Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 (Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da qualidade educativa, as investigações sobre a eficácia e a melhoria da Escola atribuem uma grande importância ao clima organizacional (o modo como a cultura organizacional é percecionada pelos membros de uma organização). Avaliar a qualidade educativa apenas com base em indicadores de eficácia, que se limitam a avaliar a aprendizagem académica, é reducionista. De facto, existe um amplo consenso segundo o qual a Educação de qualidade deve ser uma educação integral, ou seja, que tenha em conta as dimensões intelectual, afetiva e social, entre outras.

2 (Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) Assim, a 2ª Fase do Programa AVES visou o apuramento de dados que permitissem caracterizar o clima de escola. Nesta fase foram aplicados questionários online: aos docentes ao pessoal não docente aos alunos dos 7º, 9º, 10º, 12º, 1º ano e 3º ano dos Cursos Profissionais. Também foram aplicados questionários aos pais e encarregados de educação mas, neste caso, optou-se pela aplicação em suporte de papel. Depois de recolhidos os dados, a Fundação Manuel Leão procedeu ao respetivo tratamento e análise, tendo sido produzido um Relatório Final da 2ª fase

3 (Docentes e Não-Docentes) Relativamente aos docentes e não docentes, a Fundação Manuel Leão utilizou um conjunto de construtos (ou dimensões) de análise do clima de escola. Cada construto agrupa um conjunto de indicadores que, por sua vez, se traduzem num conjunto de itens. 1. Recursos (4 itens) 2. Direção (4 itens) 3. Disciplina interna (2 itens) 4. Relacionamento pessoal (5 itens) 5. Sistema social (9 itens) 6. Nível de satisfação (2 itens) 7. Clima de trabalho (3 itens) 8. Eficácia (1 item) SISTEMA SOCIAL Indiadores 5.1. Relação profissional 5.2. Participação 5.3. Confiança 5.4. Autonomia 5.5. Trabalho de equipa Os questionários eras constituídos por 30 itens, com uma escala de respostas tipo Likert. Muitas das questões eram iguais para o pessoal docente e não docente

4 (Docentes e Não-Docentes) No tratamento e apresentação dos dados, a Fundação Manuel Leão utilizou, no Relatório, uma distinção entre o pessoal docente e o pessoal não docente que trabalham na escola-sede do Agrupamento e todos os restantes, que foram agrupados no subconjunto fora da escola-sede. Como é sabido, existem docentes que lecionam na escola-sede e também noutra escola do Agrupamento, em particular na Escola Básica André de Resende. Nestes casos, a pergunta nº 2 do questionário apenas fazia a distinção entre trabalhar na escola-sede ou não (pergunta: trabalha na escola sede? Respostas possíveis: Sim, Não). Pressupõe-se que os professores que trabalham em ambas as escolas tenham respondido em relação à escola sede mas não existe qualquer certeza sobre o sentido das suas respostas.

5 PESSOAL DOCENTE Clima de Trabalho Recursos Direção Sistema Social Disciplina Interna Relacionamento Pessoal Nível de Satisfação Eficácia Docentes que lecionam noutras escolas Docentes que lecionam na Escola sede

6 PESSOAL DOCENTE Nas respostas às diversas variáveis sobressai, pela positiva, o Clima de Trabalho, com valores muito próximos, tanto por parte dos docentes que lecionam na Escola sede como por parte dos docentes que lecionam noutras escolas do Agrupamento. A grande maioria dos docentes trabalha com prazer e sente-se bem na sua Escola/Agrupamento.

7 PESSOAL DOCENTE Na variável Recursos desde logo se nota uma diferença muito significativa relativamente às instalações. Os docentes da Escola sede manifestam um elevado grau de satisfação, que contrasta com a opinião dos docentes que trabalham fora da Escola sede. Com a entrada em funcionamento das novas instalações da EBAR, este constrangimento será, certamente, substancialmente ultrapassado. Surpreendentes são as diferenças que continuam a ser muito significativas quando se faz uma apreciação sobre a adequação dos recursos humanos. A estabilidade do corpo docente não faria pressupor uma apreciação tão diferenciada. (pontuação de 80,8 contra 57,2, apenas). O menor agrado relativamente à elaboração dos horários dos docentes é comum.

8 PESSOAL DOCENTE Na variável Direção constituem pontos fortes a opinião sobre o controlo que a Direção tem sobre o funcionamento do Agrupamento/Escola e também a perceção de que a gestão dos assuntos correntes é eficaz. Estas opiniões correspondem à convicção de que existe uma liderança forte e com resposta positiva na resolução dos problemas. Também sobressai o opinião sobre a existência de uma liderança aberta à inovação (ver a variável Clima de Trabalho). Merece, ainda referência positiva, a adequação na comunicação entre a Direção e os docentes (ver a variável Sistema Social). A opinião dos docentes, relativamente ao trabalho da Direção do Agrupamento é bastante positiva (ver a variável Relacionamento Pessoal).

9 PESSOAL DOCENTE Na variável Sistema Social são pontos fortes o profissionalismo com que os docentes consideram exercer as suas tarefas, a autonomia que sentem na execução das suas atividades e a confiança que manifestam, relativamente aos resultados do seu trabalho. Também merecem referência positiva o bom relacionamento existente entre os colegas mas apenas em relação à Escola sede porque, nas restantes escolas, um pouco surpreendentemente, é muito menor o grau de satisfação manifestado nas relações entre colegas. (talvez a forma como a pergunta está formulada induza em erro os respondentes) Pergunta: Os docentes estão insatisfeitos com as relações existentes entre colegas. São pontos fracos nesta variável, a menor partilha de atividades e momentos de lazer entre os docentes e o sentimento de que não são ouvidos pelos órgãos diretivos do Agrupamento, na tomada de decisões, com a frequência desejada.

10 PESSOAL DOCENTE Na variável Disciplina Interna é opinião dominante que o comportamento dos alunos permite o bom funcionamento das aulas. As questões disciplinares não constituem, na opinião maioritariamente manifestada pelos docentes, uma preocupação dominante.

11 PESSOAL DOCENTE Na variável Relacionamento Pessoal os docentes sentem que o seu trabalho é apreciado pelos alunos e reconhecido pelos encarregados de educação. Manifestam, também, uma apreciação muito positiva sobre o trabalho da Direção do Agrupamento. No entanto, e apesar disto, manifestam uma motivação muito baixa.

12 PESSOAL NÃO DOCENTE Clima de Trabalho Direção Sistema Social Nível de Satisfação Eficácia Relacionamento Pessoal Disciplina Interna Recursos Pessoal não docente que trabalha noutras escolas Pessoal não docente que trabalha na Escola sede

13 PESSOAL NÃO DOCENTE Tal como aconteceu com os docentes, também sobressai, entre os resultados relativos às diversas variáveis, o Clima de Trabalho, com os valores mais positivos. Igualmente a merecer destaque, a variável Direção, com uma valorização também bastante positiva.

14 PESSOAL NÃO DOCENTE Relativamente à variável Clima de Trabalho as respostas são muito idênticas às dos docentes. Também entre o pessoal não docente é relevante a opinião de que trabalham com prazer e que sentem-se bem na sua Escola/Agrupamento. Na variável Direção, à semelhança do que acontece com os docentes, constituem pontos fortes a opinião sobre o controlo que a Direção tem sobre o funcionamento do Agrupamento/Escola e também a perceção de que a gestão dos assuntos correntes é eficaz. Estas opiniões correspondem à convicção de que existe uma liderança forte e com resposta positiva na resolução dos problemas.

15 PESSOAL NÃO DOCENTE Também sobressai o opinião sobre a existência de uma liderança aberta à inovação (ver a variável Clima de Trabalho) e sobre a adequação na comunicação entre a Direção e os docentes (ver a variável Sistema Social). A opinião dos não docentes, relativamente ao trabalho da Direção do Agrupamento é bastante positiva (ver a variável Relacionamento Pessoal). No entanto, e ao contrário do que acontece com os docentes, regista-se uma diferença significativa nas valorizações atribuídas pelo pessoal docente que trabalha na Escola sede e os que trabalham noutras escolas do Agrupamento. As valorizações atribuídas pelo Pessoal Não Docente que trabalha fora da Escola sede registam uma diferença nesta variável que, regra geral, chega a 10 pontos (a menos). Estas diferenças são, certamente, determinadas pela maior proximidade que se verifica com a Direção do Agrupamento, na Escola sede.

16 PESSOAL NÃO DOCENTE Na variável Sistema Social são pontos fortes o profissionalismo com que os não docentes consideram exercer a sua atividade profissional, assim como a confiança que manifestam, relativamente aos resultados do seu trabalho. O ponto fraco é sem dúvida, a partilha de momentos de lazer e atividades entre os não docentes, considerada esporádica.

17 PESSOAL NÃO DOCENTE Na variável Relacionamento Pessoal são pontos fortes a opinião bastante positiva do pessoal não docente em relação ao trabalho da Direção do Agrupamento e a convicção de que o seu trabalho é reconhecido pela Direção. Os pontos fracos são a menor motivação do pessoal não docente para o seu trabalho e o insuficiente reconhecimento do trabalho do pessoal não docente, por parte dos pais e encarregados de educação, em particular no que se refere à Escola sede.

18 PESSOAL NÃO DOCENTE Na variável Disciplina Interna é opinião dominante que o comportamento dos alunos permite o bom funcionamento das aulas. As questões disciplinares existem, como é óbvio, mas não constituem, na opinião maioritariamente manifestada pelos não docentes, uma preocupação dominante. Em relação à variável Recursos, à semelhança do registado pelos docentes, são também muito significativas as apreciações feitas pelos não docentes, relativamente às instalações e à sua adequação às atividades letivas. Os não docentes que lecionam na Escola sede do Agrupamento manifestam um elevado grau de satisfação, certamente decorrente da qualidade das instalações após a intervenção feita pela Parque Escolar. Nas restantes escolas do Agrupamento, com edifícios antigos e a precisar de intervenção, a opinião é bastante menos favorável, como também acontece com os docentes.

19 PESSOAL NÃO DOCENTE Ainda sobre os Recursos, merece referência particular a opinião expressa sobre a quantidade dos recursos humanos. É opinião dominante que as escolas não dispõem de pessoal não docente em quantidade suficiente, o que é atestado pela realidade de cada ano letivo. Esta opinião é mais sentida pelo pessoal não docente que trabalha fora da Escola sede do Agrupamento.

20 ALUNOS Os alunos dos 7º, 9º, 10º, 12º, 1º ano e 3º ano dos Cursos Profissionais responderam a um questionário intitulado Opinião sobre a Escola, com 35 itens. Utilizou-se, como medida para caraterizar a opinião/satisfação dos alunos relativamente a estes sete fatores, a média das respostas, numa escala de 100 pontos. Quanto maior é a pontuação, mais positiva é a opinião/satisfação que os alunos têm de cada um dos fatores.

21 ALUNOS Satisfação com a escola em geral Relação com os colegas Resultados escolares Diretores de Turma Atividades Professores Ordem, Disciplina e Ambiente de Trabalho º CP 1º CP 12º 10º 9º 7º

22 ALUNOS Em qualquer dos anos escolares considerados, a opinião dos alunos aponta sempre as Relações com os colegas e a Satisfação com a escola, em geral, como os 2 fatores que mais lhes agradam. Pelo contrário, os fatores Atividades e Resultados escolares são os que merecem a opinião menos favorável. O desagrado relativamente aos Resultados Escolares podem indiciar uma expectativa não correspondida quanto aos resultados e/ou quanto à justiça na atribuição das classificações. As respostas dos alunos dos cursos profissionais revelam um grau de satisfação mais baixo em todos os fatores considerados, quando comparadas com as respostas dos restantes alunos, exceto no que se refere ao fator Relação com os colegas.

23 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO O questionário foi aplicado aos encarregados de educação dos alunos dos 5º, 6º, 7º 9º, 10º, 12º anos e também dos 1º e 3º anos dos Cursos Profissionais. Continha 35 itens, estruturados em função de 5 fatores: 1. Funcionamento da escola e preparação dos alunos 10 itens 2. Comunicação com professores / diretores de turma 4 itens 3. Informação e participação dos pais / encarregados de educação na vida escolar 5 itens 4. Ordem e disciplina 6 itens 5. Atividades extracurriculares 3 itens Os resultados apurados, relativamente à totalidade dos encarregados de educação que reponderam ao questionário estão expressos no gráfico seguinte:

24 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Opinião dos Encarregados de Educação sobre a Escola Atividades extracurriculares Ordem e disciplina Informação e participação dos E. E. na vida escolar Comunicação com Professores / Diretores de Turma Funcionamento da escola e preparação dos alunos

25 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO O fator que mais agrada aos encarregados de educação é a Comunicação com Professores/Diretores de Turma. Revela uma opinião bastante favorável relativamente ao papel desempenhado pelos Diretores de Turma, na ligação entre as escolas do Agrupamento e as famílias, para além da convicção expressa de que a maioria dos docentes ensinam e preparam bem alunos. Os fatores Funcionamento da Escola e preparação dos alunos, Ordem e Disciplina e Informação e participação dos pais / encarregados de educação na vida escolar também merecem uma elevada pontuação na opinião dos encarregados de educação. Existe a perceção de que os ensinamentos recebidos pelos alunos correspondem às expectativas, de que os problemas de natureza disciplinar não são muito significativos e de que a Escola/Agrupamento funciona bem.

26 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO O fator Atividades Extracurriculares é o que menos agrado proporciona os encarregados de educação. Neste fator estão incluídas, também, opiniões sobre os serviços educativos complementares proporcionados pela Escola, como salas de estudo, comemoração de efemérides e visitas de estudo. Certamente, a entrada em funcionamento das novas instalações da EBAR irá resolver alguns destes problemas e, no presente ano letivo, iniciouse o projeto das Academias que teve uma adesão muito significativa por parte dos alunos e encarregados de educação, contribuindo para uma melhor preparação dos alunos e para um salto qualitativo na resposta educativa por parte do Agrupamento. Iniciativas destas, que no próximo ano continuarão, constituem respostas concretas para proporcionar um acréscimo do agrado nos encarregados de educação e na comunidade educativa.

27 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 3º CP 1º CP 12º 10º 9º 7º 6º 5º Atividades extracurriculares Ordem e disciplina Informação e participação dos E. E. na vida escolar Comunicação com Professores / Diretores de Turma Funcionamento da escola e preparação dos alunos

28 ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Análise do Relatório Final A análise dos dados por anos escolares torna-se mais complexa mas são de slientar as seguintes conclusões, que, aliás, se enquadram nas anteriormente descritas: O fator Comunicação com Professores/Diretores de Turma é o mais pontuado pelos encarregados de educação dos alunos de todos os anos, com uma única exceção, relativa aos encarregados de educação dos alunos do 3º ano dos cursos profissionais, que atribuíram uma maior pontuação ao fator Ordem e Disciplina, embora a diferença não seja significativa. O fator Atividades extracurriculares surge como o que menor satisfação suscita nos encarregados de educação dos alunos de todos ao anos, exceto na valorização atribuída pelos encarregados de educação dos alunos do 1º ano dos cursos profissionais, cuja média das pontuações mais baixas recaiu sobre o fator Informação e participação dos Encarregados de Educação na vida escolar. A diferença de valorização também é, no entanto, muito pouco significativa.

29 A elevada percentagem de respondentes aos questionários (87% dos alunos, 78% dos docentes, 57% entre o pessoal não docente e 64% dos encarregados de educação). Sobressai pela positiva, entre os resultados relativos às diversas variáveis, o Clima de Trabalho, tanto entre o pessoal docente como entre o pessoal não docente do agrupamento. A perceção sobre o controle que a Direção tem sobre o funcionamento do Agrupamento e o reconhecimento da existência de uma liderança aberta à inovação. A opinião manifestada sobre o baixo grau de motivação dos docentes. O profissionalismo com que os docentes consideram exercer as suas tarefas, assim como a autonomia que sentem na execução das suas atividades e a confiança que manifestam, relativamente aos resultados do seu trabalho.

30 O bom relacionamento existente entre os docentes na Escola sede do Agrupamento. Nas restantes escolas, um pouco surpreendentemente, é bastante menor o grau de insatisfação manifestado nas relações entre colegas. A Disciplina Interna, o Relacionamento Pessoal e a Eficácia são variáveis que merecem uma atenção particular. Entre os alunos, em qualquer dos anos escolares considerados, as opiniões apontam sempre as Relações com os colegas e a Satisfação com a escola, em geral, como os 2 fatores que mais agradam. Pelo contrário, o fator Atividades surge como um dos que merecem a opinião menos favorável por parte dos alunos. O fator Comunicação com Professores/Diretores de Turma é o mais pontuado pelos encarregados de educação. O fator Atividades extracurriculares surge como o que menor satisfação suscita nos encarregados de educação do agrupamento.

31 O que fazer com estes dados? Uma das questões cruciais tem a ver com o que fazer com estes dados: - Como fazer chegar às pessoas os dados aqui disponibilizados? - Que interpretações se poderão fazer? - Quais os pontos fortes e os pontos a melhorar? Que variáveis os poderão explicar? E como e quando poderão ser melhorados? - Como melhorar a opinião sobre o estabelecimento de ensino por parte dos alunos, dos docentes e não docentes e dos encarregados de educação? - Que compromissos estabelecer entre os professores, entre professores e alunos, entre professores e encarregados de educação? - Que outros dados, aqui não referenciados, que são importantes para dar conta das dinâmicas escolares? E que metodologias e instrumentos podem ser adotados? - Que programa concreto de ação educativa para os próximos dois/três anos (em termos de objetivos concretos, estratégias, atividades, recursos, datas, intervenientes...)?

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões.

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões. 4. CONCLUSÕES Neste último Capítulo da nossa investigação iremos apresentar as principais conclusões deste estudo, como também as suas limitações e sugestões para futuras investigações. 4.1 - Principais

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14]

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14] ETPZP Petroensino Ensino e Formação Profissional, Lda. Direção Geral Direção Pedagógica 1989-2014 Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal [ANO LETIVO 2013/14] Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Anexos 71 Anexo I Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Este

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

Categoria Profissional

Categoria Profissional 1. Taxa de resposta Todos os docentes convidados a participar no inquérito responderam ao mesmo, tendo-se obtido assim uma taxa de resposta de 100%. 2. Situação profissional dos docentes Categoria Profissional

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2015 / 2016 Departamento de Educação Especial Proposta para o Ano Letivo 2015 / 2016 Avaliação dos alunos com NEE de carácter

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR Emanuel Rosetti (UNICENTRO), Aline Cionek (UNICENTRO), Roseli de Oliveira Machado (Orientadora), e-mail: roseli_machado@yahoo.com

Leia mais

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação de Formandos Pessoal Docente Página 1 de 12 Introdução Este sistema de avaliação dos formandos docentes insere-se no âmbito da formação

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. CORREIA MATEUS RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO Realizada a Avaliação Externa nos dias 17 a 20 de fevereiro de 2014,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Julho de 2013. Relatório de Avaliação da Formação O que pode o Coaching fazer por si. Ano Letivo 2012/2013. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Julho de 2013. Relatório de Avaliação da Formação O que pode o Coaching fazer por si. Ano Letivo 2012/2013. Gabinete de Apoio ao Tutorado Julho de 2013 Relatório de Avaliação da Formação O que pode o Coaching fazer por si Ano Letivo 2012/2013 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação da formação O que pode o coaching

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Workshop de Animação Territorial e Intervenção Comunitária 3ª Sessão: 17 de Junho de 2009. Apreciação Global. Distribuição dos Participantes 14% 33%

Workshop de Animação Territorial e Intervenção Comunitária 3ª Sessão: 17 de Junho de 2009. Apreciação Global. Distribuição dos Participantes 14% 33% P articipantes P articipantes Projecto de Intervenção e Desenvolvimento Comunitário GPS Workshop de Animação Territorial e Intervenção Comunitária ª Sessão: de Junho de 9 Apreciação Global Numa perspectiva

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA INQUÉRITOS AOS ESTUDANTES EM MOBILIDADE histórico Designação interna Objetivos População alvo Serviço Modalidade Responsável

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco.

Dos 173 questionários devolvidos pelos(as) trabalhadores(as), 169 foram preenchidos ou parcialmente preenchidos e 5 foram devolvidos em branco. QUESTIONÁRIO DE SATISFAÇÃO APLICADO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) DA DRAP ALGARVE RELATÓRIO CICLO DE GESTÃO 2012 I. Nota Introdutória Com o presente documento pretendem apurar-se os resultados do questionário

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso

LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso LIDERANÇA DOCENTE E INDISCIPLINA NO ENSINO PRÉ ESCOLAR Estudo de Caso Orientadora: Prof. Doutora Alice Maria Justa Ferreira Mendonça Paula Alexandra Pereira Rodrigues de Caíres Funchal 2011 Escolha do

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda.

Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. Sistema para Visualização dos Resultados de Pesquisas de Clima Organizacional Manual do Usuário Este documento é de autoria da PERSPECTIVA Consultores Associados

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola Secundária de São Pedro do Sul DEPARTAMENTO CURRICULAR DE EXPRESSÕES

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola Secundária de São Pedro do Sul DEPARTAMENTO CURRICULAR DE EXPRESSÕES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7º e 8º Ano Os alunos serão avaliados, de acordo com três domínios (socioafetivo, cognitivo e motor). Atitudes e comportamentos

Leia mais

Relatório da avaliação do PE

Relatório da avaliação do PE A comissão ad-hoc do conselho geral do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra, constituída pelas professoras Aldina Lobo, Ana Isabel Araújo, Elisabete Rodrigues, Fátima Saraiva, Leonor Henriques e

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes.

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes. Relatório Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local Núcleo de Passaportes Novembro de 2014 1 Índice Índice Introdução e Metodologia, pág. 3 1. Satisfação global,

Leia mais