REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO"

Transcrição

1 DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º Escola Básica de Moura nº 1 (EB23) código n.º REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO ANO LETIVO Documento aprovado em Conselho Pedagógico de 13/11/2013

2 1. DEFINIÇÃO 1.1. As visitas de estudo constituem estratégias pedagógicas, intencionalmente planeada, e realizada, fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula, tendo como objetivo desenvolver ou complementar conteúdos das áreas curriculares disciplinares, não disciplinares ou interdisciplinares, com a finalidade de concretizar motivações, aprendizagens e competências que contribuem para a valorização dos saberes e culturas e, consequentemente, para a formação integral do aluno As atividades extracurriculares e as viagens de alunos/finalistas não são consideradas visitas de estudo. 2. APROVAÇÃO 2.1. As propostas de visita de estudo devem ser elaboradas em reunião de departamento ou de área disciplinar, devendo fazer parte integrante do Plano Anual de Atividades do Agrupamento A visita de estudo deve integrar todos os alunos do mesmo ano de escolaridade ou, no caso do Jardim de Infância, a totalidade das salas. As exceções a esta situação devem ser justificadas aquando da entrega da respetiva planificação As visitas de estudo são aprovadas pelo Conselho Pedagógico, passando a integrar o Plano de Turma e o Plano Anual de Atividades As propostas de visitas de estudo não previstas no Plano Anual de Atividades serão apresentadas antecipadamente ao Conselho Pedagógico que procederá à sua aprovação desde que o respetivo Conselho de Turma as considere significativas para a aquisição de 2

3 competências ou conhecimentos previstos no currículo e cumpram as restantes orientações previstas no presente regulamento A aprovação das visitas de estudo depende do financiamento da totalidade dos custos por parte dos encarregados de educação, com as seguintes exceções: A Escola suporta integralmente o transporte uma e os custos de entrada de visita de estudo aos alunos subsidiados de escalão A A Escola suporta a 50% dos custos de uma visita de estudo aos alunos subsidiados de escalão B O SASE suporta os custos acima referidos se tiver disponibilidade financeira O SASE não comparticipa quaisquer custos das viagens de finalistas As visitas de estudo devem ser realizadas preferencialmente durante o 1º e o 2º períodos letivos. No 3º período apenas podem ser realizadas visitas de estudo a título excecional e devidamente justificadas Depois de aprovadas as visitas de estudo passam a estar abrangidas pelo seguro escolar As viagens de alunos finalistas, são da responsabilidade dos professores organizadores e poderão ser consideradas visitas de estudo se estiverem em consonância com o Projeto Educativo, com o Plano Anual de Atividades do Agrupamento e aprovadas pelo Conselho Pedagógico As visitas de estudo com duração superior a três dias, ou com destino ao estrangeiro carecem de autorização do Diretor, após aprovação, pelo Conselho Pedagógico, de plano detalhado das mesmas. 3

4 2.10. No caso de visitas de estudo superiores a três dias em território nacional ou qualquer visita ao estrangeiro, as propostas deverão ser enviadas à DGEsTE-DSRAlentejo. O pedido de autorização é feito em impresso próprio, com uma antecedência mínima de 30 dias. 3. PROGRAMAÇÃO /ORGANIZAÇÃO 3.1. As visitas de estudo deverão realizar-se, preferencialmente, no 1º e 2º períodos. No 3º período apenas poderão ter lugar, a título excecional, visitas devidamente justificadas Ao professor responsável/conselho de Turma cabe a elaboração do plano da visita (ANEXO II), bem como do plano de ocupação dos alunos não intervenientes na mesma. Os referidos planos deverão dar entrada na Direção Executiva com 15 dias de antecedência Compete ao professor coordenador da visita de estudo: Indicar sempre o seu nome nas comunicações que faz com as diferentes entidades durante todo o processo de preparação e implementação da visita Definir os locais a visitar e os horários das visitas, assim com a hora de saída e de chegada à escola Contratar o serviço de transporte necessário à realização da visita de estudo, obtendo por escrito as condições em que se realiza a visita Solicitar e recolher a autorização escrita dos encarregados de educação para participação dos alunos na visita (modelo em uso na Escola) o aluno deve devolver o impresso independentemente de ter ou não autorização para participar. Neste documento deve ser disponibilizada informação detalhada sobre a visita: objetivos, locais 4

5 a visitar, disciplinas envolvidas, data e hora de partida e de regresso, preço da viagem e preço das entradas nos locais de visita Manter informados os respetivos Diretores de Turma desde o início do processo e durante todo o seu desenvolvimento Receber as verbas entregues pelos Encarregados de Educação e proceder à entrega das mesmas nos Serviços Administrativos Garantir que só participam na visita os alunos que tiverem a autorização escrita. Os alunos que não entregarem autorização ficam na escola e trabalham com os respetivos professores durante o horário normal da turma Dividir os alunos por autocarro, de modo a que no dia da visita de estudo cada professor colaborador tome conhecimento e possa fazer a chamada dos alunos que estão sob a sua responsabilidade Solicitar nos Serviços Administrativos: Uma credencial com a identificação da Escola e da atividade, do grupo de professores e do número de alunos A contratação de um seguro de viagem e de estadia, no caso de visitas de estudo ao estrangeiro, nos termos da legislação em vigor Solicitar na Direção a declaração de idoneidade necessária ao acompanhamento dos alunos Levar para a visita toda a correspondência que a ela diga respeito. 5

6 Levar o colete retrorrefletor, raqueta de sinalização a utilizar pelo vigilante sempre que acompanhe crianças no atravessamento da via pública e a mala de primeiros socorros Na planificação referente aos professores colaboradores deverá ter-se em conta a necessidade de os alunos serem acompanhados numa relação de um professor para dez alunos do 2º ciclo e de um para quinze do 3º ciclo Os professores colaboradores não comparticipam no pagamento dos custos da viagem, com exceção dos professores que queiram participar sem estar abrangidos por serviço oficial Ao professor responsável pela visita cabe informar, com dois dias de antecedência, os serviços administrativos, do nome e número de professores acompanhantes, bem como a Chefe dos Auxiliares de Ação Educativa do número de alunos implicados Para além das funções já previstas neste regulamento, ao professor responsável compete: Solicitar aos serviços administrativos uma credencial com a identificação do agrupamento/escola, da atividade, do número de alunos e de professores, com referência à idoneidade destes últimos. (Lei 13/2006) Solicitar a contratação de seguro de viagem e estadia para visitas de estudo ao estrangeiro, nos termos da legislação em vigor A não participação, nas visitas de estudo, de alunos que tenham sido alvo de procedimento disciplinar durante o ano letivo em curso, está dependente da decisão do Diretor, mediante proposta do respetivo diretor de turma. 6

7 4. ALUNOS 4.1. Os alunos só se poderão ausentar mediante autorização escrita do encarregado de educação, de acordo com o Anexo I As importâncias a pagar pela visita estão de acordo com o disposto no ponto 5 Custos da Visita. 5. CUSTO DA VISITA 5.1. A aprovação das visitas de estudo depende do financiamento da totalidade dos custos por parte dos encarregados de educação, com as seguintes exceções: A Escola suporta integralmente o transporte uma e os os custos de entrada de visita de estudo aos alunos subsidiados de escalão A A Escola suporta a 50% dos custos de uma visita de estudo aos alunos subsidiados de escalão B O SASE suporta os custos acima referidos se tiver disponibilidade financeira O SASE não comparticipa quaisquer custos das viagens de finalistas. Os custos acrescidos serão suportados pelos restantes intervenientes nas visitas Não é permitida a venda de produtos que entrem em concorrência com os fornecidos no bufete da escola, como forma de angariar verbas para a visita Não é permitida a venda de rifas para custear a visita de estudo. 7

8 5.4. O Desporto escolar dispõe de uma verba própria que assegura as visitas realizadas neste âmbito A desistência da visita de estudo deve ser comunicada por escrito, pelo encarregado de educação, indicando o motivo, nos cinco dias úteis anteriores à sua realização. Caso a desistência não cumpra este prazo, o aluno perde o direito à devolução do valor em causa. Esta informação tem que ser, obrigatoriamente, comunicada ao encarregado de educação, aquando do pedido de autorização Sem prejuízo do disposto na alínea anterior, será devolvido o montante despendido em caso de doença devidamente comprovada A desistência da visita de estudo deve ser comunicada por escrito, pelo Encarregado de Educação, ao professor organizador indicando o motivo, até 5 dias úteis antes da visita. No caso da desistência ocorrer numa data mais próxima do dia da visita, o aluno perde o direito à devolução do valor em causa Esta informação tem, obrigatoriamente, que ser comunicada ao Encarregado de Educação, aquando do envio da informação sobre a visita Ficam sujeitos ao horário letivo normal todos os alunos que não participam na visita, quer por não terem autorização, quer por terem faltado sem aviso prévio Possíveis danos causados pelos alunos no decurso das atividades em questão e que não se encontrem abrangidos pelo seguro escolar serão da responsabilidade dos encarregados de educação/família dos mesmos. 8

9 6. PROFESSORES 6.1. Os professores colaboradores devem: Numerar e sumariar as aulas lecionadas às turmas que participam na visita Deixar um plano de aula para os alunos que faltarem à visita o acompanhamento destes alunos será garantido por um professor que se encontre em serviço não letivo Deixar os planos de aula correspondentes às turmas a que não vai dar aula. As faltas averbadas no livro de ponto são justificadas pela Direção como serviço oficial Os professores que não acompanham as turmas deverão: Lecionar e numerar a aula aos alunos que não participam na visita de estudo, não podendo, no entanto, lecionar novos conteúdos devem marcar falta aos alunos que não se encontram na sala de aula e que não tenham participado na visita Assinar e sumariar Os alunos foram a uma visita de estudo e numerar a aula no caso de todos os alunos terem ido à visita. 7. RELATÓRIO/AVALIAÇÃO 7.1. Após a realização da visita de estudo, compete ao respetivo professor coordenador proceder a uma avaliação da atividade. A avaliação é feita através do preenchimento de um formulário, o qual deverá ser entregue à Direção, no prazo de cinco dias úteis após a visita. Este formulário é posteriormente arquivado junto da proposta da visita de estudo, assim como a documentação de carácter pedagógico que tenha sido utilizada na visita. 9

10 7.2. A avaliação da atividade deve ser apresentada e analisada em Conselho de Turma e integrada no Plano de Turma. Legislação de referência: Despacho nº 28/ME/91 de 28 de Março Intercâmbio e visitas de estudo ao estrangeiro Portaria nº 413/99, de 8 de junho Seguro escolar Ofício-circular nº 25/2006, de 9 de Março DREAlentejo Lei nº 13/2006, de 27 de abril Transporte de crianças Despacho nº /2006, de 29 de dezembro Raquetes e coletes de sinalização Estatuto do Aluno e da Ética Escolar Lei nº51/2012, de 5 de setembro Regulamento Interno do Agrupamento Artigo 167º 10

11 Aprovado no Conselho Pedagógico em 13 de novembro de 2013 ANEXO I Agrupamento Vertical de Escolas de Moura Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Moura Pedido de Autorização O/ A aluno/a n.º da turma do ano No sentido de agilizar o processo de autorização de saídas da escola e o da publicação de trabalhos e realização de atividades por parte dos alunos, pedimos a sua autorização para os seguintes aspetos: Autorização de saída da escola para a participação em visitas de estudo a (local). Responsabilizo-me pelos danos causados pelo meu educando, no decurso desta visita. Autorizo Não autorizo Autorização para a publicação na página da escola e / ou no jornal escolar de fotos / imagens do aluno relacionadas com a sua participação em atividades da escola e em trabalhos realizados. Autorizo Não autorizo Moura, de de 20 O/A Encarregado/a de Educação 11

12 ANEXO II Avaliação da Visita de Estudo Proponente (Departamento, docentes, Direção, Alunos.): Professores Responsáveis: Professores acompanhantes: Turmas envolvidas: Locais a visitar: Calendarização: Intervenientes Nº total de alunos: Ano letivo 20 /20 º Período Alunos A preparação da visita foi: Insuficiente Suficiente Bem conseguida Durante a visita, as atividades foram: Pouco interessantes Interessantes Muito interessantes O comportamento do grupo foi: Pouco Satisfatório Satisfatório Bom Professores disciplinas envolvidas das Outras Observações: Modalidade de avaliação implementada com os alunos: A preparação da visita foi: Insuficiente Suficiente Bem conseguida Durante a visita, as atividades foram: Pouco interessantes Interessantes Muito interessantes O comportamento do grupo foi: Pouco Satisfatório Satisfatório Bom Moura, de de 20 Assinatura do professor responsável: Nota: Documento a apresentar à Direção, para relatório final do Plano Anual de Atividades. 12

13 ANEXO III AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA Escola Básica 2,3 de Moura Ano Letivo: 2013/2014 DISCIPLINA: PLANIFICAÇÃO DA VISITA DE ESTUDO ATIVIDADE: Objetivos Atividades Data/horas Intervenientes Destinatários Custos previstos : Obs.: Os alunos e professores serão transportados num autocarro alugado. As refeições são da responsabilidade dos alunos. O(s) Professor (es), 13

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares

Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares Cod. 152602 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Regulamento de Visitas de Estudo e Intercâmbios Escolares REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES I - DEFINIÇÕES 1.1. Considera-se Visita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Componente de Apoio à Família

Componente de Apoio à Família Capítulo 056 Componente de Apoio à Família MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Planeamento e organização... 3 3. Funcionamento... 4 3.1. Períodos da CAF... 4 3.2. Horários

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES REGIMENTO INTERNO DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Artigo 1.º Natureza 1. Este documento apresenta o conjunto das regras que deverão organizar e gerir as atividades de enriquecimento curricular ou outras decorrentes

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato

Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Regimento do Grupo de Educação Musical Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato 2015-2016 Índice Artigo 1.º Âmbito de Aplicação... 3 Artigo 2.º Competências... 3 Artigo 3.º Composição... 4 Artigo 4.º

Leia mais

Regulamento da Bolsa de Manuais Escolares do Agrupamento de Escolas de Celeirós

Regulamento da Bolsa de Manuais Escolares do Agrupamento de Escolas de Celeirós Regulamento da Bolsa de Manuais Escolares do Agrupamento de Escolas de Celeirós INTRODUÇÃO A Bolsa de Manuais Escolares do Agrupamento de Escolas de Celeirós tem por base o Despacho n.º 11 886-A/2012,

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Ano letivo 2013-14

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Ano letivo 2013-14 Escola Secundária José Saramago Mafra Cursos Profissionais Ano letivo 2013-14 CURSOS PROFISSIONAIS Cursos Profissionais em funcionamento na Escola: Técnico de Apoio à Gestão Desportiva; Técnico de Apoio

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Laboratório de Bromatologia e Nutrição Animal- ( LABNA ) Laboratório Multidisciplinar de Biologia- ( LAMUBI ) Laboratório de Análises Microbiológicas

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013 CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas de Aveiro, pessoa coletiva de direito público,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015 REGULAMENTO Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define as condições de candidatura ao destacamento de docentes para entidades que operam no Sistema Desportivo Regional e regula os procedimentos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DE S. JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa Foram ouvidas as entidades interessadas, nos termos do artigo 117.º do Código do Procedimento

Leia mais

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Artigo 1º Enquadramento As atividades letivas com as educadoras no Jardim de Infância António

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores Escola Secundária José Saramago Mafra Cursos Profissionais Guião para os Professores Ano letivo 2015-2016 1 2 Cursos profissionais e matriz curricular Coordenadora dos cursos profissionais e coordenadora

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais...3 2 - Ensino Básico...4 3 - Ensino Secundário...4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. Regulamenta o Programa de Concessão de Bolsas para a Participação dos Estudantes do Câmpus Restinga em Atividades Curriculares Externas. O Diretor Geral

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS PARA A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Aprovação em Conselho Municipal de Educação 10 de março de 2015 Aprovação em Reunião de Câmara 25

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A lei n. º159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de transferência

Leia mais

7. MANUAIS ESCOLARES

7. MANUAIS ESCOLARES Regimento da Ação Social Escolar 7. MANUAIS ESCOLARES O Agrupamento de Escolas DFMM decidiu criar o Passa a Outro, projeto de doação e empréstimo de manuais escolares e livros de apoio, constituindo-se,

Leia mais

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 O presente Regimento tem por referência o anexo I do Decreto Lei nº 200/2007 de 22 de Maio e o Regulamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores. UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal

Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores. UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal Aprovadas em reunião da Direção de 5 de Novembro de 2013 Índice

Leia mais

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7 MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA TRANSPORTES ESCOLARES NORMAS DE PROCEDIMENTO CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 Disposições Gerais...3 2 Ensino Básico...4 3 Ensino Secundário...5 4 Alunos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO maiol2014 Índice Página Preâmbulo... 2 Artigo 1.º - Objetivo e Âmbito... 2 Artigo 2.º - Composição...

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA/ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E DE APOIO À FAMILIA - 2015/16 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias divertidas Objeto e âmbito de aplicação O presente documento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14. FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA - 2013/14 FUNCIONAMENTO: refeições, prolongamento horário, férias em movimento Objeto e âmbito de aplicação O presente documento visa regular o funcionamento da Componente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação.

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação. ANO LETIVO 2012-2013 GESTÃO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E DO AUDITÓRIO 1. Regras Gerais 1.1. Todo o utilizador deve contribuir para que exista na Biblioteca um ambiente adequado ao estudo, ao trabalho individual

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem como objetivo a definição dos tipos de apoio e res- petivas condições de acesso

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS ANO LETIVO DE 2012/2013 CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS SUMÁRIO A PRINCÍPIOS GERAIS B - CRITÉRIOS

Leia mais

Guião: Pagamento de Despesas de Transporte e Ajudas de Custo

Guião: Pagamento de Despesas de Transporte e Ajudas de Custo 2013/ 2014 Sindicato Democrático dos Professores do Sul Villas da Cartuxa Apartado 131 7002-502 Évora Telef. 266 749 660 Fax 266 749668 www.sdpsul.com E-mail: evora@sdpsul.com Guião: Pagamento de Despesas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica

Normas DE. Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família. Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica Normas DE FuNcioNamENto Atividades de Animação e Apoio à Família e Componente de Apoio à Família Estabelecimentos de Educação e Ensino da Freguesia de Benfica O presente documento apresenta-se como um

Leia mais

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE Gestão Integrada para a Administração Escolar Regulamento de Utilização Mod. AEVPA - Direção Página 1

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras

ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras Constituição de turmas 1 Na constituição das turmas prevalecem critérios de natureza pedagógica definidos no projeto educativo

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Canelas (152481) Gestão de Banco de Livros e Manuais Escolares. Recuperação, Reutilização, Doação

Agrupamento de Escolas de Canelas (152481) Gestão de Banco de Livros e Manuais Escolares. Recuperação, Reutilização, Doação Agrupamento de Escolas de Canelas (152481) Gestão de Banco de Livros e Manuais Escolares Recuperação, Reutilização, Doação Introdução Os contextos de dificuldade económica e escassez de recursos tendem

Leia mais

Banco de MANUAIS ESCOLARES

Banco de MANUAIS ESCOLARES A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S 172 303 MÃES D ÁGUA SEDE - Escola Básica e Secundária Mães d Água REGULAMENTO DO Banco de MANUAIS ESCOLARES 2014/2015 "Cuidar de um livro é não tirar o direito que

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR)

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) REGIMENTO DE UTILIZAÇÃO 1. Introdução O presente regimento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro OBJETIVOS (artigo 3º) Melhoria da qualidade do serviço educativo e

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades REGULAMENTO DOS QUADROS DE MÉRITO, DE EXCELÊNCIA E DE VALOR Artigo 1º QUADRO DE MÉRITO 1. O Quadro de Mérito destina-se a reconhecer os alunos ou grupos de alunos que revelem grandes capacidades ou atitudes

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de avaliação do

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Preâmbulo O presente regulamento cumpre o estipulado nos artigos n.º 7.º, 7.º-A, 7.º-B e 13.º-A do Despacho n.º 11886-A/2012, de 6 de setembro (que altera o despacho n.º 18987/2009, de 17 de agosto, com

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2015 /2016. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2015 /2016. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1 A Escola de Música Marista (E.M.M) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015 Perfil e Competências Pessoal Não docente Ano Letivo 2014/2015 Introdução A forma de ver e viver na escola dos nossos dias colocou novos desafios à comunidade escolar e levou à necessidade de repensar

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 1 de agosto de 2013 Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Aviso n.º 165/2013 Lista unitária de ordenação final do procedimento

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal

abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal abla portugal 2012-2013 Jardim-de-Infância do Murtal I Enquadramento Institucional A Associação de Beneficência Luso-Alemã é uma IPSS com sede no Junqueiro Carcavelos. Estabelecemos parceria com o Agrupamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CORONADO E CASTRO, TROFA GUIÃO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CORONADO E CASTRO, TROFA GUIÃO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 2015/2016 GUIÃO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 2015/2016 1 ÍNDICE Introdução... 3 Prazos... 3 1. Normas para a atribuição dos auxílios económicos... 3 1.1. O que preciso fazer para me candidatar?... 3 1.2. Situações excepcionais...

Leia mais

Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário

Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário Introdução Reserva de Espaços Catering, decoração e animação musical Registo Fotográfico/Vídeo Danos/ Incidentes Cancelamentos / Preçários

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA SOCIAL ESCOLAR ESCOLA EM VIAGEM

REGULAMENTO PROGRAMA SOCIAL ESCOLAR ESCOLA EM VIAGEM REGULAMENTO PROGRAMA SOCIAL ESCOLAR ESCOLA EM VIAGEM Movijovem, mobilidade juvenil, CIPRL 2015/2016 PREÂMBULO Considerando: Que o desenvolvimento e a concretização eficaz da política nacional de juventude

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena. Tlf: 214379038. Fax: 214379038. Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt. Ano Lectivo: 2007/2008

Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena. Tlf: 214379038. Fax: 214379038. Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt. Ano Lectivo: 2007/2008 Avenida Santo António de Tercena, 2730-165 Barcarena Tlf: 214379038 Fax: 214379038 Email: inf@eb1-tercena.rcts.pt Ano Lectivo: 2007/2008 ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Todos somos chamados a

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus Escola Superior de Educação João de Deus de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus na ESE João de Deus O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente Procedimento de Avaliação de desempenho docente Índice Introdução... 2 1. Periodicidade e requisito temporal... 2 2. Legislação de referência... 3 3. Natureza da avaliação... 3 4. Elementos de Referência

Leia mais