 % 42,9% 38,5% 15,4% INGLÊS 28,6 % 16,7% 7,1% 4,7% HISTÓRIA A 16,7 % 12,5% 6,7% 0,0% FISICO- QUIMICA A 22,2 % 0,0% 0,0% 0,0% GEOM. DESC. 46,7 % 37,5% 60,0% 0,0% Classificações inferiores a dez PORTUGUÊS 8,6 % 15,2 % 13,0 % 2,2% MATEMÁTICA A 8,3 % 15,6 % 22,6 % 10,0% HISTÓRIA A 0,0 % 66, % 44,4 % 44,4% Aspetos relevantes Comparativamente com os resultados obtidos no 9º ano do ano letivo transato, no 10º ano, a taxa de insucesso subtraiu 29,5 % na disciplina de Português, 2,9 % na disciplina de matemática, 36,3 % na disciplina de Inglês, 12% na disciplina de História, 9,1% na disciplina de Físico-Química A. A disciplina de Geometria Descritiva regista uma taxa de insucesso de 11,1 %. Comparativamente com os resultados obtidos no 10º ano do ano letivo transato, no 11º ano, a taxa de insucesso acresceu 16,3 % na disciplina de Português e subtraiu 0,9 %, na disciplina de Matemática A, 32,9 % na disciplina de Matemática B, 29% na disciplina de MACS, 23,9% na disciplina de Inglês, 16,7 % na disciplina de história, 22,2 % na disciplina de Físico-Química e 46,7 % na disciplina de Geometria Descritiva. 8

9 Comparativamente com os resultados obtidos no 12º ano do ano letivo transato, no 12º ano, a taxa de insucesso subtraiu e acresceu 1,7 % na disciplina de matemática A e 44 % na disciplina de História A. APRECIAÇÃO GLOBAL Ao longo do ano letivo, do primeiro para o terceiro período, as taxas de insucesso diminuíram em todas as disciplinas. No ensino básico: As disciplinas de maior insucesso são as de Português, Matemática e Inglês. As taxas de insucesso mais elevadas, destas disciplinas, verificam-se no 9º ano e as mais baixas no 7º ano. Das três disciplinas mencionadas, a disciplina de Português é a que apresenta a taxa mais baixa no 7º ano (14,4 %) e a que apresenta a taxa mais elevada no 9º ano (40,7 %). No 1º ciclo: As taxas de insucesso nas disciplinas de Português e Matemática no 2º ano são mais elevadas do que as correspondentes no ano letivo anterior enquanto que no 4º ano, verifica-se uma diminuição significativa das taxas de insucesso destas mesmas disciplinas relativamente às correspondentes no ano letivo anterior. No 2 º Ciclo: as disciplinas de Matemática, Português e Inglês apresentam taxas de insucesso muito elevadas. Em particular, no 5º ano, a taxa de insucesso nas disciplinas de Português e Matemática é de 31,8% contra as taxas de 13,6% e 15,1% no 4º ano do ano letivo transato e consideravelmente superiores às obtidas no 5º ano do ano letivo anterior. 9

10 No 3º ciclo: as disciplinas de Matemática, Português e Inglês apresentam as taxas de insucesso mais elevadas. Contudo, nos 7º e 8º anos, as disciplinas de Português e Matemática apresentam taxas de insucesso mais baixas que as correspondentes ao ano de inferior, no ano letivo anterior. No Ensino Secundário: No 10º ano, destaca-se a disciplina de Matemática com uma taxa de insucesso de 29 %. No 11º ano, destaca-se a disciplina de Português com taxa de insucesso de 40,4%. As disciplinas de Matemática A e Matemática B também apresentam taxas de insucesso elevadas. No 12º ano, destaca-se a disciplina de História A com uma taxa de insucesso de 44,4%. 10

11 CONSIDERAÇÕES FINAIS Face ao trabalho realizado, e tendo por base as as principais ações de melhoria apontadas no documento elaborado para a IGEC no âmbito da última avaliação externa (8 a 10 de abril de 2013), propomos: A continuidade das práticas de apoio e diferenciação adotadas, nomeadamente a coadjuvação e o apoio pedagógico acrescido às disciplinas sujeitas a exame nacional, apoio individualizado, apoio ao estudo e apoio quinzenal, uma vez que a atribuição destas medidas teve um impacto muito positivo no aproveitamento dos alunos que frequentaram os referidos apoios com assiduidade. A atribuição de 45 minutos quinzenais comuns para os docentes de Matemática destinados à partilha das práticas letivas e planificação dos conteúdos, nos anos em que está a ser implementado o novo programa (5º, 6º, 7º e 8º). A reorganização da Sala de Estudo, designadamente através da criação de diferentes espaços por forma a atender com maior eficácia às diversas necessidades dos alunos. Sugere-se a criação de um espaço mais propício ao estudo, nomeadamente do Português, da Matemática e do Inglês, bem como a criação de um espaço mais lúdico para a resolução de outras actividades. Considera-se ainda oportuno a disponibilização de um terceiro espaço para onde possam ser encaminhados todos os alunos com ordem de saída de aula. A continuidade da realização das reuniões mensais com os representantes eleitos de cada ciclo. A aplicação de um inquérito, no próximo ano letivo, aos alunos do Agrupamento e respectivos Encarregados de Educação sobre o seu grau de satisfação quanto à organização/funcionamento e ao ensino de cada estabelecimento. Posterior divulgação dos resultados no portal da escola e reflexão nas várias estruturas. Divulgação das informações recolhidas através da caixa de sugestões colocada na sala de estudo e biblioteca escolar. Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, 10 de julho de 2014 A equipa de auto-avaliação 11

1º RELATÓRIO INTERMÉDIO DE AUTOAVALIAÇÃO

1º RELATÓRIO INTERMÉDIO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA 1º RELATÓRIO INTERMÉDIO DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2014/2015 DOCUMENTO REVISTO (16-03-2015) (Critério 9 Desempenho-Chave) 1/12 Nota introdutória Na

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013-2º PERÍODO Abril de 2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Mantendo uma estrutura idêntica à do documento

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO GUIÃO DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (Despacho N.º 220/97, de 4 de Agosto), avaliar o processo e os efeitos, implica tomar consciência

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

Nota introdutória... 2. Área a melhorar I... 3. Ações/Estratégias a implementar... Objetivos... Área a melhorar II... 11

Nota introdutória... 2. Área a melhorar I... 3. Ações/Estratégias a implementar... Objetivos... Área a melhorar II... 11 Monitorização do plano de melhoria 2012-2013 Agrupamento de Escolas Navegador Rodrigues Soromenho 0 Índice Nota introdutória... 2 Área a melhorar I... 3 Ações/Estratégias a implementar... Objetivos.....

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Escola Secundária com 3 o Ciclo HENRIQUE MEDINA 401882 SÍNTESE Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina Esposende Outubro, 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE ANa Cláudia CoheN Coelho MARIA LUÍSA LOPES DE OLIVEIRA k Apresentação e explicação dos pressupostos teóricos subjacentes ao novo enquadramento legal da avaliação

Leia mais

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente Procedimento de Avaliação de desempenho docente Índice Introdução... 2 1. Periodicidade e requisito temporal... 2 2. Legislação de referência... 3 3. Natureza da avaliação... 3 4. Elementos de Referência

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2012/2013 O processo da Autoavaliação da Escola pretende proporcionar uma reflexão sobre os seus processos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de 2013 1 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão

Leia mais

(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico 2 0 3.

(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico 2 0 3. A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Nery Capucho MARINHA GRANDE 14 a 16 nov. 2011 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 20 julho 2012 É no diálogo entre perspectivas internas e externas que as instituições se desenvolvem e melhoram. Também a avaliação da

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista 1 Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna 2013/2015 Índice Plano de Ação... 3 Constituição da Equipa de Autoavaliação... 3 Etapas/fases do ciclo de avaliação... 4 Cronograma do 1º ano do ciclo de avaliação

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos 2014 2017 Plano de Melhoria Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos 2014 2017 Índice Introdução... 3 Resultados da Avaliação externa... 4 EIXO 1: Apoio à melhoria das aprendizagens... 6

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Equipa de Avaliação Interna Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Ano letivo 2012/2013 novembro 2012 1. INTRODUÇÃO Para a elaboração deste relatório foram considerados os dados disponibilizados

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES

EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE 24 EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES 577 572 554 573 529 334 323 33 338 355 35 243 26 24 26 28 24 36 29 2 2 22 23 24 TOTAL MASC FEM - Depois

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Oliveira Júnior S. JOÃO DA MADEIRA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Celeirós BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção NORTE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da FCT (Formação Prática em Contexto de Trabalho) Cursos de Educação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Briteiros GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º CEB

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1)

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2 AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) NOTA INTRODUTÓRIA Integrado no Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária da Cidadela CASCAIS 2 e 3 de maio 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Aprender a Estudar 2013/2014

Aprender a Estudar 2013/2014 Aprender a Estudar 2013/2014 Enquadramento O projeto Aprender a estudar, implementado no Agrupamento de Escola Vale Aveiras no ano letivo de 2011/2012, surgiu então, tal como procura agora, operacionalizar

Leia mais

Relatório do Plano de Atividades

Relatório do Plano de Atividades Relatório do Plano de Atividades 1º Período 2013/2014 Agrupamento de Escolas de Celeirós Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 1. Taxa de concretização das atividades... 2 2. Contextualização das atividades...

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS APRESENTAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS APRESENTAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS APRESENTAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS março de 2014 Índice 1. CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 3 2. RESULTADOS... 4 2.1. Resultados académicos... 4 2.2.

Leia mais

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%.

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%. CONSELHO GERAL AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes - AVALIAÇÃO DO DIRETOR - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto, compete

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos [Escrever texto] Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Plano de Ação Ano letivo 2014 / 2015 PLANO DE AÇÃO 1. Introdução 2. Estratégia 3. Código de Conduta dos Alunos 4. Organização da resposta à

Leia mais

Regulamento dos Cursos Vocacionais

Regulamento dos Cursos Vocacionais Ano Letivo 2014-2015 Regulamento dos Cursos Vocacionais VITRINISMO/PUBLICIDADE E ANIMAÇÃO/DESIGN E PRODUÇÃO DE MODA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO CURSO VOCACIONAL VITRINISMO/PUBLICIDADE

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais