Relatório de auto avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de auto avaliação"

Transcrição

1 Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1

2 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades do PAA 5- Visitas de estudo Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 2

3 A missão da escola consubstancia-se, entre outros parâmetros da formação dos alunos, nos resultados académicos obtidos. O presente relatório, pretendendo ser um contributo objetivo para a avaliação da escola no domínio dos resultados escolares privilegia a análise dos resultados e aspetos que diretamente os influenciam. Ter-se-á assim uma base de trabalho que permite delinear estratégias eficazes de combate ao insucesso. O relatório que se apresenta resulta da compilação de relatórios parciais fruto do trabalho de uma equipa que incluiu elementos do conselho pedagógico, coordenadores de estruturas e outros professores designados. Resultados escolares Metas do PEE Situar os níveis de insucesso em todos os anos de escolaridade abaixo dos 20%. Não ter em nenhuma disciplina taxas de insucesso superiores a 50% Metas do programa 2015 Taxas de sucesso Ano Metas a atingir em Taxas de aprovação 2011/2012 7º 77% 74,2% 8º 90% 74,1% 9º 80% 74,2% 3º ciclo 82,3% 74,2% 10º 87% 82,1% 11º 91% 76,7% 12º 50% 49,2% Secundário 76% 69,3% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 3

4 Pela leitura do quadro anterior verifica-se que relativamente às taxas de sucesso em cada ano de escolaridade, apenas no 10º de escolaridade se atingiu a meta definida para o presente ano letivo no PEE mas em nenhum ano se atingiram as metas delineadas no programa Tal facto indica que as medidas delineadas pela escola e aplicadas ao longo do ano não surtiram efeito tornando-se essencial que sejam repensadas Resultados globais Ensino Básico META DO PEE Não ter em nenhuma disciplina níveis de insucesso iguais ou superiores a 50%. TAXA DE INSUCESSO 3º Ciclo 7º ANO 8º ANO 9º ANO Ciências Físico-Químicas 27,04% 42,22% 22,05% Ciências Naturais 23,90% 14,07% 7,09% Dança 8,33% 13,33% 10% EMRC 6,45% 3,17% 0% Educação Física 14,47% 8,15% 3,15% Educação Tecnológica 6,29% 3,70% 3,45% Ed. Visual 14,47% 12,59% 10% Francês 31,45% 40% 19,69% Geografia 34,59% 20% 7,09% História 20,13% 21,48% 14,96% Inglês 29,56% 14,81% 31,50% Língua Portuguesa 26,28% 23,31% 30,65% Matemática 50,94% 51,11% 42,52% Oficina de Artes 12,36% 2,04% 0% Oficina de Teatro 2,17% 2,44% 0% PLNM 66,67% 0% 0% Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação 3,15% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 4

5 A taxa de insucesso mais elevada verificou-se na disciplina de PLNM embora esta disciplina tenha um número der alunos pouco significativo. Para além de PLNM a disciplina de matemática foi aquela onde se verificou maior insucesso. Nesta disciplina, esta tendência mantêm-se nos três anos do ensino básico embora no 9º ano se verifique que o insucesso se situa abaixo dos 50%. Tendo em atenção a meta a atingir por disciplina em cada ano (Insucesso abaixo dos 50%) foi atingida no 9º ano em todas as disciplinas, no 8º ano à exceção de matemática e no 7º ano à exceção de matemática e PLNM. No global do 3º ciclo verifica-se que em cada ano existe ainda mais de metade de disciplinas com taxas de sucesso inferiores a 80%. embora esse número vá diminuindo ao longo do ciclo. Perante estes resultados, nenhum dos objetivos do PEE ( Situar os níveis de insucesso abaixo dos 20% e não ter nenhuma disciplina com níveis de insucesso superior a 50%) está a ser conseguido. É necessário encontrar estratégias de superação destas situações em reuniões de grupo/nível Sucesso pleno- Ensino básico Pelas implicações que poderá ter no normal desenrolar do processo de ensino e aprendizagem, para além dos dados globais, parece-nos importante na avaliação da qualidade do sucesso dos nosso alunos, considerar o indicador Sucesso pleno ou seja o número de alunos que transitaram sem qualquer disciplina com nível negativo. 3º CICLO com Sucesso Pleno 7º Ano (%) Com Sucesso Pleno 8º Ano (%) ,91 46,1545,83 36,00 25,00 15,00 23,81 7º A 7º B 7º C 7º D 7º E 7º F 7º G ,43 21,74 16,67 8º A 8º B 8º C 11,11 8º D 57,69 8º E 13,04 8º F Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 5

6 Com Sucesso Pleno 9º Ano (%) Sucesso Pleno no Ensino Básico (%) ,44 25,00 52,94 72,73 41,67 22,73 42,5% 32,6% 39,0% 7º Ano 8º Ano 9º Ano 9º A 9º B 9º C 9º D 9º E 9º F O ano de escolaridade onde se registou uma taxa superior de sucesso pleno, foi o 9º ano, com 42,5%, seguido do 7º ano, com 39%. Globalmente podemos comcluir que menos de metade dos alunos que transitam não têm nehuma disciplina com nível negativo. Este deverá ser um indicador a melhorar. ANO DE ESCOLARIDADE Taxa de Sucesso Pleno Antes Provas Finais 7º 38,99% 8º 32,59% 9º 42,5% 3º Ciclo E. Básico 38% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 6

7 1.3- Resultados globais Ensino Secundário Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira TAXA DE INSUCESSO - Secundário 10º ANO 11º ANO 12º ANO Biologia e Geologia 14,08% 22,99% Educação Física 1,61% 0% 1,09% EMRC 0% 0% Filosofia 17,21% 2,63% Física e Química A 22,22% 34,44% Francês Continuação 33,33% 0% Geografia A 9,62% 0% História A 11,32% 0% 5,56% Inglês Continuação 16,53% 3,42% Literatura Portuguesa 30% Matemática A 42,03% 39,02% 15,25% MACS 5,56% 5,88% Português 19,67% 9,32% 9,38% Desenho e Geometria Descritiva A 0% Aplicações Informáticas B 0% Biologia 0% Física 0% Geografia C 10,34% Geologia 0% Psicologia B 0% Química 0% Sociologia 0% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 7

8 No global do ensino secundário, verifica-se que nenhuma disciplina se encontra com taxa de sucesso inferior a 50%. Por conseguinte, a meta definida no PEE foi atingida neste ciclo. Consideradas as taxas de sucesso em cada ano, de cada disciplina, verifica-se que no 10º e 11º anos, 3 estão abaixo dos 80%. Verifica-se também que a disciplina de matemática é aquela em que existe maior insucesso em todos os anos deste ciclo de estudos embora com tendência para descer ao longo do ciclo Sucesso pleno- Ensino secundário Considerou-se Sucesso Pleno as situações de alunos que registaram classificações superiores ou iguais a 9,5 valores em todas as disciplinas em que estavam inscritos, independentemente de estes terem anulado a matrícula a uma ou mais disciplinas, durante o ano letivo. Assim, o ano de escolaridade com maior sucesso antes da realização dos exames nacionais é o 12º ano, com 88,5%. Com Sucesso Pleno 10º Ano (%) Com Sucesso Pleno 11º Ano (%) , ,96 10º H1 37,04 10º H2 50,00 10º T1 48,00 10º T2 46,15 10º T º H1 61,29 11º T1 53,85 11º T2 66,67 11º T3 48,28 11º T4 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 8

9 Com Sucesso Pleno 12º Ano (%) ,25 76,00 84,62 100,00 96,15 Sucesso Pleno no Ensino Secundário (%) 88,5% 48,9% 62,9% 10º Ano 11º Ano 12º Ano 0 12º E1 12º H1 12º T1 12º T2 12º T3 ANO DE ESCOLARIDADE Taxa de Sucesso Pleno Antes de Exames 10º 48,85% 11º 64,28% 12º 88,52% Ensino Secundário 66,2% Podemos concluir que neste ciclo de estudos a taxa de sucesso pleno vai crescendo ao longo do ciclo mas continua a ser necessário ter atenção a este indicador sobretudo no 10º ano. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 9

10 1.5- Ensino profissional TURMAS INSCRITOS TRANSFERIDOS ANULARAM MATRÍCULA 1º ANO EXCLUIRAM POR FALTAS EFETIVOS SEM MÓDULOS EM ATRASO DO ANO COM MÓDULOS EM ATRASO TAXA DE SUCESSO PLENO 2011/2012 (%) 10ºPINF % 10ºPG 24 1 (M. Curso) % 10ºPAP % 10ºPDG ,1% 10ºPQA % 10ºPAGD 23 1 (M. Curso) % TURMAS INSCRITOS TRANSFERIDOS ANULARAM MATRÍCULA 2º ANO EXCLUIRAM POR FALTAS EFETIVOS SEM MÓDULOS EM ATRASO DO ANO COM MÓDULOS EM ATRASO TAXA DE SUCESSO PLENO 2011/2012 (%) 11ºPINF ,75% 11ºPG % 11ºPAP % 11ºPDG ,28% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 10

11 TURMAS INSCRITOS TRANSFERIDOS ANULARAM MATRÍCULA EXCLUIRAM POR FALTAS 3º ANO EFETIVOS QUE TERMINARAM SEM MÓDULOS EM ATRASO COM MÓDULOS EM ATRASO TAXA DE SUCESSO PLENO 2011/2012 (%) 12ºPINF ,7% 12ºPG % 12ºPAP % 12ºPDG ,2% Taxa de Sucesso Pleno no 1º Ano (%) 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% 50,0% 46,2% 10º PINF 57,1% 10º PG 10º PDG 40,0% 20,0% 23,8% 10º PQA 10º PAGD 10º PAP Taxa de Sucesso Pleno no 2º Ano (%) 69,2% 77,8% 80,0% 60,0% 40,0% 18,8% 14,3% 20,0% 0,0% 11º PINF 11º PG 11º PAP 11º PDG Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 11

12 Taxa de sucesso pleno 3º ano 100,00% 94% 80,00% 69,20% 60,00% 40,00% 20,00% 36,70% 33% 0,00% 12ºPINF 12ºPG 12ºPAP 12ºPDG TAXA DE SUCESSO PLENO DOS CURSOS PROFISSIONAIS 10º 39.5% 11º 45.0 % 12º 58,2 % Total Ensino Profissional 47,57 % A taxa de sucesso pleno considera os alunos dos cursos profissionais que concluíram o ano de frequência sem quaisquer módulos em atraso. Considerando que a frequência destes curso é modular e que estes alunos, para além das provas prestadas no final de cada módulo, já beneficiaram de uma prova extra, este indicador situa-se em níveis abaixo do espectável. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 12

13 1.6- Avaliação externa TAXA DE SUCESSO NAS PROVAS FINAIS DE 3º CICLO Disciplina de Prova Final de Ciclo Total Inscritos Taxa de sucesso no exame da disciplina ( % classificações positivas) Meta a atingir para 2011/2012 Taxa de aprovação na disciplina após exame Taxa de aprovação no ano, dos alunos inscritos para exame Língua Portuguesa ,5% 63% 85,2 88,2 Matemática ,1% 39% 71,2 88,2 Tendo em conta a percentagem delineada para este ano letivo, e considerando os resultados obtidos pelos alunos de 9º ano nas provas finais de ciclo, verifica-se que em Língua Portuguesa a meta não foi atingida embora a percentagem de alunos que obteve positiva no exame tenha sido superior à de matemática. Em Matemática a meta delineada foi atingida. Contudo, as médias dos exames das disciplinas sujeitas a exame nacional situam-se ainda em níveis negativos (2,09 em Português e 1,98 em Matemática.) Os valores das classificações dos exames que determinam o cálculo do indicador de eficiência educativa originou a inexistência de crédito horário para o próximo ano letivo. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 13

14 TAXA DE SUCESSO NOS EXAMES NACIONAIS Disciplina de Exame Ensino Secundário 1ª Fase Total Inscritos Total Internos % Sucesso Internos no exame Meta a atingir para 2011/2012 Taxa de aprovação na disciplina após exame CIF Média de exame Desvio entre exames e CIF (em valores) Filosofia ,7% 86, ,1 Geografia A % 100% ,9 Francês Cont % 100% ,2 MACS ,3% 100% ,5 F.Q. A % 61,5% ,8 Bio./ Geologia % 77,3% ,4 Matemática A % 67% 79,6% ,1 Português ,4% 56% 94,5% ,4 PLNM (839) % 100% ,6 História A % 94,4% ,6 Geometria descritiva A % 100% ,5 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 14

15 No que diz respeito aos exames nacionais do ensino secundário, verificou-se um desvio positivo de 4,4% a Português e de 17% negativo a Matemática A. Tal significa que nesta disciplina não foi atingida a meta delineada no programa 2015 para este ano letivo. Para as 11 disciplinas sujeitas a exame nacional verifica-se que em cinco delas (45%) as médias de exame são negativas havendo uma discrepância de 5,8 a 3,1 valores entre a média das classificações internas e a média dos exames. É urgente alterar estes resultados. 1- Indisciplina Antes de serem apresentados os dados relativos à indisciplina é oportuno referir que, de acordo com os procedimentos definidos na escola, é objeto de participação qualquer ocorrência que implique uma medida corretiva superior à advertência. Assim, no âmbito da intervenção do gabinete de indisciplina, os dados apresentados referem-se a todas as ocorrências participadas nos termos estabelecidos no Regulamento Interno. Metas do PEE Diminuir anualmente os níveis de indisciplina em 10%. Metas para 2011/ Ocorrências com 45 processos disciplinares Ocorrências disciplinares Processos disciplinares Os resultados que se apresentam seguidamente resultaram do trabalho elaborado pela coordenadora do serviço de tutorias na vertente da indisciplina. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 15

16 QUADROS COMPARATIVOS 2009/ / /2012 Total Ocorrências 2009/2010 Total Ocorrências 2010/2011 Total Ocorrências 2011/ Pode constatar-se que houve uma diminuição significativa do número de ocorrências disciplinares no ano letivo 2011/2012 o que leva a concluir que tem sido eficaz o funcionamento do gabinete de indisciplina e a sua articulação com os restantes serviços técnico pedagógicos. No corrente ano letivo, a meta definida foi claramente ultrapassada, Verificou-se uma diminuição de 33% no número de ocorrências disciplinares e de 13% nos processos disciplinares. Do total das ocorrências no presente ano letivo, verifica-se que 239 correspondem ao ensino básico e 67 ao ensino secundário. Podemos concluir que os problemas disciplinares se situam, sobretudo no ensino básico. Esta tendência tem vindo a verificar-se ao longo dos três anos em que tem sido monitorizado o funcionamento do gabinete de indisciplina. Ocorrências disciplinares ensino secundário 22% Ensino básico 78% Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 16

17 2011/2012 Ocorrências Processos Disciplinares 1º Período º Período º Período 41 6 Totais de ocorrências por ano/turma do ensino básico: Ensino Básico 7º 8º 9º 1º 2º 3º Total 1º 2º 3º Total 1º 2º 3º Total A B C D E F G N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A Totais Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 17

18 Constata-se que no ensino básico o ano em que existem mais participações disciplinares é claramente o 7º ano. Cremos que a explicação para este facto se prende com a existência da entrada neste ano de escolaridade de grande número de alunos oriundos de outras escolas. Estes alunos não assumem desde logo as regras da escola. Esta situação traduz-se num maior número de casos de indisciplina que ao longo do ciclo vai diminuindo em resultado da atuação da escola e da assunção e interiorização das regras e procedimentos definidos no Regulamento Interno. Também se verifica uma tendência para diminuir o número de participações ao longo do ano. O número de participações disciplinares decresce do 1º para o 3º período em todos os anos de escolaridade. A mesma situação se verifica no ensino secundário. Verifica-se que o tipo de comportamento que leva à existência de participação disciplinares continua ser maioritariamente perturbação sistemática de aulas, desrespeito para com as ordens dos professores e recurso a linguagem imprópria. Contudo, existe um aspeto a não descurar relativamente aos processos disciplinares instaurados que ocorreram por factos considerados muito graves nomeadamente agressões.. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 18

19 2- Apoios educativos Apoio Pedagógico Acrescido DISCIPLINAS Turma Inglês L. Portuguesa Matemática Francês C. Naturais Apoios atribuí dos com nível <3 com nível >3 Taxa de sucesso Apoios atribuí dos com nível <3 com nível >3 Taxa de sucesso Apoios atribuí dos com nível <3 com nível >3 Taxa de sucesso Apoios atribuí dos com nível <3 com nível >3 Taxa de sucesso Apoios atribuí dos com nível <3 com nível >3 Taxa de sucesso 7ºano ,2% ,2% ,2% % % 8ºano ,4% % ,3% % ºano % ,3% ,7% Pela análise do quadro, verifica-se que a taxa de sucesso dos apoios pedagógicos atribuídos é baixa. Será necessário repensar este tipo de apoio bem como os critérios para a sua atribuição. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 19

20 3- Atividades do PAA 4- Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica Totais Total realizado Atividades Previstas Realizadas Não realizadas Ativ. não previstas Realizadas Grau de consecução dos objetivos Não atingidos Atingidos Superado Estruturas de Coordenação Educativa, Supervisão Pedagógica e Serviços Técnico Pegagógicos Total de atividades previstas e atividades realizadas totais Total do grau de consecução dos objetivos totais diferença realizadas previstas 100 previstas realizadas diferença previstas realizadas diferença 0 Relatório de autoavaliação 2011/2012 atingidos superados totais totais Página 20 totais

21 Total de atividades previstas / realizadas por cada estrutura Líng Mat.CEx CSH Expr CNO CDT SPO PES BE TOC GPC p Previstas Realizadas Breve avaliação Descritiva Avaliação quantitativa das atividades de atividades previstas: 139 Taxa de realização: 94% de atividades realizadas: 151 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 21

22 de atividades não previstas e realizadas: 12 Avaliação qualitativa das atividades PAA estruturas pedagógicas (fonte: relatório de avaliação final de PAA elaborado por cada um dos responsáveis pelas atividades) A consecução dos objetivos foi atingida em todas as atividades propostas pelas diferentes estruturas, tendo mesmo alguns deles sido superados, encontrando-se devidamente justificados, de acordo com as evidências apresentadas tendo por base as metas/objetivos do PEE. Das 139 atividades inicialmente previstas no PAA das estruturas não se realizaram 8 (5,75%) O que conduz a uma taxa de realização de 94%. No entanto, é de salientar a realização de 12 atividades que não estavam previstas. As atividades que inicialmente não estavam prevista realizaram-se com o objetivo de: - dar respostas a necessidades da escola ou a desafios da comunidade educativa; - substituir outras que não se realizaram (maioria por impedimento das entidades contatadas). Muitas atividades funcionaram como reforço a aprendizagens curriculares, contribuíram para uma forte ligação da escola à comunidade, quer trazendo à escola entidades e organismos, quer projetando a escola no exterior, o que vai ao encontro às metas do PEE. Todas as estruturas, duma forma geral, referem que a maioria das atividades desenvolvidas se deve manter em futuros PAAs. Foi no 2ºPeríodo que se realizou o maior número de atividades em resultado (também) dos Mundos da Nossa Escola, cumprindo-se assim as indicações emanadas da Direção e aprovadas em Conselho Pedagógico. A maioria das estruturas concentrou a realização das atividades nos dias previstos para a iniciativa Mundos da Nossa Escola, contudo verifica-se que ainda existe um número significativo de atividades que se realizaram fora deste período. - o balanço PAA foi bastante positivo. Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 22

23 5-Visitas de estudo 5- Visitas de Estudo. Deslocações internacionais 1ºPeríodo 2ºPeríodo 3ºPeríodo visitas visitas Deslocação internacional visitas Deslocação internacional total Total Visitas 2011/2012 comparativamente a Diferença totais 2010/11 e 2011/ diferença Relatório de autoavaliação visitas 2011/2012 internaci realizadas Página 23 onal

24 Relativamente às visitas de estudo, efetuaram-se 85 visitas e 2 deslocações internacionais: Comboio dos 1000 (Bruxelas. Polónia) e concurso entre palavras (Bruxelas), no total de 87 saídas que envolveram alunos e professores em atividades devidamente aprovadas pela escola. No ano letivo o número de visitas de estudo foi 104, registando-se 85 no ano letivo , menos 19 visitas relativamente ao período anterior (-16,35%). Neste ano letivo as visitas foram na sua maioria realizadas na zona do Concelho de Seixal, em transporte público ou transporte cedido pela CMSeixal, mais do que em transportes que envolvessem custos para os alunos ou escola. Pela análise efectuada verificou-se que a maioria das visitas de estudo foi realizada por alunos do ensino secundário e cursos profissionais, durante o 2º Período. De um modo geral todas as visitas de estudo decorreram dentro das normas estabelecidas, um número substancial dos professores responsáveis pelas visitas de estudo cumpriu com os prazos definidos no regulamento, que se traduz pela entrega dos documentos (seguro, planificação) dentro do tempo estipulado e posterior envio do relatório. Conclui-se que: - as visitas de estudo são uma prática bastante utilizada como complemento aos conhecimentos previstos nos conteúdos programáticos, que assim se tornam mais significativos, uma vez que constituem, em si, situações de aprendizagem que favorecem a aquisição de conhecimentos, proporcionam o desenvolvimento de técnicas de trabalho e facilitam a sociabilidade, promovendo a interligação entre a teoria e a prática. Torre da Marinha, 3 de setembro de 2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 24

25 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 25

Colégio da Imaculada Conceição

Colégio da Imaculada Conceição AVALIAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO 2014/15 Resultados da avaliação (taxas de não transição/ não conclusão, em percentagem) Proposta do PDC Ano 09/10* 10/11* 11/12* 12/13 13/14 14/15 5.º

Leia mais

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Equipa de Avaliação Interna Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Ano letivo 2012/2013 novembro 2012 1. INTRODUÇÃO Para a elaboração deste relatório foram considerados os dados disponibilizados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO 1º CICLO PROVAS FINAIS - 1ª FASE 19/05/2014 21/05/2014 Português (Código 41) Português (Código 31) Prova Oral - 12h* Matemática (Código 42) Matemática (Código 32) PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 1ª

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES AUTOAVALIAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES 2008/09 20/ BREVE CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA- dados estatísticos SÍNTESE DE RESULTADOS ESCOLARES Gabinete de Formação, Autoavaliação

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015 Avaliação Interna do Agrupamento Relatório 2015 RAIA Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 04 de setembro de 2015 Página 1 de 39 "A autoavaliação é um processo que pode ser

Leia mais

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS OFERTA DO COLÉGIO (2010/2011) CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior. Têm a duração de 3 anos de escolaridade. Conferem um diploma de conclusão do

Leia mais

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. RESULTADOS ESCOLARES 1.1 Taxa de sucesso global 1.2 Taxa de alunos sobreviventes 1.3 Taxa de sucesso / ciclo de ensino 2. APROVEITAMENTO MÉDIO

Leia mais

(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico 2 0 3.

(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico 2 0 3. A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1

Leia mais

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 20 julho 2012 É no diálogo entre perspectivas internas e externas que as instituições se desenvolvem e melhoram. Também a avaliação da

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI

UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI UM PROJECTO EDUCATIVO A PENSAR EM SI ESLA Cursos Científico Humanísticos Alunos que, tendo concluído o 9º ano de escolaridade pretendam prosseguimento de estudos para o ensino superior. 3 anos lectivos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas Agrupamento de Escolas de Alfena Projeto Educativo 2012/2015 Avaliação da concretização das metas Conselho Pedagógico de 15 de outubro de 2014 1 Metas do Projeto Educativo Meta 1: Manter a taxa de sucesso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011

Escola Secundária do Padrão da Légua. Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo 2010/2011 Escola Secundária do Padrão da Légua Gabinete de Inclusão Escolar Ano Lectivo / Relatório trimestral º Período Dando cumprimento ao estipulado no ponto. do º artigo do Regulamento Interno, o Gabinete de

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

Relatório da avaliação do PE

Relatório da avaliação do PE A comissão ad-hoc do conselho geral do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra, constituída pelas professoras Aldina Lobo, Ana Isabel Araújo, Elisabete Rodrigues, Fátima Saraiva, Leonor Henriques e

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Português (41) Português Matemática (42) Estudo do Meio (22) (Prova escrita 60 minutos) Expressões Artísticas (23) 90 minutos)

Leia mais

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS LÍNGUAS E HUMANIDADES CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS A

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Cursos Científico-Humanísticos OFERTA EDUCATIVA 2012/2013 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 ESCLARECIMENTOS PARA DIRETORES DE TURMA E ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO (11º e 12º anos dos cursos científico-humanísticos e 12º ano dos

Leia mais

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Abril de 2015 Júri Nacional de Exames Ordem de Trabalhos 2 Provas Finais de Ciclo e de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013-2º PERÍODO Abril de 2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Mantendo uma estrutura idêntica à do documento

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2014/2015-3º PERÍODO Julho de 2015 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Neste documento é feita uma análise retrospetiva

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Através do Programa Educação 2015, o Ministério da Educação lançou um desafio às escolas no sentido de cada

Leia mais

Escola Secundária Daniel Sampaio, 2007-2008 Análise Interna

Escola Secundária Daniel Sampaio, 2007-2008 Análise Interna Escola Secundária Daniel Sampaio, 20072008 Análise Interna Quadro 1 Matemática A 635 Port. B 639 Mat.B 735 Int.Econ /Econ.A 712 Geografia/ Geog.A 719 Biologia e Geologia 702 Física e Química A 715 MACS

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES A atribuição das menções de excelência e prémios escolares tem por objetivo incentivar a responsabilidade dos alunos na sua própria

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de 2013 1 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão

Leia mais

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012 DECRETO-LEI N.º 50/2011 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 244/2011 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 1942/2012 [CALENDÁRIO DE EXAMES] NORMA 01/JNE/2012 [INSTRUÇÕES PARA A INSCRIÇÃO] E X A M E S N A C I O N A

Leia mais

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO GUIÃO DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (Despacho N.º 220/97, de 4 de Agosto), avaliar o processo e os efeitos, implica tomar consciência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 10º ano 2015-16 5% Oralidade e Educação Literária Leitura e Educação Literária Escrita e Educação Literária Educação Literária Gramática

Leia mais

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 1 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 2006/2011 2 3 INTRODUÇÃO 4 SUMÁRIO 5 A EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12º ANO MÉDIAS POR ESCOLA 11 ANÁLISE

Leia mais

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Escola Secundária com 3 o Ciclo HENRIQUE MEDINA 401882 SÍNTESE Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina Esposende Outubro, 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 RESPOSTA DA EQUIPA DE AVALIAÇÃO AO CONTRADITÓRIO APRESENTADO PELA ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS, PÓVOA DE VARZIM Análise do Contraditório Analisado o contraditório

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA

CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA CONSIDERACÕES INICIAIS 1 A avaliação deve ser entendida como uma prática e uma construção social que só faz real sentido

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014

Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014 Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014 Alunos colocados na 1ª opção de candidatura ao ensino superior

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

JNE/2011 Página 1 de 24

JNE/2011 Página 1 de 24 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO 211 81 Alemão (continuação -bienal) 9 8 7 6 5 4 3 2 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 11 12 13 14 15 16 17 18 19 2 211 / 35 33 2 161 6 74 27 18 21 / 38 29 9 168 3 118 26 174 29

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA

CONTRATO DE AUTONOMIA CONTRATO DE AUTONOMIA PREÂMBULO O Decreto-Lei N.º 75/2008, alterado pelo Decreto-Lei N.º 137/2012, define autonomia como: ( ) a faculdade reconhecida ao agrupamento de escolas ou à escola não agrupada

Leia mais

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar...

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar... Anexos ÍNDICE Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2 Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2 Alunos por escalão da Ação Social Escolar... 2 Alunos com Necessidades Educativas Especiais... 3

Leia mais

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES INSCRIÇÕES - Ensino Secundário EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 1. INFORMAÇÕES Os exames finais nacionais têm lugar em duas fases a ocorrerem

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

Departamentoento Curricular de Matemática e. Ciências Experimentais. avaliação interna e externa do

Departamentoento Curricular de Matemática e. Ciências Experimentais. avaliação interna e externa do Departamentoento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais Relatório de análise dos resultados da avaliação interna e externa do departamento, no ano letivo 2012-2013 Coordenadora ra de Departamento,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 7 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 8 MODALIDADES DE AVALIAÇÃO 8 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 10 SUPORTE LEGISLATIVO 10 AVALIAÇÃO NO ENSINO BÁSICO 11 EFEITOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO Ano Lectivo 2009/2010 OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES Portefólio de Avaliação Sumativa Interna/ Externa De nada vale pensar, é preciso reflectir primeiro! (Pierre

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 2010-2013 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE

ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 2010-2013 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 200-203 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3 2. PRINCÍPIOS ORIENTADORES LINHAS DE ACTUAÇÃO 4 3. ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

Leia mais

Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação

Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde 2012-2013 Natureza dos Cursos Cientifico-humanísticos Cursos vocacionados

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA Uma escola de todos Para todos Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras! SPO Serviço de Psicologia e Orientação 9.º ANO e agora? Cursos Científico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais