RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES"

Transcrição

1 RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012

2 ÍNDICE 1. Introdução Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares º Semestre - Resultados Globais Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares º Semestre - Resultados por Curso Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares º Semestre Resultados Globais Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares º Semestre - Resultados por Curso Anexos... 70

3 1. INTRODUÇÃO No final das actividades lectivas do primeiro e do segundo semestres do ano lectivo de 2011/12 e dando cumprimento a resoluções tomadas pelo Conselho Pedagógico e pelo Conselho Técnico-Científico, o ISPAB, com o propósito de avaliar a qualidade de ensino nos diversos cursos conferentes de grau académico que se encontra autorizado a ministrar, concebeu e aplicou um inquérito aos seus alunos com o objectivo de conhecer a sua opinião sobre aspectos relacionados com o funcionamento das unidades curriculares frequentadas e com o desempenho técnico-científico-pedagógico dos respectivos docentes. Estes inquéritos realizaram-se nos dois cursos de licenciatura ministrados: Gestão e Contabilidade (GC) e Marketing, Publicidade e Relações Públicas (MPRP). O número total de inquéritos respondidos foi, no primeiro semestre, de 374, num universo de 126 alunos inscritos, e abrangeram todas as 32 unidades curriculares leccionadas nesse semestre lectivo e, no segundo semestre, de 338 num universo de, igualmente, 126 alunos inscritos, e abrangeram todas as 30 unidades curriculares leccionadas nesse semestre lectivo. O inquérito estruturou-se em três partes, avaliação da unidade curricular, avaliação da actividade do docente e caracterização do estudante na unidade curricular, totalizando 25 itens que deveriam ser respondidos utilizando uma escala de tipo Lickert de 1-Muito Baixo a 6-Muito Elevado. Os resultados globais desse inquérito, abrangendo os dois cursos de 1º ciclo ministrados, conferentes do grau académico de licenciatura foram os seguintes: Página 3 de 72

4 2. AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES 1º SEMESTRE RESULTADOS GLOBAIS 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio dos cursos Gestão e Contabilidade ,46 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,74 Totais ,57 Percentagem 0,0% 3,2% 15,0% 24,9% 35,8% 21,1% 100,0% 1.2. Adequação dos objectivos e competências definidos Gestão e Contabilidade ,39 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,59 Totais ,47 Percentagem 0,0% 2,9% 13,9% 32,1% 35,6% 15,5% 100,0% Página 4 de 72

5 1.3. Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular Gestão e Contabilidade ,35 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,66 Totais ,47 Percentagem 0,3% 3,2% 12,7% 33,8% 33,0% 17,0% 100,0% 1.4. Grau de dificuldade dos conteúdos Gestão e Contabilidade ,33 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,17 Totais ,27 Percentagem 0,0% 5,6% 17,7% 34,9% 27,6% 14,2% 100,0% Página 5 de 72

6 1.5. Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,09 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,13 Totais ,11 Percentagem 2,1% 8,8% 21,1% 26,7% 26,5% 14,7% 100,0% 1.6. Nível de trabalho e tempo exigido para obtenção de aprovação final Gestão e Contabilidade ,47 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,50 Totais ,48 Percentagem 0,8% 3,5% 13,4% 29,0% 35,7% 17,7% 100,0% Página 6 de 72

7 1.7. Apreciação global da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,36 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,81 Totais ,53 Percentagem 0,5% 3,7% 11,0% 30,2% 36,1% 18,4% 100,0% Página 7 de 72

8 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,38 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,65 Totais ,48 Percentagem 1,1% 4,9% 10,9% 31,3% 31,5% 20,4% 100,0% 2.2. Capacidade de transmissão de conhecimentos Gestão e Contabilidade ,51 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,91 Totais ,66 Percentagem 0,5% 4,0% 11,6% 24,5% 31,2% 28,2% 100,0% Página 8 de 72

9 2.3. Adequação das estratégias e metodologias adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,21 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,72 Totais ,40 Percentagem 1,4% 5,4% 13,8% 28,5% 33,1% 17,9% 100,0% 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem Gestão e Contabilidade ,23 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,84 Totais ,46 Percentagem 1,6% 5,9% 12,9% 26,0% 31,6% 22,0% 100,0% Página 9 de 72

10 2.5. Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos Gestão e Contabilidade ,32 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,86 Totais ,52 Percentagem 0,5% 6,0% 13,2% 27,5% 26,1% 26,6% 100,0% 2.6. Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio Gestão e Contabilidade ,48 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,73 Totais ,58 Percentagem 1,6% 3,0% 14,5% 22,6% 33,9% 24,5% 100,0% Página 10 de 72

11 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem Gestão e Contabilidade ,26 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,50 Totais ,35 Percentagem 3,0% 6,5% 14,5% 24,5% 31,7% 19,9% 100,0% 2.8. Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes Gestão e Contabilidade ,49 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,09 Totais ,78 Percentagem 0,3% 2,1% 11,4% 31,4% 15,2% 39,7% 100,0% Página 11 de 72

12 2.9. Relacionamento com os estudantes Gestão e Contabilidade ,84 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,18 Totais ,97 Percentagem 0,5% 2,7% 7,2% 16,9% 34,3% 38,3% 100,0% Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem Gestão e Contabilidade ,59 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,01 Totais ,74 Percentagem 1,1% 4,1% 8,4% 22,0% 34,8% 29,6% 100,0% Página 12 de 72

13 2.11. Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas Gestão e Contabilidade ,42 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,79 Totais ,57 Percentagem 2,7% 2,2% 14,1% 23,4% 32,1% 25,5% 100,0% Apreciação global do docente Gestão e Contabilidade ,52 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,00 Totais ,70 Percentagem 1,1% 3,0% 10,8% 23,2% 33,8% 28,1% 100,0% Página 13 de 72

14 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem Gestão e Contabilidade ,23 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,43 Totais ,31 Percentagem 0,8% 1,6% 20,9% 32,2% 31,6% 12,9% 100,0% 3.2. Recorri ao auxílio do docente Gestão e Contabilidade ,84 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,34 Totais ,03 Percentagem 3,0% 5,4% 24,3% 31,1% 25,7% 10,5% 100,0% Página 14 de 72

15 3.3. Estudei regularmente as matérias Gestão e Contabilidade ,84 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,11 Totais ,94 Percentagem 1,3% 4,6% 32,0% 30,4% 24,5% 7,3% 100,0% 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular Gestão e Contabilidade ,02 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,61 Totais ,24 Percentagem 2,4% 4,6% 20,1% 28,4% 28,4% 16,1% 100,0% Página 15 de 72

16 3.5. Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo Gestão e Contabilidade ,97 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,67 Totais ,23 Percentagem 3,8% 2,7% 21,2% 26,5% 30,6% 15,3% 100,0% 3.6. Grau de satisfação com a minha prestação global Gestão e Contabilidade ,07 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,47 Totais ,22 Percentagem 0,8% 3,2% 23,6% 31,4% 27,3% 13,7% 100,0% Página 16 de 72

17 Comentários 1) Como podemos constatar pela análise dos gráficos, a avaliação do funcionamento das unidades curriculares integrantes dos planos de estudos dos dois cursos de licenciatura ministrados é francamente positiva, verificando-se que, em todos os itens, a esmagadora maioria das respostas incidiu nos valores 4 e 5. Curioso verificar que no item 1.3. Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular, no curso de Gestão e Contabilidade o valor médio foi de 4 e no curso de Marketing, Publicidade e Relações Públicas o valor médio foi de 6. 2) A avaliação da actividade dos docentes que leccionam as unidades curriculares dos dois cursos é, igualmente positiva. Os gráficos revelam que em todos os itens respondidos, os valores 4, 5 ou 6 atingem o número de respostas mais elevado, situando-se todas as médias globais acima do valor 4. Dos itens respondidos relativamente à avaliação da actividade dos docentes, destaca-se o item 2.9 Relacionamento com os estudantes, que apresenta uma média de 4,97 e em que o valor 6 (Muito Elevado) foi assinalado 143 vezes, o que corresponde a 38,3% das respostas, o que comprova o bom ambiente académico existente no ISPAB. Destacam-se igualmente os resultados obtidos nos itens 2.8. Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes que apresenta uma média de 4,78 e em que o valor 6 foi assinalado 115 vezes, o que corresponde a 39,7% das respostas, demonstrando o cumprimento das regras de avaliação por parte do docente. Dignos de realce são, igualmente, os resultados apurados nos itens 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular, 2.2. Capacidade de transmissão de conhecimentos, 2.3. Adequação das estratégias e metodologias adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular, 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem, 2.6. Disponibilização de materiais didácticopedagógicos de apoio, 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem, Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem, Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas e Apreciação global do docente, que apresentam médias globais demonstradoras da qualidade do corpo docente. Estes resultados evidenciam um alto índice de satisfação dos alunos relativamente ao desempenho dos docentes do ISPAB, cujo corolário lógico poderá residir nas respostas dadas ao item Apreciação global do docente, que apresenta uma média global de 4,70 e onde os níveis 5 e 6 obtiveram a maioria das referências 229 (61,9% das respostas). 3) Na caracterização do estudante na unidade curricular, não obstante tratar-se de um processo auto-avaliativo onde os alunos foram solicitados a dar opinião sobre si próprios, os gráficos não Página 17 de 72

18 se afastam da regra observada nos dois números anteriores e apresentam resultados positivos em todos os itens, situando-se à volta do nível 4. Página 18 de 72

19 3. AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES 1º SEMESTRE RESULTADOS POR CURSO GESTÃO E CONTABILIDADE 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio do curso 0,0% 3,0% 15,9% 28,8% 36,5% 15,9% 100% 4, Adequação dos objectivos e competências definidos 0,0% 3,0% 12,0% 37,3% 37,8% 9,9% 100% 4,39 Página 19 de 72

20 1.3. Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular 0,4% 3,9% 10,4% 39,4% 36,8% 9,1% 100% 4, Grau de dificuldade dos conteúdos 0,0% 5,6% 15,0% 34,3% 30,9% 14,2% 100% 4, Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular 2,6% 9,4% 19,7% 27,0% 26,6% 14,6% 100% 4,09 Página 20 de 72

21 1.6. Nível de trabalho e tempo exigido para obter aprovação final 0,4% 4,7% 12,0% 29,6% 36,5% 16,7% 100% 4, Apreciação global da unidade curricular 0,9% 4,3% 11,6% 33,5% 40,8% 9,0% 100% 4,36 Página 21 de 72

22 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular 1,3% 5,3% 10,6% 32,6% 37,4% 12,8% 100% 4, Capacidade de transmissão de conhecimentos 0,9% 5,2% 11,7% 26,4% 35,9% 19,9% 100% 4,51 Página 22 de 72

23 2.3. Adequação das estratégias e metodologia adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular 1,3% 6,1% 16,7% 30,3% 37,7% 7,9% 100% 4, Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem 2,2% 7,8% 14,2% 28,9% 34,5% 12,5% 100% 4, Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos 0,4% 7,0% 15,8% 31,1% 27,6% 18,0% 100% 4,32 Página 23 de 72

24 2.6. Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio 1,7% 2,2% 15,1% 26,7% 35,8% 18,5% 100% 4, Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem 3,0% 5,6% 16,0% 27,3% 33,3% 14,7% 100% 4, Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes 0,7% 2,7% 16,1% 43,6% 1,3% 35,6% 100% 4,49 Página 24 de 72

25 2.9. Relacionamento com os estudantes 0,4% 2,6% 8,2% 22,4% 34,1% 32,3% 100% 4, Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem 0,9% 4,7% 10,3% 24,6% 37,9% 21,6% 100% 4, Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas 3,5% 2,6% 13,7% 25,6% 37,4% 17,2% 100% 4,42 Página 25 de 72

26 2.12. Apreciação global do docente 0,9% 3,9% 12,5% 26,3% 37,9% 18,5% 100% 4,52 Página 26 de 72

27 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem 0,0% 1,3% 23,3% 34,5% 32,8% 8,2% 100% 4, Recorri ao auxílio do docente 3,0% 5,2% 29,6% 35,2% 20,9% 6,1% 100% 3, Estudei regularmente as matérias 1,7% 3,9% 36,4% 31,2% 20,8% 6,1% 100% 3,84 Página 27 de 72

28 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular 3,0% 5,2% 25,0% 31,5% 24,6% 10,8% 100% 4, Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo 4,7% 3,0% 25,9% 31,0% 27,6% 7,8% 100% 3, Grau de satisfação com a minha prestação global 0,4% 2,6% 29,3% 32,8% 26,7% 8,2% 100% 4,07 Página 28 de 72

29 MARKETING, PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio do curso 0,0% 3,5% 13,5% 18,4% 34,8% 29,8% 100% 4, Adequação dos objectivos e competências definidos 0,0% 2,8% 17,0% 23,4% 31,9% 24,8% 100% 4, Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular 0,0% 2,2% 16,5% 24,5% 26,6% 30,2% 100% 4,66 Página 29 de 72

30 1.4. Grau de dificuldade dos conteúdos 0,0% 5,7% 22,1% 35,7% 22,1% 14,3% 100% 4, Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular 1,4% 7,8% 23,4% 26,2% 26,2% 14,9% 100% 4, Nível de trabalho e tempo exigido para obter aprovação final 1,4% 1,4% 15,6% 27,7% 34,0% 19,1% 99% 4,47 Página 30 de 72

31 1.7. Apreciação global da unidade curricular 0,0% 2,8% 9,9% 24,8% 28,4% 34,0% 100% 4,81 Página 31 de 72

32 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular 0,7% 4,3% 11,3% 29,1% 22,0% 32,6% 100% 4, Capacidade de transmissão de conhecimentos 0,0% 2,1% 11,3% 21,3% 23,4% 41,8% 100% 4, Adequação das estratégias e metodologia adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular 1,4% 4,3% 9,2% 25,5% 25,5% 34,0% 100% 4,72 Página 32 de 72

33 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem 0,7% 2,8% 10,6% 21,3% 27,0% 37,6% 100% 4, Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos 0,7% 4,4% 8,8% 21,3% 23,5% 41,2% 100% 4, Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio 1,4% 4,3% 13,6% 15,7% 30,7% 34,3% 100% 4,73 Página 33 de 72

34 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem 2,8% 7,8% 12,1% 19,9% 29,1% 28,4% 100% 4, Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes 0,0% 1,4% 6,4% 18,4% 29,8% 44,0% 100% 5, Relacionamento com os estudantes 0,7% 2,8% 5,7% 7,8% 34,8% 48,2% 100% 5,18 Página 34 de 72

35 2.10. Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem 1,5% 2,9% 5,1% 17,6% 29,4% 43,4% 100% 5, Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas 1,4% 1,4% 14,9% 19,9% 23,4% 39,0% 100% 4, Apreciação global do docente 1,4% 1,4% 8,0% 18,1% 26,8% 44,2% 100% 5,00 Página 35 de 72

36 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem 2,1% 2,1% 17,0% 28,4% 29,8% 20,6% 100% 4, Recorri ao auxílio do docente 2,8% 5,7% 15,6% 24,1% 33,3% 17,7% 99% 4, Estudei regularmente as matérias 0,7% 5,7% 24,8% 29,1% 30,5% 9,2% 100% 4,11 Página 36 de 72

37 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular 1,4% 3,5% 12,1% 23,4% 34,8% 24,8% 100% 4, Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo 2,1% 2,1% 13,5% 19,1% 35,5% 27,7% 100% 4, Grau de satisfação com a minha prestação global 1,4% 4,3% 14,2% 29,1% 28,4% 22,7% 100% 4,47 Página 37 de 72

38 4. AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES 2º SEMESTRE RESULTADOS GLOBAIS 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio dos cursos Gestão e Contabilidade ,64 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,49 Totais ,59 Percentagem 0,6% 0,3% 12,1% 33,1% 33,7% 20,1% 100,0% 1.2. Adequação dos objectivos e competências definidos Gestão e Contabilidade ,46 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,40 Totais ,44 Percentagem 0,6% 0,3% 17,2% 32,8% 34,6% 14,5% 100,0% Página 38 de 72

39 1.3. Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular Gestão e Contabilidade ,44 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,36 Totais ,41 Percentagem 0,6% 0,9% 17,8% 33,7% 31,4% 15,7% 100,0% 1.4. Grau de dificuldade dos conteúdos Gestão e Contabilidade ,54 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,09 Totais ,40 Percentagem 0,6% 0,9% 18,1% 33,8% 31,8% 14,8% 100,0% Página 39 de 72

40 1.5. Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,49 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,92 Totais ,31 Percentagem 1,2% 3,8% 18,6% 31,7% 28,1% 16,6% 100,0% 1.6. Nível de trabalho e tempo exigido para obtenção de aprovação final Gestão e Contabilidade ,65 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,46 Totais ,59 Percentagem 0,6% 1,2% 9,2% 32,3% 40,9% 15,7% 100,0% Página 40 de 72

41 1.7. Apreciação global da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,51 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,60 Totais ,54 Percentagem 0,6% 0,6% 12,1% 32,5% 39,6% 14,5% 100,0% Página 41 de 72

42 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,36 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,63 Totais ,45 Percentagem 1,2% 2,4% 15,7% 30,0% 32,9% 17,8% 100,0% 2.2. Capacidade de transmissão de conhecimentos Gestão e Contabilidade ,50 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,80 Totais ,59 Percentagem 0,9% 6,2% 10,9% 22,5% 33,7% 25,7% 100,0% Página 42 de 72

43 2.3. Adequação das estratégias e metodologias adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular Gestão e Contabilidade ,34 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,62 Totais ,43 Percentagem 1,2% 5,0% 14,2% 26,9% 34,9% 17,8% 100,0% 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem Gestão e Contabilidade ,33 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,75 Totais ,46 Percentagem 2,1% 7,4% 12,7% 22,8% 30,5% 24,6% 100,0% Página 43 de 72

44 2.5. Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos Gestão e Contabilidade ,41 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,74 Totais ,51 Percentagem 1,5% 7,4% 11,2% 23,1% 31,7% 25,1% 100,0% 2.6. Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio Gestão e Contabilidade ,58 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,64 Totais ,60 Percentagem 0,9% 4,2% 11,0% 25,6% 34,5% 23,8% 100,0% Página 44 de 72

45 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem Gestão e Contabilidade ,42 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,84 Totais ,55 Percentagem 0,9% 3,6% 16,0% 24,0% 30,8% 24,9% 100,0% 2.8. Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes Gestão e Contabilidade ,72 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,86 Totais ,76 Percentagem 1,2% 1,8% 11,9% 19,9% 35,1% 30,1% 100,0% Página 45 de 72

46 2.9. Relacionamento com os estudantes Gestão e Contabilidade ,90 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,08 Totais ,96 Percentagem 0,9% 2,4% 9,5% 16,0% 30,0% 41,2% 100,0% Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem Gestão e Contabilidade ,62 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,98 Totais ,73 Percentagem 1,2% 4,4% 11,5% 17,2% 34,3% 31,4% 100,0% Página 46 de 72

47 2.11. Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas Gestão e Contabilidade ,64 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,65 Totais ,64 Percentagem 0,9% 4,4% 15,1% 18,3% 31,4% 29,9% 100,0% Apreciação global do docente Gestão e Contabilidade ,61 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,00 Totais ,73 Percentagem 1,2% 3,9% 11,6% 17,5% 35,6% 30,3% 100,0% Página 47 de 72

48 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem Gestão e Contabilidade ,19 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,22 Totais ,20 Percentagem 0,9% 1,8% 20,2% 39,6% 28,6% 8,9% 100,0% 3.2. Recorri ao auxílio do docente Gestão e Contabilidade ,00 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,04 Totais ,01 Percentagem 1,5% 5,4% 26,3% 33,7% 23,6% 9,6% 100,0% Página 48 de 72

49 3.3. Estudei regularmente as matérias Gestão e Contabilidade ,86 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,85 Totais ,85 Percentagem 0,6% 6,2% 28,8% 39,2% 22,0% 3,3% 100,0% 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular Gestão e Contabilidade ,03 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,29 Totais ,11 Percentagem 2,1% 5,0% 20,8% 33,5% 29,4% 9,2% 100,0% Página 49 de 72

50 3.5. Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo Gestão e Contabilidade ,10 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,57 Totais ,24 Percentagem 1,8% 3,9% 19,9% 31,5% 28,3% 14,6% 100,0% 3.6. Grau de satisfação com a minha prestação global Gestão e Contabilidade ,98 Marketing, Publicidade e Relações Públicas ,24 Totais ,06 Percentagem 0,9% 4,7% 23,1% 36,5% 28,2% 6,5% 100,0% Página 50 de 72

51 Comentários 1) Como podemos constatar pela análise dos gráficos, a avaliação das unidades curriculares integrantes dos planos de estudos dos dois cursos de licenciatura ministrados é francamente positiva, verificando-se que, em todos os itens, a grande maioria das respostas incidiu nos valores 4 ou 5. Nesta primeira parte do inquérito pode destacar-se o item 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio dos cursos e o item 1.6. Nível de trabalho e tempo exigido para obtenção de aprovação final que apresentam a média mais elevada (4.59), o que revela claramente que, nesta instituição, o nível de ensino/aprendizagem é exigente e que os estudantes têm necessidade de se empenhar para obter aprovação final. 2) A avaliação da actividade dos docentes que leccionam as unidades curriculares dos dois cursos é, igualmente, muito positiva. Os gráficos revelam que em todos os itens respondidos, os valores 4, 5 ou mesmo 6 atingem o número de respostas mais elevado, destacando-se os itens, 2.8. Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes e 2.9. Relacionamento com os estudantes, que registaram uma média global de 4,76 e 4,96, respectivamente. Destaca-se também o item Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem e o Apreciação global do docente que apresenta uma média de 4,73. Podem evidenciar-se ainda os resultados obtidos nos itens 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular, 2.2. Capacidade de transmissão de conhecimentos, 2.3. Adequação das estratégias e metodologias adoptadas pelo docente ao programa da unidade curricular, 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem, 2.5. Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos, 2.6. Disponibilização de materiais didático-pedagógicos de apoio 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem e Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas, que apresentam médias superiores ao valor 4. Estes resultados evidenciam um alto índice de satisfação dos alunos relativamente ao desempenho dos docentes do ISPAB, o que muito nos apraz registar, cujo corolário lógico poderá residir nas respostas dadas ao item 2.9. Relacionamento com os estudantes, que apresenta uma média global de 4.96 e onde os níveis 5 e 6 obtiveram a grande maioria das referências, que corresponde a 65,9%. 3) Na caracterização do estudante na unidade curricular, não obstante tratar-se de um processo auto-avaliativo onde os alunos foram solicitados a dar opinião sobre si próprios, os gráficos não se afastam da regra observada nos dois números anteriores e apresentam resultados positivos em todos os itens. Página 51 de 72

52 5. AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES 2º SEMESTRE RESULTADOS POR CURSO GESTÃO E CONTABILIDADE 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio do curso 0,0% 0,4% 12,4% 31,8% 33,0% 22,3% 100% 4, Adequação dos objectivos e competências definidos 0,0% 0,4% 18,5% 30,5% 36,1% 14,6% 100% 4,46 Página 52 de 72

53 1.3. Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular 0,0% 0,9% 18,5% 33,0% 31,3% 16,3% 100% 4, Grau de dificuldade dos conteúdos 0,0% 0,4% 14,2% 34,9% 31,9% 18,5% 100% 4, Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular 0,9% 2,1% 15,5% 32,6% 26,6% 22,3% 100% 4,49 Página 53 de 72

54 1.6. Nível de trabalho e tempo exigido para obter aprovação final 0,0% 1,7% 9,9% 30,5% 37,8% 20,2% 100% 4, Apreciação global da unidade curricular 0,0% 0,9% 13,7% 33,0% 38,6% 13,7% 100% 4,51 Página 54 de 72

55 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular 0,9% 3,4% 19,3% 27,0% 33,9% 15,5% 100% 4, Capacidade de transmissão de conhecimentos 0,4% 8,2% 14,2% 21,0% 30,9% 25,3% 100% 4, Adequação das estratégias e metodologia adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular 0,9% 6,4% 18,0% 24,9% 32,2% 17,6% 100% 4,34 Página 55 de 72

56 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem 1,7% 9,4% 15,0% 23,6% 28,8% 21,5% 100% 4, Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos 0,9% 9,9% 13,3% 22,7% 29,6% 23,6% 100% 4, Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio 0,4% 4,7% 11,6% 25,0% 35,8% 22,4% 100% 4,58 Página 56 de 72

57 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem 0,4% 3,9% 19,3% 27,0% 28,8% 20,6% 100% 4, Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes 0,0% 1,7% 16,0% 19,9% 33,3% 29,0% 100% 4, Relacionamento com os estudantes 0,0% 2,6% 12,5% 17,2% 27,6% 40,1% 100% 4,90 Página 57 de 72

58 2.10. Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem 0,9% 5,6% 15,5% 16,3% 32,6% 29,2% 100% 4, Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas 0,0% 5,2% 15,5% 18,0% 32,6% 28,8% 100% 4, Apreciação global do docente 0,4% 4,7% 15,9% 17,2% 35,6% 26,2% 100% 4,61 Página 58 de 72

59 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem 0,4% 0,9% 23,3% 39,2% 27,2% 9,1% 100% 4, Recorri ao auxílio do docente 1,3% 4,8% 29,9% 31,2% 22,5% 10,4% 100% 4, Estudei regularmente as matérias 0,0% 6,4% 29,2% 40,3% 20,2% 3,9% 100% 3,86 Página 59 de 72

60 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular 2,1% 5,6% 22,3% 34,8% 27,9% 7,3% 100% 4, Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo 1,7% 4,7% 24,1% 33,2% 23,7% 12,5% 100% 4, Grau de satisfação com a minha prestação global 0,4% 5,6% 25,3% 37,8% 26,2% 4,7% 100% 3,98 Página 60 de 72

61 MARKETING, PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS 1. Avaliação da Unidade Curricular 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio do curso 1,9% 0,0% 11,4% 36,2% 35,2% 15,2% 100% 4, Adequação dos objectivos e competências definidos 1,9% 0,0% 14,3% 38,1% 31,4% 14,3% 100% 4, Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular 1,9% 1,0% 16,2% 35,2% 31,4% 14,3% 100% 4,36 Página 61 de 72

62 1.4. Grau de dificuldade dos conteúdos 1,9% 1,9% 26,7% 31,4% 31,4% 6,7% 100% 4, Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular 1,9% 7,6% 25,7% 29,5% 31,4% 3,8% 100% 3, Nível de trabalho e tempo exigido para obter aprovação final 1,9% 0,0% 7,7% 36,5% 48,1% 5,8% 100% 4,46 Página 62 de 72

63 1.7. Apreciação global da unidade curricular 1,9% 0,0% 8,6% 31,4% 41,9% 16,2% 100% 4,60 Página 63 de 72

64 2. Avaliação da actividade do docente 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular 1,9% 0,0% 7,7% 36,5% 30,8% 23,1% 100% 4, Capacidade de transmissão de conhecimentos 1,9% 1,9% 3,8% 25,7% 40,0% 26,7% 100% 4, Adequação das estratégias e metodologia adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular 1,9% 1,9% 5,7% 31,4% 41,0% 18,1% 100% 4,62 Página 64 de 72

65 2.4. Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem 2,9% 2,9% 7,6% 21,0% 34,3% 31,4% 100% 4, Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos 2,9% 1,9% 6,7% 23,8% 36,2% 28,6% 100% 4, Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio 1,9% 2,9% 9,6% 26,9% 31,7% 26,9% 100% 4,64 Página 65 de 72

66 2.7. Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem 1,9% 2,9% 8,6% 17,1% 35,2% 34,3% 100% 4, Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes 3,8% 1,9% 2,9% 20,0% 39,0% 32,4% 100% 4, Relacionamento com os estudantes 2,9% 1,9% 2,9% 13,3% 35,2% 43,8% 100% 5,08 Página 66 de 72

67 2.10. Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem 1,9% 1,9% 2,9% 19,0% 38,1% 36,2% 100% 4, Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas 2,9% 2,9% 14,3% 19,0% 28,6% 32,4% 100% 4, Apreciação global do docente 2,9% 1,9% 1,9% 18,3% 35,6% 39,4% 100% 5,00 Página 67 de 72

68 3. Caracterização do Estudante na Unidade Curricular 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e aprendizagem 1,9% 3,8% 13,5% 40,4% 31,7% 8,7% 100% 4, Recorri ao auxílio do docente 1,9% 6,7% 18,3% 39,4% 26,0% 7,7% 100% 4, Estudei regularmente as matérias 1,9% 5,8% 27,9% 36,5% 26,0% 1,9% 100% 3,85 Página 68 de 72

69 3.4. Estive motivado/a para a unidade curricular 1,9% 3,8% 17,3% 30,8% 32,7% 13,5% 100% 4, Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo 1,9% 1,9% 10,6% 27,9% 38,5% 19,2% 100% 4, Grau de satisfação com a minha prestação global 1,9% 2,9% 18,3% 33,7% 32,7% 10,6% 100% 4,24 Página 69 de 72

70 6. ANEXOS Modelos dos questionários dirigidos aos estudantes sobre avaliação do funcionamento das unidades curriculares. Página 70 de 72

71 A v a l i a ç ã o d a U n i d a d e C u r r i c u l a r INQUÉRITO AOS ESTUDANTES (Ano Lectivo de 2011/2012) Este questionário insere-se num conjunto de esforços que visam a avaliação da qualidade de ensino dos cursos deste Instituto. Pretende-se conhecer a opinião dos estudantes sobre aspectos relacionados com o funcionamento das unidades curriculares e com o desempenho dos docentes. Pede-se a todos os estudantes a colaboração consciente e responsável na valorização dos aspectos positivos e na identificação dos que poderiam ser melhorados. Para cada uma das questões apresentadas, assinale a sua opção de resposta, numa escala de 1 a 6, considerando que nas escalas o valor 1 representa um nível muito baixo do aspecto avaliado, enquanto o valor 6 representa um nível muito elevado. O inquérito compreende três grupos: 1. O primeiro é sobre a unidade curricular; 2. O segundo, sobre a actividade do docente que lecciona a unidade curricular; 3. O terceiro visa caracterizar o estudante na unidade curricular. Assinale com um X uma só resposta por item 1. Avaliação da unidade curricular: Muito Baixo Muito elevado 1.1. Contributo da unidade curricular para a formação no domínio do curso Adequação dos objectivos e competências definidos Adequação dos critérios de avaliação à unidade curricular Grau de dificuldade dos conteúdos Necessidade de conhecimentos anteriores à frequência da unidade curricular Nível de trabalho e tempo exigido para obtenção de aprovação final Apreciação global da unidade curricular Página 71 de 72

72 2. Avaliação da actividade do docente Muito Baixo Muito elevado 2.1. Organização e estruturação dos conteúdos e actividades lectivas da unidade curricular Capacidade de transmissão de conhecimentos Adequação das estratégias e metodologias adoptadas pelo docente, ao programa da unidade curricular Capacidade de estimular a motivação, o interesse e um clima favorável à aprendizagem Clareza com que o docente expõe os conteúdos programáticos Disponibilização de materiais didáctico-pedagógicos de apoio Utilização de tecnologias de informação e comunicação no apoio ao processo de ensino e aprendizagem Cumprimento das regras de avaliação acordadas com os estudantes Relacionamento com os estudantes Empenho na qualidade do processo de ensino/aprendizagem Disponibilidade para o acompanhamento dos estudantes fora do horário das sessões lectivas Apreciação global do docente Caracterização do estudante na unidade curricular Muito Baixo Muito elevado 3.1. Participei activamente nas actividades de ensino e de aprendizagem Recorri ao auxílio do docente Estudei regularmente as matérias Estive motivado/a para a unidade curricular Utilizei as tecnologias de informação e comunicação como ferramenta de estudo Grau de satisfação com a minha prestação global Observações e comentários: Muito obrigado pela colaboração! Página 72 de 72

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

EFA Escolar Nível Secundário

EFA Escolar Nível Secundário Inquérito EFA Escolar Nível Secundário O presente inquérito enquadra-se num estudo de natureza pessoal que está a ser desenvolvido sobre os cursos de Educação e Formação de Adultos Escolar - de Nível Secundário.

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Categoria Profissional

Categoria Profissional 1. Taxa de resposta Todos os docentes convidados a participar no inquérito responderam ao mesmo, tendo-se obtido assim uma taxa de resposta de 100%. 2. Situação profissional dos docentes Categoria Profissional

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA) são um instrumento fundamental para a qualificação da população adulta. Os Cursos EFA são destinados a

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN Por deliberação do Conselho Cientifico da FDUAN de 11 de Dezembro de 2001 e Julho de 2002, foram aprovadas as bases gerais

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS AOS ALUNOS - JAN/2000

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS AOS ALUNOS - JAN/2000 ISPV - ESTV GESTÃO COMERCIAL E DA PRODUÇÃO - MATEMÁTICA FINANCEIRA 999/ RESULTADOS DOS INQUÉRITOS AOS ALUNOS - JAN/ Instituto Superior Politécnico de Viseu - Escola Superior de Tecnologia Ano Lectivo 999/

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à Frequência Psicologia 12ºano. PROVA 340 /2015 Secundário

Informação-Exame de Equivalência à Frequência Psicologia 12ºano. PROVA 340 /2015 Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO Informação-Exame de Equivalência à Frequência Psicologia 12ºano 1. INTRODUÇÃO PROVA 340 /2015 Secundário O presente

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 1 O plano de ação que se apresenta teve por base as autoavaliações efetuadas durante os anos 2009-10; 2010-11;

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir

Leia mais

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011 Escola Secundária do Padrão da Légua Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo / Relatório trimestral º Período Dando cumprimento ao estipulado no ponto. do º artigo do Regulamento Interno, o Gabinete de

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

Capítulo I Regras Gerais. Artigo 1.º Âmbito

Capítulo I Regras Gerais. Artigo 1.º Âmbito ANEXO REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DE INSTRUÇÃO DE CORPO DE ALUNOS Capítulo I Regras Gerais Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento aplica-se aos alunos do Instituto Superior de Ciências

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA Os resíduos de construção e demolição, quer devido à sua perigosidade, quer devido às quantidades produzidas, é considerado um fluxo de resíduos prioritário a nível

Leia mais

ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO

ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO UNIVERSIDADE DO MINHO Escola de Economia e Gestão ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ANÁLISE DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ALUNOS NA CANTINA DA UNIVERSIDADE DO MINHO Braga, Janeiro de 2009 MÉTODOS QUANTITATIVOS

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Outubro / 2005 A tabulação dos dados evidenciados nos instrumentos aplicados junto a 1334 respondentes, revelou os seguintes resultados: 01.

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais ÍNDICE CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS... 3 OBJECTIVOS...

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA PARTE CURRICULAR DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO 1. Para além da assistência às aulas, sendo obrigatória a presença em pelo menos 75% das horas leccionadas, cada discente será avaliado,

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir do ano lectivo de 2006-2007, estágios de prática

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas

Serviço de Educação e Bolsas Serviço de Educação e Bolsas CONCURSO DE APOIO A BIBLIOTECAS ESCOLARES/CENTROS DE RECURSOS 2005 REGULAMENTO A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar projectos de criação, actualização e dinamização

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

A experiência de 6 anos

A experiência de 6 anos Aplicação da APP em Cardiopneumologia na ESTeSL A experiência de 6 anos Seminário Aprendizagem por Problemas: O Desafio da Mudança Hermínia Brites Dias Dezembro de 28 Motivação Métodos e Técnicas de Diagnóstico

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Impactos na qualidade formativa

Impactos na qualidade formativa Impactos na qualidade formativa Da acreditação à certificação (principais alterações) Simplificação do regime Certificação sem prazo de validade Acompanhamento regular das entidades Pedidos de certificação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto-avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação. em Competências TIC Nível 1

Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação. em Competências TIC Nível 1 Centro de Formação de Associação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação em Competências TIC Nível 1 Pessoal Docente Pág. 1/6 Introdução Esta avaliação dos formandos docentes

Leia mais

Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future

Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future Concurso Anual Universitário RENAULT Building the Wheels of the Future 1 Introdução 2 Introdução A RENAULT Portugal (www.renault.pt) apresenta o Concurso Anual Universitário RENAULT 2010/2011 e convidam-vos

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

Implementação do Balanced Scorecard

Implementação do Balanced Scorecard Implementação do Balanced Scorecard Lisboa 18.setembro.2014 Rui Mendes (Vice-Presidente da CCDR Alentejo) Razões prévias da implementação BSC Hoje a administração pública p tem uma gestão orientada por

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS CAPÍTULO I - DA CONCEITUÇAO E OBJETIVOS Art. 1º O Trabalho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD 2º SEMESTRE 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL DA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação de Formandos Pessoal Docente Página 1 de 12 Introdução Este sistema de avaliação dos formandos docentes insere-se no âmbito da formação

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais