ETPZP [ANO LETIVO 2013/14]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14]"

Transcrição

1 ETPZP Petroensino Ensino e Formação Profissional, Lda. Direção Geral Direção Pedagógica Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal [ANO LETIVO 2013/14] Sistema de Gestão da Qualidade. Avaliação da Satisfação (ano letivo 2013/14). Resultados dos inquéritos aos alunos, professores/formadores e funcionários. Página 1 de 17

2 Cursos Profissionais, nível Índice 4, 2012/13 Geral 1. Amostra 3 2. Relativamente aos alunos: Avaliação global Avaliação geral (A) Serviços da escola (B) Instalações (C) Transportes (D) Avaliação da satisfação das expetativas em relação ao curso 7 3. Relativamente aos professores/formadores: Avaliação global Avaliação geral (A) Serviços da escola (B) Instalações (C) Funcionamento da escola (D) 9 4. Relativamente aos funcionários: Avaliação global Avaliação geral (A) Serviços da escola (B) Instalações (C) Funcionamento da escola (D) Conclusões (com base nas sugestões de melhoria dos inquiridos) Avaliação geral Atividades extracurriculares Ambiente que se vive na escola relacionamento entre alunos, 15 funcionários, professores, chefias e direção 5.2. Serviços da escola (B) Biblioteca Instalações (C) Salas de aula, professores/formadores e outros Cantina Transportes (D) Escola Públicos Outras observações 17 Página 2 de 17

3 1. Amostra: Alunos Professores Funcionários População Dimensão da amostra Data da realização dos inquéritos Prazo de entrega dos inquéritos Percentagem da amostra que valida a população Realizados os inquéritos a Alunos, Professores e Funcionários Não Docentes, com vista a avaliar os Níveis de Satisfação relativamente à Instituição ETPZP, no âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade (Norma ISO 9001:2008), concluiu-se: 2. Relativamente aos alunos: 2.1. Avaliação global 152 (90%) 24 (96%) 12 Maio 23 Maio 17 (94%) 10 Dias úteis 10 Dias úteis 10 Dias úteis 60% 60% 60% / / / / /14 Satisfaz Bastante Satisfaz Satisfaz Pouco Não Satisfaz A Avaliação Global para o ano letivo 2013/14 é positiva: 82% (+4%) (2012/13 78%) dos alunos consideram que globalmente a Escola satisfaz bastante (28%) (+1%) (2012/13 27%) ou satisfaz (54%) (+3%) (2012/13 51%). No entanto, 14% (-2%) (2012/13 16%) considera que a Escola satisfaz pouco e 4% (+2%) (2012/13 6%) que não satisfaz. Página 3 de 17

4 Avaliação geral (A) (2,07) (+0,11) (2012/13 1,96) Todos os parâmetros se situam acima da meta proposta (2), com a seguinte exceção: o A.3. As atividades extracurriculares (visitas de estudo, eventos, etc.) realizadas pela Escola (1,90) (+0,34) (2012/13 1,56); Os alunos pretendem mais atividades extracurriculares. Em síntese, é importante refletir, em conselhos de curso, de turma, conselhos pedagógicos, em reuniões com os delegados (ou sub-delegados de turma) e em reuniões com os não-docentes, sobre estas questões e tentar encontrar medidas de melhoria para 2014/ Serviços da escola (B) (2,15) (+0,16) (2012/13 1,99) Todos os parâmetros se situam acima da meta proposta (2), com a seguinte exceção: Parâmetro 3. Biblioteca (B) (1,86) (+0,10) (2012/13 1,76). A biblioteca, à semelhança do que já se verificou em 2012/13 (nível 1,76), continua com um valor aquém da meta desejável, com um nível de 1,86 (+0,10). o O parâmetro 3.a. (Horário de Funcionamento) atingiu um valor de 1,82 (+0,11) (2012/13 1,71); Mais uma vez, relativamente ao horário de funcionamento, relembramos que a biblioteca não é uma sala de convívio, mas sim um espaço de estudo, onde, pontualmente poderá ser dada uma aula. o O parâmetro 3.b. (Atendimento e disponibilidade) atingiu um valor de 1,89 (+0,16) (2012/13 1,73); A questão do atendimento e disponibilidade da funcionária terá que ser visto com a mesma. o O parâmetro 3.c. (Recursos didáticos existentes livros, revistas, TIC, internet, vídeo, etc.) atingiu um valor de 1,88 (+0,4) (2012/13 1,84). De resto, os outros setores apresentaram resultados positivos, em particular: Parâmetro 1. Secretaria (B) (2,35) (+0,10) (2012/13 2,25). A secretaria, à semelhança do que já se verificou em anos transatos, é um dos serviços melhor avaliados, com um nível de 2,35. Página 4 de 17

5 Parâmetro 2. Reprografia (B) (2,29) Cursos (+0,23) Profissionais, (2012/13 2,06). nível 4, 2012/13 A reprografia, à semelhança do que já se verificou em 2012/13 (nível 2,06), registou uma avaliação positiva, com um nível de 2,29. Parâmetro 4. GAIOP (B) (2,17) (+0,12) (2012/13 2,05). O GAIOP, à semelhança do que já se verificou em anos transatos, é um dos serviços melhor avaliados, com um nível de 2,17. Parâmetro 5. HELPDESK (B) (2,10) (+0,16) (2012/13 1,94). O HELPDESK, contrariamente ao que se verificou em 2012/13, foi avaliado positivamente, com um nível de 2, Instalações (C) (2,03) (+0,0) (2012/13 2,03) Todos os parâmetros se situam acima da meta proposta (2), com as seguintes exceções: Parâmetro 1. Salas de aula (C) (1,89) (+0,01) (2012/13 1,88). As salas de aula, à semelhança do que se verificou em 2012/13 (1,88), ficaram aquém do valor desejado, tendo atingido 1,89. o O parâmetro 1.a. (Qualidade / conservação do mobiliário e equipamento) atingiu o valor de 1,94 (-0,05) (2012/13 1,99). o O parâmetro 1.b. (Condições ambientais temperatura, iluminação e acústica) atingiu o valor de 1,83 (+0,07) (2012/13 1,76). Os alunos continuam a criticar principalmente a climatização das salas de aula, em que no verão são quentes e no inverno frias. Parâmetro 5. Outros (C) (1,77) (-0,02) (2012/13 1,79). À semelhança de 2011/12 (1,91) e 2012/13 (1,79) este parâmetro continuar a ter uma apreciação negativa (1,77) por parte dos alunos. o O parâmetro 5.a. (1,86) (-0,04) (Limpeza das instalações) (2012/13 1,90). o O parâmetro 5.c. (1,45) (+0,00) (Aquecimento central) (2012/13 1,45). Página 5 de 17

6 De resto, os outros setores apresentaram resultados positivos, em particular: Parâmetro 2. Cantina (C) (2,15) (+0,04) (2012/13 2,11). À semelhança de 2012/13 (2,11), este setor continua a ter uma avaliação positiva (2,15), com a exceção do seguinte parâmetro: o O parâmetro 2.c (1,88) (+0,08) (Diversidade das ementas), à semelhança de 2012/13 (1,80), situa-se aquém do mínimo desejado. Parâmetro 3. Bar (C) (2,38) (+0,08) (2012/13 2,30). O bar continua a ser um dos melhores avaliados (2,38). Parâmetro 4. Salas específicas (C) (2,12) (+0,04) (2012/13 2,08). Contrariamente aos anos letivos de 2010/11 (1,83), 2011/12 (1,95), este parâmetro continua a superar o mínimo desejado (2,12) Transportes (D) (1,89) (+0,01) (2012/13 1,88) Na generalidade, o setor dos transportes (2012/13 1,88) manteve uma apreciação negativa (1,89) (+0,01). Parâmetro 1. Escola (D) (1,99) (-0,13) (2012/13 2,12). Os transportes assegurados pela escola tiveram uma apreciação negativa de 1,99 (-0,13) (2012/13 2,12). o O parâmetro 1.c. (1,66) (Qualidade e Conservação das Viaturas) ficou aquém do mínimo desejado. o O parâmetro 1.d. (1,88) (+0,02) (Limpeza das viaturas) também ficou aquém do mínimo desejado (2012/13 1,86). Parâmetro 1. Público (D) (1,78) (+0,15) (2012/13 1,63). À semelhança dos anos letivos 2010/11 (1,81), 2011/12 (1,96), 2012/13 (1,63) os transportes assegurados pela Rodoviária tiveram mais uma vez uma apreciação negativa (1,88) (+0,02). Página 6 de 17

7 o O parâmetro 2.b. (1,95) (+0,25) (segurança dentro da viatura) ficou aquém do mínimo desejado (2012/13 1,70). o O parâmetro 2.c. (1,60) (+0,19) (qualidade e conservação das viaturas) também ficou aquém do mínimo desejado (2012/13 1,41). o O parâmetro 2.d (1,88) (+0,05) (Limpeza das viaturas) também ficou aquém do mínimo desejado (2012/13 1,83) Avaliação da satisfação das expetativas em relação ao curso (A-2) Todos os cursos tiveram uma apreciação positiva (em particular, restauração, comunicação, desporto e saúde), com a exceção dos seguintes: energias renováveis e gestão de equipamentos informáticos. 3. Relativamente aos professores/formadores: 3.1. Avaliação global / / / / /14 Satisfaz Bastante Satisfaz Satisfaz Pouco Não Satisfaz A Avaliação Global para o ano letivo 2013/14 é positiva: 88% (+0%) (2012/13 88%) dos professores/formadores consideram que globalmente a Escola satisfaz bastante (36%) (+2%) (2012/13 34%) ou satisfaz (52%) (-2%) (2012/13 54%). No entanto, 10% (+0%) (2012/13 10%) considera que a Escola satisfaz pouco e 2% (-1%) (2012/13 3%) que não satisfaz. Comparativamente com o ano letivo de 2012/13 (88%), mantiveram-se praticamente os mesmos níveis. Página 7 de 17

8 Avaliação geral (A) (2,32) (+0,08) (2012/13 2,24) Comparado com o ano letivo 2012/13, a avaliação geral é mais uma vez positiva (2,32) (+0,08).Todos os parâmetros se situam acima da meta proposta (2) Serviços da escola (B) (2,37) (-0,06) (2012/13 2,43) À semelhança dos últimos anos letivos 2010/11 (2,41), 2011/12 (2,42) e 2012/13 (2,43), a avaliação geral dos serviços da escola é mais uma vez positivo (2,37). Parâmetro 1. Secretaria (B) (2,81) (+0,09) (2012/13 2,72) Também em relação aos professores, a Secretaria é, de todos os serviços da escola, aquela que mereceu uma das avaliações mais positivas (2,81) (+0,09) (2012/13 2, 72). Parâmetro 2. Reprografia (B) (2,58) (-0,03) (2012/13 2,61) À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,61) a Reprografia mereceu uma avaliação positiva (2,58) (-0,03). Parâmetro 3. Biblioteca (B) (1,70) (-0,28) (2012/13 1,98) Contrariamente aos anos letivos, 2010/11 (2,24) e 2011/12 (2,22), a Biblioteca teve mais uma vez uma apreciação negativa (1,70) (-0,28). Parâmetro 4. Helpdesk (B) (2,38) (-0,01) (2012/13 2,39) À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,39), o Help Desk obteve uma apreciação positiva (2,38) (-0,01) Instalações (C) (2,18) (-0,25) (2012/13 2,43) Na sua generalidade, as instalações da Escola mereceram uma avaliação positiva (2,43) (+0,01), com exceção do seguinte setor/parâmetro: Parâmetro 1. Salas de aula (C) (2,05) (+0,12) (2012/13 1,93). o Mais uma vez, o parâmetro 1.b (1,92) (+0,17) (Condições ambientais temperatura, iluminação e acústica) não atingiu o mínimo desejado, ficando aquém do mínimo desejado (2012/13 1,75). Página 8 de 17

9 Parâmetro 2. Cantina (C) (2,23) (+0,13) Cursos (2012/13 Profissionais, 2,10). nível 4, 2012/13 A cantina atingiu um valor de 2,23 (+0,13). O seguinte parâmetro não atingiu o mínimo desejável: o O parâmetro 2.c (Diversidade das ementas) não atingiu o mínimo desejado (1,77) (-0,04) (2012/13 1,81). Parâmetro 3. Bar (C) (2,31) (-0,10) (2012/13 2,41). O bar atingiu um valor de 2,31 (-0,10). O seguinte parâmetro não atingiu o mínimo desejável: o O parâmetro 3.c (Diversidade de produtos) não atingiu o mínimo desejado (1,87). Parâmetro 4. Salas específicas (C) (2,22) (-0,05) (2012/13 2,27). As salas específicas atingiram um valor de 2,22 (-0,05), sendo que todos os parâmetros atingiram o mínimo desejado. Parâmetro 5. Sala dos professores (C) (2,17) (-0,05) (2012/13 2,22). A sala dos professores também atingiu um valor de 2,22 (-0,05). Parâmetro 6. Outros (C) (2,09) (+0,10) (2012/13 1,99). Contrariamente ao ano letivo de 2012/13 (1,99), este parâmetro alcançou o mínimo desejado (2,09) (+0,10). o O parâmetro 6.c (Aquecimento central do edifício) não atingiu o mínimo desejado (1,75) (+0,12) (2012/13 1,63) Funcionamento da escola (D) (1,92) (-0,14) (2012/13 2,06) Contrariamente ao ano letivo de 2012/13 (2,06), as instalações da Escola mereceram uma avaliação negativa (1,92) (-0,14), em particular: o O parâmetro 2. (Definição dos horários) não atingiu o mínimo desejado (1,92) (- 0,18) (2012/13 2,10). o O parâmetro 4. (Renumerações e regalias) não atingiu o mínimo desejado (1,29) (-0,38) (2012/13 1,67). Página 9 de 17

10 Por último, verificou-se uma avaliação positiva nos outros quatro parâmetros: o O parâmetro 1. (Comunicação interna) atingiu o mínimo desejado (2,04) (-0,01) (2012/13 2,05). o O parâmetro 3. (Relação com as chefias) atingiu o mínimo desejado (2,29) (+0,00) (2012/13 2,29). o O parâmetro 5. (Condições de trabalho) atingiu o mínimo desejado (2,08) (-0,11) (2012/13 2,19). Página 10 de 17

11 4. Relativamente aos funcionários: 4.1. Avaliação global / / /14 Satisfaz Bastante Satisfaz Satisfaz Pouco Não Satisfaz A Avaliação Global para o ano letivo 2013/14 é positiva: 82% (+1%) (2012/13 81%) dos funcionários consideram que globalmente a Escola satisfaz bastante (31%) (+0%) (2012/13 31%) ou satisfaz (51%) (+1%) (2012/13 50%). No entanto, 17% (+0%) (2012/13 17%) considera que a Escola satisfaz pouco e 1% (-1%) (2012/13 2%) que não satisfaz. Comparativamente com o ano letivo de 2012/13 (81%), mantiveram-se praticamente os mesmos níveis Avaliação geral (A) (2,07) (+0,11) (2012/13 1,96) Comparado com o ano letivo 2012/13 (1,96), a avaliação geral melhorou (2,07) (+0,11).Todos os parâmetros se situam acima da meta proposta (2), com as seguintes exceções: o O parâmetro 2. (Como avalia o ambiente que se vive na escola relacionamento entre alunos, professores e funcionários) não atingiu o mínimo desejado (1,93) (+0,16) (2012/13 1,77). o O parâmetro 3. (Como avalia o ambiente que se vive na escola entre funcionários) não atingiu o mínimo desejado (1,92) (+0,00) (2012/13 1,92). Página 11 de 17

12 Os restantes parâmetros situaram-se acima da meta pretendida: o O parâmetro 1. (Qual o grau de satisfação geral em relação à escola) atingiu o mínimo desejado (2,15) (+0,00) (2012/13 2,15). o O parâmetro 4. (Como avalia o ambiente que se vive na escola com os professores) atingiu o mínimo desejado (2,00) (+0,00) (2012/13 2,00). o O parâmetro 5. (Como avalia o ambiente que se vive na Escola com os alunos) não atingiu o mínimo desejado (2,33) (+0,41) (2012/13 1,92). o O parâmetro 6. (Como avalia o relacionamento com a Direção da Escola) atingiu o mínimo desejado (2,07) (+0,07) (2012/13 2,00). Contudo, embora se tenha verificado uma melhoria relativamente ao ano letivo 2012/13 (+0,11), isto não deixa de ser um motivo de preocupação e deve merecer uma reflexão de todos e o assumir de medidas conducentes à inversão desta tendência. À semelhança dos anos letivos anteriores, uma análise exaustiva remete-nos para a conclusão que futuramente se desenvolvam ações que promovam o relacionamento entre funcionários, para além de reuniões periódicas com a direção da escola (Direção geral e Pedagógica), entre outros (Chefe dos Serviços Administrativos) Serviços da escola (B) (2,37) (+0,06) (2012/13 2,31) À semelhança de 2012/13 (2,31), a avaliação geral dos serviços da escola é positiva (2,37) (+0,06) Instalações (C) (2,22) (+0,00) (2012/13 2,22) À semelhança de 2012/13 (2,22), a avaliação geral das instalações é positiva (2,22) (+0,00). Parâmetro 1. Cantina (C) (2,43) (+0,24) (2012/13 2,19). À semelhança do ano letivo de 2012/13 (2,19), este parâmetro atingiu o mínimo desejado (2,43) (+0,24). o Contrariamente ao ano letivo 2012/13, o parâmetro 1.c (Diversidade das ementas) não atingiu o mínimo desejado (1,82). Parâmetro 2. Bar (C) (2,30) (-0,03) (2012/13 2,33). À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,33), este parâmetro atingiu o mínimo desejado (2,30) (-0,03). Nenhum parâmetro ficou aquém do mínimo desejado. Página 12 de 17

13 Parâmetro 3. Helpdesk (C) (2,34) Cursos (+0,13) (2012/13 Profissionais, 2,21). nível 4, 2012/13 À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,21), este parâmetro atingiu o mínimo desejado (2,34) (+0,13). Nenhum parâmetro ficou aquém do mínimo desejado. Parâmetro 4. Outros (C) (2,03) (-0,12) (2012/13 2,15). À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,15), em termos gerais, este parâmetro atingiu o mínimo desejado (2,03) (-0,12), à exceção do seguinte parâmetro: o O parâmetro 4c. (Aquecimento central do edifício) não atingiu o mínimo desejado (1,92) (+0,00) (2012/13 1,92) Funcionamento da escola (D) (1,89) (-0,08) (2012/13 1,97) À semelhança de 2012/13 (1,97), a avaliação geral do funcionamento da escola ficou aquém do mínimo desejado (1,89) (-0,08), mais particularmente, quanto aos seguintes parâmetros: o O parâmetro 1. (Comunicação interna) não atingiu o mínimo desejado (1,92) (+0,7) (2012/13 1,75). o O parâmetro 2. (Horários de trabalho) não atingiu o mínimo desejado (1,86) (-31) (2012/13 2,17). o O parâmetro 4. (Remunerações e regalias) não atingiu o mínimo desejado (1,43) (-0,11) (2012/13 1,54). No entanto, dever-se-á salientar que os restantes, contrariamente ao ano passado, mereceram uma avaliação positiva: o O parâmetro 3. (Relações com chefias) atingiu o mínimo desejado (2,14) (-0,11) (2012/13 2,25). o O parâmetro 5. (Condições de trabalho) atingiu o mínimo desejado (2,08) (-0,07) (2012/13 2,15). Página 13 de 17

14 5. Conclusões Sistema de Gestão da Qualidade 1 Resultados dos inquéritos aos alunos, professores/formadores e funcionários Docentes 2011/ Docentes 2012/13 Docentes 2013/14 Funcionários 2011/12 Funcionários 2012/13 Funcionários 2013/14 Alunos 2011/12 Alunos 2012/13 Alunos 2013/ Página 14 de 17

15 Esta análise permite claramente referenciar Cursos aspetos Profissionais, menos positivos nível para uma 4, 2012/13 reflexão conducente à elaboração de um plano que permita melhorar as práticas com vista a uma melhoria efetiva dos níveis de satisfação de todos os intervenientes e à prossecução dos nossos objetivos: 5.1. Avaliação geral (A) (2,15) (+0,09) (2012/13 2,06) À semelhança do ano letivo 2012/13 (2,06), em termos gerais, este parâmetro atingiu o mínimo desejado (2,15) (+0,09), à exceção do seguinte parâmetro: Atividades extracurriculares Propostas de melhoria: o Professores/formadores: 1) Elaborar, antecipadamente escalas para os professores e para os alunos que participam em atividades extracurriculares e afixá-las na sala dos professores para o conhecimento de todos. o Alunos: 1) Visitas de estudo; 2) Organização de eventos relacionados com os cursos; 3) Organização de competições inter-escolas Ambiente que se vive na escola relacionamento entre alunos, funcionários, professores, direção e chefias Na generalidade, melhorou, mas, não deixar de ser um motivo de preocupação e deve merecer uma reflexão de todos e o assumir de medidas conducentes à inversão desta tendência. Propostas de melhoria: o Professores/formadores: 1) Ações de sensibilização gestão de conflitos, espirito de liderança, gestão de equipas Página 15 de 17

16 5.2. Serviços da escola (B) (2,30) (+0,06) (2012/13 2,24) Biblioteca (1,78) (-0,09) (2012/13 1,87) Propostas de melhoria: o Professores/formadores: 1) Organização de atividades semanais realizadas na biblioteca, por forma a rentabilizar e dinamizar esse espaço. Por exemplo, A semana da disciplina, A Semana do Curso, A semana das profissões Instalações (C) (2,11) (-0,12) (2012/13 2,23) Salas de aula, salas específicas, sala dos professores/formadores e outros (2,09) (+0,18) (2012/13 1,91) Propostas de melhoria: o Alunos: 1) As casas de banho nem sempre se encontram reabastecidas (falta papel higiénico, sabão, etc.); 2) Criação de uma zona de fumadores evitar que se fume à frente da escola Cantina (2,20) (+0,07) (2012/13 2,13) Propostas de melhoria: o Professores/formadores/alunos: 1) Evitar comida condimentada (picante, pimentas, etc.). o Funcionários: 1) Ementa alternativa no período de férias, evitando comida industrializada. 2) Evitar uma confeção condimentada (picante, pimentas, etc.). Página 16 de 17

17 5.4. Transportes (D) (1,89) (+0,01) (2012/13 1,88) Escola (1,99) Propostas de melhoria: o Alunos: 1) Rever a rota de alguns percursos. 2) Melhorar o estado do autocarro. 3) Melhorar a limpeza o autocarro deverá ser limpo com frequência Públicos (1,78) (+0,15) (2012/13 1,63) Propostas de melhoria: o Alunos: 1) Melhorar o estado de conservação das viaturas. 2) Melhorar a limpeza o autocarro deverá ser limpo com frequência. 3) Mudar a empresa de transportes Outras observações Propostas de melhoria: o Professores/formadores: 1) Promoção de eventos mais ligados à comunidade. 2) Aprofundar a relação da escola com os pais e a comunidade envolvente. o Alunos: 1) Reabertura da sala do aluno. Pedrógão Grande, 17 de julho de O Grupo Dinamizador da Qualidade Página 17 de 17

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

SIGQ Questionários. VAlmeida 2013/Jan

SIGQ Questionários. VAlmeida 2013/Jan SIGQ Questionários 1 Face ao Regulamento da Qualidade do IPL (http://www.ipl.pt/instituto/qualidade) e aos das UO e à necessidade de dar resposta às solicitações de entidades externas, como a A3ES, todas

Leia mais

EFA Escolar Nível Secundário

EFA Escolar Nível Secundário Inquérito EFA Escolar Nível Secundário O presente inquérito enquadra-se num estudo de natureza pessoal que está a ser desenvolvido sobre os cursos de Educação e Formação de Adultos Escolar - de Nível Secundário.

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo

2011/2012 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO. Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento DOMÍNIOS. Prestação do Serviço Educativo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DOMÍNIOS Prestação do Serviço Educativo Organização e Gestão Escolar Comissão de Avaliação Interna do Agrupamento julho, 2012

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Histórico: 1ª fase - A necessidade de Emergência (PPE) das escolas e criação de uma Assessoria Técnica na SREC (2007 elaboração Plano de Prevenção

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação Graduação ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. 88,2% Graduação ITEM: As instalações do laboratório de informática são adequadas. Graduação ITEM: As instalações da biblioteca são adequadas.

Leia mais

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Resultado na ótica discente Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Metodologia PÚBLICO-ALVO: Discentes dos cursos de graduação da FAESA. METODOLOGIA DA PESQUISA: A metodologia utilizada por meio de

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Nome do estagiário: Professor Supervisor: Rosângela Menta Mello Instituição em que realizou o estágio: Data do relatório: COLÉGIO ESTADUAL WOLFF KLABIN RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período do estágio na instituição:

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM FACULDADE SENAC PORTO ALEGRE FSPOA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM CPA 2013/2 PARTICIPAÇÃO

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

SETEMBRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas. Local

SETEMBRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas. Local SETEMBRO Ao longo Oração da manhã Pré-escolar e 1º do ano ciclo 12 set. Receção aos alunos: Convívio de alunos, pais/ee, prof./educ. e vigilantes no campo de jogos Desejo das boas vindas pela direção e

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 ALMEIDA GARRETT PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2011-12

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 ALMEIDA GARRETT PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2011-12 ESCOLA SECUNDÁRIA/3 ALMEIDA GARRETT PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2011-12 Actividades Calendarização Destinatários Enquadramento ao nível dos valores/objectivos do Projecto Educativo Dinamização Sessão de

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Pessoal Não Docente Aposentado

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Pessoal Não Docente Aposentado Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO Trabalho Voluntário Prestado por Pessoal Não Docente Aposentado Dezembro 2013 Introdução Desde há vários anos a esta parte que existia a possibilidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica de Moura nº 1 (EB23) código n.º 342294 REGULAMENTO

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Auto-avaliação da Escola

Auto-avaliação da Escola Auto-avaliação da Escola Primeiras imagens T e a RELATÓRIO SÍNTESE 2011-03-31 O presente documento é um relatório que sintetiza as primeiras imagens sobre o funcionamento e o desempenho do Agrupamento

Leia mais

Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira. Projeto da Escola da Praia. Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa

Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira. Projeto da Escola da Praia. Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa Agrupamento Eng. Fernando Pinto de Oliveira Projeto da Escola da Praia Escola Viva! Coordenadora do Projeto: Graça Sousa Escola é... o lugar que se faz amigos. Não se trata só de prédios, salas, quadros,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2012/2013 O processo da Autoavaliação da Escola pretende proporcionar uma reflexão sobre os seus processos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 1 O plano de ação que se apresenta teve por base as autoavaliações efetuadas durante os anos 2009-10; 2010-11;

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: A infra-estrutura do prédio da Faculdade é adequada. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM:

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO 156 AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO COLABORADORES 1 RELATÓRIO FINAL 2012 ÍNDICE Nota Introdutória 3 Resultados obtidos Avaliação Geral 3 Avaliação por questão 5 Tabela de Sugestões apresentadas e respetivas ações

Leia mais

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015 Avaliação Interna do Agrupamento Relatório 2015 RAIA Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 04 de setembro de 2015 Página 1 de 39 "A autoavaliação é um processo que pode ser

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Crescer mais crescer melhor. Projeto Educativo

Crescer mais crescer melhor. Projeto Educativo Crescer mais crescer melhor Projeto Educativo 2011 2014 A Educação, qualquer que seja, é sempre uma teoria do conhecimento posta em prática. Não é no silêncio que os Homens se fazem, mas na palavra, no

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA Assistente Técnico Secretariado Administrativa 12.º ano de escolaridade 12.º ano de escolaridade complexidade, na área de secretariado, designadamente, gestão de agenda;

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES RELATÓRIO ANUAL PROVEDORA DO ALUNO ANO LETIVO 2014-2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 I A PROVEDORIA NO CONTEXTO DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES 3 1. Enquadramento Legal 2. Representação

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes do Serviço de Apoio Domiciliário da ABLA Junho 3 Página de Introdução Entre os dias e 3 de Maio de 3, foi aplicado o Questionário de Avaliação

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS As, ao apresentar o Relatório do sistema de autoavaliação (CPA), consideram

Leia mais

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA PLANO DE AÇÃO Apresentação do Plano de Ação da CPA Os dados trabalhados são baseados na Avaliação Institucional realizada em Maio/2013 CPA- (comissão permanente

Leia mais

Relatório de Actividades CASO (CAtólica SOlidária)

Relatório de Actividades CASO (CAtólica SOlidária) Relatório de Actividades CASO (CAtólica SOlidária) Ano Letivo 2013/2014 1 CONTEXTUALIZAÇÃO GERAL APRESENTAÇÃO A Católica Solidária - CASO é o núcleo de voluntariado da Universidade Católica.Porto, fundado

Leia mais

24 Sugestões para Melhoria da Qualidade dos Cursos

24 Sugestões para Melhoria da Qualidade dos Cursos 4 Sugestões para Melhoria da Qualidade dos Cursos Administração Aulas mais dinâmicas, bem preparadas, motivadoras e voltadas para o mercado de trabalho 5 Mais e melhores aulas práticas 4 Melhorar e adequar

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) UNIESP FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES FIRP COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RIBEIRÃO PIRES DEZEMBRO DE 2014 2 COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais